Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3295 | 07 de Março de 2014

SISTEMA OCEPAR: Diretores participam da 34ª reunião ordinária

sistema ocepar 07 03 2014Na segunda-feira (10/03), a Ocepar promove a 34ª reunião ordinária da diretoria da entidade, relativa à gestão 2011/201. Na oportunidade será apresentado o plano de metas para 2014 proposto pelas três entidades que integram o Sistema Ocepar: Ocepar, Sescoop/PR e Fecoopar. Os diretores vão ainda discutir temas ligados à Organização das Cooperativas Brasileiras e ao G7, grupo formado por federações representativas do setor produtivo paranaense, como substituição tributária, piso salarial regional e pedágio. A participação do cooperativismo paranaense na Expocoop 2014 - Feira Mundial do Cooperativismo, entre os dias 15 e 17 de maio, em Curitiba, também estará em pauta. A reunião será encerrada com a presença do deputado federal Osmar Serraglio. 

 

EXPOCOOP: Curso de gestão e direito cooperativo será lançado no evento

expocoop 07 03 2014O Instituto Europeu de Formação Avançada vai lançar o primeiro curso de MBA em gestão e direito cooperativo (iMBA) durante a Expocoop 2014, Feira Mundial do Cooperativismo que acontecerá entre os dias 15 e 17 de maio, na Expo Unimed, em Curitiba. O iMBA foi desenvolvido para responder às necessidades dos executivos cooperativistas e conciliar a vida pessoal e profissional com a exigência de uma valorização de excelência e a obtenção de uma visão nova e atualizada da gestão de cooperativas, de forma a não interferir no dia-a-dia de trabalho do aluno.

Formação gradual- Trata-se de uma formação gradual e completa com aulas on-line e módulos presenciais internacional, conduzida por um corpo docente de referência, que inclui 15 dias em escola de negócios internacional em Portugal, Espanha, Itália e França, que encerra-se com a elaboração de um projeto final, agregador de conhecimentos e competências.

Desconto - Durante a Expocoop será oferecido um desconto de 10% para quem fizer sua inscrição no estande do Instituto Europeu de Formação Avançada. É possível antecipar-se e fazer uma pré-reserva através do e-mail imba@wexbusiness.com, basta enviar nome, e-mail e telefone para contato e assim garantir o mesmo desconto. (Newsletter Expocoop)

 

RAMO CRÉDITO: FGCoop funcionará em breve

Mais um passo foi dado para que o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop) comece efetivamente a funcionar, e a expectativa é de que isso ocorra em breve. O Banco Central do Brasil divulgou  nesta quinta-feira (06/03) a Circular 3.700 e a Carta Circular 3.636 que tratam de questões relativas ao FGCoop. A primeira delas dispõe sobre a apuração e o recolhimento das contribuições das instituições associadas ao Fundo. Já a segunda divulga especificamente a base de cálculo das contribuições ordinárias ao FGCoop.

Obrigatoriedade - A partir desses normativos, fica estabelecida a obrigatoriedade, por parte das instituições financeiras associadas ao Fundo, de apuração dos valores das contribuições mensais ordinárias com base nos saldos de determinadas contas Cosif no último dia de cada mês. Ao mesmo tempo, elas terão de encaminhar o respectivo demonstrativo de cálculo ao FGCoop até o dia 20 do mês seguinte e efetuar o recolhimento até o dia 25, também do mês subsequente. O primeiro recolhimento deverá ser efetuado em abril de 2014, com base no saldo apurado em 31 de março.

Funcionamento – Com a publicação de tais circulares, o FGCoop está apto a iniciar suas atividades, restando apenas a obtenção do seu CNPJ junto à Receita Federal do Brasil, passo que está próximo de ser finalizado.

Informações – Para dirimir eventuais dúvidas sobre os novos normativos e suas regras, o Sistema OCB elaborou uma cartilha com orientações sobre o funcionamento do FGCoop – que pode ser acessada aqui.

FGCoop – Seu grande objetivo é ser um fundo único para o cooperativismo de crédito brasileiro, dando mais solidez ao setor, evidenciando para toda a sociedade a credibilidade que as cooperativas de crédito têm e efetivamente merecem.

Números – No Brasil, atuam 1.151 cooperativas de crédito, reunindo 6,5 milhões de associados, com a geração de 40 mil empregos diretos. Juntas, elas exercem um papel fundamental na inclusão financeira da população brasileira. (Informe OCB)

SICREDI: Sistema cooperativo de crédito é destaque no Top 5 do BC

sicredi 07 03 2014Novamente, o Sicredi é destaque no prêmio anual do Banco Central Top 5. Em 2013, a instituição financeira cooperativa foi a segunda colocada na projeção de inflação medida pelo IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna). O ranking, que destaca as cinco melhores instituições em projeções econômicas do Brasil, é divulgado pelo Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais (Gerin) do Banco Central.

Distinção - Durante o ano passado, no ranking divulgado mês a mês, o Sicredi conquistou distinção em sete meses. A listagem é realizada pela avaliação das projeções de, aproximadamente, 100 departamentos econômicos de instituições financeiras e empresas de consultoria.

Top 5 do Banco Central- As classificações anuais rankings Top 5 de curto e médio prazos passaram a ser publicadas, a partir de janeiro de 2009, com o objetivo de identificar e premiar as instituições participantes do Sistema Expectativas de Mercado com as projeções mensais mais consistentes ao longo do ano anterior. As classificações anuais são obtidas a partir dos rankings mensais de curto e médio prazos divulgados ao longo do ano, quando são atribuídas, a cada mês, notas que variam de zero (para o maior desvio em relação ao resultado mensal efetivo) a dez (para o menor desvio em relação ao resultado mensal efetivo). (Imprensa Sicredi)

 

COOPERAÇÃO: Dia C terá lançamento nacional

cooperacao 07 03 2014Um dia inteirinho dedicado à cooperação. Esse é o espírito do Dia de Cooperar Nacional (Dia C), a ser apresentado no próximo dia 26, em Brasília. Para isso, o Sistema OCB, com apoio das suas unidades estaduais, está concluindo os últimos detalhes do lançamento da campanha – quando os coordenadores do Dia C nos estados participarão de uma oficina sobre a ação.

Apresentação - O objetivo é apresentar às unidades o tema da campanha de 2014 e os materiais produzidos, os quais serão disponibilizados aos estados. Também serão repassadas informações sobre a amplitude do projeto, como a adesão das unidades, e, por fim, elaborado um cronograma de desenvolvimento regional das atividades do Dia C 2014.

Bem-estar social- “O Dia C é a confirmação de que o cooperativismo não é apenas um instrumento que alavanca as economias dos países, mas também uma importante ferramenta para o bem-estar social, proporcionando qualidade de vida às pessoas”, ressalta o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Números – No ano passado, oito unidades estaduais participaram do projeto piloto. As ações ocorreram no mês de setembro e beneficiaram cerca de 400 mil pessoas, em 268 municípios. No total, 360 cooperativas mobilizaram mais de 49,5 mil voluntários. A expectativa é ampliar a campanha para todos os estados.

2014 – Assim como nos anos anteriores, as ações que marcarão o Dia C 2014 ocorrerão no primeiro sábado de setembro (dia 6). O Sistema OCB espera consolidar os resultados iniciados em 2013, gerar visibilidade ao cooperativismo e contribuir com o desenvolvimento humano, a partir de ações voluntárias, num movimento nacional de intercooperação e solidariedade.

O que é– O Dia C é o marco das atividades de promoção social realizadas pelas unidades do Sescoop em todo o País. A intenção é que as cooperativas brasileiras, com apoio das unidades estaduais, realizem ações sociais por meio do voluntariado durante todo o ano, ou seja, é uma iniciativa que tem começo e meio, mas não tem fim.

6 de setembro– A ideia é comemorar o sétimo princípio do cooperativismo: o interesse pela comunidade, visando à integração de todas as atividades e serviços voluntários. O Dia C foi idealizado pelo Sistema Ocemg e, gentilmente, cedido ao Sistema OCB. (Informe OCB)

 

FRIMESA: Cooperativa retrata mulher em campanha

frimesa 07 03 2014Na semana da mulher, a Frimesa preparou uma ação diferenciada de comunicação para as mídias eletrônicas, TV e redes sociais. Neste ano foi criada uma campanha institucional voltada para a mulher moderna, multitarefa, que se divide em várias, para cumprir todas as tarefas do dia a dia. A campanha também retrata a razão e a emoção, a alma feminina e suas peculiaridades.

Proposta - Com uma proposta mais conceitual, o VT ressalta a emoção como principal instrumento para fortalecer a cooperativa como marca amiga. Além de ressaltar os laços de amizade, é uma forma de conversar com a mulher, público-alvo da Frimesa.

Divulgação - O vídeo, que traz as peculiaridades do dia a dia da mulher, será divulgado entre os dias 03 e 08 de março, em todo o Paraná, pela RPCTV, e no interior de São Paulo, nas cidades de Bauru, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Campinas e Santos, pela Record.

Intervalos - Na RPCTV, será nos intervalos dos programas Bom Dia Brasil, Mais Você, Bem Estar, Encontro com Fátima, Paraná TV 1ª Edição, Paraná TV 2ª Edição, Estrelas, Jornal Nacional, Novela das 21h e Domingão do Faustão. Na Record, o VT será veiculado nos intervalos dos programas Fala Brasil, Hoje em Dia, Balanço Geral, Programa da Tarde, Jornal da Record, Esporte Fantástico e Domingo da Gente. (Imprensa Frimesa)

Clique no link para acessar o vídeo no YouTube:

 http://www.youtube.com/watch?v=qeVKnwdPuKg

 

PRIMATO: Encontro marca Dia Internacional da Mulher

A Primato Cooperativa Agroindustrial apoiará o encontro do Dia Internacional da Mulher nesse sábado (08/03), em Vera Cruz do Oeste. O evento é uma realização do Provopar municipal, e contará com uma programação especial, no salão de eventos do Centro Esportivo Carlos Anizelli, a partir da 13h30. As atividades começará com um momento cultural e depois uma palestra motivacional com o tema: “Autoestima: Sem Limites para Crescer”, e na sequência sorteios de brindes. Para o encerramento, previsto às 17h, será servido um coquetel de confraternização. A entrada é gratuita, destinada para mulheres acima de 16 anos. (Imprensa Primato)

C.VALE: Inscrições abertas para o Jovem Aprendiz

cvale 07 03 2014No período de 5 a 19 de março, a C.Vale estará com as inscrições abertas para o processo seletivo da sétima turma do Programa Jovem Aprendiz Cooperativo. A cooperativa, em parceria com o Sescoop/PR, vai contratar mais 40 jovens com idade entre 14 e 24 anos que estão cursando o ensino médio ou técnico de nível médio. As inscrições poderão ser feitas diretamente no Sine de Palotina, mediante apresentação de fotocópia da carteira de identidade, CPF, comprovante de residência, declaração de frequência escolar 2014 e histórico escolar de 2013.

Seleção - Os candidatos passarão por três etapas de seleção eliminatórias que consistem em prova de conhecimentos gerais, dinâmica de grupo e entrevista individual. Os selecionados serão contratados por dois anos para desenvolver tarefas administrativas, com uma carga horária semanal de 20 horas (4 horas diárias de terça-feira a sábados), com remuneração mensal pelo salário mínimo hora, mais vale alimentação e plano odontológico com custeio de 70% pela cooperativa.

Contraturno - O trabalho será sempre no contraturno escolar (8h às 12h00 ou das 13h30 às 17h30), nas áreas administrativas na sede da cooperativa e no abatedouro de aves, em Palotina e nas unidades  do Bairro Catarinense e Matrizeiro/Vila Floresta. A admissão dos aprovados está prevista para o dia 22 de abril.

Efetivação - Em nove anos, 182 jovens já passaram pelo programa e vários foram efetivados pela C.Vale.

Edital - Ouras informações no site da C.Vale www.cvale.com.br/jovem_aprendiz/edital. (Imprensa C.Vale)

 

COCAMAR: Produtores vão conhecer resultados do sistema de ILPF em Goiás

Pelo quarto ano consecutivo, produtores da região noroeste do Paraná, convidados pela Cocamar Cooperativa Agroindustrial, serão levados para o interior de Goiás onde participam de uma programação sobre Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF). A viagem é no próximo dia 18, com destino a Caldas Novas, onde, no dia 19, haverá apresentação desse sistema com a presença de especialistas do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Conselho Nacional de Secretários de Estado da Agricultura (Conseagri) e representantes da Rede de Fomento de ILPF. Na manhã seguinte, o grupo segue para Ipameri, distante 80 quilômetros, para um dia de campo na Fazenda Santa Brígida, considerada uma referência nacional no assunto.

Transformação - Integrante da Rede de Fomento, a Cocamar é uma das principais apoiadoras de ILPF no país e, segundo o presidente do Conselho de Administração, Luiz Lourenço, a ida de produtores da região noroeste é uma forma de mostrar, na prática, a transformação promovida pelo sistema, com tecnologias que podem ser aplicadas às suas propriedades. Com 900 hectares de terras que antes eram totalmente degradadas, a Santa Brígida tornou-se uma fazenda altamente produtiva, integrando pecuária de corte à produção de soja e cultivo de floresta de eucalipto, sendo visitada por produtores e técnicos de todo o país e até do exterior.

Entusiasmo - Nos últimos anos, de acordo com o agrônomo Rafael Franciscatti dos Reis, coordenador de ILPF na Cocamar, grande parte dos produtores levados a Goiás, voltaram entusiasmados com o que viram e implementaram projetos semelhantes, revitalizando seus negócios. (Imprensa Cocamar

UNIMED PR: Centro de Atenção Personalizada à Saúde será inaugurado neste mês

unimed pr 07 03 2014As obras do Centro de Atenção Personalizada à Saúde estão próximas de serem concluídas e a APS muito próxima de se tornar uma realidade para os colaboradores das Unimeds Paraná e Curitiba. O espaço será inaugurado oficialmente neste mês, com um infraestrutura tecnológica dedicada à coordenação do cuidado e à qualidade do atendimento. O horário de funcionamento do Centro será de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 19h30 e aos sábados, das 7h30 às 13h30. Caso precise de atendimento fora desses horários, o beneficiário poderá entrar em contato com o médico de família por um número de celular que será fornecido após a inauguração. (Imprensa Unimed Paraná)

 

UNIMED LONDRINA: Clientes ganham novo serviço de orientação médica

No dia 3 de fevereiro, a Unimed Londrina lançou o “Alô Saúde”, um serviço gratuito que oferece orientação médica por telefone aos clientes. Trata-se de um canal de fácil acesso para que quaisquer dúvidas sobre questões médicas sejam resolvidas de maneira eficiente, visando assim, a diminuição da procura desnecessária por atendimentos em pronto-socorro, e também, o risco das automedicações.

Planejamento - Esse serviço já é oferecido em outras Unimeds e países. Em Londrina, o planejamento para implantação do Alô Saúde começou em março de 2013, analisando os resultados e os serviços oferecidos pela Unimed de Belo Horizonte - MG. “Terceirizamos o serviço com uma companhia que já tem experiência com este tipo de atendimento. O sucesso do projeto em Minas Gerais foi o pontapé inicial para irmos atrás dessa parceria. A Unimed de Maringá também possui seu canal de atendimento telefônico desde outubro do ano passado, e os resultados também estão sendo bastante positivos”, explica o gestor de promoção em saúde, Wilson Liuti Costa.

Divulgação - A campanha começou a ser divulgada no mês passado em vários canais (TV, rádios, jornais, revistas, internet, materiais publicitários nas recepções – banner e folder, etc), com o mote “Desligue o Achômetro". Os clientes Unimed Londrina receberão um imã de geladeira com o número do Alô Saúde, assim como um folder explicativo, para que consultem em quais casos o serviço pode ser acionado. (Imprensa Unimed Londrina)

TRIGO: Área no Paraná deve crescer 20%

Renegado há alguns anos no Estado, reflexo da falta de liquidez, preços não muito convidativos e qualidade abaixo da exigida pelos moinhos, o trigo deve voltar a registrar aumento de área em terras paranaenses nesta safra de inverno. Levantamentos de custos de produção realizados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e também estudos feitos pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura (Seab), mostram que a cultura tem potencial de expansão, inclusive sobre as áreas do milho safrinha.

Deral - Números do Deral do dia 24 de fevereiro já confirmam que a área do milho sofreu retração em comparativo à safra 2012/13. A área – que já está 57% plantada – deve cair de 2,1 milhões de hectares para 1,9 milhão de hectares, uma queda de 12%. Já a produção deve retrair algo em torno de 2%, fechando em 10 milhões de toneladas.

Números - Os números do trigo ainda não foram divulgados, mas o técnico do Deral, Hugo Godinho, prevê um aumento de área em torno de 20%. O cereal pode substituir o milho em algumas áreas - como no Norte e Oeste do Estado – e em outras apenas expandir, como acontece no Sul, região onde não se planta milho segunda safra. "Vale dizer que o produtor faz um planejamento antecipado sobre qual cultura vai optar. Em novembro, o preço do trigo era 2,8 vezes maior que o do milho e, segundo nossos cálculos, a partir de 2,1 vezes, ele já pode pensar em optar pelo cereal. Não há dúvidas que teremos uma expansão do trigo nesta temporada", relata ele.

Rentabilidade - Os cálculos do Cepea mostram que a rentabilidade do trigo chega a 30% sobre os custos operacionais, enquanto a do milho apresentou margem negativa de 17%. Para esse resultado, foram considerados os valores médios pagos pelos insumos e também os de venda da produção referentes aos meses de novembro de 2013 a janeiro deste ano. Mesmo ao se computar os custos totais (operacionais e fixos), o trigo aponta igualdade com a receita total, enquanto para o milho, sobre o custo total, as margens negativas são ampliadas.

Produtividade - Para o trigo, na região Norte do Paraná, tomou-se como base uma produtividade média de 47,52 sacas (sc) por hectare. Os dados médios apontam que o custo operacional da lavoura seria de R$ 32,59/sc em janeiro e que considerando um preço médio de R$ 42,50/sc de 60 kg, geraria rentabilidade de 30,4%. Para o milho segunda safra, na mesma localidade, o custo operacional seria de R$ 22,32/sc, para uma produtividade de 74,38 sc/ha. Com preço médio de R$ 18,54/sc de 60 kg, a rentabilidade seria negativa, em 17%. "Na média, o trigo apresentava valores fortes no mercado doméstico e o no papel ele parece rentável. Entretanto, o produtor sabe qual é a melhor cultura para sua condição, já que o milho tem muito maior liquidez. A negociação do trigo geralmente é complicada com os moinhos, que também batem muito forte na questão de qualidade", complementa Mauro Osaki, pesquisador do Cepea.

Coeficientes técnicos- Esses resultados levaram em conta a produção dos dois cereais nas regiões paranaenses de Cascavel e Londrina. A simulação baseou-se em coeficientes técnicos (doses de insumos e produtividades) da safra 2012/13 levantados pela equipe do Cepea junto a produtores e consultores das praças estudadas, com a metodologia denominada "painel", na qual se define uma propriedade padrão local.

Dependência - O Brasil não é autossuficiente e necessita importar pelo menos metade do trigo necessário para atendimento do consumo doméstico. Nos últimos anos, apenas medidas paliativas foram tomadas para suprir as necessidades mais urgentes, sem readequar a produção da cultura à demanda interna. A histórica dificuldade de comercialização do trigo e a falta de apoio governamental são os principais fatores que fazem com que o produtor migre cada vez mais para a produção do milho de segunda safra. (Folha Web / Agrolink)

SOJA I: Safra do Brasil deve ser 88,8 milhões de toneladas, aponta consultoria

soja 07 03 2014A Informa Economics FNP revisou para baixo sua estimativa para a produção de soja e milho do Brasil na temporada 2013/14. Segundo a consultoria, o país vai colher 88,8 milhões de toneladas da oleaginosa e 30,2 milhões de toneladas do cereal neste verão. Os volumes estão 1% e 3,8%, respectivamente, abaixo da última projeção da empresa. Em números absolutos, o recuo é de 900 mil toneladas na soja e de 1,2 milhão de toneladas no milho. A redução do potencial produtivo ocorre em função do clima quente e seco que atingiu as regiões produtoras brasileiras entre dezembro e janeiro.

Soja sobre soja- A forte desvalorização do milho no mercado internacional durante o período de compras de insumos para o inverno motivou ainda que os produtores apostassem numa segunda safra de soja, ressalta a Informa. Os estados que se destacam no cultivo da “soja safrinha” são Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. A estimativa da consultoria é que serão cultivados 437 mil hectares com a oleaginosa neste inverno, um aumento de 157% em relação ao terreno plantado no ciclo anterior. Com um rendimento médio de 1,83 mil quilos por hectare, a produção deve ser de 800 mil toneladas, contra 300 mil toneladas produzidas no ano passado.

Não recomendado- O plantio de soja sobre soja não é recomendado por técnicos e agrônomos, porque dificulta o controle de pragas (insetos e ervas daninhas) e doenças nas lavouras em anos seguintes.

Milho safrinha- A produção do milho no inverno deve se manter em 35,2 milhões de toneladas. A redução na colheita de verão, porém, puxa para baixo o volume total produzido pelo Brasil neste ano. A queda em relação à última estimativa é de 1,6%. Com isso, o país deve retirar dos campos 65,45 milhões de toneladas, considerando a primeira e a segunda safra. A projeção anterior da empresa era de 66,5 milhões de toneladas.

Novo indicador- Na próxima terça-feira (11/03), o Agronegócio Gazeta do Povo (AgroGP) traz novos números para a produção de soja e milho nos dois principais estados produtores de verão brasileiros. O indicador de colheita da Expedição Safra vai apontar estimativas de área, produtividade e produção para Mato Grosso e Paraná, com base em levantamentos de campo realizados nos últimos meses pelo projeto. (Gazeta do Povo)

 

SOJA II: Brasil exporta 2,8 mi toneladas em fevereiro, volume é recorde

O Brasil exportou 2,79 milhões de toneladas de soja em fevereiro, volume recorde para o mês e quase três vezes mais que o embarcado no mesmo período de 2013, em meio a antecipação da colheita da safra recorde no país, mostraram dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) nesta quinta-feira (06/03). Os embarques representaram efetivamente o início do escoamento da safra 2013/14, já que em janeiro foram exportadas apenas 30,6 mil toneladas, volume insuficiente para encher um navio graneleiro.

Total embarcado- Em fevereiro de 2013 os embarques somaram 960 mil toneladas e em fevereiro de 2012, recorde anterior para o mês, foram embarcadas 1,57 milhão de toneladas. Apesar de algumas perdas devido a problemas climáticos, o Brasil está colhendo uma safra recorde, de cerca de 88 milhões de toneladas de soja, segundo diversas consultorias.

Escala de navios- A escala de navios em meados do mês passado já mostrava uma aceleração dos movimentos nos portos, com uma fila de embarcações suficiente para carregar quase 8 milhões de toneladas de soja entre fevereiro e março. Especialistas dizem que a demanda por soja segue muito aquecida no mercado global, particularmente dos compradores chineses.

América do Sul- Nesta época do ano a soja da América do Sul começa a ser a alternativa para qual se voltam os compradores internacionais, já que é a entressafra dos Estados Unidos, que disputa a liderança na produção com o Brasil.

Preço médio- A Secex apontou uma queda no preço médio da soja exportada para 497 dólares por tonelada no mês passado, contra 538 dólares em fevereiro de 2013. Mesmo assim, com um volume bem maior, o país faturou 1,386 bilhão de dólares com as vendas de soja ao exterior em fevereiro, ante 517 milhões de dólares um ano antes. (Reuters / Gazeta do Povo)

CRÉDITO RURAL: Agricultura empresarial financia R$ 2,79 bi em armazenagem

credito rural 07 03 2014Os financiamentos concedidos pelo governo federal para a construção e reforma de armazéns por produtores e cooperativas somaram R$ 2,79 bilhões entre julho do ano passado e janeiro deste ano. O valor representa 62% dos R$ 4,5 bilhões em crédito disponibilizados para a agricultura empresarial durante a safra 2013/14.

Programas - Pelo Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), foram contratados R$ 2,18 bilhões dos R$ 3,5 bilhões disponíveis. Já pelo Programa de Sustentação de Investimento (PSI-BK) voltado para cerealistas, os empréstimos totalizaram R$ 611 milhões de R$ 1 bilhão destinado para esta modalidade.

Recursos - Apesar do volume expressivo de empréstimos já garantidos, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, garante que não faltarão recursos para os produtores interessados nessas operações. “Um exemplo é a linha de crédito do PSI-BK, que disponibilizou R$ 7 bilhões durante a safra atual, mas já passou em mais de 32% do valor inicialmente programado. Isso porque o governo federal deixou claro que continuará concedendo empréstimos aos produtores com taxas de juros baixos mesmo que os limites das modalidades de crédito sejam atingidos”, explicou.

Pronaf - Além dos R$ 4,5 bilhões para a agricultura empresarial, ainda foram reservados mais R$ 500 milhões ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Avaliação mensal- A avaliação atualizada mensalmente das contratações do crédito agrícola é realizada pelo Grupo de Acompanhamento do Crédito Rural, coordenado pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

IC-BR: Índice de commodities do BC registra maior alta desde junho de 2013

Mesmo com o real ganhando valor ante o dólar no mês de fevereiro, as commodities internacionais que têm influência sobre a inflação brasileira apresentaram firme alta pelos cálculos do Banco Central (BC). O Índice de Commodities Brasil (IC-Br) subiu 4,27% no mês passado, depois de aumento de 1,44% em janeiro. É a maior alta mensal desde junho do ano passado.

Indicador - O indicador é construído partindo dos preços das commodities agrícolas, metálicas e energéticas convertido para reais. Seu equivalente internacional, o Commodity Research Bureau (CRB), mostrou variação positiva 1,78% no mesmo período – na conta feita pelo BC.

Alta - Nos 12 meses até fevereiro, o indicador aponta forte alta de 14,02%, e tem variação positiva de 5,78% no acumulado de 2014. Já nos três meses encerrados em fevereiro, o avanço é de 8,41%. O CRB apresenta elevação de 16,39% em 12 meses e tem alta de 2,88% em 2014. No trimestre encerrado em fevereiro, o indicador internacional subia 5,35%.

Subgrupos - Dois dos três subgrupos que compõem o IC-Br apresentaram alta no mês passado. O grupo de commodities agropecuárias (carne de boi, carne de porco, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café e arroz) teve aumento de 5,77% na passagem de janeiro para fevereiro e tem elevação de 7,81% no ano. Em 12 meses, o avanço é de 14,48%.

Energéticas - As commodities energéticas (petróleo Brent, gás natural e carvão) mostraram alta de 3% em fevereiro, mesma variação vista no acumulado do ano. Nos últimos 12 meses, a valorização é de expressivos 20,12%.

Metálicas - Com comportamento oposto, as commodities metálicas (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo e níquel) recuaram 0,72% no mês e apontam estabilidade no ano. Em 12 meses, o ganho é de 6,11%. (Valor Econômico)

JUCEPAR: Governo expande projeto para simplificar e desburocratizar abertura de empresas

jucepar 07 03 2014A Junta Comercial do Paraná (Jucepar), do Governo do Estado, vai expandir para os principais municípios do Estado o projeto para desburocratizar os processos de abertura, alteração e baixa de empresas. Com o projeto piloto implantado em Maringá desde dezembro de 2013, o presidente da Jucepar, Ardisson Naim Akel, já visitou neste ano os principais municípios da Região Metropolitana de Curitiba – Pinhais, Colombo e São José dos Pinhais, e os municípios com maior número de empresas ativas na Região Oeste - Foz do Iguaçu, Toledo e Cascavel. Estão previstas, ainda, visitas a Ponta Grossa, Londrina, Guarapuava e Apucarana, no norte do Estado.

Projeto Integrar- A ação é orientada pelo governo estadual e visa apresentar o Projeto Integrar, para a implantação no Estado da Rede Nacional de Simplificação do Registro Empresarial (Redesim), que é o compartilhamento de informações entre as prefeituras, Receita Federal e Estadual e a Junta Comercial, que é vinculada à Secretaria Estadual da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul. O objetivo é promover a simplificação e a desburocratização do processo de abertura, alteração e baixa de empresas.

Facilitação - “A iniciativa do governo estadual facilitará o trabalho de legalização do novo e do atual empresário no Paraná. Com o Projeto Integrar, o empreendedor vai ter uma redução de tempo e de custos na hora de constituir ou atualizar as informações de uma empresa. O grande beneficiado com este programa é o próprio empreendedor que busca abrir o seu negócio”, afirmou o presidente Akel.

Reforço - Na última semana, o programa ganhou um reforço com a visita a Curitiba do ministro da Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos. Ele afirma que a iniciativa paranaense ganha força graças à cultura empresarial adquirida nos últimos anos: “O Paraná, por conta de sua história no setor empresarial, será referência quanto à simplificação de constituições e alterações contratuais de empresas no Brasil", ressaltou o ministro.

Região Metropolitana– A Jucepar foi convidada a apresentar o Projeto Integrar/Redesim, durante a primeira reunião da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (ASSOMEC), realizada no dia 26 de fevereiro. O convite, feito pelo presidente da entidade e prefeito de Pinhais, Luiz Goularte Alves, proporcionou aos prefeitos de outras cidades da Região Metropolitana conhecer o projeto do Governo Estadual. “É uma iniciativa que vai além de melhorar o nosso trabalho, de modo a contribuir para o aumento no número de empresas em nossas cidades”, comenta Goularte.

Curitiba - Em Curitiba, representantes da Prefeitura, da Receita Federal, da Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) e do Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) se reuniram na Jucepar para afinar os detalhes sobre o funcionamento da plataforma na capital paranaense.

Informações - “Com a Redesim no Estado, o que vai viajar entre as entidades responsáveis pela liberação e legalização de uma empresa são as informações, e não mais o futuro empresário”, destaca o presidente do DREI, Vinicius Mazza. O órgão, subordinado à Secretaria da Micro e Pequena Empresa, é responsável pelo apoio e articulações das Juntas Comerciais do Brasil.

Evolução - De acordo com a secretária Municipal de Finanças, Eleonora Bonato Fruet, o projeto promete uma grande evolução no setor empresarial no Estado. “Estamos caminhando para um avanço com relação ao empreendedorismo, com informações compartilhadas entre as principais entidades responsáveis pela legalização de empresas. Isso é um ganho enorme para o Paraná e, consequentemente, para o país”, completou. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ENERGIA: Estiagem faz conta das usinas térmicas dobrar em fevereiro

energia 07 03 2014A estiagem de fevereiro gerou uma conta de aproximadamente R$ 3,5 bilhões às distribuidoras de energia, conforme apurou o Valor com fontes do setor. O número, calculado preliminarmente pelo setor privado e já informado ao governo, é resultado do acionamento a plena carga das usinas térmicas e da "exposição involuntária" das próprias distribuidoras. Elas não conseguiram contratar todo o suprimento de eletricidade nos últimos leilões do governo e precisam comprar 3.500 megawatts (MW) médios no mercado de curto prazo para abastecer seus consumidores.

Janeiro - Em janeiro, a conta já havia sido de R$ 1,8 bilhão, mas o esvaziamento dos reservatórios complicou esse quadro. Pelas regras atuais, as distribuidoras são obrigadas a assumir essas despesas, mas elas alegam risco de quebra, caso precisem mesmo fazer os desembolsos. Reservadamente, no governo, comenta-se que uma das situações mais dramáticas é a da Eletropaulo. Por isso, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) concordou em adiar para o dia 11 de março a apresentação de garantias financeiras pelas distribuidoras. Até a semana que vem, as empresas deverão depositar essas garantias para liquidar os gastos bilionários de janeiro.

Motivos - Em fevereiro, dois motivos jogaram as despesas para cima. Um é o preço da energia no mercado de curto prazo, que chegou ao pico histórico de R$ 822,83 por megawatt-hora - no mês anterior, a média havia sido de R$ 378,22. O governo já estuda, discretamente, mexer no cálculo dos preços.

Panorama desfavorável- Esse preço disparou por causa do panorama hidrológico desfavorável: foi o segundo pior mês de fevereiro em chuvas para as regiões Sudeste e Centro-Oeste, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em 84 anos. No Nordeste, a afluência foi a mais baixa no mês desde 1931.

Termelétricas - Outra razão para elevar as despesas foi o uso intenso das termelétricas. De acordo com o engenheiro e consultor Humberto Viana Guimarães, as usinas térmicas tiveram uma geração diária de 15.053 MW médios em fevereiro. No mesmo mês do ano passado, geravam 12.973 MW médios.

Despesas - Tudo somado, segundo fontes do setor, as despesas passaram de R$ 3 bilhões. "Mas não devem chegar a R$ 4 bilhões", diz um interlocutor do governo que fez os cálculos. No acumulado do primeiro bimestre, a estimativa é que os gastos ficarão entre R$ 5 bilhões e R$ 5,5 bilhões - se isso for repassado às tarifas, seria necessário um reajuste adicional de pelo menos 5%.

Reunião - A presidente Dilma Rousseff fez uma reunião nesta quinta-feira (06/03) com auxiliares, no Palácio da Alvorada, para definir se o Tesouro bancará integralmente essas despesas, ou se haverá algum repasse para as tarifas de energia ainda em 2014.

Decreto - A primeira versão do decreto que autoriza do Tesouro a colocar recursos na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), o fundo setorial que repassa o socorro às distribuidoras, é uma repetição do editado no ano passado. Ou seja, autoriza a transferência de dinheiro para cobrir o custo das térmicas e a "exposição involuntária" das distribuidoras, mas não dá estimativas de gastos e nem diz como o governo vai cobrir a conta. A recomendação da área técnica era de que o custo, que deve superar R$ 20 bilhões, seja dividido - uma parcela repassada às tarifas e outra a ser coberta pelo Tesouro. (Valor Econômico)

 

ECONOMIA I: Balança comercial tem pior fevereiro em 20 anos

economia I 07 03 2014A balança comercial brasileira fechou fevereiro com déficit (exportações menores que importações), registrando resultado negativo de US$ 2,125 bilhões. Em janeiro, a balança havia aberto o ano deficitária em US$ 4,06 bilhões. O resultado de fevereiro é o pior para o mês desde o início da série histórica, em 1994, superando o saldo negativo de US$ 1,7 bilhão no mesmo mês do ano passado, que até então era o resultado mais fraco em 20 anos.

Resultado - O saldo no vermelho no mês passado resultou de US$ 18 bilhões em importações contra vendas externas de US$ 15,9 bilhões. No ano, o saldo acumulado permanece negativo em US$ 6,1 bilhões, As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (06/03) pelo Ministério da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior.

Média diária- A média diária das exportações, que corresponde ao volume financeiro vendido por dia útil, ficou em US$ 796,7 milhões, valor 7,8% inferior ao patamar de fevereiro de 2013, mas 9,4% superior ao de janeiro deste ano. O recuo nas vendas sobre o ano anterior foi geral, englobando produtos básicos (-8,5%), semimanufaturados (-8,7%) e manufaturados (9,2%). Entre os itens que puxaram a queda no valor arrecadado com as exportações brasileiras estão açúcar refinado (57,7%), automóveis de passageiros (-35,8%), aviões (-53,9%), ouro (-47,4%), celulose (-18,3%), óleo de soja (-17,1%), milho (-70,5%), petróleo bruto (-30,6%) e minério de ferro (-7,2%).

Queda- As importações também caíram, mas em ritmo menor que o registrado para as vendas externas. A média diária de compras do Brasil no exterior ficou em US$ 903 bilhões em fevereiro, 3,4% inferior à observada no mesmo mês de 2013 e 1,1% menor que a de janeiro deste ano. (Agência Brasil)

 

ECONOMIA II: Tesouro resgata R$ 2 bilhões do BNDES para superávit primário de fevereiro

O Tesouro Nacional poderá usar R$ 2 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para reforçar o caixa em fevereiro. Portaria publicada nesta quinta-feira (06/03), no  Diário Oficial da União, autoriza o resgate da quantia em títulos públicos em poder do banco de fomento.

Operação retroativa - A operação será retroativa a fevereiro, o que permitirá que os recursos sejam registrados como receita e aumentem o superávit primário – economia para pagar os juros da dívida pública – do segundo mês do ano. Somente no fim de março, o Tesouro Nacional divulgará os resultados de fevereiro.

Antecipação dos lucros- De acordo com o texto da portaria, os R$ 2 bilhões em títulos públicos serão resgatados como antecipação de lucros. No entanto, o Tesouro Nacional informou que a operação está vinculada ao repasse de parte do lucro de R$ 8,15 bilhões, obtido pelo banco no ano passado. Parcela dos lucros que as empresas repassam aos acionistas - os dividendos, no caso das estatais - são transferidos ao Tesouro, que é o maior acionista desse tipo de empresa.

2013 - No ano passado, o Tesouro recebeu R$ 17,141 bilhões em dividendos de empresas estatais. Do total, o BNDES contribuiu com a maior parte, R$ 6,999 bilhões – 40,8% do total. Para 2014, o governo prevê receber R$ 24 bilhões em dividendos de estatais.

Meta - Neste ano, a meta de superávit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) corresponde a R$ 80,8 bilhões. Os estados e municípios terão de economizar mais R$ 18,2 bilhões, totalizando R$ 99 bilhões. Em janeiro, o esforço fiscal totalizou R$ 12,954 bilhões, 34% a menos que no mesmo mês do ano passado. (Agência Brasil)


Versão para impressão


Expocoop 2014

Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br