Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5307 | 27 de Abril de 2022

MEIO AMBIENTE: Novo secretário da Sedest participa do Fórum promovido pelo Sistema Ocepar, nesta quinta-feira

meio ambiente 27 04 2022O novo secretário estadual de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Everton de Souza, participa, nesta quinta-feira (28/04), da reunião do Fórum do Meio Ambiente que o Sistema Ocepar promove, presencialmente, no auditório da entidade. Souza era diretor-presidente do Instituto Água e Terra (IAT) antes de assumir neste mês o cargo de titular da Sedest, em substituição a Márcio Nunes, que se desvinculou da secretaria para concorrer às próximas eleições. Também deverá estar presente o novo diretor-presidente do IAT, José Volnei Bisognin. “O evento tem como objetivos apresentar a agenda de trabalho 2022 aos integrantes do Fórum do Meio de Ambiente, promover uma discussão técnica sobre de assuntos relevantes para o setor nessa área, apresentar o novo secretário da Sedest e o novo presidente do IAT e expor para eles as prioridades do cooperativismo paranaense relacionadas ao meio ambiente”, afirma o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti.

FOTO: Sedest

 

FORMAÇÃO: Novos agentes de cooperativas do PR começam a ser capacitados

formacao 27 04 2022Vinte e sete profissionais de cooperativas paranaenses dos ramos agropecuário, crédito e saúde começaram a ser capacitados para atuar como agentes de Desenvolvimento. O objetivo é orientá-los sobre o funcionamento, as resoluções e normativas do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) e, ainda, a respeito da operacionalização do planejamento de recursos e projetos no Sistema GDH.

Primeira etapa - A primeira etapa, ocorrida nesta terça-feira (26/04), foi conduzida pelo analista Fernando Mendes e pelo assistente Augusto Ludewig, do Sescoop/PR. Eles repassaram informações sobre o trabalho institucional feito pela entidade nas áreas de formação e capacitação profissional, promoção social e monitoramento, as resoluções e portarias que devem ser seguidas, as características e o papel dos agentes. A segunda fase da formação terá como instrutora a analista Carla Lampe, nesta quinta-feira (28/04). Ela irá discorrer com mais profundidade sobre o Sistema GDH. As atividades estão sendo desenvolvidas virtualmente.

Importante - “Esse treinamento é muito importante para os novos agentes que estão ingressando na função e, para os mais experientes, é uma oportunidade de se reciclarem e ter conhecimento sobre as mudanças e atualizações do sistema. Dessa forma, o alinhamento é essencial e relevante para todos os envolvidos responsáveis pelo desenvolvimento das cooperativas. As contribuições dos agentes são ouvidas e aplicadas para a melhoria contínua dos processos do Sescoop/PR, fortalecendo nossa atuação junto às cooperativas filiadas ao Sistema Ocepar”, ressalta o analista Fernando Mendes.

Outras turmas - Em fevereiro, outras duas turmas de novos agentes foram capacitadas, a primeira com 36 participantes e a segunda com 27 participantes. Os conteúdos foram repassados pela analista do Sescoop/PR, Eliane Lourenço Goulart Festa.

 

 

COOPERATIVISMO: Sistema OCB lança Agenda Institucional 2022

cooperativismo 25 04 2022O Sistema OCB realiza evento nesta quarta-feira (27/04), a partir das 19h30, para divulgar as prioridades para o movimento cooperativista em 2022. O lançamento da Agenda Institucional deste ano terá formato híbrido: presencialmente para convidados e autoridades em Brasília (DF), e transmitido ao vivo pela internet no canal do Sistema no Youtube.

Momento importante - “O lançamento da Agenda Institucional é um dos momentos mais importantes do nosso calendário. Estamos muito otimistas em relação a este evento, em especial, com a presença dos dirigentes cooperativistas de todo o país e autoridades dos Três Poderes, que certamente darão sua contribuição para fortalecer a pauta do nosso movimento neste e nos próximos anos”, afirma o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Prioridades e demandas - Entre as prioridades e demandas do setor estão a atualização da legislação do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), a criação de um marco para que o setor participe do mercado de seguros brasileiro e a permissão para que as sociedades cooperativas prestem serviços de telecomunicações como telefonia e banda larga móvel ou fixa.

44 temas - No total, a Agenda Institucional do Cooperativismo 2022 reúne 44 temas de impacto do setor, sendo sete destaques prioritários para que os agentes públicos foquem e tenham atenção redobrada a essas propostas. Temas como o Ato Cooperativo, crédito rural, recuperação judicial e participação das cooperativas de trabalho em licitações também estão entre as demandas principais a serem apresentadas e detalhadas no evento.

Tereza Cristina - A ex-ministra da Agricultura, Tereza Cristina, é uma das presenças confirmadas no evento. Ela será homenageada pelo Sistema OCB em virtude do trabalho desenvolvido em favor do cooperativismo durante os três anos em que comandou a pasta da Agricultura.

Mais presenças - Além dela, Marcos Montes, atual ministro da Agricultura; Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente; Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara dos Deputados; Otávio Damaso, diretor de Regulação do Banco Central; e Evair de Melo, presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) também estarão presentes, bem como dirigentes do cooperativismo e outras autoridades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. (Sistema OCB)

 

UNIMED PONTA GROSSA: Profissionais do HGU são destaques da enfermagem no Paraná

Três profissionais de enfermagem do Hospital Geral Unimed (HGU), da Unimed Ponta Grossa, estão entre os profissionais mais votados no estado para o Prêmio Protagonistas, promovido pelo Conselho Regional de eEnfermagem do Paraná (Coren/PR).

Eleitos - Dos 60 profissionais eleitos em todo o estado, quatro são de Ponta Grossa e três atuam no Hospital Geral Unimed (HGU): os enfermeiros José Carlos da Silva, do Pronto Atendimento; e Mireila Rogoski Acunha, da Unidade de Internação; e o técnico de enfermagem Marcelo de Almeida Krutsch, da UTI adulto.

Origem - O Prêmio foi criado para homenagear, destacar e reconhecer o trabalho dos profissionais de enfermagem no combate à pandemia de Covid-19 em 2020 e 2021.

Períodos críticos - A gerente assistencial do HGU, Luciane Zanetti, enfatiza que os períodos críticos da pandemia também afetaram os profissionais de saúde e relaciona com um contexto de guerra. “Lidou-se com o desconhecido, com cenário de incertezas, os profissionais sendo levados à exaustão e todos sendo colocados à prova. Reconhece e destacar aqueles que estiveram à frente desta batalha é uma oportunidade de reforçar o quanto foram e são especiais, corajosos e resilientes. O HGU se sente honrado e orgulhoso de ter estes grandes profissionais representando a equipe de Enfermagem da instituição”.

Representatividade - Para José Carlos, receber o reconhecimento fortalece a representatividade da profissão tanto entre os próprios profissionais quanto para os pacientes e a comunidade.

Dedicação - “Estou na área hospitalar desde 95. Tenho me dedicado intensamente em fazer o melhor e esse reconhecimento desperta ainda mais o desejo de manter esse trabalho melhor e mais vivo. Nesse período de pandemia, vi a importância dos colaboradores na assistência do HGU, que fizeram a diferença, se dedicaram integralmente em fazer o melhor atendimento. Agradeço todos os colegas, amigos, familiares. A população teve a oportunidade de votar e votou em mim e nos meus colegas para representá-los”, orgulha-se o enfermeiro.

Emoção - Ao saber do resultado, Marcelo volta no tempo e se emociona ao lembrar do período. “Quando perguntaram quem queria ser voluntário pra trabalhar com a Covid, senti um medo sem tamanho, mas fui com a coragem e o pouco conhecimento sobre a doença. Vivi, enfrentei, sofri, chorei, mas vencemos. Receber esse reconhecimento mostra o quanto a classe da enfermagem é forte e resiliente. E representa todos que contribuíram pra isso, os colegas que partiram, os que ficaram bem. Fica o agradecimento pela valorização ao que somos”.

Propósito - A intensidade de emoções vivenciada durante o período pandêmico, de acordo com a enfermeira Mireila, refletem sobre o propósito da profissão. “Me sinto honrada e grata por poder participar dessa premiação. Foram dias de luta, incerteza, tristeza, angústia e também de muita esperança. Foi uma entrega incondicional ao cuidado do próximo, lutei junto com meus colegas, ao lado dos nossos pacientes e famílias. Nossa classe desde sempre trabalhou e trabalha muito, com ou sem pandemia. Portanto, todos são merecedores dessa linda homenagem, da valorização e do respeito. Que possamos continuar cumprindo esse propósito colocado em nossas vidas, vencendo os desafios diários”.

Honraria máxima - Todos os profissionais contemplados pelo prêmio irão receber durante um evento do Coren, no dia 12 de maio, a honraria máxima da enfermagem paranaense. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

{vsig}2022/noticias/04/27/unimed_ponta_grossa/{/vsig}

SICOOB CREDICAPITAL: Com crescimento histórico em 2021, cooperativa distribui mais de R$ 9 milhões aos cooperados

sicoob credicapital 27 04 2022Cooperativa financeira com 21 anos de história, o Sicoob Credicapital encerrou o exercício de 2021 com números que apontam para um crescimento exponencial. Esses resultados beneficiaram diretamente mais de 50 mil associados, que no dia 31 de dezembro receberam mais de R$ 3,6 milhões em pagamento de juros ao capital e, em 29 de abril, ainda vão receber R$ 5,6 milhões em distribuição de sobras.

Único - Segundo o diretor superintendente Valdir Pacini, a distribuição dos resultados é o que faz do cooperativismo tão único. “Essa é a nossa principal diferença em comparação com as instituições financeiras tradicionais. Aqui o cooperado é sócio e dono, por isso ele participa dos resultados”, explica.

Resultado histórico - Além de retornar mais de R$ 9 milhões aos cooperados, o Sicoob Credicapital teve outros marcos importantes em 2021: R$ 1 bilhão em ativos, R$ 1 bilhão em concessão de crédito e R$ 1 bilhão em captação. Com isso, se tornou uma das maiores cooperativas singulares do sistema Sicoob.

Rede de atendimento - Além do crescimento em resultados financeiros, o Sicoob Credicapital também expandiu sua rede atendimento, que já soma 37 unidades. A cooperativa inaugurou nove pontos de atendimento e fez três reinaugurações. Entre as novas unidades, estão três em Porto Alegre (RS), em São Paulo e em Cascavel (PR), que conta agora com um escritório exclusivo para cooperados do agronegócio, o primeiro da cidade.

Grande resultado - “A expansão da cooperativa para o Rio Grande do Sul e São Paulo, a digitalização e o bom trabalho realizado pelos dirigentes da cooperativa e colaboradores, contribuíram diretamente para que o Sicoob Credicapital chegasse a esse grande resultado”, comenta o presidente do Conselho de Administração, Guido Bresolin Júnior.

Cenário para 2022 - Com um crescimento de 50% em oferta de crédito e 34% em captação no ano anterior, o Sicoob Credicapital se prepara para terminar 2022 com um crescimento ainda mais expressivo. “A expectativa para este ano é muito boa. Sabemos que o cenário econômico pode sofrer alguns impactos devido a ser um ano político, mas estamos confiantes que fecharemos o ano com 40% de crescimento”, destaca Waldemar Paetzold, diretor de mercado da cooperativa. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Mais de R$ 3 milhões em resultados são distribuídos aos cooperados

Com R$ 6,2 milhões em resultados obtidos pelo Sicoob Três Fronteiras, cooperados irão receber R$ 3,1 milhões na conta capital pelas sobras de 2020 e 2021, e a mesma quantia será destinada ao fundo de reserva, tornando a instituição ainda mais rentável. Os valores foram aprovados na Assembleia Geral Ordinária (AGO), no dia 19 de abril.

Deliberação - Principal instância de deliberação, a assembleia é formada de delegados eleitos pelos mais de 38 mil cooperados das agências de cidades do Oeste do Paraná e do Rio Grande do Sul. No formato presencial e on-line, a AGO ultrapassou 80% de participação.

Desempenho - A plenária também aprovou o desempenho do Sicoob Três Fronteiras referente ao ano passado, que teve crescimento de 34% do número de cooperados, aumento de 52% nas operações de crédito e ampliação da rede de atendimento. Os delegados elegeram seis membros titulares e suplentes para o Conselho Fiscal.

Participação - O diretor-superintendente do Sicoob Três Fronteiras, Dirceu Tessaro, enalteceu a participação dos delegados e conselheiros, destacando o crescimento da cooperativa. “Obtivemos resultado expressivo em todos os indicadores, o que só foi possível por conta do nosso cooperado que acredita e investe no associativismo”, pontuou.

Conta capital- O gestor explicou que os valores que serão depositados na conta capital, conforme a movimentação individual, representa um retorno direto ao cooperado e dá rentabilidade à instituição, por contribuir para manter a oferta de créditos, produtos e serviços. “Todos ganham, pois o dinheiro vai para a conta do cooperado e o Sicoob Três Fronteiras sai ainda mais forte”, frisou Dirceu.

Diferença - A partir dos resultados, o presidente do Conselho de Administração, Dimas Bragagnolo, reiterou a diferença entre o cooperativismo financeiro e os bancos tradicionais. “São mais de R$ 6,2 milhões que ficam nas cidades, divididos entre cooperados e o fundo que dá condições para a oferta de novos recursos e oportunidades nas próprias comunidades”, refletiu.

Crescer juntos - A delegada da cidade de Foz do Iguaçu (PR), Orminda Veloso, enfatizou que a expansão do Sicoob Três Fronteiras gera condições para o empreendedor crescer. “Dá suporte para nós, como empresários, também crescermos, gerando renda e movimentando a economia da cidade”, declarou.

Crescimento - De São Miguel do Iguaçu, o delegado Sandro Scheffer afirmou que se sente parte e responsável pela cooperativa, e celebrou o crescimento da instituição. “O Sicoob Três Fronteiras está no caminho certo, crescendo e atraindo mais recursos, pois conta com uma administração profissional, aberta e transparente”, avaliou.

Homenagem - Um dos fundadores do Sicoob Três Fronteiras, o empresário Pedro Tenerello, recebeu uma placa de reconhecimento pelos serviços prestados. Emocionado, afirmou que a honraria tinha mais valor do que uma medalha e incentivou o associativismo. “Valeu a pena passar por todas as dificuldades do começo ao ver agora o crescimento da cooperativa”, sublinhou.

Conselho Fiscal - A Assembleia Geral Ordinária elegeu seis integrantes para o Conselho Fiscal, órgão que tem o papel de analisar e deliberar sobre atividades e desempenho da cooperativa. Os conselheiros efetivos são Laudelino Pacagnan, Marcondeivi de Souza e Waldir Laufer; Gilberto Harthman, Thyago Freiberger e Valdemir Burdin são os suplentes. (Imprensa Sicoob Três Fronteiras)

FOTOS: Marcos Labanca

{vsig}2022/noticias/04/27/sicoob_tres_fronteiras/{/vsig}

SICREDI: Carteira de crédito cresce 36,9% em 2021, gerando desenvolvimento para as pessoas e comunidades

Construindo junto com seus 5,5 milhões de associados uma sociedade mais próspera, mantendo a missão de oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para a melhoria da qualidade de vida da sociedade, o Sicredi, segue em ritmo acelerado de crescimento. Em 2021, a instituição registrou crescimento de 36,9% em sua carteira de crédito, totalizando R$ 133,1 bilhões. Deste total, cerca de 35% foi para associados do setor rural, 34% para pessoas jurídicas e 31% para pessoas físicas.

Trabalho forte - “O ano de 2021 foi marcado por um trabalho muito forte realizado pelas nossas cooperativas de continuar próximas aos associados, focando suas necessidades e, entre outras ações, o crédito foi um instrumento fundamental para isso. Os dados comprovam ainda o diferencial do modelo cooperativista em seu relacionamento próximo, prestando sempre atendimento consultivo, com indicação de soluções que atendam a necessidade, mas não gerem endividamento aos associados”, afirma João Tavares, diretor presidente do Banco Cooperativo Sicredi.

Rural - Do total da carteira, o crédito destinado ao setor rural finalizou 2021 com o valor recorde de R$ 47,2 bilhões, crescimento de 41% em comparação com 2020. Do total, R$ 12,2 bilhões foram destinados à agricultura familiar por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e R$ 7,9 bilhões foram concedidos aos produtores de médio porte por meio do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). O dado consolida o Sicredi como a segunda maior instituição financeira em fomento do agronegócio no país, além de evidenciar o apoio aos pequenos produtores.

Pessoas jurídicas - A participação do crédito destinado às pessoas jurídicas foi de R$ 44,4 bilhões em 2021, aumento de 33% em comparação ao fechamento do ano anterior. Já o crédito para as pessoas físicas finalizou o ano em R$ 41,5 bilhões, crescimento de 37%. O modelo de atuação próximo da comunidade também faz com que o aumento do crédito não impacte a inadimplência, já que a concessão se dá de forma consultiva e voltada à realidade de cada associado. Dessa forma, a inadimplência se manteve abaixo de 1%, finalizando 2021 em 0,92%, patamar levemente inferior ao ano anterior.

Resultado líquido - Em 2021, o Sicredi atingiu resultado líquido de R$ 4,8 bilhões, 43,6% maior quando comparado com o fechamento do ano anterior. Os resultados são destinados aos associados e ao fortalecimento da própria instituição, permanecendo nas regiões onde são gerados, criando um círculo virtuoso que amplia a capacidade de atendimento da instituição, ampliando seu impacto positivo onde está inserida. Os ativos alcançaram um total de R$ 197,6 bilhões em 2021, crescimento de 27,6% em relação ao encerramento de 2020. O patrimônio líquido ficou em R$ 24,9 bilhões, crescimento de 23%.

Associados - O Sicredi finalizou 2021 com 5,5 milhões de associados, ante 4,9 milhões em 2020, um aumento de 13,8%. A instituição financeira cooperativa terminou o ano com 2.203 agências, o que representa um crescimento de 10,7% em relação a 2020. Através da presença física e do uso dos meios digitais, o Sicredi se mantém cada vez mais próximo de seus associados e das comunidades em que está inserido. O ano também marcou a entrada do Sicredi no Amapá e no Espírito Santo. A instituição fechou 2021 com atuação em 1,6 mil municípios, sendo que em mais de 200 deles é a única instituição financeira fisicamente presente. Atualmente, com a inauguração da primeira agência em Roraima, realizada já em 2022, o Sicredi está presente em todos estados brasileiros e no Distrito Federal.

Agenda ESG - Os números financeiros do Sicredi cresceram em sintonia com seus avanços nas práticas de impacto social e compromisso com o desenvolvimento sustentável. Somente no ano passado, foram concedidos R$ 24,6 bilhões em produtos da economia verde, que são aqueles que geram benefícios ambientais e sociais. O ano também marcou o lançamento do Sicredi FIC Ações Sustentáveis ESG, primeiro fundo de investimento com foco ESG da instituição, composto por ações de empresas da B3 referências em boas práticas sociais, ambientais e de governança.

Neutralização - A instituição neutralizou 100% das suas emissões de gases de efeito estufa por meio do apoio a cinco projetos alinhados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, por meio de auto geração de energia solar, reduziu o equivalente à emissão de 580 toneladas de dióxido de carbono.

Educação financeira - O Sicredi realizou em 2021 mais de 7,6 mil ações com foco em promover a educação financeira, as quais impactaram 19 milhões de pessoas entre associados e comunidade em geral. No Dia de Cooperar (Dia C), através de voluntariado, foram arrecadadas mais de 1,6 mil toneladas de alimentos para doação, que beneficiaram diretamente cerca de 400 mil pessoas. Os programas sociais com viés educacional conduzidos pelo Sicredi beneficiaram 441 mil crianças e adolescentes no ano.

Avanços na agenda de Governança - Com um modelo de governança reconhecido mundialmente, o Sicredi é organizado em um sistema formado por 108 cooperativas de crédito, cinco centrais regionais, a Confederação Sicredi, o Banco Cooperativo e demais empresas controladas e sua controladora, a Sicredi Participações. A Holding Sicredi Participações, consolida as decisões estratégicas do Sistema, contando com um Conselho de Administração formado por 13 membros, que inclui o presidente do Conselho, representantes das centrais, cooperativas singulares, um representante do parceiro holandês Rabobank e uma conselheira independente.

Presidente - Como evolução desse modelo de governança, desde 23 de março de 2022, Fernando Dall'Agnese passa a atuar exclusivamente como presidente da SicrediPar e deixa a presidência da Central Sicredi Sul/Sudeste. As alterações ocorrem em linha com as novas políticas de governança do Sicredi.

Comprometimento - “Ressaltamos a importância desse passo, o qual ratifica o comprometimento do Sicredi com a consolidação de uma estrutura de governança sólida e diversa, que possibilite ainda mais acerto nas tomadas de decisões estratégicas do nosso Sistema”, afirma Fernando Dall'Agnese, presidente da SicrediPar.

Primeira conselheira - Março de 2022 também marcou a entrada da primeira conselheira nos Conselhos de Administração da SicrediPar e do Banco Cooperativo. Andiara Petterle passa a ocupar a função de conselheira independente de Administração dessas instituições. Andiara tem mais de 20 anos de experiência liderando empresas em jornadas de transformação e crescimento, atuando em múltiplas funções como conselheira de administração, executiva, investidora e empreendedora. Atua em conselhos com foco em transformação de negócios, cultura, digital e ESG.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento de seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. Possui um modelo de gestão que valoriza a participação dos mais de 5,5 milhões de associados, que exercem o papel de donos do negócio. Com mais de 2.200 agências, o Sicredi está presente fisicamente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, disponibilizando mais de 300 produtos e serviços financeiros. Site do Sicredi: www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi)

{vsig}2022/noticias/04/27/sicredi/{/vsig}

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Prêmio da campanha da poupança é entregue a associado de Ubiratã (PR)

sicredi vale piquiri 27 04 2022Desenvolvida com o objetivo de despertar e incentivar nos brasileiros o hábito de poupar, a campanha Poupança Premiada Sicredi chega à sétima edição reforçando a importância do planejamento financeiro e da parceria para a realização dos sonhos pessoais ou familiares. Na Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, um dos premiados é associado da agência de Ubiratã (PR). Aloysio Ludwig foi um dos contemplados no sorteio semanal de R$ 5 mil.

Felicidade - “É uma felicidade para nós ter a oportunidade de contemplar um associado da cidade logo no início da campanha. Teremos muitos prêmios até dezembro, então aproveito para reforçar o quanto é vantajoso ter uma poupança no Sicredi. Além do rendimento e da segurança, é uma ótima chance de ganhar nos sorteios”, afirma a gerente da agência, Eliane Lima Salvador Sanches.

Leonardo e Zé Felipe - A campanha Poupança Premiada Sicredi traz a parceria com os cantores Leonardo e Zé Felipe, pai e filho, que destacam como é importante a cooperação para prosperar e vencer. A promoção, realizada pelas cooperativas nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, segue até dezembro, com 200 sorteios semanais de R$ 5 mil, um prêmio especial de R$ 500 mil, em outubro, celebrando o Dia Mundial da Poupança - além do grande sorteio final de R$ 1 milhão, em dezembro.

Número da sorte - Para participar é muito simples: a cada R$ 100 aplicados na poupança é gerado automaticamente um número da sorte para o associado concorrer nos sorteios, que são realizados pela Loteria Federal. Não é necessário se cadastrar. Se as aplicações forem na modalidade programada (quando o poupador autoriza o débito mensal na conta), as chances de ganhar são em dobro. Para verificar os números da sorte, nomes dos ganhadores, regulamento completo e outras informações, basta acessar o site da campanha (www.sicredi.com.br/promocao/poupancapremiada/).

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 33 anos de história, mais de 185 mil associados e 96 espaços de atendimento. A área de atuação da cooperativa abrange 43 localidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades do grande ABCD (www.sicredi.com.br/coop/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi conta com mais de 2.200 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

PROTEÇÃO DE PLANTAS: Mapa divulga lista com hierarquização de pragas de maior risco fitossanitário

protecao plantas 27 04 2022Uma lista com 83 pragas consideradas como de maior risco fitossanitário para o Brasil foi definida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), como resultado de um processo de sistematização e hierarquização coordenado pelo Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária.

Listagem - A listagem foi obtida por meio da aplicação do método Analytic Hierarchy Process (AHP), realizada em parceria com o Comitê Gestor do Portfólio de Sanidade Vegetal da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com o objetivo de subsidiar a priorização das análises das demandas de registro de produtos e tecnologias de controle de pragas, assim como de identificar os temas fitossanitários prioritários com vistas ao direcionamento dos esforços institucionais de regulação e pesquisa, no âmbito federal.

Ranking - As pragas foram avaliadas e ranqueadas com base em critérios e respectivos pesos e indicadores, definidos por grupo de especialistas composto por representantes do Mapa, Embrapa, Órgãos Estaduais de Defesa Agropecuária, Anvisa, Ibama, Anater e das Sociedades Brasileiras de Controle de Plantas Daninhas, Entomologia, Fitopatologia e Nematologia.

Análise estatística - A partir da análise estatística dos resultados obtidos, foi possível classificá-las em três categorias de risco: muito alto, alto e médio. A relação de pragas definida para cada um dos diferentes grupos de risco foi estruturada considerando-se a impossibilidade de se realizar uma distinção entre o nível de importância ou maior risco de um determinado organismo com relação ao outro.

Retrato atual - “A relação de pragas hierarquizadas de maior risco fitossanitário materializa o retrato atual dos principais problemas fitossanitários que afligem os produtores nacionais”, destaca a coordenadora-geral de Proteção de Plantas, Graciane de Castro. Segundo ela, devido à complexidade de fatores envolvidos, os resultados não devem ser considerados como um ranking único, sem o devido aprofundamento com relação aos diferentes critérios específicos e seus respectivos pesos e correlações.

Tomada de decisão - Além da priorização dos processos de registro de agrotóxicos e afins, o resultado deste trabalho será utilizado como subsídio a tomadas de decisão particularizadas em função dos diferentes objetivos institucionais envolvidos tais como a revisão dos atuais programas oficiais de prevenção e controle de pragas, a atualização dos parâmetros fitossanitários relativos aos padrões de qualidade de sementes e mudas e o realinhamento com relação às prioridades de pesquisa científica.

Ato normativo - A publicação sobre a prioridade dos registros de agrotóxicos se fará por meio de ato normativo da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) nos próximos dias. (Mapa)

Veja a Nota Técnica completa

FOTO: Clenio Araujo / Embrapa

 

IPCA-15: Prévia da inflação de abril acelera para 1,73%, maior para o mês desde 1995

ipca destaque 27 04 2022A prévia da inflação de abril acelerou para 1,73%, 0,78 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de março (0,95%). Essa é a maior variação mensal do indicador desde fevereiro de 2003 (2,19%). Também é a maior variação para um mês de abril desde 1995, quando o índice foi de 1,95%. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 4,31% e, em 12 meses, de 12,03%, acima dos 10,79% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril de 2021, a taxa foi de 0,60%.

Transportes - Esse resultado foi influenciado pelos transportes (3,43%), principalmente, pelo aumento no preço da gasolina, que teve alta de 7,51% e contribuiu com o maior impacto individual no índice do mês (0,48 p.p.), reflexo do reajuste no preço médio do combustível nas refinarias. Também subiram os preços do óleo diesel (13,11%), do etanol (6,60%) e do gás veicular (2,28%).

Passagens aéreas - As passagens aéreas, que haviam recuado em março (-7,55%), subiram 9,43% em abril. Os preços do seguro voluntário de veículo (3,03%) aceleraram pelo oitavo mês consecutivo, acumulando 23,46% de variação nos últimos 12 meses. Houve altas ainda nos preços dos táxis (4,36%), nas passagens de metrô (1,66%) e dos ônibus urbanos (0,75%).

Avanço - Os preços de alimentos e bebidas avançaram 2,25%, puxados pela alta dos itens consumidos no domicílio (3,00%), principalmente, o tomate (26,17%) e o leite longa vida (12,21%), que contribuíram conjuntamente com 0,16 p.p. no resultado do IPCA-15. Outros produtos também tiveram altas expressivas: a cenoura (15,02%), o óleo de soja (11,47%), a batata-inglesa (9,86%) e o pão francês (4,36%).

Fora do domicílio - Já a alimentação fora do domicílio (0,28%) desacelerou em relação a março (0,52%). Enquanto a refeição passou de 0,25% em março para 0,45% em abril, o lanche seguiu movimento inverso, passando de 0,92% para 0,07%.

Gás do botijão - A alta do gás de botijão (8,09%) teve o maior impacto (0,11 p.p.) em habitação (1,73%). Também subiram os preços do gás encanado (3,31%). A segunda maior contribuição no grupo (0,09 p.p.) foi da energia elétrica (1,92%), com os reajustes de mais de 15% nas duas concessionárias pesquisadas no Rio de Janeiro (11,25%).

Vestuário - Todos os itens do vestuário (1,97%) tiveram alta em abril, inclusive as joias e bijuterias (0,61%), cujos preços haviam caído em março (-0,53%). A maior contribuição, porém, veio das roupas femininas, com alta de 2,70%.

Saúde e cuidados pessoais - O grupo saúde e cuidados pessoais (0,47%) desacelerou em relação a março (1,30%) por conta dos itens de higiene pessoal (-0,87%), que haviam subido 3,98%. Já os produtos farmacêuticos tiveram alta de 3,37%, depois da autorização do reajuste de até 10,89% no preço dos medicamentos, a partir de 1º de abril.

Abril - Com exceção de comunicação (-0,05%), todos os grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em abril. Os demais grupos ficaram entre o 0,05% de educação e o 0,94% de artigos de residência.

Em abril, IPCA-15 tem alta em todas as áreas pesquisadas - A pesquisa mostra também que os preços aceleraram em todas as áreas pesquisadas. A maior variação ocorreu em Curitiba (2,23%), influenciada pela alta de 10,25% nos preços da gasolina. Já o menor resultado ficou com Salvador (0,97%), onde houve queda de 1,46% nos artigos de higiene pessoal e de 8,14% nas passagens aéreas.

Mais sobre a pesquisa - O IPCA-15 difere do IPCA, a inflação oficial do país, somente no período de coleta e na abrangência geográfica. Para o cálculo do índice de abril, os preços foram coletados entre 17 de março e 13 de abril de 2022 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 12 de fevereiro a 16 de março de 2022 (base).

Rendimento - O IPCA-15 refere-se a famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, residentes nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. Veja os resultados completos no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Helena Pontes / Agência IBGE Notícias

 

ipca 27 04 2022

 

ECONOMIA: Consumidor arcará com R$ 30,2 bi de déficit do setor elétrico em 2022

economia 27 04 2022O consumidor arcará, em 2022, com déficit de R$ 30,219 bilhões da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). A estimativa foi aprovada nesta terça-feira (26/04) pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e pode resultar em impacto médio de 3,39% na conta de luz dos consumidores de todo o país.

Regiões - O efeito varia conforme as regiões. Os consumidores do Sul, do Sudeste e do Centro-Oeste terão impacto de 4,65% nas tarifas. Para os consumidores do Norte e do Nordeste, o aumento será um pouco menor: 2,41%.

Resultado negativo - O resultado negativo de 2022 será 54,3% maior que o de 2021. No ano passado, a CDE registrou déficit de R$ 19,581 bilhões.

Fundo setorial - Fundo setorial que financia diversos subsídios ao setor energético, a CDE reúne nove subsídios para consumidores de baixa renda, rurais, produtores que utilizam fontes renováveis, distribuidoras de pequeno porte e cooperativas de eletrificação e produtores de carvão mineral. O déficit do fundo é repassado aos consumidores.

Diminuição - Segundo o diretor Hélvio Guerra, relator da proposta de orçamento da CDE, o resultado negativo pode ser diminuído caso a CDE receba R$ 5 bilhões adicionais decorrentes do processo de privatização da Eletrobras.

Fim de bandeira - O repasse do déficit da CDE aos consumidores representa mais um componente das tarifas de energia em 2022. Algumas medidas recentes resultarão em tarifas mais baixas, como o fim das bandeiras tarifárias, que entrou em vigor no último dia 16 e representará redução de cerca de 20% na conta de luz.

Recuperação dos reservatórios - A recuperação dos reservatórios das principais usinas hidrelétricas no Sudeste e no Centro-Oeste contribuiu para a retirada das bandeiras tarifárias. Essas bandeiras custeiam o acionamento de usinas termelétricas para cobrir a escassez de energia hídrica.

Empréstimo - Mesmo com o fim das bandeiras tarifárias, o consumidor arcaria com gastos extras em 2022 para cobrir os impactos financeiros da crise hídrica do ano passado. Para evitar um tarifaço neste ano, o governo editou medida provisória autorizando empréstimo de um pool de bancos públicos e privados para as distribuidoras de energia serem ressarcidas.

Empréstimo - Em março, a Aneel aprovou empréstimo, no valor de R$ 10,5 bilhões. Apesar de reduzir a alta da tarifa neste ano, a operação de crédito resultará em tarifas mais altas para os consumidores a partir de 2023. Isso porque caberá aos consumidores pagar o empréstimo em parcelas ao longo dos próximos anos, por meio de um encargo na conta de luz. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

CÂMBIO: Dólar fecha a R$ 4,99 e acumula alta de 8% em três dias

cambio 27 04 2022Num dia de forte nervosismo no mercado internacional, o dólar aproximou-se de R$ 5, mesmo com o Banco Central (BC) intervindo no câmbio. A bolsa de valores caiu pela sétima vez consecutiva e atingiu o menor nível desde o fim de janeiro.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta terça-feira (26/04) vendido a R$ 4,991, com alta de R$ 0,115 (+2,36%). A cotação operou em alta durante toda a sessão e só não ultrapassou os R$ 5 porque o BC fez um leilão extra de US$ 500 milhões em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Alta acumulada - Com o desempenho desta terça, a moeda norte-americana acumula alta de 8,04% apenas nas últimas três sessões. A divisa acumula alta de 4,83% em abril e queda de 10,49% em 2022.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela volatilidade. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 108.213 pontos, com queda de 2,23%. O indicador acompanhou os mercados norte-americanos e caiu, puxado por ações de bancos brasileiros, que divulgaram lucros menores que o previsto.

Fatores - Dois fatores têm contribuído para a instabilidade do mercado financeiro global nos últimos dias. O primeiro é o aumento no número de casos de covid-19 na China, que reforça as expectativas de desaceleração da segunda maior economia do planeta por causa das medidas de lockdown adotadas em Xangai e a possibilidade de que o mesmo ocorra em Pequim. Isso acarreta a queda no preço das commodities (bens primários com cotação internacional), muitas delas exportadas pelo Brasil.

Fed - O segundo fator são declarações recentes de diretores do Federal Reserve (Fed, Banco Central dos Estados Unidos) de que o órgão pode aumentar os juros básicos norte-americanos além do esperado para segurar a inflação no país, que está no maior nível em 40 anos. Juros mais altos nos Estados Unidos estimulam a fuga de capitais de países emergentes.

Impacto - As bolsas norte-americanas também foram afetadas pelas expectativas de juros mais altos pelo Fed. O índice Dow Jones, das empresas industriais, caiu 2,38% nesta terça. O S&P 500, das 500 maiores empresas, recuou 2,81%. O Nasdaq, das empresas de tecnologia, teve perda de 3,95%. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

LEGISLATIVO: Debatedores alertam comissão sobre possíveis retrocessos na Lei da Aprendizagem

legislativo 27 04 2022O presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), Diego Alves, disse nesta terça-feira (26/04) que eventuais retrocessos na Lei da Aprendizagem podem ampliar casos de trabalho infantil no Brasil. Ele participou de audiência pública na comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a criação do Estatuto do Aprendiz (Projeto de Lei 6461/19).

Falta de oportunidades - “Crianças e adolescentes não trabalham porque querem, mas por falta de outras oportunidades de renda e de emprego para os pais”, afirmou o presidente do Conanda, instância máxima de políticas públicas para a infância e a adolescência na esfera federal.

Ampliação- Diego Alves disse que a aprovação de um novo marco legal para a aprendizagem deve servir para ampliar o número de aprendizes no País e para conter ataques de quem é contra as cotas para jovens nas empesas.

Situação especial - “A aprendizagem é uma situação especial, um trabalho protegido, orientado, que garante a continuidade do direito à educação e que permite uma transição segura para o mundo do trabalho”, concluiu.

Proposição - O debate no colegiado foi proposto pelos deputados Felipe Rigoni (União-ES), presidente da comissão especial, e Marco Bertaiolli (PSD-SP), relator do projeto. Entre outros pontos, a proposta, de autoria do deputado André de Paula (PSD-PE) e mais 25 parlamentares, estabelece condições sobre contratos de trabalho, cotas para contratação, formação profissional e direitos dos aprendizes.

Retrocessos - Presidente da Fundação Movimento Universitário de Desenvolvimento Econômico e Social, Cleto de Assis reforçou a ideia de que a criação do Estatuto do Aprendiz deve garantir a consolidação da aprendizagem como política púbica.

Dique - “O Projeto de Lei representa um forte dique a conter pretensões negativas ao programa”, disse. Assis, no entanto, apontou três dispositivos do projeto que, segundo ele, deveriam ser suprimidos por representarem um retrocesso em relação às regras atuais.

Dispositivos - Os dispositivos estabelecem que a cota de aprendizes que cada empresa deverá cumprir poderá variar conforme o número de empregados, prevê que o aprendiz efetivado continue sendo contabilizado na cota por até 12 meses e permite a contagem em dobro de jovens em situação de vulnerabilidade.

Proporcionalidade - “A contagem em dobro da contratação de adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social não atende ao princípio da proporcionalidade e inclui viés discriminatório, como se se admissão desses jovens constituísse para o empregador ônus ou encargo adicional se comparado à contratação de outros autores entre os jovens”, disse Assis, ao sugerir a supressão do dispositivo.

O que diz o projeto - O projeto em tramitação prevê que as empresas poderão contratar, como aprendizes, entre 4% e 15% da sua força de trabalho. A cota poderá ser menor, a depender da quantidade de empregados – o projeto detalha os percentuais, inclusive para microempresas. A contratação deverá atender, prioritariamente, os jovens matriculados no ensino básico. O jovem em situação de vulnerabilidade ou risco social contratado como aprendiz será contabilizado em dobro para efeito de cumprimento da cota.

Lei da Aprendizagem - Atualmente, a Lei da Aprendizagem determina que empresas com mais de seis funcionários empreguem e matriculem em cursos profissionalizantes jovens aprendizes entre 14 e 24 anos. Essas contratações devem preencher entre 5% e 15% dos postos de trabalho disponíveis. A lei não se aplica a micro e pequenas empresas.

Alterações - Procurador do Ministério Público do Ceará, Antonio Lima, que coordena o Programa de Educação Contra a Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Peteca), defendeu as alterações propostas por Assis, em especial a exclusão da contagem de dobro. “Pedimos a retirada desse artigo. Ele não contribui em nada. É como se a pessoa pobre fosse um peso e, ao ser contratada, a empresa seria beneficiada com a redução da sua cota pela metade”, disse.

Exemplos - Representantes da varejista Magazine Luiza e da fabricante de alimentos e de produtos de higiene Unilever apresentaram exemplos práticos da contratação de jovens e adolescentes como aprendizes. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Elaine Menke / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: País registra 22,1 mil casos e 144 mortes em 24 horas

saude I 27 04 2022As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 22.142 novos casos de covid-19. De acordo com os órgãos, foram confirmadas 144 mortes por complicações associadas à doença.

Total - Com os novos dados, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia chegou a 30.378.061. Na segunda-feira (25/04), o sistema de informações do Ministério da Saúde trazia 30.355.919 casos acumulados.

Acompanhamento - O número de casos em acompanhamento de covid-19 está em 264.354. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta e nem resultaram em óbito.

Mortes - Com os números desta terça-feira (26/04), o total de mortes alcançou 662.866. Até segunda-feira (25/04), o painel de informações da pandemia marcava 662.722 vidas perdidas.

Investigação - Ainda há 3.167 mortes em investigação. As mortes em investigação ocorrem pelo fato de haver casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demandar exames e procedimentos posteriores.

Recuperadas - Até esta terça-feira, 29.450.841 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 96,9% dos infectados desde o início da pandemia.

Atualização - Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta terça-feira (26/04). Nela, são consolidadas as informações enviadas por secretarias municipais e estaduais de saúde sobre casos e mortes associados à covid-19.

Números - Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras o nos dias seguintes aos feriados em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (168.060), Rio de Janeiro (73.254), Minas Gerais (61.231), Paraná (43.268) e Rio Grande do Sul (39.268).

Menos - Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.002), Amapá (2.130), Roraima (2.147), Tocantins (4.150) e Sergipe (6.342).

Vacinação - Até esta terça-feira, foram aplicadas 411,3 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 174,4 milhões com a 1ª dose, 153,9 milhões com a 2ª dose e 4,8 com a dose única. Outros 73,8 milhões já receberam a dose de reforço e 3,1 milhões ganharam dose adicional. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2022-04-26 at 7.31.20 pm

 

SAÚDE II: Média móvel de óbitos por Covid-19 é a menor desde janeiro, aponta boletim

saude II 27 04 2022Segundo o Informe Epidemiológico da Covid-19 desta terça-feira (26/04), a média móvel de mortes dos últimos sete dias no Paraná está em 1. O resultado é a divisão do número de mortes registradas no período por sete dias da semana. A média não era tão baixa desde 11 de janeiro deste ano, quando subiu de 1 para 2, no começo da onda da Ômicron.

Queda - Além disso, o documento também registra uma queda de 36,8% na média móvel de óbitos em relação a 14 dias atrás.

Soma - Nesta terça, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou mais 2.237 casos confirmados e oito mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados são das últimas 24 horas e de resgates anteriores.

Meses - Os casos são de abril (1.693), março (13), fevereiro (116) e janeiro (388) de 2022; dezembro (2), novembro (1), outubro (4), setembro (2), agosto (1), julho (3), junho (1) e abril (7) de 2021; e outubro (2), setembro (1), agosto (1) e junho (2) de 2020. Os óbitos divulgados nesta data são de abril (8) de 2022.

Soma - Os resultados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 2.435.223 casos confirmados e 42.850 mortos pela doença.

Internados - 98 pacientes com diagnóstico confirmado ou suspeito de Covid-19 estão internados em leitos SUS (44 em UTIs e 54 em leitos clínicos/enfermaria).

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais oito pacientes. São quatro mulheres e quatro homens com idades que variam entre 2 e 87 anos. Os óbitos ocorreram entre 8 e 25 de abril de 2022.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Londrina (2), Quinta do Sol, Jataizinho, Guarapuava, Foz do Iguaçu, Cruzeiro do Oeste e Antônio Olinto.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 10.878 casos de residentes de fora do Estado – 233 pessoas foram a óbito. (Agência Estadual de Notícias)

Confira o informe completo clicando AQUI.

 

Confira o relatório de ajustes e exclusões AQUI.

 

SAÚDE III: Mais de meio milhão de vacinas contra a gripe já foram aplicadas no Paraná

 

saude III 27 04 2022Dados do Vacinômetro do Ministério da Saúde apontam que 532.707 vacinas contra a Influenza foram aplicadas no Paraná até esta terça-feira (26/04). A campanha nacional teve início no dia 4 de abril e deve seguir até 3 de junho, sendo o próximo sábado (30/04) o dia D de mobilização social.

 

Envio - Até agora, o governo federal enviou mais de 2 milhões de imunizantes para o Paraná. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) já descentralizou estas doses e aguarda um novo envio nesta quinta-feira (28/04). A estimativa é que 4,3 milhões de pessoas deverão ser vacinadas durante a campanha e a meta é atingir pelo menos 90% do público-alvo.

 

Avançar - “Embora tenhamos um número considerável de vacinas aplicadas, precisamos avançar mais. A secretaria conta com o apoio dos municípios para reforçar a importância da imunização e a proteção contra as Síndromes Respiratórias Agudas Graves”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

 

Subtipos - A vacina atualizada protege contra os subtipos da Influenza A (H1N1 e H3N2) e um subtipo da Influenza B. Em janeiro deste ano, o Paraná declarou epidemia de H3N2, após um aumento no número de diagnósticos e mortes em decorrência do vírus. Foram mais de 2 mil casos e 118 óbitos entre dezembro e março.

 

Única ferramenta - “Mesmo que não estejamos mais em situação de epidemia, é importante que as pessoas se conscientizem e procurem um ponto de vacinação para receber o imunizante. A vacina é nossa única ferramenta contra essas doenças”, acrescentou o secretário.

 

Dados - Os municípios com o maior número absoluto de doses aplicadas são Curitiba (51.455), Londrina (39.667), Cascavel (18.003), Ponta Grossa (13.630), Guarapuava (12.858), São José dos Pinhais (12.828), Foz do Iguaçu (11.330), Colombo (8.572), Arapongas (7.825) e Toledo (7.509).

 

Cobertura vacinal - Com relação à cobertura vacinal, as cidades que mais atingiram os grupos prioritários são Itaúna do Sul (56,1%), Santa Cecília do Pavão (55,4%), Doutor Camargo (48,8%), Arapuã (47,7%), Rosário do Ivaí (47,6%), Floresta (47,5%), Sulina (47,5%), São Pedro do Paraná (46,9%), Janiópolis (46,8%) e Guapirama (46,3%).

 

Grupo prioritário - O grupo prioritário com maior cobertura até agora é o de idosos, com 26% – em números absolutos, 463.546 doses. As faixas etárias que lidaram a adesão ao imunizante são entre 65 a 69 anos (108.298), 70 a 74 anos (101.308) e 60 a 64 anos (99.973), respectivamente.

 

Grupos - A imunização contra a influenza é realizada em duas etapas. A primeira, de 4 de abril e 2 de maio, é direcionada para idosos acima de 60 anos e trabalhadores da saúde.

 

Segunda - A segunda, entre os dias 3 de maio e 3 de junho, abrangerá os seguintes grupos: crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); gestantes e puérperas; povos indígenas; professores; comorbidades; pessoas com deficiência permanente; forças de segurança e salvamento e forças armadas; caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso; trabalhadores portuários; funcionários do sistema prisional; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

 

Instituição privada - Pessoas que não fazem parte desses grupos podem tomar a vacina contra a gripe em instituição privada.

 

Sarampo - Este ano a campanha de vacinação contra o Sarampo é realizada junto com a vacinação da gripe, reforçando a necessidade da prevenção tanto contra os vírus respiratórios, quanto para doenças que já foram erradicadas.

 

8ª Campanha - Esta é a 8ª campanha de imunização contra a doença e busca atingir crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade, além de atualizar a situação vacinal de trabalhadores da saúde. No último ano, a cobertura vacinal do Paraná ficou em 82,45%. O Estado não registrou casos da doença em 2021 e 2022. Em 2019 foram contabilizados 1.653 casos e 428 em 2020.

 

Administração simultânea - O imunizante tríplice viral pode ser administrado simultaneamente com a vacina da influenza a partir dos seis meses de idade. Para os trabalhadores da saúde, pode haver coadministração das vacinas tríplice viral e da vacina contra a Covid-19.

 

Aplicadas - Segundo o Vacinômetro Nacional, 8.685 vacinas foram aplicadas no Estado. A estimativa do Ministério da Saúde é que 965.468 pessoas estejam elencadas como população-alvo para esta imunização contra o sarampo. Destas, 272.817 são trabalhadores da saúde; 73.128 direcionadas a crianças de seis meses a menores de um ano; 146.255 com um ano de idade e 157.756 para dois, três e quatro anos, para cada uma dessas faixas.

 

Imunização - “O Paraná ficou mais de 20 anos sem casos de sarampo, chegando a erradicar a doença no Estado, mas desde 2019 voltamos a confirmar casos, por isso a imunização contra a doença é indispensável”, reforçou o secretário. (Agência Estadual de Notícias)

FOTO: Américo Antonio / Sesa

 

SAÚDE IV: Estado passa dos 90 mil casos notificados de dengue, aponta boletim

saude IV 27 04 2022O boletim semanal da dengue, publicado nesta terça-feira (26/04) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), registra 94.344 casos notificados no Paraná. São 14.340 a mais na comparação com a semana passada. Além disso, são 30.010 confirmações, 6.849 a mais, um aumento cerca de 30% em relação aos números do informe anterior.

Confirmação - Dos 369 municípios que registraram notificações de dengue (92,4% do Estado), 300 já confirmaram a doença (75,1%). De acordo com o relatório, 261 deles confirmaram casos autóctones no período, ou seja, a dengue foi contraída no município de residência dos pacientes. Nesta semana, não houve registro de nenhum óbito – o total ainda é de cinco, em Nova Esperança, Arapongas, Tapira, Matelândia e Medianeira.

Informe - Os dados são do 35º Informe Epidemiológico, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1º de agosto e deve seguir até julho de 2022.

Condição epidêmica - No dia 19 de abril o Estado confirmou condição epidêmica de dengue por conta dos casos prováveis e confirmados, que estavam acima do esperado para o período epidemiológico. Diante deste cenário e do aumento dos casos, as equipes da Vigilância Ambiental da Sesa se reuniram com gestores municipais das regiões Oeste e Sudoeste para o enfrentamento do surto da doença.

Orientações - A equipe da Seção de Apoio Logística de Insumos e Equipamentos (Scali), junto com a Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores (DVDTV) e o Núcleo de Vigilância Entomológica de Londrina, está na 6ª Regional de Saúde de União da Vitória para orientações e capacitações quanto ao uso de equipamentos costais motorizados, identificação de larvas e dos principais criadouros para orientação dos agentes de combate a endemias da região.

Meses - “Historicamente, nos meses de março, abril e maio são registrados os maiores números de casos de dengue no Paraná. Por isso, ainda temos muito trabalho a ser feito e precisamos da atenção de todos para observar o domicílio, remover os criadouros e cuidar do quintal”, enfatizou o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

Transmissão - As arboviroses (dengue, zika e chikungunya) são transmitidas pela picada do Aedes aegypti. É necessário ficar atento a possíveis criadouros do mosquito e, assim, eliminar esses locais de risco, para evitar a propagação das doenças. É fundamental que a pessoa identifique os sintomas das arboviroses para buscar o serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequado, o quanto antes. (Agência Estadual de Notícias)

Confira o Informe completo AQUI .

FOTO: AEN

 

ANS I: Dados sobre a utilização de planos na pandemia são atualizados

 

ans boletim 27 04 2022A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou, nesta terça-feira (26/04), a edição de abril do Boletim Covid-19, com dados sobre o comportamento do setor de planos de saúde durante a pandemia de Covid-19. A edição traz dados atualizados até março de 2022.

 

Beneficiários - O número de beneficiários apresentou aumento de 0,23% em relação ao mês anterior, mantendo o crescimento iniciado no mês de julho de 2020. A quantidade de leitos alocados para atendimento a casos de Covid-19 nos hospitais da amostra apresenta nova redução em comparação ao mês anterior, passando para 8,4%.

 

Econômico-financeiras - A edição de abril traz ainda as informações econômico-financeiras, pelas quais são informadas a sinistralidade no período e inadimplência, além das demandas dos consumidores recepcionadas pela ANS por meio de seus canais de atendimento.

 

Evolução - O objetivo do Boletim Covid-19 é monitorar a evolução de indicadores relevantes do setor de planos de saúde nesse período, subsidiando análise qualificada da agência reguladora e prestando mais informações à sociedade.

 

Clique aqui para acessar a edição de abril do Boletim Covid-19 – Saúde Suplementar.

 

Crescimento - O número preliminar de beneficiários em planos de assistência médica relativo a março de 2022 segue a tendência de crescimento observada desde julho de 2020. O total de 49.074.356 beneficiários representa aumento de 0,23% em relação a fevereiro de 2022. A taxa de adesão (entradas), considerando todos os tipos de contratações, é superior à taxa de cancelamento (saídas) nos planos médicos hospitalares. O tipo de contratação responsável por esta superioridade é o coletivo empresarial que se mantém, desde julho de 2020, com mais entradas do que saídas de beneficiários.

 

Variação positiva - Considerando o tipo de contratação do plano e a faixa etária do beneficiário, observa-se que a variação foi positiva para os beneficiários acima de 59 anos em todos os tipos de contratação ao longo dos meses de março de 2020 até março de 2022.

 

Informações assistenciais - A proporção de leitos destinados para atendimento à Covid-19 nos hospitais da amostra apresenta nova redução em março de 2022, tanto para leitos comuns quanto para leitos de UTI. A taxa mensal geral de ocupação de leitos, que engloba tanto atendimento à Covid-19 como demais procedimentos, ficou em 77% no período, um ponto percentual acima do patamar observado em março de 2021, quando o país enfrentava a segunda onda da doença.

 

Queda significativa - A ocupação de leitos comuns e de UTI para casos de Covid-19 apresentou queda significativa em março de 2022, passando de 58% para 44%. Já a ocupação de leitos para atendimento a demais procedimentos registrou aumento em relação ao mês anterior, tendo ficado em 80% no mês de março.

 

Exames e terapias - A busca por exames e terapias ficou 16% acima do patamar verificado em março de 2021. E os atendimentos em pronto-socorro que não geraram internação aumentaram em relação ao patamar inicial, observado antes do início da pandemia. O custo médio de internação para Covid-19 com UTI em março de 2022 ficou acima do custo das diárias de internação cirúrgica e clínica no período.

 

Exames - Dos dados sobre realização de exames de detecção de Covid-19, destaca-se que, tanto o número de exames de RT-PCR como os exames de pesquisa de anticorpos, tiveram aumento expressivo em relação a janeiro de 2022, em decorrência à variante Ômicron, registrando 45,5% e 76,3%, respectivamente. Na comparação com o mesmo período de 2021, houve aumento de 30,5% nos exames de RT-PCR e queda de 53,7% para as pesquisas de anticorpos realizadas no setor.

 

Sinistralidade de caixa - No encerramento de 2021, tanto o 3º quanto o 4º trimestre apresentam índice de sinistralidade de caixa (despesas assistenciais/receitas) no mesmo patamar dos dois últimos trimestres de 2019 (período pré-pandemia).

 

Dados mensais - Em 2022, ao analisar os dados mensais, observa-se queda de três pontos percentuais na sinistralidade de março em relação ao mês anterior. Já a taxa de sinistralidade do 1º trimestre de 2022 atingiu 81%, quatro pontos percentuais acima da sinistralidade trimestral de mesmo período de 2019. Percebe-se certa estabilidade desse indicador nos últimos 4 trimestres, com variação de somente três pontos percentuais entre os valores durante todo o período, sem que tenha sido verificada a habitual sazonalidade do setor no último trimestre. A ANS permanecerá monitorando a evolução desses dados no setor.

 

Inadimplência - Sobre a inadimplência, os dados de março de 2022 comparados com o mês anterior indicam oscilações suaves, dentro do comportamento histórico deste indicador. Observa-se redução de dois pontos percentuais na inadimplência total de planos com preço preestabelecido. Já o percentual de inadimplência de planos coletivos registra queda de três pontos percentuais. Para planos individuais/familiares, percebe-se queda de dois pontos percentuais na comparação com fevereiro de 2022. Todos esses indicadores mantêm-se próximos aos seus patamares históricos.

 

Demandas dos consumidores - Os dados de março de 2022 mostram que houve aumento de 21,4%, em comparação ao mês anterior, no total de reclamações que foram passíveis de intermediação pelo instrumento da Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), com maior predominância de temas de natureza assistencial. Quanto às demandas relacionadas à Covid-19, houve queda significativa. Em março de 2022, a ANS registrou 339 reclamações sobre o tema. Do total de queixas relacionadas ao coronavírus, 48% dizem respeito a dificuldades relativas à realização de exames e tratamento para a doença. A intermediação de conflitos feita pela ANS, entre consumidores e operadoras, tem resolvido mais de 90% dessas reclamações.

 

Monitoramento diário - No portal da reguladora, é possível acessar o monitoramento diário das demandas sobre Covid-19.

 

Consulte o monitoramento diário das demandas sobre Covid-19.

 

Sobre os dados - Para a análise dos indicadores assistenciais, a ANS considerou informações coletadas em uma amostra de 49 operadoras que possuem rede própria hospitalar. Para os índices econômico-financeiros, foram analisados dados de 103 operadoras para o estudo de fluxo de caixa e análise de inadimplência. Juntas, as operadoras respondentes para esses grupos de informação compreendem 74% dos beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares. Adicionalmente, na construção do boletim, foram utilizados dados do Documento de Informações Periódicas (DIOPS), do Sistema de Informações de Fiscalização (SIF) e o Sistema de Informação de Beneficiários (SIB). (ANS)

 

 

ANS II: Agência disponibiliza a atualização dos painéis com os dados econômico-financeiros

 

saude V 27 04 2022Já está disponível no portal da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a atualização do Prisma Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar, do Painel Contábil da Saúde Suplementar, do Anuário: Aspectos Econômico-Financeiros das Operadoras de Plano de Saúde e do Atlas Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar. Os quatro painéis apresentam dados econômico-financeiros do setor em uma ferramenta dinâmica, com interface simples e de fácil compreensão para toda a sociedade.   

 

Grupos - OPrisma é dividido em três grandes grupos: Dados Consolidados do Setor de Saúde Suplementar, Ativos Garantidores e Provisões Técnicas e Indicadores Econômico-Financeiros (ponderados e não ponderados). Apresenta a evolução dos dados econômico-financeiros do setor de forma consolidada e por modalidade de operadoras de planos de saúde. O Prisma é atualizado com dados trimestrais das operadoras; e apresenta agora os dados relativos ao 4º trimestre de 2021.  

 

Confira aqui o Prisma Econômico-Financeiro

 

Painel Contábil - No caso do Painel Contábil, o principal objetivo é apresentar, de forma dinâmica, os dados contábeis já divulgados no portal da ANS e no Portal Brasileiro de Dados Abertos, ampliando a transparência das informações enviadas pelas operadoras à Agência.  O painel é atualizado com dados trimestrais das operadoras; e apresenta agora os dados relativos ao 4º trimestre de 2021. A novidade nesta edição é a inclusão de uma nova página na qual é possível consultar diferentes indicadores, como sinistralidade e índice combinado, em três bases temporais distintas: por trimestre, por período de 12 meses e acumulado no ano. 

 

Acesso o Painel Contábil da Saúde Suplementar

 

Aspectos econômico-financeiros - Já o Anuário apresenta aspectos econômico-financeiros de cada operadora de plano de saúde, como dados do Balanço Patrimonial e da Demonstração de Resultados do Exercício, além de diversos indicadores necessários para uma análise mais detalhada das empresas do setor. O Anuário é atualizado anualmente e apresenta agora os dados relativos a 2021.  

 

Clique aqui e acesse ao Anuário da Saúde Suplementar

 

Visão concorrencial - O Atlas oferece uma visão concorrencial do setor, apresentando indicadores de concentração, número de beneficiários, identificação das operadoras que possuem as maiores fatias de mercado e receitas e despesas assistenciais estimadas para cada um dos 148 mercados relevantes de planos individuais e familiares, coletivos por adesão e coletivos empresariais. O Atlas apresenta também a evolução dos dados anualmente e apresenta agora os dados relativos a 2021.  

 

Novidades - Além disso, duas novidades estarão disponíveis aos usuários no Atlas: 

I. A partir de agora será possível consultar a quantidade de planos (produtos) comercializáveis e de operadoras que os oferecem por mercado relevante. O objetivo é indicar quantos produtos estão efetivamente à disposição do consumidor. 

II.  Também será possível ter uma visão por operadora. Nela se consulta a importância dos principais mercados relevantes em que cada uma atua para a respectiva carteira. 

 

Confira o Atlas Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar 

 

Competências - Os dados que constam nos painéis incluem também as demais competências desde 2018, e são extraídos de Documentos de Informações Periódicas das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde (DIOPS), do Sistema de Cadastro de Operadoras (CADOP), do Sistema de Informações de Beneficiários (SIB) e das Notas Técnicas de Registro de Produtos (NTRP). (ANS)

 


Versão para impressão


RODAPE