Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias COCAMAR II: Luiz Lourenço defende modernização da pecuária com incremento da ILPF

 

 

cabecalho informe

COCAMAR II: Luiz Lourenço defende modernização da pecuária com incremento da ILPF

cocamar II 26 09 2013O desempenho do agronegócio impressiona. Em 2012, o setor experimentou um superávit comercial de 70 bilhões. O crescimento do PIB no primeiro semestre deste ano no Paraná (3,9%) e no Rio Grande do Sul (9%) foi impulsionado principalmente pela produção do campo. No entanto, os dados escondem a fragilidade de um dos principais elos do agronegócio: a pecuária. É o que afirmou Luiz Lourenço (foto), presidente da Cocamar Cooperativa Agroindustrial, na última segunda-feira (23/09), na cerimônia de premiação das empresas do Paraná destacadas no ranking 500 Maiores do Sul, elaborado pela revista Amanhã e PwC.

Pouca tecnologia - Segundo Lourenço, a pecuária representa uma preocupação em razão da modesta produção e da baixa geração de renda. Tanto que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento desenvolveu o Plano Mais Pecuária, ainda sem previsão de lançamento, com o objetivo de aumentar as exportações e a produtividade de leite e carne no Brasil. Se o cultivo de grãos e outros insumos evoluiu, com investimentos em equipamentos e novos métodos, o mesmo não aconteceu na criação de gado, aves e suínos. “A pecuária é a parte pobre do agronegócio, usa muito pouca tecnologia”, aponta Lourenço.

Não investem - Um dos obstáculos, de acordo com ele, é o conservadorismo dos pecuaristas. O Brasil possui o programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) que estimula a integração da lavoura, pecuária e floresta em uma mesma propriedade. Porém, os criadores de gado demonstram resistência para adotar outro tipo de produção: “A cooperativa apresenta um projeto que aumenta a produção de carne, dá a possibilidade de produzir grãos e ganhar mais dinheiro. Mas os pecuaristas não querem mudar. Eles não são investidores”, reclama Lourenço.

Futuro - Para o presidente da Cocamar (45ª colocada no ranking 500 maiores do Sul), o futuro do Brasil neste setor está nas pastagens, que correspondem a 23% do território nacional, cerca de 200 milhões de hectares.

ILPF - Metade das terras pode ser revertida para acolher outros tipos de cultivo agrícola. “A integração lavoura, floresta, pecuária multiplica a produtividade. Mas as pastagens atualmente estão degradadas e a renda por hectare está caindo”, revela Lourenço. Segundo ele, Paraná, Mato Grosso e São Paulo possuem aproximadamente 12 milhões de hectares em pastagem que precisam ser recuperadas e melhor aproveitadas para a pecuária não ser somente um coadjuvante no agronegócio. (Por Laura D’Angelo, Revista Amanhã)

 

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias