cabecalho informe

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Segurança das instituições financeiras é tema de reunião

 

sicredi uniao I 02 05 2019Na manhã de terça-feira (30/04) foi realizada a 2ª Reunião de Segurança Financeira – Paraná 2019 na Superintendência Regional da Sicredi União PR/SP, em Maringá (PR). O objetivo foi estreitar o relacionamento entre as instituições financeiras e a polícia, proporcionando troca de informações e experiências a fim de gerar um trabalho ainda mais colaborativo entre as partes e, assim, potencializar os resultados contra ações de meliantes em agências.

 

Especialistas - O evento reuniu especialistas de segurança da Sicredi União PR/SP, Central Sicredi PR/SP/RJ, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Itaú e Sicoob. A reunião também contou com representantes da 9ª Subdivisão Policial (9ª SDP), como o delegado-chefe Adão Wagner Loureiro Rodrigues, o delegado de polícia Luiz Henrique Vicente, e o delegado de polícia Luiz Cláudio da Silva Alves. O secretário de Segurança de Sarandi, Joel Inglês da Silva também compareceu. 

 

Preocupação - Na oportunidade, o diretor executivo da Sicredi União PR/SP, Rogério Machado, ressaltou a preocupação em minimizar o impacto financeiro e emocional das pessoas ao sofrerem ações criminosas em agências. Isso porque a cooperativa tem atingido a média de crescimento de 20% ao ano e, com o plano de expansão, somente este ano prevê inaugurar/reinaugurar 25 agências, sendo 14 em São Paulo e 11 no Paraná. Atualmente, a instituição conta com 93 agências em 79 municípios. 

 

Eficiência - “Com relacionamento mais próximo junto à polícia buscamos obter mais eficiência no combate aos ataques dos meliantes. Muitas vezes ficamos focados apenas na segurança física, mas tem aumentado as fraudes eletrônicas. Temos de acompanhar essas mudanças e tendências para garantir o máximo de segurança para a cooperativa e associados”, enfatizou Machado.

 

Ocorrências - O assessor de Segurança da Sicredi União PR/SP, José Carlos Arruda, apresentou diversos tipos de ocorrências já sofridos pelas agências, como explosões e pescarias de envelopes em caixas eletrônicos, trava de cartão e estelionatos. Já entre as estratégias utilizadas pela cooperativa, ele destacou o gerador de neblina e as cortinas de aço. O assessor de Segurança do Itaú, Carlos Saddock, também citou algumas soluções, como sirene de alto impacto, imagem em tempo real, treinamento de colaboradores e até o projeto de Câmera Cidadã, com sistema em desenvolvimento, para disponibilizar imagens para a polícia. 

 

Troca de experiências - “É importante essa troca de experiências porque situações que ocorrem com outras instituições bancárias podem vir a nos acometer também. Assim, ajudamos uns aos outros para nos manteremos alertas e preparados. Sem contar que essa aproximação com os policiais certamente vai contribuir ainda mais para que qualquer ação seja inibida o mais rápido possível. Para isso, vamos manter contato e uma constante troca de informações com a polícia”, enfatizou Arruda. 

 

Integração - Para o delegado chefe da 9ª SDP, Adão Wagner Loureiro Rodrigues, essa integração é fundamental para agilizar o trabalho da polícia, porque muitos crimes exigem resposta rápida. “Há delitos que não são solucionados por demora ou entraves administrativos. Esse estreitamento faz com que as informações cheguem rápido para as investigações. Certamente, o conhecimento aqui apresentado vai render resultados positivos e contribuirá com o desenvolvimento de novas soluções”. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias