Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5273 | 08 de Março de 2022

SISTEMA OCEPAR I: Homenagem às mulheres marca reunião dos gestores desta terça-feira

Solange Pinzon de Carvalho Martins, presidente do Conselho de Administração do Sicoob Meridional, Wemilda Marta Fregonese Feltrin, presidente da Unimed Francisco Beltrão, e Yuna Bastos, conselheira da Sicredi União PR/SP. Três mulheres, três exemplos de liderança feminina e que na manhã desta terça-feira, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, representaram todas as mulheres cooperativistas na homenagem que o Sistema Ocepar promoveu, durante a reunião matinal dos gestores da organização. A reunião, comandada pela gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Maria Emília Pereira Lima, outra liderança feminina que inspira, foi inteira dedicada às mulheres e contou, excepcionalmente, com a participação de todos os colaboradores do Sistema Ocepar.

Temos que “inclusificar” - “O dia da mulher é um lembrete no sentido de que a sociedade perceba que ainda existem diferenças de gêneros, que resultam em discriminação, salários e cargos inferiores, privilégios diferentes entre homens e mulheres, e isto tudo num cenário de mundo em que a diversidade tem sido bastante debatida. Nós, do Sistema Ocepar, temos buscado ressaltar o papel da mulher, por meio de ações e projetos que incentivem a participação feminina nas cooperativas, e hoje é mais um dia para lembrar a importância de inclusificar”, comentou Maria Emília, destacando a palavra “inclusificar” que, diferentemente de diversificar ou incluir, implica umesforço contínuo de fazer com que as mulheres se sintam engajadas, empoderadas, aceitas e valorizadas.

Inspiração - As três convidadas agradeceram a oportunidade de representar as mulheres cooperativistas, porém, destacaram que, apesar dos avanços, ainda há dificuldade em trazê-las para os conselhos e posições de liderança. “Estar aqui hoje é importante para mim, para minha cooperativa e para nossa classe. Sei que nós, lideranças, servimos de inspiração. Essa consciência nos dá muita responsabilidade. E eu, no que me cabe, incentivo a participação feminina, tanto que no Sicoob Meridional as mulheres representam 60% do quadro funcional e mais de 50% dos cargos de chefia. As mulheres são competentes, conseguem dividir a liderança, envolver mais. O homem pode ter força física, mas diferença de sensibilidade pertence a mulher”, disse Solange Pinzon.

Estímulo ao protagonismo - "É um orgulho muito grande saber a minha participação, as minhas ações, inspiram outras mulheres”, completou a dra. Wemilda Fregonese. Segundo ela, na área de saúde há mais paridade de gênero no exercício da função, porém, o mesmo não ocorre no que se refere à participação nas cooperativas. “O que vê é que as mulheres entram mais tarde na cooperativa. Está faltando alguma coisa para motivá-las a participar dos conselhos e diretoria. E isso não é por falta de convite, e sim de escolha delas próprias. Participar da cooperativa exige uma disponibilidade que às vezes as mulheres não têm, por estarem na fase de estudar e formar família. Estimular o protagonismo feminino é uma batalha e temos que traçar outras estratégias para ter sucesso”, disse.

Agro - Por conhecer bem o ramo agropecuário, Yuna Bastos lembra que esse ambiente ainda é predominantemente masculino. “Temos mulheres maravilhosas que ajudam a divulgar o agro e são exemplo e inspiração. Mas na liderança, ainda há carência de figuras femininas”, afirmou. “Temos muitas cooperadas, que trabalham na propriedade e conduzem os negócios com muita competência. Mas poucas estão em cargos de liderança. E isso ocorre por vários fatores, inclusive, porque um diferencial nosso é que a mulher busca realização. Corre atrás da realização. Não é só cargo ou salário. Então, nós que desempenhamos uma função de liderança, temos que ser inspiração para essas mulheres”, concluiu.

Homenagem -A gerente Maria Emília Lima, em nome do Sistema Ocepar, encerrou a homenagem às mulheres cooperativistas com um vídeo produzido pela Gerência de Desenvolvimento do Cooperativismo do Sescoop/PR e pela Coordenação de Comunicação do Sistema Ocepar.  Clique aqui e confira. Houve ainda uma homenagem prestada pela Associação dos Funcionários do Sistema Ocepar (Afoca). 

{vsig}2022/noticias/03/08/sistema_ocepar_I/{/vsig}

 

SISTEMA OCEPAR II: Pré-assembleias de prestação de contas iniciam na próxima segunda-feira

 

A partir da próxima segunda-feira (14/03), o Sistema Ocepar realiza a sua pré-assembleia de prestação de contas do exercício de 2021. Serão ao todo quatro eventos, em formato virtual, das 14h às 17h, que ocorrem juntamente com os Encontros de Núcleos Cooperativos, e serão exclusivos para presidentes eleitos das 220 cooperativas paranaenses.

 

Programação - No dia 14, a programação terá a participação dos representantes do Núcleo Oeste, tendo como cooperativa anfitriã a Copagril, de Marechal Cândido Rondon. No dia 15, a Codepa, de Mangueirinha, será a anfitriã da reunião com cooperativistas do Sudoeste. No dia 16, será a vez do Núcleo Centro-Sul e a Witmarsum, de Palmeira, será a anfitriã. A rodada encerra no dia 17, com a presença das lideranças do Norte e Noroeste, tendo a Sicredi União PR/SP, de Maringá, como anfitriã.

 

Apresentações - As atividades iniciam com a presença do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, e apresentação das cooperativas anfitriãs. Depois, a pauta contempla a apreciação da prestação de contas de 2021 e do plano de ação para 2022 do Sistema Ocepar, além das ações previstas para este ano relativas ao Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), o planejamento estratégico do cooperativismo paranaense.

 

Inscrições e informações -  As inscrições podem ser feitas acessando https://forms.office.com/r/hZ4bePGQGS. Os links de acesso serão encaminhados aos participantes por e-mail. Mais informações com Neuza Oliveira ou Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br/ 41 99278-0739 ou 99151-2148).

 

 

sistema ocepar II folder 03 03 2022

FORMAÇÃO: Inscrições para o Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas encerram na sexta-feira (11/03)

Os interessados em fazer o Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas têm até sexta-feira (11/03) para efetivar suas inscrições. O curso é ofertado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) em parceria com Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR). Esta será a nona turma do curso, para a qual estão sendo disponibilizadas 20 vagas aos profissionais de cooperativas registradas no Sistema Ocepar. O Sescoop/PR irá apoiar 65% do valor total do curso.

O curso - O Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas foi lançado em 2013 pela PUCPR, com apoio do Sistema Ocepar, que demandou a criação do curso. Nele, o mestrando deve cursar quatro disciplinas obrigatórias e quatro eletivas. Tem como linhas de pesquisa “Gestão Estratégica de Cooperativas” e “Dinâmica Socioeconômica de Cooperativas”, possibilitando ao mestrando desenvolver sua capacidade gerencial empreendedora, prestar consultoria, exercer funções de direção ou gerência, assim como lecionar em escolas e instituições de ensino superior no campo da Gestão e Cooperativismo. O curso tem duração de 24 meses. As inscrições, o edital e demais informações estão disponíveis no site: www.pucpr.br/ppgcoop. Também é possível obter mais detalhes pelo e-mail: ppgcoop@pucpr.br.

 

formacao folder 08 03 2022.JPG

COAMO: Presidente da Ocepar é o entrevistado da revista do mês e fala das reinvindicações em prol dos produtores

coamo 08 03 2022A mais nova edição da Revista Coamo está circulando. A reportagem principal aborda os números do balanço da gestão 2021 da cooperativa, aprovado em Assembleia pelos associados no dia 10 de fevereiro. A revista destaca, também, os assuntos apresentados pela diretoria na Reunião de Campo e na Reunião Técnica, realizados no formato virtual.

Entrevista - Destaque para a entrevista do mês com o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que entre outros assuntos, informa aas reivindicações que o sistema apresentou ao governo para amenizar as perdas dos produtores paranaenses, por meio de um pacote de medidas emergenciais.

Versão completa - Acesse a versão completa da Revista Coamo: http://www.coamo.com.br/revistacoamo/fev22/. (Imprensa Coamo)

 

COAMO/CREDICOAMO: Homenagens às mulheres cooperativistas: “É preciso ter força... é preciso ter sonho..”

Esta semana está sendo especial para as mulheres cooperativistas da Coamo e Credicoamo. Isto porque as cooperativas são parceiras nas homenagens às funcionárias, cooperadas, esposas e filhas de cooperados na Semana da Mulher 2022, com o tema “É preciso ter força... é preciso ter sonho s.e.m.p.r.e”, que começou ontem e prossegue até dia 11 deste mês.

Especial - “Preparamos uma programação especial paras as mulheres do nosso cooperativismo, com ações que reúnem depoimentos de relatos e histórias com publicações nas redes sociais e na intranet, que mostram o valor e a força das mulheres, além de felicitações na manhã deste dia tão importante”, explica Ana Claudia Periçaro, chefe do departamento de Desenvolvimento de Gestores, da gerência de Gestão de Pessoas da Coamo.

Desafios da sucessão - Para as funcionárias estão sendo ministradas esta semana várias palestras de interesse do público feminino. Também às cooperadas, esposas e filhas de cooperadas está sendo desenvolvido um ciclo de palestras este mês e um dos destaques será neste dia 10 de março, às 19 horas, pelo canal da Coamo no YouTube, a palestra especial sobre os "Desafios da Sucessão Familiar", com a palestrante Mariely Biff.

Força - “É preciso ter força, é preciso ter sonho sempre é um tema inspirado na música ‘Maria Maria’, de Milton Nascimento, e reflete bem o papel e a importância da mulher em todos os ambientes em que elas estejam. As mulheres, tanto funcionárias como cooperadas, esposas e filhas cooperadas têm valo e força, e contribuem muito para o desenvolvimento e fortalecimento do cooperativismo e do agronegócio, por isso recebem os nossos parabéns”, afirma Airton Galinari, presidente Executivo da Coamo.

 Vídeo - Clique aqui e confira a homenagem em vídeo produzida pela cooperativa. (Imprensa Coamo)

{vsig}2022/noticias/03/08/coamo_credicoamo/{/vsig}

INTEGRADA: A força da mulher no cooperativismo, na cooperativa e no agronegócio

Integrada 08 03 2022As mulheres somam cerca de 20% dos 11.500 cooperados da Integrada. As mulheres também são atuantes e representativas, entre os 2 mil colaboradores da cooperativa, no Paraná e em São Paulo.

Evolução - A trajetória feminina dentro da Integrada evoluiu junto com a decisão da cooperativa de estimular o protagonismo nas pessoas, independentemente de gênero ou posição que ocupam na instituição.

Atenção especial - No entanto, há uma atenção especial para as mulheres, por meio dos Núcleos Femininos. Com cursos e outras modalidades de eventos, as cooperadas da Integrada são capacitadas para gerir a propriedade rural, e, como extensão, para ocupar cargos na própria cooperativa.

Capacidade e dedicação - Membro do Conselho de Administração da Integrada, a cooperada Lígia Mara Jung cresceu nos eventos da cooperativa com a mãe, dona Albertina, produtora rural ao lado do marido, Antônio Jung, e grande incentivadora da filha. Participou dos Núcleos Femininos, fez cursos de gestão e liderança, manifestou sua competência e chegou à diretoria da cooperativa.

Capa de revista - Lígia é capa da edição de março, da Revista Globo Rural. Os repórteres Wilhan Santin, no texto, e Sérgio Ranalli, na fotografia, revelam a trajetória da cooperada e seus projetos.

União de forças - Lígia afirma que “dentro do cooperativismo, as mulheres unem forças, como nos núcleos femininos e grupos de jovens. Hoje, como parte do Conselho de Administração, ainda recebo muito incentivo de cooperadas que se consideram representadas, e isso é muito bom”. Leia a matéria completa com a história de Lígia, a Revista Globo Rural já está nas bancas, ou para assinantes, no meio digital.

Mulheres nas cooperativas do Paraná - O sistema cooperativo é um ambiente altamente favorável para a causa feminina, porque tem princípios baseados na união e no compartilhamento de forças.

Participação - Nas cooperativas, elas são cooperadas, esposas e filhas de cooperados, lideranças femininas, colaboradoras. Segundo a Ocepar, que representa sete ramos cooperativos no Paraná, as mulheres ocupam 45% dos empregos gerados pelas cooperativas no estado, e 54% do quadro social.

Liderança - Nos postos de liderança são aproximadamente 96 conselheiras fiscais, 76 integrantes em diretorias e 11 mulheres atuando como presidentes de cooperativas paranaenses. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, aposta na formação como estratégia de respeito e apoio às mulheres. Elas representaram cerca de 48% da participação em cursos, treinamentos, palestras e outros eventos de formação, capacitação e promoção social promovidos com o apoio do Sescoop/PR.

Ligação - Mais de 2,5 milhões de pessoas estão ligadas ao sistema cooperativo no Paraná. Ricken afirma, “queremos investir nas pessoas, para que elas tenham condições de assumir qualquer posição dentro de uma cooperativa. E, elas devem estar preparadas pela própria estrutura cooperativista. Esse um dos propósitos do Sescoop/PR e da Ocepar”.

Campanha Institucional - Para homenagear as mulheres, a Integrada lança amanhã a campanha institucional. A mensagem é voltada às cooperadas, colaboradoras e, também, às presenças femininas das comunidades onde a cooperativa atua.

Divulgação - A peças comemorativas serão estampadas no blog, nas redes sociais e, também, nos canais internos de comunicação.

Força - Celebrar o Dia Internacional da Mulher confirma a força e a coragem femininas, marca a sua importância no agronegócio e na sociedade. (Imprensa Integrada)

 

SICOOB: Lançada a campanha “Semana da Proteção - Lugar de mulher é onde ela quiser”

sicoob 08 03 2022Incentivar a cultura do seguro de vida e ainda concorrer a prêmios é possível? O Sicoob mostra que sim. Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a instituição financeira cooperativa lança entre os dias 7 e 13 de março a campanha “Semana da Proteção - Lugar de mulher é onde ela quiser”.

Seguro de vida - Durante uma semana, qualquer pessoa física ou jurídica que adquirir o Sicoob Seguros Vida Mulher, Vida Individual ou Vida Simples e que tenham as propostas aceitas com a primeira parcela paga, estando ativas no dia 14 de maio, data em que será feita a apuração, pode concorrer a um carro 0Km (pagamento via vale-poupança, no valor de R$ 80 mil).

Sorteio - A campanha “Semana da Proteção - Lugar de mulher é onde ela quiser” também irá sortear um IPhone 13 entre as pessoas que contratarem um dos seguros pelo App Sicoob.

Live - E a comemoração não para por aí: nesta segunda-feira (07/03), o Sicoob realizou uma live com o canal Churrasqueadas. Entre os convidados está Julia Carvalho, única mulher que faz parte da equipe de competição internacional do Pitmasters, além de ser juíza da Kansas City Barbecue Society.

Tema - Com o tema “Semana da Proteção - Lugar de mulher é onde ela quiser”, a campanha serve como uma reflexão de que a mulher merece se sentir protegida no lugar onde ela escolheu está e, ainda, contar com um produto para adicionar ainda mais tranquilidade financeira.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 6 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, marketplace, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por 352 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Ocupa a segunda colocação entre as instituições financeiras com maior quantidade de agências no Brasil, segundo ranking do Banco Central, com 3.836 pontos de atendimento em mais de 2 mil cidades brasileiras. Acesse o site para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

SICREDI: Instituição financeira cooperativa registra novo recorde no índice de satisfação dos associados

sicredi 08 03 2022Com foco em manter um relacionamento próximo e consultivo com seus mais de 5,5 milhões de associados, o Sicredi tem sido cada vez mais bem avaliado no indicador NPS (Net Promoter Score), que traz avaliações sobre diversas esferas de atendimento. A pesquisa de satisfação sobre o NPS Relacional, com base na opinião dos próprios associados, mostra que a instituição financeira cooperativa encerrou 2021 com índice de aprovação de 74,79%, um crescimento de dois pontos percentuais na comparação com o resultado de 2020. Esse é o melhor resultado desde o início de utilização da metodologia pela instituição em 2011.

Entrevistas - O índice é resultado de mais de 173 mil entrevistas – volume 20% maior do que no ano anterior –, realizadas com associados dos segmentos pessoa física, jurídica e agro. Entre os destaques, o fator “atendimento” surge como principal motivador para a recomendação da marca, com notas 9 e 10, enquanto o segundo lugar destaca a satisfação com o acesso aos canais físicos, digitais e serviços de atendimento.

Segmento - Ainda com base na pesquisa, o segmento que apresentou maior satisfação foi o de associados pessoa física, com NPS de 76,85%, embora todos os demais tenham registrado avaliação positiva. O Agronegócio, por exemplo, aumentou mais de 3 pontos percentuais em comparação com 2020, alcançando o resultado 71,67%. Já o NPS Transacional, que mede a experiência do associado em pontos específicos de relacionamento, como a abertura de conta corrente, fechou 2021 em zona de excelência, com índice de 85,73%.

Reflexo - “O crescimento em nosso NPS é reflexo de como empregamos o nosso propósito de gerar prosperidade às comunidades por meio da nossa atuação. Em cada uma das nossas mais de duas mil agências há um interesse genuíno em colaborar com o crescimento dos associados, potencializado por uma atuação próxima, feita por profissionais que conhecem a realidade das pessoas daquela comunidade e têm verdadeiramente o objetivo de colaborar com o seu desenvolvimento”, contextualiza o diretor executivo de Produtos e Negócios do Sicredi, Odair Dalagasperina.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 25 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

CRESOL: Como patrocinadora exclusive, cooperativa participa de mais uma edição da Expobel

cresol 08 03 2022Teve início no sábado (05/03), mais uma edição da Expobel, feira multisetorial de Francisco Beltrão (PR), e a Cresol pela sétima vez está presente apoiando a terceira maior feira do Paraná. Assim como na última edição, a Cresol é patrocinadora exclusive do evento.

Fomento - A Expobel, que é considerada uma das maiores exposições do Sul do Brasil, está entre as dez maiores do país. A feira fomenta o desenvolvimento econômico, impulsiona novos negócios, amplia as redes interpessoais e estimula a inovação em diversas áreas profissionais.

Atrativos - Para esta edição da feira, mais uma vez, a Cresol traz diferentes atrativos. Além do stand de negócios, com soluções financeiras diferenciadas para a feira, na parte central do centro de eventos está a Cafeteria da Cresol que fica à disposição dos visitantes. Também há diversos espaços da cooperativa espalhados pelo parque e que vão movimentar os nove dias de feira.

Agradecimento - Adriano Michelon, superintendente da Cresol, falou na abertura da Expobel e agradeceu por mais uma vez estar na feira como patrocinadora.

Orgulho - “É um orgulho para a Cresol estar presente em mais uma edição da Expobel, apoiando e movimentando a economia do município e trazendo atrativos para os visitantes. O cooperativismo tem na sua essência a proximidade com as pessoas e busca sempre apoiar iniciativas que envolvem a sociedade”, disse Michelon na fala de abertura da feira.

Carbono zero- O superintendente também lembrou que os espaços da Cresol no parque são todos com a iniciativa carbono zero, onde neutraliza as emissões de carbono na atmosfera por meio da compra de créditos de carbono produzidos em propriedades agrícolas devidamente registradas.

Cooperativismo - Para o presidente da Central Cresol Baser, Alzimiro Thomé, participar de mais uma edição da Expobel como patrocinador é fortalecer o cooperativismo.

Apoio - “Além de mostrar a força que o cooperativismo tem na região sudoeste e fortalecer a nossa marca, a Cresol sempre apoia eventos que são importantes e geram desenvolvimento para o município e região. Tenho certeza que será mais uma edição de sucesso”, destacou Thomé.

Presenças - Além das autoridades locais, também estiveram presentes na abertura do evento o presidente da Cresol Tradição Luiz Colombo, e o superintendente Anderson Wolff. (Imprensa Cresol)

 

BOAS PRÁTICAS: Inscrições para o Selo Mais Integridade 2022/2023 estão abertas

boas praticas 08 03 2022Foram abertas, nesta segunda-feira (07/03), as inscrições para o Selo Mais Integridade edição 2022/2023. A premiação reconhece empresas e cooperativas dedicadas à agropecuária, que adotam práticas de integridade com enfoque na responsabilidade social, sustentabilidade ambiental e ética.

Prazo - O período de inscrição vai até o dia 3 de junho de 2022. Podem participar empresas e cooperativas do agronegócio, instaladas no país, dedicadas às práticas agropecuárias e pesqueiras de qualquer natureza.

Formulário - As organizações interessadas devem realizar a inscrição diretamente no site oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), preenchendo o formulário disponível no seguinte endereço: https://www.gov.br/pt-br/servicos/realizar-inscricao-para-obter-o-selo-mais-integridade

Requisitos - Os requisitos de habilitação e de avaliação estão previstos no regulamento do prêmio, instituído pela Portaria nº 402/2022, publicada no Diário Oficial da União. Uma das principais novidades é voltada para as organizações que pretendem renovar a certificação e obter o Selo Amarelo. A partir desta edição, será necessário apresentar relatório técnico especificando o modo como a empresa ou cooperativa está contribuindo, ou planeja contribuir, para a descarbonização de seus processos, sistemas ou cadeias produtivas agropecuárias.

Estímulo - O Selo, instituído pelo Mapa, por meio da Portaria nº 2.462/2017, visa estimular a implementação de programas de integridade, ética e de sustentabilidade e conscientizar empresas e cooperativas do agronegócio sobre seu relevante papel no enfrentamento às práticas concorrenciais corruptas e antiéticas. Outro propósito da iniciativa é mitigar riscos de ocorrência de fraudes e corrupção nas relações entre o setor público e o setor privado ligado ao agronegócio.

Selo - As organizações premiadas pela primeira vez recebem o Selo Verde e podem utilizá-lo em seus produtos e campanhas publicitárias pelo período de um ano. Aquelas que alcançam a renovação do certificado recebem o Selo Amarelo e podem utilizá-lo pelo período de dois anos. Empresas e cooperativas premiadas, de forma cumulativa, com o Selo Mais Integridade, do Mapa, e o Empresa Pró-Ética, da Controladoria Geral da União (CGU), poderão utilizar a Versão Especial, seguindo as orientações do Manual de Marcas.

Benefícios - Na última edição do prêmio, 17 organizações foram agraciadas, sendo nove com o Selo Verde e oito com o Selo Amarelo. Dentre os benefícios que podem ser alcançados pelas empresas premiadas estão: ganho de imagem e publicidade positiva junto aos cidadãos e concorrência direta; reconhecimento de possíveis parceiros internacionais; aumento motivacional da equipe e prestadores de serviços; e melhor classificação de risco em operações de crédito junto a instituições financeiras oficiais.

Requisitos -Para receber o Selo Mais Integridade, a empresa ou cooperativa deve comprovar a prática de requisitos como um programa de compliance; código de ética e conduta; canais de denúncia efetivos; ações com foco na responsabilidade social e sustentabilidade ambiental; e promover treinamentos para melhoria da cultura organizacional.

Mais - Além disso, é preciso estar em dia com as obrigações trabalhistas, não ter multas relacionadas ao tema nos últimos dois anos, não ter casos de adulteração ou falsificação de processos e produtos fiscalizados pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, ter ações de boas práticas agrícolas enquadradas nas metas de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e não ter cometido crimes ambientais nos últimos 24 meses.

Análise - Toda a documentação apresentada pelas organizações interessadas em obter o Selo Mais Integridade será analisada pela equipe da Secretaria-Executiva do Comitê Gestor do Selo Mais Integridade, que elaborará relatório técnico conclusivo denominado Relatório de Análise Final (RAF), com a avaliação do cumprimento, ou não, dos principais requisitos constantes da documentação apresentada pelas empresas e cooperativas inscritas.

Integrantes - O Comitê Gestor do Selo é composto por representantes do Mapa, Embrapa, Ministério da Transparência Controladoria Geral da União (CGU), Apex-Brasil, Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alliance for Integrity, Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Instituto Rede Brasil do Pacto Global, Instituto Ethos e Alliance for Integrity, entidade vinculada ao Governo da Alemanha. (Mapa)

>> Clique aqui para saber mais sobre o Selo Mais Integridade

 

CONAB: Colheita de soja ultrapassa 50% em todo o país

conab 08 03 2022A colheita de soja brasileira atingiu na última semana o percentual de 52,2% da área estimada para a safra 2021/2022. Os dados, coletados até 5 de março, constam no levantamento semanal do progresso de safra, divulgado no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Semana anterior - Na semana anterior, a colheita de soja estava em 42,1%, segundo dados publicados pela estatal. Em igual período do ano passado, o número era de 37,6%. Mato Grosso lidera o ranking dos estados com colheita mais avançada, atingindo 91%, seguido de Mato Grosso do Sul, com 79% da soja já colhida, Goiás (67%) e Tocantins (65%).

Milho - Quanto ao milho 1ª safra 2021/22, a colheita já está em 26,1% da área nos nove principais estados produtores do Brasil: Maranhão, Piauí, Bahia, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Na semana anterior, a colheita estava em 23,3%. Em igual período do ano passado, o número era de 25,3%.

Plantio - Já a semeadura do milho 2ª safra 2021/22 avançou para 74,8% da área nos nove principais estados produtores do país (que representam 92% da área cultivada). Na semana anterior, o plantio estava em 59,6%. No mesmo período do ano passado, esse número era de 54,1%.

Mais informações - Mais informações sobre o progresso de safra, incluindo produtos como algodão e arroz, podem ser conferidas no site da Companhia, neste link. (Conab)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

SEBRAE: Mulheres lideram 10,1 milhões de empreendimentos no Brasil

sebrae 08 03 2022Um estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) aponta que o empreendedorismo feminino no Brasil apresentou sinais de recuperação no último trimestre do ano passado, depois de sofrer retração a partir dos primeiros meses da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Recuperação - O estudo, realizado com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc), mostrou que após recuar para um total de 8,6 milhões, no segundo trimestre de 2020, o número de mulheres à frente de um negócio no país fechou o quarto trimestre de 2021 em 10,1 milhões, mesmo resultado registrado no último trimestre de 2019, antes da pandemia.

Participação - Apesar dessa evolução, a participação das mulheres empreendedoras no universo de donos de negócio no Brasil (34%) ainda está abaixo da melhor marca histórica, registrada no 4º trimestre de 2019, quando elas representavam 34,8% do total.

Donos de negócios - O estudo do Sebrae indica ainda que a participação feminina entre os donos de negócios empregadores também continua abaixo do período pré-crise. No final de 2019, havia 1,3 milhão de donas de empresas que contratavam empregados, o que representava 13,6% do total das donas de negócio. Já no final do ano passado, esse número havia recuado para 1,1 milhão (11,4% do universo).

Serviços - Os dados mostram que 50% das proprietárias de negócios de estão no setor de serviços, enquanto 21% estão no setor de construção. Em relação aos homens, 35% dos donos de negócios se concentram no setor de serviços, enquanto 21% estão no setor de construção.

Chefes de domicílios - Ainda segundo a pesquisa, aumentou a proporção de mulheres que são chefes de domicílio. Em 2019, elas eram 47% e no último trimestre de 2021 as empreendedoras chefes de domicílio representaram 49% do total.

Redução - Por outro lado, diminuiu a participação das mulheres negras à frente dos negócios. Enquanto no último trimestre de 2019, antes da pandemia, elas eram 50,3% das donas de negócio, no último trimestre do ano passado, elas passaram a responder por 48,5%. Já as mulheres brancas passaram de 48,4% das donas de negócio para 49,9%.

Escolaridade - O Sebrae mostra que a escolaridade das mulheres que estão empreendendo aumentou e que a diferença do número de mulheres com pelo menos o nível médio aumentou em relação aos homens entre o último trimestre de 2019 e o mesmo período de 2021.

Ensino médio - No quarto trimestre do ano passado, 68% das empreendedoras tinham pelo menos o ensino médio. Entre os homens, essa proporção era de 54%. A variação no período foi de 11 pontos percentuais entre as mulheres e 4 pontos entre os homens.

Crescimento - A pesquisa mostrou crescimento da participação feminina nos setores de informação/comunicação e educação/saúde. Entre o quarto trimestre de 2019 e o mesmo período do ano passado, a presença das empreendedoras cresceu 3 pontos percentuais e 4 pontos, respectivamente. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

BRDE: Paraná lidera volume de financiamentos em linha exclusiva para mulheres

brde 08 03 2022O Paraná lidera o montante de financiamentos por meio da linha criada exclusivamente para elas – o Programa BRDE Empreendedoras do Sul, lançado há exatamente um ano pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Já foram concedidos R$ 120 milhões ao empreendedorismo feminino, dos quais R$ 44,7 milhões para negócios no Paraná. Completando as unidades da Federação em que o banco atua, foram destinados, no mesmo período, R$ 41,3 milhões no Rio Grande do Sul e R$ 32,4 milhões em Santa Catarina.

Fomento - Com o objetivo de fomentar ainda mais os negócios liderados pela força feminina, o BRDE anuncia neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, uma novidade no programa. Até então, a oferta de crédito para capital de giro era reservada apenas para pessoas jurídicas e com receita operacional bruta de até R$ 90 milhões no ano anterior ao pedido. A partir de agora, com a mudança, não há valor máximo por operação.

Compromisso - “O BRDE está comprometido com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda 2030. Uma das metas já conquistadas foi a criação do Programa Empreendedoras do Sul. Promover o empreendedorismo feminino financiando R$ 120 milhões em um ano de atuação, beneficiando projetos que geram emprego e renda, é uma resposta prática do maior banco de desenvolvimento regional do Brasil à sociedade”, analisou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Atendimento - Os recursos contratados desde o início do programa atenderam micro, pequenos e médios empreendimentos, e foram dirigidos à produção rural, inovação, construções e reformas, compra de equipamentos e adaptações de tecnologia.

Na prática - O Programa BRDE Empreendedoras do Sul é direcionado para empresas de diferentes portes que tenham ao menos 40% do seu capital social de sócias mulheres.

Apoio - As microempreendedoras individuais e pessoas físicas poderão ter o apoio através de parcerias do banco com outras instituições que atuam com programas de microcrédito, como as cooperativas.

Crescimento - Recursos que fazem crescer e consolidam negócios como o de Bruna Havresko, de 32 anos, que migrou da fotografia para a criação da Modab, e-commerce com base em Irati, no Centro-Sul do Paraná, que hoje é a maior marca de roupas modeladoras e tecnológicas do Brasil.

Sonho - Em 2013, ela realizou o sonho de “ajudar as pessoas pela moda”, com investimento modesto. Ao passar uma juventude sem se sentir confortável com as roupas tradicionais, Bruna desenvolveu peças que se moldam ao corpo da cliente, tornado o ato de vestir algo prazeroso, além de incrementar um nicho de empreendimento pouco explorado.

Recomposição de estoque - Com apoio de recursos do Programa BRDE Empreendedoras do Sul, a empresa pôde investir na recomposição de estoque. “Foi maravilhoso, pois conseguimos a expansão que sempre sonhamos e um papel fundamental nos resultados obtidos, uma vez que o sucesso das novas estratégias se deve em grande parte ao suporte oferecido pelo recurso do BRDE”, ressaltou Bruna.

Fundings - Além de recursos próprios, o BRDE vai se valer de outros fundigns nacionais e de captação de recursos em organismos internacionais para atender a demanda desta linha.

Como solicitar - Para solicitar o financiamento, as empresas devem acessar o site www.brde.com.br, no ambiente do Internet Banking (IB) – https://ib.brde.com.br/Usuario/Login. Todos as operações serão através da plataforma digital e a documentação deverá ser inserida (upload) também através do site. O app do BRDE também traz as informações sobre o programa. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Douglas Camargo

 

IMPOSTO DE RENDA: No primeiro dia de entrega, Receita recebe mais de 130 mil declarações do IRPF 2022

economia I 07 03 2022A Receita Federal informou nesta segunda-feira (07/03) que até às 17 horas foram recebidas 130.099 declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2022, ano-base 2021. O prazo de entrega da declaração começou nesta segunda e terminará em 29 de abril. A expectativa é de que 34,1 milhões de declarações sejam entregues até o final do prazo.

Programa - Até às 17 horas do primeiro dia de disponibilidade, 752.484 contribuintes haviam baixado o programa do imposto de renda no site da Receita Federal, para preencher e enviar a declaração de 2022. O número é bastante superior ao de 2021, quando, até o mesmo horário, foram realizados 312.182 downloads, o que representa menos da metade do número de downloads deste ano.

Instabilidade - Em razão do alto número de acessos, o download do programa apresentou instabilidade ao longo desta segunda-feira. A situação, no entanto, já está sendo tratada pela área técnica e não deve se repetir nos próximos dias.

Novidades - Entre as novidades deste ano, estão o acesso ampliado à declaração pré-preenchida por meio de todas as plataformas disponíveis e o recebimento da restituição e o pagamento de Darf via Pix. A declaração pré-preenchida poderá ser obtida também por meio de autenticação no portal único Gov.br em conta com nível Ouro ou Prata (é possível acesso ao portal único com certificado digital, que torna a conta em nível ouro). (Ministério da Economia)

Clique neste link para acessar a página do imposto de renda

Para mais informações, acesse as regras do IRPF 2022 na página da Receita Federal

 

imposto renda quadro 08 03 2022

 

IPP: Inflação da indústria abre 2022 com alta de 1,18% em janeiro

ipp destaque 08 03 2022Os preços no setor industrial iniciaram o ano de 2022 com um aumento de 1,18% em janeiro, na comparação com dezembro de 2021. Na passagem de novembro para dezembro, a variação foi de -0,08%. Os dados são do Índice de Preços ao Produtor (IPP), divulgado nesta terça-feira (08/03) pelo IBGE. No índice que registra os últimos 12 meses, a taxa foi de 25,51%. Em dezembro, havia sido de 28,45%.

Variação dos preços - O IPP mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, isto é, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação. Dessas, 18 apresentaram alta. Os quatro setores com maiores variações, em termos absolutos, foram indústrias extrativas (9,54%), bebidas (4,31%), madeira (3,14%) e papel e celulose (2,85%).

Petróleo e minério de ferro - De acordo com o analista da pesquisa, Felipe Câmara, o resultado do mês tem ligação com o preço do petróleo e do minério de ferro, ambos em alta no mercado internacional. “Houve também transmissão disseminada de maiores custos dos insumos ao longo das cadeias produtivas, que se encontram desarticuladas por paralizações na produção, escassez e encarecimento de matérias-primas”, explica.

Indústrias extrativas - Os preços das indústrias extrativas tiveram alta pela primeira vez desde agosto de 2021. Na comparação anual, os preços de janeiro de 2022 estiveram 11,30% superiores aos de janeiro de 2021. “O aumento de preços em relação a dezembro acompanha a recuperação recente do preço internacional do petróleo e do minério de ferro, e o acumulado em 12 meses guarda relação com as altas mais expressivas nos preços destas commodities no 1º semestre de 2021”, justifica Câmara. Este resultado colocou a variação de preços do setor como a que mais influenciou o resultado do mês (0,46 p.p., em 1,18%).

Refino de petróleo e biocombustíveis - Os preços no setor de refino de petróleo e biocombustíveis, depois de caírem 1,54% em dezembro de 2021, aumentaram 2,26%. Foi a segunda maior influência no mês (0,25 p.p., em 1,18%). O setor é também o de segundo de maior peso atual. “O resultado dessa atividade não só acompanha a recuperação recente do preço do petróleo, mas também responde ao efeito da alta acumulada do barril nos últimos meses. O setor, como toda a indústria, convive ainda com o encarecimento nos custos de importação de insumos, provocado pela depreciação cambial do último semestre”, afirma o analista da pesquisa.

Veículos automotores - Outro destaque da pesquisa é a alta recorde no setor de veículos automotores: 2,27%. É a maior taxa da atividade em toda a séria histórica, iniciada em janeiro de 2010“Os fabricantes vêm sofrendo ao longo dos meses com a deterioração das condições nas cadeias de fornecimento, com o represamento na entrega de insumos, preço internacional do aço em alta até o 3° trimestre de 2021 e uma crise no suprimento global de semicondutores. Quadro que é reforçado e, também tem justificado decisões de paralização na produção doméstica, gerando um cenário de baixa reposição de estoques e escassez de oferta, que acaba por pressionar os preços na porta de fábrica”,detalha Câmara. Saindo das altas, o setor de alimentos, o maior peso no cálculo geral do IPP, teve uma variação de -0,20%. Este é o primeiro resultado negativo desde junho de 2021 (-0,14%).

Grandes categorias econômicas - No que diz respeito às grandes categorias econômicas, a variação de preços de janeiro de 2022 frente a dezembro de 2021 foi de 2,56% em bens de capital e de 1,73% em bens intermediários. Já em bens de consumo, houve variação de -0,04%, sendo que em bens duráveis foi de 1,20% e bens semiduráveis e não duráveis foi de -0,27%. A principal influência foi exercida por bens intermediários, cujo peso na composição do índice geral de janeiro foi de 58,98% e respondeu por 1,02 p.p. da variação de 1,18%. Contudo, ressalta Câmara, é importante destacar o comportamento de bens de capital, que ao longo da maior parte de 2021 vinha apresentando variações de preço abaixo da média da indústria, mas em dezembro e janeiro, em particular, apresentou as maiores altas dentre as grandes categorias investigadas “Essa dinâmica de preços coincide temporalmente com evidências de aumento na demanda por máquina e equipamentos e com as já mencionadas pressões de custo transmitidas ao longo das cadeias produtivas”, finaliza.

Mais sobre a pesquisa - O IPP acompanha a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, e sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no país. Trata-se de um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

Investigação - A pesquisa investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes e definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Cerca de 6 mil preços são coletados, mensalmente. As tabelas completas do IPP estão disponíveis no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Agência Petrobras

 

ipp quadro 08 03 2022

 

ECONOMIA: Poupança tem retirada líquida de R$ 5,35 bi em fevereiro, diz BC

economia 08 03 2022A aplicação financeira mais tradicional dos brasileiros registrou retirada pelo segundo mês seguido. Em janeiro, os brasileiros sacaram R$ 5,35 bilhões a mais do que depositaram na caderneta de poupança, informou nesta segunda-feira (07/03) o Banco Central (BC).

Segunda maior para o mês - Essa foi a segunda maior retirada líquida (saques menos depósitos) registrada para meses de fevereiro. O recorde anterior para o mês tinha sido registrado no ano passado, quando os saques tinham superado os depósitos em R$ 5,86 bilhões.

Acumulado - Com o desempenho de fevereiro, a poupança acumula retirada líquida de R$ 25,02 bilhões nos dois primeiros meses do ano. Essa é a maior retirada acumulada para o período desde o início da série histórica, em 1995. O resultado foi impulsionado pelo elevado volume de saques em janeiro, quando a aplicação registrou retirada líquida de R$ 19,66 bilhões.

Saques - Tradicionalmente, os primeiros meses do ano são marcados pelo forte volume de saques na poupança. O pagamento de impostos e despesas como material escolar e parcelamentos das compras de Natal impactam as contas dos brasileiros no início de cada ano.

2021 - No ano passado, a poupança tinha registrado retirada líquida de R$ 35,5 bilhões. A aplicação foi pressionada pelo fim do auxílio emergencial, pelos rendimentos baixos e pelo endividamento maior dos brasileiros. A retirada líquida – diferença entre saques e depósitos – só não foi maior que a registrada em 2015 (R$ 53,57 bilhões) e em 2016 (R$ 40,7 bilhões). Naqueles anos, a forte crise econômica levou os brasileiros a sacarem recursos da aplicação.

Rendimento - Até recentemente, a poupança rendia 70% da Taxa Selic (juros básicos da economia). Desde dezembro do ano passado, a aplicação passou a render o equivalente à taxa referencial (TR) mais 6,17% ao ano, porque a Selic voltou a ficar acima de 8,5% ao ano. Atualmente, os juros básicos estão em 10,75% ao ano.

Insuficiente - O aumento dos juros, no entanto, foi insuficiente para fazer a poupança render mais que a inflação. Nos 12 meses terminados em fevereiro, a aplicação rendeu 3,84%, segundo o Banco Central. No mesmo período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15), que funciona como prévia da inflação oficial, atingiu 10,76%. O IPCA cheio de janeiro será divulgado na próxima sexta-feira (11/03) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Positivo - Caso a inflação caia nos próximos meses, a caderneta pode voltar a ter rendimento positivo. Para este ano, o Boletim Focus, pesquisa com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, prevê inflação oficial de 5,65% pelo IPCA. Com a atual fórmula, a poupança renderia cerca de 7%, caso a Selic permanecesse em 10,75% durante todo o ano. O rendimento pode ser um pouco maior se o Banco Central continuar a aumentar a taxa Selic nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE I: Brasil registra 20.456 novos casos e 198 mortes

O Brasil registra, desde o início da pandemia, 29.069.469 casos confirmados de covid-19, segundo o boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (07/03) pelo Ministério da Saúde. O número total de mortes pela doença é de 652.341.

Casos - Em 24 horas, foram registrados 20.456 casos. No mesmo período, foram confirmadas 198 mortes de vítimas do vírus.

Recuperadas - Segundo o mesmo boletim, 27.179.192 pessoas se recuperaram da doença e 1.237.936 casos estão em acompanhamento.

Estados - São Paulo lidera o número de casos, com 5,06 milhões, seguido por Minas Gerais (3,23 milhões) e Paraná (2,35 milhões). O menor número de casos é registrado no Acre (122,6 mil). Em seguida, aparece Roraima (154 mil) e Amapá (160,1 mil).

Óbitos - Em relação às mortes, São Paulo tem o maior número de óbitos (165.295), seguido de Rio de Janeiro (71.977) e Minas Gerais (59.991). O menor número de mortes está no Acre (1.981), Amapá (2.113) e Roraima (2.137).

Vacinação - Até esta segunda-feira (07/03), foram aplicadas 380,3 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 170 milhões com a primeira dose e 146,2 milhões com a segunda dose. A dose única foi aplicada em 4,7 milhões de pessoas. Outras 56,9 milhões já receberam a dose de reforço. (Agência Brasil)

 

1f4a9de9-662a-4c80-9f32-74f65f1f6960

SAÚDE II: Paraná confirma mais 1.900 casos e 19 óbitos de Covid-19

saude II 08 03 2022A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (07/03) mais 1.900 casos confirmados e 19 mortes — não necessariamente representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 2.347.243 casos confirmados e 42.265 mortos pela doença.

Meses - Os casos são de março (1.368), fevereiro (347) e janeiro (158) de 2022; dezembro (1), julho (1), junho (4), maio (5), abril (12) e março (1) de 2021; e dezembro (1), novembro (1) e julho (1) de 2020. Os óbitos são de março (12), fevereiro (4) e janeiro (2) de 2022; e junho (1) de 2021.

Internados - 125 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (54 em UTIs e 71 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 676 pacientes internados, 301 em leitos de UTI e 375 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 19 pacientes. São sete mulheres e 12 homens, com idades que variam entre 42 e 91 anos. Os óbitos ocorreram entre 13 de junho de 2021 e 7 de março de 2022.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (5), São Pedro do Ivaí (3), Santo Antônio do Sudoeste, Pinhais, Moreira Sales, Marechal Cândido Rondon, Francisco Beltrão, Congonhinhas, Centenário do Sul, Cambé, Assaí, Araucária e Araruna.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 10.640 casos de residentes de fora do Estado – 230 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

Confira o relatório de ajustes e exclusões AQUI.

 

SAÚDE III: Paraná recebe mais 66,5 mil vacinas pediátricas contra a Covid-19 nesta terça-feira

saude III 08 03 2022O Ministério da Saúde confirmou o envio de mais 66.500 vacinas pediátricas contra a Covid-19 nesta terça-feira (08/03). Esta é a 9ª remessa de vacina da Pfizer/BioNTech para o público infantil. As doses devem chegar no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 13h50, no voo LA-3293.

Cemepar - Assim que desembarcarem os imunizantes serão encaminhados para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, para conferência e armazenamento, até que sejam enviados às Regionais de Saúde.

Avanço - “Estamos avançando com a vacinação de crianças e ainda temos muitas delas para vacinar. Pais e responsáveis devem levar seus filhos aos postos de saúde. É importante que recebam a primeira dose e completem o esquema vacinal, caso já estejam aptos a receber”, enfatizou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.(Agência de Notícias do Paraná)

 

ARTIGO: Agricultura do Paraná: crise e oportunidades para agir agora e repensar o futuro

2018-atual-ricardo-rocha-de-oliveira*Ricardo Rocha

Nossa agricultura, que sempre puxou o desenvolvimento de nosso Estado, merece agora um olhar cuidadoso, apoio devido, ações imediatas e reflexão para seu futuro. Referência mundial em tecnologia, batendo recordes de produção, exportação, geração de emprego e renda, se destaca como responsável por 33,9% do PIB (Produto Interno Bruto) paranaense. Apesar desse histórico glorioso, o ano de 2022 começou com problemas até pouco tempo não imaginados para o setor. Um dos fatores foi a recente crise hídrica, que impactou diretamente a economia e os resultados da safra de verão em todo o Estado. Estimativas atualizadas pelos técnicos do Deral (Departamento de Economia Rural), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, indicam que o Paraná vai produzir 14,74 milhões de toneladas de grãos na safra de verão 2021/22, em uma área de 6,24 milhões de hectares. O volume é 42% menor do que o esperado nas previsões iniciais, com estimativas de aproximadamente 25,5 milhões de toneladas, sendo a soja, o milho e o feijão as culturas mais prejudicadas.

Neste cenário, devem entrar em ação as políticas públicas distributivas - instituídas nacionalmente para resolver problemas de forma eficiente em áreas extensas - cujos programas contam com recursos financeiros, planejamento para aplicação, fiscalização dos investimentos, avaliação periódica e aperfeiçoamento estabelecidos conforme regras e conhecimento técnicos. É sob esta concepção que estão planificados nossos programas nacionais, cuja existência, em sua teoria, deveria garantir uma assistência eficiente em episódios emergenciais.

Quando foi solicitada a contribuir com o desenvolvimento do país, a agricultura do Paraná sempre se colocou como um importante vetor. Agora é a hora de ser apoiada, pois sua longa lista de contribuições a habilita para ter prioridade em momento que necessita de ajuda.

Mas a aplicabilidade deste apoio no momento esbarra em problemas operacionais: há programas de suporte, mas não há mão-de-obra suficiente para executar as políticas públicas estabelecidas. Desse modo, qual o sentido desta política se ela falha justamente quando deve alcançar o cidadão? Se o objetivo é gerar desenvolvimento econômico para o país, é preciso fiscalizar e amparar com proximidade e agilidade.

Atualmente, o governo federal coordena o seguro rural privado no qual são seguradas lavouras de produtores classificados como médios e grandes, sendo os pequenos amparados com o seguro governamental do Proagro (Programa de Garantia da Atividade Agropecuária). Neste seguro privado, onde temos hoje 18 seguradoras operando na área rural, os governos estaduais e federais atuam com subvenções que atingem até 40% do valor do prêmio que o produtor paga, uma vez que este é um investimento elevado.

Nesta última safra, foram disponibilizados mais de R$ 1 bilhão em subvenção e, mesmo assim, não foi suficiente para atender a demanda. É preciso que este número seja ampliado significativamente, já que a maioria das áreas seguradas estão vinculadas a financiamento agrícola junto aos agentes financeiros que operam no crédito rural. Também é preciso dar agilidade aos processos, para atender no tempo adequado os nossos produtores rurais.

O governo do Paraná, em algumas safras, também tem subvencionado algumas culturas, mas ainda é preciso a elaboração de um plano estratégico de subvenção de culturas de interesse social, proporcionando mais segurança na atividade. É preciso ressaltar que muitos produtores não tiveram acesso ao seguro e nem ao Proagro, seja por desconhecimento ou falta de crédito, ou até mesmo por falta de um responsável técnico que oriente o agricultor, principalmente o pequeno produtor, que em sua maioria, trabalha sem assistência técnica.

Como o Paraná é formado por mais de 80% de pequenos produtores e, boa parte deles ainda não contam com assistência técnica, esta é a maior preocupação quanto à permanência destes agricultores na área rural. Muitos programas de auxílio têm sido feitos pelo poder público, mas entendemos que ainda é necessário ampliar e integrar a participação do engenheiro agrônomo e outros profissionais habilitados como responsáveis técnicos, o que resulta na busca da sustentabilidade das propriedades rurais através de projetos, assistência técnica e outros meios para a efetiva viabilidade econômica.

Neste sentido, o Crea-PR tem atuado para contribuir com esse processo. Ao firmar o Acordo de Cooperação – ART Social (um incentivo do Conselho ao desenvolvimento da Agricultura Familiar no Paraná) com a Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná) e diversas cooperativas de nosso estado, criando condições de recolhimento de ART Social junto aos pequenos produtores rurais, facilitando que o profissional possa, de fato, prestar a devida assistência técnica.

Apesar de importantes avanços já obtidos, é preciso ir além. A atual conjuntura exige um olhar mais efetivo de nossos governantes, a partir de propostas de flexibilização de suporte que permitam o desenvolvimento da economia. E, nessa luta, as entidades, incluindo o Crea-PR, estão à disposição para o planejamento de um caminho efetivo: o trâmite ágil do seguro agrícola, bem como a prorrogação de financiamentos de investimento e linhas de crédito especiais para o financiamento da atividade que sejam capazes de evitar que os produtores, além de não possuírem receita, também fiquem inadimplentes. Esses são caminhos que devem ser considerados e discutidos.

Estamos em um momento delicado em várias frentes econômicas do país e é mais que necessário enxergarmos esse enfrentamento à crise hídrica e outros fatores impactantes em nossa agricultura, com a complexidade que a situação exige. Não estamos apenas buscando soluções para a agricultura e pecuária nacional. Devemos olhar para o macro, para compreender que a sociedade toda é afetada por essa realidade: o comércio, os setores de transportes e serviços, a economia. A população toda sentirá na mesa o impacto direto desse episódio, pagando mais caro pelos alimentos em um momento onde se busca a recuperação nacional econômica gradativa, como resultado de uma pandemia que ainda desacelera setores importantes do país.

É pela sensibilidade ao momento que vivemos e pelo conhecimento técnico sobre seu impacto social e econômico que pedimos flexibilização, urgência e efetividade nas ações governamentais voltadas aos produtores prejudicados pela crise hídrica no Paraná. Não compreendemos que a situação seja de criação de novas políticas, mas do cumprimento integral das propostas já anunciadas aos brasileiros por nossos governantes.

Somos um Conselho profissional que defende interesses sociais e, por isso, seguimos contribuindo para a construção de um futuro melhor, acompanhando e fiscalizando as medidas públicas que impactam diretamente a sociedade na qual estamos inseridos e pela qual trabalhamos. Precisamos entender adequadamente o momento que vivemos, fazer uma leitura crítica do nosso contexto, para enfrentar os riscos e as consequências da atual situação, para ajustar as políticas públicas de forma a enfrentar melhor episódios como a crise hídrica e a estiagem paranaense. A partir disso, espera-se ações pertinentes.

Em toda crise ocorre um importante momento de discussão, uma janela de oportunidade: nossa agricultura paranaense, com seu belo histórico de desenvolvimento coletivo merece um novo olhar, para um futuro melhor.

Vamos juntos aproveitar essa oportunidade!

*Ricardo Rocha é presidente do Crea-PR

FOTO: Crea-PR

 


Versão para impressão


RODAPE