COCAMAR II: Cooperativa passa a ser signatária do Pacto Global

cocamar II 13 07 2020A Cocamar acaba de ingressar na maior rede mundial de sustentabilidade e se tornou signatária do Pacto Global, iniciativa lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000 e que reúne governos, empresas e a sociedade civil organizada. Seu objetivo é discutir o futuro do planeta, potencializar práticas sustentáveis e garantir transparência e visibilidade a instituições comprometidas com os dez princípios e com o progresso da Agenda 2030.  

Interesse - A cooperativa havia manifestado, no início do ano, seu interesse em integrar a rede, quando oficiou correspondência assinada pelo presidente executivo Divanir Higino, acompanhada do formulário de adesão. As práticas sustentáveis e regenerativas que desenvolve haviam sido compiladas em um amplo relatório publicado no final do exercício 2019, com mais de 40 itens, em que demonstrou seu potencial em contribuir.

Diligências - Com base nisso, representantes do Pacto Global promoveram diligências para conhecer o nível de comprometimento da Cocamar em relação aos dez princípios universais das áreas de Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção e com a Agenda Global para o desenvolvimento sustentável – Agenda 2030, aceitando a sua inclusão. Com isso, a cooperativa passou, oficialmente, a ser uma signatária.

Inovação e sustentabilidade- “Somos uma organização que, desde o seu início, há 57 anos, tem a marca da inovação e da sustentabilidade”, frisa o presidente Divanir Higino. Para ele, o ingresso da Cocamar na rede mundial é um reconhecimento aos diferenciais da cooperativa.

ILPF - Algumas das atividades mencionadas no relatório a Cocamar implementa há mais de duas décadas, caso do fomento ao Programa de Integração Lavoura-Pecuária (ILPF), do qual foi uma das pioneiras no país e que levou o governo brasileiro a criar em meados da última década o Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono), que se encontra consolidado. São mais de 250 mil hectares em formatos integrados nas regiões atendidas pela cooperativa, nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, garantindo uma produção mais sustentável de grãos e carnes.

Solo - O manejo adequado do solo é outro programa implementado de longa data com a finalidade de orientar os produtores cooperados na adoção das melhores práticas conservacionistas. Nesse sentido, são mantidas parcerias com a Embrapa e universidades, entre outras instituições. Ainda nessa linha, para proteger e reestruturar o solo, a cooperativa estimula os produtores a fazerem o consórcio milho de inverno e capim braquiária, o qual, entre vários outros benefícios, inibe o processo erosivo, o surgimento de ervas, combate a compactação e, com a boa cobertura de palha, possibilita um plantio direto de melhor qualidade na safra de verão.

Mercado solidário - Por sua vez, pequenos produtores de laranja foram preparados pela cooperativa para atender às exigências do rigoroso mercado solidário internacional, para onde é encaminhada uma parte do suco. Com isso, eles recebem uma série de benefícios que os fortalecem na atividade.

Sistemas - De longa data, também, foram adotados sistemas mais sustentáveis na rotina dos colaboradores em todos os setores administrativos, como a substituição de copos plásticos por canecas. E, na indústria de fios, a partir da fibra de poliéster derivada de embalagens Pet recolhidas por catadores de rua, assim como tecidos desfibrados que seriam resíduos em malharias, a Cocamar produz fios ecológicos destinados ao mercado de confecções. Sem esquecer que, desde 2009, o parque industrial da cooperativa em Maringá conta com uma usina de cogeração de energia elétrica suprida por biomassa (cavacos de eucalipto) e que tem capacidade para atender toda a demanda das indústrias.

Inclusão social - Nos mais de 40 itens do relatório da Cocamar há, também, programas de inclusão social, como o Cultivar, em que alunos da Associação Paranaense dos Amigos dos Excepcionais (Apae) produzem mudas de espécies nativas para encaminhamento a produtores cooperados, visando a recompor áreas de preservação permanente. (Imprensa Cocamar)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn