Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5269 | 02 de Março de 2022

INVESTIMENTOS: BRDE e Ocepar analisam captação de recursos com fundo do Japão

investimentos 02 03 2022O presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Wilson Bley Lipski, foi acionado pelo Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), a fim de discutir a possibilidade de o banco contribuir com a estruturação de novos financiamentos internacionais para o fomento das cooperativas no Paraná. A origem desses recursos pode vir de fundo japonês, com a intermediação da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), e serão voltados para investimentos de médio e longo prazos.

Reunião - Com o objetivo de prosseguir com as tratativas, na quarta-feira (23/02) passada, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, visitou a agência do BRDE em Curitiba (PR) para participar de uma reunião por videoconferência com representantes da agência japonesa.

Presenças - Participaram desta reunião, pelo BRDE, o diretor administrativo, Luiz Carlos Borges da Silveira, o superintendente da agência no Paraná, Paulo Cesar Starke Junior, o gerente operacional, Sergio Toshimi Sato, e o gerente operacional adjunto, Tiago Marquardt Pesch, que conversaram sobre o assunto e alternativas para suprir as cooperativas em suas necessidades de recursos para investimentos que o sistema financeiro nacional e o BRDE ainda não conseguem atender de forma adequada e no volume necessário. (Assessoria BRDE)

 

GUERRA: Superintendente da Ocepar destaca os impactos do conflito entre Rússia e Ucrânia; Getec divulga análise sobre o tema

guerra 02 03 2022A invasão da Ucrânia pela Rússia deve trazer consequências para o mundo todo, inclusive para o Brasil, em diferentes setores, o que tem gerado certa apreensão. “O conflito entre a Rússia e a Ucrânia preocupa muito o Brasil, principalmente o agronegócio, em relação ao suprimento de fertilizantes. Dos US$ 6,5 bilhões que o Brasil importou da Rússia no ano passado, 62% são relacionados a fertilizantes, especialmente cloreto de potássio. O país também é um importante fornecedor de gás natural, além de ser um grande produtor de cereais de inverno, como trigo, cevada e girassol, entre outros. Então, realmente é uma situação que preocupa. Também deve haver grande impacto na questão de logística internacional, pois a Rússia é uma rota de vários mercados”, afirma o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, em depoimento gravado para diferentes veículos de comunicação, e reproduzido pela Rede Massa, Band, CBN Rural e Portal Sou Agro. Clique aqui para conferir na íntegra. Mafioletti também falou sobre o assunto ao programa RIC Rural, exibido no domingo (27/02) pelas emissoras da Rede Independência de Comunicação (RIC) no Paraná, afiliada da Rede Record. Clique aqui para conferir na íntegra

Análise - Na quinta-feira (24/02), a Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec), publicou uma análise que aponta os impactos da guerra para os brasileiros. Em relação às commodities, o documento destaca que Rússia e Ucrânia são responsáveis por 28% do comércio global de trigo, sendo que o cereal já apresentou a maior alta dos últimos nove anos. “O risco é de diminuição global da oferta desse grão. Por mais que o Brasil importe cerca de 50% da sua demanda de trigo e que o maior parceiro comercial seja a Argentina, poderá haver uma corrida para aumentar os estoques”, apontam os técnicos da Getec. Outra consequência é que os contratos de milho e soja na bolsa de Chicago já registram aumentos que ultrapassam os 5%.

Petróleo - Ainda de acordo com o levantamento da Getec, o barril de petróleo atinge o maior preço desde 2014, chegando a valores acima dos US$ 100, com aumento médio de 8%. Assim, a alta do preço das commodities pode resultar no aumento da inflação global. Como exemplo, no Brasil, poderá resultar no reajuste dos preços pela Petrobrás, com reflexos na inflação interna.

Dependência de fertilizantes - Segundo dados da Embrapa, atualmente o Brasil importa mais de 85% dos fertilizantes agrícolas, com grande dependência de remessas de fósforo e potássio. E a Getec lembra que as agendas internacionais recentes do Governo tiveram como tema principal a manutenção do fornecimento de fertilizantes para o país. Desta forma, quaisquer tensões envolvendo a região e a Rússia podem afetar o fornecimento e o preço, o que poderá representar um aumento no custo de produção. Apenas em 2021, o Brasil importou cerca de US$ 3,5 bilhões de fertilizantes da Rússia.

Impactos logísticos e oportunidades - Além de destacar que o conflito militar na Europa pode gerar interrupção na cadeia logística, que vai afetar o mercado global e consequentemente o Brasil, a Getec ressalta que, por outro lado, essa situação também pode trazer oportunidades pois o aumento da incerteza na região da guerra, somada ao alto valor das commodities e à possível migração dos investidores globais para novos mercados emergentes (afastando-se da Rússia e da Ásia) poderão atrair capital estrangeiro ao Brasil. A alta do dólar e das commodities pode ainda resultar em uma maior exportação de produtos brasileiros.

Clique aqui e confira na íntegra a análise da Getec

 

CAPAL: Cooperativa registra crescimento de 58% na receita bruta e alcança R$ 3,26 bi

Apesar de um período adverso pelo impacto da pandemia, o ano de 2021 bateu recordes e fixa um marco histórico para a Capal Cooperativa Agroindustrial, que consolidou um aumento de 58% em seu faturamento no comparativo com o ano anterior, com R$ 3,26 bilhões ante a R$ 2,06 bi. Este foi o maior índice conquistado pela cooperativa em seus 62 anos de atividade. Em comparação ao ano de 2019, por exemplo, a receita bruta da Capal no exercício de 2021 foi mais que o dobro do registrado em 2019 (R$ 1,474 bi).

Resultado líquido - Quanto ao resultado líquido, os números alcançados pela cooperativa também são motivos de comemoração: o crescimento foi de 52%, saltando de R$ 114.077 milhões em 2020 para R$ 173.959 milhões conquistados em 2021. A área assistida pela Capal, concentrada nos Campos Gerais do Paraná, Norte Pioneiro Paranaense e sudoeste do Estado de São Paulo, teve um incremento de 4%, totalizando 169.473 mil hectares. Atualmente, a cooperativa contabiliza 3.447 produtores associados.

Superação - O presidente do Conselho de Administração da Capal, Erik Bosch, ratifica os resultados atrativos alcançados pela cooperativa. “Estamos atravessando um momento cheio de dificuldades em razão da pandemia, que teve impactos consideráveis na nossa economia, mas o agronegócio se superou. E a superação não vem de graça, por isso agradeço ao esforço dos nossos cooperados e colaboradores de todas as nossas 21 unidades pelo profissionalismo e compromisso com os princípios do cooperativismo”, comenta.

Investimentos para 2022 - A Capal segue com o seu plano de investimento no decorrer de 2022 para a conclusão de obras na estrutura de suas filiais. É o caso de Curiúva (PR), que terá ampliação do depósito, armazém de defensivos e verticalização no estoque; o pátio de Arapoti vai receber investimento para a ampliação da armazenagem de cevada, recebimento de novo secador com tecnologia de ponto para os cereais e ampliação de silos para armazenagem de insumos direcionados para Fábrica de Ração.

Mais - O município de Santana do Itararé (PR) será contemplado com uma loja agropecuária da Capal e Wenceslau Braz (PR) vai receber melhorias em seu espaço físico, como pavimentação do pátio industrial e a construção de uma segunda balança rodoviária. Outros investimentos da cooperativa, ainda em fase de estudos, incluem aumento na capacidade de armazenagem de cereais nas unidades de Itararé (SP) e Taquarivaí (SP), ampliação na área de secagem, armazenagem e expedição de sementes em Wenceslau Braz e a inauguração da primeira loja agropecuária em Santo Antônio da Platina (PR).

Intercooperação - “Além das aplicações para otimizar a infraestrutura de nossas unidades, a Capal acredita e investe na intercooperação, e assim vamos criando mais condições para que a Capal continue se desenvolvendo e atendendo o cooperado da melhor forma possível”, afirma o presidente executivo, Adilson Roberto Fuga.

Transparência com os cooperados - Os números do exercício de 2021 bem como os próximos passos da cooperativa foram apresentados em Assembleia Geral Ordinária (AGO). Todos os cooperados foram convocados para participar da solenidade, que aconteceu na Associação dos Funcionários da CAPAL (Asfuca), localizada na sede em Arapoti. Outra opção para acompanhar a AGO foi pelo canal no YouTube. Todas as pautas em votação foram aprovadas por unanimidade pelos cooperados presentes.

Marca - “A transparência sempre foi uma marca da trajetória da Capal. Desde o modelo de gestão profissional, com a criação da Diretoria Executiva, o que é referência em todo o Brasil, até a minuciosa preparação do conteúdo repassado na AGO, concluímos que nada pode ficar subentendido, as informações fundamentais precisam ser visíveis e esclarecidas. Para nós, a transparência é a base de sustentação para o relacionamento com nossos cooperados, colaboradores e parceiros”, conclui Fuga.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3,4 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 65% das operações da cooperativa, produzindo mais de 862 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, trigo, milho e café. A área agrícola assistida ultrapassa os 161 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 12 milhões de litros, proveniente de 320 produtores. Além disso, a cooperativa comercializa 31 mil toneladas de suínos vivos ao ano. (Imprensa Capal)

{vsig}2022/noticias/03/02/capal/{/vsig}

CASTROLANDA: Segundo encontro do Fórum Internacional de Bovinos Leiteiros aborda período de transição

A Área de Negócios de Leite da Castrolanda realizou, na quarta-feira passada (23/02), o segundo encontro do 1º Fórum Internacional de Bovinos Leiteiros - Do Brasil para o Mundo, iniciativa com palestras ministradas por brasileiros renomados na pecuária leiteira internacional voltada a produtores, técnicos e profissionais da área. O encontro foi realizado de forma presencial no Hotel Buganville Express, em Castro (PR), e transmitido online para os participantes que não puderam estar presentes.

Tema - A apresentação teve como tema “Período de transição: foco no pré-parto” e foi ministrada por Ricardo Rodrigues, consultor técnico da Provimi-EUA - Cargil Animal Nutrition. O palestrante tem mestrado e doutorado em Nutrição de Vacas Leiteiras pela Universidade do Missouri, nos Estados Unidos. A mediação do encontro foi feita por Rodrigo Almeida, professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e membro do Conselho Deliberativo Técnico da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH).

Dúvidas - Além de assistirem à apresentação, os participantes do evento também puderam esclarecer dúvidas com o palestrante, além de confraternizarem ao final do encontro. As demais palestras do Fórum acontecerão sempre na última semana de cada mês e tratarão de temas da bovinocultura de leite, como manejo, nutrição, criação de bezerras e novilhas, uso de aditivos, análise de dados nas fazendas, modelos de reprodução e outros.

Utilidade - Ricardo Rodrigues afirma que os temas abordados ao longo do evento são de muita utilidade para produtores e destaca o potencial da região. “Fico muito feliz de ter participado e espero ter correspondido às necessidades e ter sido prático o suficiente para conseguir aplicar o conhecimento no campo e não ficar só na teoria. Eu conhecia a Castrolanda, mas ainda não tinha visitado a região. Fui em algumas fazendas e fiquei impressionado. Fui muito bem recebido e tive discussões fantásticas com os técnicos e gerentes”.

Avaliação do evento - O Gerente de Negócios Leite da Castrolanda, Eduardo Ribas, conta que o retorno dos participantes tem sido muito positivo. “Ter esse misto do presencial com o online é a receita ideal, porque quem não consegue comparecer ao local não perde a palestra. Quem pode estar conosco acaba confraternizando e conversando com outros produtores. Então, isso traz mais interação e troca de conhecimento. Nossas expectativas são muito boas para os próximos encontros. Estamos crescendo e aprendendo com o evento que une cooperativa, universidade, produtor e empresas”.

Conhecimento - Para o cooperado Lucas G. Rabbers, é importante que os bovinocultores estejam sempre adquirindo conhecimento e se atualizando. “Assisti a primeira palestra do Fórum e gostei muito, essa segunda gostei mais ainda. Foi muito prática e mostrou algo que é fácil de o produtor adaptar na fazenda”

Oportunidade única - Huibert Pieter Janssen, Consultor Técnico da área, destaca que é uma oportunidade única para os produtores e técnicos. “Os profissionais do Fórum foram escolhidos pensando em bovinocultura de leite e produção, ganhos, receita, melhoramento no manejo, genética e alimentar, temas que os nossos cooperados buscam”.

Fortalecimento da assistência técnica - O Coordenador da Assistência Técnica da área, Marcos Koch Ortiz, explica que um dos desafios é manter a base de produtores munida de informação que agreguem tecnologia e boas práticas. “Neste evento, temos conteúdos de alto nível, que com certeza já passaram por um grande filtro de pesquisas e aplicações práticas. Para a Assistência Técnica, é fundamental fomentar as discussões com os técnicos e produtores, que encontram diversos desafios e ambientes diferentes nas propriedades. A somatória de tudo isso é conseguir fortalecer as estratégias que deverão ser tomadas no futuro”.

Inscrições - As inscrições para participar das próximas etapas do Fórum podem ser feitas com a Assistência Técnica da Área de Negócios Leite da Castrolanda ou pelo link (https://bit.ly/convite-forum-leite). O investimento é de R$ 1.500 para todas as palestras. Cooperados tem 50% de subsídio (R$ 750) e, em caso de mais de uma inscrição na mesma matrícula, o valor sai R$ 500 por inscrito.

Palestrantes - Confira os palestrantes confirmados:

Luiz Ferraretto – Universidade de Wisconsin-EUA

Efeitos do teor e da digestibilidade de amido e fibra no comportamento alimentar e produção de vacas em lactação

Aula inaugural – 26/01, às 19h - Online (via Youtube)

Ricardo Rodrigues – Dairy Nutritionist, Provimi-EUA/Cargill Animal Nutrition

Período de transição

23/02, às 19h – Presencial (Hotel Buganville Express) e Online (via Teams)

João H. C. Costa – Universidade de Kentucky-EUA

Criação de bezerras e novilhas

30/03

Daniel Castelo - Trader Senior Global de Soja – Cargill Suíça

Panorama e Perspectivas de Mercado para Soja e Milho no Brasil e no Mundo

13/04, às 18h - Online

Claudio Ribeiro – Dairy & Beef Nutritionist, Western Milling, Califórnia-EUA

Alimentação para vacas de alto desempenho/Gestão de dieta

27/04

Davi Araújo – Global Trace Mineral Program Manager – Europe, Middle-East & Africa, Trouw Nutrition - The Netherlands

Uso de aditivos: qual a importância?

25/05

Jonas Souza – Universidade de Purdue-EUA

Manejo nutricional visando aumento de produção de sólidos do leite

29/06

Veridiana Souza – Dairy Nutitionist, Senior Research Scientist / Dairy Feed R&D-Adult Cows/ Land O’ Lakes, Inc./ Purina animal Nutrition/Dairy Nutrution and Modeling – Missouri-EUA

Análise de dados de fazendas

27/07

Ricardo Chebel – Universidade da Flórida-EUA

Uso de sistemas de automação para saúde e reprodução de vacas leiteiras

Ronaldo Cerri – Universidade British Columbia-Canadá

Modelo de reprodução canadense

José Eduardo Portela Santos – Universidade da Flórida-EUA

(tema a definir)

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo.

Faturamento - Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata.

Objetivo - O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

{vsig}2022/noticias/03/02/castrolanda/{/vsig}

COPACOL: Busão da Imaginação desperta interesse pela leitura em estudantes do Sudoeste

Atenção passageiros, apertem os cintos: é hora de viajar para um mundo colorido, cheio de magia e diversão, com reinados repletos de aventuras e criaturas misteriosas que acabam de chegar de outras galáxias: sejam bem-vindos ao Busão da Imaginação.

Ação - A ação de incentivo à cultura desenvolvida pela Copacol chegou pela primeira vez ao sudoeste do Paraná, em parceria com as secretarias Municipais de Educação. Com centenas de obras da literatura infantil, o ônibus totalmente caracterizado com ilustrações foi transformado em uma biblioteca itinerante está passando por escolas públicas de Capanema, Pérola do Oeste, Pranchita, Planalto e Santo Antônio do Sudoeste.

Aprendizado - A primeira parada do Busão da Imaginação na Escola Municipal Concórdia, em Capanema, proporcionou muito aprendizado, despertando nas crianças o interesse pela leitura. Os contos infantis ganharam vida por meio de apresentações realizadas por contadores de histórias, em seguida, eles puderam se divertir com esse mundo encantado dos livros. “Ficamos entusiasmados com o trabalho. As crianças têm a oportunidade de dar asas à imaginação. Os livros são encantadores e o Busão da Imaginação proporciona esse contato com obras em uma fase importante da criança”, afirma a professora Elizandra Albano dos Santos

Interação com artistas - A interação com os artistas durante as apresentações e a leitura no Busão da Imaginação deixa à comunidade escolar um dia diferente, que fica marcado na vida das crianças, que estão conhecendo o que há pelo mundo. “É um momento mágico, que desperta nas crianças o amor pela leitura e aguça a criatividade. Nosso propósito é incentivar a cultura entre as crianças. Percebemos o quanto elas se divertem e aprendem com essa ação”, ressalta Elizete Lunelli Dal Molin, assessora de Cooperativismo.

Comunidade - Comprometida com o desenvolvimento econômico e cultural da região onde está instalada, a Copacol implanta continuamente projetos que geram qualidade de vida e bem-estar à comunidade. O Busão da Imaginação é uma das ações, com mais de 16,3 mil visitas de estudantes da rede municipal do oeste paranaense, que agora se expande à região sudoeste. “Há dois anos a Copacol chegou ao sudoeste e vem gerando incentivos ao desenvolvimento da agricultura. Estamos compartilhando nossos benefícios com os moradores e esperamos contribuir ainda mais com o progresso da região”, afirma Luciano Zaninello, gerente das unidades no sudoeste paranaense.

Apoio cultural - A parceria do Projeto Apoio Cultural também foi firmada com prefeituras visando implantar projetos de esporte, arte, música, dança, entre outras atividades. “Exercemos uma responsabilidade de gerar oportunidades de renda no campo e na cidade. No entanto, para construirmos um mundo melhor é fundamental investirmos no futuro das nossas crianças e adolescentes. Nossos projetos buscam esse desenvolvimento social, compartilhando com todos os benefícios da nossa Cooperativa. Os cooperados ganham com a segurança e bons negócios, os colaboradores com fonte de renda e a comunidade com os projetos”, afirma o diretor-presidente, Valter Pitol.

Itinerário do Busão - Confira em que dias e quais escolas estão programadas paradas do Busão da Imaginação em Capanema: Escola Municipal Janete Katzwinkel (04 e 07/03); Escola Municipal Tancredo Neves (08/03). Em seguida o Busão percorre outras cidades da região. (Imprensa Copacol)

{vsig}2022/noticias/03/02/copacol/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Conflito entre Rússia e Ucrânia impacta mercado financeiro e agronegócio

sicredi uniao I 02 03 2022O conflito entre Rússia e Ucrânia traz reflexos para a economia mundial e investimentos, pressiona a inflação e pode impactar o agronegócio. As sanções e embargos impostos pelos países a Rússia, que já tinha sido adotados antes do início do conflito e foram ampliados, afetarão o comércio internacional.

Fornecimento - Para o economista Roberto Rodrigues, que é gerente de investimentos da Sicredi União PR/SP, como a Rússia é um país importante no fornecimento de energia para a Europa e um dos maiores produtores de fertilizantes do mundo, isso acarretará reflexos na economia mundial. “O atual contexto impõe maiores riscos inflacionários, especialmente aos Estados Unidos, que já vêm enfrentando um cenário de aceleração de inflação, e também para o Brasil, por pressionar ainda mais os custos de produção do agronegócio”, aponta.

Investimentos - No mercado de investimentos pode haver migração de recursos, segundo o economista. “Quando há escalada de incertezas, os agentes econômicos procuram mais segurança, e os títulos do tesouro americano, considerados os menos arriscados do mundo, historicamente são o destino mais procurado em contextos como o atual. Por conta disso o dólar também se valorizou e deve continuar se valorizando frente a outras moedas”. Na última quinta-feira o yield (rendimento) dos títulos do tesouro americano caiu por conta do aumento da demanda.

Brasil - No Brasil, a consequência será maior volatilidade para os produtos de renda variável e maior exigência de prêmio para produtos pré-fixados e de juro real, respectivamente IRF-M e IMA-B.

Consultoria - Para os investidores que estão preocupados com a volatilidade do mercado e querem rebalancear a carteira, a sugestão é procurar o consultor de investimento. No caso da Sicredi União PR/SP um time de especialistas está à disposição dos associados das 112 agências no norte e noroeste do Paraná, centro e leste de São Paulo, e semanalmente o Sicredi encaminha nota econômica aos investidores. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Sodexo Benefícios e Incentivos doa R$ 300 mil para o Instituto Coopconecta da Sicredi

sicredi uniao II 02 03 2022A Sodexo Benefícios e Incentivos, empresa líder em serviços de qualidade de vida, anunciou a doação de R$ 300 mil para o Instituto Coopconecta – braço da cooperativa de crédito Sicredi União PR/SP. Os recursos serão usados na 5ª edição da campanha União Solidária voltada para centenas de entidades sociais.

Entrega - O valor doado foi entregue na quinta-feira passada (24/02), pelo presidente da Sodexo Benefícios e Incentivos, Thierry Guihard, ao presidente da Sicredi União PR/SP, Wellington Ferreira, por meio de cheque simbólico durante cerimônia na cidade de Maringá/PR, na rua Santos Dumont, 2720.

Participações - Na ocasião, estiveram presentes também o diretor executivo comercial da Sodexo, Jacinto Luis Miotto Neto; o Gerente de Canal Parcerias Brasil, Alexsander Hubner e o diretor-executivo da Sicredi União PR/SP, Rogério Machado. Na sequência, eles visitaram as instalações da nova sede da cooperativa e do Instituto Coopconecta, que fica na avenida Paraná, esquina com a avenida Carneiro Leão.

Amiga da sociedade - “A Sicredi sempre foi uma empresa amiga e parceira da sociedade. Por esta razão, a Sodexo Benefícios e Incentivos buscou estreitar seu relacionamento com a cooperativa, fazendo agora essa doação. No mundo de hoje, se torna imperativo termos cada vez mais empresas que levem qualidade de vida às pessoas por meio de ações sociais como essa que temos presenciado agora com a inauguração do Instituto Coopconecta”, explica Thierry Guihard, CEO da Sodexo Benefícios e Incentivos.

Parceria - Por meio de uma parceria inédita com a Sicredi União PR/SP, produtos da Sodexo Benefícios e Incentivos serão disponibilizados aos associados pessoas jurídicas da cooperativa, como o Alimentação Pass, Refeição Pass, Combustível Pass e o VT Pass. A comercialização dos produtos será feita pelas 112 agências no norte e noroeste do Paraná, centro e centro leste de São Paulo. O acordo prevê também incentivar que os associados da cooperativa se credenciem à rede da Sodexo, atualmente formada por mais de 600 mil estabelecimentos em todo o país.

Sobre a Sodexo Benefícios e Incentivos - É a empresa do grupo francês Sodexo, líder mundial em serviços de qualidade de vida. Tem em sua missão desenhar, gerenciar e entregar serviços para empresas de todos os portes, segmentos e regiões do Brasil com o objetivo de melhorar a qualidade de vida diária das pessoas e contribuir para o desenvolvimento econômico, social e ambiental das cidades, regiões e dos países em que atua.

Atendimento - Com 650 colaboradores, atende aproximadamente 103 mil clientes, que representam 5,9 milhões de usuários, com uma rede de 600 mil estabelecimentos credenciados em todo o País com serviços únicos no mercado de benefícios, gestão de despesas, incentivos e reconhecimento: Refeição Pass, Alimentação Pass, Cultura Pass, VT Pass, Combustível Pass, Gift Pass, Alimentação Pass Natal, Brinquedo Pass, Premium Pass, Wizeo, GymPass, Sodexo Multi e Apoio Pass. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

PUBLICAÇÕES: Ministério da Economia divulga Anuário do Comércio Exterior Brasileiro 2021

publicacoes 02 03 2022O Ministério da Economia publicou, na quinta-feira passada (24/02), o Anuário do Comércio Exterior Brasileiro referente ao ano de 2021. Elaborado pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), com a colaboração da Secretaria-Executiva da Câmara de Comércio Exterior (SE/Camex) – ambas da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais (Secint) – o documento apresenta um panorama do setor no ano passado, abordando as iniciativas de maior destaque.

Economia mundial - A economia mundial vem dando sinais de recuperação dos efeitos causados pela pandemia de Covid-19. No entanto, medidas de enfrentamento à pandemia ainda tiveram de ser adotadas em 2021. Para amenizar os efeitos negativos sobre a vida e a saúde da população, o governo brasileiro aprovou uma redução de 10% nas alíquotas do Imposto de Importação para cerca de 87% do universo tarifário. A medida, que tem caráter temporário e excepcional, buscou refletir as negociações em curso no âmbito do Mercosul sobre a revisão da Tarifa Externa Comum (TEC). Também foram mantidas reduções tarifárias de produtos essenciais para o combate à pandemia.

Desburocratização - Em 2021, foram adotados novos procedimentos para o licenciamento de importações de material usado e de bens ingressados no país com benefícios fiscais condicionados ao exame de similaridade. Outro importante avanço foi a inclusão da Secex no módulo complementar do OEA-Integrado, que reduziu a burocracia para a solicitação de atos concessórios de drawback suspensão e isenção (de insumos importados para utilização em produto exportado). Em um curto período de implementação, já foi possível constatar significativos ganhos para as empresas certificadas, principalmente quanto ao prazo para as aprovações de atos concessórios.

Portal - Em relação ao Programa Portal Único de Comércio Exterior – principal iniciativa de desburocratização e facilitação do comércio exterior brasileiro –, houve importantes avanços em 2021, com a implementação de uma nova etapa do programa. Atualmente, cerca de 30% das importações brasileiras podem ser feitas por meio do Novo Processo de Importação.

Modernização do Mercosul - Desde que o Mercosul foi criado, a estrutura da TEC é basicamente a mesma. Por isso, sua atualização é fundamental para adequar a tarifa à nova realidade produtiva e econômica. Nesse contexto, os bens de capital e de informática e telecomunicações tiveram suas tarifas reduzidas em 10%, em março de 2021, para cortar custos e aumentar a competitividade do setor produtivo, o que em última instância beneficia os consumidores brasileiros.

Avanços em negociações - A pandemia da Covid-19 dificultou o andamento das negociações por acordos comerciais, mas os grupos técnicos continuaram se reunindo virtualmente. Assim, houve avanços nas negociações com Coreia do Sul, Canadá e Singapura. Além disso, em dezembro de 2021, foram lançadas as negociações para um Acordo de Parceria Econômica Abrangente entre o Mercosul e a Indonésia. Em fevereiro de 2021, o Brasil apresentou sua oferta de acesso a mercado no âmbito da acessão ao Acordo sobre Compras Governamentais da OMC (GPA, na sigla em inglês). Em novembro, foi apresentada oferta revisada, que contou com melhorias para atender a pedidos das partes.

Transparência e defesa comercial - Há também uma seção dedicada a medidas de transparência e governança da política comercial adotadas pela Secex e pela SE/Camex. Em 2021, a Secex passou a divulgar estudos e publicações de temas tratados pela Secretaria e que têm reflexos para a sociedade. Também estão sendo divulgados painéis com visualizações de dados sobre as licenças de importação emitidas pelo órgão, bem como relatórios sobre a utilização das principais cotas tarifárias de importação administradas pela Secretaria. Em relação à governança do comércio exterior, houve avanços no ano, principalmente no âmbito da Camex.

Mais - O anuário traz, ainda, informações sobre o processo de reforma do sistema brasileiro de apoio creditício à exportação, dados consolidados de defesa comercial e interesse público, avanços obtidos nas áreas de investimentos e internacionalização de empresas, entre outros temas do setor. (Ministério da Economia)

Confira o Anuário do Comércio Exterior Brasileiro 2021

 

ECONOMIA: Governo publica redução de até 25% das alíquotas do IPI

economia 02 03 2022O governo federal publicou na sexta-feira (25/02) decreto que reduz as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A medida alivia a carga tributária na produção de automóveis, eletrodomésticos da chamada linha branca - como refrigeradores, freezers, máquinas de lavar roupa e secadoras - e outros produtos industrializados. O texto, assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, consta em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Índice - Para a maior parte dos produtos, a redução foi de 25%. Alguns tipos de automóveis tiveram redução menor na alíquota, de 18,5%. Produtos que contenham tabaco não tiveram redução do imposto.

Renúncia tributária - De acordo com cálculos informados pelo Ministério da Economia, a redução do IPI representará uma renúncia tributária de R$ 19,5 bilhões para o ano de 2022, de R$ 20,9 bilhões para o ano de 2023 e de R$ 22,5 bilhões para o ano de 2024.

Medidas de compensação - Por se tratar de tributo extrafiscal, de natureza regulatória, é dispensada a apresentação de medidas de compensação, como autorizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, ressaltou o governo.

Justificativa - Para justificar a renúncia tributária, o governo destacou que a arrecadação federal em janeiro de 2022 somou R$ 235,3 bilhões, sendo volume recorde que representa 18,30% de aumento em relação ao mesmo mês do ano passado, já descontada a inflação do período.

Espaço fiscal - "Há, portanto, espaço fiscal suficiente para viabilizar a redução ora efetuada, que busca incentivar a indústria nacional e o comércio, reaquecer a economia e gerar empregos. O decreto entrará em vigor imediatamente e não depende da aprovação do Legislativo", informou a Presidência da República, em nota.

CNI - Em comunicado, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) celebrou a redução do IPI ao enfatizar que indústria é o setor o mais tributado da economia no país. De acordo com a entidade, a tendência é haver uma redução dos preços dos produtos industriais, com impactos na inflação, já que os preços do segmento representam 23,3% do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

ENERGIA ELÉTRICA: Contas de luz continuam com valor extra

energia eletrica 02 03 2022Os consumidores que recebem o benefício da Tarifa Social de Energia Elétrica terão bandeira verde em março. Com isso, não haverá acréscimo na conta de luz dos beneficiários. A decisão foi anunciada na sexta-feira (25/02) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Para os demais usuários, no entanto, continua vigente a bandeira Escassez Hídrica, no valor de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos.

Custos - Segundo o governo, esse valor extra foi necessário para cobrir os custos de energia, que ficaram mais caros em decorrência do enfrentamento do período de escassez de recursos hídricos, em 2021, o pior em 91 anos. A bandeira Escassez Hídrica segue em vigor até abril de 2022.

Abril - O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, acredita que a partir de abril a bandeira de Escassez Hídrica deixará de ser aplicada. “Acreditamos que [a bandeira Escassez Hídrica] não será necessária a partir de abril. [Ela] foi utilizada para pagar o custo adicional de geração de energia. Como nós não tínhamos água para gerar as nossas usinas hidrelétricas, tivemos que contratar energia no exterior, da Argentina, do Uruguai, e tivemos que usar nossas usinas termelétricas, que são mais caras, por conta do petróleo, do óleo, por conta do gás”. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE I: País tem 28,8 milhões de casos e quase 650 mil mortes

O Brasil chegou a 649.630 mortes em decorrência da covid-19, informou nesta terça-feira (01/03) o Ministério da Saúde. Nas últimas 24 horas foram confirmados 297 óbitos e 23.545 diagnósticos positivos da doença, totalizando 28.811.165 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia. Na segunda-feira (28/02), o painel de informações da pandemia administrado pelo ministério trazia 28.787.620 casos acumulados.

Acompanhamento - A quantidade de casos em acompanhamento está em 1.655.530. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta nem evoluíram para morte.

Investigação - Ainda há 3.116 mortes em investigação. As mortes em investigação ocorrem pelo fato de haver casos em que o paciente faleceu, mas a apuração sobre a causa ter sido a covid-19 continua em andamento.

Recuperadas - Até esta terça-feira, 26.506.005 pessoas se recuperaram da covid-19, segundo os dados oficiais. O número corresponde a 92% dos infectados desde o início da pandemia.

Números - Os números de novos casos e mortes em geral são menores aos domingos, segundas-feiras e nos dias seguintes aos feriados em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados.

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (164.613), Rio de Janeiro (71.781), Minas Gerais (59.647), Paraná (42.330) e Rio Grande do Sul (38.272).

Menos - Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (1.974), Amapá (2.102), Roraima (2.134), Tocantins (4.109) e Sergipe (6.254). Hoje, não atualizaram os dados o Distrito Federal, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Tocantins. (Agência Brasil)

 

covid 01.03.22

 

SAÚDE II: Sesa registra mais 2.569 casos e 24 óbitos pela Covid-19

saude II 02 03 2022A secretaria estadual da Saúde divulgou nesta terça-feira (01/03) mais 2.569 casos confirmados e 24 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os números não necessariamente representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 2.322.922 casos confirmados e 42.100 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta terça-feira são de março (290) fevereiro (1.977) e janeiro (287) de 2022; julho (3), junho (2), maio (1), março (4) de 2021; outubro (1), setembro (1), julho (2) e junho (1) de 2020. Os óbitos são de março (1), fevereiro (22) de 2022 e junho (1) de 2021.

Internados - Há 139 pacientes com diagnóstico confirmado internados em leitos SUS (55 em UTI e 84 enfermaria). Não há pessoas com diagnóstico confirmado na rede particular. Há outros 797 pacientes internados, 327 em leitos UTI e 470 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão na rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 24 pacientes. São sete mulheres e 17 homens, com idades que variam entre 42 e 100 anos. Os óbitos ocorreram entre 13 de junho de 2021 a 1 de março de 2022.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (14) e Congonhinhas (2), além da morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Sarandi, Santo Antônio do Sudoeste, Rio Azul, Pinhais, Palmeira, Maringá, Francisco Beltrão e Clevelândia.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 10.556 casos de residentes de fora do Estado, sendo que 230 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo

Confira relatório de ajustes no site da Sesa.

 

SAÚDE III: ANS divulga dados até janeiro de 2022 no Boletim Covid-19

saude III 02 03 2022A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou na sexta-feira passada (25/02) a edição de fevereiro do Boletim Covid-19, com dados sobre o comportamento do setor de planos de saúde durante a pandemia de Covid-19. A edição traz dados atualizados até janeiro de 2022, encerrando o calendário anual do informe.

 

Estabilidade - Nesta edição, a publicação mostra que o número de beneficiários se manteve estável em relação ao mês anterior e se aproxima da marca de 49 milhões, o que confirma o interesse dos brasileiros no acesso à saúde suplementar. A quantidade de leitos alocados para atendimento a casos de Covid-19 nos hospitais da amostra volta a crescer, interrompendo a tendência de queda observada desde abril de 2021.

 

Econômico-financeiras - A edição de fevereiro traz ainda as informações econômico-financeiras, pelas quais são informadas a sinistralidade no período e inadimplência, além das demandas dos consumidores recepcionadas pela ANS por meio de seus canais de atendimento.

 

Monitoramento - O objetivo do Boletim Covid-19 é monitorar a evolução de indicadores relevantes do setor de planos de saúde nesse período, subsidiando análise qualificada da agência reguladora e prestando mais informações à sociedade.

 

Clique aqui para acessar a edição de fevereiro do Boletim Covid-19 – Saúde Suplementar.

 

Evolução de beneficiários - O número preliminar de beneficiários em planos de assistência médica relativo a janeiro de 2022 segue a tendência de crescimento observada desde julho de 2020. O total de 48.945.306 beneficiários representa aumento de 0,03% em relação a dezembro de 2021. A taxa de adesão (entradas), considerando todos os tipos de contratações, é superior à taxa de cancelamento (saídas) nos planos médicos hospitalares. O tipo de contratação responsável por esta superioridade é o coletivo empresarial que se mantém, desde julho de 2020, com mais entradas do que saídas de beneficiários.

 

Tipo de contratação - Considerando o tipo de contratação do plano e a faixa etária do beneficiário, observa-se que a variação foi positiva para os beneficiários acima de 59 anos em todos os tipos de contratação ao longo dos meses de março de 2020 até fevereiro de 2022.

 

Informações assistenciais - A proporção de leitos destinados para atendimento à Covid-19 nos hospitais da amostra volta a crescer, interrompendo a tendência de queda observada desde abril de 2021. A taxa mensal geral de ocupação de leitos, que engloba tanto atendimento à Covid-19 como demais procedimentos, ficou em 73% em janeiro de 2022, três pontos percentuais acima do patamar observado em janeiro de 2021, quando o país enfrentava a segunda onda da Covid-19.

 

Ocupação de leitos - A ocupação de leitos de UTI para casos de Covid-19 apresentou aumento significativo em janeiro de 2022, passando de 44% para 61%. Já a ocupação de leitos de UTI para demais procedimentos mantém tendência de estabilidade que vem sendo observada desde março de 2021, tendo ficado em 75% no mês de janeiro.

 

Pronto-socorro - A procura por consultas em pronto-socorro que não geraram internação atingiu o patamar mais alto observado desde o início do monitoramento realizado pela ANS; e a busca por exames e terapias ficou 12% acima do patamar verificado em janeiro de 2021.

 

Aumento de casos - De maneira geral, as variações nos indicadores apresentados parecem refletir o aumento dos casos de influenza e de Covid-19 (impulsionados pelas variantes H3N2 e Ômicron, respectivamente), no Brasil, no fim de 2021.

 

Exames - Dos dados sobre realização de exames de detecção de Covid-19, destaca-se que, tanto o número de exames de RT-PCR como os exames de pesquisa de anticorpos, seguem em queda no mês de novembro de 2021. Na comparação com o mesmo período de 2020, houve redução de 67,6% nos exames de RT-PCR e 91,6% para as pesquisas de anticorpos realizadas no setor.

 

Informações econômico-financeiras - No encerramento de 2021, tanto o 3º quanto o 4º trimestre apresentam índice de sinistralidade de caixa (despesas assistenciais/receitas) no mesmo patamar dos dois últimos trimestres de 2019 (período pré-pandemia).

 

Aumento - Em 2022, ao analisar os dados mensais, observa-se aumento de três pontos percentuais na sinistralidade de janeiro em relação dezembro de 2021. A ANS permanecerá monitorando a evolução desses dados no setor.

 

Fluxo de caixa - Os dados de fluxo de caixa das operadoras não devem ser confundidos com o índice de sinistralidade contábil (divulgado na publicação Prisma Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar da ANS), mensurado por competência e que segue metodologia própria, e é usado para o cálculo do reajuste de planos individuais/familiares fixado pela ANS. As informações de fluxo de caixa, por sua agilidade de coleta, são as mais adequadas para o célere monitoramento dos efeitos da pandemia.

 

Inadimplência - Sobre a inadimplência, os dados de janeiro de 2022 comparados com dezembro de 2021 indicam oscilações suaves, dentro do comportamento histórico deste indicador. Observa-se aumento de um ponto percentual na inadimplência total de planos com preço preestabelecido, assim como no percentual de inadimplência de planos coletivos. Para planos individuais/familiares, percebe-se redução de um ponto percentual na comparação com o mês anterior.

 

Demandas dos consumidores - Os dados de janeiro de 2022 mostram que houve aumento de 15,3%, em comparação ao mês anterior, no total de reclamações que foram passíveis de intermediação pelo instrumento da Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), ficando em patamares semelhantes aos observados nos meses de agosto a novembro de 2021, com maior predominância de temas de natureza assistencial. Quanto às demandas relacionadas à Covid-19, houve aumento também.

 

Queixas - Em janeiro de 2022, a ANS registrou 1.597 reclamações sobre o tema. Do total de queixas relacionadas ao coronavírus, 79% dizem respeito a dificuldades relativas à realização de exames e tratamento para a doença. A intermediação de conflitos feita pela ANS, entre consumidores e operadoras, tem resolvido mais de 90% dessas reclamações.

 

Diário - No portal da reguladora, é possível acessar o monitoramento diário das demandas sobre Covid-19.

 

Consulte o monitoramento diário das demandas sobre Covid-19.

 

Sobre os dados - Para a análise dos indicadores assistenciais, a ANS considerou informações coletadas em uma amostra de 49 operadoras que possuem rede própria hospitalar. Para os índices econômico-financeiros, foram analisados dados de 103 operadoras para o estudo de fluxo de caixa e análise de inadimplência. Juntas, as operadoras respondentes para esses grupos de informação compreendem 74% dos beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares. Adicionalmente, na construção do boletim, foram utilizados dados do Documento de Informações Periódicas (DIOPS), do Sistema de Informações de Fiscalização (SIF) e o Sistema de Informação de Beneficiários (SIB). (ANS)

 

 

ARTIGO: Saiba como tratar e prevenir Ler/Dort

artigo 02 03 2022* Humberto Bohn Nunes

Ler/Dort (Lesão por Esforço Repetitivo/Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho) são distúrbios causados principalmente pela repetição exagerada ou inadequada de movimentos. Por exemplo: a digitação por longos períodos, sem pausas e com posicionamento inadequado dos punhos. Além disso, ela pode ser causada por mecanismos de agressão, que exigem muita força na sua execução, como manter uma postura inadequada, usar excessivamente o celular e até mesmo o estresse.

Alguns profissionais podem ter mais chance de desenvolver Ler/Dort como as pessoas que trabalham com computadores, em linhas de montagem e de produção, ou aquelas que operam britadeiras. Digitadores, músicos, esportistas, pessoas que fazem trabalhos manuais também se enquadram. No Brasil, em 10 anos (de 2008 a 2018), a quantidade de casos aumentou 184%.

Existem muitos sintomas que podem indicar Ler/Dort e, entre eles, os mais comuns são formigamento, dormência, dor localizada nos ombros ou pulsos, uma dor que irradia ou que pode ser generalizada, desconforto. Há ainda outros sintomas como a fadiga muscular, sensação de peso e fraqueza muscular que também podem ser Ler/Dort. É bom lembrar que esses sintomas podem ser acentuados ao realizar determinados movimentos, mas também é importante observar quanto tempo eles duram, quais atividades os agravam, qual a sua intensidade e se há sinais de melhora com o repouso.

Dentre as formas de tratamento é possível recorrer ao uso de medicamentos anti-inflamatórios para aliviar a dor e o desconforto. A fisioterapia também desempenha um papel muito importante na recuperação do paciente. Havendo liberação médica, outras ações como caminhar ao ar livre, correr, fazer exercícios como Pilates ou Hidroginástica são boas opções para ajudar durante o tratamento. Mas reforço, procure sempre seu médico.

Desde o início da pandemia, encaramos muitas mudanças na nossa rotina e trabalhar em casa foi uma delas. Isso pode parecer uma tarefa simples, mas o home office é uma modalidade diferente para muitos profissionais. A adaptação ao trabalho remoto gerou um aumento significativo das doenças relacionadas à ergonomia do trabalho e à saúde mental. Na maioria dos casos, os profissionais não possuíam um ambiente preparado para o serviço, associado a uma intensificação das demandas, problemas nas articulações, músculos, tendões, ligamentos e sobrecarga mental acabaram por acarretar surtos de ansiedade, irritabilidade, tornando esses distúrbios cada vez mais comuns.

Para manter corpo e mente equilibrados e, assim, possuir mais qualidade de vida e produtividade no trabalho, sempre procure intercalar movimentos repetitivos com momentos de descanso, praticar atividades físicas e se alongar, respeitar os limites do corpo e da mente, buscar um ambiente de trabalho ergonomicamente confortável para poder evitar problemas decorrentes deste.

Quando se pensa em Ler/Dort, logo vem à cabeça dores nos pulsos, ombros, pescoço, porém é bom saber que qualquer região do corpo pode ser afetada por elas. Portanto, as síndromes podem manifestar-se em outras regiões do corpo como, por exemplo, a coluna lombar (se a sobrecarga ocorrer na coluna lombar) ou o tendão de Aquiles (se a pessoa caminha ou corre longas distâncias). E o que fazer para prevenir?

Você pode começar praticando a ginástica laboral! Alongue braços e pernas, realize movimentos circulares com os punhos e pescoço. Além disso, tenha atenção à sua postura, mantenha os seus ombros relaxados, aposte em uma cadeira confortável, faça pausas regulares. E, sempre que possível, evite a sobrecarga mental.

Se você sente dores nos pulsos ao fim do dia, formigamento nas pernas, fique atento! Você pode vir a desenvolver Ler/Dort, então não espere, procure agora mesmo seu médico. Aliado ao tratamento adequado e às medidas de prevenção, é possível tratar e evitar novos episódios. Cuidem-se!

* Humberto Bohn Nunes, médico cooperado da Unimed Curitiba especialista em medicina do trabalho e coordenador médico da empresa do grupo: SOU-Saúde Ocupacional Unimed Curitiba

 


Versão para impressão


RODAPE