Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias SANIDADE: Ocorrência de influenza aviária em ave de vida livre em Minas Gerais é de baixa patogenicidade

 

 

cabecalho informe

SANIDADE: Ocorrência de influenza aviária em ave de vida livre em Minas Gerais é de baixa patogenicidade

sanidade 02 06 2023O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) confirmou, nessa quinta-feira (01/06), a detecção do vírus da influenza aviária de baixa patogenicidade (H9N2) em um pato de vida livre, da espécie Cairina moschata, na cidade de Pará de Minas, no estado de Minas Gerais.

Sem relação - A detecção de um novo subtipo do vírus não tem relação com os focos confirmados de alta patogenicidade (H5N1) em aves silvestres nos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, não requer a aplicação de medidas emergenciais e não compromete a condição do Brasil como país livre de IAAP.

Ação - A detecção foi decorrente das ações previstas no Plano de Vigilância de Influenza Aviária e Doença de Newcastle, do Departamento de Saúde Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, e demonstra a atuação intensa do sistema de vigilância em saúde animal.

Notificação - O Mapa reforça que a influenza aviária de baixa patogenicidade não é uma doença de notificação obrigatória à Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) e não traz restrições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros.

Subtipos do vírus da Influenza A - Os diversos subtipos do vírus da Influenza A podem infectar esporadicamente outras espécies, como mamíferos, incluindo humanos. Os casos de infecção humana registrados são esporádicos, relacionados à exposição sem proteção adequada às aves doentes, não havendo registros de transmissão entre humanos.

Evidências - Evidências de presença de outros vírus de influenza aviária de baixa patogenicidade já foram encontradas no Brasil anteriormente. Esses vírus circulam normalmente em populações de aves silvestres, principalmente as aquáticas, em todo o mundo, causando doença leve ou assintomática em aves domésticas e selvagens.

Contato direto - O contato direto, sem proteção adequada, com aves doentes ou mortas deve ser evitado pela população em geral. Todas as suspeitas de IA em aves domésticas ou silvestres, incluindo a identificação de aves com sinais respiratórios, neurológicos ou mortalidade alta e súbita, devem ser notificadas imediatamente ao órgão estadual de saúde animal ou à Superintendência Federal de Agricultura e Pecuária por qualquer meio ou pelo e-Sisbravet (gov.br/agricultura/pt-br/notificacao).

Novos focos de influenza aviária de alta patogenicidade - Também foi confirmado nessa quinta-feira (01/06) mais seis focos de influenza aviária de alta patogenicidade (H5N1), subindo para 19 o número de confirmações de focos em aves silvestres no Brasil.

Espírito Santo - No estado do Espírito Santo foram mais quatros focos, sendo três no município de Marataízes - nas espécies Thalasseus acuflavidus (trinta-réis de bando), Thalasseus maximus (trinta-réis-real) e Nannopterum brasilianum (biguá) - e um no município de Guarapari - Thalasseus acuflavidus (trinta-réis de bando).

Rio de Janeiro - Os outros dois focos foram no estado do Rio de Janeiro, ambos na espécie Thalasseus acuflavidus (trinta-réis de bando). (Mapa)

FOTO: Valter Campanato / Agência Brasil

 

icone prcoop icone instagram icone facebook icone X icone linkedin icone youtube icone flickr icone endereco