Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5277 | 14 de Março de 2022

PRÉ-ASSEMBLEIA: Sistema Ocepar reúne lideranças do Oeste no primeiro evento online de prestação de contas, nesta segunda-feira

Representantes das cooperativas paranaenses do Núcleo Oeste serão os primeiros a receber, nesta segunda-feira (14/03), a pré-assembleia de prestação de contas que o Sistema Ocepar irá promover ao longo da semana, virtualmente, por meio da plataforma Microsof Teams. O evento ocorre das 14h às 17h, juntamente com os Encontros de Núcleos Cooperativos. Dessa vez, as pré-assembleias são exclusivas para presidentes eleitos das 220 cooperativas paranaenses.

Programação - A reunião desta segunda tem como cooperativa anfitriã a Copagril, de Marechal Cândido Rondon. Nesta terça-feira (15/03), a Codepa, de Mangueirinha, será a anfitriã do evento com cooperativistas do Sudoeste. Na quarta-feira (16/03), será a vez do Núcleo Centro-Sul e a Witmarsum, de Palmeira, será a anfitriã. A rodada encerra na quinta-feira (17/03), com a presença das lideranças do Norte e Noroeste, tendo a Sicredi União PR/SP, de Maringá, como anfitriã.

Apresentações - As atividades iniciam com a presença do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, e apresentação das cooperativas anfitriãs. Depois, a pauta contempla a apreciação da prestação de contas de 2021 e do plano de ação para 2022 do Sistema Ocepar, além das atividades do Plano Paraná Cooperativo (PRC200), o planejamento estratégico de desenvolvimento do cooperativismo paranaense, previstas para serem implementadas a partir deste ano.

Inscrições e informações -  As inscrições podem ser feitas acessando https://forms.office.com/r/hZ4bePGQGS. Os links de acesso ao evento serão encaminhados aos participantes por e-mail. Mais informações com Neuza Oliveira ou Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br/ 41 99278-0739 ou 99151-2148).

 

pre assembleia folder 09 03 2022

PRC200: Realizada a primeira reunião do Projeto 14 ESG+COOP

1prc200 14 03 2022

O Sistema Ocepar promoveu, na tarde de sexta-feira (11/03), das 14h às 16h, um encontro virtual para discutir um dos 20 projetos estruturantes do Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), o planejamento estratégico de desenvolvimento do cooperativismo paranaense. Foi a primeira reunião sobre o Projeto 14 ESG+COOP, que trata da certificação de conselheiros do cooperativismo paranaense. Participaram profissionais de diversas cooperativas. 

Detalhamento - Os detalhes sobre o Projeto 14 foram apresentados pelo superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche. De acordo com ele, o objetivo é criar um programa de monitoramento, avaliação e certificação das cooperativas do Estado do Paraná, com foco no atendimento a requisitos ambientais, sociais de governança e desempenho. Entre as principais ações estão a certificação dos indicadores econômicos, ambientais, sociais e governança (ESG) e a adoção de critérios por ramo de cooperativas, preservando a individualidade de cada uma delas. Com essa iniciativa, os resultados esperados são: melhor acesso a crédito; o fortalecimento da imagem das cooperativas; a redução dos impactos ambientais e a melhoria nas questões sociais. 

Próximos passos - Na sequência, o coordenador de gestão estratégica, Alfredo Benedito Kugeratski Souza, falou sobre as próximas etapas de execução do Projeto 14. 

Manifestações - Houve ainda a participação dos representantes das cooperativas, que falaram sobre as ações desenvolvidas nessa área e avaliaram a proposta apresentada pelo Sistema Ocepar. 

C.Vale - Joberson Fernando, da C.Vale, ressaltou que o tema ESG tem grande relevância e foi colocado na Assembleia Geral da cooperativa como um dos pilares do planejamento para os próximos anos. Ele citou o Projeto Valer, que trabalha os mesmos temas do ESG e tem diretrizes que impactam o trabalho de diversas áreas da cooperativa. No entanto, ressaltou que não existe um trabalho estruturado e integrado de fato dentro da cooperativa sob a temática ESG. A C.Vale também não possui indicadores ainda mas tem interesse em adotar a certificação proposta por meio do PRC200. 

Central Cresol Baser - Já José Vandresen, da Central Cresol Baser, relatou as ações que já estão em andamento na cooperativa, inclusive com consultoria, com foco na identificação dos requisitos de uma “Carteira Verde”. Citou que uma série de indicadores para acompanhar as práticas ESG já foram implantados pela cooperativa em outros momentos. 

Cocamar - Fernanda Braz, da Cocamar, disse que a cooperativa não tem um trabalho estruturado de ESG. As ações têm sido desenvolvidas de forma pulverizada em diferentes áreas, porém sem a integração necessária. Braz sugeriu ainda que fosse trazido um material que já é trabalhado no mercado para que as cooperativas fizessem uma avaliação crítica, de acordo com o contexto do cooperativismo. João Sadao e Eliane Camilo ressaltaram a importância do programa pelo fato dele estar em voga no mercado atualmente. Sabrina Ambrosio falou da importância de desenvolver um caderno GRI para o cooperativismo. 

Integrada - Depois, Ana Lucia de Almeida, da Integrada, falou sobre o trabalho já feito na área de sustentabilidade com a consultoria Gália e como um programa ESG deve sedimentar as práticas no dia a dia da cooperativa, já que não são temas propriamente novos, mas sim com uma nova roupagem. 

Central Sicoob Unicoob - Júlia Fagan, do Sicoob, disse que o trabalho feito até o momento é de diagnóstico da situação atual da cooperativa em relação ao que são consideradas boas práticas de ESG. A avaliação é de que a grande lacuna está na área ambiental, principalmente nas relações que o Sicoob tem com terceiros como fornecedores.  

Unimed Paraná - Antonio Maurício, da Unimed Federação do Paraná, disse que o Sistema Unimed já é incentivado a reportar os dados com o formato GRI. A cooperativa já possui uma certificação de governança e sustentabilidade há alguns anos. Então, seria importante integrar este trabalho já feito com o que se inicia agora no ESG.

Lar - Márcia Pessini, da Lar, falou a cooperativa ainda necessita fazer a integração de diferentes iniciativas em diversas áreas. Em sua avaliação, um banco de dados ESG seria um ganho muito grande e que há grande interesse na certificação.

Clique aqui e confira a apresentação sobre o Projeto 14 feita na reunião

 

GETEC: Informe nº 11 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 14 03 2022A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (14/03), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2022, 2023 e 2024.

Clique aqui para conferir na íntegra o Informe Expectativas de Mercado da Getec

 

SISTEMA OCB: Superintendentes alinham diretrizes para 2022

sistemaI ocb 14 03 2022O ano de 2022 marca a consolidação de projetos importantes para o cooperativismo brasileiro. Fortalecer as relações políticas e construir pontes para a aprovação de pautas cruciais do cooperativismo foram pontos de destaque no Encontro de Superintendentes do Sistema OCB, realizado virtualmente na sexta-feira (11/03). A superintendente da unidade nacional, Tânia Zanella, conduziu o encontro com o apoio das gerentes gerais Fabíola Motta (OCB) e Karla Oliveira (Sescoop). Participaram da reunião representantes de todas as unidades estaduais, além da gerente de Relações Institucionais, Clara Maffia.

Troca e sinergia - Na abertura da reunião, Tânia Zanella destacou a importância desse momento de troca e sinergia entre todas as unidades estaduais para a construção de estratégias alinhadas e que beneficiem o cooperativismo como um todo. Ela reforçou o papel das unidades para a disseminação dos projetos e ações desenvolvidas pelo Sistema OCB, em especial na inclusão de dados na plataforma Sou.Coop.

Fortalecimento - A superintendente também ressaltou a importância da plataforma para o fortalecimento da atuação da OCB em prol do movimento. “Quanto mais informações inseridas, melhores serão os direcionamentos para a representação dos interesses das cooperativas junto ao Poder Público”, enfatizou.

Painel interativo - Em seguida, Fabíola Motta apresentou detalhadamente as funcionalidades da plataforma Sou.Coop, com destaque para o painel interativo que permite que cada UE acompanhe a evolução no levantamento de dados do seu estado. O dashboard mostra o panorama de tudo que já foi lançado, sendo possível, ainda, segmentar por ramo.

Inserção das informações - A gerente geral reforçou a importância da inserção das informações na plataforma pelas cooperativas para uma atualização cada vez mais fidedigna do Anuário do Cooperativismo Brasileiro. Assim, segundo ela, o trabalho de representação feito pela OCB será ainda mais assertivo e eficaz.

Educação Política - Outro tema apresentado pela gerente geral foi o programa de Educação Política, que é uma das grandes apostas deste ano para incentivar o envolvimento dos cooperados nos debates políticos. Ela salientou que a construção de uma sociedade com mais cooperação passa pela escolha de representantes alinhados com os princípios do movimento. “Se somos cooperativistas e acreditamos ser esse o caminho para o desenvolvimento do país, precisamos votar em candidatos que defendam o coop, independente do partido”, afirmou.

Resultado - O programa Educação Política é resultado da união de ações realizadas em anos anteriores, como por exemplo, a cartilha Eleições e o Cooperativismo, que traz dicas sobre o que as cooperativas e seus dirigentes podem ou não fazer em ano eleitoral.

Atualizações - Fabíola Motta apresentou ainda as últimas atualizações a respeito da votação da Reforma Tributária na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que está prevista para a próxima semana. Ela enfatizou a importância da mobilização das UEs junto às cooperativas para pressionar os parlamentares a acatarem a Emenda 235, que trata sobre o ato cooperativo, detalhando e deixando claro a sua abrangência. Nos próximos dias essa será a prioridade na atuação institucional da OCB.

Avanços - Por fim, a gerente geral do Sescoop, Karla Oliveira, apresentou os avanços no Portal da Estratégia, apontando as principais inovações, seus impactos e resultados. Além disso, ela também trouxe o panorama das ações coordenadas pela unidade nacional para auxiliar as estaduais nos processos administrativos e normativos. (Sistema OCB)

 

FRENCOOP: Cooperativas atuam no Senado para evitar dupla tributação em suas operações

frencoop 24 03 2022As cooperativas brasileiras continuam atuando para garantir a correta aplicação do tratamento tributário em suas operações. A aprovação da Reforma Tributária, proposta no texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 110/2019, em tramitação no Senado, não contempla o ato cooperativo e pode aumentar a insegurança jurídica do setor. Uma nova emenda elaborada em conjunto com Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) foi apresentada na quinta-feira passada (10/03), pelos senadores Luis Carlos Heinze (RS), Esperidião Amim (SC), Lasier Martins (RS) e Soraya Thronicle (MS), membros da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), para preservar o ato.

Definição - A Emenda 235 altera os artigos 146, 156-A e 195 da Constituição Federal para definir o ato cooperativo e a aplicação dos tributos sobre os cooperados, onde de fato ocorre a riqueza, e não nas cooperativas, além de garantir a preservação do aproveitamento dos créditos nas operações decorrentes do ato cooperativo.

Distinção - “As cooperativas são sociedades de pessoas constituídas para prestar serviços aos cooperados, distinguindo-se das demais sociedades por sua natureza jurídica própria prevista em lei especial (art. 4º da Lei 5.764/71). Elas celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de uma atividade econômica, de proveito comum, sem objetivo de lucro e, por isso, merecem um tratamento tributário ajustado as suas particularidades”, afirma o senador em sua justificativa.

Neutralidade - Ainda segundo ele, evitar a dupla tributação é também garantir que as cooperativas não se sujeitem a um tratamento tributário mais gravoso em relação aos demais modelos societários. “Manter a neutralidade das cooperativas nas cadeias econômicas das quais participam é fundamental para que possam atuar no mercado em harmonia com os demais modelos de negócios existentes. Não é razoável que a reforma tributária traga uma situação mais gravosa às cooperativas, ferindo o princípio da isonomia, indispensável entre contribuintes”, acrescenta.

Desenvolvimento econômico e social - Para Lasier Martins, o cooperativismo é um instrumento de promoção do desenvolvimento econômico e social. Não só dos seus membros, mas das comunidades e, por isso, é preciso resguardar que a tributação incidente seja equânime em relação a outras sociedades. “Cooperativas não visam lucro e suas sobras retornam aos seus associados. É injusto, portanto, tributar a figura da cooperativa”, destaca.

Demanda antiga- O presidente da Frencoop, deputado Evair de Mello (ES), lembra que a inclusão do ato cooperativo na Constituição é uma das demandas mais antigas do setor e que a medida busca garantir a competitividade das cooperativas no mercado. “O ato cooperativo é o coração da cooperativa e desconsiderar isso pode ser fatal para os seus negócios. A aplicação correta do tratamento tributário, é, portanto, uma medida justa. Não se trata de nenhum privilégio”, defende.

Debate - A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado deve voltar a debater e votar, na quarta-feira (16/10), o parecer do senador Roberto Rocha (MA) à proposta da PEC 110. A sessão marcada para às 10h será exclusiva para a medida. Os senadores Esperidião Amin (SC) e Nelsinho Trad (MS) também já declararam apoio à inclusão da definição do adequado tratamento tributário do ato cooperativo. (Sistema OCB)

FOTO: Edilson Rodrigues / Agência Senado

 

COPACOL: Produção de suínos é expandida com megaestrutura de R$ 120 milhões

Para atender à crescente demanda, gerando emprego e renda no campo e na cidade, a Copacol (Cooperativa Agroindustrial Consolata) expande o complexo voltado à suinocultura, e passa a contar com a Unidade de Produção de Desmamados, a UPD: uma megaestrutura, com o que há de mais moderno no Brasil e no mundo para melhor desempenho em todo o ciclo de produção.

Investimento - São R$ 120 milhões investidos, gerando 85 empregos diretos e 90 vagas para integração de cooperados. Com mais de 58,7 mil metros quadrados, a UPD é formada por 10 galpões climatizados que atendem todas as normas de bem-estar animal e biosseguridade. Dez mil matrizes passam a ser alojadas para produção média de 300 mil leitões por ano, atendendo ao plano de expansão da Central Frimesa, a partir de 2023, com a nova planta industrial em Assis Chateaubriand.

Oportunidades no campo - Com a expansão, a Copacol amplia as oportunidades no campo. A produção anual salta para 625 mil cabeças: crescimento de 76%. Hoje são 146 suinocultores possibilitando a adesão de novos produtores. “A cooperativa cresce gerando oportunidades aos nossos cooperados, colaboradores e toda comunidade. A UPD vai entregar 300 mil leitões por ano, gerando aumento de crechários e terminadores. Vamos atender 18% da produção da Central Frimesa no plano de expansão. Com isso, temos mais chances de diversificação nas propriedades, gerando qualidade de vida e rentabilidade no campo”, afirma o diretor-presidente, Valter Pitol.

Inauguração - A inauguração foi realizada na sexta-feira (11/03), com uma visita de toda a Diretoria, conselheiros de Administração e conselheiros Fiscais. Diversas autoridades também prestigiaram o evento e destacaram a importância da estrutura ao agronegócio. “Com essa expansão da Frimesa, nosso estado tem grandes chances de competir nos mercados sul coreano, japonês e mexicano. Em vez de matéria-prima, passamos a enviar para eles produtos com valor agregado. A Copacol está de parabéns pela estrutura da UPD, fornecendo leitões aos terminadores, que depois serão encaminhados à Cooperativa Central. Parabéns aos diretores e cooperados pelo investimento”, afirma Norberto Ortigara, secretário de Estado de Agricultura

Tecnologia - Com o que há de mais moderno, a UPD da Copacol se destaca pela tecnologia: barracões climatizados, alimentadores automáticos, estruturas de maternidade com regulagem conforme o tamanho do suíno, embarcadouros são movimentados por sistema hidráulico, sistema de lavagem pressurizada, com água quente para higienização completa e desinfecção das maternidades.

Biogás - A unidade também vai contar com dois geradores a biogás e dois a diesel. O sistema de tratamento vai contemplar dois biodigestores e lagoas para retenção dos dejetos. São cinco poços artesianos com capacidade de 148 metros cúbicos por hora, com um sistema moderno de gerenciamento de uso da água. “A Copacol é um exemplo de cooperativa em estratégia, desenvolvimento, agregação valor e visão moderna. É uma cooperativa que dá orgulho ao produtor. Essa infraestrutura é o que viabiliza todo o negócio, oportunizando renda para que as famílias continuem no campo”, afirma José Roberto Ricken, presidente da Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná).

Funcionamento da estrutura - No Setor de Gestação são sete galpões: três com celas individuais e quatro com baias coletivas. Serão 5.280 animais alojados. Com 110 dias de gestação, as matrizes serão transferidas para o Setor de Maternidade, que conta com sistema moderno de aquecimento para os leitões. As matrizes permanecem por 25 dias nesta ala até o desmame dos animais.

Seleção, preparo e envio - Em seguida, as leitoas filhas de matrizes puras serão selecionadas, preparadas e enviadas para o Setor de Reposição na própria UPD. Já os leitões desmamados serão enviados para os crechários em produtores integrados. Os leitões permanecem por 40 dias na estrutura e depois seguem para as granjas de produtores de terminação. Toda semana serão 5,2 mil leitões alojados.

Etapa final - Ao chegar no terminador estes animais ficarão por 100 dias, até a etapa final, que é a industrialização por parte da Central Frimesa, de onde saem os produtos comercializados em supermercados de todo o País e no mundo. Carinho e dedicação que fazem toda a diferença na mesa de milhões de brasileiros que levam pra casa alimentos de altíssima qualidade e sabor inconfundível. (Imprensa Copacol)

{vsig}2022/noticias/03/14/copacol/{/vsig}

UNIUM: Negócios da intercooperação fecham 2021 com mais de R$ 4 bilhões de faturamento

Marca institucional das indústrias da Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos nos quais as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Com mais de 5 mil cooperados, a marca pioneira no conceito de intercooperação no Brasil fechou 2021 com mais de R$ 4 bilhões de faturamento, somando seus negócios industriais.

Lácteos - No segmento de lácteos, as cooperativas da Unium faturaram mais de R$ 2,8 bilhões em 2021 - um crescimento de aproximadamente 18% em relação a 2020. O investimento realizado no último ano (em equipamentos de última geração, ampliação de unidades, treinamento dos mais de 1.140 colaboradores das indústrias e em outras áreas) superou os R$ 23,6 milhões - R$ 4,2 milhões a mais que no ano anterior.

Inovação - A grande inovação do período foi o lançamento do MPC (Milk Protein Concentrate, proteína concentrada de leite, em inglês) no formato “em pó”, produzido pela primeira vez no Brasil. Além disso, todas as unidades de leite da marca passaram a contar com a certificação FSSC 22000 (Food Safety System Certification) versão 5.1, além de receberem diversos reconhecimentos e liderarem diversos rankings do setor. O objetivo para 2022 é continuar inovando, ampliando mercados e, também, melhorando ainda mais a qualidade dos produtos para atender aos anseios dos consumidores.

Trigo - Já no ramo do trigo, que opera com a marca Herança Holandesa, mais de 145 mil toneladas de trigo foram processadas e o faturamento passou dos R$ 280 milhões - nada menos que 33% de crescimento sobre o último ano. Esse resultado se deve, principalmente devido à alta do preço do trigo e seus derivados, aliado a melhorias de processos e novas estratégias de distribuição e, também, graças à certificação FSSC 22000 versão 5.1.

Carne suína - Na Alegra, indústria de carne suína da Unium, o faturamento passou de R$ 1 bilhão - 20% a mais que no ano anterior. Apesar do aumento no faturamento, o ano de 2021 foi marcado por fortes oscilações no preço da carne suína, pressionados pelo mercado Chinês.

Números consolidados e novos investimentos - Todos esses resultados foram celebrados nos últimos dias, durante as assembleias e pré-assembleias feitas em cada cooperativa para apresentar os resultados aos mais de 5000 cooperados. “Nós seguimos investindo nas pessoas, na qualidade dos nossos produtos, em tecnologia e na expansão de mercado, aumentando nossa presença nas gôndolas e, por consequência, na mesa dos brasileiros. E estamos muito entusiasmados com os projetos futuros”, destaca o diretor-presidente da Frísia, Renato Greidanus.

Anúncio - No final de 2021, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, recebeu representantes da Unium, que anunciaram um investimento de R$ 460 milhões para a instalação de uma queijaria na cidade de Ponta Grossa (PR). O projeto, que deve demandar 30 meses até o início das operações, prevê a produção de 96 toneladas de produtos e subprodutos por dia.

Força - Para o diretor presidente da Castrolanda e um dos diretores da Unium, Willem Berend Bouwman, esse projeto demonstra ainda mais a força da intercooperação. “Vendo o crescimento da produção de leite dos nossos cooperados, o grupo se adiantou e buscou uma solução rentável para mostrar aos parceiros que todo o aumento será revertido em produtos com ainda mais valor agregado. Isso reforça e reafirma o conceito da intercooperação, já que, em três cooperativas, o investimento para um projeto dessa magnitude se torna possível e viável”, finaliza.

Sobre a Unium - Marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Todas as marcas reunidas pela Unium, inclusive a Alegra, são reconhecidas pela qualidade e excelência.A Unium também conta com três marcas de lácteos: Naturalle - de produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium conta com a marca Herança Holandesa - farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22000, o que a qualifica com elevados padrões de exigência. (Imprensa Unium)

{vsig}2022/noticias/03/14/unium/{/vsig}

CASTROLANDA I: Cooperados são laureados em evento do Dia do Pecuarista

A Área de Negócios Leite da Castrolanda promoveu, na noite da última quarta-feira (09/03), a celebração do Dia do Pecuarista. O evento ocorreu no Pavilhão Agroleite do Parque de Exposições Dário Macedo – Cidade do Leite, em Castro (PR), e premiou os cooperados pela qualidade e produção de leite nos últimos dois anos.

Produção - Os dados de 2021 da área mostram que foram produzidos 393 milhões de litros de leite por 44 mil vacas de 326 produtores. O volume médio de produção por cooperado foi de 3.200 litros por dia. Em comparação a 2020, foi registrado um crescimento de 6%.

Premiações - As premiações do Dia do Pecuarista foram referentes a 2020 e 2021, já que nos dois últimos anos o evento não foi realizado por conta da pandemia de Covid-19. Os cooperados foram reconhecidos pela qualidade do leite nas categorias de até 500 litros por dia, de 501 a 1000 litros, de 1001 a 2000 litros, de 2001 a 3500 litros, de 3501 a 6000 e acima de 6000. Também foram premiados os top 10 de produção diária de leite.

Excelente trabalho - Durante a celebração, o Gerente Executivo de Negócios Leite da Castrolanda, Eduardo Ribas, destacou o excelente trabalho realizado pelos produtores na Capital Nacional do Leite. “Desde pequenos, escutamos que o leite é bom, que tem proteína e vitamina e que contribui para o nosso crescimento. Mas depois de adultos é que conhecemos o verdadeiro potencial do leite, do nosso leite. Os cooperados da Castrolanda tem o melhor leite do mundo e faz bem reconhecermos o esforço diário em conjunto para contribuir com toda a cadeia produtiva desse país. O nosso leite fortalece o nosso município, o nosso estado e o nosso país. Faz crescer e gerar empregos. O nosso leite transborda benefícios e hoje é o dia de celebrar tudo isso. Parabéns a todos os produtores”.

Atividades da área - Além do Dia do Pecuarista, a Área de Negócios Leite da Castrolanda também segue com programação nos próximos dias no Parque de Exposições Dário Macedo. Na quinta-feira, ocorreu o Road Show, um evento dividido em Road Tech, com palestras voltadas à produção de leite, e Road Agro, com atividades da área agronômica. No sábado (11), será lançado o Clube de Bezerras 2022, evento que incentiva crianças e jovens a participarem da atividade leiteira.

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo.

Faturamento - Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata.

Objetivo - O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

{vsig}2022/noticias/03/14/castrolanda_I/{/vsig}

CASTROLANDA II: Julgamento do gado jovem marca primeiro dia da ExpoCastrolanda

castrolanda II 14 03 2022A Cidade do Leite, em Castro (PR), voltou a receber uma feira direcionada aos produtores de gado leiteiro na quinta-feira (10/03). O público pode acompanhar a primeira edição da ExpoCastrolanda – evento que substitui a antiga ExpoJovem no calendário da Agroleite. A programação seguiu até o sábado (12/03).

Julgamento - O primeiro dia foi marcado pelo julgamento do gado jovem da raça Holandesa. Produtores trouxeram os principais animais para a pista da exposição, onde passaram pela avaliação de um grupo seleto de jurados de renome nacional.

Fêmea Jovem - O título de Fêmea Jovem ficou com a novilha Bur Jr. Altitude Penelope 4258 TE, dos produtores Hendrik de Boer e Reinaldo de Boer. Após dois anos sem uma feira presencial, os pecuaristas comemoraram o retorno às atividades e levaram para casa a maior premiação da categoria jovem, fazendo jus à preparação de meses e à dedicação diária na propriedade.

Reservada Jovem - O título de Reservada Jovem foi para Fini Master Nette 21415 TE, do produtor Reynold Groenwold. Mesmo com a premiação, o pecuarista destaca que a principal alegria é o retorno às atividades presenciais de exposição de gado leiteiro. “Foram dois anos sem eventos, mas que continuamos trabalhando todos os dias na propriedade. Sair como um dos premiados é bastante satisfatório, mas o mais importante é poder voltar às feiras depois desse período”, destaca.

Terceira colocada- Já a terceira colocada da Fêmea Jovem ficou com C.R.A Unstopabull Nely 2086 TE, do produtor Robert Salomons. “É a coroação de um trabalho realizado na propriedade”, conta.

Seleção - Os animais trazidos à pista foram previamente selecionados nas propriedades, onde trabalham por cerca de dois ou três meses a preparação até o dia do evento. No julgamento, os jurados avaliam critérios como equilíbrio, locomoção, profundidade de corpo e boa abertura de costela, entre outros.

Sequência - A programação da ExpoCastrolanda seguiu na sexta-feira (11/03). Às 10h, o público participou da Mesa Redonda Phibro, que discutiu os impactos da saúde na produção das vacas. A apresentação ficou por conta do professor José Luiz Moraes Vasconcelos.

Gado adulto holandês - A partir das 14h, os julgamentos seguiram com o gado adulto holandês. Às 19h30, aconteceu o jantar de encerramento das atividades, em um evento para convidados.

Vencedores por categoria

Bezerra Menor

1. Bur Jr. Master Ivy 4527, Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

Bezerra Júnior

1. C.R.A. Unstopabull Nelly 2086 TE, Robert Salomons

2. Borg Lorena Namesake Spartacus 25, Ubel Borg e/ou Rogerio Egbert Borg

3. Fini Hancock Maaike 21608, Reynold Groenwold

Bezerra Intermediária

1. Fini Master Nette 21415 TE, Reynold Groenwold

2. C.R.A. Unstopabull Nely 2027, Robert Salomons

3. Bur Jr. Magnitude Wilhelmina 4408 T, Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

Bezerra Sênior

1. Fini Unix Maaike 21294, Reynold Groenwold

2. Klaas Bela 2553 FIV, Agropecuária Salomons LTDA ME

3. ARM Tereza Gopro 1005, Armando Rabbers

Novilha Menor

1. Bur Jr. Altitude Penelope 4258 TE, Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

2. C.R.A. Nely Unix 1860 TE, Robert Salomons

3. Fini Alligator Maaike 21026 TE, Reynold Groenwold

Novilha Júnior

1. Fini Sidekick Maaike 20557, Agropecuária Fini LTDA

2. Bur Jr. Avalanche Penelope 4184 TE, Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

3. Harm Brenda Edison 6141, Lucas Rabbers

Novilha Intermediária

1. Adrimar Rietje Altitude 1270 TE, Adriaan Frederik Kok

2. Fini Tatoo Verda 20400 TE, Agropecuaria Fini LTDA

3. Harm Rima Artist 6022 TE, Lucas Rabbers

Novilha Sênior

1. Bur Jr. Tatoo Marta 4040, Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

2. Arm Jardineira Parkavenue 899, Armando Rabbers

Campeonato Fêmea Jovem

1. Bur Jr. Altitude Penelope 4258 TE, Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

2. Fini Master Nette 21415 TE, Reynold Groenwold

3. C.R.A. Unstopabull Nely 2086 TE, Robert Salomons

Melhor Afixo

1. Fini, Agropecuária Fini LTDA

2. Bur Jr., Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

3. C.R.A., Robert Salomons

Melhor Criador

1. Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

2. Agropecuária Fini LTDA

3. Robert Salomons

Melhor Expositor

1. Hendrick de Boer e/ou Reinaldo de Boer

2. Reynold Groenwold

3. Agropecuária Fini LTDA

Sobre a Castrolanda O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo.

Faturamento - Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata.

Objetivo - O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

LEIA MAIS SOBRE O ASSUNTO:

Road Show Negócios Leite propaga conhecimento e apresenta novas tecnologias para os produtores

 

SICREDI PLANALTO DAS ÁGUAS: Resultados de 2021 são apresentados em assembleias digitais aos associados da região do Paraná

Entre os dias 09 e 10 de março, a cooperativa Sicredi Planalto das Águas PR SP realizou as assembleias para apresentação dos resultados obtidos ao longo de 2021, assim como prestação de contas e discussão sobre o planejamento de ações e projetos previstos para este ano. As reuniões aconteceram em formato digital.

Participação - O evento teve a participação de mais de 2 mil associados da região do Paraná, - que, diferentemente das instituições financeiras tradicionais, são donos do negócio -, as assembleias promovidas pelas cooperativas que integram o Sicredi permitem que eles se envolvam no cotidiano de sua respectiva cooperativa de crédito, possibilitando a votação e decisão quanto aos rumos do negócio.

Total - A Sicredi Planalto das Águas PR SP possui mais de 25 mil associados no Paraná, em 11 agências localizadas nas cidades de Candói, Guarapuava, Manoel Ribas, Palmital, Pinhão, Pitanga, Santa Maria do Oeste e Turvo.

Resultados financeiros - Durante as reuniões, a Sicredi Planalto das Águas PR SP divulgou os resultados financeiros e o valor da distribuição, pois, no cooperativismo de crédito, os associados participam do resultado proporcionalmente conforme a utilização de soluções financeiras.

Ano atípico - Segundo Fabio Peterlini, presidente da cooperativa, “2021 foi um ano atípico, que permitiu nosso desenvolvimento pessoal e coletivo, sempre com o objetivo de entender para atender as necessidades dos associados, mostrando que somos a melhor alternativa para a sua vida financeira e ainda contribuímos para uma sociedade mais próspera”.

Crescimento - Para o Diretor Executivo Valmir Dzivielevski “os indicadores de desempenho se mantiveram em crescimento em 2021. Aumentamos a carteira de crédito em 67% comparado com o resultado de 2020, além de incremento de 15% na base de associados e um avanço no quadro de colaboradores, que passou de 196 no final de 2020 para 238 profissionais em 2021”.

Sistema - O Sicredi, enquanto Sistema, é uma instituição financeira cooperativa presente em 25 estados brasileiros e no Distrito Federal. Contamos com mais 5 milhões de associados distribuídos em mais de 100 cooperativas nas regiões brasileiras, atuando para o crescimento dos associados e desenvolvimento das regiões nas quais estamos presentes. (Imprensa Sicredi Planalto PR/SP)

{vsig}2022/noticias/03/14/sicredi_planalto_aguas/{/vsig}

FERTILIZANTES: Tereza Cristina vai ao Canadá para tratar do aumento da exportação de potássio para o Brasil

fertilizantes 14 03 2022A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, viajou no sábado (12/03) para o Canadá para conversar com empresários e representantes governamentais sobre a possibilidade de aumentar as exportações de potássio para o Brasil. O Canadá é o maior produtor mundial de potássio, com cerca de 33% da produção mundial.

Inciativa privada - De acordo com a ministra, a ideia é conversar principalmente com a iniciativa privada para falar sobre a disposição do governo brasileiro de facilitar as vendas ao Brasil.

Quantidade maior - “A viagem é para conversar com canadenses para ver se conseguimos uma quantidade maior do que eles já nos mandam, para suprir esses possíveis gargalos de fornecimento que a gente possa vir a ter, devido ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia”, explicou. Segundo ela, o governo brasileiro já vem fazendo várias videoconferências com a associação que reúne exportadores canadenses para tratar do tema.

Reuniões - Na viagem a Ottawa estão previstas reuniões com presidentes de empresas produtoras e exportadoras de potássio instaladas no país, além de representantes do governo canadense. Neste domingo, a ministra se reuniu com a diretoria da Brasil Potash. Segunda-feira (14/03), está previsto um encontro com o Vice-Ministro da Agricultura do Canadá, Paul Samson. A ministra também terá reuniões com os presidentes das empresas Gensource, Nutrien, Canpotex e Fertilizer Canada. O retorno da comitiva do Mapa está previsto para esta segunda-feira (14/03), com chegada no Brasil na terça-feira (15/03).

Irã - Em fevereiro, a ministra viajou ao Irã, negociando o aumento de exportações de fertilizantes para o Brasil. Ontem ela recebeu em Brasília representantes de países árabes para debater a possibilidade de aumentar a exportação de fertilizantes para o Brasil.

Quarto consumidor mundial - Atualmente, o Brasil é o quarto consumidor global de fertilizantes, responsável por cerca de 8% deste volume e é o maior importador mundial. O Brasil importa cerca de 85% de todo o fertilizante usado na produção agrícola nacional. No caso do potássio, o percentual importado é de cerca de 95%. (Mapa)

 

EXECUTIVO FEDERAL: Alíquota única do ICMS sobre combustíveis para todo o país agora é lei

executivo 14 03 2022Sem vetos, foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial da União, na sexta-feira (11/03), a Lei Complementar 192, de 2022, que altera a regra de incidência do ICMS sobre os combustíveis para ajudar a frear os preços nas bombas. Na semana passada, a Petrobras anunciou novo reajuste, com alta de 18,8% para a gasolina e de 24,9% para o diesel, alguns dos produtos que mais inflacionaram o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos últimos doze meses.

Substitutivo - O substitutivo do Senado ao Projeto de Lei Complementar (PLP) 11/2020 foi aprovado pelos senadores na quinta-feira (10/03) e, posteriormente, no início da madrugada de sexta, na Câmara dos Deputados. 

Origem -De autoria do senador Jean Paul Prates (PT-RN), o substitutivo que deu origem à lei estabeleceu alíquota única do ICMS para todo o país. A nova norma fixa que a cobrança do imposto sobre combustíveis, inclusive importados, incidirá apenas uma vez. Antes ela incidia em várias fases da cadeia produtiva. 

PIS/Pasep e Confins - A lei também concede isenção do PIS/Pasep e da Cofins em 2022 sobre os combustíveis. Deverão ser submetidos a essa tributação o diesel, o biodiesel, a gasolina, o etanol anidro (que é misturado à gasolina), o gás liquefeito de petróleo (GLP) e o gás liquefeito de gás natural (GLGN). Todos os contribuintes da cadeia, inclusive o consumidor, terão direito à manutenção dos créditos vinculados.

Mais - Também foram reduzidas a zero as alíquotas para o PIS/Pasep-Importação e a Cofins-Importação incidentes sobre a importação de óleo diesel, biodiesel e gás liquefeito de petróleo ou derivado de gás natural e querosene de avião.

Diesel - Enquanto não for disciplinada a incidência do ICMS, nos termos definidos pelo projeto, haverá para o diesel uma regra transitória, a perdurar até 31 de dezembro de 2022. Nesse período, a base de cálculo da alíquota atual será a média móvel dos preços médios praticados ao consumidor final nos 60 meses anteriores à sua fixação.

Antes - Antes da nova lei, o ICMS sobre combustíveis variava de estado para estado, calculado sobre um preço médio na bomba. Agora, em vez de uma incidência percentual sobre o preço, as alíquotas incidirão sobre a unidade de medida e serão definidas por meio de decisão do Conselho de Secretários Estaduais de Fazenda (Confaz). (Agência Senado)

FOTO: Marley Lima / Assembleia Legislativa de Roraima

 

FOCUS: Mercado diz que inflação deve fechar em 6,45% este ano

focus 14 03 2022O mercado financeiro aumentou pela nona vez consecutiva a previsão de inflação para este ano. Segundo projeção do Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (14/03), em Brasília, pelo Banco Central, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve fechar este ano em 6,45%. Há uma semana, a projeção era de que a inflação este ano ficasse em 5,65%. Há quatro semanas, era de 5,50%.

Estimativa - Divulgado semanalmente, o Boletim Focus reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado para os principais indicadores econômicos do país. Há algumas semanas, as estimativas já estavam apontando para uma inflação acima da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para este ano (3,5%), com variação de 1,5 ponto percentual.

Acima do projetado - Os números do mercado estão acima dos projetados pelo Comitê de Política Monetária (Copom) na reunião realizada em fevereiro, que também mostrou uma inflação acima da meta.

Percentual - “As projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 5,4% para 2022 e 3,2% para 2023. Esse cenário supõe trajetória de juros que se eleva para 12% ao ano no primeiro semestre de 2022 e termina o ano em 11,75% ao ano”, disse a ata do Copom publicada no mês passado.

2023 - Para 2023, o mercado também aumentou a projeção da variação do IPCA – a inflação oficial do país. Com isso, a projeção indica inflação de 3,71% ante 3,51% estimados na semana passada. Há quatro semanas, o cálculo era de uma inflação de 3,5% no próximo ano.

2024 - Para 2024, o mercado projeta também um aumento em relação às estimativas anteriores. A nova previsão é de que, em 2024, a inflação fique em 3,15%, ante os 3,1% da semana passada. Há quatro semanas, a estimativa indicava o IPCA fechando 2024 em 3,04%.

PIB - Na projeção desta semana, o Boletim Focus também elevou a previsão do Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e serviços produzidos no país) registrada há sete dias. A nova projeção é de PIB de 0,49% em 2022, ante 0,42% previsto na semana passada.

Crescimento - Para 2023, entretanto, o boletim registrou uma redução na expectativa de crescimento em relação ao apontado na semana passada, passando de 1,5% para 1,43%. Há quatro semanas, a previsão era de que o PIB crescesse 1,5%. Para 2024, , a projeção ficou estável, em 2%.

Taxa de juros e câmbio - O mercado também projetou alta para a taxa básica de juros, a Selic, para 2022. Na estimativa divulgada nesta segunda-feira, a Selic deve ficar em 12,75% contra 12,25% da semana passada.

Fevereiro - Em fevereiro, além de estimar uma inflação acima da meta, o Copom também aumentou a taxa de juros de 9,25% para 10,75% ao ano. Em comunicado, o comitê indicou que continuará elevando os juros básicos até que a inflação esteja controlada no médio prazo.

Aumento - Para o fim de 2023, o estudo do mercado para a Selic também aumentou. A nova projeção é que a taxa básica fique em 8,75% ao ano contra 8,25% da semana passada. E para 2024, a previsão passou de 7,38% na semana anterior para 7,50% ao ano.

Cotação - A expectativa do mercado para a cotação do dólar em 2022 ficou em R$ 5,30, uma redução em relação ao projetado na semana passada, quando o mercado previu um câmbio de R$ 5,40.

Queda - Para o próximo ano, a previsão do mercado também é de queda no câmbio, passando de R$ 5,30 para R$ 5,21. Para 2024, a estimativa para a cotação da moeda americana ficou em R$ 5,20, ante R$ 5,30 projetados na semana passada. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

IPEA: Desigualdade da renda do trabalho caiu em 2021

ipea 14 02 2022Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado nesta segunda-feira (14/03), mostra que, após um pico observado no terceiro trimestre de 2020 causado pela saída de trabalhadores menos qualificados do mercado de trabalho no início da pandemia, a desigualdade de renda medida pelo índice de Gini tem recuado então, alcançando o valor de 0,490 no quarto trimestre de 2021 (contra 0,507 no terceiro trimestre de 2020). A queda da desigualdade tem ocorrido justamente por uma maior queda da desigualdade entre os trabalhadores do setor privado sem carteira. Por outro lado, houve deterioração dos rendimentos habituais médios, com queda de 10,7% quando se compara o quarto trimestre de 2021 com o mesmo período de 2020.

Rendimento médio - O levantamento também mostra que o rendimento habitual médio foi se reduzindo à medida em que os trabalhadores informais e por conta-própria foram retornando ao mercado de trabalho. A renda habitual média saiu de um pico de R 2.857,00, no trimestre móvel encerrado em julho de 2020, para R 2.447,00, no último trimestre de 2021. Já renda efetiva apresentou consecutivas quedas a partir do trimestre móvel iniciado em abril de 2020 e os últimos resultados mostram que, no último trimestre de 2021, a renda efetiva caiu 8,5%, se aproximando ainda mais da queda da renda habitual.

Sem renda - A proporção de domicílios sem renda do trabalho que, no primeiro trimestre de 2020, era de 22,35%, teve seu ápice no terceiro trimestre do mesmo ano (28,04%). Essa relação apresentou uma estabilidade entre o quarto trimestre de 2020 e o primeiro trimestre de 2021, reforçando como havia sido lenta a recuperação do nível de ocupação aos patamares anteriores a pandemia e, no segundo trimestre de 2021, caiu para 24,5%. Os dados do quarto trimestre (22,2%) revelam que essa relação já se aproxima dos patamares de 2019, que era cerca de 21,5%.

Mais baixa - O estudo mostra também que foram os domicílios de renda mais baixa que apresentaram maior crescimento na renda domiciliar habitual ao longo do ano de 2020, o que reflete a maior proporção de trabalhadores informais nessas faixas de renda, enquanto que foram os domicílios de renda alta que sofreram a maior redução proporcional na renda domiciliar do trabalho ao longo de 2021. Já os dados do quarto trimestre de 2021 informam que foram novamente os domicílios de renda mais baixa os que obtiveram uma maior queda da renda habitual (3,16%), enquanto as duas faixas de renda mais altas foram as que apresentaram uma menor queda, com 1,7% e 1,27% respectivamente.

Base - A nota ‘Retrato dos rendimentos e horas trabalhadas durante a pandemia’ tomou como base os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua e Pnad Covid), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (Assessoria de Imprensa do Ipea)

Acesse a íntegra da nota de conjuntura.

 

ECONOMIA: BC eleva exigência para funcionamento de fintechs de maior porte

economia 14 03 2022As fintechs (startups do setor financeiro) de maior porte obedecerão a exigências dos bancos tradicionais para prevenir riscos para o funcionamento do sistema financeiro, anunciou na sexta-feira (11/03), em Brasília, o Banco Central (BC). As normas entrarão em vigor em janeiro de 2023 e serão implementadas gradualmente até janeiro de 2025. Startup é uma empresa inovadora.

Capital mínimo - Com as novas regras, a qualidade do capital mínimo para entrar em funcionamento das instituições de pagamento, que oferecem serviços como carteira digital, foi aumentada. Os requerimentos de capital são necessários para garantir a segurança financeira da instituição em situação de estresse no mercado, quando o volume de saques aumenta.

Instituições - A nova regulamentação atinge principalmente instituições de pagamento com forte crescimento nos últimos anos, como Nubank, PagSeguro, PicPay e Stone. De acordo com o BC, a oferta de novos serviços financeiros por essas fintechs [empresas de inovação tecnológica no setor financeiro] tornou necessário o aprimoramento das regras. Isso porque as instituições de pagamento, aos poucos, passaram a criar subsidiárias que exercem atividades semelhantes às dos bancos.

Proporcional - O aperto nas obrigações será proporcional ao tamanho da instituição de pagamento. Empresas de maior porte terão de cumprir mais exigências. As instituições menos complexas terão regras mais simples.

Exigência ampliada - Em relação ao capital mínimo, a exigência da qualidade foi ampliada. Ativos que pouco contribuem para a segurança financeira da instituição em situações de estresse, como créditos tributários (impostos a receber) ou bens intangíveis (que não podem ser vendidos no mercado), não poderão mais entrar no cálculo do capital mínimo.

Entrada - Para facilitar a entrada de novas fintechs no mercado, o BC ressaltou que as empresas que atuam no ramo de pagamentos e não são vinculadas a instituições financeiras terão regras simplificadas. Segundo o órgão, isso preservará o ingresso de concorrentes que tragam serviços e produtos inovadores ao mercado financeiro.

Ativos inatingíveis - As instituições de pagamento que entrarem no mercado poderão registrar os ativos intangíveis no capital regulamentar nos 12 primeiros meses de funcionamento, logo após receberem autorização do BC. Nos 12 meses seguintes, só metade desses ativos poderá ser registrada nos requerimentos de capital mínimo.

Avaliação de riscos - No caso de grupos que operem instituições financeiras e de pagamentos, a avaliação de riscos e a exigência de capital passará a considerar todo o conglomerado. Nos próximos meses, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovará resoluções para implementar as novas regras. Instituições financeiras com atividades de pagamento, como carteiras digitais, também terão as exigências aumentadas.

Cartões de crédito - O BC também anunciou que pretende apertar as normas para o funcionamento dos cartões de crédito. Até agora, esse segmento é tratado como meio de pagamento. Nos próximos anos, as normas serão ajustadas para dar tratamento híbrido de meio de pagamento e de concessão de crédito às empresas de cartão. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

LEGISLATIVO: CCJ pode votar reforma tributária na quarta-feira

legislativo 14 03 2022A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) pode votar na quarta-feira (16/03), às 10h, uma proposta de emenda à Constituição que reformula o sistema tributário do país. O texto (PEC 110/2019), do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) e outros 65 senadores, recebeu parecer favorável do relator, senador Roberto Rocha (PSDB-MA).

Modelo dual - A PEC 110/2019 prevê a criação de um modelo dual de tributação, com dois impostos de valor agregado (IVA). A Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) deve unificar os tributos federais (IPI, Cofins e Cofins-Importação, PIS e Cide-Combustíveis) e ser arrecadada pela União. Já o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) deve reunir o ICMS e o ISS, recolhidos por estados, Distrito Federal e municípios.

Origem - O sistema de IVA foi criado na França nos anos 1930 para evitar a cobrança acumulada de impostos em diferentes etapas da produção, do comércio e da prestação de serviços, evitando um efeito cascata. A matéria prevê ainda um novo imposto sobre produção, importação e comercialização de bens e serviços prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente. Esse imposto substituiria o IPI.

Previdência e maternidade - Outro item na pauta da CCJ é a PEC 24/2021, que muda a regra para a contagem do tempo de contribuição de mulheres para a Previdência Social. A matéria da senadora Nilda Gondim (MDB-PB) e outros 28 parlamentares considera como tempo de contribuição o período dedicado ao cuidado com os filhos.

Público - A mudança vale para servidoras públicas e trabalhadores da iniciativa privada. De acordo com a PEC 24/2021, elas teriam reconhecido o tempo de contribuição de um ano para cada filho nascido vivo e de dois anos para cada filho adotado ou portador de deficiência. A matéria aguarda relatório da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). (Agência Senado)

FOTO: Edilson Rodrigues / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil registra 29,3 milhões de casos e 655 mil óbitos

O Brasil acumula 29,3 milhões de casos confirmados de covid-19 e 655 mil mortes, segundo boletim epidemiológico divulgado neste domingo (13/03) pelo Ministério da Saúde. Os casos de recuperados somam 27,7 milhões (94,5% dos casos).

24h - Em 24 horas, foram registrados 18,6 mil casos e 133 óbitos.

Repasse de informações - O boletim epidemiológico deste domingo não atualizou dados do Mato Grosso, do Tocantins e do Distrito Federal, cujas secretarias de estado de Saúde não repassaram as informações.

Estados - O estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, com 5,1 milhões de casos e 166 mil óbitos. Em seguida estão Minas Gerais (3,2 milhões de casos e 60,3 mil óbitos), Paraná (2,3 milhões casos e 42,6 mil óbitos) e Rio Grande do Sul (2,2 milhões de casos e 38,7 mil óbitos). Os estados com menor número de casos é o Acre (123.376), Roraima (154.566) e Amapá (160.210).

Mortes - Em número de mortes, São Paulo tem 166.093; Rio de Janeiro, 72.221 e Minas Gerais, 60.248. Os estados com menor número de óbitos são Acre (1.989), Amapá (2.118) e Roraima (2.139). (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2022-03-13 at 17.39.43

SAÚDE II: Sesa confirma mais 1.504 casos e cinco óbitos pela Covid-19

saude II 14 03 2022A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (13/03) mais 1.504 casos confirmados e cinco mortes — não necessariamente representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Há ajustes ao final do texto.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 2.370.673 casos confirmados e 42.428 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de julho (1) de 2020; fevereiro (1), junho (2), julho (2), agosto (1), setembro (1), outubro (4) e novembro (1) de 2021; janeiro (443), fevereiro (342) e março (706) de 2022. Os óbitos divulgados nesta data são de junho (1) de 2021 e março (4) de 2022.

Internados - 77 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (40 em UTI e 37 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 606 pacientes internados, 259 em leitos UTI e 347 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais cinco pacientes. São cinco homens, com idades que variam entre 42 e 83 anos. Um óbito ocorreu dia 13 de junho de 2021 e os demais entre 11 e 12 de março de 2022.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Cascavel (3). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Pinhais e Foz do Iguaçu.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 10.690 casos de residentes de fora do Estado, 231 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

Vejas os ajustes (exclusões e correções de municípios) no site da Sesa.

 

SAÚDE III: 678,3 mil vacinas pediátricas contra a Covid-19 já foram aplicadas no Paraná

saude III 14 03 2022Prestes a completar dois meses no Paraná, a vacinação contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos já registra 678,3 mil aplicações. Os dados são de um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) realizado na sexta-feira (11/03).

Doses - Segundo os dados repassados pelos municípios para as Regionais de Saúde, 612.389 primeiras doses (D1) já foram administradas, além de 65.959 segundas aplicações (D2), atingindo uma cobertura de quase 57% do público estimado com a D1. A estimativa do Ministério da Saúde é que o Paraná tenha 1.075.294 crianças nesta faixa etária.

Etapas finais - “Completamos dois anos de pandemia no Paraná e pouco mais de um ano de vacinação que chega em uma de suas etapas finais que é a imunização infantil. Precisamos continuar vacinando nossas crianças, seja com a primeira ou segunda dose para vencermos esse inimigo invisível o mais rápido possível”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Faixa etária - Todos os municípios já vacinam por faixa etária, sem comorbidades. Pelo menos 344 municípios já vacinam crianças com 5 anos ou mais; 43 estão vacinando acima de 6 anos; seis acima de 7 anos; três acima de 8 anos; um acima de 9 anos e dois acima de 10 anos.

Recebidas e descentralizadas - A Sesa já recebeu 1,6 milhão de vacinas pediátricas e já descentralizou mais de 1,3 milhão de imunizantes.

Conscientização - “Se já enviamos mais de um milhão de vacinas para primeira dose, temos cerca de 400 mil doses que ainda não foram aplicadas. Contamos com a conscientização da população e o poder do convencimento, de que estes pais confiem nos imunizantes e vacinem seus filhos”, ressaltou Beto Preto.

Vacinômetro - Os números preliminares são maiores do que os dados disponíveis no Vacinômetro do Ministério da Saúde. Na plataforma, o Paraná registra 492.062 aplicações, sendo 458.043 D1. A diferença nos dados pode estar relacionada com as instabilidades da base nacional do Programa Nacional de Imunizações (PNI), além de atrasos de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o levantamento completo AQUI.

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

SAÚDE IV: ANS abre consulta pública sobre resolução que atualiza o Rol

saude IV 14 03 2022A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) abriu, na sexta-feira (11/03), a Consulta Pública nº 94, para que sejam apresentadas críticas e sugestões relativas às recomendações preliminares relacionadas a propostas de atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. O prazo para envio de críticas e sugestões é de 20 dias corridos, encerrando-se, assim, em 30/03/2022. Os interessados em participar já podem acessá-la por este link.

Relatórios preliminares - A consulta também submete à participação social os Relatórios Preliminares resultantes da segunda reunião técnica da Comissão de Atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Suplementar (COSAÚDE), em cumprimento à legislação e aos normativos vigentes.

Propostas - As recomendações tratam de propostas enviadas para ANS por meio do formulário eletrônico FormRol, de acordo com o processo contínuo de envio de propostas e de análise por parte da Agência instituído pela Resolução Normativa nº 470/2021. A Consulta Pública irá, portanto, tratar das propostas para inclusão no rol de coberturas obrigatórias dos planos de saúde dos seguintes medicamentos:

Risanquizumab (para tratamento de psoríase moderada a grave)

Brigatinibe (para câncer de pulmão não pequenas células localmente avançado ou metastático)

Trifluridina + cloridrato de tipiracila (para tratamento de câncer colorretal metastático)

Levomalato de cabozantinibe (para os casos de carcinoma hepatocelular)

Trifluridina + cloridrato de tipiracila (para câncer gástrico metastático, incluindo adenocarcinoma da junção gastroesefágica)

Erdafitinibe (para carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático)

Venetoclax (para os casos de leucemia linfocítica crônica)

Recomendações - As recomendações preliminares elaboradas pela ANS podem ser favoráveis ou desfavoráveis às propostas de atualização, cujos fundamentos podem ser lidos nos Relatórios de Análise Crítica, que, assim como a proposta de Resolução Normativa, estão disponíveis na íntegra durante o período de consulta na página da ANS, www.gov.br/ans, em "Acesso à informação", no item "Participação da Sociedade", no subitem "Consultas Públicas", https://www.gov.br/ans/pt-br/acesso-ainformacao/participacao-da-sociedade/consultas-publicas. (ANS)

 


Versão para impressão


RODAPE