Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias DAVOS II: Guedes compromete-se a zerar déficit orçamentário neste ano

 

 

cabecalho informe

DAVOS II: Guedes compromete-se a zerar déficit orçamentário neste ano

 

davos II 24 01 2019A reforma da Previdência, as concessões de petróleo e as privatizações permitirão ao governo zerar o déficit orçamentário neste ano, afirmou nesta quarta-feira (23/01) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ressaltou, no entanto, que o país precisa levar adiante as reformas estruturais que reduzam o gasto público para que essa redução seja sustentável nos próximos anos.

 

Análise - Em entrevista à Bloomberg, emissora internacional de notícias, em Davos, na Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial. Na conversa, Guedes classificou a democracia brasileira como “vibrante” e disse que o país precisa romper a armadilha do baixo crescimento.

 

Déficit-  Perguntado em quanto tempo conseguiria zerar o déficit nominal do setor público, que alcançou 7,10% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país), o ministro disse que o déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) deve terminar 2019 em torno de 2% do PIB. O déficit primário representa o resultado negativo nas contas do governo excluindo os juros da dívida pública.

 

Meta ousada - Segundo Guedes, metade dos recursos para zerar o déficit orçamentário viria da reforma da Previdência. A outra metade viria das concessões de petróleo, principalmente da camada pré-sal, e de privatizações de estatais. Ele admitiu que a meta é ousada, mas que é assim que as grandes empresas trabalham.

 

Fórmula - “Mais da metade do déficit vamos eliminar com a reforma da Previdência. Temos muitas concessões de petróleo. A outra metade disso, vamos eliminar neste ano com concessões de petróleo e uma lista imensa de privatizações. Então, em termos de dinheiro, vamos zerar o déficit neste ano. Vamos trabalhar como as grandes companhias privadas, com metas ousadas”, declarou Guedes.

 

Valores - Segundo Guedes, a venda de subsidiárias de duas ou três grandes estatais renderia em torno de US$ 20 bilhões, equivalente a R$ 75,3 bilhões pela cotação de venda do dólar comercial do último dia 23. A meta de déficit primário para este ano está em R$ 159 bilhões. Ele disse que a equipe econômica pode cortar cerca de US$ 10 bilhões (R$ 37,7 bilhões pelo câmbio deste mesmo dia) de subsídios, mas disse que o principal desafio será a reforma da Previdência.

 

Urgência - “A coisa mais urgente são as reformas estruturais. Se conversarmos sobre cortar subsídios aqui e lá, vamos perder apoio político. Então, temos de fazer a reforma mais importante, que é a da Previdência. Por que se envolver em pequenas batalhas se temos uma grande batalha adiante?”, declarou , ao acrescentar que o governo não pretende congestionar o Congresso com três reformas simultâneas. Por isso, pretende centrar munição para aprovar a reforma da Previdência a ser enviada ao Congresso em até 60 dias.

 

Democracia - O ministro da Economia classificou a eleição do presidente Jair Bolsonaro como uma característica vibrante da democracia brasileira. Para ele, o país passou por uma alternância de poder depois de 30 anos regido por um modelo social-democrático. “É como se tivéssemos 30 anos seguidos de governo democrata nos Estados Unidos. Qualquer republicano venceria as eleições seguintes. Ou 30 anos de governo trabalhista no Reino Unido. Qualquer conservador venceria as próximas eleições”, argumentou.

 

Situação - “O que estamos vendo é uma democracia muito vibrante funcionando. Nunca houve risco de os perdedores [das eleições brasileiras] transmitirem à opinião pública interna que o Brasil está em risco, que está fechado politicamente. Essa é uma percepção errada”, acrescentou. (Agência Brasil)

(Foto: Alan Santos/PR)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias