cabecalho informe

GUERRA COMERCIAL: China quer remoção de tarifas para comprar US$ 50 bi em produtos agrícolas

guerra comercial 16 10 2019A China terá dificuldades para comprar US$ 50 bilhões em produtos agrícolas americanos anualmente, a menos que os EUA removam tarifas retaliatórias, e isso exigiria uma ação recíproca do presidente Donald Trump, disseram pessoas familiarizadas com o assunto à agência de notícias “Bloomberg”.

Disposta - Pequim está disposta a começar a comprar mais produtos agrícolas dos EUA como parte da "primeira fase" do acordo comercial, mas não é provável que atinja os US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões anunciados por Trump nas circunstâncias atuais, disseram as fontes. As pessoas pediram para não serem identificadas, pois estão em negociações privadas.

Distância - A situação mostra a distância entre Washington e Pequim, mesmo depois de chegar ao acordo divulgado pelos EUA na semana passada. Washington havia dito que a China, que importou cerca de US$ 20 bilhões em produtos agrícolas dos EUA em 2017, concordou em fazer grandes compras agrícolas em troca de alívio nas próximas tarifas. A posição de Pequim torna o acordo mais complexo do que o inicialmente descrito. Os índices futuros dos EUA reduziram os ganhos e o iene estendeu um avanço com a notícia, à medida que o otimismo dos investidores diminuía sobre as perspectivas de um acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Gastos - Sob os termos do acordo comercial parcial, os gastos chineses em produtos agrícolas dos EUA subirão para um valor anual de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões em dois anos, disse o secretário do Tesouro Steven Mnuchin. No passado, Pequim concedeu isenções para que suas empresas possam comprar produtos agrícolas dos EUA sem pagar tarifas chinesas. Isso poderia ser feito novamente para iniciar as compras, disseram as fontes. No entanto, as renúncias são consideradas impraticáveis para volumes de até US$ 50 bilhões por ano, disse uma das pessoas.

Aquisições - As empresas chinesas compraram produtos agrícolas dos EUA, incluindo 20 milhões de toneladas de soja e 700.000 toneladas de carne suína até agora este ano e vão acelerar suas compras, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang na terça-feira. Questionado sobre a “primeira fase” do acordo comercial, ele disse que o que os EUA disseram está “exato” e que os americanos e os chineses têm o mesmo entendimento da situação.

Acordo - Os dois lados estão trabalhando para um acordo que pode ser assinado na cúpula de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico no próximo mês, no Chile. A China quer novas negociações até o final de outubro para definir os detalhes do acordo, disseram fontes mais cedo à “Bloomberg”. Mnuchin também disse à CNBC que espera que as autoridades trabalhem nas próximas semanas para preparar a primeira etapa para os dois lados assinarem. Se isso não ocorrer, novas taxas de importação dos EUA sobre produtos chineses serão impostas a partir de 15 de dezembro, disse ele.

Variedade de itens - A China está considerando comprar uma ampla variedade de itens para aumentar as importações, incluindo soja, cereais, algodão, etanol, fertilizantes, suco, café e carne, disseram as fontes, e também pode retirar barreiras aos destiladores de grãos secos e remover uma proibição de importação de frango. Máquinas, madeira e pesticidas também podem ser adicionados na lista, disseram as fontes, que acrescentaram que essas compras valeriam mais de US$ 40 bilhões. As fontes disseram, contudo, que a China não decidiu valores específicos para os itens.

Resposta - O Ministério do Comércio da China não respondeu imediatamente a um questionamento da “Bloomberg”, solicitando comentários sobre possíveis compras agrícolas dos EUA para esta reportagem.

Tarifas - Pequim adotou robustas tarifas antidumping e contra subsídios sobre os grãos secos dos destiladores dos EUA, um subproduto da produção de etanol de milho usado na alimentação animal, em 2017. A redução das tarifas dos grãos secos dos destiladores permitiria à China, o maior comprador do mundo, retomar as compras do principal fornecedor, em uma transação que já valeu no passado US$ 2 bilhões antes de cair para quase zero. A China também possui tarifas retaliatórias em produtos como soja, milho e porco dos EUA. (Valor Econômico)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias