Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias UNIMED MARINGÁ: Dia Nacional dos Estomizados quer disseminar informações e combater preconceito

 

 

cabecalho informe

UNIMED MARINGÁ: Dia Nacional dos Estomizados quer disseminar informações e combater preconceito

unimed maringa 19 11 2018A estomia é uma intervenção cirúrgica que cria um orifício chamado estoma na região abdominal a fim de estabelecer comunicação entre um órgão interno e o exterior. O objetivo é a eliminação dos dejetos produzidos pelo organismo, como fezes, urina, secreções e fluidos. Pessoas de todas as idades estão sujeitas a passar pelo procedimento, que geralmente é indicado para quem sofreu lesão no intestino ou no reto.

Bolsa coletora - A partir da criação do orifício, o paciente é submetido à colocação de uma bolsa coletora, onde ficarão armazenados os dejetos eliminados. Segundo o estomaterapeuta - enfermeiro especializado no tratamento de feridas na região do estoma - da Unimed Maringá, Luciano Dias Forner, o uso da bolsa pode ser temporário ou permanente. “Independente de quanto tempo a pessoa usar a bolsa, é possível ter uma vida normal após o procedimento”, diz.

Mitos - O enfermeiro lembra que o Dia Nacional dos Estomizados, celebrado em 16 de novembro, quer combater mitos que envolvem o procedimento e que fazem com que os pacientes inicialmente tenham resistência e fiquem com a autoestima abalada. Porém, ele afirma que a única contraindicação é que o paciente estomizado carregue muito peso. “Toda s as outras atividades estão liberadas. As pessoas podem trabalhar, dirigir, entrar na piscina, ir à praia e inclusive se relacionar sexualmente”.

Orientação - A orientação para os pacientes que passaram pelo procedimento é que evitem alimentos que soltem o intestino ou provoquem gases, como feijão, frituras, gorduras e frutas como mamão. Outra orientação importante é em relação à higiene e cuidados com a pele. “A região do estoma deve ser higienizada com água e sabonete, sem esfregar e sem usar esponjas, já que trata-se de uma região sensível”, orienta.

Higiene - O enfermeiro destaca também a higiene com a bolsa coletora. “O indicado é que o paciente a esvazie sempre que ela estiver com um terço da capacidade preenchida e faça uma boa higienização ao menos uma vez ao dia”, explica. Já a troca da bolsa deve ocorrer uma vez por semana. “Fazendo isso, o paciente estomizado não deve ter problemas com desconforto ou mau cheiro”, diz. (Imprensa Unimed Maringá)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias