Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5212 | 07 de Dezembro de 2021

EDUCAÇÃO: Programa de Apoio ao Ensino Médio oferece oportunidade a público cooperativista; inscrições até 15 de dezembro

O “Programa de Apoio ao Ensino Médio Sesi/Sescoop”, destinado aos filhos dos funcionários de cooperados e de funcionários das cooperativas registradas no Sistema Ocepar, prossegue com inscrições abertas até o dia 15 de dezembro. A iniciativa é resultado de uma ação conjunta entre os Sistemas Ocepar e Fiep, por meio do Sescoop/PR e Colégio Sesi da Indústria, respectivamente.

Apoio - Pela parceria, o Sescoop/PR apoiará até 75% do valor das mensalidades para que alunos filhos do público beneficiário possam cursar, em qualquer uma das unidades do Colégio Sesi da Indústria nos municípios de Umuarama, Cascavel, Ampére, Capanema, Francisco Beltrão, Pato Branco, Campo Mourão, Maringá, Arapongas, Telêmaco Borba, Ponta Grossa, Irati, União da Vitória, Campo Largo e Rio Negro, o Ensino Médio, concomitando ao Curso Técnico em Cooperativismo, com carga horária de 1200 horas, complementar aos três anos do Ensino Médio, já de acordo com a nova proposta de currículo para o Ensino Médio que entra em vigor a partir de janeiro de 2022, em todo o território nacional.

Oportunidade - “Percebemos na nova Lei do Ensino Médio uma grande oportunidade de levarmos o ensino e a educação cooperativista para as escolas. As cooperativas buscam, cada vez mais, profissionais que entendam sobre o tema do cooperativismo e que estejam habilitados para trabalhar com esta questão. Por isso criamos, juntamente com o Colégio Sesi da Indústria o Programa de Apoio ao Ensino Médio Sesi/Sescoop, para atender os filhos dos funcionários das cooperativas registradas no Sistema Ocepar”, explica a gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Maria Emilia Pereira Lima.

Lista - Também integram a lista de unidades que dispõem deste benefício o Colégio Sesi da Indústria Alto da Glória, Boqueirão e CIC, em Curitiba, e a unidade Afonso Pena do Colégio Sesi da Indústria em São José dos Pinhais, além das unidades do Colégio Sesi Internacional Bilíngue em Londrina e Ponta Grossa e Trilíngue em Foz do Iguaçu.

Única - “A oportunidade é única, pois as famílias envoltas ao cooperativismo terão acesso aos Colégios Sesi da Indústria e também a uma metodologia de trabalho diferenciada, que tem por objetivo formar profissionais empreendedores, criativos, éticos e inovadores, com foco no desenvolvimento da solidariedade e respeito mútuo. Valores que estão explícitos no propósito de ambas as organizações: pensar global, mas agir local”, explica a gerente executiva de Educação do Sistema Fiep, Fabiane Franciscone.

Mais informações - Para mais informações, os interessados podem enviar um e-mail para mirian.vieira@sistemafiep.org.br ou conversar diretamente com o agente da cooperativa Sescoop/PR. O programa é válido, exclusivamente, para filhos dos funcionários de cooperados de cooperativas com pelo menos 24 meses de filiação e para os filhos dos funcionários das cooperativas registradas no Sistema Ocepar. (Com informações da Assessoria de Imprensa do Sistema Fiep)

Clique aqui e assista ao vídeo sobre o Programa de Apoio ao Ensino Médio

 

educacao 23 11 2021

COMUNICA COOP: Diretor executivo do Grupo Datacenso vai apresentar resultados da pesquisa de imagem

O Fórum dos Profissionais de Comunicação e Marketing das Cooperativas do Paraná será realizado virtualmente pelo Sistema Ocepar nesta quarta-feira (08/12) e na sexta-feira (10/12), tratando de dois temas: comunicação online assertiva e pesquisa de imagem dos produtos e serviços oferecidos pelo cooperativismo paranaense. “Esse fórum é fundamental porque irá levar informações sobre o que pensam os paranaenses em relação aos investimentos que as cooperativas estão fazendo para alavancar a imagem das suas marcas no mercado. Vejo que há muitas oportunidades, estrategicamente falando”, afirmou o professor Cláudio Shimoyama, diretor executivo do Grupo Datacenso, ao jornalista Alexandre Salvador, em entrevista à rádio PR Cooperativo. Clique aqui e ouça na íntegra.

Pesquisa - Shimoyama participa do evento na sexta-feira (10/12), das 14h às 16h. Na oportunidade, ele vai apresentar os resultados da terceira pesquisa realizada, a pedido do Sistema Ocepar, com consumidores e não consumidores dos produtos e serviços ofertados pelas cooperativas paranaenses. Shimoyama vai detalhar as informações obtidas por meio de levantamento feito com grupos focais, realizada com colaboradores e diretores das cooperativas, compradores e diretores de supermercados. Também vai discorrer sobre como utilizar a pesquisa como ferramenta de comunicação e marketing.

 

Comunicação online - Já na quarta-feira (08/12), a programação vai das 14h às 17h, sob o comando da fonoaudióloga especializada em voz, mentora em comunicação pessoal e media training, Cida Stier. Ela vai orientar os participantes sobre como ser assertivo no momento de se comunicar virtualmente. Cida irá mostrar como as novas plataformas e as redes sociais influenciam na comunicação individual e corporativa; a relação entre autenticidade, naturalidade e credibilidade; comportamento em frente à câmera durante atividades online; uso adequado do tempo; planejamento e organização da fala; estratégias de preparação de conteúdos e muito mais.

 

Inscrições e informações - O Fórum é destinado aos profissionais que atuam nas cooperativas do Paraná. Clique aqui para se inscrever. Mais informações pelo e-mail jornalismo@sistemaocepar.coop.br ou pelo fone (41) 3200-1150.

 

 

folder forum comunicacoop 01 12 2021

SOMOSCOOP: Sistema OCB divulga vencedores do Prêmio Excelência em Gestão - ciclo 2021

somoscoop 07 12 2021 Ser um modelo de gestão e boas práticas é uma conquista sempre muito almejada por qualquer modelo de negócio. E com as cooperativas não poderia ser diferente. Por isso, é grande a expectativa para a cerimônia de entrega do Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão, promovido pelo Sistema OCB, nesta terça-feira (07/12), a partir das 17h. O evento será transmitido ao vivo pelo Youtube e apresentará o que o cooperativismo faz de melhor para promover o aumento da qualidade e da competitividade do setor.

Inscrições - A premiação, que ocorre a cada dois anos, recebeu, nesta edição, a inscrição de 310 cooperativas, número 14% superior ao de 2019. A avaliação envolveu a participação de 70 especialistas em gestão e governança da Fundação Nacional de Qualidade (FNQ), com um total de 80 pessoas envolvidas diretamente em todo o processo. Além disso, todas as etapas de avaliação foram realizadas de forma virtual para garantir a saúde e a segurança do processo em decorrência da pandemia da Covid-19.

Banca julgadora - Já a banca julgadora, responsável por definir as cooperativas contempladas, foi formada por representantes de entidades parceiras do Sistema OCB que possuem conhecimento técnico sobre o cooperativismo. São eles: Fabiana Durgant, do Ministério da Agricultura; Mateus Neves, da Universidade Federal de Viçosa; Paula Leitão, do Banco Central do Brasil; Roberto Rodrigues; da Fundação Getúlio Vargas; e Samir Martins, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Novidade - Uma novidade desta edição é o Destaque Busca pela Excelência, destinado às cooperativas que não alcançaram pontuação para serem visitadas e consequentemente reconhecidas, mas que são engajadas no programa. O objetivo é valorizar a participação e o empenho em melhorar os processos de gestão, ou seja, que estão no caminho certo para alcançar o nível de excelência. No total, 10 cooperativas, duas de cada região do país, receberão o destaque.

Faixas - Já as cooperativas reconhecidas pelas boas práticas de gestão e excelência são divididas em três faixas: ouro, prata e bronze. Cada faixa conta também com três níveis de maturidade: primeiros passos para a excelência; compromisso com a excelência; e rumo a excelência. (OCB)

SERVIÇO:

Prêmio SomosCoop Excelência em Gestão

Data: 07/12/2021

Horário: 17h

Transmissão: https://youtube.com/sistemaocb

 

COAMO: Cooperativa antecipa R$ 194 milhões em sobras

1coamo 07 12 2021A antecipação de parte das sobras de cada exercício já é uma tradição na Coamo Agroindustrial Cooperativa. Na tarde desta segunda-feira (06/12), a diretoria da cooperativa anunciou que o dinheiro será distribuído no próximo dia 13 de dezembro no valor de R$ 194 milhões para os mais de 30 mil cooperados, conforme a movimentação de cada um na cooperativa na entrega da soja, milho e trigo e aquisição de insumos. Esse é um momento aguardado com grande expectativa pelos agricultores associados e as comunidades na área de atuação da cooperativa no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Aplicativo - Os cooperados que têm o Aplicativo Coamo poderão acessar o valor depositado diretamente no aplicativo. O presidente dos Conselhos de Administração da Coamo e Credicoamo, José Aroldo Gallassini, destaca que a tradição de antecipar as sobras é um benefício comemorado pelo quadro social. “Os cooperados sabem que dezembro é o mês de antecipação das sobras, é um momento aguardado, e isso só é possível devido a solidez da cooperativa”, frisa.

Ano difícil - De acordo com ele, o ano foi difícil, pois o país ainda está passando pela pandemia. Para a agricultura, 2020 também não foi fácil devido ao clima. “Foi um ano em que tivemos de tudo um pouco. As lavouras sofreram, principalmente, com seca e geadas causando perdas na produção de soja, milho segunda safra e trigo. Por outro lado, os preços contribuíram e o resultado acabou sendo satisfatório”, diz e revela que a receita global da Coamo deverá fechar em R$ 23 bilhões. “Os números ainda dependem de fechamento do balanço e o valor será apresentado na AGO [Assembleia Geral Ordinária], no início de fevereiro.”  

Comercialização - Gallassini explica que a antecipação das sobras é referente aos produtos comercializados pelos cooperados até 30 de novembro. “Temos um volume grande de soja e milho entregues na cooperativa, mas que ainda não foram comercializados pelos cooperados. Temos, também, os insumos para a segunda safra de milho, que não entram nas sobras porque foi efetuado o pedido, mas ainda não foi retirado. Contudo, o valor antecipado é grande e o cooperado faz com esse dinheiro o que desejar. Geralmente, eles usam para passar o fim de ano com a família, pois sabem que o valor maior das sobras será em fevereiro quando utilizarão para pagamento das contas e investimento na propriedade.” (Imprensa Coamo)

{vsig}2021/noticias/12/07/coamo/{/vsig}

 

SICOOB: Especialista orienta como aproveitar as compras de fim de ano com consciência financeira

sicoob 07 12 2021Árvore de Natal montada e pisca-pisca pela casa. Com a chegada do último mês de 2021, os brasileiros começaram a se preparar para as festas de fim de ano. E, com o avanço da vacinação contra a Covid-19 e a diminuição do índice de contágio, é natural que as famílias queiram se reunir presencialmente nesta época.

Planejamento - Presentes e ceias natalinas já estão no planejamento deste mês. E, para auxiliar os consumidores, o educador financeiro do Sicoob, Eduardo Souza Trigueiro, separou algumas dicas para aproveitarem esta época do ano com consciência.

Inflação - Pela 32ª vez consecutiva, a previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu. Se antes era de 9,33%, agora está em 9,77% este ano. "A principal dica é não deixar para fazer as compras de última hora. Temos uma inflação alta e sabemos que na última semana antes do Natal, os preços começam a escalar", explica o especialista.

Pesquisa - De acordo com Eduardo, as grandes redes de varejo sabem que muitos brasileiros fazem as compras após o pagamento do salário, da segunda parcela do décimo terceiro ou até quando o vale-alimentação é recarregado, no caso das ceias. E eles podem encontrar produtos com preços elevados. "Eu, por exemplo, costumo reservar um dia da minha semana para ir ao supermercado e sempre encontro alimentos com valores diferentes. Então a pesquisa é fundamental. Essa é minha segunda dica", salienta.

Macetes - Além da comparação de produtos e exemplo próprio, o educador financeiro listou outros macetes que podem ajudar os consumidores para as festas de fim de ano:

Antecipe as compras: aproveitando o exemplo acima, após fazer a pesquisa e/ou a compra do mês, que tal já adiantar alguns alimentos da Ceia? Afinal, quanto mais tempo se aproxima da data, mais caro pode ficar o produto.

Ceia partilhada: muitas famílias pretendem se reunir presencialmente, uma ótima sugestão é fazer uma ceia americana. Cada parente leva um prato e, no fim das contas, não pesa do bolso de todo mundo.

Presentes: assim como os alimentos, quanto mais demorar para comprar os presentes dos familiares, mais caro ele pode ficar. Se adiantar e planejar é fundamental.

Clínicas financeiras: Comece a se organizar para 2022. O Sicoob conta com o projeto gratuito chamado " Clínicas Financeiras Virtuais ", para cooperados e não cooperados. Acesse ao site e agende um papo com o orientador financeiro da cooperativa.

Cuide-se - E, por fim, cuide-se! Apesar de muita gente estar ansiosa pela reunião familiar ou a virada de ano com os amigos depois de um período de celebrações canceladas, o mais importante de tudo é manter os cuidados básicos em 2021 para as comemorações. Mesmo quem já tomou a vacina deve usar máscaras faciais em locais fechados, evitar aglomerações e higienizar as mãos constantemente.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5,6 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, marketplace, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por 357 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Ocupa a segunda colocação entre as instituições financeiras com maior quantidade de agências no Brasil, segundo ranking do Banco Central, com 3.666 pontos de atendimento em 1.991 cidades brasileiras. Acesse o site para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

UNIMED LONDRINA: Cooperativa promove plantio de mais de 2 mil mudas de árvores na região Norte do PR

1unimed londrina 07 12 2021A Unimed Londrina realizou o plantio de simbólico de 2.444 mudas de árvores frutíferas no último dia 2 de dezembro no Ecovillas do Lago, em Sertanópolis, região Norte do Paraná. A ação fez parte do programa Bosque da Vida e visou neutralizar a emissão de gás carbônico produzido pela cooperativa por meio de gasto de energia elétrica, utilização de frota de carros, incineração de resíduos contaminantes etc.

Neutralização de CO2 - “O plantio, além de contribuir com o reflorestamento de áreas degradadas, teve o intuito de ajudar na neutralização de CO2 produzido pela cooperativa entre os anos de 2019 e 2020”, destaca Fabianne Piojetti, gerente de Sustentabilidade da Unimed Londrina.

Cálculo - Para definir o número exato de plantas para neutralizar a emissão de CO2, a Unimed Londrina utilizou uma calculadora desenvolvida pela Unimed do Brasil que mensura a quantidade necessária de mudas conforme os gastos e ações da cooperativa realizados dentro de um determinado período.

Pandemia - Piojetti ressalta que a pandemia do novo coronavírus foi um dos fatores agravantes para o aumento da emissão de poluentes nos últimos dois anos. “Apesar de ter limitado algumas ações presenciais, ao contrário do que se pensa, a pandemia impulsionou a nossa emissão de CO2. O aumento da incineração de resíduos no Pronto Atendimento (PA), por exemplo, intensificou a emissão de poluentes”, alerta.

Total - Com o acréscimo das mudas deste ano, o projeto soma 15.779 mudas plantadas desde o início das atividades em 2008. “As mudas foram obtidas junto ao Instituto Água e Terra (IAT) de Londrina”, comenta Fabianne.

Participação - O plantio simbólico contou com a participação de dez colaboradores voluntários, como explicou a analista de Sustentabilidade da Unimed Londrina, Aliny Marendaz. “Cada colaborador ficou responsável pelo plantio de algumas mudas e o restante ficou a cargo da equipe do Ecovillas”, complementa.

Responsabilidade ambiental - A secretária executiva da Unimed Londrina, Francilaine Tome Ferreira, foi uma das voluntárias no plantio. “O momento marca a responsabilidade que a cooperativa tem com a questão ambiental e nos alerta como cidadãos a buscar o equilíbrio para a sustentabilidade do meio ambiente”, avalia. (Imprensa Unimed Londrina)

{vsig}2021/noticias/12/07/unimed_londrina/{/vsig}

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança comercial abre dezembro com superávit de US$ 1,07 bilhão, em alta de 191,6%

comercio exterior 07 12 2021A balança comercial brasileira abriu o mês de dezembro com superávit de US$ 1,07 bilhão, em alta de 191,6% em relação à média diária de dezembro de 2020, elevando para US$ 58,13 bilhões o superávit acumulado do ano. As exportações na primeira semana do mês cresceram 60,4% e somaram US$ 4,04 bilhões, enquanto as importações subiram 37,9%, chegando a US$ 2,96 bilhões. A corrente de comércio (soma das exportações e importações) aumentou 50%, alcançando US$ 7 bilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (6/12) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Acumulado - Com os US$ 58,13 bilhões, o superávit registra alta de 25,4% no acumulado de janeiro até a primeira semana de dezembro, refletindo o crescimento de 35,1% das exportações, que chegaram a US$ 260,06 bilhões, e de 38,2% das importações, que totalizaram US$ 201,93 bilhões. A corrente de comércio atingiu US$ 461,99 bilhões no período, com aumento de 36,5%, em comparação com o resultado de janeiro a dezembro do ano passado.

Exportações no mêsAs exportações na primeira semana do mês cresceram nos três setores. A alta foi de 37,1% em Agropecuária, que somou US$ 452 milhões; de 77,4% na Indústria Extrativa, com US$ 1,19 bilhão; e de 57,8% na Indústria de Transformação, que alcançou US$ 2,37 bilhões.

Produtos agropecuários - Entre os produtos agropecuários, a expansão das exportações foi puxada, principalmente, pelo crescimento nas vendas de café não torrado (+55,8%), especiarias (+270,8%) e soja (+973,9%). Para a Indústria Extrativa, contribuíram os aumentos dos valores exportados de minério de ferro e seus concentrados (+32,7%), minérios de cobre e seus concentrados (+238%) e óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+146,8%).

Indústria de Transformação - Já a Indústria de Transformação refletiu principalmente o incremento das vendas de farelos de soja e outros alimentos para animais (excluídos cereais não moídos), farinhas de carnes e outros animais (+202,8%), produtos semi-acabados, lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço (+373%) e outras máquinas e equipamentos especializados para determinadas indústrias e suas partes (+1.015,3%).

Importações por setores e produtos Do lado das importações, a Secex registrou crescimento de 1,1% em Agropecuária, que somou US$ 55,60 milhões; de 408,2% na Indústria Extrativa, com US$ 337,9 milhões; e de 25,9% na Indústria de Transformação, que alcançou US$ 2,51 bilhões.

Crescimento - Os produtos com maiores crescimentos nas compras externas, nesta primeira semana de dezembro, foram trigo e centeio não moídos (+15,6%), milho não moído, exceto milho doce (+109,6%) e cacau em bruto ou torrado (+37%) na Agropecuária. Na indústria Extrativa, destaque para outros minérios e concentrados dos metais de base (+427,9%), carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+133%) e gás natural, liquefeito ou não (+1.358,6%).

Compras - Já a Indústria de Transformação aumentou as compras de óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+138,7%), medicamentos e produtos farmacêuticos, exceto veterinários (+186,6%) e adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (+131,3%). (Ministério da Economia)

Veja os principais resultados da balança comercial

FOTO: Pixabay

 

CRÉDITO: Em seis meses, Banco do Agricultor Paranaense ajudou 1.235 projetos do campo

credito 07 12 2021Em pouco mais de seis meses do lançamento, o Banco do Agricultor Paranaense soma mais de R$ 152 milhões de financiamentos já efetivados pelo setor bancário em 1.235 projetos (dados de 30 de novembro). O Governo do Estado, por sua vez, tem disponível R$ 52,8 milhões para garantir a taxa de juros menor aos produtores rurais ou, em alguns casos, zerar as alíquotas.

Participação - O programa conta com a participação do Banco do Brasil, do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e de cooperativas de crédito, e tem como objetivo ajudar pequenos e médios agricultores a investir. É um instrumento criado pelo governo estadual com o objetivo de incentivar investimentos no setor rural. Para isso, o Estado assume o pagamento de parte ou do total da taxa de juros. A concessão de subvenção econômica é feita com recursos do Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE), gerido pela Fomento Paraná.

Produção de alimentos - “Qualquer lugar do mundo só vira uma potência quando descobre o que faz de melhor. No Paraná o que sabemos fazer de melhor é produzir alimentos. Hoje, exportamos comida para centenas de países e o agronegócio é responsável por cerca de um terço do Produto Interno Bruto (PIB) do nosso Estado. Então, o Governo tem responsabilidade de incentivar a criação de um ambiente de negócios que favoreça o setor”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Investimentos - “Esse programa é uma oportunidade ímpar que o Estado oferece para que sejam feitos investimentos nas propriedades, com vistas a melhorar os processos produtivos, baixar custos, aumentar a escala e a eficiência, enfim, apropriar-se de todas as vantagens que um bom investimento traz”, disse o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. “É importante que os agricultores observem com cuidado todas as linhas de financiamento, pois, eventualmente, uma delas poderá alavancar o seu negócio”.

Energia renovável - O maior volume em financiamento é a linha de energia renovável, que alcançou, até o início de novembro, R$ 118.164.986,00. Foram acatados 708 projetos. A regional de Cascavel lidera os pedidos, com 145 projetos e R$ 27,9 milhões investidos. É seguido por Toledo, também na região Oeste, onde a produção de suínos, aves e peixes, que demandam bastante energia, tem forte presença. Ali foram investidos R$ 22,1 milhões em 143 projetos.

Pecuária leiteira - A linha destinada à pecuária leiteira é a segunda em volume de financiamento, com R$ 21.802.136,00 em 341 projetos. Novamente, Cascavel aparece à frente com 44 projetos e R$ 2,8 milhões de aportes. Na segunda posição vem o núcleo de Laranjeiras do Sul, no Centro-Sul, com 39 projetos, cujo valor alcança de R$ 2,3 milhões. A terceira colocação em volume de recursos é de Dois Vizinhos, no Sudoeste, com R$ 1,7 milhão em 23 projetos.

Irrigação - Na irrigação, o investimento é de R$ 5.719.274,00, contemplando 71 projetos. Nessa linha, a liderança por volume de recursos é da região de Santo Antônio da Platina, no Norte Pioneiro, com R$ 1,56 milhão em nove projetos, seguido de perto por Paranavaí (Noroeste), com R$ 1,53 milhão em cinco projetos. O núcleo com mais projetos é Cascavel, onde 14 iniciativas receberam R$ 502,1 mil. É seguido por Francisco Beltrão, no Sudoeste, com 11 projetos e R$ 559,5 mil de investimento.

Cadeias produtivas - A linha que apoia cadeias produtivas da seda, café, olericultura, floricultura, fruticultura e sistemas de produção orgânica e agroecológica já concedeu R$ 4.485.296,93 em financiamento de 95 projetos. Cascavel aparece na liderança, com R$ 774,5 mil em 18 empreendimentos. Logo atrás aparece Santo Antônio da Platina, onde 16 projetos recebem R$ 843,1 mil.

Piscicultura - A piscicultura, até 30 de novembro, estava com 12 projetos em que os empreendedores investiram R$ 1.266.772,00. O maior valor é da regional de Toledo, com R$ 677,8 mil em sete iniciativas. Já Cascavel desenvolve três projetos, com investimento de R$ 487,3 mil. Empreendimentos no setor de piscicultura também atraíram as atenções em duas plantas no núcleo de Irati (Centro-Sul), com recursos de R$ 101,5 mil.

Agroindústria - É em Cascavel que investidores de agroindústria buscaram R$ 315,4 mil para três projetos. Em Irati, três empreendimentos somam R$ 208,2 mil, enquanto em um de Ponta Grossa (nos Campos Gerais) foram aplicados R$ 47,7 mil e em outro, em Santo Antônio da Platina, R$ 43,8 mil. A linha de produção, captação e preservação de água, assim como as de produção de pinhão e erva-mate e a de cooperativas ainda não haviam registrado nenhum financiamento bancário até 30 de novembro. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira mais informações e as linhas disponíveis no Banco do Agricultor Paranaense AQUI.

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

BC: Saques em poupança superam depósitos em R$ 12,37 bilhões

bc 07 12 2021As retiradas da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 12,377 bilhões, em novembro, informou nesta segunda-feira (06/12) o Banco Central (BC). Essa foi a maior retirada líquida para o mês, na série histórica iniciada em 1995.

Mês passado - No mês passado, os depósitos chegaram a R$ 281,713 bilhões e os saques a R$ 294,09 bilhões. Em novembro de 2020, houve mais depósitos do que saques, com saldo positivo de R$ 1,479 bilhão.

Nove meses - De janeiro a novembro, foi registada retirada líquida de R$ 43,157 bilhões. Em 2020, a poupança captou R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica, por influência dos depósitos do auxílio emergencial e o aumento do interesse pelo investimento, em meio à crise gerada pela pandemia de covid-19.

Rendimentos - Em novembro, o investimento rendeu 0,44% em novembro, segundo o BC. O rendimento ficou abaixo da prévia da inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que chegou a 1,17%, no mês passado.

Remuneração - De acordo com a legislação atual, a remuneração dos depósitos de poupança é composta pela Taxa Referencial, que está em zero, mais 70% da taxa básica de juros, a Selic, mensalizada. Essa regra vale enquanto a taxa Selic for igual ou inferior a 8,5%. Atualmente, a taxa está em 7,75% ao ano.

Selic - Com a Selic acima de 8,5% ao ano, a poupança rende a TR mais 0,5% ao mês. De acordo com a expectativa do mercado financeiro, a Selic deve subir para 9,25% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, responsável por definir a taxa, nesta semana. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

FPA: Presidente da Frente Parlamentar Agropecuária entrega prêmio “Moacir Micheletto” ao presidente Jair Bolsonaro

1fpa 07 12 2021Na tarde desta segunda-feira (06/12), o deputado Sérgio Souza entregou o Prêmio Moacir Micheletto ao presidente Jair Bolsonaro. As honras foram feitas juntamente com a ministra Tereza Cristina, Marcel Micheletto, filho do ex-deputado Moacir, a vereadora Franciene Micheletto e da Anna Micheletto, além de outros parlamentares que fazem parte da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Dedicatória - O Prêmio Moacir Micheletto é uma dedicatória à história do deputado Federal Moacir Micheletto (1942-2012): político paranaense, engenheiro agrônomo, foi extensionista agrícola da Emater. Responsável pela nova estrutura da Frente Parlamentar da Agropecuária, durante mandado como presidente da bancada. Atuante nas pautas da agropecuária, Micheletto contribuiu fortemente para a construção do novo Código Florestal Brasileiro, um dos mais rígidos do mundo.

Defesa - Durante o evento, o deputado Sérgio Souza falou sobre a homenagem. “Hoje entregamos o prêmio ao presidente Jair Bolsonaro, homem que tem defendido o setor agropecuário brasileiro e durante seu pronunciamento, o presidente falou do orgulho que tem do nosso setor e do nosso saudoso Moacir Micheletto”. (Assessoria de Imprensa do deputado federal Sérgio Souza)

 

LEGISLATIVO I: Novo marco da regularização fundiária pode ser votado em duas comissões nesta quarta-feira

legislacao 07 12 2021As Comissões de Meio Ambiente (CMA) e de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) devem votar em conjunto nesta quarta-feira (08/12) duas propostas que determinam um novo marco regulatório para a regularização fundiária no país.

PLs - O PL 2.633/2020 permite aumentar o tamanho, de quatro pra seis módulos fiscais, de terras da União passíveis de regularização sem vistoria prévia, e o PL 510/2021 altera o marco temporal de comprovação da ocupação. Pela proposta, o interessado deve provar “o exercício da ocupação e exploração direta e pacífica, por si ou seus antecessores, anteriores a 25 de maio de 2012”. Atualmente, para regularizar a terra, o ocupante tem de comprovar que está na área (com até 2,5 mil hectares) antes de 22 de julho de 2008.

Importância - Relator dos textos, o senador Carlos Fávaro (PSD-MS) pondera a importância do tema “para quem está ocupando com vocação e há anos sonha com uma regularização justa que não acontece”.

Pontos sensíveis - “Com o amplo debate em todas essas audiências públicas [feitas pelas Comissões], tivemos a oportunidade de ver os pontos sensíveis. Temos que fazer justiça social no campo com preservação ambiental. Tenho a tendência de rever as datas pra não estimular novas invasões, assim como nos pontos que tangem o tamanho das propriedades”, disse em 23 de novembro, data da última audiência. 

Audiências - Presidente da CMA, Jaques Wagner (PT-BA) destaca que em áreas públicas ocupadas irregularmente, a taxa de queimadas e desmatamento chega a 45%. O senador aponta a importância das audiências na instrução dos parlamentares. “A legislação atual já possibilita a regularização de 88% dos demandantes até quatro módulos fiscais. Por isso, fica aqui a pergunta: o problema é lei ou vontade de fazer?”, afirmou na mesma audiência.

Pará - Zequinha Marinho (PSC-PA) destacou que o Pará é campeão em projetos de assentamentos, com 1.132 pedidos. “É preciso termos uma previsão legal. A regularização traz soluções pra uma série de coisas, entre elas a segurança jurídica, pra usar a terra como garantia real, para buscar recursos.”

Precarização - Jayme Campos (DEM-MT) afirmou que a precarização dos órgãos públicos atrapalha a celeridade dos processos. “Há uma dificuldade gigantesca nos órgãos competentes pra sair um CAR [Cadastro Ambiental Rural]. Há uma demanda reprimida nessa área. Muitas vezes é privilegiar o marginal em detrimento de quem está produzindo.

DF - Já Izalci Lucas (PSDB-DF) enfatizou que no Distrito Federal metade da população mora em áreas sem titulação. Ele disse que é lamentável os assentamentos não serem organizados com infraestrutura, o que acaba levando à ocorrência de loteamentos.

Críticas - A pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) Brenda Brito questiona se os projetos são compatíveis com medidas para impedir o agravamento da crise climática. De acordo com ela, é preciso desestimular desmatamentos e queimadas ilegais, preocupações que devem embasar as propostas. “Vamos mover mais uma vez o ciclo da grilagem e desmatamento, com ocupação de terra pública e desmatamento para sinalizar ocupação, pedido de titulação e lobby pra mudança da lei. Esse é o momento que estamos vivendo. E se a lei é alterada, é mais um estímulo para as ocupações”, disse.

Manutenção - A pesquisadora da PUC-Rio e representante da coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, Cristina Lopes, também defendeu que a atual legislação seja mantida. Para ela, a transferência do público para o particular tem que ser feita com muitas balizas. Entre os pontos negativos, Cristina defende que os projetos tratam de definições de infração que não existem na legislação ambiental. “Essas definições esvaziam as salvaguardas ambientais”, lamenta. (Agência Senado)

FOTO: Pedro Ventura / Agência Brasília

 

LEGISLATIVO II: Projeto com regra para distribuição do Pronaf avança no Senado

legislativo II 07 12 2021A Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR) do Senado aprovou nesta segunda-feira (6) o PLS 8/2012, projeto de lei que estabelece regra para a distribuição dos recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O texto segue agora para outro colegiado do Senado: a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA).

Distribuição - O projeto determina que as verbas do orçamento para o Pronaf devem ser distribuídas entre os estados de forma proporcional ao número de estabelecimentos da agricultura familiar ou de empreendimentos familiares rurais, com base nos dados do Censo Agropecuário.

Plano Safra - A mesma regra deverá ser aplicada aos recursos cuja aplicação esteja prevista no Plano Safra da Agricultura Familiar, do Ministério da Agricultura. Esse plano deverá explicitar, segundo a proposta, o montante de recursos destinados a cada estado.

Censo - O Censo Agropecuário é realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A edição mais recente foi concluída em 2017. Segundo o documento, 77% dos estabelecimentos rurais no Brasil são familiares, e 67% dos trabalhadores do campo estão nesses estabelecimentos. Eles são responsáveis, de acordo com o levantamento, por 23% de toda a produção agropecuária brasileira.

Autor - O autor do projeto é o senador licenciado Ciro Nogueira (PP-PI), que atualmente é ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República.

Parecer favorável - A matéria contou com parecer favorável do senador Izalci Lucas (PSDB-DF). Para Izalci, estudos recentes sobre a distribuição do Pronaf confirmam a importância da proposta. “Os resultados apontam que os contratos do Pronaf têm se concentrado historicamente nas regiões mais desenvolvidas do país. Nessa realidade, o Nordeste exibe o menor valor médio de contratos, seguido do Norte; [são] as regiões mais pobres do Brasil”, observa Izalci em seu parecer. (Agência Senado)

FOTO: Jorge Etecheber / Sesc-SP

 

SAÚDE I: País tem 22,1 milhões de casos e 615,7 mil mortes

Balanço divulgado nesta segunda-feira (06/12) pelo Ministério da Saúde aponta 4.385 novos diagnósticos de covid-19 no país em 24 horas. O dado eleva para 22.147.476 o número de pessoas infectadas pela doença desde o início da pandemia no país. No domingo (05/12), o painel de estatísticas marcava 22.143.091 casos acumulados.

Mortes - As mortes causadas pelo novo coronavírus ao longo da pandemia somam 615.744. Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 108 novos óbitos. No domingo (05/12), o painel de informações marcava 615.636 mortes acumuladas.

Acompanhamento - O balanço apontou também 161.344 pacientes em acompanhamento e 21.370.388 recuperados da doença.

Estados - Os estados com mais mortes por covid-19 são: São Paulo (154.369), Rio de Janeiro (69.153), Minas Gerais (56.322), Paraná (40.813) e Rio Grande do Sul (36.209). Já as unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.849), Amapá (2.005), Roraima (2.056), Tocantins (3.923) e Sergipe (6.047).

Ômicron - Até o momento, foram confirmados seis casos da variante Ômicron no Brasil, sendo três em São Paulo, dois no Distrito Federal e um no Rio Grande do Sul. Há ainda, segundo o ministério, um caso em investigação em São Paulo. Os pacientes estão isolados e a maioria está assintomática. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 07 12 2021

SAÚDE II: Sesa registra 826 novos casos e 12 óbitos pela Covid-19

saude II 07 12 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (06/12) mais 826 casos confirmados e 12 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os casos são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 1.577.178 casos confirmados e 40.592 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de dezembro (146), novembro (39), outubro (1), setembro (1), julho (1), maio (6), abril (110), março (174), fevereiro (91) e janeiro (124) de 2021; e dezembro (86), novembro (26), outubro (3), setembro (10), agosto (3) e julho (4) de 2020. Os óbitos divulgados nesta data são de dezembro (8), setembro (1) e agosto (1) de 2021 e novembro (1) e setembro (1) de 2020.

Internados - 147 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 87 pacientes em leitos SUS (43 em UTI e 44 em leitos clínicos/enfermaria) e 60 em leitos da rede particular (34 em UTI e 26 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 516 pacientes internados, 249 em leitos UTI e 267 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 12 pacientes. São nove mulheres e três homens, com idades que variam de 51 a 79 anos. Os óbitos ocorreram entre 6 de setembro de 2020 a 5 de dezembro de 2021.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Curitiba (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Tamarana, São José dos Pinhais, Rolândia, Ponta Grossa, Nova Aurora, Lupionópolis, Londrina, Congonhinhas, Cambé e Altônia.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.254 casos de residentes de fora do Estado, 221 pessoas morreram. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

Veja os AQUI ajustes e relatório de exclusões.

 

SAÚDE III: Paraná recebe 376 mil vacinas contra a Covid-19 para dose de reforço

saude vacina pr 07 12 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) recebeu, na tarde desta segunda-feira (06/12), 376.740 vacinas da Pfizer/BioNTech. Os imunizantes fazem parte da 71ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde e são destinados para dose de reforço (DR) da população acima de 18 anos.

Remessas - As remessas chegaram em dois voos ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Uma delas desembarcou às 13h50, no voo LA-3293, e a segunda às 15h, no voo G3-1106.

Cemepar - As doses já estão no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, onde serão conferidas e organizadas para serem distribuídas às 22 Regionais de Saúde. Além dessas, outras 10.500 AstraZeneca/Fiocruz para DR da população indígena (de 18 a 59 anos) estavam previstas para chegar ao Estado no início da noite desta segunda (06/12).

Descentralização - “Essas vacinas que chegaram já devem ser descentralizadas nesta terça (07/12). A dose reforço é muito importante neste momento, com o surgimento de mais uma variante. A mutação do vírus continua e receber a DR é uma forma de nos blindarmos contra a doença”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Vacinômetro - Segundo os dados do vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou 17.618.505 vacinas contra a Covid-19, sendo 8.933.304 primeiras doses (D1) e 7.779.151 segundas doses (D2) ou doses únicas (DU). O Estado registra ainda a aplicação de 57.775 doses adicionais (DA) e 848.275 doses de reforço (DR). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Américo Antonio / Sesa

 

SAÚDE IV: Brasil recebe mais 1,5 milhão de doses da vacina da Pfizer

saude vacina brasil 07 12 2021O país recebeu mais 1,5 milhão de doses do imunizante da Pfizer, que chegaram nesta segunda (06/12) no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). De acordo com o Ministério da Saúde, a distribuição será feita de maneira proporcional e igualitária, depois de acordo entre União, estados e municípios.

Recebimento - Nos últimos cinco dias, o país recebeu mais de 10 milhões de doses da Pfizer. No total, mais de 310 milhões de doses foram aplicadas em todo o país. Dessas, cerca de 153 milhões são da Pfizer. O contrato em andamento com a farmacêutica prevê a entrega de mais 100 milhões de doses. (Agência Brasil)

FOTO: Divulgação UPS

 

SAÚDE V: Sete casos suspeitos da variante Ômicron são descartados no Paraná

saude omicron 07 12 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informa que nesta segunda-feira (06/12) os sete casos suspeitos da variante Ômicron no Paraná, divulgados na última semana, foram descartados por não apresentarem a detecção do vírus Sars-Cov-2.

Acompanhamento - Os casos haviam sido isolados e foram acompanhados pela Vigilância Epidemiológica da Sesa e dos municípios de Curitiba e Foz do Iguaçu, após contato com um caso confirmado em São Paulo, no aeroporto de Guarulhos.

Sem suspeitas - Considerando que não houve confirmação para a Covid-19, as amostras não foram encaminhadas para sequenciamento genômico na Fiocruz. Neste momento, não há mais suspeitas da circulação da variante no Paraná. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 

SAÚDE VI: Setor de planos de saúde segue em crescimento

saude ans destaque 07 12 2021A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) liberou, nesta segunda-feira (06/12), os números de beneficiários de planos de saúde relativos ao mês de outubro. Nesse período, o setor se manteve em crescimento e totalizou 48.575.935 usuários em planos de assistência médica e 28.729.558 em planos exclusivamente odontológicos. Os dados completos estão disponíveis na Sala de Situação, ferramenta de consulta no portal da ANS. Clique e acesse aqui.

Médico-hospitalares - Nos planos médico-hospitalares, em um ano houve crescimento de 1.351.104 beneficiários - o equivalente a 2,9% de aumento em relação a outubro de 2020. No comparativo de outubro com setembro, o crescimento foi de 46.360 mil usuários. O total de beneficiários é o maior número registrado desde março de 2016, quando o setor atingiu a marca de 48.614.271 beneficiários nessa segmentação. Já nos planos exclusivamente odontológicos, foi registrado aumento de 2.537.748 beneficiários em um ano – o que representa 9,7% de crescimento no período – e de 121.386 em um mês (comparativo com setembro).

Estados - Entre os estados, no comparativo com outubro de 2020, o setor registrou evolução de beneficiários em planos de assistência médica em 25 unidades federativas, sendo São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina os que tiveram o maior ganho de beneficiários em números absolutos. Entre os odontológicos, todas as unidades federativas registraram crescimento no comparativo anual, sendo que São Paulo, Minas Gerais e Paraná, os estados com maior crescimento em números absolutos.

Modificações - A ANS lembra que os números podem sofrer modificações retroativas em função das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras.

Tabelas - Confira nas tabelas abaixo a evolução de beneficiários por tipo de contratação do plano e por UF em diferentes competências. (ANS) 

saude ans tabela I 07 12 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude ans tabela II 07 12 2021

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude ans tabela IIII 07 12 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 saude ans tabela IV 07 12 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Versão para impressão


RODAPE