Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5295 | 07 de Abril de 2022

MERCOSUPER 2022 I: Cooperativas apresentam linhas diversificadas de produtos e serviços no Espaço Paraná Cooperativo

No segundo dia de realização da 39ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados (Mercosuper), na quarta-feira (06/04), o fluxo de visitantes foi intenso no Espaço Paraná Cooperativo. É nesta área de 2.470 metros quadrados que estão localizados os estandes de 18 cooperativas associadas ao Sistema Ocepar, e outras nove cooperativas que fazem parte de um projeto de fomento coordenado pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR). O público que visita a Mercosuper, no Expotrade Convention Center, em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, pode conhecer as linhas diversificadas de produtos do setor cooperativista paranaense, em especial no segmento de aves, suínos e derivados, peixes, bovinos, lácteos (leite, queijos, iogurtes, entre outros), farinhas de trigo, cafés, sucos, hortifrutis, mel, doces e linhas de sobremesas. Três cooperativas do ramo crédito – Sicredi, Sicoob e Cresol – estão presentes na Feira demonstrando seus serviços e produtos financeiros.

Parceria - Resultado de uma parceria entre a Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) e a Associação dos Supermercados do Paraná (Apras), responsável pela promoção da Mercosuper, o Espaço Paraná Cooperativo é uma iniciativa inédita nos 40 anos de realização da Feira. “O cooperativismo do Paraná é o mais representativo do país e muitos supermercadistas ainda desconhecem a força deste setor. Por que não demonstrar estas qualidades numa feira? Mas demonstrar num espaço especial, onde a atuação das cooperativas no varejo seja evidenciada, assim como a integração, o intercâmbio e o relacionamento com os supermercadistas e consumidores possa ser enfatizada. Foi assim que surgiu a ideia do Espaço Paraná Cooperativo”, afirma o presidente da Apras, Carlos Beal.

Relacionamento - Para as cooperativas, que ampliam a cada ano sua atuação no varejo, a integração num local específico para o setor representa a oportunidade de integração e difusão de suas marcas para novos clientes, além de fidelizar as parcerias comerciais já consolidadas. “O Espaço Paraná Cooperativo fortalece o relacionamento entre a cadeia produtiva e o setor de supermercados. Estamos presentes na Mercosuper, nesta ação viabilizada em conjunto com a Apras, acreditando na retomada do comércio para a área de alimentos, buscando intensificar parcerias e negócios, priorizando a produção paranaense”, explica José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar.

Presença -Dezoito cooperativas associadas à Oceapr estão divulgando seus produtos e serviços na Mercosuper, juntamente com o Sistema Ocepar, no Espaço Paraná Cooperativo. Estão presentes a Coopavel, Copacol, Cooperaliança, C.Vale, Frimesa, Lar, Primato, Unium (Frísia, Castrolanda e Capal), Witmarsum, Integrada, Cooperante, Coacipar, Coofamel, Cresol, Sicoob e Sicredi. No estande do Sistema Ocepar, são apresentadas informações institucionais do cooperativismo, além de indicadores de produtos e serviços das cooperativas do Paraná.

Evolução - A presença das marcas de cooperativas paranaenses no varejo cresce de forma contínua. “Para atuar nesse segmento, é necessário investimentos elevados no desenvolvimento de produtos, identificando demandas de mercado e dominando complexas operações de logística, pois as mercadorias precisam ser distribuídas em milhares de redes varejistas em várias regiões do país, além de um trabalho profissionalizado no desenvolvimento de embalagens e ações de marketing”, explica o superintendente do Sistema Ocepar, Robson Mafiolletti. “O processo de industrialização teve forte impulso nas cooperativas do Paraná nos últimos 20 anos. Os cooperativistas perceberam que poderiam agregar mais valor atuando em toda a cadeia produtiva, e não apenas na comercialização de produtos primários. Ampliar a presença no varejo foi a evolução natural da agroindustrialização do setor”, relata.

 

{vsig}2022/noticias/04/07/mercosuper_I/{/vsig}

 

 

MERCOSUPER 2022 II: Primato estreia na Feira com produtos de marca própria para conquistar espaço no varejo em todo o país

mercosuper II 07 04 2022O Espaço Paraná Cooperativo, na 39ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados (Mercosuper), integra e abre oportunidades para que mais cooperativas demonstrem seus produtos e serviços. É o caso da Primato Cooperativa Agroindustrial, com sede em Toledo, Oeste do Paraná, que pela primeira vez participa da feira para divulgar produtos de marca própria, buscando conquistar novos mercados no varejo. “O convite para participar da Mercosuper, feito pela Ocepar e Apras, veio num momento oportuno em que iniciamos a distribuição no varejo do mix de produtos com marca própria, que eram apenas comercializados na rede de supermercados da cooperativa e no empório Casa Vergara, e agora vão poder chegar às gôndolas de outras redes varejistas do país. A presença na Feira também está sendo importante para identificar e qualificar representantes e distribuidores”, explicou o presidente Anderson Léo Sabadin. “Atualmente, o varejo responde por 25% do faturamento da Primato. No planejamento da cooperativa, temos como objetivo performar ainda mais e ampliar este percentual”, disse.

Valorização - Na opinião do dirigente, a criação do Espaço Paraná Cooperativo foi uma iniciativa muito positiva e que vai gerar bons frutos ao sistema cooperativista. “Aglutinar os estandes das cooperativas valoriza o setor, inclusive como extensão ao campo, aos produtores, na medida em que demonstra a qualidade da produção dos cooperados. A presença na Feira favorece o relacionamento com as redes de supermercados do Paraná e de outras regiões do Brasil. Esta edição da Mercosuper tem sido uma surpresa positiva, com a casa cheia e a presença de formadores de opinião no varejo, e temos muito a agradecer enquanto cooperativa, por fazer parte de um sistema que compartilha a mesma visão e propósito”, ressaltou Sabadin. 

Opções - O mix de opções com marca própria tem cerca de 90 produtos, entre conservas, doces de frutas, erva mate, bebidas, farinhas, tilápia, frango, carne suína, carne bovina, defumados, lácteos, alho, guardanapo, sorvetes e rações para cães e gatos. O objetivo é que todos sejam colocados à disposição dos varejistas. “Fizemos um planejamento com três etapas. Neste primeiro momento, vamos construir caminhos para a distribuição no varejo regional. A segunda fase será a expansão para o território nacional. Por fim, vamos chegar ao mercado internacional. As três frentes serão realizadas paralelamente e até o fim do ano teremos grandes resultados”, projeta o gerente de industrialização da Primato, Juliano Millnitz. A apresentação do canal de distribuição ao público em geral está acontecendo na 39ª Mercosuper, realizada pela Apras (Associação Paranaense de Supermercados). O evento acontece entre os dias 05 e 07 de abril, no Expotrade em Pinhais/Curitiba.

Expansão - Entre os negócios da cooperativa, os produtos de marca própria representaram em 2021 um faturamento de R$ 18 milhões. Com o planejamento, os valores vão crescer, assim como o reconhecimento e a rentabilidade aos cooperados. “Os produtos de marca própria trazem consigo o grande objetivo da Primato, que é alimentar o mundo de forma mais saudável. (Com informações da Assessoria de Comunicação da Primato)

 

FORMAÇÃO: Curso para Conselheiros Fiscais está com inscrições abertas

Estão abertas as inscrições ao Curso para Conselheiros Fiscais que será realizado pelo Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR). Ao todo, serão treinadas dez turmas, de maneira presencial. A ideia é promover a capacitação e reciclagem dos conhecimentos dos membros do Conselho Fiscal das cooperativas, com objetivo de apresentar suas atribuições e responsabilidades, conceitos de contabilidade e análise de indicadores, demonstrar a legislação e relacionar o Conselho Fiscal com os demais agentes da governança.

Público-alvo - A formação é destinada a conselheiros fiscais efetivos, suplentes e futuros conselheiros ­fiscais. Serão tratados os seguintes conteúdos: representação do Sistema Ocepar, governança cooperativa, atuação do Conselho Fiscal, introdução à contabilidade de cooperativas e análise de indicadores de gestão.

Inscrições - Para garantir a participação no curso, o conselheiro deve se inscrever no clicando aqui. As inscrições são limitadas.

Informações - Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail monitoramento@sistemaocepar.coop.br.

 

formacao folder 07 04 2022  

 

 

 

SISTEMA S: 2ª edição do Compliance Day será realizada no dia 26 de abril; reserve a data em sua agenda

Integridade. Esse é o tema que estará em foco, no dia 26 de abril, na segunda edição do Compliance Day, evento destinado aos colaboradores do Sistema S no Paraná. O debate ocorre das 9h às 10h, e será transmitido pela TV Paraná Cooperativo, no canal do Sistema Ocepar no Youtube. Participe previamente respondendo ao questionário disponível no link: https://bit.ly/3r3085k. A iniciativa é do Sistema Fecomércio, Sistema Fiep, Sistema Faep, Sistema Ocepar, Fetranspar e Sebrae.

 

sistema s 07 04 2022

 

 

COOPERATIVISMO I: Sistema OCB avança em negociações com coops da Índia

 

cooperativismo I 07 04 2022A Cooperativa de Fertilizantes dos Agricultores da Índia (IFFCO), considerada a maior do setor no mundo, retornou ao Brasil para acertar tratativas com coops brasileiras. Em junho de 2021, o Sistema OCB e a IFFCO assinaram acordo de parceria em intercâmbio técnico, acadêmico e comercial entre cooperativas do Brasil e da Índia.

 

Reunião - Na terça-feira (05/04), o CEO da cooperativa indiana, Tarun Bhargava, reuniu-se com o presidente Márcio Lopes de Freitas, na Casa do Cooperativismo, em Brasília, para reforçar as negociações e tratar da atuação conjunta do Brasil e da Índia junto à Aliança Cooperativa Internacional (ACI). Durante o encontro foram definidos alguns detalhes da visita de comitiva com representantes de coops brasileiras à Índia no segundo semestre deste ano.

 

Essencial - “Essa parceria é essencial nesse momento para trocarmos experiências e viabilizar novos métodos de cultivos em ambos os países. E também para o futuro, quando poderemos unir forças e garantir a segurança alimentar do mundo”, avaliou o presidente Márcio.

 

Exemplar - Tarun entregou ao presidente Márcio um exemplar de nano ureia líquida, uma tecnologia recém patenteada pela coop asiática, que tem potencial para substituir 13,7 milhões de toneladas do uso de ureia convencional até 2023.

 

Aumento de renda - De acordo com dados da IFFCO, a substância vai aumentar a renda dos agricultores ao reduzir os custos de insumos e armazenamento. O rendimento da nano ureia líquida, se comparada à convencional, aumentará o rendimento da safra em uma média de 8%, além de fornecer melhor nutrição às safras.

 

Visita - Tarun também visitou outros estados brasileiros para tratar de parcerias comerciais de algodão, soja e tecnologia. Em Manaus, ele conheceu cooperativas que abordam o desenvolvimento sustentável em suas práticas.

 

IFFCO - A coop indiana é considerada a maior do mundo no setor de fertilizantes e agrega 36 mil pequenas cooperativas de vilarejos, com mais de 50 milhões de lavradores. O principal serviço da organização é o desenvolvimento e comercialização de insumos para melhorar a produção de alimentos. (Sistema OCB)

 

COOPERATIVISMO II: Sistema Unimed inaugura espaço para reforço na defesa do ramo saúde

 

cooperativismo 07 04 2022A agenda estratégica para o trabalho médico e o cooperativismo na área de saúde foram temas abordados em exposição do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, na terça-feira (05/04), durante evento de inauguração do novo espaço do Sistema Unimed, em Brasília. O ambiente pretende funcionar como porta de relacionamento institucional e governamental junto aos Três Poderes, entidades setoriais e sociedade, em favor do desenvolvimento da saúde no Brasil.

 

Agradecimento - “Primeiro, quero destacar nosso agradecimento aos profissionais de saúde, em especial os nossos cooperados, que se empenharam e se arriscaram ao máximo no enfrentamento à pandemia da Covid-19. O Sistema Unimed foi fundamental para o país neste momento tão peculiar. A abertura de hospitais de campanha e de milhares de leitos foram essenciais para salvar vidas. Percebemos que o trabalho médico organizado por meio de cooperativas é uma parceria onde todos ganham: paciente, profissional, gestores e cooperativas”, destacou o presidente.

 

Fortalecimento - Ainda segundo Márcio Lopes, esse novo momento do Sistema Unimed, focado na integração entre suas cooperativas, cooperados, produtos e serviços vai fortalecer o movimento. “Estamos certos de que esse é o melhor caminho. Essa integração vai qualificar nossa interlocução com o Sistema Unimed e fortalecer a atuação do cooperativismo junto aos Três Poderes”.

 

Diálogo - O diálogo do Sistema OCB junto a instituições como o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (AMB) tem sido estratégico para os avanços no setor, segundo os representantes das entidades também presentes no evento. “É essencial avançarmos no entendimento sobre o que é cooperativismo junto ao Judiciário, Ministérios Públicos e o Conselho Administrativo de Desenvolvimento Econômico (Cade)”, complementou Márcio Lopes.

 

Reforma tributária - A Reforma Tributária (PEC 110/19) foi outro ponto levantado pelo presidente do Sistema OCB. “É necessário que se compreenda de uma vez por todas a necessidade de se incluir o Ato Cooperativo nesta reforma. A Lei precisa acatar as especificidades do nosso modelo de negócios e não nos tributar de forma injusta, duplicada. Não só precisamos, como também merecemos esse reconhecimento na nossa Constituição”, reforçou.

 

Eleições - O presidente reforçou ainda que nas eleições deste ano é preciso mostrar a força do cooperativismo organizado e lembrou que o Sistema OCB preparou publicações específicas sobre a educação política e as propostas para um Brasil mais cooperativo com o objetivo de auxiliar as Unidades Estaduais, confederações, federações e cooperativas de todos os ramos na escolha de seus representantes.

 

Melhores políticas - O presidente da Unimed do Brasil, Omar Abujamra, afirmou que trabalhar por melhores políticas de saúde é parte do compromisso da cooperativa como líder de mercado. “Por isso, estamos nos colocando à disposição das forças democráticas para buscar pontos de convergência entre os diversos elos da cadeia de saúde. A ideia é promover um grande debate em torno de uma agenda positiva que contribua para avançarmos nos pontos críticos do setor”, afirmou.

 

Principais temas - Entre os principais temas propostos para o debate estão o aprimoramento da regulamentação dos planos de saúde, ações compartilhadas com o sistema público e investimentos em inovação e transformação digital, bem como o estudo de novos modelos organizacionais e de aporte de recursos para o SUS.

 

Carteira - Representado por 341 cooperativas médicas com gestões autônomas e presente em 86% do território nacional, o Sistema Unimed administra 46% da carteira total de planos individuais e familiares do Brasil e é o maior sistema de cooperativas de saúde do mundo.

 

Jantar - A inauguração do novo espaço do Sistema Unimed contou também com um jantar com a presença de diversas autoridades como Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados; Marcelo Queiroga, ministro da Saúde; Ciro Nogueira, ministro-chefe da Casa Civil; Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ); Leandro Fonseca da Silva, presidente da Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) e Evair de Melo, presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop); além de outras autoridades dos Três Poderes e dirigentes dos Sistemas OCB e Unimed. (Sistema OCB)

 

MAPA: Ministro da Agricultura quer novo Plano Safra mais robusto

 

mapa 07 04 2022O ministro da Agricultura, Marcos Montes, destacou na terça-feira (05/04) que vai trabalhar para aumentar os recursos para subvenções ao crédito rural e poder anunciar um Plano Safra para o período 2022/23 mais ‘robusto’ que o atual. “Esse plano precisa ser o mais abrangente possível, principalmente, em razão do que estamos passando com a estiagem e o aumento dos custos de produção, em razão da inflação”, afirmou.

 

Reunião - Em uma de suas primeiras agendas como ministro, Montes participou de reunião almoço da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e ressaltou a importância da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e de outras entidades como a própria FPA e o Instituto Pensar Agropecuária (IPA) para o desenvolvimento do setor agropecuário brasileiro. “Quero nesse momento registrar meus agradecimentos. Se estou hoje em um cargo importante, devo isso principalmente ao setor produtivo”.

 

Confiança - A superintendente do Sistema OCB, Tânia Zanella, participou do almoço e destacou a confiança da entidade em Marcos Montes a frente da pasta da Agricultura. “Ele já conhece todos os detalhes, todos os projetos em andamento e também o que é prioritário para o cooperativismo. Temos certeza de que manteremos o diálogo que marcou os últimos anos para que o agro cresça cada vez mais”. (Sistema OCB)

 

FOTO: Assessoria FPA

 

FRÍSIA: 15ª Expofrísia acontece em maio

 

frisia 07 04 2022A mais expressiva região produtora de leite do Brasil é a dos Campos Gerais do Paraná. Os municípios de Castro e Carambeí estão em primeiro e segundo lugares, respectivamente, na produção leiteira nacional, com 363,9 milhões e 224, 7 milhões de litros, conforme último levantamento Produção Pecuária Municipal, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E é nesse cenário que acontecerá a 15ª edição da ExpoFrísia, uma das principais feiras da pecuária leiteira do Brasil, que reúne o melhor em genética, manejo e produtividade. A ExpoFrísia tem entrada gratuita, mediante inscrição prévia, e acontece entre os dias 12 e 14 de maio, no Parque de Exposições Frísia, anexo ao Parque Histórico de Carambeí (PR).

 

Novidades - Após duas edições adiadas, devido à pandemia de covid-19, a tradicional ExpoFrísia chega à 15ª edição com as novidades na pecuária leiteira, que está em constante evolução. Organizada pela Frísia Cooperativa Agroindustrial, a feira conta com a exposição do gado Holandês Vermelho e Branco e Preto e Branco.  Na ocasião, será apresentado o Catálogo de Touros da Intercooperação, em que serão expostas as melhores genéticas de animais para auxiliar os criadores.

 

Programação - No dia 12 (quinta-feira), das 17h às 18h, será realizada uma palestra técnica ministrada por um especialista da Fundação ABC e a etapa do Concurso de Silagem. Haverá ainda uma palestra sobre o mercado do agronegócio.

 

Julgamento - No dia seguinte, a partir das 9h, inicia o julgamento dos animais. O primeiro será a gado Jovem Holandês Vermelho e Branco e, a partir das 13h, o de Jovem Holandês Preto e Branco. 

 

Clube das Bezerras e Fraldinha - O Clube de Bezerras e o Fraldinha serão a partir das 17h30, sob a coordenação do setor de Pecuária Leiteira da Frísia. Essas exposições reforçam a conexão entre a criação e as novas gerações, promovendo o despertar para os cuidados e a responsabilidade sobre a produção leiteira futura. O Clube reúne filhos de cooperados e de colaboradores que se empenham durante o ano para apresentar os melhores animais. 

 

Copa dos Apresentadores - Já no sábado, dia 14, a partir das 9h, começa a Copa dos Apresentadores, em que participantes das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, divididos em três categorias, têm o desempenho avaliado.

 

Adulto Holandês - Também no dia 14, a partir das 10h30, começa o julgamento dos animais Adulto Holandês Vermelho e Branco. No período da tarde, às 15h, terá o julgamento do Adulto Holandês Preto e Branco. O julgamento final acontece às 18h.

 

Tecnologias e produtos - Além da exposição dos animais, a ExpoFrísia apresenta aos visitantes tecnologias e produtos selecionados pelos expositores para gerar eficiência, redução de custos e aumento da rentabilidade ao produtor rural com sustentabilidade.

 

Confira

Quinta feira, 12/05
17h às 20h: Palestras técnicas
19h às 20h30: Palestras mercado do agronegócio 

 

Sexta feira, 13/05
9h: Julgamento Jovem HVB
13h: Julgamento Jovem HPB
17h30 às 19h: Clube de Bezerras 

 

Sábado, 14/05
9h: Copa dos Apresentadores
10h30: Julgamento Adulto HVB
15h: Julgamento Adulto HPB
18h: Julgamento final

 

SERVIÇO
15ª ExpoFrísia
Data:
12 a 14 de maio (quinta a sábado)
Horário: Quinta: 17h às 20h30
                    Sexta: 9h às 19h
                    Sábado: 9h às 18h
Local: Parque de Exposições Frísia
              Anexo ao Parque Histórico de Carambeí
              Avenida dos Pioneiros, 4.050
              Carambeí (PR)
Entrada gratuita mediante inscrição prévia no site:
www.expofrisia.com.br

 

Observação: Os protocolos de saúde respeitarão à vigência conforme decreto municipal no período de realização da feira. Tenha sempre disponível o comprovante de vacinação fornecido no momento da imunização ou do Certificado Covid obtido no aplicativo "Conect SUS”, do Ministério da Saúde.

 

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRÍSIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br (Imprensa Frísia)

 

COOPAGRÍCOLA: Cooperativa realiza Assembleia Geral Ordinária

 

No dia 31 de março, foi realizada na Associação dos Funcionários da Coopagricola, em Ponta Grossa (PR), a Assembleia de prestação de contas aos cooperados referente ao ano de 2021, as quais foram aprovadas sem restrições e apresentam um crescimento de 64% no faturamento e um resultado com rentabilidade de 3,06% de lucro líquido e Ebtida de 3,7%, ao final do exercício. São indicadores projetados no planejamento estratégico para o ano de 2024 e a antecipação só foi possível graças a geração de novas oportunidades e estratégias usadas para acessar o mercado e trazer benefícios à cooperativa com mais competitividade aos produtores.

 

Distribuição de sobras - A Coopagrícola obteve um resultado de R$ 12.917.013,00 em 2021, sendo que depois das destinações legais R$ 5.212.330,68 ficaram à disposição da AGO. Vale lembrar ainda que a cooperativa remunerou a conta capital dos associados em 6%.

 

Eleição - Foi realizada eleição onde na diretoria executiva João Marcos Bach assume a presidência, Gabriel Nadal a vice-presidência e como diretor secretário, Paulo Marcelo Hass. Como membros vogais do conselho de administração foram eleitos: Alison Stelle por Palmeira, Anderson Guse por Ivaí, Lucas Mager por Ipiranga e ainda, André Faé Giostri, Carlos Gorte e Fabiano Carneiro Pinheiro Machado por Ponta Grossa. O conselho fiscal ficou formado da seguinte forma: Marcel Vantroba Borges por Palmeira, Vergínio Silvestrin por Ivaí, Wylliam Gustav Kruger por Ipiranga e ainda, Luiz Eduardo Martins de Souza, Marcos Hilgemberg e Eder Israel Chemim por Ponta Grossa.

 

O legado Gabriel Nadal - Após 27 anos no cargo, Gabriel Nadal, deixa a presidência da cooperativa, porém permanece na vice-presidência e pretende continuar participando ativamente da gestão da Coopagrícola. Em momento especial na assembleia, salientou que os patamares elevados que a cooperativa está atingindo no momento, é o que sempre buscou, quando assumiu a condução de uma cooperativa totalmente desacreditada e com diversos problemas a serem resolvidos, e por isso o sentimento hoje é de muita alegria e satisfação. Destacou que o trabalho não teria êxito se as pessoas certas não estivessem dentro da cooperativa, e que o caminho do crescimento iniciou com a contratação de uma consultoria interna, a qual desenvolveu o planejamento estratégico da cooperativa para 5 anos, e em consequência diversas estratégias foram desenvolvidas, resultando nos números que alcançamos em 2021.

 

O novo presidente - O nosso novo presidente João Marcos Bach é natural, possui residência e propriedade agrícola em Palmeira, tem 59 anos, é cooperado há 35 anos e ocupava o cargo de vice-presidente desde 2009, porém antes já havia participado do conselho de administração e conselheiro fiscal. Desde muito jovem foi inserido na agricultura e na cooperativa, haja vista ser filho de um cooperado muito tradicional para a cooperativa e para a região de Palmeira, que foi o senhor João Bach Filho. Durante a assembleia agradeceu a confiança depositada em seu nome para o cargo, bem como ressaltou que os cooperados podem contar com ele, pois pretende continuar o legado do seu antecessor, com uma gestão transparente e baseada nos princípios cooperativistas. (Imprensa Coopagricola)

 

{vsig}2022/noticias/04/07/coopagricola/{/vsig}

CASTROLANDA: Primeira edição de 2022 da Castrolanda Revista destaca a retomada dos eventos presenciais

 

castrolanda 07 04 2022A primeira edição da Castrolanda Revista de 2022 já está disponível para acesso online. A matéria de capa aborda a retomada dos eventos presenciais, com detalhes e fotos da ExpoCastrolanda, Dia do Pecuarista, Road Show Negócios Leite e Clube de Bezerras, além do Show Tecnológico, Melhores da Suinocultura e Meu Pé de Batata.

 

Expansão - Também há reportagens sobre a expansão da cooperativa no estado de São Paulo, a aprovação de sobras em assembleia, as cooperadas nos comitês setoriais e o Modelo de Gestão Castrolanda. A entrevista desta edição é com o cooperado Hans Groenwold, presidente da ABCBRH e da APCBRH. (Imprensa Castrolanda)

 

CRESOL: Cooperativa investe no esporte como ferramenta de transformação

 

São vários os motivos para aderir a prática esportiva, seja para ter uma vida mais saudável, para socializar, ou ainda para se divertir. Mais do que os benefícios individuais, o esporte é também uma ferramenta social, que exerce grande influência em vários setores. E foi justamente enxergando todo esse potencial que, desde 2013, foi instituído o Dia Internacional do Esporte para o Desenvolvimento e pela Paz, comemorado no dia 6 de abril.

 

Papel transformador - A Cresol, uma das principais cooperativas de crédito do Brasil, acredita no papel transformador do esporte. Por isso, a instituição apoia cerca de 15 modalidades esportivas entre práticas individuais e coletivas como: Futebol, Futsal, Vôlei, Basquete, Taekwondo, MMA, Stock Car, Copa Truck, Rally, Kart, Tênis de Mesa, Natação (maratona aquática), Bocha, Ciclismo, além do BMX Freestyle, uma modalidade que acabou de fazer sua estreia como esporte olímpico.

 

Característica marcantes - “Uma das características marcantes da Cresol é literalmente jogar junto com os seus cooperados, buscando sempre a melhor forma de colaborar para que cada um atinja o seu objetivo, e o esporte acaba tendo muita coisa em comum com tudo isso. Além de também poder cooperar com a formação não só de novos atletas, mas dos esportes de uma forma geral e também com pessoas mais saudáveis. Essas são algumas maneiras de contribuirmos socialmente”, explica Adriano Michelon, vice-presidente da Cresol.

 

Natação - Natural de Flores da Cunha (RS), a paratleta Tatiane Corso Giotti que compete provas de natação em mar aberto e que é cooperada da Cresol em Ipê (RS), é um dos exemplos de que o esporte é para todos e que ter apoiadores ao longo desta trajetória pode fazer uma grande diferença. Tendo entre as suas conquistas títulos que vão desde provas mais rápidas como as de distância de 50m, até as mais longas de 600m, 800m e até 1km e 3km, ela defende a importância de instituições parceiras que possibilitam que atletas se desenvolvam e tenham bons resultados em suas respectivas modalidades.

 

Libertação - “O esporte é onde nos libertamos, nos conhecemos, superamos nossos próprios limites. Ele me salvou, me libertou dos meus medos e inseguranças, me trouxe de volta a vida, além de me mostrar novos caminhos, me permitir conhecer pessoas novas e ter várias conquistas. Nem sempre é fácil ter alguém que nos enxerga, acredita na gente e apoia, por isso quando recebemos algum tipo de incentivo, faz valer cada segundo. É uma via de mão dupla, a empresa que apoia pode mudar vidas, e o atleta mostra que tendo pessoas que acreditam ao teu lado ele vai longe e vai fazer de tudo para representá-la da melhor forma possível”, afirma Tatiane.

 

Patrocínio - O meio campista Wenderson da Silva Costa Ferreira, da equipe masculina de futebol de Pato Branco (PR), o Azuriz Futebol que foi classificado para a Copa do Brasil e irá disputar a série D do Campeonato Brasileiro, também reforça sobre a importância dos patrocínios.

 

Importância - “O futebol representa tudo para mim que estou desde os cinco anos pelas quadras e pelos campos, correndo atrás de bola. Foi pelo futebol que eu consegui tudo que eu tenho hoje, que eu consigo ajudar a minha família. E tudo isso com certeza só se torna possível quando temos alguém investido no Clube, investindo no esporte e nos dando a tranquilidade necessária para trabalhar”, completa o jogador.

 

Transformação - Atual campeão da Stock Car, o paranaense de Pato Branco, Gabriel Casagrande, que também recebe o apoio da Cresol, é outro defensor do esporte como ferramenta de transformação. “O esporte é moldador de caráter, sempre foi algo muito importante na minha vida, foi com ele que eu aprendi sobre respeito, lealdade, competitividade, dedicação, persistência, por isso acho muito importante que todo mundo tenha experiências esportivas, mesmo que não seja profissionalmente”.

 

Início - O automobilista relembra que começou ainda pequeno nas competições de kart e foi passando por todas as categorias até chegar no stock car. Seu sonho sempre foi viver do esporte e hoje além de agradecer por ter conseguido concretizar isso, procura sempre subir cada vez mais um degrau na carreira e poder também contribuir com aqueles que o apoiam.

 

Remuneração - “Como todo trabalho, todo atleta também espera ser remunerado naquilo que faz. Além disso, nós precisamos de apoio financeiro para conseguir competir, treinar, para nos dar toda a estrutura, em contrapartida a nossa parte é trazer retorno financeiro para estas marcas. Nossa imagem é vinculada a essa marca, por isso eu acho que assim como ela tem que zelar pelo atleta, ela espera de nós não só um retorno de mídia, mas também que sejamos um exemplo dentro e fora do esporte”, conclui Casagrande.

 

Campanha Drible - Além dos patrocínios, reforçando mais ainda a ligação da Cresol com o esporte e provando que os universos financeiros e esportivo podem ter mais coisas em comum do que se possa imaginar, a instituição lançou em 2022 a campanha intitulada “Drible”. Com alcance nacional e veiculação em TV, rádio, jornais e revistas nas praças onde a Cresol atua, além das plataformas digitais, a ação conta com a participação de quatro atletas de alto rendimento.

 

Elenco principal - Leozinho (ala da Seleção Brasileira de Futsal), Camila Soares (zagueira/volante da Seleção Brasileira de Futebol), Franciane Richter (atleta da Ferroviária) e Anderson Ferreira (jogador da Seleção Brasileira de Basquete em cadeira de rodas), fazem parte do elenco principal, além de outras esportistas como elenco de apoio.

 

Cotidiano - A campanha mostra como as pessoas driblam os percalços do dia a dia, fazendo um paralelo ao esporte, uma das principais bandeiras da instituição. Além disso, a ação também é uma forma de reforçar um dos sete princípios que definem o cooperativismo: o compromisso com a comunidade.

 

Link - Veja a Campanha: https://www.youtube.com/watch?v=uUXnPm-Dnwo

 

Sobre a Cresol - Com 26 anos de história, 700 mil cooperados e 690 agências de relacionamento em 17 estados, a Cresol é uma instituição financeira que está se consolidando entre as principais cooperativas financeiras do País. Com foco no atendimento personalizado, a Cresol fornece soluções financeiras para pessoas físicas, empresas e empreendimentos rurais. Em 2021, a cooperativa encerrou o ano com R$ 16,8 bilhões em ativos e destacou sua solidez entre as instituições financeiras cooperativas. (Imprensa Cresol)

 

{vsig}2022/noticias/04/07/cresol/{/vsig}

SICREDI PROGRESSO: Comitê Mulher elege nova coordenação

 

A Sicredi Progresso reuniu na terça-feira (05/04), as integrantes do seu Comitê Mulher, em um encontro que aconteceu no auditório da Agência Centro, em Toledo (PR). Além de seguir a agenda mensal de atividades, houve a eleição da nova coordenação do Comitê. Na ocasião também aconteceu uma homenagem especial para as associadas que estavam na organização do Comitê nos últimos anos.

 

Formação - O apoio e a capacitação às lideranças femininas facilitaram a formação do Comitê Mulher da Sicredi Progresso que conta com 25 associadas participantes, todas das agências do Paraná. O trabalho iniciado em 2018 refletiu no aumento de mulheres eleitas como coordenadoras de núcleo e conselheiras na cooperativa. O Conselho Fiscal conta com seis participantes, sendo três mulheres e três homens. Já no Conselho de Administração há sete membros, sendo quatro mulheres e três homens.

 

Impacto positivo - Acompanhando as atividades do encontro, o presidente, Cirio Kunzler, reforçou o impacto positivo que o Comitê trouxe para a Cooperativa. “Em 2018 quando teve início o Comitê, o propósito era de fazer com que mais mulheres participassem da cooperativa e do quadro social. Com muito orgulho posso dizer que isso foi possível. Essa coordenação fez um excelente trabalho e o meu desejo é que isso continue. Uma cooperativa forte e atuante se faz com pessoas dedicadas a um propósito e nos fortalecemos muito com a presença das mulheres”.

 

Apresentação - As integrantes que colocaram os nomes à disposição para a eleição, tiveram a oportunidade de se apresentar e contar um pouco sobre suas vidas e participação no Comitê. Por meio de votação, elegeram a associada de Tupãssi, Renata Acco Mariussi, para ser a nova coordenadora. “Agradeço os votos que recebi, a confiança que depositaram em mim para conduzir esse importante Comitê da Sicredi Progresso. Continuaremos a fazer nossas atividades sempre em busca da cooperação”, reforça.

 

Líderes - Renata terá como vice-líderes, Juciely Aparecida Enz Tonial, Danieli Valero Piuco, Claudeane Joner Hermes. As associadas terão a missão de representar o Comitê Mulher, conduzir reuniões, organizar atividades, alinhados com as demandas da Central e o Sistema Sicredi, pelo período de 4 anos. A nova coordenação contará com apoio da área de Desenvolvimento do Cooperativismo da Sicredi Progresso para a realização das atividades.

 

Inscrições abertas - A Sicredi Progresso está com inscrições abertas para as associadas com interesse em integrar o Comitê Mulher. Para saber mais sobre as vagas disponíveis e requisitos necessários, é necessário clicar nesse link: https://www.sicredi.com.br/coop/progresso-prsp/comite-mulher/

 

Sobre a Sicredi Progresso PR/SP - Com 40 anos de atuação a Sicredi Progresso PR/SP está presente na vida de mais de 56 mil associados. Nossa história, construída na essência da cooperação, nos permite ter atualmente 21 agências distribuídas na área de ação nos estados do Paraná e São Paulo. Destas, 14 estão no Paraná e outras 7 em São Paulo. Nosso capital humano conta com mais de 370 colaboradores focados nos valores do cooperativismo e na oferta de produtos e serviços financeiros adequados aos associados, de um jeito simples e próximo. A Sicredi Progresso integra o Sistema Sicredi que hoje está em 25 estados e no Distrito Federal. (Imprensa Sicredi Progresso PR/SP)

 

{vsig}2022/noticias/04/07/sicredi_progresso/{/vsig}

CONAB: Produção nacional de grãos é estimada em 269,3 milhões de toneladas na safra 2021/22

 

conab 07 04 2022A sétima estimativa da safra de grãos 2021/22, divulgada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), nesta quinta-feira (07/04), aponta que a produção de grãos no país poderá atingir um total de 269,3 milhões de toneladas, o que representa 5,4% ou 13,8 milhões de toneladas superior à obtida na safra 2020/21. No entanto, em comparação ao primeiro levantamento da Companhia para a atual safra, quando a previsão era de 288,6 milhões de toneladas, o volume representa uma redução de 6,7% ou 19,3 milhões de toneladas, devido às condições climáticas adversas observadas nos estados da Região Sul e no centro-sul de Mato Grosso do Sul, com perdas maiores na soja e no milho.

 

Clima - “O resultado até o final desta safra vai depender muito do comportamento climático, fator preponderante para o desenvolvimento das culturas”, afirma o presidente da Conab, Guilherme Ribeiro. “Entre os meses de março e abril, aproxima-se a conclusão da semeadura da segunda safra brasileira, na qual se destaca a cultura do milho. As chuvas foram mais regulares em toda a região produtora, inclusive no sul do país, o que permitiu o plantio em boas condições de umidade. O produtor fez sua parte. Agora vamos esperar pelo clima”.

 

Área plantada - De acordo com o levantamento, a área plantada total no país está estimada em 72,9 milhões de hectares, ou seja, crescimento de 4,4% se comparada à safra 2020/21. Os maiores incrementos de área são observados na soja, com 4,1% ou 1,6 milhão de hectares e, no milho, com 6,5% ou 1,3 milhão de hectares.

 

Resultados por cultivo - Nos resultados por cultivo, a soja tem produção prevista em 122,4 milhões de toneladas, uma redução de 11,4% em relação à safra anterior. “As boas precipitações ocorridas em praticamente todo o país ajudaram na recuperação de uma pequena parcela de lavouras semeadas tardiamente na Região Sul e em Mato Grosso do Sul, mas não reverteram o quadro de queda da produtividade, já anunciado em levantamentos anteriores”, revela o diretor de Informações Agropecuárias e Políticas Agrícolas da Conab, Sergio De Zen. “O Rio Grande do Sul segue como o estado mais atingido pelo déficit hídrico, seguidos por Paraná e Mato Grosso do Sul. Em cenário oposto, a maioria dos outros estados conseguiu produtividades superiores às obtidas na última safra, com destaque para o Piauí, com rendimento positivo de 12,7%. No entanto, a queda na produção do país foi amenizada principalmente pelo aumento de 4,1% da área semeada, alcançando 40,8 milhões de hectares nesta safra”.

 

Milho - Para o milho, a produção estimada é de 115,6 milhões de toneladas, 32,7% superior ao ciclo anterior. A colheita da 1ª safra do cereal está adiantada, na 2ª predomina a fase de desenvolvimento e a 3ª safra inicia o plantio a partir da segunda semana de abril. Para a safra 2021/22, a Conab destaca que, apesar do aumento no volume total, é importante registrar a forte queda de 20,4% na produtividade da região Sul durante a primeira safra, fato que causou uma redução de até 15,6% da produção naquela região. “Isso é explicado por um severo déficit hídrico causado pela ausência de chuvas no Sul do país ao fim de 2021 e início de 2022”, esclarece a superintendente de Informações da Agropecuária, Candice Santos. “Por outro lado, cabe apontar que a Conab projeta um aumento de 36,3% da produtividade do milho ao longo da segunda safra, dado que permitirá uma produção de 88,5 milhões de toneladas do cereal no segundo ciclo”.

 

Outras culturas - Em outras culturas, como o algodão, as condições climáticas têm favorecido o desenvolvimento, aliadas ao ganho de área, o que deve resultar numa produção de 2,83 milhões de toneladas da pluma, 19,9% superior à safra passada. Para o feijão é previsto um total de 3,1 milhões de toneladas, 7,6% superior à safra anterior. A primeira safra da leguminosa está com a colheita encerrada, a segunda está em andamento e a terceira safra com o plantio ocorrendo a partir de meados de abril. Já no caso do arroz, a produção estimada é de 10,5 milhões de toneladas, 10,5% inferior ao volume da safra passada, sendo 9,7 milhões de toneladas de cultivo irrigado e 0,8 milhão de toneladas com o plantio de sequeiro. Nas culturas de inverno (aveia, canola, centeio, cevada trigo e triticale), a semeadura ainda é incipiente e deve chegar em uma produção de 7,9 milhões de toneladas para o trigo.

 

Mercado - Neste levantamento de abril, a Conab manteve a estimativa para 2022 das exportações de algodão em 2,05 milhões de toneladas, de arroz em 1,3 milhão de toneladas e de feijão em 200 mil toneladas. Para o trigo, considerando que a previsão de volume exportado entre agosto de 2021 e março de 2022 já supera 2,8 milhões de toneladas, é esperado um aumento no período correspondente ao ano comercial que vai até julho. Diante disso, a estimativa é que sejam exportadas 3 milhões de toneladas. Confirmado esse número, será o recorde da série histórica para o trigo.

 

Soja - Por outro lado, para a soja houve redução no volume estimado de exportações, passando de 80,16 milhões de toneladas para 77 milhões de toneladas, motivada por um maior direcionamento para a produção e exportação de óleo, em detrimento do grão. Já em relação ao milho, a venda externa deve passar de 35 milhões de toneladas para 37 milhões de toneladas neste levantamento. “Acreditamos que o aumento da produção brasileira, alinhada à demanda internacional aquecida, deverá promover essa elevação de 77,8% das exportações do grão na safra 2022, compreendida entre fevereiro de 2022 e janeiro de 2023”, avalia o superintendente de Estudos de Mercado e Gestão da Oferta da Conab, Allan Silveira.

 

Estoques finais - Em relação aos estoques finais esperados para as principais commodities brasileiras, o superintendente confirma que, no caso do milho, as alterações não foram significativas, sendo o estoque de passagem para a safra 2021/22 previsto em 10,84 milhões de toneladas, aumento de 5,16% em relação ao último levantamento e de 40,61% em relação à safra 2020/21, em consequência da perspectiva de recuperação da segunda safra. Para a soja em grãos, é esperado que o estoque ao final deste ano seja de 2,5 milhões de toneladas, praticamente em estabilidade em relação ao último levantamento, dado que o maior esmagamento, que saiu de 42,93 milhões de toneladas no mês de março para 46,5 milhões de toneladas nesse levantamento, foi compensado pela redução nas exportações de grãos previstas.

 

Preços médios - Em relação aos preços médios mensais dos produtos nas principais praças, observou-se, no mês de fevereiro em comparação a janeiro, redução de 0,3% no preço do milho no PR. Por outro lado, houve elevação de 2,4 % no feijão-preto no PR, de 0,3% nos preços do algodão em MT, de 8,8% no arroz no RS, 7,6% no feijão-cores em SP, 4,0% no preço do milho em MT, de 10,4% nos preços do trigo no PR e de 3,3% e 3,2% nos preços da soja em MT e no PR, respectivamente. (Conab)

 

Clique aqui e acesse os arquivos com informações completas do 7º Levantamento da Safra de Grãos 2021/2022.

 

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

IBGE: Estimativa para safra 2022 tem queda de 1,0% em março, mas mantém previsão de colheita recorde

 

ibge 07 04 2022A safra brasileira de grãos deve alcançar 258,9 milhões de toneladas em 2022, segundo a estimativa de março do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quinta-feira (07/04) pelo IBGE. Na comparação com o estimado no mês passado, houve queda de 1,0% ou de 2,7 milhões de toneladas. Mesmo com essa retração, a produção deve superar em 2,3% o total colhido no ano passado e alcançar outro recorde, ficando acima dos números de 2020, quando foram produzidos no país 255,4 milhões de toneladas.

 

Soja - A queda na estimativa de março foi impactada principalmente pelo declínio da soja, cuja produção deve ser 5,6% menor do que o previsto no mês anterior. De acordo com o gerente de agricultura do IBGE, Carlos Alfredo Guedes, a queda da estimativa do grão se deve aos problemas climáticos enfrentados em importantes regiões produtoras, como os estados do Sul. “Houve uma estiagem que durou de novembro do ano passado até janeiro deste ano e isso prejudicou muito a safra do Rio Grande do Sul e do Paraná”, afirma.

 

Liderança - Com a quebra da safra dos estados do Sul, Goiás deve se tornar o segundo maior produtor nacional de soja, atrás apenas de Mato Grosso, que responde por quase um terço da produção brasileira da leguminosa. Já o Paraná e o Rio Grande do Sul, marcados pelos problemas de estiagem, devem produzir 41,1% e 53,5% menos soja do que a safra anterior, respectivamente. Com as perdas, a participação da soja no volume total de grãos deve cair para 44,9%.

 

Milho - A falta de chuvas também prejudicou a produção da primeira safra do milho, que foi estimada em 24,7 milhões de toneladas em março, o que representa queda de 3,8% frente ao previsto no mês anterior e de 3,9% em relação ao produzido no ano passado. “A expectativa é de uma boa produção na segunda safra do milho, que deve ter aumento de 40,4% na comparação com 2021. Com a alta de preços no mercado internacional e os investimentos nas áreas de cultivo, a produção deve crescer e ser um novo recorde na série histórica”, diz o pesquisador. Ao alcançar 87,2 milhões de toneladas, a segunda safra do milho deve ser 4,9% maior do que o divulgado no mês anterior.

 

Arroz - O arroz foi outra cultura atingida pelos problemas climáticos. “Essa é uma produção muito concentrada no Sul, especialmente no Rio Grande do Sul, que deve ter uma safra 10,6% menor do que a de 2021. Nesses estados, faltou água para irrigação e a produtividade caiu. Na comparação com o ano passado, a produção nacional teve queda de 8,0%”, afirma Guedes.

 

Feijão - A produção da primeira safra do feijão também foi prejudicada devido à falta de chuvas nos três estados do Sul. Mesmo com as adversidades enfrentadas por esses estados produtores, essa safra deve atingir 1,2 milhão de toneladas, com aumento de 2,0% frente ao estimado em fevereiro.

 

Representatividade - A primeira safra representa 38,2% do total de feijão produzido no país. Somando as três safras, a produção do feijão deve chegar a 3,2 milhões de toneladas, aumento de 3,0% frente à previsão do mês passado e de 13,9% na comparação com a colheita do ano anterior.

 

Café - Já a produção de café, considerando as espécies arábica e canephora, deve atingir 3,4 milhões de toneladas, aumento de 14,4% em relação ao ano passado. “Para o café arábica, o ano é de bienalidade positiva, ou seja, quando teremos alta produção. Frente ao ano anterior, o crescimento de produção dessa espécie será de 20,9%. Apesar do crescimento, essa safra poderia ser maior, não fossem os problemas de clima, como geadas e períodos de altas temperaturas, que os estados produtores enfrentaram em 2021”, explica Guedes.

 

Maior produtor e exportador - O Brasil é o maior produtor e o maior exportador de café do mundo. O café arábica representa 69,1% de todo esse café produzido no país e sua produção está concentrada principalmente em Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo. Por causa do inverno severo no ano anterior, algumas regiões produtivas tiveram suas lavouras atingidas, o que pode ter diminuído o potencial para este ano.

 

Estimativa - Com os problemas climáticos na região, apenas o Sul teve sua estimativa de produção retraída (-5,9%) frente à previsão de fevereiro. A região sulista deve produzir 65,1 milhões de toneladas e responder por 25,2% do total do país. As demais apresentaram alta: o Norte deve alcançar 12,7 milhões de toneladas (avanço de 2,2%), enquanto a estimativa de produção do Nordeste teve alta de 1,6%, totalizando 25,1 milhões de toneladas. Já a do Sudeste cresceu 0,4% e a produção deve chegar a 26,9 milhões de toneladas. Com avanço de 0,5%, a produção do Centro-Oeste foi estimada em 129,1 milhões de toneladas.

 

Sobre o LSPA - Implantado em novembro de 1972 com o propósito de atender às demandas de usuários por informações estatísticas conjunturais mensais, o LSPA fornece estimativas de área plantada, área colhida, quantidade produzida e rendimento médio de produtos selecionados com base em critérios de importância econômica e social para o país. Ele permite não só o acompanhamento de cada cultura investigada, desde a fase de intenção de plantio até o final da colheita, no ano civil de referência, como também o prognóstico da safra do ano seguinte, para o qual é realizado o levantamento nos meses de outubro, novembro e dezembro. Acesse os dados no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

 

FOTO: Jaelson Lucas / AEN-PR

 

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA: Campanha Abril Verde e Amarelo terá força-tarefa para entrega de títulos de propriedade rural no país

 

regularizacao fundiaria 07 04 2022O Governo Federal iniciou uma força-tarefa para garantir a titulação de terras a um grande número de famílias assentadas no país. Na campanha denominada Abril Verde e Amarelo, serão feitas entregas de títulos de propriedade rural, definitivos e provisórios, em diversos estados a partir deste mês. A expectativa é entregar pelo menos 50 mil títulos em abril.

 

Prioridade - A regularização fundiária é uma das prioridades do Governo Federal. De 2019 a março de 2022, já foram emitidos mais de 337 mil títulos a beneficiários da reforma agrária, que aguardavam há décadas pelo documento. Os títulos são concedidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Dono da terra - Com o título, o produtor se torna o dono da terra, passa a ter acesso a crédito rural para investir, assistência técnica, elimina intermediários e ganha independência e liberdade para o desenvolvimento em sua área.

 

Economia local - Além de garantir segurança jurídica aos assentados, a titulação movimenta a economia local, reduz conflitos fundiários, grilagem de terras e desmatamento ilegal. “A ação segue, e a partir de abril, nós faremos um esforço concentrado para, em vários lugares do país, entregarmos títulos, regularidade, paz e tranquilidade para que estas famílias sigam produzindo”, destaca o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho.

 

Recursos - Nos últimos três anos, o Incra disponibilizou mais de R$ 689 milhões em crédito para famílias assentadas, por meio do Crédito Instalação. (Mapa)

 

ENERGIA I: Usuários de irrigação e aquicultura devem atualizar cadastro para manter desconto na conta de luz

 

energia 07 04 2022Produtores rurais que recebem descontos na tarifa de energia elétrica para a utilização de irrigação e aquicultura estão sendo comunicados pela Copel para a atualização de cadastro exigida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Neste momento, a orientação se aplica a mais de 1,5 mil propriedades rurais atendidas em baixa tensão, que recebem uma redução aproximada de 70% na tarifa da eletricidade consumida.

 

Internet - A atualização do cadastro deve ser feita pela internet, em um prazo máximo de seis meses a contar da primeira notificação impressa na fatura. Os consumidores estão sendo avisados também por e-mail e SMS sobre a medida, que foi instituída pelo órgão regulador por meio da Resolução Normativa 1.000/2021. No texto, a Aneel estabelece a obrigatoriedade de revisão de cadastro a cada três anos, a fim de comprovar que os consumidores continuam atendendo aos critérios de elegibilidade para recebimento do benefício tarifário.

 

Beneficiários - No Paraná, produtores rurais que desenvolvem atividades de irrigação ou aquicultura em um período diário contínuo de oito horas e 30 minutos recebem descontos na tarifa de energia elétrica, de acordo com o fornecimento em quilovolts (kV) pela distribuidora.

 

Alta tensão - No ano passado, a parcela destes consumidores atendida em alta-tensão já realizou a atualização cadastral. Este ano estão sendo convocados aqueles atendidos em baixa tensão com maiores médias de consumo; e em 2023, serão chamados a realizar o recadastramento aqueles consumidores atendidos em baixa tensão e que se encontram em faixas menores de consumo.

 

Outras cargas - Caso na entrada de serviço estejam ligadas outras cargas que não as de irrigação e aquicultura e seja do interesse do produtor manter os descontos, será necessário fazer a adequação. Na aquicultura, devem estar ligadas cargas específicas utilizadas no bombeamento para captação de água e dos tanques de criação, no berçário, na aeração e na iluminação desses locais. Já na irrigação, são necessárias cargas específicas utilizadas no bombeamento para captação de água e adução, na injeção de fertilizantes na linha de irrigação, na aplicação da água no solo mediante o uso de técnicas específicas e na iluminação dos locais de instalação desses equipamentos.

 

Procedimentos - Confira como apresentar a documentação:

 

1) Acesse o link https://bit.ly/revisaocadastral

 

2) Clique em “Avançar” no final da página

 

3) Preencha o formulário com seus dados e clique em “Avançar”

 

4) Anexe cópia dos seguintes documentos*:

 

- RG e CPG;

 

- Cadastro de Produtor Rural no Estado do Paraná (CAD/PRO). O titular da unidade consumidora deverá ter seu nome no CAD/PRO como titular ou associado à produção;

 

- Licenciamento Ambiental;

 

- Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos ou Dispensa de Outorga (Cadastro de Uso Insignificante). Não serão aceitas outorga prévia ou ficha de vistoria prévia;

 

- Documento da propriedade em que conste o endereço, como Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR), Cadastro Ambiental Rural (CAR) ou Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR).

 

*Neste primeiro período de revisão cadastral, também será aceita a autodeclaração de irrigantes e aquicultores do grupo B. O modelo de autodeclaração pode ser acessado neste link.

 

Recomendação - A recomendação é que, antes do próximo ciclo de revisão cadastral, sejam apresentados o Licenciamento Ambiental e a Outorga ou Dispensa de Outorga, sob risco de perda e devolução dos benefícios tarifários recebidos. (Agência Estadual de Notícias)

 

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

ENERGIA II: Governo anuncia fim da tarifa extra para consumidores

 

energia II 07 04 2022O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira (06/04) o fim da bandeira de escassez hídrica, em vigor desde setembro do ano passado, e que gerava uma taxa extra na conta de energia elétrica de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Com o fim da bandeira, não haverá mais cobrança de taxa extra na conta de luz. A medida entra em vigor a partir do dia 16 de abril, informou o presidente.

 

Verde - "Bandeira verde para todos os consumidores de energia a partir de 16/04. A conta de luz terá redução de cerca de 20%", postou Bolsonaro nas redes sociais. Em seguida, o Ministério de Minas e Energia (MME) publicou uma nota oficial com o mesmo teor das postagens do presidente sobre o assunto.

 

Tarifa extra - A tarifa extra foi aprovada em meio à crise hidrológica que afetou o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas do país em 2021. As usinas são a principal fonte geradora de energia elétrica no país. De acordo com o governo federal, foi a pior seca em 91 anos.

 

Pior crise - "Em 2021, o Brasil enfrentou a pior seca já registrada na história. Para garantir a segurança no fornecimento de energia elétrica, o país utilizou todos os recursos disponíveis e o governo federal teve que tomar medidas excepcionais. Com o esforço dos órgãos do setor, o país conseguiu superar esse desafio, os reservatórios estão muito mais cheios que no ano passado e o risco de falta de energia foi totalmente afastado", diz a nota do MME, também reproduzida pelo presidente da República.

 

Furnas - Segundo a nota, o reservatório da usina de Furnas terminou o mês de março acima de 80% de seu volume útil. O governo também informou a retomada da operação da Hidrovia Tietê-Paraná, que ficou interrompida por sete meses.

 

Previsão - Já havia uma previsão de que a bandeira de escassez hídrica, patamar mais alto já adotado pelo governo, terminaria no final deste mês, mas a medida anunciada pelo MME e pelo presidente Jair Bolsonaro antecipa a redução em cerca de 15 dias. A perspectiva do governo é de que a bandeira verde vigore até o final do ano. (Agência Brasil)

 

FOTO: Pixabay

 

INFRAESTRUTURA: Inscrições para visitas técnicas da Nova Ferroeste são prorrogadas até 31 de julho

 

infraestrutura 07 04 2022O prazo para as empresas interessadas em conhecer pontos estratégicos do projeto da Nova Ferroeste foi prorrogado até o dia 31 de julho. O pedido é feito através de um link disponível na página do projeto. Até agora três grupos tiveram a oportunidade de conversar com os integrantes do Plano Ferroviário Estadual e conhecer in loco algumas cidades. Outras sete empresas já fizeram o cadastro e aguardam o agendamento das visitas.

 

Opções - São duas opções de encontros presenciais. O primeiro roteiro prevê um tour pela estrutura da empresa pública Portos do Paraná e pelo Terminal de Contêineres do Paraná. Hoje menos de 20% de tudo que entra ou sai do porto circula por trilhos. A Nova Ferroeste deve impulsionar a participação do modal ferroviário, que pode chegar a 60%.

 

Atividades - A segunda opção contempla, além do Litoral, um dia de atividades no Oeste do Estado. Está incluído o acesso ao terminal da Ferroeste em Cascavel e a empresas de processamento de grãos e proteína animal que vão se beneficiar da ampliação da estrada de ferro.

 

Reuniões - As reuniões são organizadas pela Ferroeste e as agendas são abertas a qualquer empresa interessada em enviar representantes. É responsabilidade das companhias privadas garantir as despesas de deslocamento, hospedagem e alimentação dos seus funcionários.

 

Ampliação - A Ferroeste existe desde 1991 e administra o atual traçado de 248 quilômetros de trilhos entre Guarapuava e Cascavel. Com o projeto da Nova Ferroeste, essa linha será ampliada nos dois sentidos, fazendo a ligação entre Maracaju, no Mato Grosso do Sul, e o Porto de Paranaguá. Está previsto ainda um ramal entre Cascavel e Foz do Iguaçu para captar carga do Paraguai e da Argentina.

 

Potencial - Com 1.304 quilômetros, a estrada de ferro dará lugar ao Corredor Oeste de Exportação, com potencial para ser o segundo maior corredor de grãos e contêineres refrigerados do País. O projeto passa por validação ambiental e pode ir a leilão no segundo semestre. (Agência Estadual de Notícias)

 

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 

CÂMBIO: Dólar ultrapassa R$ 4,70 após divulgação de ata do Fed

 

Em mais um dia de nervosismo no mercado internacional, o dólar teve forte alta e ultrapassou R$ 4,70 após o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) divulgar a ata da reunião realizada no fim de março. A bolsa de valores voltou a cair e atingiu o menor nível em duas semanas.

 

Cotação - O dólar comercial fechou esta quarta-feira (06/04) vendido a R$ 4,715, com alta de R$ 0,056 (1,19%). A cotação operou em alta durante toda a sessão, até fechar próxima da máxima do dia.

 

Queda - Com o desempenho desta quarta, o dólar agora cai apenas 0,97% em abril. Em 2022, a divisa acumula recuo de 15,44%.

 

Ações - O mercado de ações também teve um dia tenso. O índice Ibovespa, da B3, fechou com queda de 0,55%, aos 118.228 pontos. O indicador foi influenciado pelas bolsas norte-americanas, que também caíram após a divulgação da ata do Fed.

 

Alta - No documento, o Banco Central norte-americano reiterou que pode aumentar os juros básicos da maior economia do planeta em 0,5 ponto percentual mais de uma vez neste ano, caso a inflação persista nos Estados Unidos. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

 

Última reunião - Na última reunião, no fim de março, o Fed elevou os juros básicos em apenas 0,25 ponto, num movimento considerado leve pelos analistas econômicos. Além de indicar o endurecimento da política monetária, o Banco Central norte-americano anunciou que começará a se desfazer de títulos do Tesouro norte-americano e do mercado imobiliário do país adquiridos durante a pandemia da covid-19. Na época, a medida tinha sido tomada para ajudar a economia dos Estados Unidos. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

LEGISLATIVO: Reunião da CCJ é cancelada, e análise de reforma tributária e de projeto sobre armas é adiada

 

legislativo 07 04 2022O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu cancelar a reunião desta quarta-feira (06/04) do colegiado. Na pauta, estavam oito itens, sendo dois deles polêmicos, sobre os quais ainda não há acordo para votação: a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 110/2019, que trata da reforma tributária, e o Projeto de Lei (PL) 3.723/2019, que regula a atividade de colecionadores, atiradores esportivos e caçadores (CACs). “São 10h37 e estamos aguardando desde as 10h. Como é nítida a falta de quórum, está cancelada a reunião no dia de hoje”, declarou o presidente. 

 

Sem consenso - À imprensa, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) lembrou que não há consenso ainda sobre tais temas, o que acabou provocando a queda de quórum na comissão. “Hoje não houve entendimento e, na ausência do entendimento, não houve votação na CCJ”, esclareceu. 

 

Inoportuno - Em relação à reforma tributária, o parlamentar disse não achar oportuno discutir o assunto em véspera de eleição. Para ele, o tema deveria ser analisado com mais profundidade pelos futuros governantes que serão eleitos neste ano. 

 

Amazonas - Eduardo Braga ainda fez uma ressalva em relação ao Amazonas. “A questão é muito grave. Temos no Amazonas, na Zona Franca de Manaus, o maior programa de conservação, de floresta em pé. E que gera mais de 104 mil empregos diretos. Da forma como estão sendo conduzidos determinados segmentos nessa reforma, além de aumentar a carga tributária, haverá a penalização de setores que perderão competitividade e, portanto, vão desempregar.”

 

Mudanças - Sob a relatoria do senador Roberto Rocha (PTB-MA), a PEC 110/2019 faz uma série de mudanças nas regras tributárias nacionais. A principal delas é a instituição de um modelo dual do Imposto de Valor Agregado (IVA). Está prevista ainda a criação do chamado Imposto Seletivo (IS), que incidirá sobre a produção, importação e comercialização de bens e serviços prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente.

 

Pauta - A última vez que a proposta esteve na pauta da CCJ foi em 16 de março, quando o relator apresentou nova complementação de voto, diante do acatamento de mais uma dezena de emendas à proposição. (Agência Senado)

 

FOTO: Edilson Rodrigues / Agência Senado

 

SAÚDE I: Mortes sobem para 660,7 mil e casos para 30,06 milhões

 

O número de mortos em decorrência da covid-19 subiu para 660.723. Nas últimas 24 horas, foram registrados 195 novos óbitos. Na terça-feira (05/04), o painel de informações da pandemia contabilizava 660.528 mortes.

 

Investigação - Ainda há 3.088 mortes em investigação. Os óbitos em investigação ocorrem pelo fato de haver casos em que o paciente morreu, mas a investigação se a causa foi a covid-19 ainda demanda exames e procedimentos posteriores.

 

Casos - A quantidade de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia foi para 30.067.249. De terça para quarta-feira (05 e 06/04) foram confirmados 27.120 novos diagnósticos positivos da covid-19. Até quarta, o sistema de informações do Ministério da Saúde marcava 30.040.129 casos acumulados.

 

Acompanhamento - O número de casos em acompanhamento da covid-19 está em 463.639. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta nem evoluíram para morte.

 

Recuperados - Até esta quarta-feira, 28.942.887 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 96,3% dos infectados desde o início da pandemia.

 

Atualização - Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira (06/04). Nela, são consolidadas as informações enviadas por secretarias municipais e estaduais de Saúde sobre casos e mortes associados à covid-19.

 

Números - Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras o nos dias seguintes aos feriados em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

 

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (167.594), Rio de Janeiro (72.967), Minas Gerais (60.987), Paraná (42.950) e Rio Grande do Sul (39.124).

 

Menos - Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (1.994), Amapá (2.127), Roraima (2.146), Tocantins (4.147) e Sergipe (6.327). Entre ontem e hoje não foram registradas novas mortes no Acre, Amapá, Roraima e Tocantins.

 

Vacinação - Até esta quarta, foram aplicadas 402,4 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 173,1 milhões com a primeira dose, 151,6 milhões com a segunda dose e 4,8 milhões com a dose única. A dose de reforço foi aplicada em 69,5 milhões de pessoas e 2,9 milhões receberam a dose adicional. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2022-04-06 at 18.50.36

SAÚDE II: Secretaria Estadual confirma 1.828 novos casos e 14 óbitos pela Covid-19 no Paraná

 

saude II 05 04 2022A Secretaria Estadual da Saúde divulgou nesta quarta-feira (06/04) mais 1.828 casos confirmados e 14 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

 

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 2.411.132 casos confirmados e 42.717 mortos pela doença.

 

Meses - Os casos são de abril (729), março (149), fevereiro (316) e janeiro (570) de 2022; dezembro (1), outubro (1), setembro (1), agosto (2), julho (7), junho (20), maio (12), abril (7), março (2) e fevereiro (1) de 2021; e dezembro (4), novembro (1), agosto (2), julho (2) e abril (1) de 2020. Os óbitos são de abril (8) de 2022; julho (1), junho (2) e abril (1) de 2021; e novembro (1) e agosto (1) de 2020.

 

Internados - O boletim relata que 45 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (17 em UTIs e 28 em enfermarias). Não há pacientes com diagnóstico confirmado na rede particular.

 

Exames - Há outros 286 pacientes internados, 125 em UTIs e 161 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

 

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 14 pacientes. São cinco mulheres e nove homens, com idades que variam entre 31 e 85 anos. Os óbitos ocorreram entre 23 de agosto de 2020 e 5 de abril de 2022.

 

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (3), Ponta Grossa (2), Londrina (2), Terra Boa, Maringá, Mandaguaçu, Guaíra, Foz do Iguaçu, Cascavel e Carlópolis.

 

Fora do Paraná - O monitoramento registra 10.809 casos de residentes de fora do Estado, sendo que 233 pessoas foram a óbito. (Agência Estadual de Notícias)

 

Confira o informe completo.

 

Confira o relatório de ajustes AQUI.

 

SAÚDE III: Sesa abastece regionais com 761 mil vacinas da gripe e Covid-19

 

saude III destaque 07 04 2022A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) distribui nesta quarta-feira (06/04) mais 761.886 imunizantes para as 22 Regionais de Saúde. A maior parte da remessa é destinada para a vacinação contra a gripe, além de contemplar doses pediátricas, primeira e segunda doses e doses de reforço contra a Covid-19.

 

Campanha Nacional - Do quantitativo total, estão sendo enviadas 619.200 vacinas da gripe para a continuidade da Campanha Nacional de Imunização contra a Influenza, iniciada na segunda-feira (04/04). Todas as regionais receberão as novas doses.

 

Diferentes públicos - Para a imunização contra a Covid-19 a Sesa descentraliza 142.686 vacinas para diferentes públicos e esquema vacinal. Dessas, 64.608 são para as crianças, 65.502 para dose de reforço (1ª e 2ª), 2.010 para primeira dose e 10.566 para segunda dose.

 

Mais - São 61.840 doses pediátricas, 2.010 para a primeira dose e 10.566 para a segunda dose da população acima de 12 anos; e ainda 25.398 vacinas para a dose de reforço das pessoas acima de 18 anos.

 

Janssen - Das 22 regionais, seis delas receberão Janssen por solicitação dos municípios. As 39.600 vacinas são para a aplicação da primeira ou segunda dose de reforço da população, seguindo a idade e os prazos de intervalo estipulados pelo Ministério da Saúde.

 

Pediátricas - As 2.768 são pediátricas e seguem para as Regionais de Paranaguá (1ªRS), Guarapuava (5ªRS), Francisco Beltrão (8ªRS), Cascavel (10ªRS), Umuarama (8ªRS), Cianorte (13ªRS), Paranavaí (14ªRS) e Londrina (17ªRS). (Agência Estadual de Notícias)

 

FOTO: Albari Rosa / Sesa

saude III tabela 07 04 2022

 


Versão para impressão


RODAPE