Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias TRANSPORTE: Ferroeste amplia operação e fecha quadrimestre com resultado recorde

 

 

cabecalho informe

TRANSPORTE: Ferroeste amplia operação e fecha quadrimestre com resultado recorde

transporte 27 05 2020A Ferroeste (Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A.), estatal que opera a malha ferroviária entre Cascavel a Guarapuava, registrou ampliação da capacidade de escoamento da safra de grãos e de produtos industrializados e encerrou o primeiro quadrimestre de 2020 com lucro de R$ 1,66 milhão. É o maior resultado da história da empresa para o período, alcançado mesmo durante a pandemia do novo coronavírus. O crescimento foi de 180% em relação aos quatro primeiros meses do ano passado.

Operação conjunta - Os números foram influenciados pela consolidação da operação conjunta com a Rumo Logística no trecho do Oeste ao Centro-Sul. O acordo comercial firmado em fevereiro possibilitou a ampliação da capacidade de escoamento, medida que beneficiou todo o setor produtivo. Na prática, a parceria Ferroeste/Rumo opera com até 10 trens por dia, o dobro da logística anterior.

Importância do modal - “O desempenho altamente positivo da Ferroeste é uma demonstração da importância do modal dentro da estratégia de ampliar e aprimorar a infraestrutura e a logística do Paraná. O acordo com a Rumo foi fundamental para a cadeia produtiva”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Melhor resultado mensal- O melhor resultado mensal foi em fevereiro, com lucro na casa de R$ 1,021 milhão. Em março foram alcançados cerca de R$ 311 mil; em abril, R$ 207 mil; e em janeiro R$ 128 mil. O faturamento bruto da Ferroeste foi de R$ 10,5 milhões no período.

Movimentação - A Ferroeste alcançou esse desempenho financeiro em paralelo à maior movimentação da sua história em apenas 30 dias (160 mil toneladas transportadas em abril). No quadrimestre, o volume transportado foi de 496,5 mil toneladas, crescimento de 16,7% em relação às 425,4 mil toneladas do ano passado e de 48,5% no comparativo com o primeiro quadrimestre de 2018.

Parceria - “Iniciamos 2020 com uma grande parceria com a iniciativa privada e, mesmo durante a pandemia, contribuímos com os saldos positivos da exportação”, afirmou o secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex. “Tomamos todos os cuidados necessários e o corredor logístico do campo para o Porto de Paranaguá não parou de funcionar, o que ajudou a manter milhares de empregos e a gerar riquezas para o Estado”.

Reestruturação - Os bons índices do primeiro quadrimestre sucedem o resultado de 2019, primeiro ano fechado em que a Ferroeste deu lucro. Desde 1996 (ano em que a operação começou) os resultados financeiros da empresa eram negativos. A marca foi motivada pelo volume expressivo de cargas transportadas no ano passado (1,1 milhão de toneladas), quantidade 41% superior a 2018, com 780 mil toneladas.

Lucro - “A Ferroeste registrou lucro pela primeira em 23 anos em 2019. Também alcançamos mais de 1 milhão de toneladas transportadas e faturamos mais de R$ 30 milhões de maneira inédita. A empresa precisava se reestruturar, diminuir custos e encontrar parcerias para acompanhar a trajetória ascendente do agronegócio e da indústria paranaenses”, explicou André Luiz Gonçalves, diretor-presidente da Ferroeste.

Contexto - Ele destaca que fazem parte desse contexto planejamento estratégico, redução de custos, restruturação da equipe, renegociações com fornecedores, novos acordos judiciais, apoio das cooperativas, atendimento personalizado aos clientes e novas parcerias. “A região Oeste tem um potencial enorme e podemos crescer ainda mais nessa operação. A safra de grãos atingiu recorde histórico nesse ano e as exportações também cresceram. O objetivo é ampliar essa teia”, acrescentou Gonçalves.

Inovações - Fábio Cesário Vieira, diretor administrativo financeiro da Ferroeste, explica que as inovações adotadas internamente foram fundamentais para alcançar a marca em 2019, ano em empresa identificou um teto de capacidade, o que motivo a abertura da parceria com a Rumo.

Capacidade máxima - “Estressamos a operação para movimentar com capacidade máxima no ano passado, mas os altos custos não garantiam segurança na sustentabilidade da operação no curto prazo. Observamos que a empresa só poderia evoluir com parcerias, que deram a base para essa conquista de 2020”, afirmou.

COE - O Contrato de Operações Específicas (COE) assinado entre a Ferroeste e a Rumo permitiu um novo modelo operacional baseado no direito de passagem, fundamental para aumentar a movimentação da carga para atender a região Oeste.

Equilíbrio - “O desafio era equilibrar as nossas operações. Passados três meses alcançamos um grande resultado, e ainda entregamos mais agilidade e qualidade aos clientes”, complementou Vieira. “As previsões indicam manutenção desse crescimento até o fim do ano”.

Próximos passos - Segundo o diretor-presidente da Ferroeste, os resultados positivos são importantes para atrair investidores para a operação logística ferroviária do Estado, que será ampliada nos próximos anos. “Queremos estruturar esse modal que é fundamental para equilibrar o escoamento do Paraná. Os investimentos estão sendo realizados no transporte, no setor portuário e na iniciativa privada. Essa operação será importante para a retomada da economia depois da pandemia”, disse Gonçalves.

Estudo - O Governo do Estado contratou em 2019 o EVTEA-J (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica, Ambiental e Jurídica) dos projetos da Nova Ferrovia (Paranaguá a Maracaju, no Mato Grosso do Sul) e do ramal ferroviário Cascavel a Foz do Iguaçu. O consórcio vencedor passa por análise do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a expectativa é de iniciar os trabalhos no próximo mês.

Edital - A Ferroeste também já começou a construir o edital do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), com expectativa de contratação ainda em 2020 e conclusão no final de 2021.

Terminal Multimodal - O projeto a médio prazo prevê um Terminal Multimodal em Foz do Iguaçu para ser operado inicialmente por via fluvial e rodoviário entre Foz do Iguaçu e Cascavel. O transporte ferroviário entrará num segundo momento, o que concretizará aumento expressivo da movimentação de trens e cargas no Oeste do Paraná, ampliando a geração de emprego e o PIB do Estado.

Maracajú-Paranaguá - O projeto a longo prazo é concretizar a ligação Maracaju-Paranaguá, com a integração do trecho intermodal Foz do Iguaçu-Cascavel. A programação contempla linhas Cascavel-Guarapuava-Litoral, cobrindo uma região estratégica para o País e o continente.

Extensão - A ligação terá 1.000 quilômetros. A ideia é que 50 milhões de toneladas de cargas, entre exportações e importações, sejam transportadas por este ramal.

Ritmo - Mesmo durante a pandemia, o Governo do Estado tomou as precauções necessárias e manteve operações importantes na economia. A Ferroeste e a Portos do Paraná fecharam abril com as maiores movimentações da história das companhias em apenas um mês, chegando a 160 mil toneladas transportadas por ferrovias e 5,5 milhões de toneladas de cargas no setor portuário. Foram 10.194 vagões descarregados em abril em Paranaguá, quase 20% a mais que o mesmo mês do ano passado (8.505).

Acumulado - No acumulado do quadrimestre foram movimentadas mais de 18 milhões de toneladas no setor portuário, 15% a mais do que no mesmo período de 2019, com 15,7 milhões. Foram 11,8 milhões de toneladas apenas de granéis sólidos, 17% a mais que o registrado no ano passado nos primeiros quatro meses. Apenas no complexo soja foram 5,8 milhões, 46% a mais.

Exportações - Segundo dados da Secretaria de Indústria, Comércio Exterior e Serviços, vinculada ao Ministério da Economia, as exportações paranaenses totalizaram US$ 1,46 bilhão em abril de 2020, acréscimo de 5% em relação ao mesmo mês do ano passado. No primeiro quadrimestre, as vendas para o exterior aumentaram 2,6%, motivadas pela safra de verão da soja, que deve atingir mais de 40 milhões de toneladas.

Destinos - As exportações para China (23,7%), Holanda (61,5%), Bangladesch (48,9%) e Japão (10,3%) aumentaram entre janeiro e abril. Os maiores responsáveis por esses resultados foram a soja (32,7%), óleo de soja bruto (70,2%), automóveis (45,2%), carne de frango in natura (3,8%) e açúcar bruto (94,9%). (Agência de Notícias do Paraná)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias