Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5294 | 06 de Abril de 2022

MERCOSUPER 2022 I: Feira de Supermercados é aberta com participação de 27 cooperativas do Paraná

A 39ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados (Mercosuper) foi aberta na tarde de terça-feira (05/04), no Expotrade Convention Center, em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba. Esta é a primeira edição realizada após a pandemia. A previsão é concretizar R$ 600 milhões em negócios durante os três dias de evento. A feira é promovida pela Associação Paranaense de Supermercados (Apras) e conta com cerca de 300 marcas em exposição, além de novos espaços segmentados: Espaço Paraná Cooperativo, Espaço Ceasa e Espaço Orgânico. Participam da Mercosuper 18 cooperativas associadas ao Sistema Ocepar e nove cooperativas de hortifruti, mel, doces e sucos, que integram o projeto de fomento do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR).

Varejo - O Paraná responde por 10% do faturamento do setor supermercadista brasileiro, com R$ 53 bilhões faturados em 2020, de acordo com a Apras. São 4.800 lojas em todo o Estado, que geram 600 milhões de atendimentos/ano e cerca de 240 mil empregos diretos e indiretos. No Brasil, o segmento teve um faturamento de R$ 554 bilhões, que representa 7% do PIB do país, por meio de uma rede de 91.351 lojas e 3 milhões de funcionários.

Ratinho Junior - Durante a solenidade de abertura, o governador Carlos Massa Ratinho Junior destacou a participação do setor supermercadista na geração de empregos do Paraná, que vive um bom momento no mercado de trabalho, com 172 mil vagas abertas em 2021. Além do melhor resultado em 18 anos na abertura de novas vagas, o Estado já soma 47,8 mil postos criados nos dois primeiros meses de 2022. “O papel do governo, junto com o setor produtivo, é tornar o Paraná um ambiente saudável para os negócios, criando oportunidades para a geração de empregos e atração de investimentos”, disse o governador.

Trabalho - “Podemos medir o sucesso dessa estratégia lá na ponta, no desempenho dos setores atacadista, varejista e de supermercados, que estão entre os principais responsáveis pela abertura de novos postos de trabalho no Estado”, afirmou. “Além de gerar um grande número de empregos diretos e indiretos, os supermercados também fomentam a indústria, principalmente os produtos da agroindústria, área em que o Paraná tem bastante destaque”.

Apras - Na avaliação do presidente da Apras (Associação Paranaense de Supermercados), Carlos Beal, a pandemia exigiu de todos um novo aprendizado sobre o varejo, com a necessidade de desenvolver multicanais de vendas para atender com qualidade aos consumidores. Com a volta dos eventos presenciais, a Mercosuper pode retornar, trazendo conteúdo atual e discutindo desafios para os novos tempos. “O varejo é relacionamento e a feira possibilita o fortalecimento de parcerias entre indústrias, cooperativas e supermercadistas”, afirmou.

Ocepar - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, agradeceu ao presidente da Apras pela oportunidade de estabelecer a parceria que tornou viável o Espaço Paraná Cooperativo. “Sem a rede de varejo, não temos como fazer com que os produtos das cooperativas cheguem aos consumidores. O Espaço Paraná Cooperativo fortalece o relacionamento entre a cadeia produtiva e o setor de supermercados”, disse. “As cooperativas revendem seus produtos para mais de 130 países, mas também atuam de forma crescente no mercado de varejo brasileiro, contribuindo para a geração de renda, empregos, impostos e desenvolvimento em todo o estado”, ressaltou. “Estamos presentes na Mercosuper para intensificar parcerias e novos negócios, priorizando a produção paranaense”, concluiu. (Com informações da Agência Estadual de Notícias)

FOTO: Jonathan Campos / AEN

 

MERCOSUPER 2022 II: Sistema Ocepar lança a Academia de Liderança do Varejo, nesta quinta-feira

Nesta quinta-feira (07/04), o Sistema Ocepar lança o curso Academia de Liderança do Varejo, que será executado por intermédio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), em parceria com a ESPM. Será durante a programação da Mercosuper 2022 - Feira e Convenção Paranaense de Supermercados promovida pela Associação Paranaense de Supermercados (Apras), no Expo Trade, em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba.

Palestra - Na oportunidade, o doutor em Administração pela PUC-SP, Ricardo Pastore, vai ministrar uma palestra sobre “Tendência do Varejo”. Coordenador do Núcleo de Varejo e Retail Lab da ESPM-SP, ele é professor em programas de MBA e Educação Executiva na ESPM, FIA, FAAP, Dom Cabral e Sustentare. Também é sócio-fundador da Ricardo Pastore Retail, empresa de consultoria e treinamento especializada em inovação no varejo, e atua na KraftBioChain, startup sobre garantia de origem do café. Sua carreira profissional contempla a passagem por grandes empresas varejistas, como a GPA, Makro e Saraiva. Pastore é especialista em Gestão e Estratégia de Varejo.

Inscrições e informações - O evento de lançamento do curso tem como público-alvo os profissionais das áreas de mercado, trading e varejo das cooperativas agropecuárias paranaenses e será realizado presencialmente no Auditório C da Mercosuper. Os interessados devem efetivar as inscrições por meio de formulário eletrônico. Clique aqui. Mais informações com Carolina Bianca Teodoro (carolina.teodoro@sistemaocepar.coop.br / 41 99647 5522) e Alexandre Monteiro (alexandre.monteiro@sistemaocepar.coop.br / 41 99604 7007).

Sobre o curso - A Academia de Liderança do Varejo é uma formação com carga horária de 120 horas, que serão distribuídas ao longo de 2022 e 2023, cujo objetivo é atualizar e preparar as lideranças cooperativistas atuantes no varejo a enfrentarem o cenário pós-pandemia. “Nós preparamos um programa ágil, dinâmico e com ferramentas para aplicação imediata dos conhecimentos adquiridos em sala de aula. Inovamos no formato, conteúdos e metodologias de ensino, para que os participantes tenham a melhor experiência de aprendizagem e possam aplicar os novos conhecimentos na prática”, esclarece o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Leandro Macioski. Ainda de acordo com ele, mais informações sobre o curso, como cronograma, inscrições e conteúdo, por exemplo, serão divulgadas durante este mês.

 

mercosuper academia folder 05 04 2022

CENÁRIOS: Getec publica documento com perspectivas econômicas de mercado

cenarios 05 04 2022A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) publicou um documento sobre as perspectivas de mercado, em âmbitos global, nacional e do agronegócio, com base em dados de março de 2022. No que se refere ao cenário global, o material mostra, por exemplo, que o conflito entre a Rússia e a Ucrânia está afetando os preços das commodities. Destaque também para as projeções do mercado, que estimam que a inflação no mundo deve avançar de 4,3% para 5,4%. Por outro lado, o crescimento econômico deve recuar de 3,6% para 3,0% este ano. Nos Estados Unidos, a inflação deve se manter em alta e o Federal Reserve (Fed), o banco central norte-americano, sinaliza que irá subir os juros em dois pontos percentuais neste ano, ficando entre 2,75% e 3%.

Brasil - No Brasil, aatividade econômica em 2021 ficou em 4,6%. Já o Comitê de Política Monetária do Banco Central, decidiu pela nona alta consecutiva da taxa Selic. Assim, o país volta a registrar o maior nível de juros em quase cinco anos (11,75%). O mercado revisou suas projeções para cima e prevê que a Selic chegue a 13,75%. Segundo o levantamento da Getec, o Real ganha força em função da realocação global de ativos, preços altos de commodities e alta taxa de juros (R$ 4,73/US$).

Agronegócio - No agronegócio, a Conab reduziu a expectativa de produção da safra de grãos, de 268,2 milhões para 265,7 milhões de toneladas. O PIB do setor cresceu 8,63% em 2021, chegando a R$ 2,37 trilhões. Os preços da soja e do milho atingem níveis recordes. As exportações somaram o valor de US$ 19,3 bilhões, um recorde para o primeiro bimestre do ano.

Resumo - Essas informações constam na síntese apresentada no início do levantamento feito pela Getec. O documento contempla ainda mais dados sobre a economia no mundo e no Brasil, e a vacinação contra a Covid-19. Em relação ao agronegócio, trata sobre os recursos de crédito rural, mostrando a evolução do funding e de recursos agrícolas captados no país; safra de grãos no país e no Paraná; prognóstico de clima; preços de soja e milho no Paraná; exportações e balanços da avicultura, suinocultura e leite.

Clique aqui e confira na íntegra a publicação “Perspectivas de Mercado”, publicada pela Getec

FOTO: Pixabay

 

SINDITRIGO-PR: Worshop debate novos hábitos de consumo, tecnologias e tendências do mercado de trigo

O Sindicato da Indústria do Trigo do Paraná, Sinditrigo-PR, promoveu, nesta terça-feira (05/04), em Curitiba, o evento presencial Moatrigo – Do Trigo ao Tech, direcionado a executivos, colaboradores e fornecedores dos moinhos do estado e do país. O evento foi realizado juntamente com as empresas associadas e colaboradoras do Sinditrigo-PR, entre as quais as cooperativas paranaenses Agrária, Coamo, Cotriguaçu, Coopavel e Unium, com apoio da Ocepar, Fiep, Embrapa, Abitrigo, Faep, Inpar, Abimapi e Apras.

Programação - A programação foi aberta com a presença do vice-governador do Paraná, Darci Piana. O superintendente e o gerente da Ocepar, Robson Mafioletti e Flávio Turra, respectivamente, também prestigiaram a abertura. No painel que discutiu a conjuntura do trigo, Jeferson Caus, da Cooperativa Agrária, falou em nome do cooperativismo. O debate contou ainda com a presença do presidente do Conselho Deliberativo da Abitrigo, João Carlos Veríssimo, Ivo Arnt, da Faep, e do presidente do Sinditrigo/RS, Valdomiro Cunha.

Novidades - Segundo a vice-presidente do Sinditrigo-PR, Paloma Venturelli, o workshop foi realizado com o objetivo de apresentar o que há de novo no setor, abordando novos hábitos do consumidor e tendências de mercado, incluindo mudanças importantes na legislação de produtos integrais que vão entrar em vigor brevemente, com novas rotulagens de embalagens. A pauta do Moatrigo incluiu também a análise do cenário econômico, que se tornou ainda mais desafiador para a indústria moageira após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, países que somam 30% da produção mundial de trigo. Boa parte dos temas abordados na programação do Moatrigo convergiram para a necessidade de atender as demandas de um novo perfil de consumidor que prioriza saúde e bem-estar e busca alimentos mais naturais, artesanais, mais frescos, com menos ingredientes químicos.

Paraná - Maior produtor e parque moageiro do país, o Estado do Paraná produz quase 50% do trigo brasileiro e responde por 30% da produção nacional de farinha, somando mais de 60 moinhos de trigo. Além das associadas ao Sinditrigo-PR, há no Paraná outras cooperativas que possuem moinho e processam o cereal: Coagru, Coprossel e Coopertradição.

{vsig}2022/noticias/04/06/evento_trigo/{/vsig}

CBN AGRO: Cooperada da Frísia fala sobre empreendedorismo feminino em Curitiba

cbn agro 06 04 2022A produtora de leite e cooperada da Frísia, em Carambeí, Marlene Kaiut participa, na segunda-feira (11/04), como palestrante do ciclo de palestras CBN Agro. O evento acontece no auditório do hotel NH, em Curitiba, a partir das 19h30 com o tema: gestão, inovação e o empreendedorismo feminino no agro.

Destaques - Marlene é formada em administração de empresas e campeã do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios da categoria produtora rural do Paraná. Foi destaque na revista e programa Globo Rural, Mundo Leite, Revista pequenas empresas e grandes negócios – nas matérias mulheres empreendedoras bem-sucedidas entre outras.

Trajetória - Em 2011, assumiu a frente do rebanho leiteiro na chácara São João, em Carambeí (PR) e com o triplo de animais em lactação a produção aumentou mais de quatro vezes. O salto foi obtido graças à adequação na alimentação dos animais, ao manejo aprimorado e à melhoria genética.

Serviço - Dia 11/04/2022, 19h30, no auditório NH Hotel - Rua Nunes Machado, 68, centro - Curitiba PR. Tema: “Gestão, inovação e o empreendedorismo feminino no agro.”

 

COOPAVEL: Cooperativa participa da Mercosuper 2022

A Coopavel Cooperativa Agroindustrial é uma das empresas que participam nesta semana, no Expotrade, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, da Mercosuper 2022. Cerca de 300 marcas são representadas no evento, entre elas produtos de 20 cooperativas agroindustriais. A organização da feira, uma das maiores em seu segmento no País, é da Apras, a Associação Paranaense de Supermercados.

Feira tradicional - O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, destaca que a Mercosuper é uma feira tradicional, na qual é possível encontrar varejistas do Paraná e fortalecer relacionamentos entre cooperativas, indústrias e comércio atacadista. “É um evento que representa um importante marco para o setor produtivo do Estado devido a tudo o que oferece na geração de empregos e na distribuição de renda nas mais diferentes regiões”, afirma Dilvo.

Amplo portifólio - Em seu estande, a Coopavel mostra um amplo portfólio de produtos, principalmente na área de proteínas animais – congelados no pacote, congelados interfolhado, IQF, resfriados e blocos. “A nossa cooperativa está há mais de 40 anos integrada ao comércio. O setor cooperativista paranaense é muito forte, respondendo por 56% de todo o suíno, 44% do frango, 35% do leite e 30% do peixe”, ressalta o presidente Dilvo Grolli.

Retorno - A Mercosuper 2022 retorna depois de dois anos sem seu formato presencial, suspenso devido à pandemia. Nesta edição, a expectativa é movimentar mais de R$ 600 milhões, segundo o presidente da Apras, o supermercadista Carlos Beal, ligado ao grupo Festval, originalmente criado em Cascavel. “A programação, além de estandes com inúmeros lançamentos e novidades, traz reflexões sobre os mais diferentes assuntos, de inovações a desafios antigos com a carga tributária”, segundo Beal.

Números - Alguns números relevam a importância e a força do setor supermercadista no Paraná e no Brasil. No Estado, o segmento é responsável pela geração de 240 mil empregos e por R$ 53 bilhões em faturamento, equivalente a 9,9% do total da área no País. Em âmbito nacional, os supermercados faturaram, em 2020, R$ 554 bilhões, 7,5% do Produto Interno Bruto, com geração de três milhões de empregos entre diretos e indiretos. (Imprensa Coopavel)

{vsig}2022/noticias/04/06/coopavel/{/vsig}

COPACOL I: Ratinho Júnior visita estande da cooperativa na Mercosuper

Cooperando com alimentos saudáveis e saborosos em todo o Brasil e outros 76 países, a Copacol participa da 39ª edição da Mercosuper, uma das maiores feiras que apontam as tendências do varejo nacional, que vai até esta quinta-feira, na Expotrade em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba.

Governador - O governador Ratinho Júnior visitou o estande da Cooperativa nesta terça-feira (05/04), onde foi recepcionado pelo superintendente Comercial, Valdemir Paulino dos Santos. A comitiva também contou com o vice-governador Darci Piana, o presidente da Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná), José Roberto Ricken, o presidente da Apras (Associação Paranaense de Supermercados, Carlos Beal, e a vice-prefeita de Pinhais, Rosa Maria.

Geração de renda - Com 16 mil colaboradores no Oeste do Paraná, a Copacol se destaca na geração de renda em todo o estado. Ano passado só em tributos foram R$ 291 milhões, convertidos verbas para investimentos em serviços públicos. O faturamento da Cooperativa chegou a R$ 7,9 bilhões, com exportação total de 476,2 milhões de dólares. Incentivador da transformação das matérias-primas, Ratinho conheceu um pouco mais dos lançamentos em produtos disponíveis na feira. “É uma grande satisfação gerar desenvolvimento no campo e também oportunidades de renda nos municípios. Crescemos com o nosso estado e pretendemos avançar cada vez mais, levando nossos produtos sempre mais longe. Até 2025 chegaremos a R$ 10 bilhões em faturamento, dividindo nossos resultados”, afirma o diretor-presidente da Copacol, Valter Pitol.

Mercosuper - Com300 marcas, 150 expositores, a Mercosuper espera receber 20 mil visitantes em três dias e movimentar R$ 600 milhões em negócios. A novidade neste ano é o Espaço Paraná Cooperativo, com 2,6 mil metros quadrados, onde estão expostas grandes marcas cooperativistas paranaenses. A feira é uma oportunidade para as agroindústrias do Estado: o setor supermercadista gera 240 mil empregos, em 4,8 mil lojas, movimentando R$ 53 bilhões anualmente. “Estamos com grande otimismo com esta edição da Mercosuper: depois de dois anos retomamos o evento presencial, mantendo contato direto com nossos parceiros. Esse é um termômetro de como está o setor como um todo. Percebemos uma grande expectativa para o encontro, possibilitando o impulsionamento dos relacionamentos e também os negócios”, afirma Marçal Augusto Bento, gerente filial de vendas Curitiba.

Dia de Peixe - Estamos na quaresma: período em que há um crescimento no consumo de peixes – um dos principais produtos da Copacol é a tilápia, em destaque na Mercosuper, devido a Campanha nacional Dia de Peixe, com o sambista Diogo Nogueira, que está cooperando na divulgação da marca: uma parceria de muito sucesso, que vai presentear o consumidor com 400 fritadeiras elétricas – uma por dia – e três prêmios finais de R$ 90 mil cada, equivalentes a três carros zero quilômetro. A campanha vai até maio e todo o Brasil pode participar. “Essa é uma estratégia de ampliarmos nossa participação no mercado, conquistando mais consumidores, que também têm a chance de levar presentões pra casa. A Mercosuper é o momento para demonstrarmos nossa qualidade, nossos diferenciais”, afirma Mauricio Deliberaes, gerente de vendas da Copacol. (Imprensa Copacol)

{vsig}2022/noticias/04/06/copacol_I/{/vsig}

COPACOL II: Cooperativa lança conceito de atendimento “Coopera Sempre” em nova Unidade

Cooperar sempre com o desenvolvimento do campo é estar presente para compartilhar soluções eficazes para a evolução das atividades proporcionando segurança e oportunidades. É contar com tecnologias de ponta, mantendo relacionamento diário entre área técnica e cooperado, pois cada propriedade tem seu próprio jeito de ser e só com esse equilíbrio, entre moderno e humano, é possível avançar, sem perder a essência que valoriza cada gota de suor das famílias que se dedicam em produzir alimentos saborosos e saudáveis para o Brasil e outros 76 países.

Novo conceito de atendimento - Com um novo conceito de atendimento, que prima pela personalização, proximidade e excelência, a Copacol inaugurou a nova Unidade Administrativa “Coopera Sempre”, em Formosa do Oeste (PR): muito mais ampla, com espaços dedicados a serviços específicos que atendam de maneira funcional, rápida e prática as necessidades dos produtores rurais. “Iniciamos agora um novo ciclo, um novo momento: continuamos com nosso jeito de ser, conhecendo a realidade de cada um dos nossos cooperados, mas evoluímos na maneira de desempenhar nossas funções: tudo para gerar eficiência e rapidez que os nossos cooperados necessitam, gerando melhores resultados em cada uma das atividades e negócios”, afirma o diretor-presidente da Copacol, Valter Pitol.

Estrutura - A estrutura foi cuidadosamente pensada em cada um dos cooperados da Copacol. Além do ambiente comum de convivência de quem faz a transformação no mundo agro, a Unidade passa a contar com salas de negócios: espaços para demandas personalizadas, onde são realizadas reuniões com a privacidade necessária. Os agentes agrícolas estarão prontos para receber nossos produtores, acolhendo imediatamente cada demanda de maneira receptiva, harmoniosa e eficaz.

Excelente - O cooperado José Aparecido Mafra fez questão de conferir a nova Unidade: ele foi um dos primeiros atendidos na estrutura. “A cooperativa sempre teve um atendimento excelente. A evolução da Copacol sempre aconteceu, gerando resultados aos cooperados. Estamos muito felizes com esse novo ambiente”, afirma Mafra.

Coopera Sempre - Nos guichês é possível realizar consultas de extratos agrícolas, transações comerciais e verificar a situação de cada propriedade. Para encontros maiores foi implantado um auditório totalmente climatizado com capacidade para 60 pessoas: local ideal para compartilhar conhecimento. O ambiente inspirador e produtivo é um modelo inovador que será levado as demais estruturas da Cooperativa. Além da estrutura interna, a área do estacionamento de caminhões foi ampliada: são 13,4 mil metros quadrados. “Essa é a segunda casa do nosso cooperado. Queremos que ele se sita confortável, pois o ambiente inteiro foi planejado para que ele possa ter um excelente atendimento, tendo a acesso a soluções eficazes à propriedade. Nossa equipe estará de prontidão para receber os produtores sempre que necessário, de uma maneira humanizada e muito receptiva”, afirma Nilvado Sandri, gerente da Unidade de Formosa do Oeste.

Inauguração - A inauguração da Unidade “Coopera Sempre” foi realizada pelo diretor-presidente, Valter Pitol, vice-presidente, James Fernando de Morais, diretor-secretário, Silvério Constantino, e prefeito de Formosa do Oeste, Luiz Antônio Domingos de Aguiar. Estiveram presentes os colaboradores que já atuam na estrutura, os membros dos Conselhos Administrativo e Fiscal, Comitês Educativos e Grupos Femininos. “As relações humanas são importantes: mesmo com tanta tecnologia, a simplicidade ainda se faz fundamental. Esse é o espaço em nossa Cooperativa que pertence a todos deste mundo agro, envolvidos em um bem maior, de desenvolvimento econômico e sustentável”, ressalta Pitol.

Estrutura Formosa - Desde 1976 Formosa do Oeste conta com a Unidade da Copacol: 866 cooperados e 51 colaboradores apenas na área administrativa. A estrutura de armazenagem de grãos e insumos foi recentemente reformada, com importantes investimentos para agilizar o recebimento de cargas, evitando filas e beneficiando os produtores durante as safras. A capacidade da unidade é de 50 mil sacas de cereais por dia – armazenagem total de 660 mil sacas.

Supermercados - Em 2015, o Copacol Supermercados passou a contar com espaço amplo: 1,9 mil metros quadrados, com mix completo com 20 mil itens, garantindo qualidade aos consumidores e renda para 80 colaboradores.

UPL - Formosa possui ainda com a UPL, Unidade de Produção de Leitões, implantada em 2010, onde a produção chega a 4 mil matrizes, totalizando 10 mil leitões/mês. São 44 colaboradores nesta atividade. O município mantém também a área de reflorestamento de eucalipto com área total de 147 alqueires, nas margens do Rio Piquiri. (Imprensa Copacol)

{vsig}2022/noticias/04/06/copacol/{/vsig}

CASTROLANDA: Nova cooperativa escolar é constituída pelo Programa Crescer e Cooperar

O Programa Crescer e Cooperar agora conta com uma nova cooperativa escolar. Na última quinta-feira (31/03), foi constituída a CoopEM, do Colégio Emília Erichsen. O evento aconteceu na sede da instituição de ensino e reuniu representantes da Cooperativa Castrolanda e estudantes e professores do Colégio Emília e da Escola Evangélica da Comunidade de Castrolanda.

Segunda - A CoopEM já é a segunda cooperativa escolar constituída e faz parte do processo de expansão do Crescer e Cooperar, que também conta com a CoopEECC, da Escola Evangélica, conforme destaca o Analista de Cooperativismo, Jhonatan Bonfim. O programa trabalha os princípios do cooperativismo nas escolas de ensino fundamental I e II e ensino médio nas regiões de atuação da Castrolanda.

Desafio - “Cada escola tem o seu desafio e a sua realidade. Neste início do processo de expansão, surgem muitas dúvidas, que envolvem o perfil do aluno, da escola e dos pais, que dão apoio para o estudante. Isso nos auxilia no aprendizado para melhorarmos nas demais instituições que estão recebendo o programa”, explica Jhonatan.

Contato com o cooperativismo - Para o Vice-Presidente da Cooperativa, Armando Carvalho Filho, o avanço do projeto faz com que mais pessoas tenham contato com o cooperativismo desde cedo. “Eu acredito que, a longo prazo, esse projeto prosperando e angariando novas cooperativas, a gente vai ter um público muito grande de novos cooperados, colaboradores que realmente conhecem e sabem o que é o cooperativismo”.

Auxílio - Daniel Lima, Professor Orientador do programa no Colégio Emília, conta como o Crescer e Cooperar auxilia os estudantes. “As aulas de cooperativismo já trouxeram mudanças para os nossos alunos. A gente consegue perceber que os alunos que participam têm mais desenvoltura para falar, dar a sua opinião e trabalhar em grupo. A iniciativa é muito importante, principalmente porque o sistema cooperativista tem valores que diferem muito das empresas tradicionais e esses valores podem ser aplicados não só para a cooperativa escolar, mas também para o colégio e na nossa vida”.

Relato - Os estudantes também relatam como tem sido a participação na cooperativa escolar. “É muito interessante, porque a gente tem desafios e adquire novos conhecimentos, principalmente com relação a consumo e economia no geral”, observa Julia Rogoski, Vice-Presidente da CoopEM.

Experiência - “O trabalho em grupo é uma experiência que a gente sempre tem, mas, na cooperativa, a gente realmente entende. Com esse projeto, entendemos o conceito de cooperativa e, como a Castrolanda é o centro da economia de Castro, tem sido muito gratificante participar”, reforça Augusto Sleutjes Dancosky, sócio-fundador da CoopEM.

Mais - Além do Colégio Emília Erichsen, a Escola Evangélica da Comunidade de Castrolanda também já tem a sua cooperativa escolar constituída

Sobre o Crescer e Cooperar - A Castrolanda é pioneira no setor do agronegócio brasileiro a implementar as cooperativas escolares nas regiões onde atua. O Programa Crescer e Cooperar teve início em 2015, em uma iniciativa da Comissão Mulher Cooperativista, que identificou em um treinamento de lideranças que não existia nenhum programa da Cooperativa voltado a alunos e crianças. Então, as mulheres buscaram informações, realizaram briefing, viagens de conhecimento e trouxeram a primeira parceira: a Escola Evangélica. A partir de um projeto piloto, foi fundada a primeira cooperativa escolar em 2018, nomeada CoopEECC.

Contraturno - As atividades do Crescer e Cooperar são realizadas em período de contraturno, com a condução de um professor, e precisam atender aos princípios do cooperativismo, iniciando pela livre adesão, ou seja, o programa é para aquele aluno que realmente quer participar. Além do Colégio Emília Erichsen e da Escola Evangélica, também está prevista a constituição de cooperativas escolares no Colégio Fabiana Pimentel e na Escola Estação do Tronco.

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo.

Faturamento - Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata.

Objetivo - O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)

{vsig}2022/noticias/04/06/castrolanda/{/vsig}

UNIMED CURITIBA: Nova diretoria é eleita e empossada

Dirigentes de entidades médicas e do cooperativismo prestigiaram a sessão solene de posse da Diretoria Executiva, do Conselho de Administração e da Comissão Ético Disciplinar da Unimed Curitiba, realizada na noite de sexta-feira (01/04), em Curitiba. O evento reuniu mais de 100 participantes na sede Itupava, uma das unidades mais antigas e tradicionais para atendimento de clientes e médicos cooperados localizada no bairro Juvevê desde os anos 90. O novo grupo gestor, coordenado pelo médico cirurgião e proctologista Rached Hajar Traya, responderá pela entidade até 2026. Em seu discurso, o diretor-presidente empossado agradeceu a parceria dos que fizeram parte de sua trajetória e a confiança dos que o reelegeram para estar à frente da maior operadora de plano de saúde do Paraná, e apontou os rumos que a cooperativa deverá trilhar a partir de agora, enfatizando a necessidade de união para enfrentar os desafios impostos à medicina, à saúde suplementar e ao cooperativismo.

Pandemia - “É muito difícil dissociar os acontecimentos da pandemia ao longo desses últimos quatro anos. Para nós, ela ainda é uma grande ofensa sanitária pela qual estamos passando, mas também nos deu a chance de colocar em prática, de forma clara, o Jeito de Cuidar Unimed em todas as ações e decisões tomadas. Também oportunizou realizarmos grandes feitos para a nossa cooperativa e para todos os envolvidos com o nosso negócio”, afirmou, fazendo referência à reconstrução da unidade Itupava, é um dos principais centros de atendimento aos clientes e médicos cooperados que durante o primeiro ano de pandemia foi reformado, triplicando o tamanho da sede e tornando-a mais moderna e aconchegante. “Neste dia festivo, não tenho dúvidas de que todos os presentes, independentemente de cargos e funções, irão seguir trabalhando conosco para que possamos manter os compromissos firmados até aqui e garantir o cumprimento da nossa proposta, que é baseada em quatro pilares: sustentabilidade, governabilidade, transparência e cooperativismo”, completa.

Trajetória - Durante o evento, o pastor Hilário Batista da Silva, capelão do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie que vem acompanhando de modo muito especial a trajetória da Unimed Curitiba, foi convidado para dar uma bênção especial e, valendo-se do Salmo que diz “O Senhor é o meu Pastor; nada me faltará”, faz referência às situações vividas por todos os envolvidos com o negócio da Unimed Curitiba. “Quando o Senhor é meu Pastor, eu dou o passo e Deus dá a bênção. Nada falta para quem tem o Senhor como pastor. Não faltam problemas e desafios. Não faltam milagres. Pela fé, a Unimed Curitiba continuará sendo o sustento de tantas famílias e acolhendo tantas pessoas”, completa.

Autoridades - Presente no evento, o presidente da Associação Médica do Paraná (AMP), Nerlan Tadeu Gonçalves Carvalho, reconheceu o trabalho realizado na gestão da cooperativa e enalteceu os planos e expectativas dos novos dirigentes. “É um plano que contempla um futuro promissor, que contempla qualidade no atendimento e que contempla a classe médica. Por tudo isso, tem todo o nosso apoio e desejo de uma gestão maravilhosa”, afirma.

Importância - O conselheiro e vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), Wilmar Mendonça Guimarães, representou o dirigente da autarquia no evento e falou sobre a importância da cooperativa para os médicos do município de Curitiba. “Temos a expectativa certa de que a próxima gestão será igualmente profícua, pois é isso que os médicos cooperados esperam. A governança que a diretoria impõe, com ética e transparência, é a expectativa dos médicos”, afirma.

Trabalho conjunto - Durante a cerimônia, o médico Marlus Volney de Morais, presidente do Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) e agora diretor de prevenção e promoção à saúde da Unimed Curitiba de 2022 a 2026, ressaltou o trabalho conjunto entre as entidades que resultou no amparo dos médicos não-cooperados em ter um plano de saúde e tantas outras ações conjuntas em prol da classe médica e da população. “Não existe nada mais solitário do que você decidir atender um paciente em estado grave e todos que estão aqui sabem o quanto pesa a decisão que se vai tomar naquele momento. E eu acho que o fato de estarmos vivendo em sociedades médicas faz com que essas decisões sejam cada vez mais acertadas e mais leves. Então, eu quero aqui, em nome do Sindicato, desejar a todos nós uma excelente gestão e dizer que a Unimed Curitiba é um dos baluartes da medicina não só em Curitiba, mas também no Paraná”, finaliza.

Histórico - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, disse ser um dia histórico para o município e para o cooperativismo paranaense. “Temos um universo de 2,7 milhões de cooperados e geramos 130 mil empregos diretos em nosso estado. Com as famílias, imaginem o universo do cooperativismo aqui no Paraná. Temos um orgulho enorme da nossa cooperativa de médicos, desse cuidado e dessa responsabilidade que a Unimed Curitiba tem com as pessoas e com a comunidade em que ela está inserida, especialmente nesses tempos de pandemia”, finalizou. (Imprensa Unimed Curitiba)

{vsig}2022/noticias/04/06/unimed_curitiba/{/vsig}

SICREDI CAMPOS GERAIS: Em Assembleia, coordenadores de núcleo aprovam a distribuição dos resultados entre os associados

A Sicredi Campos Gerais PR/SP realizou, na última sexta-feira (0/041), a Assembleia Geral Ordinária (AGO) com os coordenadores de núcleo, autoridades e lideranças, na sede da Cooperativa, em Ponta Grossa (PR). Além da prestação de contas de 2021, detalhando o resultado de R$ 86 milhões, as ações realizadas, os R$ 4 bilhões em ativos totais, que posicionaram a cooperativa como a 9ª maior cooperativa do Brasil, entre as mais de 840 existentes, pelo ranking da Confebras. (data base set/2021), a reunião também celebrou o marco de 100 mil associados e os 5 anos da sede regional da Cooperativa.

Decisivas - “As Assembleias são decisivas para a construção do alinhamento estratégico da Cooperativa, em um processo de gestão participativa e transparência que reforçam os diferenciais do nosso modelo de negócio e do ciclo virtuoso nas comunidades onde atuamos”, explica o presidente da Sicredi Campos Gerais PR/SP, Popke Ferdinand Van Der Vinne.

Aprovação - Neste momento, foi aprovada a proposta de distribuição de resultado: além dos R$ 5,39 milhões são referentes a Juros ao Capital, já creditados na conta capital dos associados em dezembro/21, em abril/22 serão creditados R$ 12,11 milhões, em conta capital, de acordo com a respectiva utilização dos produtos e serviços da cooperativa. O associado que desejar pode solicitar ao seu gerente a transferência de 50% da distribuição para crédito em conta corrente ou poupança até 31/05/2022.

Momento importante - Segundo o presidente Popke Ferdinand Van der Vinne: “A distribuição de resultados é um importante momento do ciclo anual da associação. Neste ano, são 17 milhões voltando para os nossos associados, seja por juros ao capital aqui aportado, ou pela participação dos resultados, demonstrando a vantagem de centralizar as operações financeiras no Sicredi. Quanto mais você usa, mais você recebe.”

Impacto social - Também foram apresentadas as ações de impacto social da cooperativa, voltadas à educação, como o Programa A União Faz a Vida, os socioambientais, como o Atitude Consciente, as oficinas de educação financeira, materiais com a Turma da Mônica, o Dia de Cooperar, os comitês de desenvolvimento de jovens e mulheres, o Fundo Social, além da criação dos Comitês de Inclusão e Diversidade e o de Sustentabilidade.   Todos as ações em franca expansão.

Campanha - Como não podia faltar, foi anunciada a volta da campanha ‘Poupança Premiada Sicredi’, através da qual serão distribuídos R$2,5 milhões em prêmios (montante exclusivo para PR, SP e RJ) – com sorteios semanais de R$ 5 mil, um sorteio de R$500 mil em outubro e o grande sorteio final de R$ 1 milhão, em dezembro. Todas as aplicações, a partir de R$100, na poupança participam, poupanças programadas geram números da sorte em dobro. O regulamento completo da promoção está disponível em poupancapremiadasicredi.com.br.

Novas agências - Destacando o planejamento de expansão da Cooperativa, também foi abordado o andamento das obras das novas agências, que serão inauguradas nos estados do Paraná e São Paulo, em 2022: Curitiba Eco Medical Center; Peruíbe; Jardim Paulista/Campina Grande do Sul; Curitiba São Braz; Ponta Grossa Sabará; Curitiba Santa Felicidade e Ponta Grossa Santa Paula. Além das mudanças de prédios das agências de Curiúva, Cajati e Colombo São Gabriel.

Oportunidade - “Abrir novas agências significa oportunizar que mais pessoas e empresas sejam incluídas no sistema financeiro, e com isso, gerar desenvolvimento para nossas comunidades. Continuaremos abrindo agências, enquanto houver gente interessada em abrir contas ou poupanças no Sicredi. Na contramão dos bancos, que estão fechando agências, nós acreditamos que além de proporcionar uma experiência digital de alta qualidade, o atendimento físico é fundamental para entregar também a consultoria e a educação financeira que as pessoas precisam.” complementa Marcio Zwierewicz, diretor executivo da cooperativa.

Abertura de conta - Quer abrir sua conta no Sicredi? Acesse: www.sicredi.com.br/alternativa ou mande um WhatsApp para 5133584770.

Sobre o Sicredi - A Sicredi Campos Gerais PR/SP é uma das 108 cooperativas do Sistema Sicredi. O Sistema Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, (todos os estados do Brasil e no Distrito Federal), com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Campos Gerais PR/SP)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2022/noticias/04/06/sicredi_campos_gerais/{/vsig}

SICREDI : Instituição financeira cooperativa chega a Roraima e passa a atuar em todos os estados brasileiros

sicredi vale piquiri 06 04 2022O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 5,5 milhões de associados, inaugurou na segunda-feira (04/04) a sua primeira agência no Estado de Roraima, localizada em Boa Vista. O plano em longo prazo contempla a abertura de oito agências na capital e o avanço para outras cidades durante os próximos anos. A inauguração representa um momento histórico do projeto de expansão nacional da instituição, que a partir de agora está presente em todos os estados do Brasil e no Distrito Federal.

Consolidação - “A chegada a Roraima e a consolidação da presença em todo o território nacional representam a conquista de um objetivo importantíssimo para o Sicredi; mas, mais do que isso, nos causa muita satisfação poder levar os benefícios do nosso modelo cooperativo aos roraimenses. É um estado com forte potencial agrícola – segmento que temos tradição em apoiar – além do comércio, indústria e pessoas físicas, para os quais temos um portfólio completo de soluções financeiras que vão muito além do crédito”, destaca Fernando Dall’Agnese, presidente do Conselho de Administração do Sicredi (SicrediPar).

Nome - A agência levará o nome da via em que está localizada: “Avenida João Pereira de Mello” (número 328), situada no centro da capital Boa Vista, conhecido por Centro Comercial. Em junho, está prevista a inauguração de uma segunda unidade, também na capital roraimense, na Avenida Ville Roy, uma das principais da cidade. Atualmente, o Sicredi já conta com 701 associados no estado, graças ao escritório regional que atua com cerca de 50 colaboradores no projeto de expansão em Roraima.

Expansão nacional para contribuir com economias locais - Pioneiro no segmento de cooperativismo de crédito no Brasil, o Sicredi tem investido na expansão das soluções digitais e da rede de atendimento. A instituição financeira cooperativa terminou o ano de 2021 com 2.203 agências, crescimento de 10,7% em relação a 2020. Para 2022 estão previstas mais 250 novas agências, com um investimento aproximado de R$ 280 milhões. Atualmente, o Sicredi é a única instituição financeira fisicamente presente em cerca de 200 municípios do Brasil. Além de Boa Vista, o Sicredi está em mais de 1,6 mil cidades brasileiras e conta com mais de 30 mil colaboradores.

Estudo - Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), no início de 2020, analisou dados econômicos de todas as cidades brasileiras com e sem cooperativas de crédito entre 1994 e 2017, cruzando informações do Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE). O trabalho concluiu que o cooperativismo de crédito incrementa o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%, cria 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumenta o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando, portanto, o empreendedorismo local. Em todo o Brasil, o segmento já conta com mais de 11 milhões de adeptos, segundo o Banco Central.

Modelo de atuação do cooperativismo - A chegada do Sicredi a Roraima também é uma oportunidade de ampliar a disseminação dos conceitos do cooperativismo para a nova região de atuação. As cooperativas de crédito são um importante instrumento de incentivo para o desenvolvimento econômico e social, pois utilizam seus ativos para financiar os próprios associados, mantendo assim os recursos nas regiões onde foram gerados.

Conceito - O Sicredi, por exemplo, é uma instituição financeira cooperativa formada por mais de 100 cooperativas. No cooperativismo não existe o conceito de cliente, mas sim de associado, já que quem utiliza os produtos e serviços é também o dono do negócio, participa das decisões e da distribuição dos resultados de sua cooperativa.

Diferenciais - Além disso, um dos principais diferenciais do modelo cooperativo são as assembleias, eventos anuais que acontecem em todas as regiões onde o Sicredi atua. Nas assembleias, os associados decidem, de maneira democrática, transparente e por meio do voto, os rumos da cooperativa de forma coletiva. Nesses encontros também são comunicados os resultados das cooperativas e deliberado como eles serão distribuídos entre os associados ou investidores, além de serem definidas, por exemplo, as lideranças para cada ciclo de gestão.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi conta com mais de 2.200 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

 

CRESOL: Gerentes do Sistema conhecem cooperativismo europeu

cresol 06 04 2022Um grupo de gerentes de agências de relacionamento está participando de um intercâmbio internacional. A viagem tem como foco conhecer o cooperativismo europeu nos países da Alemanha e Holanda.

Reconhecimento - O intercâmbio proporcionado aos gerentes é reconhecimento ao atingimento das metas propostas para o crescimento das cooperativas no ano de 2021. Neste momento, os integrantes da comitiva estão passando pelas cidades de Amsterdam e Leiden (Holanda) e Berlin e Montabaur (Alemanha).

Prática - De acordo com o Superintendente da Cresol Baser, Adriano Michelon, essa é uma prática que o Sistema desenvolve há alguns anos, mas que precisou ser pausada no período de pandemia. “Buscamos ampliar esses intercâmbios para que mais dirigentes e colaboradores possam participar e conhecer sobre o cooperativismo em outros países. A cada viagem, novas experiências são vivenciadas e na Europa, onde a cultura da cooperação é tão forte, essa experiência é ainda mais positiva”, destacou.

Atividades - O grupo permanece durante 11 dias conhecendo sistemas e participando de cursos nas instituições financeiras cooperativas. (Imprensa Cresol)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Cooperativa oferece expertise em investimentos

sicredi uniao 06 04 2022O Sicredi integra, desde 2017, o Top 5 anual do Banco Central de instituições financeiras que mais acertam projeções econômicas no curto, médio e longo prazos, atestado de que a cooperativa possui quadro de profissionais com expertise para ajudar os associados a fazerem os melhores investimentos.

Top 5 - Em 2021, com exceção de maio, a instituição esteve mensalmente no ranking Top 5 do Banco Central pelo acerto de projeções variadas como IPCA e taxa de câmbio. Participam do ranking instituições que atuam no mercado financeiro, como bancos, gestoras de recursos e consultorias que possuem equipes especializadas em projetar variáveis macroeconômicas.

Rating - O Sicredi também possui rating AAA, segundo a Standard & Poor´s. Trata-se da mais alta nota que uma agência classificadora de risco atribui à empresa ou governo para medir a capacidade e disposição de honrar as obrigações com os credores. Isso significa que quanto menor o risco de não-pagamento, maior o rating, e o Sicredi ocupa o topo da avaliação de ‘bom pagador’.

Perfil - Os colaboradores da cooperativa responsáveis por assessorar os associados nos investimentos levam em conta o perfil de cada um: conservador, moderado ou arrojado. A carteira de opções é diversificada, contando com soluções para todos os perfis: poupança, depósitos a prazo, LCA, fundos e investimentos de maior risco, como internacionais e fundos de ações.

Cenário - Especialista em investimentos, Roberto Rodrigues, da Sicredi União PR/SP, comenta que elevação da Selic, a taxa básica de juros, que saltou de 2% ao ano para atuais 11,75%, representa uma tentativa de controlar a inflação, que vem sendo afetada por diversos fatores, e proporciona rentabilidade um pouco maior para as aplicações de Renda Fixa, a exemplo dos depósitos a prazo, LCA, fundos DI etc.

Selic - “Por um lado, a elevação da Selic fará com que observemos um fluxo maior de recursos em direção à Renda Fixa, nos restando tentar compreender a magnitude deste movimento”, diz Rodrigues. “A Renda Fixa nunca deixou de ser importante para todos os perfis de investidores, sejam eles conservadores, moderados ou arrojados, pois, todos nós precisamos, no mínimo, ter uma parcela do patrimônio alocado em produtos que nos deem muita segurança e possibilidade de movimentar a qualquer momento”, observa.

Mais informações - Esse contexto tem levado os brasileiros a buscar mais informações sobre investimentos, a fim de entender melhor como aplicar recursos e explorar as alternativas do mercado. Como a oferta de informação também tem crescido, Rodrigues diz que o resultado é que, nos últimos anos, houve um grande número de pessoas experimentando opções, especialmente fundos multimercado, ações e fundos de ações. Para Rodrigues, quem experimentou essa diversificação e foi bem assessorado deve continuar com opções diversas de investimento, o que inclui a Renda Fixa, que garante mais segurança.

Carteira de investimentos cresceu quase R$ 1 bi - Com alta de 18,3%, a carteira de investimentos da Sicredi União PR/SP cresceu R$ 975,1 milhões em 2021, totalizando R$ 6,279 bilhões. Os depósitos a prazo, que incluem o Certificado de Depósito Bancário (CDB), são a modalidade mais utilizada pelos associados, totalizando R$ 2,503 bilhões, aumento de 18,1% em relação a 2020.

Poupança - Na sequência, vem a carteira de poupança, com R$ 1,555 bilhão e crescimento de 10,2%. A alta mais expressiva, de 89,8%, foi das aplicações LCA, atingindo R$ 495,4 milhões. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICOOB OURO VERDE: Palestra sobre perspectivas econômicas e investimentos é realizada durante ExpoLondrina

sicoob ouro verde 06 04 2022Quem passar pela ExpoLondrina nesta quarta-feira (06/04) à noite poderá participar de uma palestra sobre perspectivas econômicas e investimentos para o produtor rural promovida pelo Sicoob Ouro Verde.

Cenário econômico - A partir das 19h, o professor e mestre em desenvolvimento econômico, Marcelo Vargas, fala sobre o cenário econômico, os impactos que ele gera no agronegócio e opções de investimentos viáveis para o produtor rural.

Local - A palestra acontece no Recinto Horácio Sabino Coimbra (em frente à Casa do Criador). Quem participar, também concorre a brindes. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

EMBRAPA: Painel debate estratégias de racionalização de fertilizantes na Expolondrina 2022

embrapa 06 04 2022O uso racional de fertilizantes em tempos de crise será tema do painel que a Embrapa Soja, em parceria com a Sociedade Rural do Paraná e a cooperativa Cocamar, irá promover nesta quarta-feira (06/04), às 16h, no pavilhão SmartAgro, durante a Expo Londrina 2022, realizada no Parque de Exposições Ney Braga, em Londrina (PR). A proposta é possibilitar uma conversa técnica sobre o tema entre o pesquisador da Embrapa Soja, Adilson de Oliveira Jr., o gerente técnico da Cocamar, Rodrigo Sakurada, e o presidente da Sociedade Rural do Paraná, Antonio Sampaio. O bate-papo, que terá moderação do pesquisador da Embrapa Soja Fábio Álvares de Oliveira, é gratuito e as inscrições podem ser feitas no local.

Importação - O Brasil importa grande parte dos fertilizantes usados na agropecuária nacional. O Plano Nacional de Fertilizantes, lançado pelo governo federal em março de 2022, tem como meta diminuir a dependência de importações, em 2050, de 85% para 45%. Neste contexto de dependência, a crise provocada pelo conflito entre Rússia e Ucrânia sinaliza para a falta de abastecimento do produto e para o aumento dos preços no mercado, afirma Oliveira Jr. No último ano, o valor da tonelada dos fertilizantes teve um incremento de 162%, saltando de R$2.133,00, em fevereiro de 2020, para R$5600,00, em fevereiro de 2022, de acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Agricultura do Paraná.

Importante - “Trata-se de uma discussão de extrema importância, especialmente, pelo momento que vivemos, com problemas no fornecimento e, consequente, alta nos preços dos fertilizantes. Temos que sentar e juntos discutirmos a questão para encontrarmos caminhos para mitigar o impacto dessa realidade nos custos de produção. Tenho certeza que será um debate bastante rico”, declara Sampaio.

Racionalização - Rodrigo Sakurada também defende que o debate sobre a racionalização dos insumos é atual e oportuno. “Nós técnicos temos a obrigação de recomendar o uso de fertilizantes, respaldados em uma análise de solo e com base nas tabelas existentes para as várias regiões do Brasil e para as diferentes culturas”, defende. “Temos que aproveitar esse momento de crise, por conta da alta de preços, para explicar que não é apenas nesse momento que devemos pensar em racionalizar os insumos. Ao longo do tempo, essa atitude irá adequar todo o seu sistema produtivo para ser mais eficiente tanto agronomicamente quanto economicamente”, reforça.

Fertilizantes em sistemas produtivos - O pesquisador da Embrapa Soja Adilson de Oliveira Jr. explica que, de forma geral, as áreas tradicionais de cultivo de soja e milho no Brasil estão com fertilidade construída, ou seja, tem reserva de nutrientes, possibilitando a redução nas quantidades a serem aplicadas de fertilizantes. Oliveira Jr. lembra que no Brasil, tradicionalmente, os solos são pobres em fósforo e, por isso, o nutriente é aplicado em maiores quantidades, em função dessa característica, nos sistemas de produção em que a soja está inserida. “Quem tem mapeadas as características do próprio solo, pode, neste momento, reduzir um pouco a dose de fósforo e de potássio, por exemplo, ou até deixar de fazer a adubação, que é o investimento mais pesado no custo variável de produção”, explica.

Áreas tradicionais - Nas áreas tradicionais - que são adubadas anualmente - o pesquisador comenta que existe um equilíbrio entre os nutrientes, portanto há a possibilidade de racionalizar a aplicação. Porém, nas áreas novas de cultivo de grãos, que são incorporadas das áreas de pastagens degradadas, a fertilidade é baixa e precisa ser construída. “De fato, dependemos de fertilizantes nas duas situações, quando tem baixa fertilidade, precisamos colocar nutriente para produzir e, à medida que se constrói a fertilidade do solo, fazemos a reposição dos teores faltantes para manter o estoque em equilíbrio”, afirma. “Por isso, precisamos observar caso a caso para ter parâmetros reais sobre a necessidade ou não de correção dos teores de nutrientes”, ressalta.

Análise de solo e equilíbrio nutricional - Na visão do pesquisador, a análise química e física de solo é o único parâmetro técnico que pode direcionar a tomada de decisão do produtor no que diz respeito à racionalização do uso de fertilizantes. “Quem é o fiel da balança é a análise do solo ao indicar se é possível reduzir e o quanto se pode reduzir na adubação”, destaca Oliveira Jr.

Valorização - Segundo ele, a prática de análise de solo precisa ser valorizada, principalmente com amostras representativas dos talhões da propriedade. A análise do solo avalia os teores dos macronutrientes - fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre – e dos micronutrientes - zinco, manganês, cobre, e boro -, além de determinar a quantidade de calcário necessária para corrigir a acidez do solo. “Não temos como acertar o diagnóstico se não tivermos uma adequada representação da área”, diz. “A partir das carências ou não é que se deve estabelecer as estratégias de recomendação de adubação. Às vezes, o problema não está na fertilidade do solo, mas na correção de acidez, que também é diagnosticada pela análise de solo”, explica. Enquanto o preço dos fertilizantes mais que dobrou, o valor das análises de solo não sofreu grande alteração, podendo ser feita a R$35,00 por talhão.

Demanda da cultura da soja - Na safra 2020/21, o Brasil produziu 135 milhões de toneladas de soja em 38 milhões de hectares. Depois no nitrogênio, o potássio é o nutriente que a soja mais remove do solo, tanto que para cada tonelada de soja produzida são exportados ao redor de 18 kg de potássio. “Por isso, é preciso ter um balanço positivo de potássio no solo, uma vez que a falta do produto pode impactar diretamente na produtividade”, avalia o pesquisador da Embrapa Soja.

Avaliação - Oliveira Jr explica ainda ser preciso avaliar o sistema de produção em que a soja está inserida, considerando o que as outras culturas também exportam de nutrientes. “Quando se faz a rotação ou sucessão de culturas, não se planeja a adubação pensando apenas na soja, mas sim considerando as culturas que compõem o sistema de produção”, diz. “Enquanto a soja consome grande quantidade de fertilizantes, o trigo e o milho consomem pouco potássio”, explica. “A adubação do sistema deve buscar um balanço equilibrado entre as diferentes culturas”, conta. (Assessoria de Imprensa da Embrapa)

 

ZARC: Zoneamento Agrícola do feijão para primeira safra 2022/2023 é publicado

zarc 06 04 2022Foram publicadas no Diário Oficial da União desta quarta-feira (06/06) as portarias de Nº 1 a 14, com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) ano-safra 2022/2023, para o cultivo do feijão 1ª safra para 14 estados: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Pará, Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Portarias - A publicação das portarias foi antecipada para permitir que produtores rurais, assistência técnica, agentes financeiros, seguradoras e demais entidades que utilizam os indicativos do Zarc possam ter mais tempo para o planejamento da safra.

Calendário - O calendário de semeadura inicia no mês de julho para alguns municípios do Paraná. Já para a maioria dos outros estados, o início se dá nos meses de setembro e outubro.

Zarc - O Zarc e o estudo que orienta a contratação do seguro rural e a concessão do crédito de custeio oficial. O zoneamento indica os períodos de plantio menos arriscados e relaciona as cultivares mais adaptadas a cada região.

Programas - Os agricultores que seguem as recomendações do Zarc estão menos sujeitos aos riscos climáticos e poderão ser beneficiados pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e pelo Programa de Subvenção ao prêmio do Seguro Rural (PSR). Muitos agentes financeiros só permitem o acesso ao crédito rural para cultivos em áreas zoneadas e para o plantio de cultivares indicadas nas portarias de zoneamento.

Aplicativo Plantio Certo Produtores rurais e outros agentes do agronegócio podem acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc, facilitando a orientação quanto aos programas de política agrícola do governo federal. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Agricultura Digital (Campinas/SP), está disponível nas lojas de aplicativos: iOS e Android

Plataforma - Os resultados do Zarc também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma “Painel de Indicação de Riscos”. (Mapa)

 

INFRAESTRUTURA: Após leilão, concessão da área no Porto de Paranaguá deve ser concluída em até 90 dias

infraestrutura 06 04 2022A Portos do Paraná leiloou uma área na semana passada por R$ 30 milhões. A FTS Participações Societárias S/A arrematou a área PAR32, de carga geral. Antes e depois da disputa na Bolsa de Valores, no entanto, há um longo caminho até a assinatura do contrato e início da operação, que deve começar daqui a dois ou três meses, segundo a expectativa da empresa pública.

Estudo - Tudo começou com a elaboração do estudo para verificar a viabilidade técnica, financeira e ambiental da concessão. Na sequência, após verificação da área técnica da Portos do Paraná e aprovação, foram feitas as minutas do edital e do contrato, com oficialização do poder público municipal (Prefeitura de Paranaguá) e da Receita Federal, com a validação da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Fase seguinte - A fase seguinte foi a de audiência e consulta públicas e eventuais melhorias nos estudos e minutas. Uma vez aprovado, o processo seguiu com o encaminhamento dos documentos para os tribunais de contas da União e Estado.

Edital de licitação - Com o acórdão dos órgãos fiscalizadores, foi publicado o edital de licitação da área. Essa é a fase externa do processo. Ou seja, o leilão em si começou dias antes da data propriamente definida para a disputa.

Propostas - Os interessados entregaram as propostas e a Comissão de Licitação de Áreas Portuárias (CLAP) da Portos do Paraná avaliou a aptidão. O leilão, então, aconteceu apenas com as classificadas. Ele foi por maior outorga e partiu de um lance mínimo de R$ 1. No viva voz, a Teapar ofertou R$ 25 milhões pela área, valor coberto pelo lance de R$ 30 milhões da FTS Participações.

Sucesso - “O leilão foi um sucesso e esse fato, por si, demonstra ao mercado o trabalho íntegro e transparente que a Portos do Paraná entrega ao setor”, avalia Rossano Reolon, gerente de Arrendamentos da Portos do Paraná e membro da Comissão.

Concorrência - Segundo ele, a concorrência de mais de uma interessada enobrece o trabalho realizado ao longo destes dois últimos anos, prazo de preparação que teve seu êxito na batida do martelo. Ainda segundo o representante da CLAP, o valor superou as expectativas e, por outro lado, também ratifica o interesse do mercado privado no Porto de Paranaguá, que se mantém como destaque do setor portuário nacional.

Ata - Agora, depois que o grupo vencedor do leilão entregar os documentos do envelope 3, no próximo dia 11, a CLAP divulga a ata e começam a correr novos prazos, disponíveis no estudo completo, no site da Portos do Paraná.

Próximo passo- Concluídas todas as etapas da licitação, o próximo passo é a transição da atual arrendatária para o novo grupo que assume a área. Inicialmente é preciso haver a homologação do objeto leiloado. Na sequência, a Gerência de Arrendamentos deve seguir o rito da assinatura do contrato.

Pré-requisitos- Somente após cumpridos esses requisitos pré-contratuais é que pode haver ocupação pela atual vencedora do leilão. Esses detalhes estão disponíveis na Seção III – Volume 3 – da habilitação do edital. “É bom frisar que esses requisitos são obrigatórios e vinculativos. A nossa expectativa é que entre 60 e 90 dias já estejamos com o contrato celebrado e já tenhamos autorizado o início dos trâmites de assunção da área e obras, como descrito no edital”, completa Reolon.

Atores do processo - Na Portos do Paraná, o processo de concessão é gerido pela Gerência de Arrendamentos, com auxílio das diretorias de Engenharia, Operações, Ambiental, Administrativa Financeira e Jurídica, além de envolver diretamente a presidência e a comunicação para garantir a transparência do processo.

Tramitação - Externamente, os estudos e o processo passam pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL), do governo federal, Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq), Tribunal de Contas da União, Secretaria Nacional de Portos e Transporte Aquaviário, Ministério de Infraestrutura, Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Instituto Água e Terra, Ibama, Prefeitura de Paranaguá, Receita Federal e, contratada para o leilão, a B3.

Comemoração - O diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, comemorou o resultado do leilão e a autonomia da empresa para realizar esse trabalho. “É um processo muito trabalhoso, que envolve diversas áreas internas, além de órgãos externos”, afirma. “E é exatamente isso que temos em mente: regularizar as áreas que estão em situação jurídica precária e ao mesmo tempo oportunizar novos investimentos, agregando modernização e eficiência”. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Nájia Furlan / Portos do Paraná

 

SUSTENTABILIDADE: Paraná recebe aprovação e passa a compor a coalizão global contra mudanças climáticas

sustentabilidade 06 04 2022

O Governo do Paraná foi informado, na segunda-feira (04/04), que sua candidatura para integrar a Coalizão Under2 (Under2 Coalition) foi aprovada pelo Steering Group. Com isso, o Estado passa a integrar a maior rede global de governos estaduais e regionais que se comprometem a realizar ações de adaptação e mitigação dos efeitos causados pelas mudanças climáticas.

 

Benefícios- Dentre os benefícios destinados aos participantes da coalizão, destaca-se o apoio técnico na elaboração de projetos, programas e ações de mitigação; possibilidade de contribuição e participação nos principais fóruns globais sobre mudanças climáticas, como a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (Conferência das Partes - COP); além de eventos como a Semana do Clima de Nova York, atualmente coordenada pelo secretariado da Under2 Coalition.

 

Assinaturas - O Paraná também tem a possibilidade de participar de assinaturas de declarações de apoio e ações que visam amenizar esses impactos. “Essa conquista representa que o Paraná é oficialmente um Estado comprometido em reduzir as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE)”, destaca o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Everton Souza.

 

Ação - Uma das ações da pasta ambiental para incentivar a redução de GEE é o Selo Clima Paraná, reconhecimento que o Estado oferece todo ano a empresas que declaram suas emissões durante as atividades. Quanto mais detalhada a declaração, maior é seu reconhecimento, entre Original, Ouro e Ouro Plus.

 

Signatário - O Estado ainda é signatário do Race To Zero, movimento das Nações Unidas para conter o aquecimento global, tem uma parceria estratégica com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para um estudo de caso sobre desenvolvimento sustentável – inclusive sendo reconhecido como exemplo global em relação aos ODS – e criou o primeiro comitê público-privado de ESG do Brasil, para discutir soluções com a iniciativa privada.

 

Conquista - Com essa nova conquista, o Paraná agora faz parte de uma aliança formada por mais de 260 governos que representam 1,7 bilhão de pessoas e 50% da economia global. Todos, de acordo com o Steering Group, são comprometidos em atuar com alinhamento ao Acordo de Paris, que prevê manter o aumento da temperatura abaixo de 2 °C, e no esforço adicional para um máximo de 1,5 °C.

 

Tratado - O Acordo é um tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (CQNUMC), que rege medidas de redução de emissão de gases estufa a partir de 2020. Ele também visa o reforço da capacidade dos países de responder ao desafio em um contexto de desenvolvimento sustentável.

 

Políticas públicas- Segundo o diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto, o Paraná foi aceito nesse grupo por já conter políticas ambientais e climáticas, voltadas a este objetivo. “O Paraná tem pioneirismo nas ações ambientais e climáticas, tendo instituído o Fórum Paranaense de Mudanças Climáticas Globais em 2008 e a Política Estadual sobre Mudança do Clima em 2012, além de diversos programas e projetos que contribuem para o desenvolvimento sustentável e para a proteção ambiental”, destacou.

 

Prevenção - A adesão do Paraná à rede global também irá fortalecer e integrar ainda mais as ações do programa Sinais da Natureza. Desenvolvido em 2020, numa parceria entre a Sedest e o Simepar, o objetivo é desenvolver projetos e ações de prevenção, adaptação e mitigação dos efeitos das mudanças climáticas no território paranaense.

 

Resiliência - De acordo com o diretor-presidente do Simepar, Eduardo Alvim Leite, um aspecto presente no Sinais da Natureza é a busca do incremento da resiliência do meio ambiente e da sociedade paranaense aos impactos das mudanças climáticas, com destaque para os eventos hidrometeorológicos extremos e a ocorrência de desastres naturais.

 

Implementação - “A abordagem que vem sendo implementada engloba o uso intensivo de ciência e tecnologia para análise das vulnerabilidades regionais existentes, instalação de infraestrutura moderna de monitoramento ambiental e estruturação de sistemas integrados de alerta e ação antecipada para mitigação dos impactos sociais, econômicos e ambientais associados”, destacou.

 

Envolvimento - O programa conta com o envolvimento de diversos profissionais e busca parcerias e cooperações técnicas com outros órgãos e instituições de pesquisa, a fim de catalisar os projetos, ações, e principalmente, seus produtos. Voltado à pesquisa e ao desenvolvimento do tema mudanças climáticas, o programa é composto por 18 subprogramas agrupados em 5 módulos temáticos: políticas ambientais e adaptação; educação ambiental; ações de mitigação; mapeamento de vulnerabilidade, risco e resiliência; e estruturação do Plano Estadual de Mudanças Climáticas. (Agência Estadual de Notícias)

 

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

CÂMBIO: Dólar tem maior alta em três semanas com juros nos EUA

cambio 06 04 2022As preocupações com os juros nos Estados Unidos e com o agravamento da guerra entre Rússia e Ucrânia provocou um dia de pessimismo no mercado financeiro global. Depois de três quedas seguidas, o dólar teve a maior alta diária em três semanas. A bolsa de valores caiu quase 2%, pressionada pelo mercado externo e pela indefinição em torno da troca de comando da Petrobras.

Cotação - O dólar comercial fechou esta terça-feira (05/04) vendido a R$ 4,659, com alta de R$ 0,059 (+1,11%). A cotação chegou a abrir em queda, mas passou a subir assim que o mercado norte-americano começou a operar. Na máxima do dia, por volta das 11h45, a moeda chegou a ser vendida a R$ 4,67.

Valorização - Essa foi a maior valorização diária desde 14 de março. Apesar da alta de hoje, o dólar acumula queda de 2,14% em abril. Em 2022, o recuo chega a 16,45%.

Ações - O dia também foi tenso no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 118.885 pontos, com queda de 1,97%. O indicador operou em alta durante a manhã, mas desabou durante a tarde.

Conflito - A perspectiva de prolongamento do conflito entre Rússia e Ucrânia azedou o mercado financeiro nesta terça. Após a revelação de centenas de corpos de civis numa cidade próxima a Kiev, que levanta suspeitas de crime de guerra contra a Rússia, parte dos investidores começa a apostar que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) poderá aumentar os juros em meio ponto percentual nas próximas reuniões, em ritmo mais intenso que o previsto.

Elevação - Na última reunião, no fim de março, o Fed elevou os juros básicos em 0,25 ponto percentual. Juros mais altos em países avançados estimulam a fuga de capitais de economias emergentes, como o Brasil.

Mercado interno - No mercado interno, a indefinição em torno da troca de comando da Petrobras continuou a pressionar a bolsa. Na segunda-feira (04/04) à noite, o economista Adriano Pires, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada para administrar a estatal, anunciou a desistência do cargo. As ações da Petrobras caíram 0,06% (papéis ordinários) e 0,28% (papéis preferenciais). (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE I: Brasil registra 27,3 mil casos e 216 mortes em 24 horas

Em 24 horas, foram registrados por autoridades de saúde 27.331 novos casos de covid-19. Conforme as secretarias e o Ministério da Saúde, também foram confirmadas 216 novas mortes causadas por complicações associadas à covid-19.

Total - Com essas novas estatísticas, o país alcançou 30.040.129 pessoas infectadas pelo coronavírus durante a pandemia. Até segunda-feira (04/04), o painel de informações do Ministério da Saúde contabilizava 30.012.798 casos acumulados.

Acompanhamento - O número de casos em acompanhamento de covid-19 está em 487.248. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta nem evoluíram para morte.

Mortes - Com as novas mortes confirmadas, o total de pessoas que não resistiram à covid-19 chegou a 660.528. Na segunda-feira, o sistema de dados da pandemia marcava 660.312 vidas perdidas para a covid-19.

Investigação - Ainda há 3.083 mortes em investigação. As mortes em investigação ocorrem pelo fato de haver casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demandar exames e procedimentos posteriores.

Recuperados - Até esta terça-feira (05/04), 28.892.353 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 96,2% dos infectados desde o início da pandemia.

Atualização - Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira (05/04). Nela, são consolidadas as informações enviadas por secretarias municipais e estaduais de saúde sobre casos e mortes associados à covid-19.

Números - Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras o nos dias seguintes aos feriados em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (167.548), Rio de Janeiro (72.948), Minas Gerais (60.948), Paraná (42.940) e Rio Grande do Sul (39.117). Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (1.994), Amapá (2.127), Roraima (2.146), Tocantins (4.147) e Sergipe (6.325).

Vacinação - O último balanço do Ministério da Saúde aponta que foram aplicadas 400,6 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 173 milhões com a primeira dose, 151,3 milhões com a segunda dose e 4,7 milhões com a dose única. Outros 68,6 milhões de pessoas já receberam a dose de reforço e 2,8 milhões receberam a segunda dose de reforço. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2022-04-05 at 19.02.062

SAÚDE II: Paraná registra 1.780 novos casos e 11 óbitos pela Covid-19

saude II 05 04 2022A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nesta terça-feira (05/04) mais 1.780 casos e 11 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 2.409.376 casos e 42.707 óbitos pela doença.

Meses - Os casos são de abril (898), março (143), fevereiro (305) e janeiro (370) de 2022; dezembro (2), outubro (3), setembro (3), julho (3), junho (2), maio (30), abril (4), março (1) e janeiro (2) de 2021; e dezembro (8), novembro (2), agosto (2) e julho (2) de 2020. Os óbitos são de abril (5) e março (2) de 2022; julho (1) e abril (1) de 2021; novembro (1) e agosto (1) de 2020.

Internados - 42 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados, todos em leitos SUS (20 em UTI e 22 em leitos clínicos/enfermaria). Há outras 297 pessoas internadas, 159 em leitos UTI e 138 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Elas estão em leitos das redes pública e particular e são consideradas casos suspeitos.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 11 pacientes. São quatro mulheres e sete homens, com idades que variam entre 28 e 83 anos. Os óbitos ocorreram entre 23 de agosto de 2020 e 4 de abril de 2022.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Curitiba (4), além de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Terra Boa, Pato Branco, Londrina, Jandaia do Sul, Itaipulândia, Iretama, Engenheiro Beltrão.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 10.807 casos de não residentes no Estado – 233 pessoas morreram. (Agência Estadual de Notícias)

Confira o informe completo clicando AQUI.

Veja os ajustes e relatório de exclusões na página da Sesa.

 

SAÚDE III: Boletim semanal da dengue registra mais 3.725 casos no Paraná

saude dengue 06 04 2022O boletim semanal da dengue publicado nesta terça-feira (05/04) registra mais 3.725 casos da doença no Paraná, um aumento de 47% em relação aos números do informe anterior, de 29 de março. O boletim traz mais de 52 mil notificações, com 11.678 confirmações verificadas no atual período sazonal da doença, que iniciou no dia 1º de agosto e segue até julho de 2022.

Confirmação - Dos 353 municípios que registraram notificações de dengue, 258 confirmaram a doença. Destes, 26 confirmaram seus primeiros casos autóctones no período, ou seja, a dengue foi contraída no município de residência dos pacientes. Nesta semana, não houve registro de óbito.

Alerta - Diante do cenário atual, as equipes da Vigilância Ambiental da Secretaria da Saúde estão em alerta para o combate à proliferação do mosquito Aedes aegipty, transmissor da zika, chikungunya e dengue, doenças chamadas de arboviroses. A dengue é considerada endêmica em todo o Paraná. Várias ações estão sendo tomadas a fim de intensificar e implementar medidas de prevenção e controle, além daquelas já existentes.

Comitê Intersetorial - Na próxima quarta-feira (13/04), a Secretaria da Saúde realizará uma reunião do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue – primeiro encontro presencial desde o início da pandemia de Covid-19. O Comitê foi criado em 2019 com o objetivo de implementar ações de mobilização para a intensificação do combate à doença e é composto por 13 secretarias, autarquias e órgãos do Governo do Estado.

Campanha - O Serviço Social do Comércio (Sesc/PR) e a Secretaria de Estado da Saúde também estão juntos na segunda edição da Campanha “Aqui o Mosquito Não Entra”. O intuito é conscientizar a população em uma força-tarefa contra o Aedes aegypti, transmissor da doença.

Aplicativo - Uma das estratégias dessa parceria foi a criação de um aplicativo, em 2021, que pontua as várias ações realizadas nos municípios. Uma espécie de “jogo do bem”, em que os participantes, equipes, instituições de ensino e municípios que obtiverem a maior pontuação por eliminação do mosquito e criadouros serão premiados após o término da campanha. A iniciativa vai até 30 de abril.

Participação - Na primeira edição, em 2021, os 3.128 paranaenses de 249 municípios que participaram da campanha eliminaram 108.551 focos e criadouros do mosquito Aedes aegypti.

Óbitos - Duas pessoas já morreram em decorrência da dengue este ano no Estado: dois homens que residiam em Nova Esperança (Noroeste) e Arapongas (Norte).

Transmissão - As arboviroses (dengue, zika e chikungunya) são transmitidas pela picada do Aedes aegypti. É necessário ficar atento a possíveis criadouros do mosquito e, assim, eliminar esses locais de risco para evitar a propagação das doenças. É fundamental que a pessoa identifique os sintomas das arboviroses para buscar o serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequado, o quanto antes. (Agência Estadual de Notícias)

Confira o boletim completo. 

FOTO: Pixabay

 

ANS: Planos de assistência médica alcançam 49 milhões de beneficiários

saude III 06 04 2022A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disponibiliza, nesta terça-feira (05/04), a atualização dos números de beneficiários de planos de saúde referente a fevereiro de 2022. O setor continua aquecido e reúne, no segundo mês deste ano, 49.049.467 usuários em planos de assistência médica, bem como 29.224.329 em planos exclusivamente odontológicos. Os dados completos podem ser verificados na Sala de Situação, ferramenta de consulta no portal da ANS. Clique e acesse aqui.  

Planos médico-hospitalares - Nos planos médico-hospitalares, em um ano houve crescimento de 1.459.702 beneficiários - o equivalente a 3,06% de aumento em relação a fevereiro de 2021. No comparativo de fevereiro de 2022 com janeiro de 2022, o crescimento foi de 71.925 usuários.

Odontológicos - Já nos planos exclusivamente odontológicos, somaram-se 2.316.363 beneficiários em um ano – o que representa 8,60% de crescimento no período – e 104.065 na comparação de fevereiro de 2022 com janeiro de 2022.

Estados - Nos estados, no comparativo com fevereiro de 2021, o setor registrou evolução de beneficiários em planos de assistência médica em 26 unidades federativas, sendo São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina os que tiveram o maior ganho em números absolutos. Entre os odontológicos, 25 unidades federativas registraram crescimento no comparativo anual, sendo São Paulo, Minas Gerais e Paraná os com maior aumento.

Alterações - Destaca-se que os números podem sofrer alterações retroativas em razão das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras.

Tabelas - Veja nas tabelas abaixo a evolução de beneficiários por tipo de contratação do plano e por UF em diferentes competências. (ANS)

 

saude III tabela I 06 04 2022

saude III tabela II 06 04 2022

saude III tabela III 06 04 2022saude III tabela IV 06 04 2022

 


Versão para impressão


RODAPE