ENCONTRO DE AGENTES I: Cases evidenciam sucesso dos programas de formação

Se em tempos normais, a figura do agente de cooperativismo é estratégica, pois possibilita que o Sescoop/PR atue com uma estrutura enxuta, podendo direcionar mais de 90% de seus recursos para as atividades finalísticas, em tempos de crise o papel desse profissional ganha ainda mais relevância.  Para destacar os resultados na ponta, o Encontro Estadual de Agentes Cooperativistas, realizado na última sexta-feira (20/11), por meio da plataforma Microsoft Teams, trouxe quatro cases de sucesso na área de formação cooperativista.

Cresol - José Carlos Vendresen, do Instituto Cresol, apresentou o case "Juventude Conectada Cresol", projeto da cooperativa de crédito que encarou e venceu os desafios impostos pela pandemia do novo coronavírus. “A Cresol, há vários anos, busca conectar as suas raízes cooperativistas com esse ambiente jovem de ser. Muitas inovações têm vindo a partir disso. A Cresol está comemorando 25 anos, então, também é uma cooperativa jovem, e queremos escutar os jovens e abrir espaço para que eles possam contribuir para os próximos 25 anos da Cresol. Neste sentido que desenvolvemos várias ações para esse público”, contou.

Reinvenção - Porém, com a chegada da pandemia, foi preciso se reinventar para manter as ações em andamento. “Criamos um processo que chamamos de “juventude conectada”, que é a soma de uma jornada de conhecimento com um processo de inspiração, aproximação, integração, diversão e informação, fortalecendo a  participação jovem na cooperativa e também a possibilidade desse público se tornar um grande multiplicador da filosofia cooperativista nas regiões do Brasil onde a Cresol possui agências”, disse.

C.Vale - Já Mirna Fúrio, assessora de Cooperativismo da C.Vale, falou sobre como os trabalhos com os Núcleos Femininos da Cooperativa foram reinventados durante a pandemia de Covid.  “Temos núcleos femininos desde a década de 1970. Anualmente, fazemos o planejamento das ações e o cronograma de atividades. Tudo é muito certinho para que as nossas 118 integrantes, de quatro municípios do interior do Paraná, consigam se organizar durante o ano e participar, até porque isso envolve logística e deslocamento até Palotina, onde fica a sede da C.Vale”, contou.

Vencendo o medo do novo - Segundo Mirna, no início de 2020, como é de praxe, o planejamento anual na área de formação da C.Vale estava pronto. “Tínhamos 1/3 a mais de atividades previstas, em relação ao ano passado. Mas com a pandemia, tivemos que nos reinventar, utilizando ferramentas tecnológicas, como o Microsoft Teams. O grande desafio foi tirá-las da zona de conforto e ajudá-las a vencer o medo do novo, pois a maioria das participantes não tinha familiaridade com a informática. Fizemos vários treinamentos, elaboramos manuais para que elas aprendessem a lidar com a ferramenta que adotamos para os treinamentos virtuais. Hoje, a gente vê que houve muito ganho de conhecimento, superação e autonomia. Eles estão, inclusive, participando mais, pois não precisam se deslocar de um município para outro”, disse Mirna.

Lar - Fabiane Bersch, gerente de Gestão de Pessoas da Lar Cooperativa, trouxe informações sobre o projeto de criação da Lar Universidade Corporativa, iniciado no ano passado e lançado em setembro último. “O objetivo é atender os objetivos estratégicos da Lar.  Nos últimos 10 anos, a Lar apresentou um crescimento muito grande em relação a número de funcionários, associados e de faturamento. Precisamos, portanto, que o planejamento dos treinamentos esteja em total sintonia com as necessidades da cooperativa”, pontuou.

Estruturação - Segundo ela, neste primeiro momento, a Lar Universidade foi estruturada em quatro escolas: cultura, negócios, liderança e a escola da excelência operacional. “Acreditamos nesses quatro temas conseguimos encaixar as questões de maior relevância para os negócios da cooperativa, Então, além do apoio do Sescoop/PR, que sempre foi muito importante para a Lar, temos parcerias com algumas universidades da região Oeste e que possibilitam a participação do quadro funcional e social em cursos que são de interesse da Lar cooperativa, abrangendo graduação, MBAs e pós-graduações. A meta é realizar mais de 1000 eventos de formação até 2024, e sempre priorizando e direcionando para os resultados que a Lar precisa atingir. Isto não tem relação só com a área de negócio, mas com a sustentabilidade da cooperativa.  Atender realmente a necessidade de educação da cooperativa, ser mais eficaz na aplicação de recursos e buscar a efetividade do conhecimento”, comento.

Unimed Cascavel - Rozinha de Souza Campos Filha, da Unimed Cascavel, falou sobre a contribuição do E-Learning no desenvolvimento da gestão por competências. Segundo ela, a gestão por competência foi adotada há cerca de cinco anos pela cooperativa, seguindo uma diretriz da Unimed Brasil. “Aderimos porque muitas decisões relativas à gestão de pessoas são pautadas na gestão por competência. Este modelo traduz muito o jeito de cuidar da Unimed e também a questão do protagonismo de carreira”, comentou.

Oportunidade - O treinamento é uma parte importante da gestão por competência, por este motivo, no final de 2019, teve início um projeto de modernização do processo de treinamento por meio da implantação do e-learning (ensino à distância). “Então, em março de 2020 a gente se deparou com o cenário de pandemia, porém, visualizamos ali uma oportunidade de priorizar o projeto que já estava em andamento e acelerar a sua conclusão”, contou.  “Lançamos o projeto em maio. O Sescoop/PR nos ajudou muito para que a gente pudesse se adaptar e fazer diferente. Desta forma, foi possível realizar uma boa parte do planejamento por meio da plataforma EAD. E isso não é algo que aconteceu em 2020, durante a pandemia. É algo que não tem volta. Provavelmente, futuramente, vamos mesclar entre os dois modelos, ou seja, EAD e presencial”, disse.

Ouça aqui matéria de rádio com os cases da Cresol e C.Vale

Ouça aqui matéria de rádio com os cases da Lar e Unimed Cascavel

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn