Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias COCAMAR II: Fazenda de cana em Porecatu inova com integração pecuária-floresta

 

 

cabecalho informe

COCAMAR II: Fazenda de cana em Porecatu inova com integração pecuária-floresta

 

A produção de cana-de-açúcar é, por tradição, a base da Fazenda Candiolinda, em Porecatu, norte do Paraná, que o Rally Cocamar de Produtividade foi conhecer no dia 8 de outubro. De seus 911 hectares, quase a metade é ocupada por essa cultura.

 

Reminiscências - Desbravada na década de 1940, a propriedade conserva inúmeras construções dos tempos do café, quando chegou a empregar mais de 80 famílias de trabalhadores. A capela, onde ainda é celebrada mensalmente a missa, se eleva entre o bem conservado casario de paredes amarelas. 

 

História - Pertencente a quatro mulheres – Maria Virgínia e suas filhas Ana Thereza, Ana Beatriz e Ana Cândida – a Candiolinda não apenas é parte da história da região como se propõe a escrever uma nova história. 

 

IPF - Com visão empreendedora, as proprietárias têm investido em um programa de diversificação de negócios. Há seis anos, elas inovaram ao implantar a integração pecuária-floresta (IPF) com o cultivo de eucaliptos em 47 hectares de pastagens. No total, a pecuária soma 100 hectares e o foco é a produção de bezerros a partir do cruzamento industrial de nelore com angus. 

 

Soja - A cana também impera em outra propriedade da família, a Fazenda Retiro, de 540 hectares, onde a soja começou há cinco anos a fazer parte da receita, cultivada nesta safra em 133 hectares de plantio direto sobre palhada de capim braquiária. 

 

No comando - A gestão, no dia a dia, está à cargo de Ana Thereza, engenheira agrônoma, e Ana Beatriz, médica-veterinária. Coube à outra irmã, Ana Cândida – que trabalha em indústria química  – a tarefa de modernizar a estrutura administrativa e financeira, implantando controles mais modernos. A família conta com a assessoria técnica do engenheiro agrônomo Henrique Lopes Moimo, da empresa Unisafe de Londrina. 

 

Afinidade - “Sempre gostamos da agropecuária, é o nosso mundo desde crianças”, afirma Ana Thereza. Elas assumiram efetivamente a fazenda em 2012, mas há pelo menos duas décadas as irmãs, com o acompanhamento da mãe, começaram a se envolver na gestão. Atualmente, enquanto Ana Thereza responde pela parte agrícola, Ana Beatriz, que por anos trabalhou como instrutora do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) é quem cuida da pecuária. 

 

Melhorar sempre - Uma das atribuições do engenheiro agrônomo contratado é elaborar um planejamento que vai sendo seguido e avaliado pelas proprietárias. “Estamos sempre pensando onde melhorar, como racionalizar custos e a projetar novos negócios”, afirma Ana Thereza. Líder de classe, ela está à frente do Sindicato Rural Patronal de Porecatu e, em nível estadual, é vice-presidente do Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Etanol do Estado do Paraná (Consecana). 

 

Cocamar - Ao lado da irmã, ela diz ter ficado satisfeita com a chegada da Cocamar à região. Em 2018, a cooperativa absorveu estruturas da Cofercatu e, com isso, a unidade de recebimento em Florestópólis, vizinha a Porecatu, fica praticamente nos fundos da Fazenda Retiro, onde produzem soja. O gerente Sérgio Lemos e o engenheiro agrônomo Elton Oliveira da Silva, da cooperativa, prestam atendimento à família. 

 

Cooperativistas - Ana Beatriz conta que a família sempre cultivou a mentalidade cooperativista e, além da Cocamar, elas também são associadas da cooperativa de crédito Sicredi. 

 

Diferencial - A integração pecuária-floresta (IPF) é um diferencial e também um cartão de visitas da Fazenda Candiolinda na região. A ideia começou a nascer em 2014 após um contato de Ana Beatriz com o engenheiro agrônomo Renato Watanabe, da Cocamar, atual gerente executivo técnico e na época responsável pelo sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) na cooperativa. “Na época, Porecatu ainda estava fora da região da Cocamar mas decidimos que seria oportuno investir nesse projeto”, relata a médica-veterinária. 

 

Proteção - Segundo ela, o sistema silvipastoril tem ajudado a aplacar os efeitos dos veranicos, com o seu sombreamento, mantendo o solo mais fresco e úmido, além de as árvores conterem os ventos fortes, que também secam o solo. “Nós tratamos pastagem como agricultura”, pontua Ana Beatriz, explicando que os pastos são as áreas mais férteis da fazenda.   

 

Conforto - Os 47 hectares de integração, com muitas árvores, trazem conforto térmico para os animais e acabam refrescando o ambiente na sede da fazenda, ao lado. 

 

Animais - Os bezerros são desmamados aos oito meses com os machos pesando de 240 a 230 quilos e as fêmeas entre 230 a 220 quilos, fornecidos a um comprador habitual.  

 

Rally - O Rally Cocamar de Produtividade é um projeto de valorização das boas práticas agrícolas, que conta com a participação de Spraytec, Basf, Sicredi União PR/SP e Zacarias Chevrolet (patrocinadores masters), Elanco, Altofós Suplemento Mineral Cocamar, Cocamar TRR, Texaco Lubrificantes e Sancor Seguros (patrocinadores institucionais), Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), Aprosoja/PR e Unicampo (apoiadores). (Imprensa Cocamar)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias