Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5218 | 15 de Dezembro de 2021

EDUCAÇÃO I: Termina nesta quarta-feira o prazo de inscrição para o Programa de Apoio ao Ensino Médio

Termina nesta quarta-feira (15/12) o prazo de inscrições para o “Programa de Apoio ao Ensino Médio Sesi/Sescoop”, destinado aos filhos dos funcionários de cooperados e de funcionários das cooperativas registradas no Sistema Ocepar. A iniciativa é resultado de uma ação conjunta entre os Sistemas Ocepar e Fiep, por meio do Sescoop/PR e Colégio Sesi da Indústria, respectivamente.

Apoio - Pela parceria, o Sescoop/PR apoiará até 75% do valor das mensalidades para que alunos filhos do público beneficiário possam cursar, em qualquer uma das unidades do Colégio Sesi da Indústria nos municípios de Umuarama, Cascavel, Ampére, Capanema, Francisco Beltrão, Pato Branco, Campo Mourão, Maringá, Arapongas, Telêmaco Borba, Ponta Grossa, Irati, União da Vitória, Campo Largo e Rio Negro, o Ensino Médio, concomitando ao Curso Técnico em Cooperativismo, com carga horária de 1200 horas, complementar aos três anos do Ensino Médio, já de acordo com a nova proposta de currículo para o Ensino Médio que entra em vigor a partir de janeiro de 2022, em todo o território nacional.

Oportunidade - “Percebemos na nova Lei do Ensino Médio uma grande oportunidade de levarmos o ensino e a educação cooperativista para as escolas. As cooperativas buscam, cada vez mais, profissionais que entendam sobre o tema do cooperativismo e que estejam habilitados para trabalhar com esta questão. Por isso criamos, juntamente com o Colégio Sesi da Indústria o Programa de Apoio ao Ensino Médio Sesi/Sescoop, para atender os filhos dos funcionários das cooperativas registradas no Sistema Ocepar”, explica a gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Maria Emilia Pereira Lima.

Lista - Também integram a lista de unidades que dispõem deste benefício o Colégio Sesi da Indústria Alto da Glória, Boqueirão e CIC, em Curitiba, e a unidade Afonso Pena do Colégio Sesi da Indústria em São José dos Pinhais, além das unidades do Colégio Sesi Internacional Bilíngue em Londrina e Ponta Grossa e Trilíngue em Foz do Iguaçu.

Única - “A oportunidade é única, pois as famílias envoltas ao cooperativismo terão acesso aos Colégios Sesi da Indústria e também a uma metodologia de trabalho diferenciada, que tem por objetivo formar profissionais empreendedores, criativos, éticos e inovadores, com foco no desenvolvimento da solidariedade e respeito mútuo. Valores que estão explícitos no propósito de ambas as organizações: pensar global, mas agir local”, explica a gerente executiva de Educação do Sistema Fiep, Fabiane Franciscone.

Mais informações - Para mais informações, os interessados podem enviar um e-mail para mirian.vieira@sistemafiep.org.br ou conversar diretamente com o agente da cooperativa Sescoop/PR. O programa é válido, exclusivamente, para filhos dos funcionários de cooperados de cooperativas com pelo menos 24 meses de filiação e para os filhos dos funcionários das cooperativas registradas no Sistema Ocepar. (Com informações da Assessoria de Imprensa do Sistema Fiep)

Clique aqui e assista ao vídeo sobre o Programa de Apoio ao Ensino Médio

 

educacao 15 12 2021

EDUCAÇÃO II: Inscrições para o vestibular da Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas também encerram nesta quarta-feira

Os interessados em garantir uma vaga na Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas têm até esta quarta-feira (15/12) para se inscrever no vestibular online. O curso é ofertado pelo Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) e em parceria com o Isae, na modalidade ensino a distância. A formação é destinada a empregados das cooperativas do Paraná. Os candidatos podem optar por duas datas para realizar as provas: dia 19 de dezembro, às 14h, e dia 21 de dezembro, às 19h. Eles terão três horas para concluir o processo de seleção, composto por uma redação e 40 questões objetivas. A taxa de inscrição é de R$ 25,00. Clique aqui para conferir o edital completo e fazer a inscrição.

Subsídio - O Curso de Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas tem duração de dois anos. As aulas iniciam no dia 14 de fevereiro de 2022, em formato virtual, com provas presenciais duas vezes por semestre, aplicadas no polo regional. O Sescoop/PR subsidiará 65% da mensalidade para os 250 primeiros colocados no vestibular, desde que tenham vínculo comprovado com cooperativa do Paraná.

 

folder 02 12 2021M

 

 

PL 1.293/21: Projeto de autocontrole da cadeia agroindustrial segue para o Senado

pl 15 12 2021Parecer do deputado Pedro Lupion (DEM-PR) ao Projeto de Lei 1.293/21, que dispõe sobre o autocontrole nas atividades agropecuária e agroindustrial, foi aprovado nesta terça-feira (14/12) pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados. A proposta visa desburocratizar, agilizar e tornar mais competitiva a indústria de alimentos e insumos no país. Como é de tramitação conclusiva nas comissões, o PL segue agora para apreciação do Senado Federal.

Celeridade - “Buscamos dar celeridade a um processo que, por falta de capital humano, nos leva a perder mercado. Só para exemplificar, no norte do estado do Paraná há apenas uma profissional do Ministério da Agricultura para fiscalizar 60 municípios. É simplesmente impossível. A proposta vai facilitar as atividades do agronegócio brasileiro, sem tirar o poder de polícia dos estados ou da União, para que o setor continue sustentando o Brasil como já acontece de forma recorrente”, explicou Lupion ao defender a aprovação da medida.

OCB - Apoiado pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o PL 1.293/21 faz parte da Agenda Institucional do Cooperativismo 2021 e é fruto de um longo diálogo entre o governo e entidades do setor produtivo. Proposta pelo Executivo, a medida prevê a adoção de procedimentos de conformidade e de boas práticas aplicados na defesa agropecuária por produtores, cooperativas e agroindústrias, a partir da regulação responsiva, bem como a modernização das regras de controle sanitário do Ministério da Agricultura.

Frencoop - Para o presidente da Frencoop, deputado Evair de Melo (PP-ES), “trata-se de uma das maiores e mais importantes reformas propostas pelo Executivo para desburocratizar o sistema e para que possamos continuar produzindo alimento e riqueza. Ainda segundo ele, com esse projeto, “o Brasil chega a um grau de maturidade que permitirá aumentar as divisas externas e garantir a oferta de empregos, mantendo a segurança necessária em toda a cadeia produtiva”. (OCB)

FOTO: Billy Boss / Câmara dos Deputados

 

SICREDI: Número de investidores cresce e gera novas vagas de trabalho

sicredi 15 12 2021Mudanças nas taxas de juros que ocorreram nos últimos dois anos, causadas principalmente pela pandemia da covid-19, fizeram com que parte da população brasileira buscasse novas fontes de investimentos. Segundo informações da B3, bolsa de valores oficial do Brasil, em 2019 o país contava com aproximadamente 500 mil investidores, e esse número saltou para 4 milhões em outubro de 2021.

Amadurecimento - “Os números mostram como a família brasileira está amadurecendo em relação à importância de planejar o seu futuro. As pessoas estão cada vez mais conscientes que investir é uma boa alternativa para aumentar a renda, e têm buscado opções mais arrojadas e com lucratividade maior”, ressalta o assessor de investimentos da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP, Tarcísio Rafael Fachinello.

Funcionários - Esse crescimento também afetou diretamente o quadro de funcionários de bancos e cooperativas de crédito em todo país. “Cada vez mais, necessitamos de profissionais qualificados para essa área. O cliente precisa de orientação e segurança na hora de investir, por isso o número de vagas de trabalho voltadas para esse setor não para de crescer”, explica.

Presença - Presente em mais de 1,5 mil municípios, com mais de duas mil agências e 30 mil colaboradores, o Sicredi conta com mais de cinco milhões de associados em 108 cooperativas de crédito em todo o país, e gerou, apenas nos últimos 12 meses, mais de cinco mil vagas de emprego em diversas áreas.

Vagas disponíveis - “Sempre temos vagas disponíveis nas áreas de gerente de relacionamento, de negócios, tesoureiro, caixas, operacional e promotores, por exemplo. Mas são as vagas voltadas para o mercado de investimentos que vêm ganhando destaque. Porém, para conseguir uma colocação, o trabalhador necessita ter capacitação específica para atuar, por isso tem se tornado uma vaga difícil de preencher”, conta.

Transformação digital - Além da vaga específica de assessor de investimento, a área de tecnologia também vem crescendo e gerando oportunidades de trabalho. “O processo de transformação digital do Sicredi está em curso há alguns anos e já oportunizou a ampliação da cultura ágil e data driven, além de impulsionar a formação de times mais diversos e de possibilitar o modelo de atuação de forma remota ou híbrida”, discorre.

Profissionais - Nesse setor, existem vagas para profissionais de tecnologia de diversos níveis e áreas de conhecimento. Os cargos são: Arquiteto(a) Corporativo, Analista de Sistemas de Negócios, UX Designer, Desenvolvedor(a) Front-End, Desenvolvedor(a) Back-End, Desenvolvedor(a) Android, Desenvolvedor(a) iOS, Analista de Infraestrutura de TI, Analista de Qualidade (QA), Analista de Segurança da Informação, Product Owner, Cloud Engineer, Cientista de Dados, Engenheiro(a) de Dados e Analista de Dados.  

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 25 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI CAMPOS GERAIS: Com nova unidade no Hauer, cooperativa inaugura décima primeira agência em Curitiba

sicredi campos gerais 15 12 2021A Sicredi Campos Gerais PR/SP vai inaugurar, nesta quinta-feira (16/12), a décima primeira agência em Curitiba. A unidade de atendimento, que vai funcionar na rua Anne Frank, 2028, no bairro Hauer, é a trigésima quarta da cooperativa, que atende a região dos Campos Gerais (PR), região metropolitana de Curitiba e Vale do Ribeira (SP).

2022 - Para 2022, estão previstas as inaugurações das agências: Vicente Machado e Sabará em Ponta Grossa (PR), São Braz e Eco Medical Center (Água Verde), em Curitiba (PR), além de agências no Jardim Paulista, em Campina Grande do Sul (PR) e no município de Peruíbe (SP). Com as inaugurações, a cooperativa atinge 40 agências na área de atuação e já confirma que a expansão avançará em 2023.

Crescimento - “Abrir novas agências é o mais evidente sinal do nosso crescimento, que só é possível com a confiança dos nossos 93 mil associados e 45 mil poupadores. Também significa gerar emprego, desenvolvimento e renda para nossas comunidades. Vamos abrir agências enquanto houver demanda, e reafirmando que, no Sicredi, é o associado que escolhe como e onde quer ser atendido, seja no digital ou por meio do atendimento humano, com olho no olho, nossa maior fortaleza”, aponta o diretor executivo da Sicredi Campos Gerais PR/SP, Marcio Zwierewicz.

Estrutura - A nova agência no Hauer tem 420 metros quadrados de área construída, estacionamento com sete vagas e quatro caixas eletrônicos. Para atender os associados, a agência terá um guichê de atendimento expresso e dois guichês de caixa, além de espaços para Pessoa Física e Pessoa Jurídica. O espaço para café, que é uma marca da cooperativa, visa manter a proximidade com os associados.

Cooperativismo - Para o presidente da Sicredi Campos Gerais PR/SP, Popke Ferdinand van der Vinne, a expansão da rede de agências na capital é um sinal de que o curitibano está comprando, cada vez mais, a ideia do cooperativismo: “Nos últimos anos, nossa presença em Curitiba tem estado mais evidente. As pessoas têm procurado de forma mais intensa organizações com propósitos e que atuem com seriedade e transparência, equilibrando a geração de negócios com o interesse e o engajamento em prol das comunidades”, finaliza.

Marca superada- Neste ano, a cooperativa superou a marca de R$ 4,5 bi de ativos, o que a posicionou entre as 10 maiores das mais de 800 instituições financeiras cooperativas do Brasil no último ranking da Confebras. Um dos principais diferenciais da Sicredi Campos Gerais PR/SP, além do interesse na comunidade demonstrado ao apoiar diversos projetos educacionais, sociais e ambientais, está no fato do associado participar das decisões e do resultado, proporcionalmente à utilização de produtos e serviços da cooperativa.

Transmissão - O evento de inauguração da nova agência será transmitido virtualmente nas redes sociais da cooperativa (@sicredicamposgerais). O atendimento aos associados começa na sexta-feira (17/12), entre 10h e 16h.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 25 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI INTEGRAÇÃO: Nova agência é inaugurada em Papanduva (SC)

Em dezembro, a Sicredi Integração PR/SC inaugurou, em Papanduva (SC), a nova agência de 438m², que propõe um modelo diferente do padrão atual das instituições financeiras. Sem caixas físicos, o ambiente é voltado para a geração de negócios, com amplo espaço de relacionamento para atender os públicos PF, PJ e Agro. A unidade conta também com a área Experiência Sicredi, que torna o atendimento muito mais ágil, porém mantendo o caráter humano. (Imprensa Sicredi Integração PR/SC)

{vsig}2021/noticias/12/15/sicredi_integracao/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS: Evento marca encerramento das atividades anuais do Comitê Jovem e Comitê Mulher

sicredi fronteiras 15 12 2021Na última quinta-feira (09/12), ocorreu o encerramento das atividades do Comitê Mulher e Comitê Jovem da Sicredi Fronteiras PR/SC/SP. O evento, que reuniu mais de 150 pessoas, ocorreu de maneira híbrida, desta forma, os membros dos Comitês se encontraram nas agências de seus respectivos municípios. Lá, eles puderam assistir o evento, que foi realizado na sede administrativa e transmitido através do Youtube.

Presenças - Durante encontro, estiveram presentes na sede, José César Wünsch, Presidente da Cooperativa Sicredi Fronteiras; Daiane Wesseler Alexandre, assessora de desenvolvimento do Cooperativismo, Membros do Comitê Jovem, Carina Borges dos Santos, Otavio Augusto Piaia e membros do Comitê Mulher, Adriane Fiorre e Elaine Petrikoski. O Diretor Executivo da Cooperativa, Fábio Junior Câmera, participou do evento e realizou a sua acolhida de forma online, diretamente de São Paulo, onde estava cumprindo uma agenda de visitas.

Talk show - Ivete Schoffen, conselheira de administração da Cooperativa Sicredi Aliança PR/SP; Carla Cristina Rauber, conselheira de administração da Sicredi Progresso PR/SP e Vinícius Mattia, membro do Comitê Jovem e coordenador de núcleo da Sicredi Aliança, foram os convidados para participar de um talk show, onde falaram sobre suas experiências no cooperativismo.

Trajetória e inclusão feminina - No momento, Ivete comentou sobre a sua trajetória no cooperativismo e em como é necessária a inclusão feminina em cargos de liderança. “O meu propósito se alinhou muito com o da cooperativa, fazendo com que eu me dedicasse cada vez mais em aprofundar os meus conhecimentos, conseguindo, desta forma, participar do conselho de administração”.

Celebração - De acordo com Daiane Wesseler Alexandre, assessora de desenvolvimento do Cooperativismo, o evento foi a celebração de todas as ações realizadas durante o ano. “As iniciativas do Comitê Mulher e Comitê Jovem, permitiram que o Sicredi estivesse ainda mais presente na comunidade, como exemplo, cito a ação de arrecadação de brinquedos para o dia das crianças, que foram destinadas às famílias em situação de vulnerabilidade social. Tudo isso enche nosso coração de orgulho e faz com que tenhamos certeza que estamos no caminho certo com o desenvolvimento de nossos Comitês, seguindo firmes em nosso propósito”, afirma Daiane. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Agência Bandeirantes entregará 800 quilos de alimentos ao Hospital Evangélico

sicredi uniao 15 12 2021O Hospital Evangélico de Londrina (PR) irá receber um reforço e tanto em sua despensa nesta sexta-feira (17/12). A agência Bandeirantes da Sicredi União PR/SP fará a entrega de cerca de 800 quilos de alimentos à instituição, numa cerimônia marcada para 11 horas.

Árvore Solidária - Os alimentos foram arrecadados na campanha Árvore Solidária, realizada há mais de uma década por todas as 112 agências da cooperativa de crédito – que atua no Norte e Noroeste do Paraná, Leste e Centro-Leste Paulista -, entre os meses de novembro e dezembro. O objetivo é envolver associados e a comunidade numa grande rede de solidariedade, com doações de alimentos, materiais escolares, itens de higiene, etc. Cada agência entrega as doações para uma ou mais entidade.

Impacto positivo - Segundo Ivângela Palermo, gerente da agência Bandeirantes, a entrega ao HE foi definida pelo impacto que a instituição benemérita tem na vida de centenas de pessoas. Do total de atendimentos realizados pelo hospital, 60% são pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). “Essa doação, certamente, será de grande valor para o Evangélico, que, todos sabem e como acontece com grande parte dos hospitais, enfrentam dificuldades para fechar as contas mensalmente”, comenta.

Déficit - De acordo com dados do Hospital, a instituição opera com déficit nas contas, sendo que a cada R$ 100 que o paciente gasta, o hospital recebe somente R$ 60. Ainda de acordo com informações do hospital, são consumidos, por mês, 1.000 litros de leite, 480 quilos de arroz, 50 quilos de açúcar cristal, 200 quilos de feijão, 800 quilos de carnes e 50 quilos de feijão.

Parceria - A cerimônia de entrega será nas dependências do hospital e contará com a presença de outros parceiros que, esta semana, já fizeram doação de cerca de 2 toneladas de alimentos ao HE, dentro da campanha realizada pela instituição e denominada Dia de Doar. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICOOB CREDICAPITAL: Com três novas unidades, rede de atendimento é ampliada em Porto Alegre (RS)

sicoob credicapital 15 12 2021O Sicoob Credicapital chegou a Porto Alegre em 2019 e, desde então, tem ampliado sua rede de atendimento para várias regiões da capital gaúcha. Somente este ano, já foram abertas três unidades e, nos dias 14 e 15 de deste mês, mais três locais foram inaugurados.

Localização - Os novos pontos de atendimento, duas agências e um escritório de negócios, estão localizados na Av. Azenha (Zona Sul), Av. Sertório (Zona Norte) e Av. Getúlio Vargas (Centro-sul). Todos os espaços foram pensados para oferecer conforto e comodidade aos cooperados e fazer com que se sintam em casa.

Consolidação - Para o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Credicapital, Guido Bresolin Junior, a implantação dos pontos de atendimento demonstra a consolidação da atuação da cooperativa na cidade. “Chegamos a oito unidades em Porto Alegre e vamos poder atender cada vez mais pessoas. Isso só reforça que o cooperativismo financeiro deixou de ser coisa de cidade pequena e está conquistando espaço nas grandes cidades”.

2022 - Além disso, ele destaca que para 2022, os cooperados da capital gaúcha podem esperar mais agências da cooperativa na cidade. “Nossa expectativa para o próximo ano é inaugurar outros 12 pontos de atendimento em Porto Alegre”.

Melhor atendimento possível - Já Charles Khral, gerente regional do Sicoob Credicapital, conta que os cooperados podem esperar da cooperativa o melhor atendimento possível. “Um tratamento próximo, com muito respeito e transparência. Nossa equipe está preparada para oferecer isso a todos”.

Sicoob Credicapital - Com 20 anos de atuação, a cooperativa tem sede em Cascavel (PR) e atualmente possui mais de 35 agências, que estão localizadas em 22 municípios do Paraná, Rio Grande do Sul e em São Paulo. Tem mais de 45 mil cooperados, mais de R$ 1 bilhão de ativos administrados e é considerada a 30ª maior cooperativa do Sistema Sicoob. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Agência na Vila Operária de Maringá é reinaugurada

sicoob metropolitano 15 12 2021A agência do Sicoob Metropolitano na Vila Operária, em Maringá (PR), tem um novo endereço. Desde o último dia 13, o ponto de atendimento da cooperativa está em um espaço com mais visibilidade e com um novo design, seguindo todas as diretrizes da marca.

Conforto - O local mais moderno, aconchegante e bonito, também oferece mais conforto aos cooperados. Segundo a gerente da agência, Gresielle Tatiana da Silva Thibes, que participou da inauguração em 2011, é gratificante estar presente em mais um momento importante.

Satisfação do cooperado - "Mais gratificante ainda foi ver e ouvir a satisfação dos cooperados, nosso foco mais importante. Acredito que com um ambiente mais acolhedor e moderno teremos mais êxito nos nossos negócios, pois fará com que os cooperados se sintam mais à vontade e valorizados. Nossa expectativa para 2022 com casa nova e novo fôlego é que consigamos fazer grandes negócios criando relacionamentos estruturados e duradouros", afirma.

Novo endereço - O novo endereço da agência é Av. Brasil, 2060.

Presenças - Estiveram presentes na cerimônia de reinauguração os diretores do Sicoob Metropolitano, Ideval Curioni, Aguinaldo Benecioto e Vanderlan Silva, o presidente do Conselho de Administração, Luiz Ajita, o conselheiro fiscal, Milton Torres, os diretores do Sicoob Central Unicoob, Cesar Lazarino e Carlos Schlick, e o diretor da Unicoob Corretora, Fernando Bertasson. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COOPAVEL: Show Rural receberá comitiva argentina de 7 a 11 de fevereiro

coopavel 15 12 2021Produtores rurais argentinos virão a Cascavel (PR), de 7 a 11 de fevereiro de 2022, para prestigiar e conhecer as novidades da 34ª edição do Show Rural Coopavel. Quem afirma é o cônsul argentino no Paraná, Alejandro Massuco, que esteve na área há poucos dias em encontro com o presidente da cooperativa, Dilvo Grolli.

Países irmãos - “São dois países irmãos, que têm a mesma origem e que cultivam os mesmos grãos, e também são muito fortes no setor da pecuária. Por isso, conhecer o Show Rural contribui para ter acesso a novidades desenvolvidas diante de uma nova exigência mundial, de produzir mais com menos e atentos às questões da sustentabilidade”, destaca Dilvo Grolli.

Importância - Massuco reconhece a importância do Show Rural como um grande disseminador de novos conhecimentos para a agropecuária. “É tradição que produtores e pecuaristas de nosso país venham a Cascavel, no Oeste do Paraná, para visitar esse grande evento e ter contato com informações e tendências sobre o agronegócio”, afirma o cônsul, que também virá à cidade para visitar a 34ª edição.

Cuidados especiais - Devido à pandemia, a Coopavel adotará um protocolo sanitário especial, garantindo que todos tenham segurança ao visitar o parque para conhecer o que os 400 expositores vão apresentar. “Um evento como o Show Rural precisa se reinventar a cada ano, enfrentar e superar os mais diferentes obstáculos. A pandemia trouxe inúmeras lições, por isso a 34ª edição será um recomeço para esse que é um dos três maiores eventos do mundo em tecnologias para o campo”, afirma o presidente Dilvo Grolli. (Imprensa Coopavel)

 

COCAMAR I: Cocamar Máquinas conquista o CX Awards 2021 da John Deere Brasil

Um prêmio que vale por dois. Com o projeto “Minuto do Operador”, de pós-vendas e marketing, e por ter obtido a melhor classificação na somatória de todos os critérios de avaliação dos projetos, a Cocamar Máquinas foi a grande vencedora nacional do CX Awards 2021 da John Deere Brasil, cujos vencedores acabam de ser conhecidos.

As melhores iniciativas - A Concessionária inscreveu projetos em todas as categorias do prêmio que foi instituído em 2015 e tem o objetivo de reconhecer as melhores iniciativas da rede de concessionários e distribuidores John Deere no país, relacionadas à Experiência do Cliente e ao desenvolvimento da Cultura Centrada no Cliente (CCC).

Um marco - “Pela primeira vez conquistamos um prêmio nacional de Experiência do Cliente e ainda fomos a grande vencedora, com a maior pontuação recebida entre os finalistas. Um marco para a Cocamar Máquinas que trabalha com foco em oferecer as melhores experiências aos clientes que adquirem as nossas soluções”, comentou o superintendente da Concessionária, Arquimedes Alexandrino.

Ano de transformação - Para a gerente de marketing da Concessionária, Jéssica Brambilla, o prêmio é mais um indicativo de que “2021 foi um ano de transformação. O CX Awards 2021 é o resultado de toda paixão e dedicação com que nós, colaboradores de todas as áreas da Cocamar Máquinas, trabalhamos diariamente para alcançar nosso propósito de garantir sustentabilidade e sucesso aos nossos clientes”.

Fidelização - O Minuto do Operador é apresentado em uma abordagem simples e na linguagem do cliente que, segundo a Concessionária, “contribui para uma melhora significativa da experiência do cliente”. A proposta é fidelizá-los à marca e ao concessionário, por meio de uma relação duradoura e com um olhar aguçado para suas necessidades diárias, antecipando e oferecendo soluções técnicas básicas para o melhor desempenho dos equipamentos antes, durante e após as operações agrícolas.

Encantar - A gestora de experiência do cliente da Cocamar Máquinas, Valério Victório, afirmou que o resultado do prêmio é uma demonstração de que “o Jeito Cocamar Máquinas de Encantar os Clientes é vivido pelos colaboradores em todas as áreas”.

Excelência - Segundo o gerente corporativo de serviços, Heliotérico de Moraes, e um dos idealizadores do projeto, “de uma forma muito simples otimizamos o desempenho dos equipamentos dos nossos clientes, contribuímos para redução de custos e isto é trabalhar com excelência e ter o cliente no centro do nosso negócio. É o que entregamos com o ‘Minuto do Operador’”.

Antes - Promovido anualmente, o CX Awards John Deere Brasil já contou com a participação da Cocamar Máquinas em edições anteriores. Em 2020, por exemplo, a Concessionária figurou da 2ª e 3ª colocações na categoria Agir.

Seis - Neste ano, além do “Minuto do Operador”, vencedor na categoria Agir, a Cocamar Máquinas foi finalista em todas as demais categorias, totalizando seis projetos inscritos.

Critérios - Os projetos foram avaliados com base em critérios como sustentabilidade, abrangência externa, resultados quantitativos, resultados qualitativos e criatividade. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/12/15/cocamar_I/{/vsig}

COCAMAR II: Linha Viridian avança para se consolidar entre os cooperados

Lançada em meados do ano passado, a linha de fertilizantes foliares e adjuvantes Viridian, produzida pela Cocamar no seu parque industrial em Maringá (PR), vem conquistando espaço entre os produtores associados da cooperativa, que cultivam mais de 950 mil hectares com soja nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. A oleaginosa responde por 80% do faturamento do portfólio composto por 13 foliares e quatro adjuvantes.

Cooperados - Pelo planejamento da Cocamar, o objetivo é, primeiramente, consolidar a marca entre os cooperados e só depois sair em busca de novos mercados, conforme cita o engenheiro agrônomo Marcos Paulo de Oliveira, que faz a gestão da equipe técnica especializada.

Confiança - Segundo Marcos, para se destacar em um segmento marcado pela presença de grande número de empresas, a Cocamar estruturou uma equipe de profissionais com larga experiência em todas as áreas de produção e busca matérias-primas junto a fontes idôneas, sem esquecer que a força do seu nome, naturalmente, inspira confiança no mercado.

Validação científica - “Nosso objetivo é oferecer os melhores produtos aos cooperados e apoiá-los no esforço para o aumento da produtividade”, observa Marcos, enfatizando que, para conferir isenção e ressaltar ainda mais a credibilidade da linha Viridian, a cooperativa atribuiu a duas respeitadas instituições – a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e o Instituto Dashen, de Bandeirantes (PR) – a validação científica dos produtos.

Parcelas - Ao mesmo tempo, testes de validação a campo estão sendo conduzidos nesta safra em 1.290 parcelas distribuídas em três áreas experimentais nos municípios de Umuarama, São Jorge do Ivaí e Apucarana, que apresentam condições de solo, altitudes e clima diferentes. Os produtos são utilizados, também, em lavouras de cooperados de referência nas regiões. Em todos esses trabalhos, explica Marcos, é avaliado o desempenho da linha Viridian e os resultados são apresentados aos produtores em eventos técnicos como palestras e dias de campo.

Refinamento regional - De acordo com o gerente executivo técnico, Renato Watanabe, a Cocamar passa a contar agora com o apoio de outras instituições de pesquisa para o desenvolvimento de novos produtos, voltados, inclusive, para outras culturas. E, em relação à soja, está sendo testada nos protocolos a combinação de produtos para assegurar os melhores resultados de produtividades por região, considerando as características de cada qual. “Estamos fazendo um refinamento regional para que as recomendações sejam ainda mais precisas para todas as regiões onde a Cocamar atua”, comenta o gerente executivo. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/12/15/cocamar_II/{/vsig}

AGRÁRIA: Começa venda on-line para shows da festa de 70 anos de Entre Rios

agraria 15 12 2021Na segunda-feira (13/12), começou a venda on-line de ingressos para a festa em comemoração aos 70 anos da chegada dos imigrantes suábios ao distrito de Entre Rios, em Guarapuava (PR). O evento acontece de 05 a 09 de janeiro de 2022 e, além de apresentações culturais, conta com uma agenda de atrações nacionais e internacionais. As entradas podem ser adquiridas pelo site 70anosentrerios.com.br.

Quinta e sexta-feira - Na quinta-feira, dia 06, quem sobe ao palco do Centro de Eventos Agrária é o cantor Daniel. Mas antes dele, a Banda Society e o Grupo Talagaço animam a noite. Na sexta-feira, 07, todos os shows acontecem na área externa do Centro de Eventos. Apresentam-se Julio Cézar e Montenegro, Tchê Garotos, Carreio e Capataz, e Conrado e Aleksandro.

Sábado - O sábado é dedicado à programação cultural da festa e será embalado por muita música alemã. Tocam durante a noite: Banda Original Donauschwaben Musikanten, Banda Dorfrocker (diretamente da Alemanha), Banda K'nekus e a Banda Dorfmusikanten.

Limitado - Os ingressos são limitados e variam de R$ 25,00 a R$ 100,00, de acordo com o dia e local escolhido para acompanhar os shows. Nos dias 05 e 09, primeiro e último dia da festa, todas as atrações são gratuitas. (Imprensa Agrária)

 

UNIMED: Central Nacional apoia a campanha de prevenção ao câncer de pele

Neste verão 2021, os passeios em parques, praias, onde haja exposição solar, devem obedecer às recomendações das autoridades sanitárias, respeitando todo o protocolo da Covid-19, mas é fundamental manter os cuidados de prevenção ao câncer de pele. A Central Nacional Unimed apoia a campanha Dezembro Laranja, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), que este ano tem a mensagem-chave: "Adicione mais fator de proteção ao seu verão".

Impacto - O impacto da pandemia no trabalho geral de prevenção ao câncer de pele pode ser negativo. Isso porque houve drástica queda no índice de diagnóstico precoce, segundo a SBD. Maria Elisa Rosa, dermatologista da Alergodermoclin, parceira da Central Nacional Unimed e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia - BA, confirma esse cenário.

Consultas - "No auge da pandemia, as pessoas ficaram mais restritas em casa, comparecendo apenas às consultas motivadas por quadros agudos ou que as incomodavam muito. Aos poucos, com a queda do número de casos de Covid-19, elas foram se sentindo mais à vontade para voltar aos consultórios, e hoje temos frequência quase normal às consultas", afirma Elisa.

Atrasos - Entretanto, o não comparecimento às consultas eletivas gerou o problema dos atrasos nos diagnósticos. "Com o retorno dos pacientes aos consultórios, vemos mais frequentemente lesões mais extensas. Os tumores não melanoma são mais frequentes e crescem mais lentamente. No entanto, isso não é verdade para os melanomas", alerta a médica.

Diagnóstico precoce - "Quando falamos de qualquer doença, sempre enfatizamos a importância do diagnóstico precoce e isso é especialmente verdade quando tratamos de doença oncológica", afirma a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia - BA, alertando para a importância do acompanhamento médico.

Tipos - "Os cânceres de pele podem ser basicamente divididos em cânceres melanoma e não melanoma. Os melanomas, quando não diagnosticados e tratados precocemente, podem evoluir com metástases e até êxito letal. Já os tumores não melanoma podem evoluir com extensão local e invasão de estruturas, podendo ser necessários procedimentos mutilantes, com sequelas graves para esses pacientes", explica.

Dados - Dados levantados pela SBD junto a secretarias municipais e estaduais de Saúde (divulgados no site da instituição) demonstram que, de janeiro a setembro, a procura por atendimentos de dermatologia preventiva em 2020 caiu cerca de 48%, se comparado ao ano anterior.

Cuidados de prevenção - Os cuidados necessários à prevenção ao câncer de pele já são bem conhecidos: evitar excesso de exposição solar, escolher os horários adequados para estar ao ar livre, usar protetores solares, estar atento ao surgimento de manchas e lesões na pele, além de fazer consultas periódicas ao dermatologista.

Casos no Brasil - De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca/Ministério da Saúde), o câncer de pele não melanoma é o mais frequente no Brasil e corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país. A estimativa é de 176.930 casos no Brasil, sendo 83.770 homens e 93.160 mulheres (2020 - Inca).

Cura - Entretanto, o câncer de pele não melanoma apresenta altos percentuais de cura, se for detectado e tratado precocemente. Entre os tumores de pele, é o mais frequente e de menor mortalidade, porém, se não tratado adequadamente pode deixar mutilações bastante expressivas. É mais comum em pessoas com mais de 40 anos, o câncer de pele é raro em crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas. Porém, com a constante exposição de jovens aos raios solares, a média de idade dos pacientes vem diminuindo.

Mais atingidas - Pessoas de pele clara, sensíveis à ação dos raios solares, com história pessoal ou familiar deste câncer ou com doenças cutâneas prévias são as mais atingidas. Por isso devem redobrar os cuidados de prevenção.

Sobre a Central Nacional Unimed - A Central Nacional Unimed é a operadora nacional dos planos de saúde empresariais da marca Unimed e sexta maior do País em número de beneficiários. Faz parte do Sistema Unimed, composto por 345 cooperativas médicas presentes em 84% do território nacional, que compartilham os valores do cooperativismo e o trabalho para valorização dos médicos e da medicina. Sua carteira é composta por 2 milhões de clientes de grandes corporações nacionais e multinacionais, além de produtos PME e foco regional em Salvador, Feira de Santana, Santo Antônio de Jesus, Itabuna, Ilhéus, Luziânia, São Luís, Brasília e São Paulo. Além de operacionalizar planos de saúde nessas localidades, também é responsável por complementar o portfólio das singulares sócias, em linha com as macropolíticas comerciais definidas para o Sistema Unimed. Com o propósito de viabilizar a intercooperação, estabelecendo ações conjuntas com a Unimed do Brasil, Unimed Participações, Seguros Unimed e Fundação Unimed, visa fortalecer a governança sistêmica e presença institucional da marca, gerar trabalho e renda para seus cooperados, e cuidar com excelência dos clientes Unimed. A Central Nacional Unimed é considerada ainda uma das melhores empresas para se trabalhar (Guia 150 Melhores Empresas para Trabalhar), para se iniciar a carreira (Guia Melhores Empresas para Começar a Carreira) e a melhor companhia de prestação de serviços de saúde em 2020 (Ranking "Melhores e Maiores"). (Imprensa Central Nacional Unimed)

UNIMED LONDRINA: Cooperativa promove II Orquestra Itinerante com clássicos de Natal

unimed londrina 15 12 2021Pelo segundo ano consecutivo, uma orquestra de câmara vai circular pela cidade de Londrina (PR) tocando músicas de Natal. A II Orquestra Itinerante é uma iniciativa da Unimed Londrina, será realizada dos dias 17 a 19 de dezembro, das 19h30 às 22h com a participação da Orquestra de Câmara “Solistas de Londrina”

Três caminhões - Para a apresentação, foram preparados três caminhões que serão iluminados. O primeiro irá abrir o caminho, o segundo vai transportar mais de dez músicos e o maestro Eugene Ratchev, que tocarão ao vivo clássicos natalinos, e o outro vai levar o Papai Noel, que estará distribuindo esculturas de balão para as crianças.

Iniciativa - A iniciativa da cooperativa tem como objetivo levar cultura, música e esperança para os londrinenses. “Realizamos este evento porque acreditamos que a música traz o espírito natalino. Todos nós tivemos um ano muito difícil por conta da pandemia e das limitações que esta situação nos traz. Por isso, proporcionar um momento de descontração como este é uma alegria para a Unimed Londrina”, destaca o presidente da Unimed Londrina, Omar Genha Taha.

Roteiros - Confira abaixo os roteiros da II Orquestra Itinerante da Unimed Londrina:

Data 17/12 - 19h30 Saída da sede administrativa da Unimed Londrina - Av. Ayrton Senna, 1.065

Segue pela avenida Ayrton Senna até a Rodovia Celso Garcia Cid. Continua em direção à Avenida Waldemar Spranger, Rua Almeida Garret, Rua Heródoto, Avenida Portugal, Avenida Dez de Dezembro, pega o acesso à Avenida Juscelino Kubitscheck, segue para a Avenida Santos Dummont e faz a primeira parada na Praça Nishinomiya (de 5 a 10 minutos). Continua na Rua Alziro Zarur, Avenida Robert Koch - onde haverá a segunda parada (de 5 a 10 minutos), percorre em direção à Avenida Santos Dummont, Avenida Juscelino Kubitscheck, Avenida Tiradentes, Rua Araçatuba. A terceira parada será na Feira da Lua, na Avenida Poços de caldas (de 5 a 10 minutos). A orquestra segue então pela Rua Bauru, Rua Deputado Fernando Ferrari, Rua Foz do Iguaçu, Rua Assaí, Avenida Av. Maringá e Avenida Ayrton Senna, com destino à sede da Unimed Londrina, onde o percurso será encerrado.

Data 18/12 - 19h30 Saída da sede administrativa da Unimed Londrina - Av. Ayrton Senna, 1.065

Segue pela Avenida Ayrton Senna da Silva, Rua João Huss, Rua Eurico Hummig – onde serão realizadas duas paradas com tempo de 5 a 10 minutos cada uma. A Orquestra Itinerante continua pela Avenida Madre Leonia Milito, Rua Maria Lúcia da Paz, com mais duas paradas de 5 a 10 minutos cada uma e segue para a Praça Pé Vermelho, onde haverá uma nova parada. O percurso continua pela Rua João Huss, Rua Terra Zenetti Lopes, Rua Ernâni Lacerda de Athayde – onde haverá duas paradas de 5 a 10 minutos cada. Continuação na Rua João Wyclif, Avenida Madre Leônia Milito, Avenida Garibaldi Deliberador, Avenida Waldemar Spranger, Rua Villa Lobos – com parada de 5 a 10 minutos, Rua Tito Carneiro Real, Rua Juvenal Borges de Macedo – com parada de 5 a 10 minutos, Avenida Waldemar Spranger, Rua Roberto Júlio Roehring com parada de 5 a 10 minutos, Rua Wener Sobral Arco-Verde, Rua Dos funcionários, Avenida Waldemar Spranger, Rodovia Celso Garcia Cid. A orquestra segue então pela Avenida Ayrton Senna da Silva para encerrar o roteiro na sede da Unimed Londrina.

Data 19/12 - 19h30 Saída da sede administrativa da Unimed Londrina - Av. Ayrton Senna, 1.065

Segue pela Avenida Ayrton Senna da Silva, sobe a Avenida Maringá, continua na Avenida Castelo Branco, Avenida Voluntários da Pátria - com parada de 5 a 10 minutos, Rua Foz do Iguaçu, Rua General Tasso Filho, Rua Prof. Samuel Moura - com parada de 5 a 10 minutos, Rua Capitão Vicente Januzi Filho - com parada de 5 a 10 minutos, Avenida Maringá. A orquestra vai subir a Rua Goiás, passar pela Rua Santos - com parada de 5 a 10 minutos, Rua Fernando de Noronha - com parada de 5 a 10 minutos, Rua Paranaguá - com parada de 5 a 10 minutos, Rua Alagoas, Rua João Cândido, Rua Goiás, Avenida São Paulo - com parada de 5 a 10 minutos e Rua Espírito Santo - com parada de 5 a 10 minutos. O percurso continua pela Higienópolis, seguindo pela Avenida Aminthas de Barros, Rua Prof. Joaquim de Matos Barreto e chegando à Avenida Ayrton Senna da Silva, onde o percurso será encerrado na sede da Unimed Londrina. (Imprensa Unimed Londrina)

 

EXPORTAÇÕES: China libera entrada de carne bovina do Brasil

exportacoes 15 12 2021O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu, nesta quarta-feira (15/12), a informação sobre a liberação das exportações de carne bovina para a China. Com isso, a certificação e o embarque da proteína animal para a China serão normalizados e podem ser retomados a partir de hoje.

Suspensão - Os embarques para o país asiático estavam suspensos desde o dia 4 de setembro, quando o Brasil identificou e comunicou dois casos atípicos da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), registrados em Nova Canaã do Norte (MT) e em Belo Horizonte (MG).

Protocolo - A suspensão foi feita pelo Brasil em respeito ao protocolo firmado entre os dois países, que determina esse curso de ação no caso de EEB, mesmo que de forma atípica. O que significa que esses animais desenvolveram a doença de maneira espontânea e esporádica, não estando relacionada à ingestão de alimentos contaminados e que não há transmissão da doença entre os animais.

OIE - A OIE, que é a organização internacional que acompanha a saúde animal, analisou as informações prestadas em decorrência dos dois casos de EEB atípica e reafirmou o status brasileiro de “risco insignificante” para a enfermidade.

Liberação - Em novembro, a China já havia liberado alguns lotes de carne bovina brasileira que receberam a certificação sanitária nacional até o dia 3 de setembro de 2021. (Mapa)

FOTO: iStock

 

VBP: Valor da produção agropecuária de 2021 está estimado em R$ 1,113 trilhão

vbp destaque 15 12 2021O valor bruto da produção agropecuária (VBP) de 2021 está estimado em R$ 1,113 trilhão. Esse é praticamente um valor definitivo, pois há estabilidade dos preços e a safra deste ano está praticamente finalizada, com exceção para algumas lavouras de inverno.

Impulso - O VBP de 2021 vem sendo impulsionado principalmente por lavouras, que cresceram 12,3%, e pela pecuária, com crescimento de 5,4%. Entre as lavouras, os destaques são soja, milho, cana-de-açúcar e café. Na pecuária, o melhor resultado é observado em carne bovina e carne de frango.

Produtos - Entre os produtos com maior contribuição ao VBP neste ano estão: soja (R$ 361,4 bilhões), milho (R$ 124,8 bilhões), cana-de-açúcar (R$ 85,4 bilhões), café (R$ 40,1 bilhões), algodão (R$ 26,9 bilhões). Estes cinco produtos representam 57,3% do VBP de 2021.

Contribuição negativa - Os produtos com contribuição negativa ao VBVP são o amendoim (-9,4%), banana (-11,6%), batata inglesa (-12,4%), feijão (-14,6%) e laranja (-17,7%). Na pecuária, suínos e ovos apresentaram contribuição negativa devido a menores preços do que em 2020.

VBP para 2022 - Com os prognósticos do tempo para 2022 indicando chuvas em momento adequado com bom desenvolvimento das lavouras, o valor estimado para o VBP em 2022 é de R$ 1,164 trilhão. Esse valor é 4,5% acima do obtido em 2021.

Faturamento - A soja tem faturamento previsto de R$ 356,6 bilhões e o milho, R$ 148,5 bilhões em 2022. Esses produtos lideram o VBP do próximo ano. (Mapa)

>> Resumo VBP 

>> VBP completo 

>> VBP regional 

>> Quadro geral

FOTO: iStock

 

vbp tab I 15 12 2021

vbp tab II 15 12 2021

 

 

 

 

PSR: Agricultores receberam R$ 3,6 bilhões em indenizações de seguro rural entre janeiro e outubro de 2021

psr 15 12 2021A Superintendência de Seguros Privados (Susep) divulgou a Síntese Mensal dos principais dados relativos ao desempenho do setor de seguros até outubro de 2021. As informações foram obtidas a partir dos dados encaminhados pelas companhias supervisionadas. Os dados agregados são disponibilizados para diversos segmentos, dentre eles o de seguro rural das atividades agrícolas, aquícolas, de florestas e pecuária, que são passíveis de participação no Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Indenizações - Nessas atividades, as 15 companhias seguradoras habilitadas no PSR, pagaram R$ 3,6 bilhões em indenizações aos agricultores entre janeiro e outubro de 2021, que representa um aumento de 75,6% sobre os R$ 2,097 bilhões pagos no mesmo período de 2020. O ano passado fechou com total de R$ 2,5 bilhões em pagamentos de sinistros.

Detalhamento - O diretor do Departamento de Gestão de Riscos da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, Pedro Loyola, afirma que muitas informações da Susep são contábeis e ainda não há um detalhamento por cultura, evento e região dos sinistros ocorridos no ano. Esses dados são compilados, criticados e revisados em relatório anual que será publicado no próximo ano.

Milho segunda safra - Loyola explica que o milho de segunda safra foi o ponto fora da curva em 2021, pois os produtores do Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo tiveram sinistros com estiagem agravadas com geadas. Além da estiagem e geadas no milho de segunda safra, contribuíram para um aumento da sinistralidade nas lavouras brasileiras em 2021 as geadas ocorridas no café, principalmente em Minas Gerais e São Paulo.

Papel importante - O PSR teve um papel importante na alavancagem de contratações de seguro rural em 2021 para as culturas de milho de segunda safra e café. O Mapa apoiou praticamente toda a demanda de seguro dessas culturas com subvenção de 40%. Para o milho de segunda safra foram 33.735 apólices de uma área segurada de 2,3 milhões de hectares, com um valor segurado de R$ 7 bilhões. O Mapa destinou R$ 278,3 milhões em subvenção ao prêmio para produtores, de um total emitido de R$ 712,2 milhões para a cultura. No café, o PSR apoiou a contratação de 8.635 apólices, totalizando uma área segurada de 210,5 mil hectares, com valor segurado de R$ 2,1 bilhões, que contou com a geração de R$ 57,4 milhões em prêmio total, dos quais R$ 22,8 milhões foram pagos pelo PSR.

Orçamento 2021 e 2022 do PSR - O PSR começou o ano, após cortes no orçamento, com o valor de R$ 924 milhões para aplicação em 2021. O valor permite proteger uma área de 9,7 milhões de hectares, número inferior aos 13,7 milhões amparados no ano anterior, mesmo com orçamento maior que o liberado em 2020, de R$ 881 milhões Com o aumento dos custos de produção e de preços das commodities agrícolas acima de 30%, o valor segurado também aumenta, acarretando um prêmio (valor da apólice) maior e, consequentemente, a necessidade de um volume de recursos maior para a subvenção.

Recurso suplementar - Desde agosto de 2021, o Mapa tem pleiteado junto ao Ministério da Economia e ao Congresso Nacional, recurso suplementar de R$ 376 milhões, que somados aos R$ 924 milhões atingiria o montante de R$ 1,3 bilhão, recurso que poderia atender os 13,7 milhões de hectares em 2021. Até o momento já foram obtidos R$ 77 milhões e outros R$ 80 milhões estão tramitando no Congresso Nacional. Além disso, há uma demanda do Mapa que solicita, ao Ministério da Economia, os valores restantes de R$ 218,8 milhões, que ainda serão analisados pela Junta de Execução Orçamentária.

2022 - Para 2022, a demanda é de R$ 1,4 bilhão para o PSR. O Projeto de Lei Orçamentária - PLOA 2022, em tramitação no Congresso Nacional, prevê o montante de R$ 990 milhões, sendo necessários ainda R$ 410 milhões em recursos complementares para que atinja o valor necessário. (Mapa)

FOTO: Pixabay

 

INFRAESTRUTURA: Movimentação de cargas por ferrovia chega a 20% nos portos paranaenses

A chegada e saída de produtos em vagões, nos portos do Paraná, segue em alta. Das 53.054.946 toneladas movimentadas de janeiro a novembro deste ano, 20,1% foram por ferrovia. Esse percentual é equivalente a 10.669.705 toneladas de mercadorias, de diversos segmentos, movimentadas pelo modal.

Caminhões - Do restante, 40.927.435 toneladas de cargas foram transportadas em caminhões (77,1%) e 1.457.806 toneladas de líquidos (2,7%), pelos oleodutos. Apesar do volume de cargas movimentado nesses onze meses estar 1% menor, como mostra o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, a participação dos dois modais alternativos ao rodoviário está maior.

Diluído - “Este, consequentemente, está cada vez mais diluído. Estamos caminhando para um maior equilíbrio nas matrizes de transporte nos Portos do Paraná”, afirma. Ainda segundo Garcia, “os projetos lançados pelo Governo do Estado, especialmente o projeto Cais Leste, ‘moegão’, e da Nova Ferroeste, têm incentivado os terminais e operadores também ampliarem a capacidade ferroviária”.

2020 - No ano passado, das 53.526.635 toneladas de cargas movimentadas de janeiro a novembro, 81,6% (43.703.550 toneladas) chegaram ou saíram por rodovias; 16,9% (9.025.283 toneladas), pela ferrovia; e 1,5% (797.803 toneladas), pelo duto.

Produtos - Essa alta na participação do modal ferroviária foi observada, principalmente, no transporte de soja, farelos, fertilizantes, derivados de petróleo, das cargas em contêineres, do trigo e do açúcar.

Evolução - Considerando a movimentação de cargas pelo modal ferroviário nos últimos anos, nos portos do Paraná, o volume vinha aumentando de 2016 (8.517.933 t), 2017 (9.994.352 toneladas), até 2018, quando chegou a 10.342.648 toneladas, 19,5% do total movimentada naquele ano (2018). Em 2019, o volume de carga em vagões voltou a cair para 8.803.544 toneladas, 16,5% do total que chegou ou saiu dos terminais paranaenses no penúltimo ano. Em 2020, porém, a participação do modal voltou a subir, chegando a 17,3% do total movimentado no ano passado. Foram 9.908.970 toneladas carregadas ou descarregadas nos trilhos.

Movimentação - “Neste ano, apesar de não termos fechado 2021 ainda, já movimentamos mais, pela rodovia, do que jamais havíamos registrado até hoje, em volume”, diz o diretor-presidente da Portos do Paraná. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Rodrigo Félix Leal / Seil

infraestrutura tabela 15 12 2021

COMBUSTÍVEL: Petrobras reduz preço da gasolina A para distribuidoras

combustivel 15 12 2021A partir desta quarta-feira (15/12), o preço médio de venda da gasolina A da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,19 para R$ 3,09 por litro, uma redução média de R$ 0,10 por litro, anunciou nesta terça-feira (14/12) a empresa.

Nota - “Considerando a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro e 73% de gasolina A para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço da gasolina na bomba passará a ser de R$ 2,26 a cada litro em média. Uma redução de R$ 0,07”, informou, em nota, a companhia.

Compromisso - No comunicado, a Petrobras reiterou o compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, “ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos, das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”.

Reflexo - “Esse ajuste reflete, em parte, a evolução dos preços internacionais e da taxa de câmbio, que se estabilizaram em patamar inferior para a gasolina”, acrescentou a Petrobras.

Última redução - Segundo a empresa, a última redução do preço da gasolina pela Petrobras foi no dia 12 de junho. (Agência Brasil)

 

ECONOMIA I: Taxa de juros deve continuar a subir, diz ata do Copom

economia 15 12 2021A taxa básica de juros, a Selic, deve subir novamente na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), em fevereiro de 2022. A previsão está na ata da última reunião do comitê, divulgada nesta terça-feira (14/12). A taxa Selic sofreu a sétima alta seguida, na última semana, ao passar de 7,75% para 9,25% ao ano.

Próxima reunião - “Para a próxima reunião, o comitê antevê outro ajuste da mesma magnitude [1,5 ponto percentual]”, diz a ata do Copom.

Avaliação - Ao avaliar os riscos para inflação, o Copom avalia que “novos prolongamentos das políticas fiscais [aumento de gastos públicos] de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada [procura por bens e serviços] e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco [relação entre risco e rendimentos de investimentos] do país”.

Desancoragem - “Apesar do desempenho mais positivo das contas públicas, o comitê avalia que questionamentos em relação ao arcabouço fiscal elevam o risco de desancoragem das expectativas de inflação, mantendo a assimetria altista no balanço de riscos. Isso implica maior probabilidade de trajetórias para inflação acima do projetado de acordo com o cenário básico”, acrescenta.

Cenários - Na ata, o Copom diz que avaliou a possibilidade de fazer um ajuste maior do que 1,5 ponto percentual na Selic, mas decidiu manter o ritmo de ajuste. “Concluiu-se que o ritmo de ajuste de 1,5 ponto percentual, neste momento, é adequado para atingir, ao longo do ciclo de aperto monetário, um patamar suficientemente contracionista para não somente garantir a convergência da inflação ao longo do horizonte relevante, mas também consolidar a ancoragem das expectativas de prazos mais longos”, acrescenta a ata.

Meta - Para o Copom, a decisão fará com que a inflação convirja para a meta em 2022 e em 2023. “Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego”, ressalta.

Percentuais - Segundo o Copom, em um cenário com projeções para a Selic feitas pelo mercado financeiro e taxa de câmbio em US$ 5,65, a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fica em torno de 10,2% em 2021, 4,7% em 2022 e 3,2% em 2023. Esse cenário supõe trajetória de juros que se eleva para 11,75% ao ano durante 2022, terminando o próximo ano em 11,25% ao ano, e reduz-se para 8% ao ano em 2023.

2021 - Para 2021, o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou a meta de inflação em 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Ou seja, o limite superior é 5,25% e o inferior, 2,25%. A meta de 2022 é 3,50% e para 2023, é 3,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos. Ou seja, por esse cenário, a inflação ficará acima do limite superior da meta em 2021 e do centro da meta em 2022. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

ECONOMIA II: Atividade econômica cai 0,40% em outubro, diz Banco Central

A atividade econômica brasileira teve variação negativa em outubro deste ano, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (15/12) pelo Banco Central (BC). O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou queda de 0,40% em outubro de 2021 em relação ao mês anterior, considerando os dados dessazonalizados (ajustados para o período). Assim, o índice chegou a 136,87 pontos.

Comparação - Na comparação com outubro de 2020, houve redução de 1,48% (sem ajuste para o período, já que a comparação é entre meses iguais). No trimestre encerrado em outubro, comparado com os três meses anteriores, a queda foi de 0,94%. Na comparação com o período de agosto a outubro do ano passado, IBC-Br teve crescimento de 1,06%.

Acumulado do ano - No acumulado do ano, foi registrada alta de 4,99%. E em 12 meses encerrados em outubro, o indicador também ficou positivo, em 4,19%.

Evolução - O índice é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic, definida atualmente em 9,25% ao ano. O IBC-Br incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: a indústria, o comércio e os serviços e a agropecuária, além do volume de impostos.

PIB - Entretanto, o indicador de atividade oficial é o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No terceiro trimestre deste ano, o PIB recuou 0,1%. Na comparação com o terceiro trimestre de 2020, o indicador registrou uma alta de 4% e, em 12 meses, acumulou alta de 3,9%.

Estimativa - A última estimativa do Ministério da Economia para o PIB, divulgada no mês passado, é de crescimento de 5,1% em 2021. Já a projeção do mercado financeiro para o crescimento da atividade econômica deste ano está em 4,65%.

Queda - Em 2020, em meio à pandemia de covid-19, o PIB do Brasil caiu 4,1%, totalizando R$ 7,4 trilhões. Foi a maior queda anual da série do IBGE, iniciada em 1996 e que interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o indicador acumulou alta de 4,6%. (Agência Brasil)

IPEA: Inflação desacelera para todas as faixas de renda em novembro

ipea 15 12 2021O Indicador de Inflação por Faixa de Renda referente a novembro registrou desaceleração inflacionária para todas as faixas de renda. Divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quarta-feira (15/12), a análise revelou que, enquanto a inflação do segmento de renda mais baixa passou de 1,35% em outubro para 0,65% em novembro, a das famílias de renda média e média-alta caiu menos, de 1,1% para 1,08%.

Acumulado do ano - O acumulado do ano mostra que as maiores pressões inflacionárias ficaram com as famílias de renda média-baixa (rendimentos mensais de R$ 2.702,88 a R$ 4.506,47) e renda média (rendimentos entre R$ 4.506,47 e R 8.956,26). As variações acumuladas para esses segmentos foram de 9,6% e 9,5%, respectivamente. Apesar da desaceleração em novembro, a inflação acumulada em 12 meses para as famílias que recebem menos de R$ 1.808,79 chegou a 11% e ficou em um patamar superior ao das famílias que ganham mais de R$ 17.764,49 (9,7%).

Grupos - Os grupos “transporte” e “habitação” foram os que mais contribuíram para a alta inflacionária das famílias de todas as faixas de renda. Os reajustes da gasolina (7,4%), do etanol (10,5%), das tarifas de ônibus interestadual (1,6%) e dos transportes por aplicativo (6,8%), além da variação nos preços dos automóveis novos (2,4%) e usados (2,4%), explicam o impacto provocado pelo primeiro grupo. Os principais pontos de pressão inflacionária no grupo “habitação” foram as altas da energia elétrica (1,2%), do gás de botijão (2,1%) e do gás encanado (2,0%), além dos aluguéis (0,84%) e condomínios (0,95%).

Renda mais elevada - Para as famílias de renda mais elevada, enquanto parte do impacto inflacionário dos transportes foi amenizada pelas quedas de 6,1% das passagens aéreas e de 1,8% do aluguel de veículos no segmento de transportes, a alta dos serviços pessoais e de recreação, como hospedagem (2,6%) e pacote turístico (2,3%), contribuíram para a inflação em novembro.

Queda de preços - As quedas nos preços de itens importantes na cesta de consumo, como cereais (-3,2%), carnes (-1,4%) e leite e derivados (-1,5%) explicam como o segmento “alimentos e bebidas” colaborou para aliviar a inflação das famílias de renda mais baixa. De modo semelhante, a deflação de 3,0% dos artigos de higiene pessoal ajudou a reduzir a pressão inflacionária em todos os segmentos de renda.

Abaixo - A inflação de novembro ficou abaixo da registrada no mesmo mês de 2020 para as duas faixas de menor renda e avançou para os demais segmentos. Para as famílias de renda mais baixa, esse alívio em 2021 ocorre, principalmente, por causa da melhora no desempenho dos preços dos alimentos -- em novembro de 2020, houve altas expressivas dos cereais (4,9%), tubérculos (16,2%), carnes (6,5%) e óleos e gorduras (6,5%). Por outro lado, os reajustes mais modestos da gasolina (1,6%), do óleo diesel (1,6%) e dos automóveis novos (1,1%), além da queda dos produtos de informática (-1,0%) e dos gastos com hospedagem (-0,4%) em 2020, comparativamente ao registrado neste ano, explicam essa piora da inflação corrente para as famílias de renda mais alta.

Desaceleração - Os dados acumulados nos últimos 12 meses já revelam uma leve desaceleração da inflação para as faixas de renda mais baixa. Em contrapartida, as curvas inflacionárias dos segmentos de maior renda seguem em trajetória de elevação. Enquanto os reajustes da energia elétrica (31,9%) e do gás de botijão (38,9%), aliados à alta dos alimentos no domicílio (9,7%), explicam o comportamento da inflação em 12 meses para as classes de menor renda, os aumentos dos combustíveis (52,8%), das passagens aéreas (36,6%) e dos serviços de recreação (8,6%) contribuíram fortemente para a pressão inflacionária nas faixas de renda mais alta. (Assessoria de Imprensa do Ipea)

Acesse a íntegra do indicador

 

LEGISLATIVO I: Câmara aprova projeto que facilita exploração de ferrovias por empresas privadas

legislativo ferrovias 15 12 2021A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (14/12), o Projeto de Lei 3754/21, que cria a Lei das Ferrovias. O projeto permite à União autorizar a exploração de serviços de transporte ferroviário pelo setor privado em vez de usar a concessão ou permissão. O prazo do contrato poderá ser de 25 até 99 anos, prorrogáveis. A proposta será enviada à sanção presidencial.

Delegação - De autoria do Senado, o projeto prevê que, por meio de convênio, o governo federal poderá delegar a estados, Distrito Federal e municípios a exploração dos serviços segundo as novas regras. O texto permite ainda a outorga de ferrovias em regiões geográficas ou entre cidades nas quais já existem ferrovias.

Menos burocrático - De acordo com o relator do projeto, deputado Zé Vitor (PL-MG), o sistema de autorizações é menos burocrático e vai permitir o aumento da oferta de ferrovias e novos investimentos em infraestrutura, que podem chegar a R$ 100 bilhões.

Sim - “O nosso 'sim' aqui é um 'sim' à eficiência, aos investimentos, é um 'sim' aos novos empregos, à competitividade, ao menor custo de produção. É um 'sim' ao abastecimento interno, é um 'sim' ao comércio de produtos, inclusive alimentos mais baratos para a população”, afirmou.

Medidas - Ao contrário das concessões, para as quais existem limites tarifários, a empresa que obtiver autorização terá liberdade de preço; e o compartilhamento dos trilhos com outros operadores ferroviários dependerá de acordo comercial, não sendo obrigatório.

Imóveis da União - Imóveis da União poderão ser cedidos sem licitação a esses autorizados, viabilizando a construção de ferrovias em áreas federais.

Novas ferrovias - Para novas ferrovias ou novos pátios ferroviários, os interessados poderão pedir autorização diretamente ao agente regulador, apresentando estudo técnico, cronograma e certidões de regularidade fiscal. Quando houver delegação a estados e municípios, o regulador será ligado a essa esfera de governo.

Análise - O regulador deverá analisar se a ferrovia atende à política nacional de transporte ferroviário, avaliando sua compatibilidade com as demais infraestruturas implantadas.

Negação - Nenhuma autorização poderá ser negada, exceto se o interessado não seguir as regras do projeto; se houver incompatibilidade com a política para o setor; ou por motivo técnico-operacional relevante justificado.

Obstrução - Deputados da oposição obstruíram a votação do texto principal e criticaram o novo modelo, mas um acordo costurado em Plenário pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), acelerou a votação da matéria. Lira anunciou que o governo editará uma medida provisória em janeiro para tratar de pontos questionados pela Câmara no projeto do Senado.

Critérios de desempate - Pelo acordo, a futura MP deverá definir critérios de desempate para o caso de duas empresas disputarem a autorização para explorar a mesma ferrovia; conter regras sobre o licenciamento ambiental para novos projetos; e estabelecer penas para a empresa que ganhar a autorização, mas não investir.

Debate em Plenário - A garantia de que uma MP vai aprimorar o texto diminuiu as resistências, mas não acabou com as críticas. A deputada Talíria Petrone (Psol-RJ) apontou problemas no modelo de autorizações. “A dispensa da concessão, que é o que configura a autorização, implica dispensa de licitação. Isso significa que não vai haver ampla concorrência. Além disso, no regime de autorização, não tem o pagamento de valor de outorga ao governo pelo direito de exploração. Não há obrigação de compartilhar uso de ferrovia com outros operadores, o que infelizmente incentiva o monopólio. Não possui obrigação de realizar investimentos mínimos. Então, do ponto de vista do interesse público, a gente entende que a autorização é um péssimo negócio”, disse a deputada.

Defesa - O novo modelo foi defendido por deputados ligados ao agronegócio, principalmente após o acordo. Para o deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), a proposta pode aumentar a oferta de ferrovias e melhorar o transporte de mercadorias no País. “Nós somos a favor de que se institua o regime de autorização para poder se construir ferrovias no nosso país, e isso já gerou resultado muito importante. Nós temos 23 solicitações de ferrovias, e as especulações são de que somam quase 40 outros regimes de autorização solicitados”, afirmou.

Desapropriações - O PL 3754/21 especifica que a autorizatária assumirá o risco integral do empreendimento, sem direito a reequilíbrio econômico-financeiro. Deverá assumir também os custos e os riscos da desapropriação, devendo inclusive pagar a indenização ao proprietário particular que teve o bem desapropriado.

Bem público - Se envolver bem público, o órgão responsável deverá se manifestar sobre sua disponibilidade para posterior cessão ou concessão de uso ao interessado.

Possibilidades - Conforme a situação, os bens desapropriados para fins de utilidade pública poderão ser vendidos; alugados; cedidos; arrendados; transferidos como integralização de fundos de investimento ou a sociedades de propósito específico; ou outorgados por meio de concessão de direito real de uso, de concessão comum ou de parceria público-privada.

Aplicação - Essas regras poderão ser aplicadas inclusive para execução de planos de urbanização, renovação urbana ou parcelamento ou reparcelamento do solo.

Projeto urbanístico de entorno - Isso porque o texto permite que o projeto de implantação de infraestruturas ferroviárias abranja o projeto urbanístico do entorno, se aprovado pelo município. Nesse caso, a receita obtida com a revenda ou exploração imobiliária dos imóveis produzidos ficará com o autorizado a explorar a infraestrutura.

Contribuição - A empresa formada para tocar o projeto urbanístico poderá inclusive ajudar o poder público a arrecadar contribuição de melhoria, uma espécie de tributo, que venha a ser instituído pelo governo para financiar a infraestrutura. Os recursos ficarão com a empresa privada responsável por executar o projeto urbanístico.

Chamamento - No caso de o interesse ser do governo, o Poder Executivo abrirá chamamento público para explorar ferrovias de passageiros ou de cargas não implantadas, em processo de devolução ou desativação ou ociosas.

Ociosidade - A ociosidade será caracterizada pela existência de bens reversíveis (que voltam para a União) não explorados, pela inexistência de tráfego comercial por mais de dois anos ou pelo descumprimento de metas de desempenho contratuais por mais de dois anos.

Separação - Poderá haver a separação de determinados trechos já sob exploração por meio de concessões; ou por permissões, para o chamamento atribuí-los a um autorizado.

Estudos - Nesses chamamentos, o governo poderá usar estudos, projetos e licenças obtidos pelo Poder Executivo. Se houver apenas um interessado com proposta habilitada, a autorização será emitida diretamente a ele. Se mais de uma proposta for habilitada, a escolha, em processo seletivo público, deve considerar como um dos critérios de julgamento o maior lance de valor de outorga.

Preferência - Caso, nos primeiros cinco anos de vigência da futura lei, a ferrovia pretendida por um interessado ou oferecida por chamamento estiver dentro da área de influência de uma concessão ferroviária já existente, o concessionário terá direito de preferência para obter a autorização em condições idênticas às das propostas originais ou à da vencedora do chamamento.

Atraso ou não execução - Se o concessionário que obtiver a autorização dessa forma atrasar as obras ou não executá-las, perderá a outorga e será multado em pelo menos 50% dos investimentos prometidos.

Pandemia - Em virtude da pandemia de Covid-19, o texto prorroga por 12 meses todas as obrigações não financeiras assumidas pelas concessionárias ferroviárias federais.

Contrato adaptado - O texto permite à concessionária ferroviária federal com contrato vigente pedir a conversão para contrato de autorização se uma nova ferrovia construída a partir de outra autorização entrar em operação.

Conversão - Essa conversão será possível quando a nova ferrovia tiver sido outorgada a um concorrente ou a integrante do mesmo grupo econômico que detém a concessão. Neste último caso, a expansão da ferrovia ou de sua capacidade de transporte deverá ser, no mínimo, de 50% no mesmo mercado relevante.

Condições - Essa adaptação estará condicionada à:

- inexistência de débitos com multas ou encargos setoriais;

- manutenção, no contrato de autorização, das obrigações financeiras perante a União e das obrigações de investimentos e de transporte celebradas com usuários do sistema;

- prestação de serviço adequado; e

- manutenção de serviços de transporte de passageiros no novo contrato de autorização, na hipótese de a concessionária requerente já operar linha regular de transporte de passageiros.

Prazo - A autorização contará com o mesmo prazo da concessão, permitida sua prorrogação mediante pagamento pela extensão contratual.

Bens - Depois do fim da vigência, os bens comprados depois da adaptação do contrato ficarão com a empresa; e os bens anteriores a essa mudança serão devolvidos à União.

Concorrência - A concessionária ferroviária poderá pedir a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro quando provar que haverá desequilíbrio em razão da entrada de concorrente com ferrovia nova construída por meio de autorização dentro de sua área de influência.

Argumento - O argumento por trás desse pedido é que o concessionário deve obedecer a um teto tarifário, enquanto o autorizatário tem liberdade de preços.

Reequilíbrio - O reequilíbrio pode ser feito com:

- redução do valor de outorga;

- aumento do teto tarifário;

- fim da obrigação de investimentos;

- ampliação de prazo.

(Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Marina Ramos/Câmara dos Deputados

 

LEGISLATIVO II: Senado aprova MP do Milho, que beneficia pequenos criadores de animais

legislativo milho 15 12 2021Em votação simbólica, o Plenário do Senado aprovou o projeto de lei de conversão (PLV 28/2021) que altera a MP do Milho (MP 1.064/2021). A matéria reformula o Programa de Venda em Balcão (ProVB), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para concentrar sua atuação na venda de milho do estoque público a pequenos criadores de animais. O PLV segue para sanção. O relator foi o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS).

Distorção - “A MP 1.064/2021, procura combater a distorção de adoção da assimetria em que o grande criador de animais, com alto o poder de compra, adquire maior volume de milho e se beneficia de menores preços, ao passo que o pequeno criador de animais, ao contrário, por demandar volume mais modesto de milho, paga preços mais altos”, disse o relator.

Antes - Antes da MP, o ProVB podia realizar operações em todo o território nacional com arroz, trigo, castanha de caju, feijão, farinha de mandioca e de trigo, leite em pó, sorgo, açúcar e castanha-do-brasil.

Atuação - Entretanto, o programa passou a concentrar sua atuação na venda de milho, cuja produção foi afetada pelas condições climáticas em 2020 e 2021. Do total de 86,7 milhões de toneladas no país, 60,3 milhões foram colhidos na segunda safra, que registrou um recuo de 25,7% na produtividade.

Aquisição - Poderão comprar milho pelo ProVB os pequenos criadores de animais, incluídos os aquicultores, que possuam ativa sua declaração de aptidão junto ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com cadastro e regularidade na Conab.

DAP - Mesmo que o agricultor não tenha a declaração de aptidão (DAP-Pronaf) ativa, poderá comprar caso se enquadre em critérios objetivos da renda bruta anual no âmbito do Pronaf ou explore imóvel rural com área de até 10 módulos fiscais.

Norte e Nordeste - Segundo o texto aprovado, o programa poderá, nas regiões Norte e Nordeste, promover o acesso do pequeno criador de animais ao estoque público de farelo de soja e de caroço de algodão, observadas as regras aplicáveis ao milho. Os recursos virão do total destinado ao milho.

Aprimoramento - “Entende-se que a inovação veiculada na MP se justifica, também, para apoio a produtores rurais, mormente os pequenos, na garantia de empregos, para manutenção de oferta de alimento para a população urbana do país, e para permitir oferta rápida e ampliada de milho ao público-alvo, com menor custo para o erário público. Entende-se que corresponda a um importante aprimoramento à medida provisória as alterações advindas do PLV, pela expansão, para as regiões Norte e Nordeste, do acesso do pequeno criador de animais ao estoque público de farelo de soja e de caroço de algodão”, afirmou Heinze.

Competências - A MP atribuiu ao Ministério da Agricultura competência para avaliar e aprovar a proposta da Conab para compra de milho; avaliar e aprovar as propostas para o limite máximo de compra por criador e o preço de venda; e editar normas complementares.

Proibição - O texto aprovado proíbe o acesso ao programa para os produtores integrados e integradores, que trabalham por meio de contratos com os compradores do produto final. No caso de animais, os integradores fornecem os insumos, e o integrado retorna com o produto final (animal para o abate).

Política - As compras de milho integram a política de formação de estoques públicos e serão limitadas ao total anual de 200 mil toneladas. Excepcionalmente, se houver disponibilidade orçamentária e financeira, as pastas poderão alterar o limite.

Volume de compra - Já o volume de compra por CPF será de 27 toneladas mensais. O pagamento referente à venda do milho será feito até a data de liberação do produto.

Limites - Caberá à Conab dimensionar a demanda de milho pelo ProVB, propondo sua quantidade e os valores necessários para a compra e remoção do estoque do local de venda para o local de consumo pelo pequeno produtor.

Por criador - O órgão também deverá propor o limite de compra por criador segundo o consumo do rebanho; realizar os leilões de compra e de remoção dos estoques; propor o preço de venda por estado ou região tendo como base o preço do mercado atacadista; e implementar os procedimentos necessários para o acesso. (Agência Senado, com informações da Agência Câmara)

FOTO: Waldemir Barreto / Agência Senado

 

LEGISLATIVO III: Câmara aprova MP que regulamenta cobertura dos planos de saúde

legislativo saude 15 12 2021A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (14/12), a Medida Provisória 1067/21, que define regras para a incorporação obrigatória de novos tratamentos pelos planos e seguros de saúde, garantindo aos pacientes sua aplicação se a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não cumprir o prazo para decidir sobre isso. A MP será enviada ao Senado.

Parecer - A medida provisória foi aprovada na forma do parecer da relatora, deputada Silvia Cristina (PDT-RO). Segundo o texto, o prazo para a ANS concluir a análise do processo de inclusão de procedimentos e medicamentos na lista dos obrigatórios será de 120 dias, prorrogáveis por mais 60 dias.

Medicamento - Quanto aos medicamentos contra o câncer de uso oral e domiciliar, inclusive aqueles com tratamento iniciado na internação hospitalar, a relatora determina que o fornecimento pelos planos de saúde será obrigatório.

Conformidade - Esse fornecimento deverá estar em conformidade com a prescrição médica, e os remédios deverão estar registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) com uso terapêutico aprovado para essas finalidades. Entretanto, sua inclusão deve seguir o prazo estipulado para a conclusão dos processos sobre o medicamento, cuja análise terá prioridade.

Obrigatoriedade automática - O texto garante a obrigatoriedade automática dos medicamentos e tratamentos até a decisão final, caso o prazo não seja cumprido. Será garantida ainda a continuidade do tratamento ou do uso do medicamento em análise mesmo se essa decisão for desfavorável.

Regras - Todas as regras se aplicam aos processos de análise em curso, e a ANS terá 180 dias da publicação da futura lei para regulamentar o tema.

Retrabalho - Para a relatora, a incorporação de tecnologias recomendadas para o Sistema Único de Saúde (SUS) também nos planos de saúde evitará o retrabalho. “Não faria sentido um procedimento estar disponível no SUS, para todos os brasileiros, e não constar no rol dos planos de saúde”, afirmou Silvia Cristina.

Veto - A aprovação da MP fez parte de um acordo para manter o veto total do presidente Jair Bolsonaro ao Projeto de Lei 6330/19, do Senado, que determinava a obrigatoriedade de fornecimento dos medicamentos contra o câncer. A relatoria coube também à deputada Silvia Cristina.

Dez dias- Segundo o texto da MP, os medicamentos orais contra o câncer devem ser fornecidos ao paciente ou a seu representante legal em dez dias após a prescrição médica.

Fracionado - O fornecimento, por meio de rede própria, credenciada, contratada ou referenciada, poderá ser fracionado por ciclo de tratamento e será obrigatório comprovar que o paciente ou seu representante legal recebeu as devidas orientações sobre o uso, a conservação e o eventual descarte do medicamento.

Comissão - A exemplo do que já existe no âmbito do SUS, a MP cria uma comissão técnica de apoio para assessorar a ANS na tomada de decisões sobre novas tecnologias e medicamentos, inclusive transplantes e procedimentos de alta complexidade.

Composição - A Comissão de Atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Suplementar terá sua composição e funcionamento definidos em regulamento, mas o texto garante representatividade para os seguintes setores quando da análise de processos específicos:

um representante indicado pelo Conselho Federal de Medicina;

um representante da sociedade de especialidade médica, conforme a área terapêutica ou o uso da tecnologia a ser analisada, indicado pela Associação Médica Brasileira (AMB);

um representante de entidade representativa de consumidores de planos de saúde;

um representante de entidade representativa dos prestadores de serviços de saúde suplementar;

um representante de entidade representativa das operadoras de planos privados de assistência à saúde; e

representantes de áreas de atuação profissional da saúde relacionadas ao evento ou procedimento sob análise.

Relatório - A comissão deverá apresentar relatório à ANS considerando as melhores evidências científicas disponíveis e possíveis sobre a eficácia, a segurança, a usabilidade e eficiência dos tratamentos, além de avaliação econômica comparativa dos benefícios e dos custos em relação a coberturas já previstas nos planos e de análise do impacto financeiro da ampliação da cobertura.

Exigência - Outra novidade no relatório de Silvia Cristina é a exigência de que os indicados para a comissão, assim como os representantes designados para participarem dos processos, deverão ter formação técnica suficiente para compreensão adequada das evidências científicas e dos critérios utilizados na avaliação.

Audiência pública - O texto aprovado prevê que o interessado em incluir os medicamentos ou procedimentos na listagem dos planos de saúde deverá apresentar documentos com informações como evidências científicas sobre a eficácia, a acurácia, a efetividade e a segurança do medicamento, produto ou procedimento analisado.

Divulgação - Deverá haver consulta pública por 20 dias, com a divulgação de relatório preliminar da comissão, e audiência pública no caso de matéria relevante ou quando houver recomendação preliminar de não incorporação ou se solicitada por, no mínimo, 1/3 dos membros da comissão.

Aprovados no SUS - A MP 1067/21 determina que os medicamentos e procedimentos já recomendados pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) serão incluídos no rol usado pelos planos de saúde no prazo de até 60 dias.

Assessoramento - A Conitec assessora o Ministério da Saúde em relação à incorporação de novos protocolos clínicos e tecnologias em saúde no SUS.

Aumento de preço - O Plenário rejeitou dois destaques apresentados pelo PT. Um deles pretendia proibir qualquer reajuste fora dos prazos permitidos pela lei dos planos de saúde em decorrência das incorporações realizadas pela MP no rol de procedimentos obrigatórios.

Outro destaque - O outro destaque pretendia incluir na lei termos de uma resolução da ANS determinando que o valor fixado pelos planos de saúde para a última faixa etária (59 anos ou mais) não pudesse ser superior a seis vezes o valor da primeira faixa (0 a 18). (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Marina Ramos / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil registra 92 mortes em 24 horas

O Brasil registrou mais 3.826 casos de covid-19 e 92 mortes em 24 horas, segundo aponta a atualização epidemiológica divulgada pelo Ministério da Saúde na noite desta terça-feira (14/12). No balanço geral, o país teve 22.195.775 casos de covid-19 e 616.970 óbitos.

Recuperação - A taxa de recuperação é de 96,6%. Mais de 21,44 milhões de brasileiros são considerados livres da infecção pelo novo coronavírus.

Casos ativos - O boletim mostra, ainda, 133.956 casos ativos de covid-19, que estão sob cuidados médicos e foram informados ao Sistema Nacional de Saúde (SUS).

Investigação - Há 2.839 óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em investigação. Isso porque, em muitos casos, a análise sobre a causa da morte continua mesmo após o óbito.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado, estão São Paulo (154.691), Rio de Janeiro (69.290), Minas Gerais (56.479), Paraná (40.835) e Rio Grande do Sul (36.297).Os estados que menos registraram mortes por covid-19 foram o Acre (1.849), o Amapá (2.008) e Roraima (2.064).

Vacinação - O painel nacional de vacinação do Ministério da Saúde registrou a última atualização de dados em 9 de dezembro, quando o total de doses distribuídas era de 381.214.862. No dia, o SUS registrava 315.180.274 vacinas aplicadas - entre a primeira dose, a segunda dose e as doses de reforço. O vacinômetro também aponta que o governo federal já destinou cerca de R$ 216,2 bilhões em vacinas durante a pandemia. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2021-12-14 at 19.38.37

SAÚDE II: Boletim da Covid-19 confirma mais 867 casos e dois óbitos pela doença

saude II 15 12 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (14/12) mais 867 casos confirmados e duas mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.583.921 casos confirmados e 40.614 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de dezembro (268), novembro (53), outubro (20), setembro (13), agosto (3), julho (13), junho (18), maio (17), abril (39), março (89), fevereiro (59) e janeiro (90) de 2021 e dezembro (65), novembro (43), outubro (20), setembro (21), agosto (16), julho (23), junho (7) e maio (1) de 2020. Os óbitos divulgados nesta data são de dezembro (1) e novembro (1) de 2021.

Internados - 131 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 71 pacientes em leitos SUS (40 em UTIs e 31 em leitos clínicos/enfermarias) e 60 em leitos da rede particular (34 em UTIs e 26 em leitos clínicos/enfermarias).

Exames - Há outros 489 pacientes internados, 211 em leitos de UTI e 278 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais dois pacientes. São uma mulher e um homem, com idades que variam de 56 a 71 anos. Os óbitos ocorreram entre 5 de novembro e 11 de dezembro de 2021. Os pacientes que foram a óbito residiam em: Salto do Lontra e Paranavaí.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.278 casos de residentes de fora do Estado, 221 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

Veja o relatório de ajustes e exclusões AQUI.

 

SAÚDE III: Governo vai prorrogar até junho situação de calamidade pública para enfrentar a Covid-19

saude III 15 12 2021O Governo do Estado vai prorrogar até 30 de junho o estado de calamidade pública para fins de enfrentamento à pandemia da Covid-19. O decreto com a extensão do prazo (9.792/2021) será publicado no Diário Oficial do Paraná e segue para apreciação da Assembleia Legislativa, para que seja homologado pelos deputados estaduais.

Instrumento jurídico - O instrumento jurídico visa facilitar a gestão de questões orçamentárias e administrativas para assegurar os recursos necessários para áreas prioritárias, permitindo maior liberdade na adoção de novas ações de prevenção e enfrentamento do vírus, como eventual reabertura de leitos.

Redirecionamento - Dessa forma, investimentos previstos no orçamento para outras áreas podem ser redirecionados para fazer frente à crise sanitária, econômica e social decorrente da pandemia, sem ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Continuidade - A prorrogação também permite a continuidade de diversos contratos emergenciais já firmados. Segundo justificativa da Sesa, encaminhada ao Poder Legislativo nesta terça-feira (14/12), a medida é “necessária em virtude do atual momento da pandemia, que exige cuidados pontuais do Poder Público, visto que diversos hospitais permanecem com ocupação de leitos por pacientes acometidos pela Covid-19 e demais enfermidades resultantes da contaminação pelo vírus”.

Variante - Ainda de acordo com a Saúde, outro fator preponderante para justificar a prorrogação do estado de calamidade pública estadual é “o surgimento da variante Ômicron, que não possui estudos conclusivos acerca de sua capacidade de transmissão e gravidade de sintomas. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Rodrigo Felix Leal

 

SAÚDE IV: Secretaria da registra 14 novos casos de dengue no Paraná

saude IV 15 12 2021O boletim semanal da dengue publicado nesta terça-feira (14/12) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 14 casos confirmados. Os dados são do 17º Informe Epidemiológico, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1º de agosto e deve seguir até julho de 2022. O total do período chega a 492 casos.

Registros - Até o momento 89 municípios registraram casos da doença, sendo que 69 confirmaram casos autóctones, ou seja, a dengue foi contraída no município de residência.

Investigação - Há ainda 1.837 casos em investigação e 281 municípios registraram notificações de dengue, que passaram de 10.664 para 11.503. O Estado não registrou nenhuma morte neste período.

Cuidados - “A temporada de verão se aproxima e devemos continuar com os cuidados necessários para que os casos de dengue não aumentem neste fim de ano. Em casa, na praia ou no campo, o alerta é o mesmo”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

FOTO: Shammiknr / Pixabay

 


Versão para impressão


RODAPE