Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5263 | 18 de Fevereiro de 2022

GETEC: Boletim traz as notícias políticas e econômicas de interesse do cooperativismo que foram destaques na semana

getec 11 02 2022Trabalho remoto para gestante na pandemia, crédito rural, fertilizantes e o piso salarial dos enfermeiros, são assuntos em destaque no boletim da Coordenação de Relações Parlamentares do Sistema Ocepar, vinculada à Gerência de Desenvolvimento Técnico (Getec) e sob a responsabilidade da advogada Daniely Andressa da Silva. O boletim desta sexta-feira (18/02) pode ser aberto no link abaixo ou, se preferir, pode escutá-lo na íntegra na Rádio Paraná Cooperativo.

Para ler o boletim, clique aqui

Para ouvir o boletim, clique aqui

PANORAMA COOP: Edição especial analisa a matriz de riscos regulatórios para o cooperativismo no ano de 2022

panorama coop 18 02 2022O boletim Panorama Coop do Sistema OCB preparou uma análise política especial, elaborada em parceria com a BMJ, uma consultoria especializada em relações governamentais e comércio internacional. Esse trabalho em conjunto foi orientado pelo marco regulatório de interesse do cooperativismo e resultou na matriz de riscos, analisada pela ótica de três pilares: político, econômico e sanitário. Assim, você ficará por dentro dos desafios e oportunidades, relacionados com o tema, que o coop vai enfrentar em 2022.

Boa leitura - O boletim especial foi dividido em uma série composta de três partes. Nesta primeira edição, o ponto de partida é a análise de uma matriz de riscos regulatórios para o cooperativismo no ano de 2022, baseada no cenário político, no ambiente econômico e nos reflexos da pandemia nas atividades dos Três Poderes. Na próxima semana, o boletim trará a análise das principais tendências para as eleições e como se dará a organização do quadro governamental e do núcleo de decisões no Poder Executivo durante o ano. Por fim, a terceira parte do boletim trará as perspectivas do ano para a agenda legislativa, para as prioridades do cooperativismo e para a atuação da Frencoop. Fiquem atentos e continuem acompanhando as próximas edições da nossa série do boletim especial!

 Clique aqui e acesse a primeira edição do boletim especial

 

 {vsig}2022/noticias/02/18/coamo/{/vsig}

 

 

COAMO: Embalagens da linha alimentícia estão de cara nova

Com o lançamento da nova marca da Coamo, as embalagens dos alimentos da cooperativa serão atualizadas gradualmente. As margarinas e o óleo de soja já ganharam um novo design e estão de cara nova. Dentre as mudanças gerais estão o destaque da logomarca, a utilização de um elemento abaixo da logo para referenciar o design dos produtos, possibilitando uma gama de produtos com mais unidade visual. Além disso, permanece o Selo Produto de Cooperativa, que enaltece a origem e qualidade do produto.

Óleo de Soja - No Óleo de Soja refinado Coamo permanece o design da pré-forma, símbolo da Coamo. "A tampa agora está verde, remetendo às cores do campo. Tons dourados harmonizam com o produto e remetem à cor da soja. A ilustração traz, para a embalagem, a história do produto com o intuito de ilustrar a origem da matéria-prima", explica do chefe do Departamento de Marketing e Trade Marketing da Coamo, Edson Watanabe.

Margarina - As margarinas também passaram por mudanças. Todas terão um fundo igual, para formação de bloco de gôndola, gerando mais destaque entre as marcas de margarina. "O fundo colorido na área inferior fará a diferenciação das categorias. Em todas, o grafismo servirá para simbolizar o iluminado do sol do logo. A ilustração traz, para a embalagem, a história do produto com o intuito de demonstrar a origem da matéria-prima", revela Watanabe.

Tamanhos - Além disso as margarinas permanecem sendo comercializadas em potes de 500 gramas e se mantém os nomes das Margarinas Coamo Cremosa (fundo amarelo) e Coamo Light (fundo azul). Já a Coamo Família agora é a Margarina Coamo Premium, com o diferencial de ter o sabor manteiga e um tom vermelho para identificar a sua nova categoria.

Dualis - Para compor a família de margarinas, a Coamo lança a Margarina Dualis. "Ela tem como diferencial a baixa quantidade de gordura. Utiliza o fundo igual às Margarinas Coamo, para criar identidade visual. Quanto as cores verde e amarelo da embalagem remetem a um produto brasileiro", revela Edson Watanabe.

Coamo Culinária - Finalizando esse primeiro pacote de novidades dos produtos da Coamo, tem a Margarina Coamo Culinária, comercializada em uma embalagem de 1,01 kg. "Seguindo os potes, a Margarina Culinária apresenta os mesmos elementos visuais. Isso gera unidade para a linha de produtos", esclarece. Todos os produtos passam por mudanças, mas mantêm a qualidade já reconhecida por clientes e consumidores. "São alimentos com origem no campo, desde a escolha da semente. Isso garante rastreabilidade. Quem comprar qualquer um dos produtos da Coamo pode ter certeza de o processo de qualidade está em todas as etapas da produção. Contamos com Boas Práticas de Produção, inovação tecnológica e qualidade de processos industriais. Nossa marca é reconhecida e muito bem aceita no mercado", ressalta o gerente Comercial de Alimentos da Coamo, Wagner Schneider. (Comunicação Coamo)

 

 {vsig}2022/noticias/02/18/coamo/{/vsig}

 

 

CASTROLANDA: Organização divulga programação da ExpoCastrolanda

castrolanda 18 02 2022A organização do Agroleite divulgou a programação completa da 1ª edição da ExpoCastrolanda, que acontece entre os dias 9 e 12 de março na Cidade do Leite, em Castro/PR. A feira abre o calendário de eventos do Agroleite em 2022 e passa a integrar as atividades anuais da Castrolanda. A feira é uma reformulação da ExpoJovem, antigo evento da Castrolanda voltado para o gado leiteiro nas primeiras etapas de criação.

Exposição – O coordenador do Comitê de Bovinocultores da Castrolanda, Armando Rabbers explica que a ExpoCastrolanda permitirá também a exposição de matrizes e reprodutores da raça Holandesa, com o objetivo de divulgar e estimular o melhoramento da produtividade leiteira e do plantel nacional. "Na ExpoJovem só participavam animais que não tinham parido ainda, como bezerras e novilhas. Existia um anseio por parte dos produtores que fossem adicionadas as vacas paridas na feira. Então acatamos esta decisão para dar mais abrangência ao evento, que também serve como troca de informações bastante preciosas entre os participantes", conta.

Compromisso - Produtor de gado leiteiro e membro do comitê de bovinocultores, Reynold Groenwold reforça o compromisso em fazer uma feira de qualidade e bastante competitividade. "O evento no primeiro trimestre do ano tem o objetivo de fomentar a cadeia do leite na região, trazendo o que há de novidade, tecnologia e inovação para perto das propriedades leiteiras", conta.

Tecnologia - A ExpoCastrolanda ainda permite a divulgação de novas tecnologias do setor leiteiro que visem o aprimoramento produtivo, além de proporcionar o entrosamento entre produtores rurais, industriais e técnicos do setor e propiciar a compra e venda das raças de bovino leiteiro, por meio de leilões realizados ao longo do evento. As inscrições para a competição encerram nesta sexta-feira, 18 de fevereiro, e podem ser feitas no site http://agroleitecastrolanda.com.br/expocastrolanda. O regulamento também já está disponível.

Confira a programação:

7 e 8 de março | das 8h às 18h – Entrada de animais na Cidade do Leite
9 de março | 19h – Abertura oficial da ExpoCastrolanda (evento para convidados)
9 de março | 19h30 – Premiação Dia do Pecuarista (evento para convidados)
10 de março | 9h às 16h – Roadshow Cidade do Leite
10 de março | 14h – Julgamento dos animais jovens da Raça Holandesa
11 de março | 10h – Palestra Qualidade do Leite (MAPA)
11 de março | 14h – Julgamento dos animais adultos na Raça Holandesa
11 de março | 20h – Saída dos animais – a partir da grande campeã
12 de março | 8h – Saída dos animais
12 de março | 9h – Lançamento do Clube das Bezerras
12 de março | 12h – Almoço de encerramento

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo. Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata. O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Comunicação Castrolanda).

 

 

 

CAPACITACOOP: Plataforma de aprendizagem do cooperativismo agora tem a Trilha de Gestão “Caminhos para a Excelência”

capacitacoop 18 02 2022O Sistema OCB lançou, por meio da plataforma Capacitacoop, a Trilha de Gestão "Caminho para a Excelência". Ela foi desenvolvida com o objetivo de contribuir para a melhoria contínua dos processos de gestão das cooperativas, apresentando conceitos alinhados aos instrumentos de avaliação do Programa de Desenvolvimento da Gestão de Cooperativas e aos eixos de atuação do Sescoop (Identidade; Governança; Gestão e Desempenho). Essa é uma Trilha bem aprofundada, composta por 10 cursos, onde são compartilhados ferramentas e conhecimentos relevantes para aprimorar os processos de gestão da organização cooperativa. Os cursos são: Importância da Gestão, Modelo de Negócios, Atendimento às Partes Interessadas, Gestão de Resultados, Cadeia de Valor, Planejamento Estratégico, Gestão de Pessoas, Gestão do Conhecimento e Informação, Avaliação da Gestão, Avaliação da Governança.

Para mais informações acesse o link da plataforma

 

 {vsig}2022/noticias/02/18/coamo/{/vsig}

 

 

INOVAÇÃO: Vem aí o primeiro o primeiro livro sobre inovação cooperativista

inovacao 18 02 2022A edição n° 36 da Saber Cooperar tem como tema principal a inovação, com destaque para a novidade que está prestes a ser lançada: o primeiro livro sobre inovação cooperativista! Trata-se de um guia didático que apresenta o tema, tira todas as dúvidas sobre o assunto e ainda ensina a implementar programas de inovação dentro de uma coop. A obra traz cases de inovação desenvolvidos por cooperativas brasileiras e artigos assinados por especialistas de renome no mercado, como Martha Gabriel. Leia a matéria aqui para conhecer um pouco mais.

Conteúdo de qualidade - Sabia que as cooperativas já estão a caminho do futuro? Quem afirma isso é Maurício Benvenutti, especialista em inovação que durante 10 anos foi sócio da XP Investimentos e hoje trabalha com startups no Vale do Silício — a Meca do mercado de inovação. Em entrevista exclusiva para a Saber Cooperar, ele fala sobre como os líderes do século XXI precisam entender tanto de pessoas como de negócios, os motivos para investimento e inovação e muito mais.

Startups - Além desses temas, esta edição também traz um novo olhar sobre a importância da relação entre cooperativas e startups, e como essa união pode acelerar a inovação no coop! A matéria destaca o programa InovaCoop Conexão com Startups, que busca as soluções criativas e ágeis das startups pra resolver os problemas enfrentados por cooperativas de todo o país. E ainda tem mais: dicas sobre como inovar no cooperativismo, tendências de comunicação 4.0 e muito mais.

Clique aqui para ter acesso a todo conteúdo da revista.

 

 

 {vsig}2022/noticias/02/18/coamo/{/vsig}

 

 

FORMAÇÃO: Cascavel tem novo centro de educação profissional agrícola voltado à inovação

formacao 18 02 2022Estudantes de Cascavel e região têm mais opção de ensino médio voltado a inovações no agronegócio. O Centro Estadual de Educação Profissional (Ceep) de Agroinovação Professor Moacir Benedito Leme da Silva foi inaugurado oficialmente nesta quinta-feira (17/02), mas já está funcionando desde o início do ano letivo, com sua primeira turma de Técnico Agrícola. A unidade está instalada na Fundetec (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico), da Prefeitura de Cascavel, que cedeu parte do espaço para a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed-PR).

Turmas - As aulas começaram com 75 alunos, muitos filhos de pequenos agricultores, em duas turmas do 1º ano do ensino médio, sendo 53 jovens em regime de internato. A previsão é que o colégio abra mais duas turmas por ano, chegando a seis turmas para atender até 250 estudantes de forma integral, com aulas das 7h30 às 17h30. As instalações incluem refeitório, anfiteatro, biblioteca e laboratórios de informática, química, física e biologia, utilizados em parceria com a Fundetec. Para a prática agropecuária, também há 10 hectares para cultivo, um aviário de mil metros quadrados e um curral de confinamento e inseminação com quase a mesma área. (Agência Estadual de Notícias)

 

 

AGRONEGÓCIO: Exportações alcançam recorde de US$ 8,8 bilhões em janeiro

comercio exterior 18 02 2022As exportações do agronegócio atingiram US$ 8,82 bilhões, valor recorde para os meses de janeiro, o que significou incremento de 57,5% em relação aos US$ 5,60 bilhões exportados em janeiro do ano passado. Conforme dados divulgados pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), esse forte crescimento do valor exportado foi influenciado tanto pela expansão dos preços médios de exportação, que subiram 19% na comparação com janeiro de 2021, quanto em função do aumento do volume exportado, que cresceu 32,3%.

Complexo soja - O destaque dos embarques do mês de janeiro foi o complexo soja, com US$ 2,12 bilhões, cifra 338,3% superior aos US$ 484,07 milhões exportados em janeiro de 2021 (+US$ 1,64 bilhão). A soja em grãos registrou 2,45 milhões de toneladas em exportações (+4.853,6%), ou US$ 1,24 bilhão (+5.223,9%); valores recordes para os meses de janeiro. De acordo com os analistas da SCRI, há uma demanda mundial crescente pela oleaginosa, em virtude da retomada da produção e consumo de proteína animal no mundo, o que indica redução da relação estoque/consumo de soja em grãos em 2022. Dessa forma, a previsão é que a China importe cerca de 100 milhões de toneladas neste ano.

Mercados - Já em janeiro, o país asiático adquiriu 80,1% do volume de soja exportado pelo Brasil (1,97 milhão de toneladas). Além da China, União Europeia e Vietnã também importaram mais de 100 mil toneladas do Brasil: 159,8 mil e 136,7 mil toneladas adquiridas, respectivamente. As exportações de farelo de soja elevaram-se 45,6% em volume, passando de 1,03 milhão para 1,49 milhão de toneladas. As exportações de óleo de soja também apresentaram expressivo crescimento devido à forte demanda indiana e ao aumento da disponibilidade doméstica. As exportações do óleo de soja atingiram US$ 232,54 milhões em janeiro de 2022 (+1.974%) ou 170,26 mil toneladas (+1.907,6%). A Índia adquiriu 82% do volume total exportado (139,76 mil toneladas).

Carnes - O segundo maior setor exportador do agronegócio foi o de carnes. Com US$ 1,61 bilhão em janeiro de 2022 (+39,8%), alcançou valor recorde para estes meses em toda a série histórica. Houve incremento do volume exportado (+21,1%) e dos preços médios de exportação (+15,5%). A principal carne exportada pelo Brasil foi a bovina, com US$ 801,06 milhões em vendas externas (+46,2%), recorde para os meses de janeiro. Tanto o volume exportado quanto o preço médio de exportação cresceram, +25,7% e +16,3%, respectivamente. As exportações de carne de frango também foram recordes, com o valor exportado alcançando US$ 604,89 milhões (+42,8%). O volume exportado, também recorde, (+20,2%), contou com preços médios de exportação elevados (+18,8%).

Frango - Diferentemente da carne bovina e da carne de frango, as vendas externas de carne suína cresceram em função exclusiva da expansão do volume exportado, que aumentou 18,5%, passando de 62 mil toneladas (janeiro/2021) para 73 mil toneladas (janeiro/2022). Por outro lado, o preço médio de exportação registrou queda de 7,4%.

China - A redução da demanda chinesa por carne suína importada tem afetado os preços internacionais desde o segundo semestre de 2021, em função da recuperação do rebanho chinês de porcos. Mesmo assim, a China continuou sendo o principal país importador da carne suína in natura brasileira, com participação de 44% nos volumes exportados, que representaram US$ 62,85 milhões (-20,4%).

Trigo - Já no caso do trigo, as vendas externas foram recordes em valor (US$ 190,93 milhões; +121,0%) e quantidade (648,06 mil toneladas; +61,6%), principalmente pela menor demanda do produto no mercado nacional e pela safra brasileira recorde de trigo em 2021 (7,68 milhões de toneladas, segundo a Conab). Os três principais países importadores do trigo brasileiro foram: Arábia Saudita (218,92 mil toneladas); Marrocos (180,6 mil toneladas) e Indonésia (141,1 mil toneladas).

Café verde e solúvel - O setor cafeeiro registrou US$ 719,21 milhões em vendas externas (+41,1%). Houve queda no volume exportado em janeiro (-18,5%), mas o aumento dos preços médio de exportação (+73,0%) mais que compensou essa redução. O Brasil é o maior produtor mundial e o principal produto exportado pelo setor é o café verde (com recorde de exportação de US$ 659,01 milhões; +41,3%). Os preços médios de exportação atingiram US$ 3.700 por tonelada em janeiro de 2022 (+76,1%). As vendas externas de café solúvel alcançaram US$ 54,15 milhões (+37,1%). (Comunicação Ministério da Agricultura)

 

 

ENTREVISTA: Três perguntas para Tatiana Prazeres, especialista em mercado internacional

entrevista 18 02 2022A professora de Negócios Internacionais em Pequim, Tatiana Prazeres conversou com a reportagem da Revista Saber Cooperar. Ela deu dicas para quem deseja prosperar no mercado internacional e citou os erros mais comuns de quem se aventura na exportação.

Saber Cooperar: Qual dica você dá para as cooperativas que querem chegar ao mercado externo?

Tatiana Prazeres: O principal conselho que eu tenho para aqueles que querem buscar o mercado externo é planejamento. Isso envolve avaliar quão prontas para exportação as cooperativas estão. E isso, por sua vez, envolve definir os mercados prioritários, entender quem são os concorrentes, conhecer as barreiras tarifárias, qual é o imposto de importação que se aplicaria a esse produto. Saber também quais são as barreiras não tarifárias, por exemplo, que podem ser embalagens, exigências. E descobrir as melhores formas de fazer promoção comercial no mercado definido como prioritário. Isso requer inteligência comercial e investimento. A notícia boa é que há parcerias com que as cooperativas podem contar para viabilizar esse esforço — incluindo ao OCB, a Apex e outros.

 Saber Cooperar: Ainda há a possibilidade de ampliar a participação brasileira no mercado chinês?

Tatiana Prazeres: Certamente, a China é o segundo país que mais importa no mundo, importa muitos produtos e produtos muito diversificados. Além de importar muito, é um mercado que cresce muito, é muito dinâmico. Então, as oportunidades são maiores, mas, ao mesmo tempo, é um mercado mais difícil porque é menos conhecido, aí requer um investimento mais alto. É evidente que a China ainda tem um potencial muito grande a ser explorado por exportadores brasileiros, apesar de já ser o principal destino de exportação do Brasil há mais de uma década. Há muito espaço ainda, porém o desafio clássico do Brasil nas exportações para a China é diversificar a pauta de exportação, agregar mais produtos e fazer com que eles sejam de maior valor agregado.

Saber Cooperar: Quais erros mais comuns os exportadores brasileiros devem evitar para começar?

Tatiana Prazeres: Um dos erros mais comuns é tratar a exportação como algo ocasional. É você se preparar para fazer uma venda, mas não ver aquilo como parte de uma estratégia mais ampla, que requer investimento e planejamento. Então, você vende agora porque o câmbio é bom, porque surgiu uma oportunidade, mas você não se prepara para fazer aquilo se tornar parte da estratégia da empresa. Isso não funciona. Um outro erro muito frequente é a falta de planejamento das empresas, o fato de que às vezes elas não recolhem todas as informações necessárias para fazer esse processo e acabam se deparando com situações imprevistas e que fazem com que a experiência da exportação não seja bem-sucedida e não valha a pena.

 Esta matéria foi escrita por Fábio Fleury e está publicada na Edição 35 da revista Saber Cooperar. Clique aqui para ter acesso a todo conteúdo da revista.

 

 

 {vsig}2022/noticias/02/18/coamo/{/vsig}

 

 


Versão para impressão


RODAPE