Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias RAMO CRÉDITO: “O momento é esse”, diz chefe do BC para as cooperativas de crédito

 

 

cabecalho informe

RAMO CRÉDITO: “O momento é esse”, diz chefe do BC para as cooperativas de crédito

“O cooperativismo de crédito está presente de uma forma bem consolidada em todo o país. Mas esse crescimento tem se dado principalmente pela presença no segmento de pessoas jurídicas. Isto está mudando a matriz do cooperativismo e exige adaptações”. Esta afirmação é do chefe do Departamento de Supervisão de Cooperativismo do Banco Central (Desuc), Harold Espínola que, na tarde desta segunda-feira (31/08), participou da 5ª reunião do Comitê Técnico do Ramo Crédito, grupo instituído pelo Sistema Ocepar para que as cooperativas estejam mais próxima das discussões técnicas envolvendo o ramo.

Visão - A participação de Harold Espínola na reunião do crédito teve por finalidade trazer a visão do órgão regulador em relação à atuação do cooperativismo. Em sua apresentação, ele falou sobre as oportunidades, inclusive, no que se refere a boa relação com o Banco Central, e dos desafios, entre os quais promover a imagem institucional e fortalecer a intercooperação.

Presença territorial - Harold Espínola disse que em geral as cooperativas de crédito atendem municípios com populações menores, mais distante, menos urbanos, com renda total menor e com renda per capita maior. “As cooperativas exercem um importante papel na inclusão financeira”, pontuou.

Desafios - Em sua visão, o cooperativismo, “heterogêneo como é e bem representado”, tem diversas oportunidades, mas também muitos desafios a serem superados. “Os bancos somente agora estão apostando em algo que o cooperativismo faz desde que surgiu, que é focar no relacionamento com a base. Mas será que a gente sabe de fato o que é cooperativismo, cooperativa, cooperado, intercooperação? A gente tem um vício que é se acostumar com um conceito. É aquela coisa que a gente faz de sempre ir pelo mesmo caminho e parar de prestar atenção, fazer tudo no automático”, disse.

Comunicação - Segundo ele um dos desafios do cooperativismo é a comunicação, ou seja, ser conhecido no meio urbano e pelas pessoas jurídicas.  “O cooperativismo é muito desconhecido fora dele mesmo. E no momento em que você mostra números e fatos, isso faz toda a diferença na hora da negociação. Numa relação de negócio, não se trata de um benefício para a sociedade, mas de uma troca. Números não são românticos. São números. E contra números e fatos não há argumentos”, disse.

Intercooperação - Colocar essa questão em discussão é, em sua opinião, uma provocação porque isso tem que ser uma preocupação do ramo, e não de um ou outro sistema. “Tem que ter mais material com a marca institucional do cooperativismo. Quanta coisa acontece no Brasil e que pode ser transformada em números”, frisou.

O time é este - “O momento é oportuno. Vocês têm um governo e um órgão regulador que apoia o cooperativismo. A gente vem trabalhando para destravar a questão regulatória. Aqui tudo pode ser discutido, desde que não interfira nos princípios do cooperativismo”, frisou. “Aproveitem as oportunidades. Não percam o tempo das coisas, o time. O momento é extremamente favorável para discutir com o Banco Central. Resolvam o que tem que ser resolvido internamente, mas não percam a oportunidade. Vocês têm uma riqueza que nenhum mundo digital tem, que é o relacionamento na ponta”, disse.

A reunião - A 5ª reunião do Ramo Crédito reuniu representantes da Central Cresol, Sicredi Parque das Araucárias, Sicredi Vanguarda, Sicredi Rio Paraná, Sicoob Unicoob, Credisanepar, Credicoamo, Central Sicredi, Credicoopavel, Credialiança, Coopesf, CrediBRF, Evolua, Unprime Central, Votorantin e Sicredi União. Pelo Sistema Ocepar participaram o presidente da organização, José Roberto Ricken, o superintendente Robson Mafioletti, o gerente Flávio Turra, e os analistas Devair Mem, Eliane L. Goulart Fiesta, Emerson Barcik, Jessé Rodrigues, Maiko Zanella e Marli Vieira. Pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), participaram a gerentes Clara Maffia e Tânia Zanella e o coordenador do Ramo Crédito, Thiago Borba. O objetivo da participação da OCB na reunião do crédito é apresentar a agenda de temas em discussão no Congresso Nacional e nos órgãos reguladores. Para trazer um panorama econômico, houve palestra com o professor do Isae/FGV, Robson Gonçalves.

Palco de discussões - Ouça aqui a entrevista com o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, em que ele explica os objetivos da reunião.

Entrevistas - Ouça aqui entrevistas com Thiago Abrantes, em que ele fala sobre as demandas das cooperativas de crédito e do trabalho de representação institucional realizado pela OCB, e com o professor Robson Gonçalves. Para o professor, estamos na economia da sobrevivência. Robson também explica o que é o conceito de “Caipira do Asfalto”.

Clique aqui para baixar a apresentação do chefe do Desuc, Harold Espínola

Clique aqui para baixar a apresentação do professor do Isae/FGV, Robson Gonçalves

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias