Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5381 | 10 de Agosto de 2022

DIREITO COOPERATIVO: Faltam 15 dias para o Seminário da Região Sul; garanta sua vaga no evento

Em 15 dias, será realizado o Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul, numa iniciativa conjunta das Organizações Estaduais das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Santa Catarina (Ocesc) e Rio Grande do Sul (Ocergs). Desta vez, o Sistema Ocesc será o anfitrião do evento, que ocorre nos dias 25 e 26 de agosto, em Florianópolis (SC). O primeiro dia será dedicado a debater os 10 anos do Código Florestal Brasileiro, enfocando a corresponsabilidade entre cooperativas e cooperados nas áreas ambiental, fiscal e trabalhista, com Leonardo Papp, e “Liquidação e recuperação de cooperativas”, com Gustavo Diniz.

Segundo dia - A programação do dia seguinte inicia com a participação de Cristian Groff, que irá falar sobre o tema “Sistema OCB: LGPD e a função do DPO na cooperativa”. Na sequência, Ana Paula Andrade dos Santos apresentará o site institucional da LGPD. Já Fabiano Jantalia discorrerá a respeito da “Utilização do Fates, critérios e segurança jurídica” e Rodrigo Forcenette tratará de “LC 160/2017 – Classificação dos benefícios de ICMS como subvenção para investimento e posicionamento da Receita Federal do Brasil.”

Sobre os palestrantes - Leonardo Papp é advogado, com atuação nas áreas de meio ambiente, negócios imobiliários e patrimônio. Também é doutor em Direito Econômico e Socioambiental pela PUCPR, e professor de Direito Ambiental e de Direito Imobiliário (CatólicaSC). Gustavo Diniz é professor associado de Direito Comercial da USP-FDRP, doutor e livre docente em Direito Comercial pela USP. Possui mestrado pela Unesp, é parecerista, árbitro e advogado. Cristhian Groff é advogado com ampla experiência em consultivo e contencioso judicial na área de Direito Cível Empresarial e Direito Digital. Ana Paula Andrade Ramos é assessora jurídica da Organização das Cooperativa Brasileiras (OCB). Fabiano Jantalia é doutor e mestre em Direito pela UnB; possui MBA em Finanças pela FGV, é especialista em Direito do Estado pela UERJ e bacharel em Direito pela UERJ. Rodrigo Forcenette é mestre em Direito Tributário pela PUC/SP, coordenador adjunto do Curso de Direito da Unip, professor de pós-graduação, autor de livros e artigos.

Inscrições - Clique aqui para obter mais detalhes sobre a programação do evento e efetivar as inscrições. Os organizadores orientam os participantes das outras regiões a se cadastrarem como Sescoop/SC no momento de se inscrever.

Rádio PR Cooperativo - Em entrevista ao jornalistaAlexandre Salvador para a rádio PR Cooperativo, o advogado da Ocepar, Marlon Dreher, destaca os temas que estarão em debate no seminário. Clique nos links abaixo para conferir.

"Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul" debaterá grandes temas já no primeiro dia

LGPD, Fates e ICMS fecham segundo dia do "Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul"

 

direito cooperativo folder 26 07 2022

RAMO CRÉDITO: Diretoria do BNDES aprova suplementação do Procapcred

ramo credito 10 08 2022Após intenso trabalho de sensibilização feito pelo Sistema OCB e seu Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito (Ceco), a diretoria do BNDES aprovou a suplementação ao Programa de Capitalização das Cooperativas de Crédito -Procapcred – no valor de R$ 500 milhões.

Estrutura - Não houve alterações na estrutura do programa, seguindo, assim, as condições que já estavam vigentes antes do esgotamento dos recursos.

Fortalecimento - O Procapcred é um importante programa de fortalecimento da estrutura de capital das cooperativas de crédito, e tem como objetivo a aquisição de quotas-partes através do financiamento aos cooperados das cooperativas de crédito.

Informação - A informação foi repassada pela superintendente da OCB, Tania Zanella. (Sistema OCB / Fecoagro/SC)

 

DIA C: Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP apoia a mobilização voluntária de colaboradores em benefício da sociedade

Uma grande corrente do bem para demonstrar a força do cooperativismo em prol das transformações sociais. Assim foi a mobilização do Dia C, o Dia de Cooperar, uma iniciativa nacional liderada pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), que ocorre sempre no Dia Internacional do Cooperativismo. Na Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, os colaboradores participaram ativamente das ações e contribuíram com o desenvolvimento local, com iniciativas que continuam até o fim do ano.

Mote - Em 2022, o mote da data é “atitudes simples, movem o mundo”. Por isso, as organizações participantes estão realizando ações de responsabilidade social nas comunidades, alinhadas aos princípios do cooperativismo. Na cooperativa, houve adesão de todas as agências, conectando a atuação dos voluntários com as necessidades e as possibilidades de cada comunidade.

Compromisso - “Mais uma vez, o Sicredi está cumprindo com o compromisso de apoiar no desenvolvimento das comunidades onde está presente. Essas ações reúnem milhares de pessoas em todo o Brasil, sempre com o objetivo de fazer o bem”, explica Jaime Basso, presidente da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP.

Pacto Global - O apoio ao Dia C é uma das ações do Sicredi que materializa o seu compromisso com o Pacto Global, iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) que visa estimular as empresas a adotarem políticas de responsabilidade social corporativa e de sustentabilidade por meio da adesão a dez princípios relacionados a direitos humanos, trabalho e meio ambiente. Ao aderir à iniciativa, em 2020, o Sicredi se comprometeu a contribuir com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), tendo-os como norteadores para o seu desenvolvimento sustentável.

Engajamento - Os ODS têm o objetivo de engajar organizações do mundo todo em metas como a erradicação da pobreza, o combate à mudança do clima e a preservação dos recursos naturais. As ações de voluntariado realizadas no Dia C, por exemplo, são relacionadas ao ODS 17, que trata sobre parcerias e meios de implementação.

Voluntariado - "O Dia C nos oportuniza exercitar o voluntariado, a cidadania, a cooperação e a intercooperação. Estamos desenvolvendo uma série de iniciativas e aproveito para agradecer a todos os envolvidos”, pontua a gerente de desenvolvimento do cooperativismo na Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Cláudia Bonatti.

Arrecadação - Em 51 ações realizadas até o fim de julho, foram arrecadados:

+ de 16 mil quilos de alimentos;

R$ 6.670,00 para doações;

1.950 itens de higiene pessoal;

800 quilos de lixo eletrônico para o descarte correto;

660 peças de roupas e agasalhos;

258 pares de calçados;

68 bolsas de sangue;

37,5 quilos de lacres de alumínio para reciclagem;

20 cobertores;

reforma da Casa Lar, espaço de acolhimento para crianças e adolescentes, em Palotina (PR);

que impactaram, no total, + de 38 mil pessoas

+ 37 ações serão realizadas até o fim do ano

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 33 anos de história, mais de 190 mil associados e 96 espaços de atendimento. A área de atuação da cooperativa abrange 43 localidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades do grande ABCD (www.sicredi.com.br/coop/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento de seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. Possui um modelo de gestão que valoriza a participação dos mais de seis milhões de associados, que exercem o papel de donos do negócio. Com mais de 2.200 agências, o Sicredi está presente fisicamente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, disponibilizando mais de 300 produtos e serviços financeiros. (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

{vsig}2022/noticias/08/10/dia_c/{/vsig}

UNIMED DO BRASIL: 2° Fórum Estratégico Unimed reúne lideranças para discutir o futuro do Sistema, desafios e oportunidades da saúde suplementar

unimed brasil 10 08 2022Dirigentes do Sistema Unimed de todo o país estão reunidos entre os dias 9 e 11 de agosto, na Costa do Sauípe (BA), para o 2° Fórum Estratégico Unimed. O evento tem como objetivo discutir o futuro das cooperativas médicas e os desafios e oportunidades da saúde suplementar no país, aprofundando os debates iniciados durante a primeira edição do evento, realizada no fim do ano passado em Foz do Iguaçu (PR).

Pauta - Durante os três dias do Fórum estarão em pauta temas relevantes para o setor, como a Visão do Órgão Regulador na Saúde Suplementar; Estratégias do Mercado e as Oportunidades do Modelo Cooperativista; Desafios do Sistema Unimed; Estratégias e Aspectos Legais relacionados ao Transtorno do Espectro Autista e os Desdobramentos do Planejamento Estratégico.

Desafios - “Pretendemos discutir os desafios que a saúde suplementar enfrenta e as diretrizes e caminhos para o Sistema Unimed nesse cenário”, afirma o presidente da Unimed do Brasil, Omar Abujamra Junior.

Maior sistema do mundo - Considerado o maior sistema cooperativo de saúde do mundo, a Unimed reúne 341 cooperativascom gestões autônomas e está presente em 90% do território nacional. Seu modelo de negócios, o cooperativismo, permite conhecer e responder rapidamente às diversas realidades locais, e proporciona uma proximidade natural, que favorece parcerias com o sistema público.

Avanço - “É a partir de todo o conhecimento acumulado em 55 anos de experiência que buscamos contribuir com o debate em torno de uma agenda para avançarmos nos pontos críticos do setor de saúde no Brasil. Sabemos da força que, juntas, nossas cooperativas possuem. E entendemos que trabalhar por melhores políticas para a saúde é parte de nossos compromissos como líderes de mercado”, conclui o presidente da Unimed do Brasil.

2° Fórum Estratégico Unimed

Data: 9 a 11 de agosto de 2022

Local: Sauípe Resorts - Centro de convenções da Ala Terra

Sobre a Unimed - Em 2022, a Unimed completa 55 anos de atuação, na liderança do setor de saúde suplementar. A marca nasceu com a fundação da Unimed Santos (SP), em 1967, e hoje compõe um sistema de 341 cooperativas médicas, que estão presentes em 90% das cidades brasileiras e atendem a 18,8 milhões de pessoas. A Unimed reúne 118 mil médicos cooperados, gera 135 mil empregos diretos e dispõe da maior rede assistencial do país, formada por 150 hospitais próprios e cerca de 2,5 mil hospitais credenciados, além de unidades de pronto-atendimento, clínicas e laboratórios, entre outros serviços. Toda essa operação injeta, no sistema de saúde brasileiro, mais de R 73,6 bilhões por ano. A Unimed também se destaca nos segmentos de planos odontológicos, seguros de saúde, vida, previdência privada e patrimoniais, na gestão de recursos financeiros, bem como na educação voltada à saúde e ao cooperativismo. (Imprensa Unimed do Brasil)

 

SICREDI: Instituição financeira cooperativa participa do 14° Concred

O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 6 milhões de associados e presença em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, participará do 14° Concred, maior evento do cooperativismo de crédito da América Latina, de 10 a 12 de agosto, em Recife (PE). O congresso também terá transmissões online e reunirá mais de 5 mil líderes cooperativistas, entre dirigentes, conselheiros e gestores.

Realização - O 14° Concred é realizado pela Confebras, Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito. O objetivo da ação é contribuir para a expansão, desenvolvimento, fortalecimento e consolidação do cooperativismo financeiro. O Sicredi é um dos patrocinadores do evento.

Nomes - A programação traz importantes nomes nacionais e internacionais do cooperativismo, que discutirão temas como regulação, sustentabilidade, liderança, estratégia, governança, tendências globais, compromisso social, inovação, diversidade, perspectivas e oportunidades no ecossistema do cooperativismo, em especial, o de crédito.

Painel - João Carlos Spenthof, conselheiro do SicrediPar e presidente da Central Sicredi Centro Norte, participará do painel “Intercooperação: ação com resultados rumo à sociedade 5.0”, que ocorre no dia 11/08 às 11h10. Tiago Luiz Schmidt, presidente da Sicredi Pioneira participará do painel: “Educação rumo à sociedade 5.0”, no dia 12/08 às 9h.

Mediação - Completando a participação do Sicredi no evento, Clairton Walter, superintendente executivo de assuntos regulatórios do Sicredi, fará a mediação da palestra “Liderança Ambidestra”, no dia 12/08, às 9h10, que abordará quais as competências necessárias que o mercado espera e procura nos líderes e, também no dia 12/08 às 11h20, Romeo Balzan, superintende da Fundação Sicredi participará do painel: “Educação Cooperativa e Financeira: principais desafios rumo à sociedade 5.0”.

Programação completa- Confira a programação completa do evento: https://www.confebrasdigital.coop.br/programacao.

120 anos de cooperativismo - Um dos destaques do evento será a exposição “120 anos do cooperativismo de crédito”, que mostrará a história e a evolução do movimento no país. O título da mostra remete ao ano de 1902, quando a Sicredi Pioneira, a primeira cooperativa de crédito do Brasil, foi fundada. Durante o evento, a exposição vai fazer parte da Feira de Negócios Cooperativistas que é realizada pela Confebras, trazendo memórias de todo o cooperativismo de crédito brasileiro. Todos os participantes do formato presencial do 14º Concred poderão visitar a mostra.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento de seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. Possui um modelo de gestão que valoriza a participação dos mais de 6 milhões de associados, que exercem o papel de donos do negócio. Com mais de 2.300 agências, o Sicredi está presente fisicamente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, disponibilizando mais de 300 produtos e serviços financeiros. Site do Sicredi: www.sicredi.com.brRedes Sociais: Facebook | Instagram | Twitter | LinkedIn | YouTube(Imprensa Sicredi)

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Com apoio da Fundação Sicredi, peça #Juntos leva o teatro a diversas localidades brasileiras

A peça #Juntos chega a Palotina (PR) nesta quarta-feira (10/08), às 19h, na Asfuca. A produção, que conta com o apoio da Fundação Sicredi por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, está percorrendo o Brasil a partir do Rio Grande do Sul e já passou por Santa Catarina. A nova etapa inclui o Paraná e São Paulo. Com texto da dramaturga Dedé Ribeiro e direção do premiado Daniel Colin, o espetáculo aborda, de forma descontraída, as questões da transição do jovem para a vida adulta, em suas amplas mudanças e decisões. Todas as apresentações serão gratuitas e abertas ao público.

Leveza e bom humor - “O espetáculo reflete com leveza e bom humor as questões que preocupam os jovens. Como preparar-se para o futuro com tantos caminhos possíveis? Nos dias de hoje o espaço físico não precisa ser compartilhado para que as pessoas possam cooperar, se unir e construir seus projetos de vida juntas” afirma a dramaturga Dedé Ribeiro.          

Concepção - A direção prevê uma concepção muito contemporânea, que brinca com o analógico e o virtual. “O apoio do Sicredi tem sido extremamente relevante às artes cênicas do Brasil, tendo em vista que os espetáculos apoiados pela instituição circulam por centenas de cidades brasileiras há mais de uma década, sendo acessados por milhares de espectadores de forma gratuita, como foi o caso de Qual Vai Ser?, peça dirigida por mim em 2015 que se apresentou em aproximadamente 250 cidades de norte a sul do Brasil”, constata Daniel Colin. “Atualmente, estamos em turnê nacional com o espetáculo #Juntos, que foca no advento da internet e suas ferramentas como uma possibilidade concreta para a realização de projetos e parcerias duradouras, ainda que distantes fisicamente”, complementa.

Educação financeira - “O Sicredi acredita que, por meio da educação financeira, as pessoas podem transformar sua relação com o dinheiro e conquistar maior independência e liberdade para as suas vidas, o que reforça a importância de apoiarmos uma produção artística que fomenta esse tema de uma forma leve e descontraída. Além disso, o fato de o espetáculo rodar por pequenos municípios, que muitas vezes não têm a oportunidade de receber muitas atrações culturais, tem grande sinergia com a nossa atuação, que busca o desenvolvimento local das comunidades também fora dos grandes centros urbanos”, comenta Cristiane Amaral, gerente da Fundação Sicredi.

Ação - A ação de #Juntos se passa no dia da formatura de três colegas inseparáveis no ensino médio, que traçam planos para o futuro. No entanto, a separação é inevitável, mas a distância, hoje, é relativa, graças às redes sociais. Com o auxílio da irmã de um deles e de outras personagens que aparecem, os amigos criam juntos um projeto que possa reuni-los outra vez e garantir que seus sonhos de trabalho se realizem. Com muitas complicações e situações divertidas, a montagem foi concebida para um público jovem, de 13 a 20 anos. Na ficha técnica destacam-se atores reconhecidos no teatro gaúcho, como Douglas Oliveira, Denis Gosh e Úrsula Collischonn, entre outros, bem como os cenários de Rodrigo Shalako e os figurinos de Antônio Rabadan. A produção é assinada pela DUX /LIGA Produção Cultural.

Apoio - Não é de hoje que a Fundação Sicredi apoia a arte e possibilita levá-la a muitas cidades brasileiras. Entre 2015 e 2018, a peça Qual Vai Ser? percorreu 256 localidades sendo uma das maiores turnês de uma peça nacional em número de cidades. Antes disso, foram realizadas as montagens de A Caravana dos Poupedis; Rir e Poupar: é só Começar e Zum, Zum, Zum - A União faz a Vida, com grande sucesso. Todas as montagens e turnês aconteceram via Lei federal de Incentivo à Cultura e tiveram excelente retorno de público.

Ficha técnica

Texto: Dedé Ribeiro

Direção: Daniel Colin

Assistência de direção: Denis Gosh

Cenografia: Rodrigo Shalako

Figurinos: Antônio Rabadan

Iluminação: Casemiro Azevedo

Sonorização: James Onzi

Contrarregragem: Luciano Correa

Música original: Renato Mendonça e Dedé Ribeiro

Elenco: Bruna Casali, Denis Gosh, Douglas Oliveira, Lauro Fagundes, Lucas Prado, Luciano Correa, Maurício Schneider, Natasha Villar, Phill, Ursula Collischonn

Divulgação: Bebê Baumgarten

Produção executiva: Debi Mayer, Jack Garcia e Lu Lauda

Produção: DUX/LIGA

SERVIÇO

#Juntos

A nova montagem teatral da Fundação Sicredi em turnê brasileira

Dia 10 de agosto (quarta-feira), às 19h

Asfuca – Avenida Shirley Saurin, 1801 - Ouro Verde

Entrada franca

Sobre a autora e o diretor - Dedé Ribeiro é dramaturga, produtora, professora e colagista, nascida em Porto Alegre (RS). Jornalista por formação, com DEA na Universidade de Paris I - Pantheón-Sorbonne e mestrado em Artes Visuais na UFRGS. Como dramaturga, ganhou o Prêmio Habitasul com “O Mistério das Baipotas” (com Angel Palomero); produziu o projeto MicroDramas (internet, saraus e adesivos com os textos) e integrou por oito anos a Oficina Dran, de dramaturgia, orientada por Graça Nunes. Teve sete textos teatrais publicados em quatro livros e um de seus textos - "Qual Vai Ser?" - apresentado em 280 cidades brasileiras, no projeto da Fundação Sicredi e Ministério da Cultura. É produtora e professora de produção. Desde 2016 estuda programação neurolinguística e dedica-se às artes visuais, tendo apresentado diversas exposições individuais e coletivas.

Daniel Colin - Daniel Colin é doutor em teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Mestre e Bacharel em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Também é professor convidado da pós-graduação lato sensu/especialização - artes cênicas (CENSUPEG). No teatro atua como diretor, ator, performer, dramaturgo, pesquisador e professor. É integrante e membro-fundador do grupo Teatro Sarcáustico, em Porto Alegre (RS), desde 2004. Dentre seus trabalhos destacam-se o espetáculo Qual Vai Ser?, que circulou por mais de 200 cidades de norte a sul do Brasil entre os anos de 2015 e 2018. Recebeu, nas mais variadas funções, diversos prêmios, incluindo Açorianos de Teatro, Tibicuera de Teatro Infantil, Braskem em Cena, RBS Cultura e Trajetórias Culturais. Trabalha em eventos de grande porte como Natal Luz de Gramado desde 2011 até os dias atuais. Sua pesquisa teórico-prática pessoal articula conceitos como corpo, performance, arte e atuação em relação com estudos sobre decolonialidade, gênero e sexualidade, a partir da qual resultaram suas investigações de mestrado e doutorado.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 33 anos de história, mais de 190 mil associados e 96 espaços de atendimento. A área de atuação da cooperativa abrange 43 localidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades do grande ABCD (www.sicredi.com.br/coop/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento de seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. Possui um modelo de gestão que valoriza a participação dos mais de seis milhões de associados, que exercem o papel de donos do negócio. Com mais de 2.200 agências, o Sicredi está presente fisicamente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, disponibilizando mais de 300 produtos e serviços financeiros. (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

{vsig}2022/noticias/08/10/sicredi_vale_piquiri_peca/{/vsig}

SICREDI CAMPOS GERAIS: Convenção é realizada para mais de 850 colaboradores dos Campos Gerais, Grande Curitiba e Vale do Ribeira

sicredi campos gerais 10 08 2022A Sicredi Campos Gerais PR/SP realizou, no último sábado (06/08), no Sassaki Eventos, em Ponta Grossa (PR), a sua Convenção de Inverno, tradicional encontro de alinhamento e integração entre os mais de 850 colaboradores da cooperativa que atuam nas cidades de Curitiba, Colombo, Ponta Grossa, Castro, Curiúva, Ventania, Piraí do Sul, Tibagi, Palmeira, Carambeí, Ivaí, Ipiranga no Paraná e dos municípios de Cajati, Registro e Peruíbe em São Paulo. O evento contou com inúmeros recursos tecnológicos para envolver a equipe com 80 metros de projeção mapeada, animação em 3D da ilustração com atuação ao vivo através de reconhecimento facial e projeção holográfica.

Campanha publicitária - Segundo a gerente de comunicação e marketing da cooperativa, Claudia Machado Barbosa: “a convenção buscou tangibilizar o conceito da campanha publicitária “No Sicredi, seu dinheiro rende um mundo melhor”, para isso, pilares do ESG foram apresentados, demonstrando que fazem parte da nossa essência mais profunda desde a nossa fundação. A história do Sicredi foi contada pelo próprio padre Theodor Amstad, patrono do cooperativismo de crédito no Brasil, de forma lúdica através de uma animação desenvolvida especialmente para o evento.”

Menos de dois anos de casa - “36% dos nossos colaboradores têm menos de 2 anos de casa e, devido à pandemia, nunca tinham estado em uma convenção. Esse momento foi valioso para aproximar nossas equipes dos motivos pelos quais fomos criados e mantê-los alinhados às premissas dos nossos sócios fundadores. Eventos como esse têm sido chave para mantermos o conhecimento e o propósito alinhados, além de motivar as equipes para o novo semestre que se inicia”, afirma o diretor executivo da cooperativa, Márcio Zwierewicz.

Censo - A consultora e embaixadora da Rede Global de Mulheres Líderes – Woccu, Gisele Gomes, apresentou os dados do censo realizado na cooperativa através do comitê de inclusão, diversidade e equidade. Os colaboradores também acompanharam uma retrospectiva do primeiro semestre de 2022, em que novamente a cooperativa colheu excelentes resultados e os direcionamentos para o segundo semestre. A diretora de negócios, Leila Grik, lançou de forma muito inusitada e divertida, as campanhas de crédito e de captação para o segundo semestre do ano e a diretora de operações, Tilene Farina, apresentou a prévia dos destaques da cooperativa em recuperação de crédito.

Novos colaboradores - Ainda durante o evento foram saudados os 135 novos colaboradores que ingressaram na cooperativa no primeiro semestre, os destaques no atendimento da sede regional e os homenageados por tempo de casa, àqueles que completaram 10, 15 e 25 anos no último ano. Um dos homenageados foi o diretor executivo Marcio Zwierewicz, que, neste ano, completou 25 anos de Sicredi. O diretor foi intensamente aplaudido por toda a equipe e homenageado também na fala do presidente da cooperativa, Sr. Popke Ferdinand Van der Vinne: “Para nós, o valor da construção de carreira em uma instituição sólida e cheia de valores como a nossa é o que engrandece nossa trajetória. As histórias do Márcio e da Campos Gerais se misturam e, a chegada dele aqui, marca uma revolução na nossa história. O Márcio é uma referência profissional para todos. Desejamos que o seu companheirismo, ética e dedicação sejam refletidos em toda a nossa equipe e que o seu modelo de gestão e êxito continuem sendo uma inspiração por muitos anos.” (Imprensa Sicredi Campos Gerais)

 

SICREDI DEXIS: Agência de Douradina é inaugurada em novo endereço

sicredi dexis 10 08 2022Uma cerimônia para 80 pessoas marcou a inauguração do novo endereço da agência de Douradina (PR) da Sicredi Dexis (novo nome da Sicredi União PR/SP), na última segunda-feira (08/08). Depois de 14 anos na cidade, a cooperativa mudou para um espaço maior, moderno, aconchegante e que adota soluções sustentáveis, na avenida Barão do Rio Branco, 270.

Presenças - A inauguração recebeu diretores, colaboradores e associados da Sicredi Dexis, além de autoridades como o prefeito Oberdam José de Oliveira, vereadores, presidentes de entidades de classe e o presidente da Gazin, Osmar Della Valentina – o grupo Gazin é maior empresa da cidade e associado à cooperativa.

Confiança - Para o presidente da Sicredi Dexis, Wellington Ferreira, a reinauguração é fruto do trabalho dos associados e da confiança da comunidade. “Uma inauguração é uma aposta, mas a reinauguração é a colheita do que plantamos”. O prefeito Oliveira destacou a vocação do agronegócio na economia da cidade e a importância do cooperativismo no Brasil. O produtor rural Almir Caleffi Jacomini, que é associado há 13 anos, fez questão de prestigiar o evento. Mesmo sendo usuário do aplicativo do Sicredi e adotando transações digitais, ele vai duas ou três vezes por semana na agência para conversar com os colaboradores, encontrar amigos e manter o bom relacionamento. “Aqui é minha casa, nunca tive uma solicitação recusada. Se preciso comprar gado ou vender um carro, eu venho à agência, onde encontro outros produtores e comerciantes para fazer negócios. Todos os pecuaristas da região estão na cooperativa”, destaca. Jacomini utiliza vários produtos e serviços, como financiamento de trator e barracão para a criação de frangos, consórcio e seguros, e não tem conta corrente em nenhuma outra instituição financeira.

Espaço - A agência, de 474 metros quadrados, tem mais de 2,3 mil associados, 9 colaboradores diretos e a gerente é Karolyne Jerônimo Evangelista. Além de estacionamento, há sistema de energia solar, vegetação nas fachadas e na área de atendimento para proporcionar bem-estar e conforto emocional, amplas fachadas de vidro para integrar ambientes externo e interno, espaço para café, entre outros.

Programas sociais - Principal instituição da cidade na área de crédito rural e também parceira de empresas e pessoas físicas, a Sicredi Dexis desenvolve alguns de seus programas sociais em Douradina, como A União Faz a Vida, voltado para incentivar o protagonismo dos estudantes na aprendizagem, e a campanha União Solidária, que ajuda entidades sociais a custear seus projetos por meio da venda de cupons. (Imprensa Sicredi Dexis)

 

COCAMAR: Cooperativa passa a contar com Terminal Multimodal em Londrina

Para dar suporte às unidades operacionais que possui em dezenas de municípios nas regiões norte do Paraná e oeste de São Paulo, a Cocamar Cooperativa Agroindustrial inicia neste mês de agosto a operação de um terminal multimodal em Londrina (PR).

Estruturas - Conforme explica o superintendente de Operações, Osmar Liberato, as instalações – arrendadas inicialmente por três anos junto a gestora de investimentos norte-americana Amerra – contam com cerca de 80 mil metros quadrados de área, servidas por estruturas de beneficiamento, secagem, armazenagem, expedição rodoferroviária, pátio de triagem e escritório administrativo.

Embarque - Para o local serão destinados volumes de grãos como soja e milho, que chegam em caminhões e são embarcados em vagões para o escoamento até os portos de Paranaguá (PR) e São Francisco de Sul (SC).

Números - Com 70 mil toneladas de capacidade estática de grãos, fluxo de descarregamento de 300 toneladas/hora, capacidade de limpeza e secagem de 150 toneladas/hora, 1 mil toneladas/hora de embarque ferroviário, o local tem espaço para o encoste de 120 vagões e 40 caminhões. Serão gerados 25 postos de trabalho diretos, quantidade que pode dobrar em períodos de maior movimento, durante as safras, sem contar a mão de obra indireta.

Otimização - “O terminal é estratégico, pois além de apoiar as operações das unidades, poderá otimizar os custos com logística até o porto”, afirma o gerente executivo de Logística, Ezequiel Scopel. Segundo ele, como o foco de toda a quantidade de grãos que passa pelo local é destinada ao mercado externo, a cooperativa pode tornar-se mais competitiva ao fazer a integração do transporte rodoviário ao ferroviário, por meio do transbordo de cargas no terminal. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2022/noticias/08/10/cocamar/{/vsig}

INTEGRADA: Pelo quarto ano consecutivo, um Excelente Lugar para Trabalhar

integrada 10 08 2022O Instituto Great Place to Work (GPTW) divulgou o resultado da pesquisa 2022, que avaliou o grau de satisfação dos colaboradores, e o modelo de gestão de pessoas adotado pela empresa. Pessoas felizes e motivadas, com atitudes éticas e comprometidas inspiram outras pessoas e são capazes de transformar seus ambientes de trabalho e mudar o mundo.

Certificação - Pelo quarto ano consecutivo, a Integrada, com sede em Londrina (PR), foi certificada pelo Instituto GPTW - Great Place To Work como um Excelente Lugar Para Trabalhar. A cooperativa celebra, ainda, pelo segundo ano seguido, a conquista do prêmio GPTW – Melhores Empresas para Trabalhar, no segmento do Agronegócio, em categoria nacional.

Pesquisa - A pesquisa foi aplicada entre 16 e 30 de maio e envolveu 1.000 colaboradores, previamente selecionados pelo Instituto GPTW, de todos os setores da cooperativa, nas regiões onde há unidades da Integrada instaladas. A cooperativa tem mais de 2.000 colaboradores, no Paraná e São Paulo.

Mínimo - Para que a pesquisa fosse validada, seria necessário um mínimo de 700 questionários respondidos de forma voluntária e espontânea. A adesão dos colaboradores da Integrada atingiu 862 formulários preenchidos. O índice é considerado alto para pesquisas nesse segmento. A nota classificatória, que correspondente ao índice de satisfação dos colaboradores se manteve em 81 pontos, mesma pontuação conquistada em 2021, o que demonstra o nível de engajamento dos colaboradores.

Agradecimento - O diretor presidente da Integrada, Jorge Hashimoto, declarou, “é com grande alegria, que agradecemos os colaboradores que participaram da Pesquisa GPTW e contribuíram com suas opiniões. A todos que trabalham com empenho e dedicação para que a nossa cooperativa continue crescendo e gerando valor para o nosso time de colaboradores, cooperados, clientes, parceiros e comunidade, as nossas felicitações”.

Caminho almejado - Akio Cyoia, superintendente administrativo e financeiro da cooperativa, destacou que “essa certificação do GPTW pelo quarto ano consecutivo indica que estamos no caminho almejado. A nossa missão é manter um ambiente harmonioso para todos os colaboradores. Entendemos que mantê-los satisfeitos e engajados reduz o turnover na Integrada. Um ambiente saudável se reflete em melhora na produtividade e, consequentemente, no resultado, como aconteceu em 2021 com sequência em 2022. Além disso, aumenta a atratividade da cooperativa no mercado, para que outras pessoas busquem fazer parte do time Integrada”.

Diretrizes - O superintendente de insumos e técnica, Edson de Oliveira, observou que “em nosso planejamento estratégico temos seis diretrizes que regem nossas ações e direcionamentos. No que tange aos colaboradores temos a diretriz - Investir em pessoas e conectar propósitos. Saber que estamos ranqueados entre as 15 melhores empresas do agronegócio nacional é motivo de orgulho, pois mostra que estamos na direção certa”.

Renovação - A Integrada renova seu planejamento estratégico a cada 5 anos. As diretrizes do ciclo 2021-2025 foram denominadas ROTA 843. O objetivo é chegar a 2025 com 8 bilhões de reais em faturamento, 4% de resultado e 3 de alavancagem. Em cada projeto desenvolvido, a cooperativa investe na pessoa como ativo indispensável para a conquista de suas metas.

Instituto GPTW - O Instituto GPTW está presente em 109 países e realiza pesquisas junto a mais de 12 milhões de colaboradores. No Brasil, atua há 25 anos. (Imprensa Integrada)

 

COOPAVEL: Caravana da Coopernorte conhece a história e estruturas da cooperativa

Uma caravana formada por 25 líderes de áreas da Coopernorte (Cooperativa Agroindustrial Paragominense) esteve em Cascavel (PR), nesta terça-feira (09/08), para conhecer sobre história, estrutura e áreas estratégicas de atuação da Coopavel. A recepção foi feita pelo presidente Dilvo Grolli, pelo coordenador geral do Show Rural Rogério Rizzardi e por gerentes de áreas.

Cooperativa - Dilvo falou sobre a Coopavel, cooperativa fundada em 15 de dezembro de 1970, e sobre o atual número de sócios (6,5 mil) e de funcionários (7,5 mil). Com faturamento de quase R$ 5 bilhões em 2021, a Coopavel está entre as 15 maiores do Brasil. O presidente informou sobre a importância do cooperativismo para o Paraná, com cerca de 130 mil empregos diretos gerados e faturamento de R$ 154 bilhões no ano passado, e para o País.

Agro - Uma apresentação com dados do agro brasileiro e mundial chamou a atenção dos visitantes. Dilvo informou que em apenas 30 anos a produtividade de grãos no Brasil cresceu 370% e que, no mesmo período, a área plantada aumentou somente 95%. Ele destacou, entre as contribuições do cooperativismo, a agregação de valor a matérias-primas, o que faz do País, além de um grande exportador de grãos, um dos maiores do planeta na comercialização de proteínas.

Compromisso - O presidente da Coopavel lembrou do compromisso da Coopavel, das cooperativas e do agronegócio com a sustentabilidade. Com 60% do seu território preservado, o Brasil é o país mais verde do mundo, observou Dilvo, complementando: “A Amazônia é nossa e ela só está preservada porque está aqui. Caso estivesse em qualquer outro lugar do mundo, ela já estaria devastada”. O crescente potencial do Pará como grande produtor de commodities foi destacado pelo presidente durante o encontro.

Coopernorte - Oficialmente criada em 2011, a Coopernorte é a maior cooperativa de grãos do Pará. Com cem cooperados, ela está sediada em Paragominas, município de maior produção de commodities do estado. A predominância é de soja, milho, sorgo e milheto. “O agronegócio avança rápido no Pará e essa viagem técnica permite contatos valiosos, com líderes e técnicos responsáveis por fazer do Paraná uma referência nacional e mundial na produção de grãos e proteínas”, afirmou Diego Andrade, gerente de Desenvolvimento de Cooperativas da OCB-Pará (Organização das Cooperativas do Estado do Pará).

Aprendizado - Os líderes de áreas têm aprendido muito durante esta semana, com visitas, além da Coopavel, a outras cooperativas do Estado. “Estamos entusiasmados com o que as cooperativas fizeram aqui, contribuindo para o desenvolvimento social e econômico de regiões inteiras, como é o caso do Oeste do Paraná. Essa experiência será muito valiosa para os nossos próximos projetos”, conforme Diego.

Nova etapa - As cooperativas do Pará, com a liderança da Coopernorte, começam uma nova etapa em seu processo de expansão. Os trabalhos de beneficiamento de arroz, feijão e transformação de milho em farelos e derivados já acontecem. O passo seguinte, segundo Diego, serão as integrações de suínos e peixes. O atual presidente da Cooperativa Agroindustrial Paragominense é o agropecuarista Bazílio Carloto.

Locais visitados - Na Coopavel, a caravana pôde conhecer a sede da cooperativa, indústria de fertilizantes, frigorífico de aves, moinho de trigo, além da área do Show Rural onde estão o Espaço Impulso (hub de inovação do agro), o Centro Tecnológico de Avicultura e a Unicoop (Universidade Coopavel). (Imprensa Coopavel)

{vsig}2022/noticias/08/10/coopavel/{/vsig}

VAREJO: Vendas caem 1,4% em junho, segundo mês seguido no campo negativo

varejo 10 08 2022As vendas no comércio varejista no país recuaram 1,4% na passagem de maio para junho. É a segunda variação negativa consecutiva do setor, que acumula retração de 0,8% em dois meses, na comparação com o bimestre anterior. O resultado de junho traz a maior variação negativa para o comércio desde dezembro do ano passado, quando a queda foi de 2,9%. No primeiro semestre do ano, há uma alta acumulada de 1,4% frente ao mesmo período de 2021, e, nos últimos 12 meses, perda de 0,9%. Nesse último indicador, também é o segundo mês consecutivo no campo negativo, o que não acontecia desde agosto de 2017.

Pesquisa mensal - Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quarta-feira (10/08) pelo IBGE.

Retração - A retração na comparação com maio foi disseminada por sete das oito atividades investigadas pela pesquisa. Duas delas tiveram maior influência sobre o índice geral do varejo: tecidos, vestuário e calçados, com queda de 5,4%, e hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, segmento que recuou 0,5% no período.

Hiper e supermercados - “A atividade de hiper e supermercados teve uma influência importante da inflação ao longo do primeiro semestre do ano. Entre abril e maio, houve variação de 4% na receita e de 1% no volume de vendas, indicador em que a pesquisa já desconta a inflação. De maio para junho, essa atividade teve queda de 0,5% no volume, mas variou 0,3% em receita. Isso significa que há amplitude menor da inflação, mas o suficiente para que o volume tivesse uma variação negativa, apesar de a receita ficar no campo positivo”, explica o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Recuo - O pesquisador também destaca o recuo do setor de tecidos, vestuário e calçados, que ainda segue 9,9% abaixo do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro de 2020. “Essa atividade teve uma queda intensa na passagem de maio para junho. Ao longo do ano, houve altas ligadas a uma nova estratégia adotada por essas empresas de também se lançar no comércio eletrônico, de fazer vendas virtuais de forma mais forte do que se fazia antigamente, já que, nesse setor, experimentar um produto antes de comprar é muito importante”, complementa o pesquisador.

Crescimento - A única atividade que cresceu frente ao mês anterior foi a de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (1,3%). “Nesse segmento, o aumento é ligado aos artigos farmacêuticos e reflete a alta nos preços dos medicamentos. Esse é um tipo de produto que, na maioria das vezes, você não consegue substituir. Isso aumenta o dispêndio de uma família que pode ter que gastar nessa atividade e diminuir o consumo em outras”, analisa Cristiano.

Ampliado - No comércio varejista ampliado, que inclui, além do varejo, veículos e materiais de construção, a retração no período foi de 2,3%. Tanto o setor de veículos e motos, partes e peças (-4,1%) quanto o de material de construção (-1,0%) recuaram.

Varejo fecha primeiro semestre com alta de 1,4%- No fechamento do primeiro semestre, o varejo acumulou alta de 1,4%, após queda de 3,0% no segundo semestre do ano passado. Seis atividades acompanharam o crescimento. Entre elas, as maiores variações foram registradas por Livros, jornais, revistas e papelaria (18,4%), tecidos, vestuário e calçados (17,2%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (8,4%).

Queda - Ainda no primeiro semestre deste ano, apenas duas atividades tiveram queda: móveis e eletrodomésticos (-9,3%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,8%). Quando considerado o comércio varejista ampliado, o segmento de veículos e motos, partes e peças avançou 0,4%, enquanto o setor de material de construção recuou 7,3%.

Variação é de -0,3% frente a junho do ano passado - As vendas do varejo variaram 0,3% na comparação com junho do ano passado. Esse é o segundo resultado seguido no campo negativo, uma vez que a variação de maio, nesse indicador, foi de -0,2%. Mas, entre as atividades analisadas, a predominância foi de taxas positivas, com destaque para artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (11,0%), combustíveis e lubrificantes (7,8%) e livros, jornais, revistas e papelaria (2,6%), que tiveram as maiores variações.

Atividades - As atividades que recuaram no período foram outros artigos de uso pessoal e doméstico (-11,4%) e móveis e eletrodomésticos (-14,7%). No varejo ampliado, houve queda de 3,1% na comparação com junho de 2021, com retração de veículos e motos, partes e peças (-7,1%) e de material de construção (-11,4%).

Mais sobre a pesquisa - A PMC produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento conjuntural do comércio varejista no país, investigando a receita bruta de revenda nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, e cuja atividade principal é o comércio varejista.

Resultados mensais - Iniciada em 1995, a PMC traz resultados mensais da variação do volume e receita nominal de vendas para o comércio varejista e comércio varejista ampliado (automóveis e materiais de construção) para o Brasil e Unidades da Federação. Os resultados podem ser consultados no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Helena Pontes / Agência IBGE Notícias

 

varejo quadro 10 08 2022

 

ECONOMIA I: Estímulos fiscais temporários pressionam inflação, diz Banco Central

economia 10 08 2022A incerteza sobre o futuro da política fiscal do país e os estímulos fiscais de aquecimento da economia, como os auxílios dados pelo governo à população e a setores produtivos, pode elevar a expectativa de inflação no país. A avaliação consta da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada nesta terça-feira (09/08).

Estímulo - “O comitê avalia que políticas temporárias de apoio à renda devem trazer estímulo à demanda agregada e que o prolongamento de tais políticas pode elevar os prêmios de risco do país e as expectativas de inflação à medida que pressionam a demanda agregada e pioram a trajetória fiscal. O comitê reitera que há vários canais pelos quais a política fiscal pode afetar a inflação, incluindo seu efeito sobre a atividade, preços de ativos e expectativas de inflação”, diz a ata.

Elevação - No encontro da semana passada, o Copom elevou a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 13,25% para 13,75% ao ano e já sinalizou que deve fazer um ajuste de mais 0,25 ponto na próxima reunião, em setembro, mantendo o ciclo de elevação da taxa de juros e aperto monetário para controle da inflação.

Apropriado - “Concluiu-se que um novo ajuste de 0,50 ponto percentual era apropriado frente a um ambiente de elevada incerteza, apesar do estágio já significativamente contracionista da política monetária, que, considerando suas defasagens, deve impactar a economia mais fortemente a partir do segundo semestre deste ano”, diz a ata.

Maior persistência - O colegiado também considerou a maior persistência das pressões inflacionárias globais, como os impactos da guerra na Ucrânia, a política chinesa de combate à covid-19 e as políticas que restringem o comércio de produtos agrícolas em países produtores de commodities. Por outro lado, segundo o BC, uma desaceleração da atividade econômica mais acentuada do que a projetada é um risco de baixa para o cenário inflacionário, com o cenário de energia na Europa, uma possível recessão nos Estados Unidos e as perspectivas de crescimento mais gradual na China.

Doméstico - No âmbito doméstico, o Copom avalia que ainda há ociosidade na economia, mas os dados referentes ao mercado de trabalho, em especial o volume de contratações e a taxa de desocupação, surpreenderam. “O conjunto dos indicadores de atividade econômica divulgado desde a última reunião do Copom segue indicando crescimento ao longo do segundo trimestre, com uma retomada no mercado de trabalho mais forte do que era esperada pelo comitê. Tanto os indicadores referentes à contratação de emprego formal quanto as taxas de ocupação e desocupação sugerem uma normalização rápida dos setores intensivos em trabalho após a pandemia”, diz a ata.

Cenário básico - Para decidir sobre a elevação da Selic, o comitê estabeleceu um cenário básico para a inflação, com as projeções em torno de 6,8% para 2022, 4,6% para 2023 e 2,7% para 2024. As projeções para a inflação de preços administrados são de -1,3% para 2022, 8,4% para 2023 e 3,6% para 2024.

Trajetória - Esse cenário supõe trajetória de juros que termina 2022 em 13,75% ao ano, reduz-se para 11% em 2023 e 8% em 2024. O Copom adotou ainda a hipótese de bandeira tarifária "amarela" em dezembro de 2022, de 2023 e de 2024 e a suposição de que o preço do petróleo siga aproximadamente a curva futura pelos próximos seis meses e passe a aumentar 2% ao ano posteriormente.

Inflação - A Selic é o principal instrumento usado pelo Banco Central para alcançar a meta de inflação. A elevação da Selic, que serve de referência para as demais taxas de juros no país, ajuda a controlar a inflação, porque a taxa causa reflexos nos preços, já que juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança, contendo a demanda aquecida.

Maior nível - A taxa está no maior nível desde janeiro de 2017, quando também estava em 13,75% ao ano. Esse foi o 12º reajuste consecutivo na taxa Selic.

Julho - Em julho, a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi negativa em 0,68%, ou seja, houve deflação. Apesar da queda no mês passado, a inflação oficial no país acumula alta de 4,77% em 2022 e de 10,07% nos últimos 12 meses.

Acima da meta - Os números continuam acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,5% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

Consumidor - “A inflação ao consumidor segue elevada, com alta disseminada entre vários componentes, se mostrando mais persistente que o antecipado. A redução de impostos sobre os preços de energia já começa a ser observada nos indicadores de alta frequência, mas os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária, que apresentam maior inércia inflacionária, mantêm-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação”, diz o BC, na ata. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal JR / Agência Brasil

 

ECONOMIA II: Rentabilidade dos bancos retorna ao nível pré-pandemia

A rentabilidade dos bancos já retornou ao nível pré-pandemia, com o crescimento da margem de juros, a redução das despesas com provisões (reserva sobre riscos de crédito) e os ganhos de eficiência. A avaliação é do Banco Central (BC), em seu Relatório de Estabilidade Financeira referente ao segundo semestre de 2021, divulgado nesta terça-feira (09/08).

Resiliente - “A rentabilidade do sistema continua se recuperando dos efeitos da pandemia e deve se manter resiliente no curto prazo. Após queda significativa no primeiro semestre de 2020, a rentabilidade do sistema retornou a níveis próximos daqueles observados antes da pandemia”, diz o documento.

Estabilização - Segundo o BC, as despesas com provisões estabilizaram-se e o atual nível de cobertura de provisões “pode contribuir para absorver eventuais aumentos em ativos problemáticos”. A margem de crédito está pressionada pelo aumento do custo de captação, mas deve se beneficiar do mix mais rentável e de novas contratações de crédito a taxas mais altas. Ainda segundo o relatório, as receitas de serviços devem crescer em ritmo mais lento e os custos, apesar de controlados, devem seguir pressionados pela inflação.

Lucro líquido - O lucro líquido do sistema foi de R$ 132 bilhões em 2021, 49% superior ao registrado em 2020 e 10% acima do observado em 2019. O retorno sobre o patrimônio líquido foi de 15%, retornando a níveis pré-pandemia.

Evolução mais moderada - Segundo o BC, entretanto, a expectativa é de evolução mais moderada da rentabilidade nos próximos períodos. “O cenário para 2022 é de atividade econômica mais fraca, menor crescimento do crédito, normalização da inadimplência e de custo de captação e operacional mais altos. Esses elementos representam obstáculos para a evolução da rentabilidade à frente”, diz o relatório do BC.

Micro, pequenas e média empresas - O crédito bancário às micro, pequenas e médias empresas segue crescendo acima no nível pré-pandemia. Embora tenha havido novas concessões no âmbito do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) e do Programa de Estímulo ao Crédito (PEC), o destaque foi para o aumento da carteira não vinculada a programas.

Testes de estresse - A base de capital sólida e os resultados dos testes de estresse continuavam demonstrando a resiliência do sistema bancário no segundo semestre do ano passado, com provisões adequadas ao nível de perdas esperadas com crédito e capitalização e liquidez confortáveis.

Simulação - No teste de estresse, o BC simula o quanto uma situação de severa inadimplência e de corrida aos bancos impacta o cumprimento dos limites regulatórios mínimos pelas instituições financeiras e quanto a autoridade monetária precisaria aportar ao sistema financeiro. Entre esses limites estão a manutenção de uma reserva em caixa para garantir que os bancos paguem todos os clientes que forem sacar dinheiro em momentos de crise. São testados também os riscos de crédito, juros, câmbio e desvalorização de imóveis.

Dois cenários - O BC considerou dois cenários, o primeiro de queda na atividade econômica e no consumo das famílias, aumento do desemprego, queda da inflação e das taxas de juros; e o segundo cenário de um aumento de incerteza na economia, com deterioração fiscal, alta do câmbio, elevação da taxa de juros e pressão da inflação.

Risco relevante - “O BC avalia que não havia risco relevante para a estabilidade financeira. Testes de estresse de capital demonstravam que o sistema bancário estava preparado para enfrentar todos os choques macroeconômicos simulados”, diz o relatório. “Os resultados obtidos nas análises de sensibilidade também indicam boa resistência aos fatores de risco, simulados isoladamente”, completa.

Ativos líquidos - O teste de estresse de liquidez também indica quantidade confortável de ativos líquidos em caso de saídas de caixa em condições adversas ou choque nos parâmetros de mercado no curto prazo.

Riscos - De acordo com o BC, o risco fiscal elevado e o processo de aperto monetário em curso, de elevação dos juros, continuam impactando as condições financeiras atuais e, consequentemente, a atividade econômica atual e futura. “A confiança do mercado na estabilidade financeira permanece elevada, embora tenha recuado levemente. As instituições financeiras manifestaram preocupação com o risco fiscal e com a inflação doméstica, menor confiança na recuperação da atividade econômica e queda na disposição para tomar riscos”, diz o BC.

Impacto - De acordo com o relatório, para as instituições financeiras “o aumento da inflação afeta as decisões de consumo e de investimento, provoca queda da renda e do poder aquisitivo das famílias e leva ao aperto monetário, afetando a atividade econômica, o endividamento e a inadimplência”.

Global - No âmbito global, o sistema financeiro das principais economias segue resiliente. “Em relação ao risco associado ao aumento das tensões geopolíticas internacionais após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, a reduzida corrente de comércio do Brasil com os países diretamente envolvidos no conflito sugere impacto limitado por esse canal”, explica. (Agência Brasil)

CÂMBIO: Dólar fecha a R$ 5,13 com expectativas sobre inflação nos EUA

cambio 10 08 2022A expectativa em torno da inflação nos Estados Unidos interrompeu a sequência de três quedas seguidas do dólar. A bolsa de valores passou a maior parte do dia em baixa, mas se recuperou e fechou em alta com a ajuda das commodities (bens primários com cotação internacional).

Cotação - O dólar comercial encerrou esta terça-feira (09/08) vendido a R$ 5,13, com alta de R$ 0,017 (+0,33%). A moeda iniciou o dia em baixa, chegando a R$ 5,09 pouco antes das 11h. No entanto, a pressão do mercado externo e a compra de dólares por parte de investidores que aproveitaram o preço baixo empurraram a cotação para cima.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela volatilidade. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 108.651 pontos, com alta de 0,23%. Com ganhos pela sexta sessão seguida, o índice foi impulsionado por mineradoras e petroleiras, que reagiram à alta nos preços das commodities, e pela divulgação de balanços de bancos, que revelaram lucro no segundo trimestre.

Alta - O dólar subiu em todo o planeta, com os investidores aguardando a divulgação amanhã (10) da inflação ao consumidor em julho nos Estados Unidos. Caso os números venham acima do previsto, aumentarão as pressões para o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) elevar os juros em 0,75 ponto na próxima reunião. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

Brasil - No Brasil, a divulgação de que a inflação oficial fechou julho em -0,68%, a menor taxa da série histórica para o mês, reduziu as pressões para que o Banco Central aumente, em setembro, a taxa Selic para 14% ao ano.

Ata - Na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), publicada nesta terça-feira (09/08), a autoridade monetária não descartou a possibilidade de elevação da Selic (juros básicos da economia) no próximo mês. O órgão, no entanto, informou que a decisão dependerá do comportamento da inflação e de outras variáveis econômicas até lá. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

POLÍTICA: Campanha eleitoral começa em 16 de agosto, e propaganda no dia 26; veja as regras

politica 10 08 2022A propaganda eleitoral dos candidatos que disputam as eleições de 2022 será iniciada oficialmente no dia 16 de agosto.

Atividades - Essa data marca ainda o início da realização de comícios, distribuição de material gráfico, caminhadas ou outros atos de campanha eleitoral. Fica autorizada também a propaganda na mídia impressa e na internet.

Horário eleitoral - O horário eleitoral no rádio e na televisão terá início no dia 26 de agosto e vai até o dia 30 de setembro para os cargos que concorrem ao primeiro turno.

Período - O período da propaganda vai de 16 de agosto até 01 de outubro, véspera das eleições.  No dia do pleito, qualquer ato de propaganda poderá ser caracterizado como crime de boca de urna. 

Ato fundamental - A propaganda eleitoral é ato fundamental da campanha, um direito dos candidatos e dos eleitores, que precisam conhecer os candidatos e suas propostas para exercer o voto consciente.

Regras - Os atos e divulgação obedecem a regras específicas da Lei das Eleições e quaisquer abusos serão coibidos pela Justiça Eleitoral.

Remoção - Além do direito de resposta garantido por lei a qualquer candidato ofendido, a Justiça Eleitoral também pode determinar a remoção de conteúdo considerado impróprio.

Proibição - A legislação eleitoral proíbe, desde 2006, a distribuição de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Thiago Fagundes / Agência Câmara

 

politica quadro 10 08 2022

 

LEGISLATIVO: Votação do projeto sobre rol taxativo da ANS fica para o final de agosto

legislativo 10 08 2022A Presidência do Senado informou nesta terça-feira (09/08) que o projeto de lei que obriga planos de saúde a cobrirem tratamentos não previstos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) será votado no Plenário da Casa na última semana de agosto. O senador Romário (PL-RJ) foi indicado relator da proposta.

Debate - Antes de ir à votação, esse projeto (PL 2.033/2022) deverá ser tema de debate no Plenário do Senado no dia 23 de agosto. O texto já foi aprovado na Câmara dos Deputados, onde teve origem.

Urgência - “Acabo de ser designado relator do projeto que derruba o rol taxativo. Vamos dar a máxima urgência nesse relatório para que possamos fazer uma discussão necessária a favor de um atendimento justo por parte dos planos de saúde. Meu compromisso é com a saúde das pessoas”, afirmou Romário pelo Twitter.

STJ - O rol citado por Romário é o foco de decisão tomada em junho pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). De acordo com essa decisão, o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde tem caráter taxativo — e as operadoras de saúde estariam, portanto, desobrigadas de cobrir tratamentos não previstos na lista, salvo algumas situações excepcionais.

Eventos - O rol de procedimentos da ANS lista 3.368 eventos em saúde, incluindo consultas, exames, terapias e cirurgias, além de medicamentos e órteses/próteses vinculados a esses procedimentos. Esses serviços médicos devem ser obrigatoriamente ofertados pelos planos de saúde.

O projeto - O PL 2.033/2022 estabelece hipóteses de cobertura de exames ou tratamentos de saúde que não estão incluídos no rol de procedimentos e eventos da ANS, o chamado rol taxativo.

Continuidade - O objetivo é dar continuidade a tratamentos que poderiam ser excluídos da cobertura dos planos de saúde após a decisão tomada em junho pelo STJ. 

Apoio - Esse projeto tem grande apoio no Senado. Após a decisão do STJ, vários senadores reagiram apresentando propostas com objetivos semelhantes — ou seja, visando ampliar a cobertura da saúde privada.

Regulamentação - Entre os pontos da regulamentação previstos no PL 2.033/2022 está a determinação de que a lista de procedimentos e eventos cobertos por planos de saúde será atualizada pela ANS a cada incorporação. O rol servirá de referência para os planos de saúde contratados desde 1º de janeiro de 1999.

Autorização - De acordo com o texto, quando o tratamento ou procedimento prescrito pelo médico ou odontólogo assistente não estiver previsto no rol, a cobertura deverá ser autorizada se existir comprovação da eficácia e se houver recomendações pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS ou órgão de renome internacional. (Agência Senado)

FOTO: Pedro França / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil registra 365 mortes e 30,2 mil casos de Covid-19 em 24 horas

 

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 30.220 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas em todo o país. De acordo com os órgãos, foram confirmadas também 365 mortes por complicações associadas à doença no mesmo período.

 

Atualização - Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta terça-feira (09/08), com exceção do dado relativo a óbitos em Mato Grosso do Sul, que não foi informado, de acordo com a pasta.

 

Total de infectados - Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia já soma 34.066.000.

 

Acompanhamento - O número de casos em acompanhamento da doença está em 531.128. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta e nem resultaram em óbito.

 

Óbitos - Com os números desta terça, o total de óbitos desde o início da pandemia alcançou 680.531. Ainda há 3.241 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a ainda demanda exames e procedimentos complementares.

 

Recuperados - Até agora, 32.854.341 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a pouco mais de 96% dos infectados desde o início da pandemia.

 

Registro - Aos sábados, domingos e segundas-feiras, o número de registros diário tende a ser menor pela dificuldade de alimentar os bancos de dados das secretarias municipais e estaduais de Saúde. Às terças-feiras, o quantitativo, em geral, é maior pela atualização dos casos acumulados nos fins de semana.

 

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 estão São Paulo (173.418), Rio de Janeiro (75.089), Minas Gerais (63.167), Paraná (44.685) e Rio Grande do Sul (40.570).

Já os estados com menos óbitos são Acre (2.021), Amapá (2.153), Roraima (2.161), Tocantins (4.189) e Sergipe (6.420).

 

Vacinação - Até esta terça-feira, o vacinômetro do Ministério da Saúde apontava que um total de 469.951.837 doses de vacinas contra covid-19 foram aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização.

 

Doses - Deste total, 178,6 milhões como primeira dose, 159,6 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 103,7 milhões de pessoas e a segunda dose extra ou quarta dose, em pouco mais de 18 milhões.

 

“Adicionais” - O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como "adicionais", que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de dose única. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2022-08-09 at 17.54.11

SAÚDE II: Sesa confirma mais 4.264 novos casos e 40 óbitos no Paraná

 

saude II 10 08 2022De acordo com o Informe Epidemiológico divulgado nesta terça-feira (09/08) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o Paraná registrou 4.264 novos casos e 40 óbitos causados pela Covid-19, dos quais 1.351 casos e três mortes nas últimas 24h. Assim, o Estado acumula, desde o início da pandemia, 2.697.289 casos confirmados e 44.443 mortes decorrentes da doença.

MesesOs casos confirmados divulgados nesta data são de agosto (1679), julho (2483), junho (29), maio (15), abril (4), março (2), fevereiro (4) e janeiro (2) de 2022; novembro (1), outubro (3), setembro (3), agosto (2), julho (2), junho (4), maio (7), abril (6), março (3), fevereiro (1) e janeiro (5) de 2021; e dezembro (2), novembro (1), setembro (3), agosto (1), julho (1) e abril (1) de 2020.

Óbitos - Os óbitos divulgados nesta data são de agosto (8) e julho (2) de 2022; dezembro (1), novembro (3), agosto (3), julho (1), junho (3), maio (7), abril (4) e março (2) de 2021; e dezembro (1), outubro (2), agosto (2) e maio (1) de 2020.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (5), Londrina (4), União da Vitória (3), Cruz Machado (3), Sapopema (2) e Apucarana (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: São Pedro do Paraná, São Mateus do Sul, São José dos Pinhais, Sulina, Siqueira Campos, Santa Mariana, Santa Isabel do Ivaí, Santa Fé, Quedas do Iguaçu, Ponta Grossa, Planaltina do Paraná, Nova Esperança, Maringá, Itaguajé, Ibiporã, Cianorte, Campo Mourão, Cambé, Bituruna, Astorga, Andirá. (Com informações da Sesa)

Clique aqui e confira o boletim completo

FOTO: Sesa

 


Versão para impressão


RODAPE