Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4812 | 29 de Abril de 2020

AUTOGESTÃO: Sistema Ocepar inicia reuniões institucionais de forma virtual

“Esta pandemia nos tirou do conforto, mas não vai nos tirar do trabalho”. Com esta afirmação, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, abriu, na tarde desta terça-feira (28/04), a reunião virtual com a Lar Cooperativa Agroindustrial, marcando, assim, o início do calendário de 2020 das reuniões institucionais com as cooperativas paranaenses. “Já são seis semanas de isolamento social. E em nenhum momento deixamos nossa missão de lado. Continuamos trabalhando para apoiar as cooperativas do Paraná”, afirmou Ricken.

Reuniões institucionais - As reuniões institucionais estão alinhadas ao Programa de Autogestão do cooperativismo paranaense, iniciativa implantada em 1991 pelo Sistema Ocepar e que, desde então, vem contribuindo com ferramentas de suporte, informação e monitoramento, para que os gestores cooperativistas possam definir estratégias mais assertivas e investir no aperfeiçoamento da governança do setor.  Segundo Ricken, as reuniões institucionais deste ano ocorrerão conforme o planejado, mas de forma remota. “Estamos nos adaptando e criando uma nova forma de trabalhar. Já promovemos diversos encontros por videoconferência, inclusive a AGO do Sistema Ocepar, na sexta-feira, dia 24. E o resultado foi bastante satisfatório”, comentou.

Impactos - Para este ano, o foco das reuniões são os impactos econômicos e sociais da pandemia da Covid-19 e o desempenho da cooperativa frente a esses desafios. Por este motivo, durante a reunião institucional com a Lar Cooperativa, foram discutidos temas relacionados à economia brasileira, mercado agrícola, crédito rural, e desempenho econômico e financeiro do cooperativismo paranaense. Outro assunto foi o corte de 50% nos recursos no Sistema S, pelo período de três meses, e o reflexo nos investimentos do Sescoop/PR em profissionalização, capacitação e treinamento.

Cenário atual - Em relação ao cenário atual, o presidente do Sistema Ocepar explicou que o propósito da entidade é contribuir efetivamente para garantir a produção, o abastecimento e o pleno funcionamento das atividades das cooperativas paranaenses. “Nossas equipes técnicas estão empenhadas em analisar e contingenciar os reflexos da atual crise nas cooperativas e encaminhar com agilidade os apontamentos feitos para as cooperativas”, afirmou Ricken, lembrando que até o momento foram publicadas 14 Leis Ordinárias, 37 Medidas Provisórias (921 a 958), 92 Decretos (10.234 a 10.326), além de mais de uma centena de portarias, instruções normativas e resoluções.

Alinhamento - Outras ações da entidade incluem o alinhamento com as cooperativas, integrantes do G7, Sistema OCB e Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), bem como a articulação com os governos Federal e Estadual, ministérios, secretarias e demais agentes públicos e privados. “Tivemos reuniões a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em que discutimos a necessidade de capital de giro para liquidez e prorrogação das parcelas dos investimentos. Da mesma forma, nos reunimos com os bancos para discutir em conjunto ações visando o desenvolvimento sustentável dos negócios das cooperativas, e com o BNDES para tratar assuntos de interesse do setor cooperativo agropecuário, como o Procap-agro giro, a prorrogação das operações de investimentos e linhas de crédito para operações de exportação”, exemplificou o dirigente.

Participantes - Pelo Sistema Ocepar, participaram dessa primeira reunião institucional: José Roberto Ricken (presidente) Leonardo Boesche (superintendente/Sescoop/PR),  Robson Mafioletti (superintendente/Ocepar), Flávio Turra (gerente/Getec), Maria Emília Pereira Lima (gerente/Gecoop), Silvio Krinski (coordenador/Getec), Alfredo Souza (coordenador de Gestão Estratética), João Gogola (coordenador de Monitoramento/Gecoop), Leandro Macioski (coordenador de Profissionalização/Gecoop), Humberto Bridi (coordenador de Promoção Social/Gecoop). Pela Lar Cooperativa, participaram: o presidente Irineo da Costa Rodrigues, todos os integrantes do Conselho de Administração,  o superintendente de Suprimentos e Alimentos, Jair Meyer, o superintendente Administrativo Financeiro, Clédio Marschall, o superintendente de Negócios Agrícolas, Vandeir Conrad, a assessora de Ação Educativa, Suzana Knapp, a gerente de Gestão de Pessoas, Fabiane Poletto Bersch, e a gerente da Divisão Administrativa, Carmen Campagnaro.

{vsig}2020/noticias/04/29/sistema_ocepar/{/vsig}

 

 

COVID-19: Confira as informações do comunicado 27 do Comitê de Acompanhamento do Sistema Ocepar

covid 19 comite 29 04 2020A primeira reunião institucional do ano promovida pelo Programa de Autogestão do Sistema Ocepar, realizada virtualmente com a Cooperativa Lar, sediada em Medianeira, no Oeste do Paraná, nesta terça-feira (28/04), é um dos destaques do comunicado 27, divulgado na manhã desta quarta-feira (29/04) pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 do Sistema Ocepar. O boletim traz ainda a publicação do Decreto Estadual nº 4.545, com a inclusão de outras atividades consideradas essenciais no Paraná. Veja abaixo todas as informações do boletim.

1. Nesta terça-feira (28/04), o Sistema Ocepar iniciou as reuniões da Autogestão com as cooperativas filiadas de uma forma diferente, por videoconferência. A primeira reunião foi realizada com a Cooperativa Lar e contou com a participação do presidente, diretores, conselheiros e gestores.

2. Na manhã desta terça-feira (28/08), a Diretoria Executiva do Sistema Ocepar se reuniu, por videoconferência, com todos os funcionários com o objetivo de dar transparência à condução das atividades da entidade nesse período adverso de pandemia. Foram abordados temas como trabalho remoto, medidas de segurança e o plano de retorno às atividades. Clique aqui para ler a matéria completa.

3. No dia 28 de abril, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) publicou o Ofício Circular 38/2020-PRESID, referente à Assembleia Geral Ordinária da OCB 2020, a ser realizada no dia 20/05/2020. Clique aqui para acessar.

4. No dia 27 de abril, o Governo Estadual publicou o Decreto nº 4.545, que altera o Decreto 4.317 de 21 de março, determinando que também são considerados serviços e atividades essenciais:

• XLI – atividades de advogados e contadores que não puderem ser prestadas por meio de trabalho remoto;

• XLII – treinamentos e qualificações exigidos dos eletricistas que trabalham nos contratos de distribuição de energia.

Para acessar, clique aqui.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

RAMO CRÉDITO: Ceco se reúne com Banco Central

ramo credito 29 04 2020Os impactos econômicos causados pelo novo coronavírus continuam na pauta das reuniões propostas pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Na sexta-feira (24/04), representantes do cooperativismo de crédito se reuniram, por videoconferência, com os diretores de Fiscalização e Regulação do Banco Central, Paulo Souza e Otávio Damaso, respectivamente, e, ainda com o chefe do Departamento de Supervisão de Cooperativas, Harold Espínola.

Primeira - Essa foi a primeira reunião da nova formação da Coordenação do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco) com o Banco Central. Além da coordenação do Ceco, também participaram da reunião, o coordenador do grupo técnico (GT), Ênio Meinen, o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, o superintendente, Renato Nobile, e a gerente geral da OCB, Tania Zanella.

Compromisso - Márcio Freitas reforçou o compromisso da OCB em contribuir com as ações do banco, colocando as cooperativas de crédito como ferramentas de solução para o enfrentamento coletivo da pandemia do coronavírus. “O movimento cooperativista tem se apresentado como um importante parceiro do poder público no enfrentamento dessa crise. Nossas cooperativas, nos diferentes setores que atuam, continuam a dar todo o suporte ao seu quadro de cooperados e auxiliado em ações nas localidades onde estão presentes,” comenta o presidente do Sistema OCB.

Apoio - “É por isso que queremos colocar à disposição do Banco Central do Brasil as nossas cooperativas de crédito. A ideia é continuar apoiando os nossos cooperados e, também as atividades do setor produtivo. Isso, certamente, fará com que superemos essa crise da maneira mais breve e amena possível.”

Rotina - Essa agenda faz parte de uma rotina de trabalho estabelecida entre o setor e a autoridade monetária para acompanhamento das ações do setor cooperativista. (Informe OCB)

 

SICOOB OURO BRANCO: Cooperativa doa R$ 70 mil para a Santa Casa de Paranavaí

sicoob ouro branco 29 04 2020Buscando colaborar com o sistema de saúde no combate ao novo coronavírus, o Sicoob Ouro Branco formalizou, no dia 3 de abril, a doação de R$ 70 mil para a Santa Casa de Paranavaí (PR), principal hospital da região e o único com UTI. O valor doado é suficiente para a compra de um respirador, mas como neste momento há dificuldades para aquisição desse tipo de equipamento, a cooperativa autorizou que o dinheiro seja utilizado para suprir outras necessidades emergenciais do hospital.

Interesse pela comunidade - Segundo o presidente do Sicoob Ouro Branco, Rafael Benjamin Cargnin Filho, o interesse pela comunidade está dentro do princípio cooperativista. Ele acrescenta que o momento exige a colaboração e a participação de todos e diante de tal situação, o Sicoob não pode e não vai se omitir.

Noroeste do Estado - “O hospital atende todo o extremo Noroeste do Paraná, onde estão concentrados 90% dos nossos cooperados”, acrescentou Cargnin, que assinou o documento ao lado dos diretores Edilson Piott, Francisco Puton e Écio Almir Oliveira. Pela Santa Casa, assinaram o termo de doação o presidente, Renato Augusto Platz Guimarães, e o gerente financeiro, Marcelo Salles Cripa.

Surpresa - Guimarães conta que a Santa Casa pediu a ajuda da cooperativa, mas que foi surpreendida com o valor da doação. “Esta não é a primeira vez que o Sicoob faz uma doação generosa para a Santa Casa. Foi uma boa surpresa. Doações como esta estimulam outras empresas a ajudarem o hospital”, confessou. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

INTERCOOPERAÇÃO: Cooperativas produzem e entregam máscaras para entidades e coletores de Paranavaí

intercooperacao 29 04 2020Mais de 600 máscaras de tecido foram doadas nesta quarta-feira (29/04) em Paranavaí (PR). Elas foram produzidas por sete cooperativas de Maringá (PR) usando como matéria-prima tecidos que seriam empregados na confecção de uniformes da Sicredi União e malhas de fios sustentáveis doados pela Cocamar. Às 9h, as máscaras foram entregues na Casa da Amizade, que fica na rua Pernambuco, 1.597, para representantes da Apae de Paranavaí e da Santa Casa. Na sequência, às 10h, a entrega foi feita à Cooperativa de Seleção de Materiais Recicláveis e Prestação de Serviços Paranavaí (Coopervai).

Mais entidades - Além das entidades de Paranavaí, as doações contemplam asilos, albergue e outras entidades de Maringá e região. Participam da ação Cocamar, Sicredi União PR/SP, Sicoob, Unimed, Uniodonto, Unicampo e Pluricoop. Um time de 20 costureiras de Maringá, Paraíso do Norte e de Paranavaí trabalham na confecção das máscaras, com o objetivo de gerar renda para suas famílias. Elas fazem parte de um projeto social apoiado pela Sicredi, intitulado ‘Vestindo minha família’.

Contribuição - A ação é mais uma contribuição das cooperativistas para tentar conter a proliferação do novo coronavírus e deve somar neste ano com a realização do Dia de Cooperar. O chamado Dia C, evento tradicionalmente organizado por aquelas cooperativas no primeiro sábado de julho, celebra o Dia Internacional do Cooperativismo. No ano passado, mais de 500 voluntários, entre colaboradores e seus familiares, participaram da produção de 2,5 mil pizzas doadas a instituições do município, para que fossem vendidas e os recursos aplicados em seus projetos. E nos dois anos anteriores a união de voluntários das cooperativas produziu de milhares de fraldas geriátricas.

Apoio - As cooperativas garantem a produção de 20 mil máscaras, mas se contarem com o apoio da comunidade, doando recursos financeiros, o esforço poderá chegar a 50 mil. Por isso, duas contas-correntes foram abertas para receber doações:

Sicoob Metropolitano Afusi

CNPJ: 04.809.528/0001-67

Banco: 756 (Banco Cooperativo do Brasil S/A.)

Agência: 0001

Conta: 63.318.414-4

Sicredi União PR/SP

CNPJ: 79.342.069/0001-53

Banco: 748 (Banco Cooperativo Sicredi S/A.)

Agência: 0718

Conta: 09512-2

(Assessoria de Imprensa)

 

ECONOMIA I: Concessão de crédito para as empresas cresceu 28,2% em março

economia I 29 04 2020Com os efeitos econômicos gerados pelas medidas de enfrentamento à pandemia da covid-19, aumentou a procura por crédito em março. De acordo com dados divulgados nesta terça-feira (28/04) pelo Banco Central (BC), enquanto as concessões de crédito para as empresas subiram 28,2%, houve queda de 11,4% para as pessoas físicas, na comparação com fevereiro. Os dados são ajustados para o período (dessazonalizados).

Análise - Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, os dados dessazonalizados são necessários para a análise porque fevereiro tem menos dias úteis do que em março. Além disso, em março é comum haver aumento da demanda das empresas por desconto de duplicata e antecipação de fatura do cartão de crédito. Mesmo assim, segundo ele, em março o crescimento das concessões dessas modalidades foi maior que o esperado, refletindo a necessidade de fluxo de caixa das empresas em meio à pandemia.

Valor - As concessões de crédito para empresas e famílias chegou a R$ 396,8 bilhões em março. No acumulado de 2020, comparado com o mesmo período do ano anterior (dados sem ajustes), houve expansão de 27,6% nas concessões de crédito às empresas e de 11,4% para as famílias.

Demanda - De acordo com Rocha, não há informações sobre o valor total de pedido de empréstimos pelas empresas e pessoas físicas. “Só temos a informação do crédito que foi efetivamente ofertado e podemos deduzir que houve aumento da demanda”, explicou Rocha.

Dificuldades - Quanto às dificuldades relatadas por pequenas e médias empresas para ter acesso a crédito, Rocha disse que nos dados divulgados nesta terça não há segmentação por porte das empresas. “Não temos informações suficientes para afirmar ou negar”, disse.

Tipos - As modalidades de empréstimos são divididas em dois tipos, o crédito livre e o direcionado. No caso do crédito livre, os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros cobradas dos clientes. Já o crédito direcionado tem regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito.

Crédito livre - No caso do crédito livre – desconto de duplicatas, antecipação de faturas de cartão, capital de giro entre outros – para as empresas, as concessões em março chegaram a R$ 216,083 bilhões, com crescimento de 33,5% (dado dessazonalizado), comparado ao mês anterior. Nos três meses do ano, na comparação com igual período de 2019, a expansão chegou a 30%.

Acima da expectativa - “Nas operações de desconto de duplicatas e na de antecipação de fatura de cartão, houve demanda acima do que seria de se esperar só por fatores sazonais”, disse Rocha.

Pessoas físicas - Já para as pessoas físicas as concessões do crédito livre – cheque especial, rotativo do cartão e crédito pessoal, por exemplo – totalizaram R$ 153,911 bilhões, em março, queda de 12% em relação ao mês anterior. No primeiro trimestre, comparado a igual período ao ano passado, o crescimento ficou em 10,6%.

Redução - De acordo com Rocha, houve redução nas concessões de crédito para compra de carro e menor uso do cartão de crédito à vista. “As pessoas podem estar adiando a compra de bens duráveis enquanto se vive momento de maior incerteza”, disse Rocha.

Crédito direcionado - As concessões do crédito direcionado para as empresas totalizaram R$ 8,828 bilhões, em março, com expansão de 16,7% em relação ao mês anterior. No primeiro trimestre, comparado a igual período de 2019, houve queda de 11,6%.

Direcionado - No caso das pessoas físicas, as concessões do crédito direcionado chegaram a R$ 17,961 bilhões, em março, com queda de 2,3% em março e crescimento de 20,2% no acumulado do ano. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

ECONOMIA II: Governo estima em 150 mil o número de desempregados de março a abril

economia II 29 04 2020O Ministério da Economia estima que houve um aumento de 150 mil pessoas desempregadas no país entre março e a primeira quinzena de abril deste ano, em relação ao mesmo período de 2019, em razão da crise causada pelas medidas de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19) no Brasil.

Pedidos - Os números são baseados, segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, nos pedidos de seguro-desemprego registrados pelo órgão e na estimativa de demanda reprimida de pessoas que não conseguiram solicitar o seguro por causa das restrições do atendimento presencial aos trabalhadores.

Março - De acordo com os dados apresentados nesta terça-feira (28/04) pela equipe econômica, em março de 2020 foram feitos 536.845 requerimentos de seguro-desemprego, redução de 3,5% em relação a março de 2019, quando foram 556.226. Já na primeira quinzena de abril deste ano, 267.693 trabalhadores solicitaram o seguro, queda de 13,8% em relação às 310.509 solicitações na primeira quinzena de abril de 2019.

Demanda reprimida - “Tendo em vista o fechamento das agências Sine [Sistema Nacional de Emprego], temos uma demanda reprimida. Ainda temos pequena fila, que estamos dando conta rapidamente, do pedido do seguro-desemprego. E essa demanda reprimida não passa de 200 mil em março e abril de 2020. Portanto, temos um aumento de pedidos de seguro-desemprego, mas esse aumento não passa de 150 mil pedidos [a mais, em relação a 2019]”, explicou Bianco.

Números positivos - Para o secretário, entretanto, os números são positivos pois são pequenos e porque essas pessoas desempregadas estão guarnecidas pelo seguro-desemprego nesse momento de incertezas na economia por causa da pandemia da covid-19.

Preocupação - Para o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, a preocupação com uma explosão de desempregados no país não se confirmou, já que o número de pedidos de seguro-desemprego está muito parecido com os registrados no ano passado. “Nesse primeiro instante de crise, passado mais de um mês, não verificamos um aumento de pedidos, o que demonstra que a situação está parecida do que havia no passado, ligeiro aumento mas não é nenhuma explosão, perto do que nós pensamos ou que todos esperavam que poderia acontecer".

Canais de atendimento - O secretário de Trabalho, Bruno Dalcolmo, explicou que a demanda reprimida de trabalhadores que não conseguiram fazer o pedido de seguro-desemprego, se deve ao fato de que muitos ainda não têm acesso às alternativas de pedido digitais, por meio do portal do governo federal ou pelo aplicativo da Carteira de Trabalho Digital.

Ajuste - “Muita gente não tem conhecimento e ficou meio a ver navios num momento em que o Sine fechou as portas. Tão logo as agências do Sine reabram ou adotem atendimento remoto esses números vão se ajustar ao valor real”, disse.

Via web - Ainda assim, segundo o ministério, na primeira quinzena de abril 90,2% das solicitações foram realizadas via web. No mesmo período do ano passado, esse número representava apenas 1,6%.

Teleatendimento - Para dúvidas e esclarecimentos, o trabalhador pode ligar para o teleatendimento Alô Trabalho, no número 158, ou acionar as superintendências por e-mail. No Distrito Federal, por exemplo, o e-mail é trabalho.df@mte.gov.br. Em cada unidade da Federação, basta trocar a sigla da UF para a do estado desejado (trabalho.mg@mte.gov.br, trabalho.rj@mte.gov.br e assim por diante).

Manutenção de empregos - O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, também informou que pouco mais de 4 milhões de pessoas já assinaram acordos de redução de jornada ou suspensão de contrato de trabalho, e estão com os empregos preservados. A Medida Provisória nº 936, de 1º de abril de 2020, instituiu o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (Bem), por meio do qual o empregador reduz a jornada com redução proporcional de salário e o governo faz uma compensação ao trabalhador.

Queda - Entretanto, como essa compensação não é integral, de acordo com equipe econômica, a expectativa é que haja uma queda de 15% na renda média dos trabalhadores. Em contrapartida, o funcionário ganha o direito a estabilidade temporária no emprego, pelo mesmo período que durar a redução ou suspensão do contrato.

Caged - De acordo com a equipe econômica, um panorama mais completo do desemprego no país poderia ser demonstrado via Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mas a divulgação dos dados estão suspenso pois as empresas e escritórios de contabilidade não estão conseguindo informar os dados corretos de demissões e contratações no e-Social, que reúne as informações trabalhistas.

Declarações específicas - No ano passado, o governo acabou com declarações específicas do Caged e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), que passaram a ser informadas no e-Social. Os últimos dados desses sistemas e os dados do seguro-desemprego estão disponíveis no site do Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho. (Agência Brasil)

FOTO: Rovena Rosa / Agência Brasil

 

ECONOMIA III: Dólar tem maior queda diária em dois anos e fecha em R$ 5,51

economia III 29 04 2020Em um dia de melhora em diversos mercados externos, os mercados globais refletiram o relaxamento da quarentena em diversos países da Europa. O dólar teve a maior queda diária em dois anos, e a bolsa de valores subiu pela segunda sessão seguida, voltando a ultrapassar a marca de 80 mil pontos.

Valor - O dólar comercial encerrou a terça-feira (28/04) vendido a R$ 5,517, com recuo de R$ 0,147 (-2,59%). Em pontos percentuais, essa foi a maior queda para um dia desde 8 de junho de 2018, quando a cotação tinha fechado em queda de 5,59%. O euro comercial caiu para abaixo de R$ 6, fechando a R$ 5,96, com recuo de 2,66%. A libra esterlina comercial recuou para menos de R$ 7, sendo vendida a R$ 6,85 (-2,62%).

Baixa - A moeda norte-americana operou em baixa durante todo o dia, mas intensificou o ritmo de queda durante a tarde. Na mínima do dia, por volta das 15h, o dólar comercial chegou a ser vendido a R$ 5,48. Em 2020, o dólar comercial acumula alta de 37,48%.

BC - O Banco Central (BC) voltou a atuar no mercado, mas de maneira discreta. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais hoje, mas renovou (rolou) US$ 500 milhões de contratos de swap cambial –venda de dólares no mercado futuro – que venceriam em junho.

Bolsas - O dia foi marcado pela recuperação na bolsa de valores. O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), que tinha despencado no fim da semana passada, com a saída do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, voltou a superar os 80 mil pontos. O indicador fechou esta terça aos 81.312 pontos, com alta de 3,93%.

Ibovespa - O Ibovespa seguiu diversas bolsas europeias, que subiram nesta quarta com o anúncio de relaxamento da quarentena na Espanha e na Itália. No entanto, o índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou o dia com queda de 0,13%, depois de quatro altas consecutivas.

Nervosismo - Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo - Os preços internacionais do petróleo, que caíram na segunda-feira (27/04), recuperaram-se nesta terça-feira (28/04). Por volta das 18h, o barril do tipo Brent era vendido a US$ 20,74, com alta de 3,75%. Esse barril serve de referência para o mercado internacional de petróleo, sendo usado nas projeções da Petrobras.

Petrobras - O desempenho do mercado internacional refletiu-se nas ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 7,26% nesta terça. Os papéis preferenciais (com prioridade na distribuição de dividendos) tiveram ganho de 4,86%.

Guerra de preços - A guerra de preços de petróleo começou há quase dois meses, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo só é viável no longo prazo para cotações a partir de US$ 45. No curto prazo, a companhia pode extrair petróleo a US$ 19, no limite dos custos da empresa. (Agência Brasil)

FOTO: Animation Production Company /Pixabay

 

ECONOMIA IV: Juros para pessoa física caem para 46,1% ao ano, diz Banco Central

economia IV 29 04 2020As taxas de juros do crédito para empresas e pessoas físicas caíram em março, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (28/04), em Brasília, pelo Banco Central (BC). A taxa média de juros para pessoas físicas ficou em 46,1% ao ano em março, com redução de 0,6 ponto percentual em relação a fevereiro.

Empresas - No caso das empresas, a queda foi de 0,4 ponto percentual, indo para 16,6% ao ano.

Modalidades - Entre as modalidades para pessoas físicas, está o cheque especial com taxa de 130% ao ano (7,2% ao mês), redução em 0,6 ponto percentual. O BC determinou que os bancos não poderão cobrar taxas superiores a 8% ao mês, o equivalente a 151,8% ao ano.

Cartão de crédito - Já os juros do rotativo do cartão de crédito subiram em março, chegando a 326,4% ao ano, com aumento de 3,8 pontos percentuais em relação a fevereiro.

Pagamento - O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras parcelam a dívida.

Parcelamento - Na modalidade de parcelamento das compras pelo cartão de crédito, os juros chegaram a 186,5% ao ano em março, com aumento de 0,1 ponto percentual.

Crédito pessoal - A taxa de juros do crédito pessoal não consignado subiu para 94,7% ao ano em março, com queda de 11,9 pontos percentuais em relação a fevereiro.

Consignado - A taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) caiu 0,4 ponto percentual, indo para 21% ao ano no mês passado.

Inadimplência- A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas subiu 0,1 ponto percentual, chegando a 5,2%. Entre pessoas jurídicas, a inadimplência permaneceu em 2,3% em março.

Crédito livre - Todos esses dados são do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros cobradas dos clientes.

Crédito direcionado - No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito), os juros para as pessoas físicas caíram 0,1 ponto percentual para 7,3% ao ano. A taxa cobrada das empresas permaneceu em 7,9% ao ano.

Inadimplência - A inadimplência no crédito direcionado das empresas recuou 0,2 ponto percentual para 1,8% e das famílias subiu 0,5 ponto percentual para 2,4%.

Saldo dos empréstimos - Com medidas de injeção de liquidez na economia, o estoque de todos os empréstimos concedidos pelos bancos ficou em R$ 3,587 trilhões em março, com alta de 2,9% em relação a fevereiro e de 9,6% em 12 meses.

PIB - Esse saldo do crédito correspondeu a 48,9% de tudo o que o país produz – o Produto Interno Bruto (PIB) – com aumento de 1,2 ponto percentual em relação a fevereiro.

Pessoas jurídicas - Segundo o Banco Central, o crédito livre para pessoas jurídicas alcançou R$ 979,3 bilhões, representando crescimento de 9,9% no mês e de 21,7% em 12 meses.

Expansão - “Em março, ocorreu expansão tanto nas modalidades com influência sazonal (desconto de duplicatas e recebíveis, antecipação de faturas de cartão) quanto nas relacionadas a fluxo de caixa (capital de giro), e nas de comércio exterior (adiantamentos sobre contratos de câmbio, financiamentos a exportações). Adicionalmente, cresceram os saldos influenciados pela variação cambial (notadamente repasses externos)”, diz o relatório do BC.

Soma - O crédito livre a pessoas físicas somou R$ 1,132 trilhão, com estabilidade no mês (0,1%) e expansão de 15,7% em 12 meses, “com destaque para as modalidades crédito pessoal consignado e composição de dívidas [renegociação de vários empréstimos em conjunto]”. (Agência Brasil)

FOTO: IKZ /Pixabay

 

INDÚSTRIA: Confiança do setor cai para menor patamar em 19 anos

industria 29 04 2020O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 39,3 pontos de março para abril deste ano e chegou a 58,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Com essa, que foi a maior redução mensal, o índice atingiu seu menor nível desde o início da série histórica, em janeiro de 2001.

Queda - Todos os 19 segmentos industriais pesquisados tiveram queda. O Índice Expectativas, que mede a confiança dos empresários em relação ao futuro, recuou 46,6 pontos e chegou a 49,6 pontos. O Índice de Situação Atual, que mede a percepção sobre o presente, caiu 31,4 pontos e atingiu para 67,4 pontos. Ambos atingiram o menor valor da série histórica.

Pandemia - Segundo a economista da FGV Renata de Mello Franco, o resultado foi provocado pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). “Com exceção do nível dos estoques e da demanda externa, todos os indicadores atingiram o mínimo histórico, inclusive o Nuci [Nível de Utilização da Capacidade Instalada]. O cenário para os próximos meses pode gerar novas surpresas negativas caso se mantenha o nível de incerteza elevada”, afirmou a pesquisadora.

Capacidade instalada - O Nível de Utilização da Capacidade Instalada do setor caiu 18 pontos percentuais e chegou a 57,3%, também a maior queda mensal e o menor valor da série histórica. (Agência Brasil)

FOTO: Michal Jarmoluk / Pixabay

 

LEGISLATIVO: Projeto suspende inscrição em dívida ativa dos débitos dos pequenos produtores rurais

legislativo 28 04 2020O Projeto de Lei 900/20 suspende, até 31 de dezembro de 2020, a inscrição das dívidas dos financiamentos da agricultura familiar em dívida ativa. A proposta foi apresentada pelo deputado Rubens Otoni, em resposta à crise econômica decorrente das medidas de combate ao novo coronavírus, que incluem isolamento social e fechamento do comércio. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

Condições de produzir - Na avaliação de Rubens Otoni (PT-GO), interessa ao Brasil que os pequenos produtores se mantenham em atividade e em condições de produzir. “Suspender a inscrição em dívida ativa de débitos oriundos de financiamentos que apoiam a agricultura familiar garante a saúde financeira e o fornecimento de alimentos às famílias brasileiras”, defende. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

 

INPEV: Unidades de recebimento do Sistema Campo Limpo voltam a operar com 100% da capacidade

O inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), entidade operadora do Sistema Campo Limpo, programa brasileiro de logística reversa de embalagens vazias e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas, recomendou às unidades de recebimento dessas embalagens o retorno ao trabalho com plena capacidade a partir de 27 de abril. “Depois de criteriosa avaliação durante os trinta dias em que o Sistema trabalhou com operação reduzida para combater a disseminação da covid-19, o Instituto concluiu que pode retomar as atividades integrais de forma segura”, explica o diretor-presidente do inpEV, João Cesar M. Rando.

Natureza da operação - A natureza da operação e os cuidados adicionais adotados mostram que é possível trabalhar, mantendo a segurança e a saúde das pessoas. Durante o período em que operou com 50% de sua capacidade, desde 24 de março, não houve ocorrência confirmada de contaminação por coronavírus nas unidades de recebimento.

Regiões distantes - “As atividades de logística reversa são realizadas em regiões distantes dos centros de convivência social (zonas rurais ou industriais) e os postos de trabalho dos operadores nas unidades, já são afastados um do outro. Além disso, não há aglomerações, já que o procedimento de devolução das embalagens é feito com um agricultor por vez”, afirma Rando.

Sempre preocupado com a segurança de todos os envolvidos nas atividades do Sistema Campo Limpo, o Instituto recomenda ainda a adoção de medidas adicionais:

• Funcionamento das unidades com portões fechados, reduzindo o risco de aglomerações;

• Uso de máscaras por todos os colaboradores das unidades;

• Orientação aos agricultores e seus prestadores de serviços sobre os cuidados adotados pelas unidades em relação à covid-19. Os motoristas são orientados a permanecer nas cabines dos automóveis durante a operação de descarregamento das embalagens vazias;

• Envio preferencial por via eletrônica dos recibos de devolução;

• Disponibilização de álcool em gel nas unidades;

• Disponibilização de máscaras para uso pelos colaboradores no deslocamento entre trabalho e casa;

• Realização diária de diálogo de segurança sobre a covid-19 com os colaboradores;

• Desinfecção diária do ambiente de trabalho com uso de produtos de limpeza virucidas, como água sanitária;

• Uso de ambientes comuns, como vestiário e refeitório, em rodízio e mantendo-se distância mínima de 2 metros.

Acompanhamento - Para garantir a adequação do funcionamento do Sistema Campo Limpo, o inpEV permanecerá acompanhando a evolução do cenário de disseminação da covid-19. “Reafirmamos nosso integral compromisso com a excelência nas atividades de logística reversa de embalagens de defensivos agrícolas, bem como com o bem-estar e a saúde de nossos colaboradores, do meio ambiente e da sociedade em geral”, enfatiza Rando.

Sobre o inpEV - Desde 2002, o inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias) é entidade gestora do Sistema Campo Limpo nas atividades de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas e promove ações de conscientização e educação ambiental sobre o tema, conforme previsto em legislação. É uma instituição sem fins lucrativos formada por mais de 100 empresas e nove entidades representativas da indústria do setor, distribuidores e agricultores.

Sobre o Sistema Campo Limpo- O Sistema Campo Limpo tem como base o princípio das responsabilidades compartilhadas entre todos os elos da cadeia produtiva (agricultores, fabricantes e canais de distribuição, com apoio do poder público) para realizar a logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas. O Brasil é referência mundial na destinação ambientalmente correta do material, encaminhando 94% de embalagens plásticas primárias para reciclagem ou incineração.

Informações - Mais informações sobre o inpEV e o Sistema Campo Limpo estão disponíveis no site www.inpev.org.br, no Facebook, Youtube e Instagram. (Assessoria de Imprensa do inpEV)

TRANSPORTE: ANTT abre consulta sobre pisos mínimos de frete

transporte 29 04 2020A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) abriu a Consulta Pública nº 1/2020, para receber contribuições sobre a proposta de norma alterando a Resolução nº 5.867, de 14 de janeiro de 2020, que estabelece as regras gerais, a metodologia e os coeficientes dos pisos mínimos, referentes ao quilômetro rodado na realização do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas, por eixo carregado, instituído pela Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas (PNPM-TRC).

Reuniões presenciais - A Consulta Pública nº 1/2020 é resultado da conversão da Audiência Pública nº 3/2020, com o intuito de evitar reuniões presenciais, diante da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus (Covid-19).

Prazo para contribuições - O prazo para contribuições vai das 9h do dia 30/04 às 18h do dia 16/06 (horário de Brasília).

Informações - As informações específicas sobre a matéria, bem como as orientações acerca dos procedimentos relacionados com a realização e participação da Consulta, estão disponíveis, na íntegra, no sítio http://www.antt.gov.br, desde o dia 23 de abril. Informações e esclarecimentos adicionais poderão ser obtidos pelo e-mail cp001.2020@antt.gov.br.

Histórico - A Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas (conhecida como Tabela de Frete) foi estabelecida pela Medida Provisória nº 832/2018 e convertida na Lei nº 13.703/2018. Em cumprimento às normas legais, a ANTT publicou, por meio da Resolução ANTT nº 5.820/2018, as tabelas com os pisos mínimos referentes ao quilômetro rodado na realização de fretes, por eixo carregado. As tabelas de pisos mínimos têm natureza vinculativa e foram elaboradas conforme as especificidades das cargas, sendo divididas em: carga geral, a granel, frigorificada, perigosa e neogranel.

Primeiras tabelas - As primeiras tabelas, constantes do Anexo II da Resolução ANTT nº 5.820/2018, foram atualizadas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em janeiro/2019, além das atualizações decorrentes de oscilação do preço do óleo diesel, conforme determinação legal.

Publicação - A Lei nº 13.703/2018 estabelece que a publicação dos pisos ocorrerá até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano, e os valores serão válidos para o semestre em que a norma for editada.

Participação - A participação da sociedade e do mercado tem sido essenciais para fundamentar a norma, por meio das Audiências Públicas n. 2/2019 e 17/2019, bem como mediante a atual Consulta Pública nº 1/2020.

Histórico - Confira o histórico completo da implantação da regulação da ANTT sobre a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas. (ANTT)

 

INFRAESTRUTURA: Anac adia pagamento de outorgas de seis aeroportos

infraestrutura 29 04 2020A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou nesta terça-feira (28/04) que em razão da crise de saúde pública causada pelo novo coronavírus aprovou a postergação do pagamento de outorgas fixas e variáveis de seis aeroportos do país. As outorgas são valores fixos que os operadores precisam pagar anualmente ao governo. Foram atendidos pleitos dos aeroportos de Confins (MG), Galeão (RJ), Fortaleza (CE), Salvador (BA), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS).

Quitação - Segundo a agência, outorgas com vencimento em maio poderão ser quitadas em 18 de dezembro. “Com a decisão, a Anac busca dar as respostas necessárias para que o setor aéreo continue em funcionamento durante a pandemia de covid-19. A postergação temporária dos pagamentos tem o intuito de mitigar dificuldades financeiras de curto prazo, aliviando o fluxo de caixa das concessionárias de aeroportos”, diz nota.

Dívidas - Conforme a Anac, com a decisão foram adiadas dívidas de R$ 179,2 milhões sendo contribuição fixa de R$ 85,6 milhões de Confins e contribuições variáveis de R$ 13,1 milhões de Confins, R$ 40,1 milhões do Galeão, R$ 10 milhões de Fortaleza, R$ 11,3 milhões de Salvador, R$ 6 milhões de Florianópolis e R$ 13,1 milhões do aeroporto de Porto Alegre. (Agência Brasil)

FOTO: Divulgação / Governo de Minas Gerais

 

SAÚDE I: Brasil bate novo recorde de mortes por Covid-19 em um dia

saude I 29 04 2020O Brasil bateu novo recorde de mortes em um dia em razão da pandemia do novo coronavírus, com 474. Segundo atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta terça-feira (28/04), o total subiu para 5.017, aumento de 10,4%. O acréscimo mais alto até então havia sido na quinta-feira (23/04), quando foram contabilizados 407.

Pessoas infectadas - O Brasil chegou a 71.886 pessoas infectadas. Nas últimas 24 horas foram adicionadas às estatísticas mais 5.385 casos, aumento de 8,1% em relação a segunda-feira (27/04), quando foram registradas 66.501 pessoas nessa condição. Foi o segundo maior número em um dia, perdendo apenas para o sábado (25/04), quando foram acrescidos 5.514 novos casos ao balanço.

Acompanhamento - De acordo com o Ministério da Saúde, deste total, 34.325 estão em acompanhamento (48%) e 32.544 já foram recuperados, deixando de apresentar os sintomas da doença. Ainda são investigadas 1.156 mortes.

Epicentro - São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (2.049). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (738), Pernambuco (508), Ceará (403) e Amazonas (351).

Outros estados - Além disso, foram registradas mortes no Maranhão (145), Pará (129), Bahia (86), Paraná (77), Minas Gerais (71), Espírito Santo (64), Paraíba (53), Rio Grande do Norte (48), Rio Grande do Sul (45), Santa Catarina (44), Alagoas (36), Distrito Federal (28), Amapá (28), Goiás (27), Piauí (21), Acre (16), Sergipe (11), Mato Grosso (11), Rondônia (11), Mato Grosso do Sul (nove), Roraima (seis) e Tocantins (dois).

Entrevista - Nesta terça, a equipe do Ministério da Saúde não concedeu a habitual entrevista coletiva na qual apresenta as análises dos dados e comenta as medidas adotadas para conter a propagação do novo coronavírus no país. (Agência Brasil)

FOTO: Tatiana Fortes / Governo do Ceará

saude I tabela 29 04 2020

SAÚDE II: Paraná passa a usar mais um critério para confirmação da Covid-19

saude II 29 04 2020A partir desta terça-feira (28/04), a Secretaria da Saúde do Paraná passa utilizar também o critério clínico/epidemiológico para confirmação da Covid-19 no Estado. A medida amplia a forma de diagnostico. Até agora a doença era confirmada apenas por exame laboratorial e testes rápidos.

Informe - No informe divulgado nesta terça-feira foram registrados 85 novos casos, sendo seis deles pelo novo critério, e mais duas mortes. No geral, até a terça-feira, 1271 pessoas foram confirmadas com a doença no Paraná, sendo que 851 estão recuperadas e liberadas do isolamento e 77 faleceram.

Óbitos- Os dois óbitos ocorridos nas últimas 24 horas são de uma mulher, de 74 anos, residente em Guaíra, e de um homem de 81, morador de Curitiba. Ambos estavam internados.

Diagnósticos - Para a confirmação pelo critério clínico/epidemiológico, que a Secretaria da Saúde passa a utilizar, a pessoa deve ter tido contato próximo ou domiciliar com caso confirmado laboratorialmente para COVID-19 nos últimos sete dias, antes do aparecimento dos sintomas.

Exames laboratoriais - Até hoje os diagnósticos eram realizados apenas por meio de exames laboratoriais, pelo método RT-PCR, e por testes rápidos enviados pelo Ministério da Saúde.

Análise - O método RT-PCR analisa se o organismo do paciente está com o vírus e por isso é realizado nos primeiros dias de sintomas. Nos testes rápidos, a verificação é para saber se a pessoa já teve a doença e o organismo produziu anticorpos.

Amostras de sangue - Esses testes rápidos utilizam amostras de sangue. A execução e a leitura da presença de anticorpos devem ser realizadas por profissionais da saúde. O resultado é verificado após 15 minutos.

Novos casos - Nesta terça-feira, 123 municípios tiveram casos confirmados. Os 85 novos são de Amaporã (4), Assis Chateaubriand (3), Campo Mourão (3), Cascavel (4), Céu Azul (1), Cianorte (4), Cruzeiro do Sul (2), Curitiba (12), Francisco Beltrão (2), Guarapuava (3), Londrina (5), Marilena (5), Maringá (2), Nova Fátima (1), Paranavaí (6), Pinhais (1), Piraquara (1), Planaltina do Paraná (2), Prado Ferreira (1), Querência do Norte (5), Ribeirão do Pinhal (1), Santa Cruz de Monte Castelo (2), Santo Antônio do Caiuá (6), São João do Caiuá (2), Sarandi (1), Tamboara (2), Terra Rica (3) e União da Vitória (1).

Fora do Paraná - O número de pacientes que residem fora do Paraná segue a mesma: 15 confirmados e dois óbitos, conforme detalhamento no Informe Epidemiológico. (Agência de Notícias do Paraná)


 

SAÚDE III: Uso de máscara em locais públicos é obrigatório em todo o Paraná

saude III 29 04 2020O governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionou nesta terça-feira (28/04) a lei 20.189/20 que torna obrigatório o uso de máscara em ambientes coletivos em todo o Paraná. O objetivo é reduzir os riscos de contágio do novo Coronavírus. Até segunda-feira, o Estado registrava 1.186 casos confirmados e 75 óbitos por Covid-19. Quem descumprir a legislação estará sujeito à multa.

Determinação - O texto, proposto por deputados estaduais, determina que a população use máscaras de tecido em espaços abertos ao público ou de uso coletivo, como ruas, parques e praças, estabelecimentos comerciais, industriais e bancários, repartições públicas, assim como no transporte público de passageiros (ônibus, trens, aviões, taxis e aplicativos de transporte) e onde houver aglomeração de pessoas.

Isolamento social - De acordo com o governador, o isolamento social é a melhor forma de prevenção, mas quem precisar sair de casa, a partir de agora, deverá usar máscara para ajudar a evitar a contaminação. “Nosso grande desafio é reduzir a proliferação do vírus”, explica.

Orientações - Ratinho Junior reforça que o Paraná está respeitando as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias do País e do Estado para conter a proliferação da Covid-19. “O uso de máscara é uma atitude importante e reconhecida como ação preventiva”, acrescenta.

Parceria - O chefe da Casa Civil, Guto Silva, destaca a parceria entre os poderes no enfrentamento ao coronavírus. Na semana passada, o governador já havia transformado em lei uma proposta assinada por todos os deputados estaduais, proibindo o corte do fornecimento de luz, água e gás enquanto durar a pandemia de coronavírus no Estado.

Momento único - “Estamos vivendo um momento único, diferente de tudo o que já passamos, e o governo e os deputados estão unidos no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus”, afirma Guto Silva, reforçando a importância da nova legislação para a prevenção de toda a sociedade.

O que diz a lei - A lei sancionada nesta terça-feira determina que os estabelecimentos em funcionamento devam fornecer gratuitamente as máscaras para seus funcionários, além de locais para higienização das mãos ou pontos de álcool gel a 70%. O álcool gel deve estar disponível também para os clientes e o público em geral.

Exigência - Caberá aos estabelecimentos exigir que as pessoas utilizem máscara durante o horário de funcionamento, independentemente de estarem ou não em contato direto com o público.

Multa - A multa para quem descumprir a lei varia de uma até cinco Unidades Padrão Fiscal do Paraná (UPF/PR), para pessoas físicas, e de 20 a 100 Unidades Padrão Fiscal do Paraná (UPF/PR), para pessoas jurídicas. A unidade fiscal equivale hoje a R$ 106,60.

Dobro - Em caso de reincidência os valores poderão ser dobrados. Os recursos das multas serão destinados às ações de combate à Covid-19. O governo estadual deverá editar decreto nos próximos dias regulamentando a forma de fiscalização. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE IV: Governo padroniza notificação de hospitais de casos da Covid

saude IV 29 04 2020Na busca por informações mais precisas e ágeis sobre a Covid-19, a Controladoria-Geral do Estado (CGE) emitiu resolução para que estabelecimentos de saúde, públicos e privados, padronizem a notificação dos casos.

Tabelas - Dois anexos do documento trazem tabelas que especificam os dados necessários, que ajudarão a traçar estratégias de combate ao coronavírus.

Interesses - A notificação atende tantos os interesses da Secretaria de Estado da Saúde, no mapeamento da doença, quanto da CGE, responsável pela transparência das informações. Essa parceria especifica as informações relevantes, entre elas as datas de diagnóstico, de internamento e de óbito (quando for o caso) e a taxa de ocupação dos leitos. Também devem ser informados tipo de comorbidade que acometia o paciente, como por exemplo asma, diabetes, comorbidade cardiovascular, neurológica e renal.

Notificação - De acordo com o controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, os dados vindos de todos os hospitais vão melhorar o nível de informação disponível para o enfrentamento da Covid-19. Ele explicou que a doença é de notificação obrigatória por todos os estabelecimentos de saúde público e privado (Lei Federal 13.979/20).

Recomendação - “Esta resolução é uma recomendação para os hospitais, como forma de consolidarmos um banco de dados que oriente ações ou intervenções com vistas à saúde da população e o não colapso do sistema de atendimento. Nós sabemos que todos os gestores hospitalares estão comprometidos e esperamos contar com a colaboração deles”, disse Siqueira.

Estratégias - Para o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, as medidas vão fazer com que as estratégias de enfrentamento à pandemia sejam ainda mais assertivas. “Esse procedimento garante ainda maior fidelidade nos dados e a possibilidade de um mapeamento mais sólido dos cenários. Neste sentido, por determinação do governador Carlos Massa Ratinho Júnior, estamos atuando com total transparência”, afirmou.

Proteção - As informações colhidas terão o tratamento ético e responsável e não incluirão a identificação do paciente nem seus dados pessoais. “Os dados serão apenas números que ajudarão a Secretaria da Saúde na gestão dessa crise e permitirá à população acompanhar a evolução do combate à doença”, afirmou Siqueira.

Envio diário - Para agilizar a publicação das informações, é orientado o envio diário dos formulários anexo ao documento, que será enviado aos estabelecimentos de saúde. As informações irão concomitantemente para o Portal da Transparência e para a área responsável da Secretaria da Saúde. Porém, são divulgadas no site criado para esta pandemia (www.coronavirus.pr.gov.br).

Vigência - A Resolução 32, da CGE, entrou em vigor na segunda-feira (27/04) e terá vigência enquanto durar o estado de emergência decretado pelo governador Carlos Massa Ratinho Júnior. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE