Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5242 | 20 de Janeiro de 2022

DATA PROTECTION: Garanta sua participação no evento que vai debater a LGPG e mostrar como as cooperativas estão se adequando à lei

 

No Dia Internacional da Proteção de Dados, 28 de janeiro, o Sistema Ocepar promove a primeira edição do Data Protection + Coop, das 10h às 12h, pela plataforma Microsof Teams. Especialistas e cooperativas foram convidados a discutir o tema justamente na data criada para reforçar a importância da proteção de direitos fundamentais de liberdade e privacidade relacionados ao uso de dados pessoais. No Brasil, este é o segundo ano que o Dia Internacional pode ser comemorado com plena vigência da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) e a atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

 

Programação - O evento contará com a participação de Luciano Benetti Timm e Matheus Noronha Sturari, que vão debater a “Análise transversal sobre o processo de fiscalização e processo administrativo sancionador no âmbito da ANPD”. Haverá ainda relatos do diretor-presidente da Unimed Norte Pioneiro, Antônio Vendramin Filho, e da encarregada de Dados e Responsável pelo Programa de Integridade na Frísia Cooperativa Agroindustrial, Marta Auer, sobre o processo de implantação e adequação das cooperativas à LGPD.

 

Público - O Data Protection + Coop é destinado a diretores, gestores e demais profissionais das cooperativas do Paraná ligados às atividades de governança de dados e segurança da informação, como compliance, jurídico, auditoria interna, tecnologia da informação, entre outras áreas afins. As inscrições devem ser efetivadas até o dia 27 de janeiro. Clique aqui para se inscrever. O link de acesso ao evento será enviado por e-mail.

 

Sobre os palestrantes - Luciano Benetti Timm é professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), sócio da Carvalho, Machado e Timm Advogados. Possui pós-doutorado pelo Departamento de Direito, Economia e Negócios da Universidade da Califórnia, em Berkeley (EUA), doutorado em Direito dos Negócios e da Integração Regional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), especialização em Direito Econômico Internacional pela Universidade de Warvick, do Reino Unido e mestrado em Direito Privado também pela UFRGS.

 

Sturari - Já Matheus Noronha Sturari é certificado pela International Association of Privacy Professionals (IAPP) e reconhecido como Fellow of Information Privacy (FIP). É coordenador de Proteção de Dados e Privacidade do CMT Advogados, possui cursos de extensão do Data Privacy Brasil e da FGV-SP e especializações em Contratos, pela EPD, e em Análises Econômica do Direito, pela Unicamp.

 

data folder 17 01 2022

PR COOPERATIVO: Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses é tema da reportagem especial da revista

matriz destaque revista 20 01 2022O tradicional Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, realizado no dia 3 de dezembro de 2021, é o tema da reportagem especial da edição nº 197 da revista Paraná Cooperativo. O evento ocorre anualmente com o propósito de comemorar as conquistas do setor obtidas ao longo do exercício. E, desta vez, foi promovido de forma inédita pelo Sistema Ocepar com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), com o objetivo de celebrar os 50 anos da Ocepar e os 60 anos do banco, além da parceira de longa data existente entre as instituições, que está contribuindo para o desenvolvimento do cooperativismo paranaense. O Encontro foi promovido de forma híbrida e transmitido ao vivo pela TV Paraná Turismo, do governo do Estado, e pelos canais do Sistema Ocepar e do BRDE no Youtube.

Sintonia - Em seu discurso, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, ressaltou que o relacionamento entre a entidade e o BRDE tem se mantido ao longo do tempo com apoio recíproco. “A Ocepar e o BRDE sempre atuaram em perfeita sintonia, tanto nas grandes realizações, quanto nos momentos de maior dificuldade. No final da década de 1990, por exemplo, o BRDE passou por algumas incertezas e havia um movimento para o fechamento do banco. Foi então que as entidades do setor produtivo, em especial as cooperativas e a Ocepar, se mobilizaram em sua defesa, pela importância que sempre teve como fomentador do desenvolvimento econômico e social da região sul do Brasil”, relatou Ricken. “Foi uma conquista muito importante para todo o Paraná. Essa força das bases fez com que o banco se reestruturasse e voltasse a atuar na concessão e repasses de crédito para o setor produtivo dos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul”, acrescentou. Ricken também apresentou um balanço preliminar dos resultados alcançados pelas 216 cooperativas do Paraná registradas no Sistema Ocepar no ano passado, com destaque para o aumento do número de cooperados e geração de novos empregos.

Orgulho - O presidente do BRDE, Wilson Bley Lispki, ressaltou o orgulho que sente, como paranaense, de fazer parte de um estado com um sistema cooperativista forte. “Vocês, cooperativistas, fizeram a maior transformação desse estado. É esse alinhamento que queremos renovar, reafirmar nossa parceria. Quero colocar isso como missão, de sermos parceiros e que possamos somar mais 50, 60 anos de parceria, projetando 110 anos de um trabalho construído no diálogo e na constituição de novas políticas públicas voltadas ao apoio e fomento das atividades das cooperativas. BRDE, 60 anos. Vocês fazem parte dessa história e nós queremos continuar fazendo parte da sua história”, finalizou.

Entrevista - O cooperativista Frans Borg, diretor da Ocepar e ex-presidente da Castrolanda, é o entrevistado deste número da revista Paraná Cooperativo. Para ele, o cooperativismo é uma forma inteligente de organizar a sociedade. Borg fala ainda sobre a sua trajetória na Cooperativa Castrolanda, sua visão sobre a intercooperação, entre outros assuntos. Ele foi homenageado com o Troféu Ocepar, juntamente com o BRDE, no Encontro Estadual.

Mais - A publicação traz ainda uma matéria em homenagem ao ex-presidente da Ocepar, Ignácio Aloysio Donel, que faleceu no dia último dia 10 de janeiro. Também, informações sobre as comemorações dos 70 anos de imigração suábia em Entre Rios, no Centro-Sul do Estado, os 50 anos da Lei do Cooperativismo, os contemplados paranaenses no Prêmio SomosCoop Excelência de Gestão, a conquista histórica da criação da Cooperativa Central de Tecnologia da Informação (UniTI), o Fórum Digital Comunica Coop e muito mais.

Clique aqui e confira na íntegra a edição 197 da revista Paraná Cooperativo

COOPAVEL I: Cooperativa cresce 42% e confirma o seu melhor ano

O exercício de 2021 entra para a história como o melhor dos 51 anos da Coopavel. O faturamento chegou a R$ 4,94 bilhões, 42% maior que o de 2020, o recorde anterior. Mesmo com o anúncio do mais expressivo desempenho da cooperativa desde a fundação, a principal notícia da Assembleia Geral Ordinária, realizada na terça-feira (18/01), foi que a nova diretoria, eleita para o período de 2022 ao fim de 2025, será a última de um modelo de gestão iniciado em 1970 no qual os cargos executivos são ocupados por cooperados.

Sonho - O presidente Dilvo Grolli lembrou que a Coopavel é o resultado do sonho dos fundadores e de todos que se doam ao projeto da cooperativa. “Mas é hora de trilhar um novo caminho para o futuro, que começa com uma ampla reforma estatutária. Toda transição é desafiadora e cria oportunidades que queremos compartilhar. Estamos elaborando um plano com clareza e transparência. Um plano estratégico inspirado no melhor da governança empresarial”, destacou Dilvo.

Momento certo - O presidente ressaltou que o tempo não para e é preciso saber o momento certo de decidir e agir. “Estamos preparando a Coopavel já há três anos, com bases bastante sólidas, para chegar ao fim de 2025 com faturamento de R$ 10 bilhões e iniciar então uma nova era na história da cooperativa”.

Mudança - O professor Zaki Akel Sobrinho, da consultoria contratada para conduzir a Coopavel a esse novo momento de mudança, afirmou na assembleia que a transição será muito bem preparada e estruturada. A futura composição da diretoria terá um presidente executivo e quatro diretores (profissionais), um conselho fiscal e um conselho administrativo formado por cooperados.

Liquidez - Um dos números mais expressivos apresentados na AGO comprova os avanços que a Coopavel experimentou principalmente nos últimos quatro anos. No comparativo entre ativo e passivo circulante, o valor em 2021 chegou a R$ 500 milhões de liquidez. Todos os pontos colocados em apreciação dos sócios, durante a AGO, foram aprovados por unanimidade – prestação de contas do Conselho de Administração, destinação das sobras do exercício de 2021, plano de atividades para 2022, eleição e posse dos conselhos de Administração e Fiscal.

Homenagem - Alguns dos períodos mais importantes da história da Coopavel foram pontuados durante o evento. Dilvo falou da crise de 1986 que por pouco não levou a cooperativa à insolvência. “Para cada R$ 1 em patrimônio, tínhamos R$ 3 em dívidas”, lembrou ele, citando esforços e estratégias necessárias para, em cinco anos, recolocar a Coopavel nos trilhos. Entre a destituição da diretoria de então à posse dos novos diretores foram 18 meses. “Ninguém queria assumir uma situação daquelas, até que conseguimos criar um núcleo, com a liderança de Salazar Barreiros, Ibrahim Faiad e Dilvo Grolli, que seria aprovado pelos associados”.

Entre as maiores - De um cenário de salários e de pagamentos a funcionários e a sócios atrasados e de renegociação com fornecedores, a Coopavel saiu da crise mais forte e hoje está entre as 15 maiores do Brasil – atualmente, o País conta com mais de 1,2 mil cooperativas agropecuárias em atividade. Três diretores e 11 funcionários, que enfrentaram os dramas da metade da década de 1980, foram homenageados durante a AGO.

Bravura - “Esse gesto simboliza a bravura, a coragem, o trabalho e a determinação de todos que contribuíram para que a nossa cooperativa pudesse se recompor e trilhar uma trajetória de sucesso”, agradeceu Dilvo Grolli. Emocionados, diretores, colaboradores e cooperados se pronunciaram e se disseram gratos a todos que ajudaram a Coopavel a superar o seu pior momento em 51 anos. (Imprensa Coopavel)

Números de 2021

Cooperados - 6.559

Funcionários - 7.329

Faturamento - R$ 4,94 bilhões

Investimentos - R$ 235,6 milhões

Lucro - R$ 158,1 milhões

Receitas e custos para 2022

Faturamento - R$ 6 bilhões

Objetivos para 2022:

Ampliações, melhorias e construções de novas filiais

Ampliações na produção de ovos férteis e na produção de leitores

Ampliações no abate do frigorífico de aves e do frigorífico de suínos

Ampliações e construções de novas indústrias de insumos e industrialização de grãos

Os homenageados

Ibrahim Faiad

Ênio Pereira da Silva

Dilvo Grolli

Eurípedes Mariano

Rogerio Rizzardi

Jurandir de Mattos

Rosani Furni

Melcy Parisotto

Moacir Kesller

Nilberto Vanzo

Sérgio Dalla Costa

José Oliveira

Enio Darci Jung

Ancelmo Rosa da Silva

{vsig}2022/noticias/01/20/coopavel_I/{/vsig}

COOPAVEL II: Pecuária traz ovinos e 13 raças bovinas ao Show Rural

coopavel II 20 01 2022Novidades movimentarão o setor da pecuária do 34º Show Rural Coopavel, de 7 a 11 de fevereiro, em Cascavel, no Oeste do Paraná. Pela primeira vez, o evento receberá ovinos, parceria com a Ovinopar e a Arco (associações paranaense e nacional) e 13 raças de bovinos.

Raças - Os visitantes poderão conferir o melhor de 12 raças de ovinos, setor animal em forte expansão em várias regiões do Brasil, informa o coordenador da área de pecuária Rozimbo Magro Júnior. Uma das atividades mais aguardadas será um julgamento do campeonato paranaense, aberto para animais PO, registrados.

Origem - Devido à questão da área livre de febre aftosa sem vacinação, os ovinos em exposição têm origem apenas em criadouros do Paraná e de Santa Catarina. “Ver a qualidade desses animais e entender melhor sobre as possibilidades de negócio que essa atividade apresenta é importante. Por isso, estamos muito confiantes com essa parceria com a Ovinopar e com a Arco”, diz o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Bovinos - No setor de bovinos, 250 animais de 13 raças estarão em exposição. As raças presentes serão: Caracu, Charolês, Angus, Brangus, Jersey, Franqueiro, Holandês, Canchim, Purunã, Senepol, Brahman, Nelore e Tabapuã. “Teremos aqui, o melhor de genética de raças que são bastante apreciadas”, conforme Rozimbo.

Filiais e indústrias - Outra novidade será a forte presença das filiais e indústrias da Coopavel no espaço tecnológico pecuário. O visitante terá à disposição, produtos e informações dos segmentos de sementes, ração, adubos, fertilizantes e suinocultura. O ambiente recepcionará também algumas empresas parceiras que apresentarão novidades em robôs para granjas. (Imprensa Coopavel)

 

COPAGRIL: Dia de Campo 2022 é aberto oficialmente

Foi aberta oficialmente, no início da manhã desta quarta-feira (19/01), a programação do maior evento anual da Cooperativa Agroindustrial Copagril, o Dia de Campo Copagril 2022.

Agradecimento - Em solenidade de abertura realizada na Estação Experimental Copagril, o diretor-presidente da Cooperativa Agroindustrial Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, agradeceu a presença de todos e abriu oficialmente a programação dos três dias de evento. “Quero saudar a todos que estão presentes neste nosso evento que é preparado com muito empenho pela Copagril e também pelos expositores. Nosso Dia de Campo é uma grande oportunidade para conhecer novas tecnologias e ver de perto novas ferramentas para auxiliar nas atividades, por isso, sejam todos bem-vindos e aproveitem da melhor forma possível todas as informações desse evento”, destacou Chapla. Também presentes na solenidade de abertura o diretor vice-presidente da Copagril, Elói Darci Podkowa, o diretor-secretário Márcio Buss, prefeitos e autoridades dos municípios da área de ação da Copagril, além de centenas de associados, expositores, visitantes e funcionários da Copagril.

Programação - A programação do Dia de Campo teve início na manhã desta quarta-feira (19/01), com café da manhã para recepção aos visitantes e solenidade de abertura. A programação do primeiro dia será estendida até 18 horas. No segundo dia do evento a abertura para visitação é a partir das 08h e também vai até as 18h. O encerramento da feira está marcado para as 16 horas da sexta-feira (21/01). A Estação Experimental Copagril fica próxima ao posto da Polícia Rodoviária Estadual na rodovia PR 491, Km 02, em Marechal Cândido Rondon saída para Nova Santa Rosa. Todos os dias será servido almoço por adesão, no refeitório local, a partir das 11h30. A ficha custará R$ 30,00 (adulto) e R$ 15,00 (crianças de 6 a 10 anos).

Novidade - Em parceria com o Parque Tecnológico de Itaipu, o PTI, a Copagril realiza dentro do Dia de Campo 2022 a primeira edição do AgroInova. Um espaço dedicado a apresentar e discutir soluções tecnológicas e inovações diretamente ligadas ao dia a dia do produtor rural. Com a participação de mais de 15 startups, o salão do AgroInova é um espaço de interações e prospecções técnicas de aplicação rural.

Vitrine do agronegócio - No Dia de Campo são mais de 11 hectares de ocupação dentro da Estação Experimental, com novidades no atendimento dos visitantes e destaque para os investimentos em apresentação e inovação nas diversas áreas. “Todo momento surgem coisas novas para o agronegócio. A cada instante a agricultura está se modernizando e aqui é uma grande vitrine das tendências para o agronegócio regional”, comentou o diretor-presidente da Copagril.

Parceiros - O evento ganha ainda mais destaque por meio da participação dos parceiros comerciais. São mais de 170 empresas presentes no evento, nas linhas de híbridos de milho, cultivares de soja, pastagens, defensivos e fertilizantes, agricultura de precisão, seguros agrícolas, máquinas e implementos para a agricultura e pecuária, prestação de serviços e parceiros das Lojas Agropecuárias que disponibilizam ao público diversos produtos de uso pessoal, para casa e propriedade. São destaques também os experimentos da agricultura, que servem como base para os agricultores se planejarem em suas atividades. “Os experimentos aqui realizados servem de referência para a agricultura de todo o este do Paraná e isso eleva ainda mais a importância do nosso evento”, destacou Chapla. (Imprensa Copagril)

{vsig}2022/noticias/01/20/copagril/{/vsig}

COCAMAR: Alguns poucos municípios do PR esperam safra cheia

É até difícil de acreditar. Numa safra de verão marcada por enormes perdas no Paraná, a equipe do Rally Cocamar de Produtividade foi surpreendida na última terça-feira (18/01) ao percorrer alguns municípios da região de Londrina, norte do estado. Enquanto a grande maioria dos produtores paranaenses contabiliza prejuízos, em Nova Fátima, Santo Antônio do Paraíso, São Sebastião da Amoreira, Santa Cecília do Pavão e São Jerônimo da Serra, as lavouras se encontram tão carregadas de vagens que o indicativo é de uma safra cheia.

Tem chovido - “Não tem faltado chuva por aqui”, comenta o engenheiro agrônomo Thiago Ladeia Janning, da unidade da Cocamar em Nova Fátima. Se alguém tiver dúvida, basta visitar as propriedades. Em uma delas, o Rally foi recebido pelo agrônomo João Vítor dos Santos, que presta serviços ao produtor Epaminondas Rosa de Camargo.

Pode superar - Nos 372 alqueires de Epaminondas, a média que foi de 174 sacas por alqueire no ano passado (79 sacas por hectare), pode ser igual ou até ser superior nesta temporada 2021/22. A única intercorrência foi uma chuva intensa ocorrida na fase de semeadura, exigindo que a operação fosse refeita em 10% da área. Implantadas entre 20/10 e 20/11, as lavouras estão em fase final de formação de vagens e a colheita é prevista para meados de março.

Cautela - O agrônomo da Cocamar comenta que a expectativa de produtividade em Nova Fátima deve ficar entre 130 e 140 sacas por alqueire (53,7 a 57,8/hectare). Não se cogita perdas, mas há uma certa cautela ainda, pois é preciso que continue chovendo para consolidar a boa produtividade.

Boas lavouras - “A gente foi abençoado, está correndo tudo bem e a expectativa é de uma safra igual ou superior a do ano passado, pois as condições estão sendo muito favoráveis para o desenvolvimento da lavoura”, diz Thiago. E lembra que o produtor Epaminondas é diferenciado no investimento que faz em sua soja, mas a boa qualidade da lavoura neste ano está em linha com praticamente todo o município e também a vizinhança.

Padrão - Quem passa, também, por Santo Antônio do Paraíso, São Sebastião da Amoreira, Santa Cecília do Pavão e São Jerônimo da Serra, caracterizados por extensas áreas cultivadas, onde a soja divide espaço com o milho, constata que a situação de bom desenvolvimento é quase um padrão.

Cedo - “O produtor que semeou muito cedo acabou tendo perdas pela maior exposição à estiagem, isso aconteceu em todas as regiões”, disse o gerente técnico da cooperativa, Rafael Furlanetto, que acompanhou o Rally.

Avaliação - Já em Santa Mariana, município distante 50km de Nova Fátima, o engenheiro agrônomo Elton Oliveira Silva, da unidade da Cocamar, avalia que 25% das lavouras apresentam boas condições de desenvolvimento, estimando uma média de produtividade de 120 sacas por alqueire (49,5/hectare).

Bem menos - Nas 75% restantes, a perda do potencial produtivo indica para uma média entre 60 e 100 sacas por alqueire (24,7 a 41,3 sacas/hectare). Em anos de clima favorável é comum encontrar em Santa Mariana produtores com média de 130 a 140 sacas por alqueire (53,7 a 57,8 sacas/hectare).

Perdas - Tradicionais produtores de grãos no município, os irmãos Flávio e Carlos Saito projetam perdas de produtividade na soja e lembram que o ano passado foi especialmente difícil porque, com seca e geadas, não houve safra de inverno.

Irrigação - É num ano como este, de severa estiagem, que o investimento em irrigação acaba fazendo a diferença. Com três pivôs, o empresário rural Jayme Eduardo Chaves da S. Telles garante umidade em parte dos seus 375 alqueires (907,5 hectares). Graças aos equipamentos, há estabilidade da produção na Fazenda São Jerônimo, que fica no distrito de Panema, e a expectativa é de safra normal.

Sobre o Rally - O Rally Cocamar de Produtividade, em sua sétima edição consecutiva, conta com o patrocínio das seguintes empresas: Basf, Fairfax do Brasil – Seguros Corporativos, Fertilizantes Viridian, Zacarias Chevrolet e Sicredi União PR/SP (principais), Cocamar Máquinas, Lubrificantes Texaco, Estratégia Ambiental e Irrigação Cocamar (institucionais), com apoio da Aprosoja/PR, Cesb e Unicampo. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2022/noticias/01/20/cocamar_II/{/vsig}

UNIMED: Cooperativas do sistema lideram entre as operadoras com nota máxima na avaliação oficial dos planos de saúde

unimed 20 01 2022A Unimed foi o grande destaque no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) 2021, ano-base 2020, que acaba de ser publicado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Entre as 65 operadoras médico-hospitalares que atingiram nota máxima na avaliação, 57 fazem parte do Sistema Unimed, o que representa nove em cada dez dos melhores planos de saúde do país. Além disso, as 271 cooperativas médicas avaliadas obtiveram nota média de 0,8588, classificada na faixa de excelência do índice -- em escala que varia de 0 a 1 -- e acima da média do segmento, que ficou em 0,8095.

Programa de Qualificação - O IDSS faz parte do Programa de Qualificação das Operadoras (PQO), desenvolvido pela ANS para estimular a qualidade dos planos de saúde. O índice é formado por 33 indicadores que avaliam a atenção à saúde oferecida, o acesso aos serviços e a satisfação dos beneficiários, a sustentabilidade no mercado, a gestão de processos e o atendimento à regulação do setor. Dessa forma, permite aos consumidores a comparação entre as operadoras e a disseminação transparente de informações.

Odontológica - Além da modalidade de cooperativas médicas, a marca Unimed também se destaca na faixa de excelência entre as seguradoras especializadas em saúde e as operadoras odontológicas. A Seguros Unimed obteve nota máxima no IDSS. Já a Unimed Odonto está entre as top 3 operadoras de grande porte, com pontuação total nas dimensões de qualidade da atenção à saúde e sustentabilidade no mercado.

Excelência - Os resultados demonstram a excelência e a relevância do Sistema Unimed no setor de saúde suplementar brasileiro, em especial frente à pandemia do novo coronavírus. No período analisado, que reflete os impactos do primeiro ano da crise sanitária, o desempenho da Unimed foi ainda melhor que em 2019, e a nota média das cooperativas vem crescendo de forma consistente desde 2017, quando a ANS revisou a metodologia da avaliação.

Compromisso - Os números também corroboram o compromisso do Sistema Unimed com a cobertura assistencial e a garantia de atendimento em um cenário desafiador para todo o setor de saúde. “Mesmo com a forte pressão acarretada pela pandemia, as operadoras de planos de saúde estão cumprindo seu papel social, e o setor tem demonstrado sua capacidade de responder com efetividade às demandas que se apresentam”, afirma Omar Abujamra Junior, presidente da Unimed do Brasil, confederação que representa a marca em todo o país. “Os resultados do Sistema Unimed, acima da média do mercado, atestam a excelência do cuidado oferecido pelos nossos médicos cooperados e colaboradores, bem como o compromisso de nossas cooperativas e empresas em prestar o melhor atendimento aos clientes”, conclui o presidente.

Certificado de qualidade - Um dos fatores que impulsionam o desempenho setorial do Sistema Unimed no IDSS 2021 é a adesão ao Programa de Acreditação de Operadoras -- certificação de melhores práticas de gestão e assistência, que visa qualificar os serviços prestados pelos planos de saúde. Isso ocorre por meio da avaliação de toda a gestão das operadoras nas dimensões organizacional, rede prestadora, saúde e experiência dos beneficiários, abrangendo 21 requisitos e mais de 160 itens de verificação.

Nível 1 - Das 43 operadoras acreditadas pela ANS e listadas no site oficial, 36 são Unimed, das quais 31 estão certificadas no nível 1 -- o mais alto do programa, concedido às operadoras que obtiveram nota maior ou igual a 90, apresentaram conformidade em pelo menos 80% dos itens de excelência e nota no IDSS acima de 0,8.

Nota máxima - Confira abaixo as operadoras do Sistema Unimed com nota máxima no IDSS 2021:

Central Nacional Unimed

Seguros Unimed

Unimed Amparo (SP)

Unimed Apucarana (PR)

Unimed Araçatuba (SP)

Unimed Barbacena (MG)

Unimed Belo Horizonte (MG)

Unimed Blumenau (SC)

Unimed Campo Grande (MS)

Unimed Cascavel (PR)

Unimed Central RS

Unimed Chapecó (SC)

Unimed Conselheiro Lafaiete (MG)

Unimed Costa Oeste (PR)

Unimed Curitiba (PR)

Unimed Encosta da Serra (RS)

Unimed Erechim (RS)

Unimed Federação Paraná

Unimed Fesp (SP)

Unimed Franca (SP)

Unimed Francisco Beltrão (PR)

Unimed Fronteira Noroeste RS

Unimed Goiânia (GO)

Unimed Inconfidentes (MG)

Unimed Jaboticabal (SP)

Unimed Joinville (SC)

Unimed Juiz de Fora (MG)

Unimed Litoral (SC)

Unimed Londrina (PR)

Unimed Marília (SP)

Unimed Missões (RS)

Unimed Nordeste RS

Unimed Noroeste do Paraná

Unimed Noroeste RS

Unimed Norte Pioneiro (PR)

Unimed Pato Branco (PR)

Unimed Piracicaba (SP)

Unimed Poços de Caldas (MG)

Unimed Regional de Campo Mourão (PR)

Unimed Ribeirão Preto (SP)

Unimed Santa Bárbara d'Oeste e Americana (SP)

Unimed São João del Rei (MG)

Unimed São José do Rio Preto (SP)

Unimed São José dos Campos (SP)

Unimed Sete Lagoas (MG)

Unimed Sobral (CE)

Unimed Sorocaba (SP)

Unimed Sul Capixaba (ES)

Unimed Sul Paulista (SP)

Unimed Três Rios (RJ)

Unimed Uberlândia (MG)

Unimed Vale das Antas (RS)

Unimed Vale do Aço (MG)

Unimed Vale do Sinos (RS)

Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (RS)

Unimed Vertente do Caparaó (MG)

Unimed Vitória (ES)

Sobre a Unimed Em 2022, a Unimed completa 55 anos de atuação, na liderança do setor de saúde suplementar. A marca nasceu com a fundação da Unimed Santos (SP), em 1967, e hoje compõe um sistema de 341 cooperativas médicas, que estão presentes em 86% das cidades brasileiras e atendem a 18,4 milhões de pessoas. A Unimed reúne 118 mil médicos cooperados, gera 134 mil empregos diretos e dispõe da maior rede assistencial do país, formada por 153 hospitais próprios e cerca de 2,5 mil hospitais credenciados, além de unidades de pronto-atendimento, clínicas e laboratórios, entre outros serviços. Toda essa operação injeta, no sistema de saúde brasileiro, mais de R$ 56 bilhões por ano. A Unimed também se destaca nos segmentos de planos odontológicos, seguros de saúde, vida, previdência privada e patrimoniais, na gestão de recursos financeiros, bem como na educação voltada à saúde e ao cooperativismo. (Imprensa Unimed do Brasil)

 

SICOOB: Lançado filme com poema para divulgar Relatório de Sustentabilidade

sicoob 20 01 2022Com o intuito de comemorar os resultados obtidos por meio do cooperativismo, o Sicoob lançou sua versão audiovisual do Relatório de Sustentabilidade 2020. O material, disponível no canal de YouTube da instituição, destaca as ações produzidas pelo Sistema e os resultados colhidos no primeiro ano da pandemia.

Formato - O vídeo tem formato de “relatório-poema” e foi divulgado em dezembro, nas redes sociais do Sicoob. Com o tema “A beleza dos números”, o filme mostra durante cerca de dois minutos todo o sentimento de gratidão pelas conquistas das cooperativas financeiras do Sistema, espalhadas por todo por país.

Voz - A escritora e poetisa Ryane Leão ficou a cargo da cocriação do filme e deu a voz às emocionantes palavras do relatório-poema. Uma das suas falas destaca como 2020 foi um ano difícil e desafiador, mas que, com a união e cooperação de todos, o Sicoob alcançou resultados inspiradores. O Relatório de Sustentabilidade do Sicoob está disponível aqui, enquanto o vídeo pode ser conferido aqui.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5,6 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, marketplace, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por 357 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Ocupa a segunda colocação entre as instituições financeiras com maior quantidade de agências no Brasil, segundo ranking do Banco Central, com 3.666 pontos de atendimento em mais de 2 mil cidades brasileiras. Acesse o site para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Cooperativa chega a R$ 3 bilhões de ativos

sicoob metropolitano 20 01 2022Entre as maiores cooperativas de crédito do Brasil, o Sicoob Metropolitano registrou mais uma importante marca no início de 2022. A cooperativa, que tem sede em Maringá (PR) e atuação no estado sede e em São Paulo, chegou a R$ 3 bilhões de ativos.

Soma - Esse valor representa a soma de todos os recursos financeiros e econômicos que são administrados pela cooperativa para gerarem mais recursos. Chegar a esse resultado é importante também para a comunidade onde o Sicoob Metropolitano está inserido, porque por meio dele é possível assegurar a manutenção de empregos e ofertar produtos e serviços adequados às necessidades locais.

Tendência - O presidente do Conselho de Administração do Sicoob Metropolitano, Luiz Ajita, lembra quando a cooperativa atingiu R$ 1 bilhão em 2017. “Nós comemoramos muito, porque sabíamos que a partir disso a cooperativa iria crescer rapidamente e a prova está aí. A tendência agora é que esse número cresça ainda mais rápido”, explica.

Comprometimento - Ele também atribui esse crescimento ao trabalho e ao comprometimento dos colaboradores, diretoria e conselheiros, mas principalmente aos cooperados. “Isso só foi possível graças a confiança que eles têm em nós e no nosso trabalho”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SUSTENTABILIDADE: IICA e Fundo Verde do Clima fecham parceria de US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano nas Américas

sustentabilidade 20 01 2022Compromisso firmado pelo Brasil e outros 100 países durante a COP-26, a redução de emissões de metano no setor agropecuário ganhou reforço. Nesta semana, o Fundo Verde do Clima (GCF, sigla em inglês) apresentou projeto para buscar reduzir as emissões de metano da pecuária das Américas, em iniciativa que será financiada com recursos da ordem de US$ 100 milhões.

Anúncio - O anúncio foi realizado durante a cerimônia virtual de posse do diretor-geral do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), o argentino Manuel Otero, do qual a ministra Tereza Cristina participou enquanto presidente da Junta Interamericana de Agricultura (JIA). Desde junho do ano passado, o Fundo credenciou o IICA para implementar projetos financiados pela sua carteira de créditos, o que permite ao organismo acesso a recursos que apoiem iniciativas de adaptação e resiliência climática da agricultura e da ruralidade nos países das Américas.

Importante - “Esta parceria entre o Fundo Verde do Clima e o IICA é de extrema importância, pois se vislumbra o financiamento e recursos para o aprimoramento da pesquisa e outras tecnologias de inovação, as quais entendemos que é o caminho a ser trilhado. A redução do rebanho não é uma opção, o que se acredita é que com muita tecnologia e inovação nós vamos conseguir reduzir, e já há estudos para isso, a emissão de metano”, repercute o secretário de Inovação, Desenvolvimento Sustentável e Irrigação do Ministério, Fernando Camargo.

Adesão - A adesão ao compromisso global de redução de 30% nas emissões é voluntária e o Brasil já desenvolve várias ações que podem contribuir para essa meta. O secretário reforça a criação de gado em sistemas integrados permitindo que as emissões da pecuária sejam absorvidas pela lavoura e pela floresta que coexistem no sistema produtivo. Essa é uma das tecnologias do Plano ABC+, que promove práticas para uma agropecuária de baixa emissão de carbono com meta de redução de mais de 1 bilhão de toneladas até 2030.

Estratégias - Entre as estratégias que já são utilizadas para reduzir a emissão de metano na pecuária brasileira estão o melhoramento genético de pastagens para desenvolver alimentos mais digestíveis para os animais e o melhoramento genético dos animais, permitindo o abate precoce e, assim, a redução da emissão desses gases. Também está em estudo a utilização de aditivos que podem ser agregados na alimentação animal, com substâncias como algas, taninos e óleos essenciais.

Melhor dos mundos - “Então, esse é o melhor dos mundos: ter um animal geneticamente menos emissor, com uma boa alimentação e num sistema de criação em que se consegue fazer a remoção das emissões”, finalizou Camargo.

Primeiro passo - O IICA informou que primeiro passo da iniciativa, que vai contribuir para o desenvolvimento de processos produtivos mais eficientes e abrirá oportunidades tanto para o setor público quanto privado de apresentar seus projetos no continente americano, será a realização de estudos de viabilidade, a partir de um aporte inicial de US$ 1,5 milhão do GCF.

Fundo - O GCF, sediado na Coreia do Sul, é um fundo criado pela Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, com uma carteira de US$ 20 milhões. A missão é ajudar países em desenvolvimento a elaborar práticas e tecnologias de adaptação às mudanças climáticas e à mitigação de seus efeitos. (Mapa)

FOTO: Kelem Silene Guimarães / Embrapa

 

ECONOMIA I: Monitor do PIB indica alta de 1,8% em novembro de 2021, diz FGV

economia I 20 01 2022O Monitor do Produto Interno Bruto (PIB) calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) indicou crescimento de 1,8% na atividade econômica em novembro de 2021, em comparação ao mês anterior; e recuo de 0,3% no trimestre móvel compreendido entre setembro e novembro, em relação ao encerrado em agosto.

Comparação interanual - Já na comparação interanual, o avanço da economia é de 2,2% no mês de novembro e 1,3% no trimestre móvel terminado em novembro.

Valores correntes - Em valores correntes, o PIB - que é calculado pela soma da captação bruta de todos os recursos e impostos no país - foi estimado, no acumulado do ano até novembro de 2021, em R$ 7,91 trilhões. Os números foram divulgados hoje (19).

Reversão - Para o coordenador do Monitor do PIB da FGV, Cláudio Considera, a economia brasileira em novembro reverteu a trajetória de queda e estagnação que ocorria desde abril. Segundo o economista, todos os componentes de demanda se mostraram positivos, com destaque para a Formação Bruta de Capital Fixo, que registrou crescimento forte em três setores, com destaque para a Construção Civil.

Consumo das famílias - “O consumo das famílias, componente com maior participação na demanda, também cresceu, destacando-se os serviços, graças à ampliação da vacinação. Pelo lado da oferta, todos os componentes de serviços foram positivos em comparação ao mês anterior”, apontou.

Atividade industrial - O coordenador destacou ainda o resultado positivo da atividade industrial puxado pela forte reação da indústria de transformação, enquanto a agropecuária apresentou forte queda. “A taxa acumulada em 12 meses que havia sido negativa desde abril de 2020 até a de abril deste ano, continua crescendo a taxas crescentes e em novembro foi positiva em 4,4%, indicando para este ano uma taxa de crescimento do PIB em torno desta”, apontou.

Investimento - Ainda de acordo com o economista, é relevante o avanço no investimento na comparação interanual. “O investimento teve forte crescimento no interanual em novembro, e continua com taxas altas no acumulado de 12 meses”, completou.

Taxas decrescentes - De acordo com o indicador, o consumo das famílias no trimestre móvel cresce a taxas decrescentes desde junho, se comparado ao mesmo período do ano anterior, quando a alta tinha sido de 10,5%.

Índice - No trimestre encerrado em novembro essa taxa ficou em 0,9%. O componente de serviços, pelo segundo mês seguido, foi o único a apresentar avanço. “Na série com ajuste sazonal, o consumo das famílias apresentou retração de 0,8% em comparação ao trimestre anterior, salientando perda de força”, apontou o Monitor do PIB.

FBCF - Na comparação do trimestre móvel com igual período do ano passado, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que representa investimentos, também permanece com taxas decrescentes desde junho, quando subiu 33,1%.

Variação - No trimestre terminado em novembro, a variação chegou até 3,9%. Novembro foi o primeiro mês, desde outubro de 2020, que o componente de máquinas e equipamentos apresentou recuo. “Na série ajustada sazonalmente, a formação bruta de capital fixo apresentou retração (6,4%) no trimestre móvel terminado em novembro, em comparação ao terminado em agosto”, indicou o levantamento.

Exportação - Na exportação, a queda foi de 0,1% no trimestre móvel terminado em novembro, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Essa é a primeira taxa negativa desde fevereiro de 2021. Já na análise da série dessazonalizada, a exportação caiu 6,4% no trimestre móvel encerrado em novembro em comparação ao terminado em agosto.

Importação - A importação subiu 11,8% no trimestre móvel de setembro a novembro, se comparado ao mesmo período do ano anterior. “É importante destacar o elevado crescimento dos produtos da extrativa mineral (49,6%). Na análise da série dessazonalizada, a importação apresentou crescimento de 2,8% no trimestre móvel terminado em novembro em comparação ao terminado em agosto”, apontou. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

ECONOMIA II: Pandemia aumenta acesso da população a serviços bancários

economia II 20 10 2022Os bancos digitais aumentaram o acesso da população brasileira a produtos financeiros, com destaque para a parcela de baixa renda. Atualmente 19% dos brasileiros têm conta em bancos digitais e 30% estão nas classes D e E. É o que revela pesquisa divulgada pelo Instituto Locomotiva, feita com 1.519 brasileiros, com 18 anos de idade ou mais, entre 27 de outubro e 7 de novembro do ano passado.

Digital - O presidente do Instituto, Renato Meirelles, disse nesta quarta-feira (19/01) à Agência Brasil que, antes da pandemia de covid-19, o banco digital era o segundo banco da classe mais rica e o substituto da conta universitária. “Os bancos digitais falavam, praticamente, para os mais ricos. Tanto que, para depositar dinheiro no banco digital, era preciso fazer uma transferência de outro banco. Então, ele [banco digital] era, basicamente, para quem já tinha conta.”

Contaminação - Com a pandemia, o receio de se expor a uma possível contaminação ao se dirigir a uma agência bancária tradicional fez cair consideravelmente a procura por esses serviços. Por outro lado, aumentou o acesso à internet e cresce a demanda por serviços e compras online, destacou Meirelles.

Perfil - “Além de fazer crescer o mercado das fintechs (empresas que oferecem serviços financeiros), isso mudou o perfil desse público. Por isso, temos 30% que são das classes D e E. Praticamente, um terço de quem tem conta em fintechs vem das classes D e E.”

Inclusão - Segundo Meirelles, um dado que ajuda a entender esse processo de inclusão é o fato de 86% dos brasileiros dizerem que os bancos digitais permitiram que pessoas antes discriminadas pelas instituições financeiras tivessem conta em banco e de 80% afirmarem que bancos digitais não discriminam clientes de acordo com a renda. Ele lembrou que anteriormente os bancos tradicionais eram os únicos “que tinham detector de pobre" na entrada – a porta giratória. "Hoje abrir uma conta no banco digital, é muito mais fácil, muito menos burocrático.”

Facilidades - O presidente do Instituto Locomotiva aponta facilidades do processo atual: “você tira uma foto de si mesmo e consegue provar que é você, com uma simples foto. Não precisa mais mandar aqueles 50 documentos. Isso torna o sistema financeiro mais democrático e mais acessível para a parcela da população que não era tão bem atendida antes da existência das fintechs. Este é mais um motivo para a adesão das pessoas ao banco digital, afirmou Meirelles.

Menos taxas - A isso, soma-se a percepção de os bancos digitais cobrarem menos taxas e serem mais fáceis de usar. As fintechs atraem mais os jovens, que são mais conectados. Entretanto, durante a pandemia, o que se viu foram pessoas mais velhas aprendendo com os netos a usar as novas tecnologias, entre as quais as fintechs. “Como os mais velhos eram do grupo de risco, tinham mais dificuldade para ir aos bancos. E isso os levou a se digitalizar mais e a usar as fintechs.”

Mais jovens - Meirelles disse que, no geral, são os mais jovens que usam mais as fintechs, mas ressaltou que, proporcionalmente, quem mais elevou o uso dos bancos digitais foram os mais velhos, que saíram de uma base menor, quase equivalente a 0%. “Foi o grupo que mais cresceu na pandemia.”

Sondagem - A sondagem mostra que 57% dos entrevistados têm conta em bancos tradicionais e digitais e 19%, só em instituições digitais; 30% são das classes D e E e 20% são clientes apenas de bancos tradicionais. Entre os jovens de 18 a 24 anos, 36% têm apenas conta digital. (Agência Brasil)

FOTO: Tânia Rêgo / Agência Brasil

 

ECONOMIA III: Governo define reajustes de benefícios e contribuições previdenciários

economia III 20 01 2022Portaria do Ministério do Trabalho e Previdência define os índices de reajustes dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), bem como valores e respectivas alíquotas de contribuição pagos por beneficiários e segurados do Regime Próprio de Previdência Social (RPS) da União, a partir de janeiro de 2022. O texto foi publicado nesta quinta-feira (20/01) no Diário Oficial da União.

Demais valores - A portaria nº 12 apresenta, também, reajustes relativos aos demais valores constantes do RPS, como a tabela de contribuição de segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração.

Percentual - O reajuste dos benefícios pagos pelo INSS a partir de 1º de janeiro de 2022 será de 10,16%. A tabela detalha os percentuais de reajustes que serão aplicados nos benefícios com data de início a partir de janeiro de 2021. Esses reajustes serão aplicados também nas pensões especiais pagas às vítimas da síndrome da talidomida; às pessoas atingidas pela hanseníase; e ao auxílio especial mensal para jogadores sem recursos ou com recursos limitados.

Valor mínimo - O valor mínimo do salário de benefício e do salário de contribuição pagos a partir de 1º de janeiro de 2022, não poderão ser inferiores a R$ 1.212 nem superiores a R$ 7.087,22. O mesmo valor mínimo será aplicado para benefícios de prestação continuada pagos pelo INSS correspondentes a aposentadorias; auxílio por incapacidade temporária e pensão por morte (valor global); aposentadorias dos aeronautas; pensão especial paga às vítimas da síndrome da talidomida; e auxílio reclusão.

Pensão especial - Também será de R$ 1.212 o valor da pensão especial paga aos dependentes das vítimas de hemodiálise da cidade de Caruaru no Estado de Pernambuco; do amparo social ao idoso e à pessoa com deficiência; e da renda mensal vitalícia.

Pescador - Os valores dos benefícios concedidos ao pescador, ao mestre de rede e ao patrão de pesca “deverão corresponder, respectivamente, a uma, duas e três vezes o valor de R$ 1.212”. Já o benefício devido aos seringueiros e seus de pendentes será de R$ 2.424.

Salário-família - O valor da cota do salário-família por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 anos de idade, ou inválido de qualquer idade, a partir de 1º de janeiro de 2022, é R$ 56,47 para segurados com remuneração mensal (valor total do respectivo salário de contribuição, ainda que resultante da soma dos salários de contribuição correspondentes a atividades simultâneas) não superior a R$ 1.655,98. (Agência Brasil)

FOTO: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar cai para R$ 5,46 e fecha no menor valor em dois meses

cambio 20 01 2022Num dia de alívio no mercado externo e interno, o dólar teve queda expressiva e fechou abaixo de R$ 5,50 pela primeira vez desde novembro. A bolsa teve forte alta e voltou a superar os 108 mil pontos.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (19/01) vendido a R$ 5,466, com recuo de R$ 0,094 (-1,7%). A moeda operou em baixa durante toda a sessão, mas acelerou a queda a partir do fim da manhã.

Menor nível - Essa foi a primeira queda após duas altas seguidas. A cotação está no menor nível desde 12 de novembro, antes da votação da emenda constitucional que parcelou os precatórios (dívidas do governo reconhecidas definitivamente pela Justiça). Com o desempenho de hoje, a divisa acumula baixa de 1,97% nos primeiros dias de 2022.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela trégua. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 108.013 pontos, com alta de 1,26%. O indicador foi puxado por ações de empresas varejistas, que tinham caído muito nas últimas semanas e ficaram baratas, e por empresas ligadas a commodities (bens primários com cotação internacional).

Ibovespa - O Ibovespa descolou-se das bolsas norte-americanas, que fecharam em queda. Em relação ao mercado de câmbio, o dólar teve um dia de trégua em todo o planeta, após ter subido na terça-feira (18/01). Paralelamente, houve uma alta global no preço das commodities que beneficiou países emergentes, como o Brasil. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

SENADO: IFI destaca alta da inflação e projeta baixo crescimento econômico para 2022

senado 20 01 2022A Instituição Fiscal Independente (IFI) divulgou, nesta quarta-feira (19/01), o Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) do mês de janeiro. No documento, a IFI analisa a alta dos índices de inflação e faz alertas sobre o risco fiscal, o orçamento de 2022 e o baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

Reajustes dos preços - Segundo o relatório da IFI, a inflação acima da meta exibe um cenário de disseminação dos reajustes de preços. O índice do ano passado ficou em 10,1%, o maior dos últimos anos. O aumento dos preços dos combustíveis e de alguns alimentos fez muita diferença para o consumidor. Para este ano, a expectativa da IFI para a inflação é de 5,2%, bem acima do centro da meta do governo, que é de 3,5%.

PEC dos Precatórios - O relatório da IFI também aponta que a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios (Emendas Constitucionais 113 e 114, de 2021) abriu espaço para aumento de despesas e piorou o quadro fiscal de 2022. O Orçamento aprovado prevê déficit de R$ 79,4 bilhões (0,8% do PIB). O déficit é maior do que o previsto inicialmente pelo governo e se aproxima da projeção da IFI, que é de R$ 106,2 bilhões (1,1% do PIB). A IFI adverte que, com a alta dos juros e o crescimento baixo, a manutenção de resultados negativos não será suficiente para estabilizar a dívida pública. 

PIB e dívida - O relatório também aponta que aumentaram os riscos para o crescimento econômico em 2022. Os dados de atividade do quarto trimestre de 2021 mostram que o crescimento da economia “permanece em terreno negativo”, reforçando um quadro de menor crescimento do PIB em volume para 2022. A IFI mantém a projeção, conforme veiculado no RAF de dezembro de 2021, de alta de 0,5% do PIB. Entretanto, alerta a IFI, a retomada da trajetória de alta nos casos de covid-19 pode dificultar a recuperação. Eventos cancelados e tendência do consumidor ao isolamento podem colaborar para o pouco crescimento do PIB.

Gastos extras - De outro lado, conforme o relatório, os gastos extras a serem realizados no ano a partir da mudança no teto de gastos e da limitação ao pagamento de precatórios, poderão afetar a demanda. A IFI ressalta que as incertezas, de todo modo, são elevadas, e o quadro de baixo crescimento, inferior ao potencial estimado pela IFI, dificilmente se alterará ao longo do ano.

Dívida pública bruta - A dívida pública bruta, por sua vez, apresentou queda em novembro, último dado veiculado pelo Banco Central. No entanto, a IFI projeta que a dívida deve ter terminado 2021 em 82,1% do PIB e deverá crescer em 2022, até 84,8% do PIB, em razão do forte aumento da taxa Selic e do custo médio dos títulos públicos.

Orçamento - A IFI também faz um alerta sobre a administração do Orçamento de 2022, que já teria “nascido com pressões por ajustes”. O relatório faz referência aos movimentos de várias categorias de servidores públicos que reivindicam reposição salarial. O aumento dado pelo governo somente para os policiais federais ampliou o descontentamento em várias categorias. O Ministério da Economia tem dado declarações de que não há espaço para esse tipo de demanda.  

Executivo - No Executivo, segundo o relatório, há um excesso de despesas em relação ao teto de gastos no valor de R$ 1,8 bilhão, o qual deverá ser corrigido apenas em 2023. Nos demais Poderes, os gastos não acompanharam a elevação dos limites e deverão sofrer reajustes no decorrer do ano. Além disso, destaca o relatório, parte dos pleitos enviados pelo Executivo ao Congresso durante a tramitação do projeto do Orçamento não foi atendida, o que também deve gerar aumento nos gastos previstos para 2022

Projeção - Pelas redes sociais, o diretor-executivo da IFI, Felipe Salto, afirmou que Orçamento de 2022 é uma lei que já nasceu tora, pois foi aprovada com base em projeção. “Como a inflação ficou acima do previsto, o orçamento está quase R$ 2 bilhões maior que o teto. Mais um oferecimento da PEC dos Precatórios”, completou Salto. 

Relatórios -Produzido mensalmente pela IFI, o RAF contém avaliações conjunturais sobre a macroeconomia, receitas e despesas públicas, e o ciclo orçamentário. Duas vezes por ano, o relatório também apresenta atualizações das projeções macrofiscais da IFI para os próximos anos, na forma de cenários base, otimista e pessimista. Esses cenários são simulados pela instituição a partir de pressupostos para os parâmetros orçamentários, incluindo o PIB, a inflação e a taxa de juros. Como resultado, são apresentadas trajetórias para os indicadores fiscais, como o resultado primário e a dívida bruta.

Transparência - A IFI foi criada pelo Senado no final de 2016 para ampliar a transparência nas contas públicas. Tem como objetivo divulgar estimativas de parâmetros e variáveis relevantes para a construção de cenários fiscais e orçamentários, além de analisar a aderência do desempenho de indicadores fiscais e orçamentários às metas definidas na legislação pertinente. A IFI também procura mensurar o impacto de eventos fiscais relevantes e projetar a evolução de variáveis fiscais determinantes para o equilíbrio de longo prazo do setor público. (Agência Senado)

FOTO: Tânia Rêgo / Agência Brasil

 

SAÚDE I: Brasil bate recorde de casos diários de Covid-19 com 204,8 mil

O número de infecções diárias pelo novo coronavírus segue em alta no Brasil. Segundo boletim do Ministério da Saúde (MS) divulgado nesta quarta-feira (19/01), foram 204.854 casos registrados em 24 horas, o maior número desde o início da pandemia. O número de pessoas infectadas pela covid-19 totaliza 23.416.748.

Mortes - O número de mortes causadas pela covid-19 não tem crescido na mesma proporção e chegou a 621.855, com 338 óbitos entre terça e quarta-feira (18 e 19/01). Há 3.062 mortes em investigação. Os dados de mortes em investigação ocorrem por haver casos em que o paciente morreu, mas a investigação da causa demanda exames e procedimentos posteriores.

Recuperados - Até o momento, segundo o ministério, 21.848.301 pessoas se recuperaram da doença.

Estados - Segundo o balanço fornecido pelas Secretarias Estaduais de Saúde, o estado com mais mortes por covid-19 é São Paulo, com 155.997 registros. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro (69.623), Minas Gerais (56.866), Paraná (40.951) e Rio Grande do Sul (36.564).

Menos - Os estados com menos óbitos são Acre (1.854), Amapá (2.033), Roraima (2.082) e Tocantins (3.978).

Mais casos - As unidades da federação com mais casos registrados são São Paulo (4,5 milhões), Minas Gerais (2,4 milhões) e Paraná (1,7 milhão). Os estados com menos casos são Acre (91,4 mil), Amapá (130,9 mil) e Roraima (134 mil).

Ômicron - A pasta também informou que foram registrados 811 casos de pessoas infectadas pela variante Ômicron, com incidência confirmada em 16 unidades da Federação, com Pernambuco (145) e Rio de Janeiro (156) registrando o maior número de casos. Também foram registradas duas mortes, uma em Alagoas e outra em Goiás.

Investigação - Há 1.080 casos e duas mortes pela nova variante em investigação.

Vacinação - O painel nacional de vacinação do Ministério da Saúde registrou, em sua última atualização, um total de doses aplicadas de 325,7 milhões. Até o momento, 159 milhões receberam a primeira dose e 139,8 milhões já receberam as duas doses ou a dose única. Além disso, 25,7 milhões de pessoas tomaram a terceira dose (dose de reforço). (Agência Brasil)

 

photo5136408164915325399

 

photo5136408164915325400

 

 

 

 

 

 

SAÚDE II: Mais 17.485 casos e 10 óbitos pela Covid-19 são confirmados no Paraná

saude II 20 01 2022A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (19/02) mais 17.485 casos confirmados e 10 mortes — referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Há ajustes ao final do texto.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.734.489 casos confirmados e 40.727 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (17.397) de 2022, dezembro (12), novembro (4), outubro (3), setembro (2), agosto (3), julho (5), junho (3), maio (7), abril (3), março (17), fevereiro (2) e janeiro (3) de 2021 e dezembro (3), novembro (3), outubro (4), setembro (3), agosto (5), julho (4) e junho (2) de 2020. Os óbitos divulgados nesta data são de janeiro (6) de 2022 e novembro (1), setembro (1), março (1) e janeiro (1) de 2021.

Monitoramento - A Sesa está monitorando a situação epidemiológica do Paraná e o crescimento no número de casos diários divulgados pela pasta.

Medidas de prevenção - A secretaria reforça que as medidas de prevenção como uso de máscaras, lavagem das mãos e uso do álcool em gel permanecem sendo necessárias, juntamente com a continuidade da vacinação contra a Covid-19.

Internados - 65 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (25 em UTI e 40 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 868 pacientes internados, 322 em leitos UTI e 546 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 10 pacientes. São quatro mulheres e seis homens, com idades que variam entre 48 e 90 anos. Os óbitos ocorreram entre 18 de janeiro de 2021 a 18 de janeiro de 2022.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Londrina (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Toledo, Sabáudia, Pontal do Paraná, Ponta Grossa, Ourizona, Itaipulândia, Foz do Iguaçu e Campina da Lagoa.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 8.404 casos de residentes de fora do Estado, 224 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informa completo.

Confira os relatórios de exclusão e de correções dos municípios.

 

SAÚDE III: Com mais oito registros, Paraná já soma 100 casos confirmados da variante Ômicron

saude III 20 01 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) recebeu nesta quarta-feira (19/01) a confirmação de mais oito casos da variante Ômicron no Paraná. Agora, o Estado soma 100 casos e nenhum óbito registrado.

Novo sequenciamento - Os resultados foram apresentados em um novo sequenciamento genômico do relatório de circulação das linhagens do vírus Sars-Cov-2, responsável pela Covid-19, realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Rio de Janeiro.

Gênero e município - São seis mulheres e dois homens com idades que variam de 22 a 63 anos, residentes em Curitiba (3), Pinhais (1), São José dos Pinhais (1), Castro (1), Maringá (1) e Londrina (1).

Primeiro - O primeiro caso da variante Ômicron foi confirmado no Paraná no último dia 12, um paciente de 24 anos residente em Curitiba, com caso confirmado para a Covid-19 em dezembro. Depois disso, no último sábado (15), a Fiocruz Paraná enviou um relatório com mais 91 casos da cepa, além da confirmação da predominância da Ômicron no Estado.

Presença - “Cada relatório tem confirmado o que já vínhamos falando desde dezembro sobre a presença e a alta transmissão da Ômicron. Nesse momento precisamos retomar os cuidados não farmacológicos e, acima de tudo, a vacinação contra a Covid-19 para que estes casos não se transformem em perdas humanas”, alertou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Investigação - Os casos registrados pelos relatórios da Fiocruz Paraná e Rio de Janeiro permanecem em situação de investigação epidemiológica para confirmação da evolução dos casos e demais detalhamentos. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 

SAÚDE IV Brasil registra 6 vezes mais casos diários de Covid-19 que em dezembro

saude IV 20 01 2022Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz divulgado nesta quarta-feira (19/01) pela Fundação Oswaldo Cruz revela aumento significativo do número de casos da doença no Brasil, com média de 49 mil registros por dia, seis vezes mais do que o observado no início de dezembro de 2021. O documento destaca, porém, que, graças à eficácia da vacinação, que completou um ano, o número de mortes não acompanhou o aumento do número de casos no país.

Leitos - Referente às semanas epidemiológicas 1 e 2 de 2022, compreendendo o período de 2 a 15 de janeiro, o boletim revela que piorou a situação dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) destinados a pacientes com covid-19, em comparação aos dados das duas últimas semanas.

Estados - Cinco estados que estavam fora da zona de alerta ingressaram na zona de alerta intermediário, com taxas iguais ou superiores a 60% e inferiores a 80%, somando-se a seis unidades da federação que já estavam nesta zona na semana anterior.

Capitais - Destacam-se entre as capitais que tiveram taxas divulgadas Cuiabá (100%), Rio de Janeiro (95%), Belo Horizonte (88%), Fortaleza (85%) e Recife (80%), que estão na zona de alerta crítico; e Vitória (78%), Manaus (77%), Campo Grande (77%), Goiânia (77%), Brasília (74%), Palmas (69%), São Luís (68%), Teresina (66%), Porto Velho (66%), Salvador (65%), Curitiba (61%) e Boa Vista (60%), na zona de alerta intermediário.

Rio - O boletim chama a atenção que, no caso da cidade do Rio de Janeiro, a taxa apresentada não inclui leitos impedidos/bloqueados, o que eleva o seu valor.

Aumentos - A comparação de dados relativos a 17 de janeiro com os de 10 de janeiro mostra aumento do total de leitos em 12 estados e no Distrito Federal. Os destaques são aumentos superiores a 50 leitos registrados em Pernambuco (105) e Ceará (5). Cinco estados tiveram redução do total de leitos: Roraima, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Média móvel - A média móvel de sete dias, divulgada pela Fiocruz, é calculada somando-se os registros do dia com os dos seis dias anteriores e dividindo o resultado da soma por sete. O número é diferente daquele divulgado pelo Ministério da Saúde, que mostra apenas as ocorrências de um dia específico.

Grupos etários - A distribuição dos casos de internação e morte nos grupos etários chamou a atenção dos pesquisadores, que perceberam mudança no perfil das internações desde dezembro: tanto para internações quanto para óbitos, destaca-se maior presença de pessoas mais jovens. "Em especial para internações, é notável a participação de crianças com até 2 anos”. Isso indica que tal grupo passou a ocupar lugar de destaque na pandemia no fim de 2021 e início de 2022. “Os grupos extremos de idade passam a ser destaque da distribuição etária das internações e óbitos”, diz o boletim.

Idosos - Entre os idosos, cresce a presença de grupos com 80 anos e mais, e diminui a de grupos de 60 a 69 anos e de 70 a 79 anos. Entre os adultos, aumentam os casos nos grupos de 20 a 29 anos e de 30 a 39 anos e diminui a contribuição dos grupos de 50 a 59 anos e de 40 a 49 anos.

Incerteza - De acordo com pesquisadores da Fiocruz, o cenário é de incerteza no médio prazo. “Para as internações em UTI parece haver uma nova forma de distribuição, em que adultos mais jovens e idosos menos longevos passam a compartilhar o perfil que mais requer cuidados intensivos. As próximas semanas poderão alterar a dinâmica das internações por covid-19 no país.”

Expansão - Embora parte dos casos se refira a registros que ficaram retidos nos sistemas (e-SUS-Notifica e Sivep-Gripe), há predomínio da variante Ômicron, o que evidencia tendência de aumento da transmissão da doença, já observada na Europa e mais recentemente na América do Sul, principalmente na Argentina e no Uruguai.

Média - Nas duas primeiras semanas epidemiológicas de 2022, a média ficou em 130 óbitos diários, revelando pequeno aumento na comparação com o início de dezembro de 2021. Segundo os cientistas, a redução da gravidade dos casos de covid-19 deve-se à alta cobertura da vacinação alcançada por esses países, incluindo o Brasil.

Letalidade alta - Em países com baixa cobertura vacinal, como alguns da Europa Oriental e do Oriente Médio, a letalidade permanece alta. Para os pesquisadores, isso deixa claro que “a variante Ômicron pode, em contextos de baixa cobertura vacinal, causar aumento de quadros clínicos graves e levar à morte grande parte dos infectados”.

Síndrome respiratória - Levantamento do InfoGripe indicou, nas últimas semanas, tendência de aumento significativo da incidência de síndromes respiratórias agudas graves (SRAG) em todos os estados. As exceções foram Roraima e Rio de Janeiro, onde há estabilidade.

Taxas altas - Com estimativas superiores a um caso por 100 mil habitantes, as taxas de SRAG são consideradas altas em todos os demais estados. Em São Paulo e Minas Gerais, por exemplo, as taxas estão próximas de 10 casos por 100 mil habitantes (9,6 e 8,8 casos por 100 mil habitantes, respectivamente).

Preocupante - Conforme o boletim, o quadro de SRAG no Brasil, analisado com dados até a primeira Semana Epidemiológica de 2022, preocupa, já que o total observado atingiu 13 mil casos no período compreendido pelas duas últimas semanas de 2021 e a primeira de 2022. “Os casos de SRAG envolvem hospitalizações e óbitos por vírus respiratórios, e esse crescimento significativo ocorre em meio à disseminação da variante Ômicron no país, assim como à circulação de vírus da influenza em vários estados”, diz o documento.

Vacinação - Os pesquisadores destacam a importância da campanha de vacinação, que “alcançou resultados positivos e demonstrou a efetividade dos imunizantes, sobretudo para reduzir hospitalizações e óbitos”. Eles ressaltam, entretanto, que, após um ano de vacinação, os desafios ainda permanecem.

Desafios - Entre os desafios, destaca-se a necessidade de avançar com a cobertura vacinal em populações com menor acesso aos imunizantes ou grupos com resistência às vacinas; de aumentar a cobertura de vacinação infantil iniciada recentemente e de prover doses de reforço para proteção mais efetiva, inclusive contra novas variantes do coronavírus, como a Ômicron.

Heterogeneidade - Outro desafio é diminuir a heterogeneidade entre estados e municípios na cobertura vacinal. Os cientistas lembram ainda a importância da autossuficiência na produção de vacinas, que permitirá maior autonomia na oferta de doses. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE V: ANS aprova inclusão de teste rápido para diagnóstico da Covid-19 no rol de coberturas obrigatórias

saude V 20 01 2022A diretoria colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou, no início da noite desta quarta-feira (19/01), em reunião extraordinária, a inclusão do exame teste rápido para detecção de antígeno SARS-CoV-2 (coronavírus Covid-19), no rol de coberturas obrigatórias para beneficiários de planos de saúde. O procedimento que irá constar do anexo I da Resolução Normativa nº 465/2021 foi encaminhado para publicação no Diário Oficial da União após a reunião e a previsão é que seja publicado na edição desta quinta-feira (20/01). A partir de então, a cobertura passa a ser imediata.

Beneficiários - O teste será coberto para os beneficiários de planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência e será feito nos casos em que houver indicação médica, para pacientes com Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), quando os sintomas estiverem na janela ótima de utilização, ou seja, entre o 1° e o 7° dia de início dos sintomas.

Contexto - Para a avaliação da decisão, a ANS considerou o contexto atual, que conta com a circulação e rápido crescimento de casos relacionados à nova variante, Ômicron - designada como variante de preocupação pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 26 de novembro do ano passado.

Útil - “Neste momento, compreendemos que a inclusão do teste rápido para detecção de antígeno pode ser realmente útil, tendo em vista que os testes rápidos são mais acessíveis e fornecem resultados mais rapidamente que o RT-PCR, por exemplo. Assim, o teste de antígenos pode ampliar a detecção e acelerar o isolamento, levando a uma redução da disseminação da doença e, por consequência, a uma diminuição da sobrecarga dos serviços laboratoriais. Ao mesmo tempo em que tomamos a decisão responsável de manter o acesso ao padrão ouro de diagnóstico, o RT-PCR”, avaliou Paulo Rebello, diretor-presidente da ANS.

Consulta - A Agência orienta que o beneficiário consulte a operadora do seu plano de saúde para informações sobre o local mais adequado para a realização do exame ou para esclarecimento de dúvidas sobre diagnóstico ou tratamento da doença.

Tratamento - A ANS esclarece ainda que a cobertura do tratamento aos pacientes diagnosticados com a Covid-19 já é assegurada aos beneficiários de planos de saúde, de acordo com a segmentação de seus planos (ambulatorial, hospitalar ou referência).

Sobre o exame - O exame que será incluído no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS é o “Teste SARS-COV-2 (coronavírus Covid-19) – teste rápido para detecção de antígeno”. A cobertura será obrigatória quando o paciente apresentar Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), entre o 1° dia e 7° dia desde o início dos sintomas.

SG - A Síndrome Gripal (SG) é atribuída ao paciente com quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos. Em crianças: além sintomas citados, o responsável deve considerar obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico. Em idosos: deve-se considerar também critérios específicos de agravamento, como: síncope, confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e inapetência. Na suspeita de Covid-19, a febre pode estar ausente e sintomas gastrointestinais (diarreia) podem estar presentes.

SRAG - Já a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é atribuída ao paciente com Síndrome Gripal (SG), que também apresente: desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax, ou ainda saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente, coloração azulada dos lábios ou rosto. Em crianças: além dos sintomas já mencionados, o responsável deve observar os batimentos de asa de nariz, cianose, tiragem intercostal, desidratação e inapetência.

Conhecimento - A ANS ressalta que, uma vez que o conhecimento da infecção pelo vírus SARS-CoV-2 (Covid-19) ainda está em processo de consolidação, à medida que novas evidências forem disponibilizadas, a tecnologia e sua diretriz poderão ser revistas, a qualquer tempo. (ANS)

 


Versão para impressão


RODAPE