FMI II: Crescimento mundial é o menor desde 2009

fmai II destaque 16 10 2019A economia mundial segue em desaceleração e caminha para ter o pior desempenho anual desde a crise financeira de 2009. A guerra comercial entre EUA e China, com efeitos nocivos sobre o volume do comércio internacional, confiança e investimentos, é um dos principais motivos para o enfraquecimento econômico, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).

PIB global - Segundo o relatório Panorama Econômico Mundial, divulgado nesta terça-feira (15/10) na reunião anual do FMI, o PIB global deve crescer 3% neste ano, projeção 0,2 ponto percentual menor que a anterior, de julho. Para 2020, espera-se expansão de 3,4%, ante 3,5% em julho. Essas taxas representam uma desaceleração significativa da atividade em relação a 2018, quando houve avanço de 3,6% do PIB mundial.

Per capita - A projeção de expansão do PIB per capita para mais da metade dos países é menor que a média dos últimos 25 anos. Esse cenário vale tanto para países desenvolvidos como emergentes, embora o segundo grupo tenha desaceleração mais forte – em especial Brasil, China, Índia, México e Rússia.

Economias desenvolvidas e emergentes - Segundo o FMI, as economias desenvolvidas devem crescer 1,7% neste ano, 0,2 ponto abaixo da projeção de julho. Para 2020, a projeção foi mantida em 1,7%. Já os países emergentes devem crescer 3,9% em 2019 (ante 4,1% no cenário de julho) e 4,6% em 2020, abaixo dos 4,7% da estimativa anterior.

Precária - “A perspectiva global segue precária, com uma desaceleração sincronizada e recuperação incerta”, disse a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath. “Não há espaço para políticas erradas e há a necessidade urgente de que as autoridades deem apoio ao crescimento.”

Sistema de comércio - Gopinath alertou que o sistema global de comércio precisa ser aprimorado, não abandonado. “Países precisam trabalhar juntos porque o multilateralismo continua sendo a única solução para combater as principais questões, como os riscos das mudanças climáticas, riscos de segurança cibernética, taxas de evasão e as oportunidades e desafios das tecnologias financeiras emergentes.”

Guerra comercial - Segundo Gopinath, a guerra comercial entre EUA e China pode tirar cerca de 0,8 ponto percentual do PIB mundial, de forma cumulativa, até 2020. Um dos efeitos do aumento de tarifas dos EUA e da retaliação da China é a redução do crescimento do comércio mundial: o FMI cortou de 2,5% para 1,1% a projeção para a expansão do comércio em 2019, o que seria a menor taxa desde 2012. Para o próximo ano, a projeção também foi reduzida, de 3,7% para 3,2%.

Contraponto - O que tem sido um contraponto aos efeitos negativos da guerra comercial é a atuação dos principais bancos centrais. “A política monetária tem um importante papel em dar apoio ao crescimento”, diz Gopinath. “Sem os estímulos monetários dos BCs, o crescimento global seria menor em 0,5 ponto porcentual neste ano e em 2020.”

Alerta - Mas ela alerta que a política monetária não deve ser o único suporte. Onde houver espaço, diz, é preciso usar também a política fiscal. Ela sugere que países como Alemanha e Holanda devem aproveitar as baixas taxas de juros para investir em capital e infraestrutura social. “Se o crescimento se deteriorar de forma mais severa, uma resposta fiscal coordenada, adequada para as circunstâncias dos países, pode ser necessária.”

Outras fontes de pressão - Além dos efeitos da guerra comercial, o FMI vê também outras fontes de pressão sobre a economia global: a forte queda da produção e venda da indústria automobilística, de 3% em 2018; e a desaceleração da demanda da China.

China e EUA - A China deve crescer 6,1% neste ano, segundo o FMI, projeção 0,1 ponto inferior à de julho. Para 2020, a expectativa é de crescimento de 5,8%, abaixo dos 6% estimados antes. Já para os EUA, o FMI revisou de 2,6% para 2,4% o crescimento em 2019, mas elevou a estimativa de 1,9% para 2,1% em 2020. Ainda assim, o cenário do FMI contempla uma clara desaceleração em relação aos 2,9% de 2018.

Riscos - Os riscos para os cenários traçados pelo FMI apontam para um crescimento ainda menor do que o projetado. Embora a recente flexibilização monetária pelos BCs possa aquecer a demanda mais do que se espera, especialmente se os piores efeitos da guerra comercial e do Brexit forem evitados, o risco de rebaixamento domina o cenário.

Pequeno grupo - Isso porque, segundo o FMI, cerca de 70% do crescimento previsto para 2020 vêm de um pequeno grupo de países emergentes que estão tendo uma performance pior em relação à média dos últimos anos - como Brasil, México e Rússia - ou estão sob tensão - caso da Argentina, Turquia, Irã e Venezuela. Se houver alguma frustração no desempenho desses países, então o crescimento global ficará abaixo do que está sendo previsto.

Abrandamento - Segundo Gopinath, a expectativa é que as tensões comerciais se abrandem. Mas o FMI alerta que “se as tensões nessas áreas se intensificarem, o prejuízo para os investimentos pode se aprofundar e pode haver um deslocamento da cadeia de suprimentos global, assim como uma redução da grande oferta de tecnologia.” (Valor Econômico)

fmai II 16 10 2019

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn