Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5248 | 28 de Janeiro de 2022

G7: Funrep e Operação Padrão da Receita são temas da reunião do grupo

g7 28 01 2022O Fundo de Recuperação e Estabilização Fiscal do Paraná (Funrep) e a Operação Padrão dos auditores da Receita Federal discutidos da primeira reunião do G7 deste ano, ocorrida nesta quinta-feira (27/01), na sede do Sebrae-PR, em Curitiba. O encontro foi conduzido pelo presidente da Faciap, Fernando Moraes, atual coordenador do G7.

Viabilidade econômica - O Grupo, que reúne as principais entidades representativas do setor produtivo no Estado, discutiu a viabilidade econômica e o impacto nas empresas da implantação do Funrep, regulamentado pelo governador do Estado por meio do Decreto 9.810/2021. O Fundo será constituído com receita do depósito mensal correspondente a 12% sobre o valor do benefício ou incentivo do Crédito Presumido de ICMS, previsto no Anexo VII, do RICMS/PR.

Operação Padrão - Os integrantes do G7 discutiram também medidas visando o fim da Operação Padrão (ou Operação Tartaruga) dos auditores da Receita Federal, que já está prejudicando o transporte de cargas e as exportações brasileiras.

Mais tempo - Desde o dia 24 de dezembro, auditores da Receita Federal adotaram a operação padrão na liberação de produtos nas alfândegas. Nela, os auditores fazem uma fiscalização mais rigorosa de documentos e mercadorias, o que eleva mais tempo em operações de importação e exportação. Com o movimento, os servidores buscam pressionar o governo por aumento de salários. (Assessoria de Imprensa da Faciap)

 

GETEC: Confira o boletim semanal da Coordenação de Relações Parlamentares do Sistema Ocepar

getec coordenacao parlamentar 28 01 2022A Coordenação de Relações Parlamentares do Sistema Ocepar, vinculada à Gerência de Desenvolvimento Técnico (Getec) e sob a responsabilidade da advogada Daniely Andressa da Silva, publicou, nesta sexta-feira (28/01), o Informe Semanal referente ao período de 24 a 28 de janeiro. O setor foi criado neste ano com o propósito de fazer o acompanhamento das matérias de interesse do cooperativismo em discussão tanto no Congresso Nacional como na Assembleia Legislativa do Paraná, das leis publicadas no âmbito do executivo (federal, estadual e municipal), além de outros temas vinculados às áreas de atuação das cooperativas do Paraná. Confira os destaques do boletim desta semana.

Lei Orçamentária Anual 2022 - O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou o projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2022 (PLN 19/2021), fixando as receitas e despesas do orçamento do governo federal. A lei, publicada no Diário Oficial da União (DOU), em 24 de janeiro, prevê o orçamento na ordem de R$ 89 bilhões, tendo sido vetados cerca de R$ 3,2 bilhões. O texto manteve a previsão de déficit primário de R$ 79,3 bilhões e fixou o valor total das despesas na ordem de R$ 4,73 trilhões, dos quais R$ 1,88 trilhão é destinado ao refinanciamento da dívida pública. Foram vetadas as emendas de comissão, que somavam R$ 1,36 bilhão e R$ 1,84 bilhão em despesas primárias discricionárias, incluindo recursos destinados ao Ministério da Agricultura de aproximadamente R$ 87,23 milhões.

Medidas de controle da Covid 19 em ambiente de trabalho - Os Ministérios do Trabalho, da Saúde e da Agricultura publicaram, nesta semana, as Portarias Interministeriais MTP/MS/Mapa nº 13/2022 e MTP/MS nº 14/2022, com medidas para prevenção, controle e mitigação dos riscos de transmissão do coronavírus em ambientes de trabalho. Dentre as orientações destaca-se a redução do tempo de licença de trabalhadores considerados casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 de 14 para 10 dias, com a possibilidade de redução do período de afastamento para 7 dias quando “estejam sem febre há 24 horas, sem o uso de medicamento antitérmico e com remissão dos sinais e sintomas respiratórios”. Em relação aos trabalhadores com mais de 60 anos, houve a flexibilização sobre o regime de trabalho (remoto ou presencial), a critério do empregador. Permanecem as medidas gerais de orientação aos empregados sobre os protocolos de prevenção ao contágio, a exemplo da constante higienização das mãos, uso de máscaras e distanciamento físico.

Nova Ferroeste - Na sexta-feira passada (21/01), foi publicada no DOU a aprovação, pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/Rima) da nova Ferroeste, para a extensão do trecho Maracaju (MS) – Paranaguá (PR) e do Ramal Foz do Iguaçu - Cascavel. Na sequência, como próxima etapa do processo de licenciamento ambiental, o Ibama deve promover audiências públicas para discutir o projeto de ampliação da ferrovia.

Clique aqui para conferir o Informe Semanal da Coordenação de Relações Parlamentares do Sistema Ocepar

 

INTERCOOPERAÇÃO: Gazeta do Povo destaca pioneirismo do PR na criação da Cooperativa Central de Tecnologia da Informação

midia 28 01 2022A primeira cooperativa central de tecnologia da informação do país, a UniTI, criada no final do ano passado por meio de uma iniciativa inédita do cooperativismo paranaense, é o tema de destaque da matéria de autoria da jornalista Elvira Fantin, intitulada “Com ‘agro automatizado’, Paraná ganha inédita cooperativa de tecnologia da informação”. A reportagem foi publicada nesta quinta-feira (27/01), no site do Jornal Gazeta do Povo, de Curitiba.

Visão estratégica - “Não se trata de uma união das áreas de TI das cooperativas, mas, sim, de uma visão estratégica de futuro, onde a Tecnologia de Informação é fundamental”, disse o superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), Leonardo Boesche, à repórter. Ele destacou ainda que essa foi uma forma das cooperativas unirem esforços com o propósito de avançar numa área que a todo momento apresenta novidades. “Tendo uma cooperativa central focada nisso podemos encontrar as melhores soluções”, disse.

Redução de custos - A jornalista também ouviu o superintendente administrativo e financeiro da Cocamar e presidente da UniTI, Alair Zago. “O primeiro grande objetivo é reduzir custos”, ressaltou ele. “As cooperativas investem muito em TI e essa área perde valor muito rapidamente porque a evolução é grande, são muitas inovações, fazendo com que individualmente as cooperativas tenham que fazer altos investimentos para se manterem atualizadas. Entendemos que juntas podem compartilhar serviços e tudo ficar mais acessível”, pontua. Na matéria, a repórter frisa que atualmente 21 cooperativas paranaenses formam a UniTI, mas a participação na Central é aberta a todas que tiverem interesse no Paraná. Clique aqui para conferir na íntegra.

 

COOPERATIVISMO: #AtoCooperativoNaPEC110

cooperativismo 28 01 2022Em discussão no Congresso Nacional, a proposta de Reforma Tributária (PEC 110/2019) deve ser votada nos próximos meses pelo Senado Federal. Entre outras medidas, um ponto importante é a inclusão da definição do ato cooperativo, a partir da emenda 8, garantindo assim, a correta aplicação da tributação ao reconhecer as especificidades do modelo de negócios cooperativista.

Pauta prioritária - A definição do ato cooperativo é uma das pautas prioritárias do setor, uma vez que, sem ela, há risco de uma dupla tributação, na cooperativa e no cooperado pelo mesmo fator, pelas atividades realizadas. O adequado tratamento tributário permite a fixação da incidência dos impostos sobre o cooperado, onde de fato ocorre a riqueza, e não nas cooperativas. Por isso, a inclusão da emenda 8 no texto pelo relator da proposta, o senador Roberto Rocha (PSDB-MA), é fundamental.

Reforma justa - Membro da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e um dos autores da emenda 8, o senador Esperidião Amin (PP-SC) considera que definir o ato cooperativo no texto da PEC é garantir uma reforma justa para as cooperativas brasileiras. “O que se busca é um regime democrático e sem diferenciação com as demais categoriais”, explica.

Segurança jurídica - Ainda segundo ele, a inclusão da definição do ato cooperativo na proposta também trará maior segurança jurídica ao setor e, consequentemente, um ambiente mais favorável ao incremento de serviços e negócios prestados. “As cooperativas são sociedades compostas por pessoas, sem intuito de lucro. Elas prestam serviços a seus associados e os excedentes financeiros também retornam a esses associados. Sendo assim, todo o proveito econômico ou sobra decorrente de sua eficiência operacional se fixa na figura do cooperado e, por isso, se torna injusta a tributação da cooperativa”.

Ideal - Para o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), signatário principal da proposta e vice-presidente da Frencoop, o sistema tributário ideal é aquele que preserva o equilíbrio, garante a competitividade e favorece o desenvolvimento do país. “Manter a neutralidade das cooperativas nas cadeias econômicas das quais participam é fundamental para que possam atuar no mercado em harmonia com os demais modelos de negócio existentes”, afirma.

Carga tributária - Segundo o parlamentar, “não é razoável que a reforma tributária, que busca simplificar a apuração e a arrecadação dos tributos, acabe por acarretar um aumento da carga tributária ou traga uma situação mais gravosa às cooperativas, ferindo o princípio da isonomia, indispensável entre contribuintes”.

Movimento - A definição do ato cooperativo na Constituição é uma das demandas mais antigas do setor cooperativista. Para mobilizar ainda mais os parlamentares e a sociedade em favor do pleito, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), em conjunto com a Frencoop, criou o movimento #atocooperativonapec110. A hashtag tem sido utilizada por instituições, cooperativas e cooperados, entre outros, para a publicação de conteúdo, comentários e interações que defendem a inclusão do dispositivo na Reforma Tributária, marcando, inclusive, os deputados e senadores para que se atentem para a importância da matéria.

Página - O movimento também conta com uma página na Internet com informações detalhadas sobre a necessidade e seriedade da medida e materiais que ajudam na mobilização nas redes sociais. A página está disponível em https://www.reformatributaria.coop.br. (OCB)

 

CASTROLANDA: Do Brasil para o mundo; cooperativa inicia 1º Fórum Internacional de Bovinos Leiteiros

castrolanda 28 01 2022Promover conhecimento para os produtores e colaboradores é uma das atribuições da Cooperativa Castrolanda. Na última quarta-feira (26/01), a Área de Negócios Leite deu início ao 1º Fórum Internacional de Bovinos Leiteiros – Do Brasil para o Mundo, evento com palestras ministradas por brasileiros renomados na pecuária leiteira internacional.

Aula inaugural - A aula inaugural do Fórum teve como tema os "Efeitos do teor e da digestibilidade de amido e fibra no comportamento alimentar e produção de vacas em lactação" e foi ministrada por Luiz Ferraretto, Professor Assistente e Extensionista em Nutrição de Ruminantes da Universidade de Wisconsin, e mediada pelo Gerente Executivo de Negócios Leite da Cooperativa, Eduardo Ribas, e pelo Consultor Técnico, Huibert Pieter Janssen. O palestrante é Zootecnista formado pela Unesp e Mestre e Doutor em Nutrição de Vacas Leiteiras pela Universidade de Wisconsin, e tem Pós-Doutorado no Instituto William H .Miner.

Perguntas - Além de assistirem à apresentação pelo canal da Castrolanda no Youtube, os produtores, técnicos e estudantes também puderam enviar perguntas ao palestrante. Os demais encontros acontecerão sempre na última semana de cada mês e tratarão de temas da bovinocultura de leite, como manejo, nutrição, criação de bezerras e novilhas, período de transição, uso de aditivos, análise de dados nas fazendas e modelos de reprodução.

Objetivo - Eduardo Ribas conta que o objetivo do Fórum é reunir técnicos brasileiros que são referência no mundo para trazer mais conhecimento aos produtores. “É extraordinário ver brasileiros reconhecidos na Holanda, Canadá, nos Estados Unidos, em grandes universidades. E não só fora do país, como aqui no Brasil também. O Fórum surgiu da ideia de colocar todos esses profissionais juntos: nossos excepcionais profissionais que estão no Brasil e os que estão fora trazendo todo esse conhecimento para nós”.

Conhecimento - Para Huibert Pieter Janssen, a expectativa é que os participantes possam colocar em prática o conhecimento adquirido nas palestras. “Essa primeira apresentação, assim como as demais, está relacionada com o que fazemos aqui e esperamos que nossos produtores e todos que participarem possam aplicar nas propriedades”.

Inscrições - As inscrições para participar das próximas etapas do Fórum podem ser feitas com a Assistência Técnica da Área de Negócios Leite da Castrolanda ou pelo link (https://bit.ly/convite-forum-leite). O investimento é de R$ 1.500 para todas as palestras. Cooperados tem 50% de subsídio (R$ 750) e, em caso de mais de inscrição na mesma matrícula, o valor sai R$ 500 por inscrito.

Palestrantes confirmados- Confira os palestrantes confirmados:

Luiz Ferraretto - Universidade de Wisconsin-EUA

Aula inaugural – 26/01: Efeitos do teor e da digestibilidade de amido e fibra no comportamento alimentar e produção de vacas em lactação

 

Ricardo Rodrigues – Dairy Nutritionist, Provimi-EUA/Cargill Animal Nutrition

23/02: Período de transição

 

João H. C. Costa – Universidade de Kentucky-EUA

30/03: Criação de bezerras e novilhas

 

Claudio Ribeiro – Dairy & Beef Nutritionist, Western Milling, Califórnia-EUA

27/04:Alimentação para vacas de alto desempenho/Gestão de dieta

 

Davi Araújo – Global Trace Mineral Program Manager - Europe, Middle-East & Africa ,Trouw Nutrition- The Netherlands

25/05:Uso de aditivos: qual a importância?

 

Jonas Souza – Universidade de Perdue-EUA

29/06: Manejo nutricional visando aumen:to de produção de sólidos do leite

 

Veridiana Souza – Dairy Nutitionist, Senior Research Scientest / Dairy Nutrition and Modeling- Missouri, EUA.

27/07Análise de dados de fazendas

 

Ricardo Chebel – Universidade da Flórida-EUA

Modelo de reprodução americano

 

Ronaldo Cerri – Universidade British Columbia-Canadá

Modelo de reprodução canadense

 

José Eduardo Portela Santos - Universidade da Flórida-EUA

(tema a definir)

Em breve, também serão divulgados novos profissionais para as palestras do Fórum.

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo.

Unidades - Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata. O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

 

COOPAVEL I: Show Rural apresenta Metaverso em experiência inédita para o agro

coopavel I 28 01 2022O Show Rural Coopavel vai ser um dos primeiros eventos técnicos presenciais do agronegócio no mundo a apresentar a tecnologia Metaverso aos seus visitantes. A novidade vai ser mostrada no Show Rural Digital, que em um espaço de 8,7 mil metros quadrados reunirá algumas das mais inovadoras empresas digitais que mudam a forma como as pessoas vivem e como as empresas e os agropecuaristas empreendem na atualidade.

Cabine - “Estamos construindo uma cabine que permitirá ao visitante ter a experiência de estar abordo de um pulverizador em plena atividade no campo”, diz o coordenador do Show Rural Digital, José Rodrigues da Costa Neto. “Tenho certeza de que todos que participarem terão uma experiência incrível, com o melhor de uma tecnologia que trará impactos profundos na sociedade”, conforme Neto. Os interessados deverão fazer cadastro e aguardar a vez para acessar a estrutura, tudo observando regras sanitárias.

Tecnologia - O Metaverso existe há algum tempo, mas tem sido fortemente popularizado há cerca de dois anos. A exemplo de outras, essa tecnologia será empregada nos mais diferentes setores do agronegócio, melhorando ainda mais o desempenho dessa cadeia produtiva. Neto explica que o conceito une o melhor da realidade virtual e da realidade aumentada, permitindo que as pessoas, com a utilização de óculos especiais, mesmo que virtualmente, sintam-se inseridas em um determinado ambiente e a todas as sensações ali presentes.

Dispositivos especiais - O uso de dispositivos especiais permite ingressar em ambientes virtuais 3D. “Ao entrar, você estará em uma espécie de realidade paralela que simula o mundo físico. Nesse espaço é possível interagir com outros usuários a partir de avatares – representação gráfica da pessoa”, explica Neto.

Atrações - O Show Rural Digital terá inúmeras outras atrações, como experiência 5G e realização de hackathon, Fórum de TI das Cooperativas, Boot Camp, demonstrações de drones e rovers, além de palestras e encontros de investidores com startups. O Show Rural Coopavel será em Cascavel, no Oeste do Paraná, de 7 a 11 de fevereiro. Todas as normas sanitárias vão ser observadas no local. O acesso ao parque e ao estacionamento é gratuito. (Imprensa Coopavel)

 

COOPAVEL II: Dilvo fala do Show Rural em retomada de reuniões da Acic

coopavel II 28 01 2022O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, foi o convidado especial da primeira reunião de diretoria da Acic do calendário de 2022, na última quarta-feira (26/01). Ele deu informações detalhadas do Show Rural Coopavel, que chega à sua 34ª edição de 7 a 11 de fevereiro.

Dificuldades e desafios - Dilvo falou das dificuldades e desafios de realizar um evento dessa envergadura. Em 2020, o Show Rural e a Expo-Direto, de Não-Me-Toque, interior do Rio Grande do Sul, foram as únicas duas feiras de disseminação de tecnologias realizadas no País – as outras todas foram canceladas. Em 2021, o Show Rural foi on-0line e agora, em 2022, ele abre novamente o calendário oficial dos grandes eventos nacionais do agronegócio.

Cuidados - “Vamos observar todos os cuidados e orientações sanitárias para garantir a segurança dos visitantes. E posso garantir que essa será a melhor das edições já realizadas”, afirmou Dilvo, ao mostrar fotografias dos preparativos no parque – mais de 70% do cronograma da montagem já foram cumpridos. “Teremos um evento menor que o de fevereiro de 2020, quando mais de 298 mil pessoas passaram pelo parque em apenas cinco dias. Mesmo assim, teremos mais de 400 expositores, dos mais diferentes setores e empresas líderes em seus segmentos de atuação presentes”.

Atrações - As novidades da 34ª edição são muitas, como as inaugurações de um hub de inovação para o agronegócio, de um centro de tecnologia para a avicultura e de um pavilhão para a agroindústria familiar. Em parceria com a Ovinopar e a Arco, associações que representam criadores do Paraná e do Brasil, o Show Rural Coopavel terá pela primeira vez a participação de ovinos de dez raças. “A expectativa com a pecuária é grande, principalmente em função do momento que o segmento experimenta”, conforme Dilvo.

Homenagem - O presidente da Coopavel destacou ainda a homenagem que o Show Rural recebeu de 20 entidades patronais e do poder público de Cascavel, na noite da última segunda-feira. “Eles reconheceram a importância de um evento transformador, que foca no trabalho, na tecnologia e em dias melhores a todos”. Dilvo fez menção também a um número importante, de que somente neste ano serão injetados pelo evento R$ 100 milhões nos mais diferentes setores da economia de Cascavel, de cidades vizinhas e de toda região.

Orgulho - “O Show Rural é um grande orgulho para nós todos e estamos muito felizes em ser parceiros e em participar ativamente do evento”, disse o presidente da Associação Comercial e Industrial de Cascavel, Genesio Pegoraro. Neste ano, a Acic vai cumprir uma agenda especial de compromissos durante a mostra de tecnologia. A aceleradora da entidade, a AcicLabs, é uma das parceiras na realização do hackathon, um dos principais eventos do Show Rural Digital. (Imprensa Coopavel)

 

COCAMAR I: Cooperativa promove AGO no dia 3 de fevereiro

cocamar I 28 01 2022Para o cumprimento de uma extensa pauta, entre as quais a prestação de contas do exercício 2021, a Cocamar Cooperativa Agroindustrial promove Assembleia Geral Ordinária às 10h do dia 3 de fevereiro, nas dependências do Lebloc Eventos e Buffet, situado na Av. Colombo 10.634, Jardim Olímpico, em Maringá. Na quinta-feira (27/01), foi realizada pré-assembleia em formato digital, acompanhada por cooperados em todas as regiões de atuação da cooperativa.

Transmissão - A AGO será presencial, mas também com transmissão ao vivo pelo canal da Cocamar no Youtube (veja abaixo).

Comprovante - Segundo a cooperativa, em atendimento ao que estabelece o decreto emitido pela Prefeitura do município, os participantes devem apresentar a apresentação de comprovante de vacinação contra a Covid-19.

Cuidados - Da mesma forma, será disponibilizado álcool em pontos estratégicos para higienização das mãos e observado distanciamento entre os participantes.

Serviço - www.cocamar.com.br/reuniao. (Imprensa Cocamar)

 

COCAMAR II: Rally visita municípios com safra praticamente normal no Paraná

Semear a soja mais cedo, ainda em setembro, não foi uma boa estratégia. Em todas as regiões onde isso aconteceu, no Paraná, as perdas foram consideráveis devido ao longo período de exposição à seca e às altas temperaturas.

Baque - Em grande parte das regiões mais tradicionais da Cocamar, nas imediações de Maringá e no noroeste do estado, o baque está consolidado e, segundo a cooperativa, a quebra de produtividade pode chegar a 60% em relação às previsões iniciais.

Cenário - Mais para o norte paranaense, no entanto, onde se semeia um pouco mais tarde, o cenário é completamente diferente, como o Rally Cocamar de Produtividade já mostrou na última semana, após visitar os municípios de Nova Fátima, Santo Antônio do Paraíso e São Sebastião da Amoreira: os produtores não só falam em uma safra normal, como esperam altas médias. O mesmo se pode dizer de algumas importantes regiões do município de Cambé, como o Caramuru, onde as lavouras são de encher os olhos.

Soja e milho - Acompanhado do gerente técnico Rafael Furlanetto e do técnico da unidade da Cocamar em Cambé, Osmar Buratto, o Rally passou pelo município na terça-feira (25) e a primeira parada foi na propriedade da família do produtor Osmar Tavanti. Ele e seus três filhos cultivam 245 alqueires de soja (539 hectares) e 32 de milho (77,4 hectares), parte dos quais no Caramuru, em São Luiz (município de Londrina) e Tamarana.

Expectativas - A semeadura começou em 20/9 e se estendeu até 5/11. “Aqui no Caramuru tivemos 22 dias de estiagem, mas a soja aguentou bem”, disse Osmar, que projeta colher uma média de 140 sacas por alqueire de soja (57,8/hectare) e 400 de milho (165,2/hectare). “Normalmente, quando o tempo não atrapalha, a média da soja é de 170 sacas por alqueire (70,2/hectare). No ano passado, foi de 166 (68,5/hectare)”, detalha o produtor.

Escaparam - Os Tavanti investem em adubação diferenciada e não descuidam dos tratos culturais. E estão entre os poucos que conseguiram produzir na última safra de inverno, semeada ainda em fevereiro. Eles colheram a média de 180 sacas de milho por alqueire (74,3/hectare). “Quando as geadas chegaram, as lavouras estavam salvas”, comentou. Animados, eles investiram na compra de duas plantadeiras John Deere para reforçar o parque de máquinas, que esperam receber em breve.

Alto potencial - Num giro pelo Caramuru, as lavouras dos produtores Pablo Mologni, Cláudio Peruzzi, Wilson Rhuss e Luiz Carlos Maquera, atendidos pelo técnico Osmar Buratto, exibem alto potencial produtivo, praticamente dentro das médias dos últimos anos. Segundo Buratto, no município de Cambé como um todo, 20% das lavouras se encontram em fase de maturação, 65% em granação e 15% ainda em floração.

Há perdas- Em outra parte do município, como na saída para Bela Vista do Paraíso, a cultura foi bastante afetada pela falta de chuvas e os danos são grandes. As primeiras colheitas nessa região tiveram médias de 50 a 100 sacas por alqueire (20,6 a 41,3/hectare).

Bom desenvolvimento - Na vizinha Rolândia, há também lavouras em excelentes condições, como as conduzidas pelo produtor Sérgio Viúdes, morador em Cambé e que é atendido pelo técnico Marcos Zorzenon Alteia, da Cocamar. Ele cultiva 38 alqueires (91,9 hectares), distribuídos por três lotes que ficam na Estrada São Pedro, Barra Grande e Estrada São Rafael.

Confiante - Investimos bastante na correção do solo com calcário e vamos iniciar agora, na próxima safra, a aplicação de gesso. A lavoura recebe boro, também, até a fase de floração, com bons resultados”, disse Viúdes, confiante em uma produtividade entre 140 e 150 sacas por alqueire (57,8 a 61,9/hectare). Isto é, se o tempo não atrapalhar.

Sobre o Rally - Em sua sétima edição consecutiva, o Rally Cocamar de Produtividade conta com o patrocínio das seguintes empresas: Basf, Fairfax do Brasil – Seguros Corporativos, Fertilizantes Viridian, Zacarias Chevrolet e Sicredi União PR/SP (principais), Cocamar Máquinas, Lubrificantes Texaco, Estratégia Ambiental e Irrigação Cocamar (institucionais), com apoio da Aprosoja/PR, Cesb e Unicampo. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2022/noticias/01/28/cocamar_II/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS: Cooperativa firma parceria com Ituano Futebol Clube

sicredi fronteiras 28 01 2022No início de janeiro, a Cooperativa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP assinou um contrato de parceria com o Ituano FC. O Ituano Futebol Clube, é da cidade de Itu, interior do estado de São Paulo. Foi fundado em 24 de maio de 1947 e desde então vem colecionando vários títulos e vitórias.

Objetivo - Esta parceria, de acordo com o Davi Stucchi, Gerente de Negócios da Cooperativa e gestor da carteira do Ituano, vem ao encontro do grande objetivo da Sicredi Fronteiras que é fazermos juntos. “O futebol é um esporte colaborativo, e ao trabalhar em uma rede de cooperação, se consegue grandes resultados. Ficamos muito felizes em firmar esta parceria, que com certeza será muito proveitosa para o crescimento da nossa instituição e do Ituano FC”, comenta Stucchi.

Novo uniforme - A estreia do novo uniforme do Ituano, que agora também estampa a marca Sicredi, ocorreu na quarta-feira (26/01), em uma acirrada disputa contra um adversário que não vencia há quase 4 anos. O Ituano estreou no Campeonato Paulista com vitória incontestável por 2×0 contra o Novorizontino.

Relacionamento forte - De acordo com Paulo Silvestri, Gestor do Ituano FC, o Clube já possui um relacionamento muito forte com o Sicredi, em especial com a Cooperativa Sicredi Fronteiras. “Ficamos muito felizes em poder carregar a poderosa marca do Sicredi em nossa camisa. Conhecemos a seriedade da organização, o poder e o alcance dessa marca. Agora, juntos, Ituano e Sicredi com certeza será uma parceria vencedora em 2022. Bem-vinda Sicredi Fronteiras”.

Campeonato Paulista - O Paulistão 2022 começou no domingo, 23 com a promessa de grandes jogos pelo título. E, pelo quarto ano consecutivo, o Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 5,5 milhões de associados em todo o país, segue como "title sponsor” do torneio estadual mais importante do país, se tornando o Paulistão Sicredi 2022. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

 

SECA I: Com estiagem, previsão de safra da Agricultura aponta redução de 39% no potencial da soja

seca I 28 01 2022O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, fechou janeiro com projeção de redução em 39% na produção de soja no Estado para a safra 2021/22, em relação ao potencial. A primeira Previsão de Safra Subjetiva (PSS) deste ano, apresentada nesta quinta-feira (27/01) pelos técnicos do órgão, aponta também que, no caso do milho de primeira safra, as perdas estão em 36%, enquanto o feijão terá 31% a menos na produção em relação à projeção.

Conjunturas - Por se tratar de commodity, esses produtos dependem de várias conjunturas, inclusive oscilações decorrentes de produção internacional, mas as perdas monetárias para os produtores paranaenses devem se posicionar entre R$ 25 bilhões e R$ 30 bilhões. No Estado, o maior impacto para a redução de produção e perda de renda é essencialmente o climático, com a estiagem forte iniciada em 2019, aliada ao calor intenso tanto no ambiente quanto no solo.

Efeito negativo- “Conforme vínhamos nos posicionando desde final de dezembro, há um efeito negativo intenso na produção agrícola, nós perdemos muita produção com essa estiagem prolongada, essa escassez hídrica, essas altas temperaturas no ambiente, no solo, provocaram perdas de elevada monta em culturas como soja, milho, feijão, tabaco, produção de silagem para alimentação de gado de leite, produção de hortaliças, de frutas, pastagens, enfim, toda forma de vegetação sofreu e sofre”, disse o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

Impacto - “Embora não tenhamos fechado todos os dados e todo tipo de perda, esse impacto está entre R$ 25 e R$ 30 bilhões, de coisas que não estão sendo produzidas”, afirmou Ortigara. “É um quadro realista, de perda, que provoca impacto, traz desconforto, desarticulação da cadeia de renda do agricultor, mas estamos trabalhando junto com o governo federal para minimamente socorrer, apoiar, incentivar os nossos agricultores nas suas necessidades para que continuem produzindo”.

Redução significativa - Para o chefe do Departamento de Economia Rural, Salatiel Turra, a estimativa divulgada pelo departamento destaca uma redução bastante significativa das culturas de soja, milho e feijão. “Principalmente a soja, que corresponde a mais de 90% da área plantada de grãos no Estado do Paraná”, salientou. “Qualquer redução de produção impacta diretamente na economia local e regional, pois o Paraná é um Estado bastante ligado ao agronegócio”.

Soja - Os números do relatório mensal do Deral não diferem muito dos dados levantados em meados de janeiro e entregues à ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, quando da visita a Cascavel, no Oeste. Até o momento, há perda de mais de 8 milhões de toneladas de soja, ou 39% do previsto inicialmente, que era de pouco mais de 21 milhões de toneladas. A produção estimada atualmente é de 12,8 milhões de toneladas.

Perda - Se o comparativo for feito com a produção de 19,8 milhões de toneladas conseguida na safra 2020/21, os sojicultores paranaenses devem ter redução de 35%. Com uma área estimada em 5,6 milhões de hectares, o rendimento deve cair de 3.543 quilos por hectare, no ciclo anterior, para 2.274 quilos por hectare na atual safra.

Colheita - No campo, a colheita de milho vem ganhando bom ritmo e atingiu 8% da área plantada. “Historicamente, não é comum este nível de colheita em janeiro, porém, devido às condições favoráveis no campo, o produtor avança com o trabalho tendo em vista o planejamento de plantio para a segunda safra de milho”, disse o analista do Deral, Edmar Gervásio.

Milho - O cenário climático adverso também provocou perdas irreversíveis para os produtores de milho da primeira safra. Em relação ao potencial produtivo de 4,3 milhões de toneladas, que tinha sido previsto, a baixa já ultrapassa 1,6 milhão de toneladas (36% a menos). Com isso, o campo deve render, de acordo com os dados atuais, 2,7 milhões de toneladas. Isso representa redução de 13% em relação ao produzido na safra 2020/21.

Valor - “Em termos financeiros, a preços de hoje, o campo deixa de movimentar aproximadamente R$ 2,3 bilhões com esse cereal”, afirmou Gervásio. Neste momento, a colheita chegou a 8% da área estimada de 437,5 mil hectares. Nas lavouras espalhadas pelo Estado, 38% da área estão em boas condições, o mesmo percentual é considerado em situação mediana e 24% estão em posição desfavorável.

Produtividade - A estiagem refletiu também na produtividade do milho. A previsão é que na atual safra sejam colhidos 6.232 quilos por hectare. No ciclo de 2020/21, foram 8.372 quilos por hectare. Como a colheita da soja avança de forma mais acelerada que o habitual, o plantio de milho segunda safra também está adiantado. Nesta semana foram plantados 5% da área total estimada em 2,6 milhões de hectares, com expectativa de se colher 15,2 milhões de toneladas.

Feijão - Os produtores de feijão da primeira safra paranaense tinham a esperança de colher 275.795 toneladas, um pouco superior ao que foi colhido em 2020/21 (257 mil toneladas), mas ainda inferior a 2019/20 (316,2 mil toneladas). No entanto, a cultura foi severamente atingida pelas adversidades climáticas e deve ficar em 190,4 mil toneladas. O volume é 31% menor que o potencial e 26% abaixo do produzido no ciclo anterior. Isso resulta em queda de rendimento. Enquanto na safra 2020/21 foi de 1.697 quilos por hectare, agora é de 1.350 quilos.

Favorável - Os produtores já colheram pelo menos 83% da área de 139,5 mil hectares. “O clima até o momento é favorável à colheita, o que de certa forma contribui na obtenção de um produto de boa qualidade”, disse o economista do Deral Methodio Groxko. Em função da menor oferta neste início de ano, os preços ao produtor aumentaram. Nos últimos 20 dias, eles saíram de R$ 240 a saca de 60 quilos e passaram à faixa de R$ 280 a R$ 300.

Segunda safra - Para a segunda safra do feijão, a expectativa é de colheita de 519.567 toneladas em 263.344 hectares. Apesar de redução de 3,3% na área, os produtores esperam colher até 82% a mais em relação à safra 2020/21, quando retiraram 286 mil toneladas da terra. “Em 2021, a segunda safra sofreu uma significativa redução, devido às condições climáticas desfavoráveis, como a seca e, na sequência, as geadas”, lembrou Groxko.

Boletim semanal - Nesta quinta-feira, o Deral também divulgou o Boletim de Conjuntura Agropecuária, referente à semana de 21 a 27 de janeiro. Além de discorrer sobre as três principais culturas a campo nesta safra, ele fala da comercialização do trigo, que chegou a 88% das 3,2 milhões de toneladas colhidas no Estado. O volume é superior ao registro na safra anterior para este mesmo período. Um dos elementos que contribui para esse rápido escoamento é a boa qualidade do produto.

Cafeicultura - O documento também trata da cafeicultura, registrando a estimativa de produção de apenas 567 mil sacas de café na safra 2022. A redução é de 35,6% em comparação com as 880 mil sacas de 2021. As intempéries climáticas, principalmente as fortes geadas, levaram muitos cafeicultores a erradicar ou podar as lavouras. Essa condição e a prolongada estiagem impactaram severamente no potencial produtivo do café.

Mais itens - O boletim apresenta, ainda, um balanço da comercialização de hortaliças, frutas, plantas, forragens e flores, além de granjeiros, grãos, cereais e produtos atípicos, durante 2021, nas cinco unidades da Ceasa no Paraná. Também é mostrado um panorama da exportação brasileira de mel e de ovos durante o ano passado, além de uma análise da produção e das perspectivas para a avicultura de corte. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

SECA II: BRDE busca iniciativas para reduzir impacto econômico da estiagem no Sul

seca II 28 01 2022O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) busca iniciativas e estuda soluções, a fim de reduzir os impactos da severa estiagem da Região Sul do País. Diante desse quadro que afeta diretamente a produção agrícola, a diretoria do banco está em comunicação com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e outros agentes setoriais e governamentais, em demonstração e apoio para estratégias conjuntas e suporte nesse momento, além de diagnósticos e monitoramento da situação nas regiões mais atingidas com a seca.

Levantamento - De acordo com levantamento dos governos dos três estados, 295 municípios estão em estado de emergência ou calamidade pública e outros 178 estão ameaçados de entrar nesse perfil. A falta de chuvas atinge drasticamente o setor agrícola e os produtores rurais, o que afeta a contribuição do setor primário ao PIB da Região Sul do país.

Deral - Um relatório do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, estima prejuízo prévio de R$ 25,6 bilhões na safra de grãos do Paraná em 2021/22, em razão da estiagem que atinge o Estado de forma severa desde 2019.

Emergência hídrica - O Estado já decretou situação de emergência hídrica, o que permite que os agricultores negociem com os fornecedores, seguradoras e instituições financeiras. No final do ano passado, o Estado também entregou caminhões-pipa aos municípios para ajudar no fornecimento de água e irrigação das lavouras, além de contar com programas para a proteção de nascentes e microbacias. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Jaelson Lucas / Arquivo AEN

 

GESTÃO DE RISCOS: Comissão Especial de Recursos do Proagro analisa 150 processos de produtores rurais e divulga resultados

gestao riscos 28 01 2022A Comissão Especial de Recursos do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (CER-Proagro) julgou 150 processos de produtores rurais, analisados durante as sessões virtuais realizadas entre os dias 17 e 31 de dezembro. A ata e as decisões da 14ª sessão de 2021 da Comissão foram publicadas no Diário Oficial da União de quarta-feira (26/01).

Garantia - O Proagro garante ao produtor rural recursos financeiros para quitar dívidas adquiridas junto ao banco (crédito de custeio agrícola), caso ocorra perda na lavoura. A comissão especial do programa é responsável por analisar e julgar recursos administrativos apresentados por produtores rurais que recorrem da decisão do agente financeiro quanto ao pagamento de indenizações.

Programas - Foram julgados 112 processos referentes ao Proagro Mais, ou seja, de agricultores beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), e 38 referentes ao Proagro Tradicional, que atende aos agricultores do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp).

Acolhimento - Do total de processos julgados, 69% resultaram no acolhimento de recurso favorável ao produtor. Outros 31% tiveram o pedido indeferido. Dentre os principais motivos que resultaram no indeferimento dos processos está a emissão de notas fiscais em nome de terceiros. Por isso, o produtor rural precisa ficar atento no momento da aquisição de insumos. A nota fiscal precisa ser emitida em nome do beneficiário do Proagro.

Zarc - Além disso, é necessário que o produtor siga as recomendações do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), como, por exemplo, os períodos de plantio, para que tenha direito à indenização do Proagro em caso de adversidades climáticas que afetem a produção.

Vigência - O mutuário deve, ainda, ficar atento à vigência do Proagro, pois muitos indeferimentos de cobertura acontecem por Comunicação de Perdas – COP intempestiva, ou seja, quando ocorrer o evento causador das perdas é preciso comunicar imediatamente ao agente financeiro com o qual foi tomado o custeio. O produtor não deve iniciar a colheita antes da visita do perito, para que assim possa comprovar as perdas.

Eventos - Os eventos amparados pelo Proagro são: chuva excessiva, geada, granizo, seca, variação excessiva de temperatura, ventos fortes e ventos frios, além de doenças ou pragas sem método difundido de combate.

>> Clique aqui para consultar a ata e o resultado da 14ª sessão da CER-Proagro

Resultados - Em 2021, a Comissão Especial de Recursos do Proagro (CER-Proagro) realizou um total de 14 sessões, durante as quais foram julgados 2.323 recursos de produtores rurais, sendo 1.920 referentes ao Proagro Mais e 403 ao Proagro Tradicional. Em todo o ano, foram acolhidos 58,29% dos processos julgados. Outros 38% tiveram os pedidos indeferidos.

Avaliação - “A CER- Proagro avalia cada recurso com base em documentos, como notas fiscais, análises técnicas e laudos periciais, julga administrativamente a divergência entre o produtor e a instituição financeira. Após a análise realizada por técnicos do Mapa, os recursos são julgados por um colegiado composto por representantes do Ministério da Agricultura, Banco Central e Ministério da Economia. Os resultados das decisões são publicados na Seção 1 do Diário Oficial da União”, destaca o presidente suplente da Comissão e coordenador de Controle e Análise da CER-Proagro, Erni Cristiano Germendorff. (Mapa)

>> Clique aqui para saber mais sobre a CER-Proagro

FOTO: Guilherme Martimon / Mapa

 

INFRAESTRUTURA: Com investimentos de R$ 1,1 bilhão, Estado vai entregar 250 km de obras rodoviárias em 2022

infraestrutura 28 01 2022O Governo do Paraná prevê entregar 250 quilômetros de obras rodoviárias em 2022, com a conclusão de 26 projetos em diversas regiões. Ao todo, os investimentos somam R$ 1,1 bilhão e vêm de diversas fontes, incluindo valores do Tesouro do Estado, do programa Avança Paraná, que conta com recursos financiados pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal, e do financiamento com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além da parceria com a Itaipu Binacional e o governo federal.

Pacote - O pacote de obras executado pelo Departamento de Rodagens do Paraná (DER/PR) e que será finalizado neste ano inclui 45 quilômetros de rodovias estaduais, a implantação de 54 quilômetro de terceiras faixas, contornos rodoviários, revitalização e readequação de trechos perigosos nas estradas, além da construção de viadutos, pontes e trincheiras. Centenas de outras obras de conservação, manutenção, duplicação e pavimentação em todo o Estado seguem em andamento e não entraram nesse levantamento porque são rotineiras ou serão entregues a partir de 2023.

Planejamento - “Graças a um planejamento que fizemos na alocação de recursos e na elaboração de projetos, o Paraná inteiro está em obras”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Assumimos o compromisso de resolver gargalos logísticos que perduravam há muito tempo. Com a conclusão dessas obras, melhoramos a trafegabilidade e escoamento da rica produção paranaense e trazemos mais segurança aos motoristas”.

Volume expressivo - Para o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, o Estado conta hoje com um dos maiores projetos de infraestrutura do País. “Temos um volume expressivo de obras, que inclui a recuperação de rodovias importantes, temos projetos históricos que eram aguardados há décadas e que atendem todas as regiões”, diz. “Estamos com o cronograma em dia e, em alguns casos, antecipando a entrega para que a população possa usufruir o quanto antes”.

Emblemáticas - Somando os recursos próprios e financiados pelo Governo do Estado, cerca de R$ 634 milhões estão sendo investidos para tirar obras emblemáticas do papel, que há muito tempo eram esperadas pelos paranaenses. Uma das principais é a revitalização da PRC-280, na região Sudoeste, a primeira rodovia estadual que terá pavimento de concreto, com aplicação da técnica chamada de whitetopping.

PR-323 - Na região Noroeste, a continuidade das obras de duplicação da PR-323 garante mais segurança aos motoristas. Principal artéria rodoviária da região, a rodovia é um dos principais acessos do Paraná com o Mato Grosso e o Paraguai e é um dos maiores gargalos logísticos do Estado.

Intervenções - Para resolver esse problema, as intervenções acontecem ao longo de três trechos, que somam 31,5 quilômetros. O primeiro é entre Paiçandu e Doutor Camargo, depois entre Doutor Camargo e o Rio Ivaí e a última no perímetro urbano de Umuarama, no Trevo do Gauchão. Também estão sendo implantados 23,9 quilômetros de terceiras faixas entre Doutor Camargo e Iporã.

Itaipu - Da parceria com a Itaipu são mais R$ 453,4 milhões, que viabilizam a construção da Ponte de Integração Brasil-Paraguai, a segunda sobre o Rio Paraná em Foz do Iguaçu; a duplicação de um trecho da BR-277, em Cascavel; e a pavimentação de 47 quilômetros da histórica Estrada da Boiadeira, entre Icaraíma e Umuarama, no Noroeste.

Regiões - Confira abaixo as obras de cada região que serão finalizadas em 2022:

SUDOESTE

PRC-280 - Principal corredor de escoamento do Sudoeste, quase 60 quilômetros da PRC-280 estão sendo modernizados, melhorando a segurança e a capacidade de transporte de cargas. Estão sendo aplicados R$ 107,4 milhões, com recursos do Avança Paraná, o maior investimento do Governo do Estado na área rodoviária. É também rodovia estadual a receber restauração em concreto com a técnica conhecida como whitetopping, que tem maior durabilidade. A restauração vai desde o entroncamento com a BR-153 até o acesso a Palmas.

Terceiras faixas - Além da pavimentação, o Governo do Estado está implantando 12,4 quilômetros de terceiras faixas na PRC-280, investimento de R$ 26,8 milhões financiado pelo BID. O aumento de capacidade da via acontece em duas frentes: da divisa do Paraná com Santa Catarina, em União da Vitória, até o entroncamento com a BR-153; e deste trecho até o entroncamento com a BR-280, em Marmeleiro.

PR-562 - Para trazer mais segurança a quem transita pela PR-562, o DER/PR deve entregar neste ano a correção das curvas acentuadas da rodovia. O trecho conhecido como Curva da Serra São Braz, que faz a ligação entre o município de Coronel Vivida ao distrito de Vista Alegre, terá o traçado adequado, com implantação de faixa adicional. O investimento é de quase R4 6 milhões e abrange 3,6 quilômetros de estradas sinuosas e com pouca visibilidade.

Contorno Noroeste - Também será concluído neste ano a implantação do Contorno Noroeste de Francisco Beltrão, na conexão entre a PR-180 e a PR-483. São 5,3 quilômetros de extensão e investimento de R$ 31,4 milhões do Tesouro do Estado. O novo eixo de ligação facilita o trânsito regional e retira o tráfego de veículos pesados, inclusive de cargas vivas, das vias urbanas da cidade.

Especiais - Além da obra rodoviária, também estão previstas a entrega de três obras de arte especiais no Contorno Noroeste de Francisco Beltrão. Elas somam R$ 4,7 milhões de investimentos do Tesouro do Estado. Isso inclui a construção de uma ponte sobre o rio Santa Rosa e de duas trincheiras, uma na antiga Estrada do Picadão e outra na interseção com a rodovia PR-483.

OESTE

Ponte de Integração - Uma das principais obras em execução no Paraná, que será entregue em 2022, é a construção da Ponte de Integração Brasil-Paraguai, em Foz do Iguaçu. O serviço é coordenado pelo Governo do Estado, com investimento aproximado de R$ 233,4 milhões da Itaipu. São 760 metros de comprimento e um vão-livre de 470 metros, o maior da América Latina. A ponte contará com duas pistas simples com 3,6 metros de largura, acostamento de três metros e calçada de 1,7 metro nas laterais.

BR-277 - Além da Ponte de Integração, Governo do Estado, Itaipu e governo federal trabalham em conjunto na implantação da perimetral leste de Foz do Iguaçu, que faz a integração com a BR-277. O projeto prevê um contorno do perímetro urbano de Foz do Iguaçu partindo da nova ponte, em uma extensão de 15 quilômetros. Serão seis interseções em desnível: Av. General Meira, acesso à Ponte Tancredo Neves, Avenida das Cataratas (BR-469), Av. Felipe Wandscheer, Av. República Argentina e BR-277. O investimento é de R$ 48 milhões.

Curva do Boi - O DER/PR também vai tirar do papel neste ano a adequação da Curva do Boi, na PR-484, entre Boa Vista da Aparecida e Alto Alegre do Iguaçu. Estão previstas obras de alteração de traçado para melhorar as condições de segurança na via, com aplicação de R$ 1,9 milhão, via financiamento do BID.

Trincheira - Cerca de R$ 9,4 milhões estão sendo aplicados na construção de uma trincheira na BR-277, em Santa Terezinha do Itaipu, que inclui também a construção de uma nova via marginal do lado esquerdo da rodovia. A obra é executada no km 709, na altura da Avenida das Orquídeas. Já a nova marginal irá conectar a Rua 3 de Maio e a Rua Flávio Dal Bó, com mais de um quilômetro de extensão.

Contorno Leste - Também com recursos do Tesouro, o Estado investe R$ 5,3 milhões na construção de duas pontes que integram o conjunto de obras do Contorno Leste de Palotina. Ambas serão entregues neste ano, a primeira tem 66,3 metros e fica sobre o rio Santa Fé e outra mede 46,5 metros e atravessa o rio Pioneiro.

NOROESTE

PR-323 - Os três trechos de duplicação da PR-323, na região Noroeste, serão finalizados neste ano. O primeiro deles é um de 20,7 quilômetros, entre Paiçandu e Doutor Camargo, continuação da primeira parte da obra, entregue em fevereiro do ano passado. O investimento é de R$ 90,7 milhões, fruto da parceria com o BID.

Continuidade - Outra frente de obra da PR-323 dá continuidade ao último trecho duplicado, seguindo de Doutor Camargo até o encontro com o Rio Ivaí. A extensão, nesta parte, é de 6,3 quilômetros e o investimento é de cerca de R$ 38,3 milhões, também financiado pelo BID.

Perímetro urbano - O terceiro trecho de duplicação da rodovia compreende o perímetro urbano de Umuarama e recebe investimento de R$ 59,3 milhões. A obra no chamado Trevo Gauchão inclui a construção de duas interseções em nível e a duplicação de um trecho de 4,5 quilômetros da PR-323, no entroncamento com a PR-468, que dá acesso a Mariluz.

Terceiras faixas - Em trechos da PR-323 que não contarão com pistas duplas, o Governo do Estado faz a implantação de terceiras faixas para aumentar a capacidade de tráfego e garantir mais segurança aos motoristas. Ao todo, são quase 24 quilômetros de faixa adicional, que recebem R$ 59,4 milhões de investimento do programa Avança Paraná, financiado pela Caixa e o Banco do Brasil.

Estrada Boiadeira - Executada a partir do convênio com a Itaipu, Estrada Boiadeira (BR-487) recebe investimento de R$ 223,8 milhões para a revitalização de um trecho de 46 quilômetros entre Icaraíma e Umuarama. A obra foi dividida em três lotes e maior parte dos trabalhos é na pavimentação do trecho, reduzindo os custos logísticos de produção e facilitando a ligação com o Mato Grosso do Sul.

CAMPOS GERAIS

Contorno Norte - A construção do acesso ao Contorno Norte de Castro recebe investimento de R$ 13,17 milhões, com recursos financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O trecho de 2,6 quilômetros vai ligar a PR-340 ao novo contorno, que está sendo construído entre as rodovias PR-151 e PR-090. A obra do acesso conta com um viaduto na interseção entre PR-090 e PR-340, com extensão de 30,6 metros, vão-livre de 5,5 metros, e largura de 17,6 metros de largura, incluindo faixa de rolamento e faixa de acostamento.

PR-092 - Principal artéria do Norte Pioneiro, a PR-092 terá um aumento significativo de capacidade de transporte de cargas com a implantação de 17,5 quilômetros de terceiras faixas. As intervenções vão desde o início da rodovia, no km 200, em Jaguariaíva, até o entroncamento com a BR-153, no km 327, em Santo Antônio da Platina, passando por Arapoti, Siqueira Campos, Wenceslau Braz, Quatiguá e Joaquim Távora. O investimento é de R$ 40,8 milhões, através do Avança Paraná.

CENTRO

Guarapuava - Ainda neste ano, também serão concluídas as obras de duplicação da rodovia BR-277, no perímetro urbano de Guarapuava, entre o km 344 e o km 350,2, totalizando 6,2 quilômetros de extensão. O investimento é de cerca de R$ 84,4 milhões, com recursos do Avança Paraná.

PR-466 - Outra obra a ser entregue na região central são as vias marginais no entroncamento com a PR-466, em Pitanga, sentido Santa Maria do Oeste. No total, o Governo do Estado investe R$ 15,1 milhões para a construção das duas margens, que juntas, somarão 8,4 quilômetros de novas pistas.

NORTE PIONEIRO

Contorno Sul - O Contorno Sul de Wenceslau Braz, no Norte Pioneiro, terá três quilômetros de rodovia Classe III e fará a ligação entre as rodovias PR-422 e PR-092, desviando o tráfego pesado de caminhões do perímetro urbano do município. Além disso, estão em andamento as construções de um viaduto de 30 metros sobre a Rede Ferroviária e de uma interseção em nível com a PR-422. O valor concebido para a referida obra é de R$ 9 milhões, financiada pelo BID.

PR-151 - Obra na PR-151, no trecho entre os municípios de Ribeirão Claro e Carlópolis, que vai do km 24 ao 24,8, num trecho de pouco mais de 700 metros. Estão em andamento obras de correção de curvas e redução de entrecruzamentos. O investimento foi de R$ 3,6 milhões com recursos do BID.

VALE DO IVAÍ

PR-650 - Obra de correção e alteamento de pontos críticos distribuídos entre os quilômetros 7 e 28 na PR-650, no trecho entre São João do Ivaí e Godoy Moreira, que tem sofrido com alagamentos. A obra abrange 3,4 quilômetros de extensão e, entre outras melhorias, os trabalhos devem incluir terraplenagem, drenagem superficial e alteamento (elevação de pontos da rodovia). O total investido foi de R$ 15,5 milhões, com recursos do BID.

NORTE

Viaduto Bratislava - No Norte, o destaque é para o Viaduto Bratislava, no km 163 da BR-369, na interseção da Avenida Brasil com a estrada Bratislava, em Cambé, na Região Metropolitana de Londrina. O trecho integra o Contorno Sul do município e, de um lado, dá acesso à região central da cidade e também ao terminal rodoviário. Já no outro ponto da interseção em desnível está localizada a Estrada Rural Bratislava. Ela é a principal ligação com o Jardim Bratislava, região com mais de 5 mil habitantes. O investimento foi de R$ 13,5 milhões, com recursos do Avança Paraná.

RMC

Rodovia dos Minérios - O primeiro trecho de duplicação da Rodovia do Minérios (PR-092), uma das principais rodovias da Região Metropolitana de Curitiba, que liga a Capital a cidades como Almirante Tamandaré, Rio Branco do Sul e o Vale do Ribeira, será finalizado neste ano. Com investimento de R$ 90,6 milhões, a obra conta com novas pistas, marginais, dez pontes, quatro viadutos/trincheiras (interseções em desnível), uma passarela, barreiras do tipo New Jersey, calçadas e ciclovias em um trecho de 4,74 quilômetros. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

ANTT: Argentina flexibiliza regras para entrada de profissionais brasileiros do transporte de carga e passageiros

antt 28 01 2022Após atuação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o governo argentino decidiu por flexibilizar a entrada de profissionais da área de transporte de cargas e passageiros, passando a aceitar não somente o exame PCR-RT, mas também o teste de antígeno acompanhado da carteira de vacinação.

Intercorrências - A medida é importante na tentativa de solucionar intercorrências do processo de testagem PCR-RT, mais caro e de difícil acesso em áreas de fronteira, o que tem dificultado a entrada dos transportadores no país vizinho.

Chile - A agência agora trabalha junto ao governo Chileno para flexibilização da entrada dos profissionais brasileiros no país vizinho. O objetivo é dar celeridade ao processo e garantir melhor fluidez para as operações de transporte que necessitam entrar no Chile.

Questões diplomáticas - Técnicos da ANTT se reuniram nesta quinta-feira (27/01), com autoridades chilenas do setor de transportes para debater e tentar solucionar as questões diplomáticas que envolvem a entrada de transportadores de carga e passageiros brasileiros no país vizinho. (ANTT)

 

PNAD CONTÍNUA: Desemprego recua para 11,6% no trimestre encerrado em novembro

pnad destaque 28 01 2022A taxa de desocupação caiu para 11,6% no trimestre encerrado em novembro, recuo de 1,6 ponto percentual na comparação com o trimestre anterior. O número de desempregados diminuiu 10,6% nesse mesmo período, chegando a 12,4 milhões. É uma redução de 1,5 milhão de pessoas. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, houve queda de 14,5%, o que representa 2,1 milhões a menos em busca de trabalho. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta sexta-feira (28/01) pelo IBGE.

Ocupadas - Na comparação com o trimestre encerrado em agosto, o número de pessoas ocupadas aumentou 3,5%. São 3,2 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho. “Esse resultado acompanha a trajetória de recuperação da ocupação que podemos ver nos últimos trimestres da série histórica da pesquisa. Esse crescimento também já pode estar refletindo a sazonalidade dos meses do fim de ano, período em que as atividades relacionadas principalmente a comércio e serviços tendem a aumentar as contratações”, explica a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy. Com isso, o nível de ocupação, percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 55,1%, um aumento de 1,7 ponto percentual frente ao trimestre anterior.

Com carteira assinada - Assim como nos trimestres anteriores, o número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado aumentou. O crescimento foi de 4,0% frente ao trimestre encerrado em agosto, o que representa 1,3 milhão de pessoas. “No setor privado, os segmentos de comércio, indústria, saúde e educação e de tecnologia da informação e comunicação foram os que mais expandiram a sua ocupação com trabalhadores com carteira assinada”, diz a pesquisadora.

Sem carteira - Também houve aumento de 7,4% no contingente de empregados sem carteira no setor privado, ou adição de 838 mil pessoas. Frente ao mesmo período do ano anterior, o aumento foi de 18,7%. O número de trabalhadores por conta própria também cresceu: o aumento foi de 588 mil pessoas (2,3%) em relação ao último trimestre e de 3,2 milhões (14,3%) frente ao trimestre encerrado em novembro de 2020. Na categoria dos trabalhadores domésticos, o aumento na ocupação foi de 6,0% frente ao trimestre anterior e de 22,5% em relação ao mesmo trimestre de 2020.

Informalidade - A taxa de informalidade foi de 40,6% e se manteve estável frente ao trimestre anterior, mas houve aumento no número de trabalhadores informais. “Do crescimento de 3,2 milhões de trabalhadores no número de pessoas ocupadas, 43% vieram do trabalho informal. Então, embora a informalidade continue se destacando na expansão da ocupação, a participação do trabalho formal no setor privado vem aumentando e contribuindo também para a recuperação da ocupação no país”, afirma Beringuy.

Rendimento - Enquanto a massa de rendimento real habitual permaneceu estável, ao ser estimada em R$227 bilhões, o rendimento real habitual caiu 4,5% frente ao trimestre anterior e 11,4% em relação ao mesmo trimestre de 2020. Ele foi estimado em R$2.444 no trimestre encerrado em novembro, o menor já registrado pela série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

Menos - “Isso significa que, apesar de haver um aumento expressivo na ocupação, as pessoas que estão sendo inseridas no mercado de trabalho ganham menos. Além disso, há o efeito inflacionário, que influencia na queda do rendimento real recebido pelos trabalhadores”, explica.

Comércio impacta crescimento da ocupação - A maior parte da expansão da ocupação veio do comércio, com aumento de 4,1%, ou 719 mil pessoas a mais trabalhando no setor. Já a indústria teve crescimento de 3,7%, o que representa um acréscimo de 439 mil pessoas a esse grupamento de atividade. O segmento de alojamento e alimentação, um dos mais prejudicados desde o início da pandemia de Covid-19, teve seu contingente de trabalhadores aumentado em 9,3%. São 438 mil empregados a mais.

1,3 milhão de pessoas saem da população fora da força de trabalho - A população fora da força de trabalho teve queda de 2,0% na comparação com o último trimestre. Fazem parte desse grupo as pessoas que não estavam nem ocupadas nem desocupadas na semana de referência. A queda nesse contingente foi de 1,3 milhão de pessoas. Frente ao mesmo período do ano anterior, houve redução de 4,6 milhões.

Saída - Na comparação com o último trimestre, 538 mil pessoas saíram da força de trabalho potencial, grupo das pessoas em idade de trabalhar que não estavam nem ocupadas nem desocupadas, mas que tinham potencial para estar na força de trabalho. Estimado em 9,1 milhões de pessoas, esse contingente teve redução de 2,3 milhões na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Desalentadas - Já as pessoas desalentadas, ou seja, aquelas que não buscaram trabalho, mas que gostariam de conseguir uma vaga e estavam disponíveis para trabalhar, foram estimadas em 4,9 milhões. A queda foi de 6,8% frente ao último trimestre e de 14,4% em relação ao encerrado em novembro de 2020, quando havia 5,7 milhões de desalentados no país.

Mais sobre a pesquisa - A PNAD Contínua é o principal instrumento para monitoramento da força de trabalho no país. A amostra da pesquisa por trimestre no Brasil corresponde a 211 mil domicílios pesquisados. Cerca de dois mil entrevistadores trabalham na pesquisa, em 26 estados e Distrito Federal, integrados à rede de coleta de mais de 500 agências do IBGE.

Coleta - Em função da pandemia de Covid-19, o IBGE implementou a coleta de informações da pesquisa por telefone desde 17 de março de 2020. É possível confirmar a identidade do entrevistador no site Respondendo ao IBGE ou via Central de atendimento (0800 721 8181), conferindo a matrícula, RG ou CPF do entrevistador, dados que podem ser solicitados pelo informante. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Alex Rocha / PMPA

 

pnad quadro 28 01 2022

 

REGISTRATO: BC só retomará consulta a valores esquecidos em 14 de fevereiro

registrato 28 01 2022Depois de sair do ar por causa do alto volume de acessos, o sistema que permite consultar valores esquecidos em bancos e instituições financeiras só voltará a funcionar em 14 de fevereiro, informou nesta quinta-feira (26/01) o Banco Central (BC).

Consultas - Por três semanas, a funcionalidade dentro do sistema Registrato permitirá apenas consultas. Os pedidos de transferência dos valores só poderão ser agendados a partir de 7 de março.

Nota - “O BC informa que, a partir de 14/02/2022, o cidadão poderá consultar se têm algum valor a receber. Em caso positivo, será imediatamente informado sobre a data em que poderá solicitar a transferência dos recursos para sua conta. Essas solicitações de transferências poderão ser agendadas a partir de 07/03/2022, na data informada pelo sistema”, informou o BC em nota.

Demanda excessiva - A ferramenta do sistema Registrato, que fornece um extrato das relações de clientes com instituições financeiras, entrou em funcionamento na última segunda-feira (24/01). Por causa da demanda excessiva, no entanto, apresentou instabilidade na noite de segunda e saiu do ar na terça-feira (25/01) à tarde.

Ampliação - O BC diz que está investindo fortemente na ampliação da capacidade de atendimento do Registrato. Nas primeiras horas de funcionamento do sistema, cerca de 79 mil pessoas e empresas conseguiram fazer a consulta e concluir 8,5 mil pedidos de resgate de recurso, que somam R$ 900 mil, informou a autoridade monetária.

Devolução - De acordo com o BC, a devolução dos R$ 900 mil ocorrerá em até 12 dias úteis, por meio de Pix, para a conta indicada pelo usuário.

Valor - Atualmente, existem R$ 8 bilhões esquecidos em instituições financeiras no Brasil, diz o BC. Desse total, até R$ 3,9 bilhões podem ser resgatados por 28 milhões de pessoas e de empresas na fase inicial da ferramenta. Nos próximos meses, o serviço será ampliado para outras modalidades de saque.

Recursos - Nesta etapa, podem ser devolvidos recursos de contas-correntes ou poupanças encerradas e não sacadas, cobranças indevidas de tarifas ou de obrigações de crédito com termo de compromisso assinado com o BC e cotas de capital e rateio de sobras líquidas de associados de cooperativas de crédito e grupos de consórcio extintos. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

SAÚDE I: Brasil bate recorde de novos casos pelo 2º dia seguido

O número de casos de covid-19 registrados em 24 horas bateu o segundo recorde seguido em dois dias. De quarta para quinta-feira (26 e 27/01), as autoridades de saúde confirmaram 228.954 novos diagnósticos da doença. Na quarta, foram notificados 224.567 casos em 24 horas. A soma de pessoas com a covid-19 desde o primeiro caso no país alcançou 24.764.838.

Casos - A quantidade de casos em acompanhamento de covid-19 passou dos dois milhões, com 2.041.596. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta nem evoluíram para morte.

Mortes - A quantidade de mortes causadas por complicações associadas à covid-19 chegou a 625.085. Nas últimas 24 horas, foram registrados 672 óbitos pelas autoridades de saúde. Na quarta, o sistema de informações contabilizava 624.413 óbitos causados pela covid-19.

Investigação - Ainda há 3.146 falecimentos em investigação. Os óbitos em investigação ocorrem pelo fato de haver casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demandar exames e procedimentos posteriores.

Recuperadas - Até esta quinta, 22.098.157 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 89,2% dos infectados desde o início da pandemia.

Atualização - Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada nesta quinta-feira (27/01). Nela, são consolidadas as informações enviadas por secretarias municipais e estaduais de saúde sobre casos e mortes associados à covid-19.

Números - Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras o nos dias seguintes aos feriados em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (157.209), Rio de Janeiro (69.776), Minas Gerais (57.093), Paraná (41.109) e Rio Grande do Sul (36.791).

Menos - Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (1.861), Amapá (2.045), Roraima (2.091), Tocantins (3.989) e Sergipe (6.081).

Vacinação - Até esta quinta-feira (27/01), foram aplicados 351 milhões de doses, sendo 163,6 milhões com a 1ª dose e 151 milhões com a 2ª dose ou dose única. Outros 36,3 milhões já receberam a dose de reforço. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 28 01 2022

 

SAÚDE II: Boletim confirma mais 27.805 casos e 44 óbitos pela Covid-19

saude II 28 01 2022A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (27/01) mais 27.805 casos confirmados e 44 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os casos não necessariamente representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.890.189 casos confirmados e 40.884 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (27.671) de 2022; e dezembro (36), novembro (3), outubro (3), setembro (6), agosto (10), julho (8), junho (13), maio (9), abril (4), março (6), fevereiro (11) e janeiro (25) de 2021.

Meses - Os óbitos divulgados nesta data são de janeiro (30) de 2022; e dezembro (3), julho (2), junho (5), maio (3) e março (1) de 2021.

Monitoramento - A Sesa está monitorando a situação epidemiológica do Paraná e o crescimento no número de casos diários.

Prevenção - A secretaria lembra que as medidas de prevenção, como uso de máscaras, lavagem das mãos e uso do álcool em gel, permanecem sendo necessárias, juntamente com a continuidade da vacinação contra a Covid-19.

Internados - 129 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (44 em UTI e 85 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.221 pacientes internados, 432 em leitos UTI e 789 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 44 pacientes. São 17 mulheres e 27 homens, com idades que variam entre 19 e 92 anos. Os óbitos ocorreram entre 13 de março de 2021 a 27 de janeiro de 2022.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Bituruna (12), Curitiba (9), Guarapuava (3), General Carneiro (3) e Foz do Iguaçu (3).

Uma morte- A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: São José dos Pinhais, Rio Branco do Sul, Paranaguá, Matinhos, Marechal Cândido Rondon, Londrina, Laranjeiras do Sul, Francisco Beltrão, Castro, Carlópolis, Campo do Tenente, Cambará, Brasilândia do Sul e Arapongas.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 9.198 casos de residentes de fora do Estado, 225 pessoas morreram. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

Relatório de Correções de Municípios.

 


Versão para impressão


RODAPE