Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5161 | 23 de Setembro de 2021

VISITA I: Diretores do BRDE prestam homenagem aos 50 anos da Ocepar

Wilson Bley Lipski, vice-presidente e diretor de Operações do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Luiz Carlos Borges da Silveira, diretor administrativo, formalizaram, nesta quarta-feira (22/09), durante visita ao Sistema Ocepar, em Curitiba, a entrega de uma homenagem, em forma de troféu, em reconhecimento aos 50 anos de fundação da Ocepar e pela parceria do setor cooperativista paranaense nas seis décadas de existência do banco. “O cooperativismo sempre esteve ao lado do BRDE em todos os momentos e nada mais justo do que prestar esta justa homenagem”, frisou Lipski.

Homenagem - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken agradeceu a homenagem e a visita. “O BRDE é uma das principais instituições públicas de fomento ao desenvolvimento do setor e a própria história de muitas cooperativas estão relacionadas com esta atuação do banco. Nessas seis décadas, a instituição contribuiu, através do repasse de financiamentos, projetos agroindustriais que hoje geram emprego, distribuem renda e ajudam o Estado a se desenvolver de forma sustentável”, ressaltou.

Presenças - Participaram do encontro, os superintendentes Nelson Costa, da Fecoopar, e Leonardo Boesche, do Sescoop/PR, além do gerente de Desenvolvimento Técnico, Flávio Turra, o coordenador de Comunicação Social, Samuel Milléo Filho, do Sistema Ocepar, e o assessor do BRDE, Flávio Fernandes Leonardo.

História - Criado em 1961 com o desafio inicial de propiciar ganhos de produtividade para uma economia regional à época majoritariamente agrícola, o BRDE nasceu diante da necessidade de atrair para os estados do Sul melhores fatias das linhas de crédito federal, por muitos anos fonte majoritária de funding.

Trajetória - Ao longo de sua trajetória, em especial no período mais recente, o banco buscou diversificar suas fontes a ponto de registrar, no último ano, uma redução da participação do Sistema BNDES a 57,6% do total de financiamentos contratados. Esse resultado ocorreu mesmo com um aumento de 24,3% do volume contratado com recursos do BNDES em relação ao ano anterior, que passou de R$ 1,5 bilhão em 2019 para R$ 1,9 bilhão em 2020.

Parcerias - O banco registra atualmente uma importante relação de parcerias com organismos internacionais, como Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), BIRD-Banco Mundial, Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), Banco Europeu de Investimentos (BEI), Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

Atuação - O banco encerrou o ano de 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas - Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul. Em seis décadas de atuação, já atinge a marca de R$ 200 bilhões em operações de crédito.

{vsig}2021/noticias/09/23/visita_I/{/vsig}

VISITA II: Celebração de encerramento de 2021 será realizada em parceria com o BRDE

visita II 23 09 2021Tradicionalmente o Sistema Ocepar realiza, na primeira semana de dezembro, o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, com a finalidade de celebrar os avanços e conquistas do ano. Semelhante ao que ocorreu em 2020, o evento deste ano será promovido de forma on-line, devido às restrições da pandemia da Covid-19. Programado para o dia 3 de dezembro de 2021, esta edição do Encontro acontecerá de forma conjunta com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

“Somar esforços” - Esta parceria foi formalizada durante visita realizada na sede do Sistema Ocepar, nesta quarta-feira (22/09), pelos diretores do banco, Wilson Bley Lipski (Operações) e Luiz Carlos Borges da Silveira (Administrativo). “A ideia é somar esforços para celebrar os 60 anos do BRDE e os 50 anos da Ocepar que, juntos, contribuem para o desenvolvimento do setor cooperativista do Paraná”, destacou José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar. Lipski disse que a ideia é realizar um belo evento. “Não temos dúvida de que este Encontro marcará a trajetória das duas entidades. Ficamos felizes pelo convite de podermos unir sinergias.” Na oportunidade, o presidente do Sistema Ocepar entregou aos diretores do BRDE exemplares do livro Paraná Cooperativo, modelo econômico e social, que aborda os 50 anos de fundação da Ocepar.

 

JURÍDICO: “Gestão eletrônica de documentos e assembleias digitais” é o tema do 4º painel do Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul

O 5º Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul encerra na manhã desta sexta-feira (24/09), com a realização do quarto e último painel do evento, que vai debater o tema “Gestão eletrônica de documentos e assembleias digitais”, com a presença das palestrantes convidadas Cinthia de Almendra Freitas e Amanda Souto. As atividades iniciam a partir das 9h. O Sistema Ocepar é o anfitrião desta edição.

Sobre as palestrantes - Cinthia de Almendra Freitas é doutora em Informática pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), instituição em que também atua como professora titular da Escola de Direito, coordenadora e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Direito (mestrado e doutorado) e coordenadora da pós-graduação em Direito Digital. Na OAB-PR, é membro consultivo da Comissão de Inovação e Gestão e integra o Grupo Permanente de Discussão sobre Privacidade e Proteção de Dados Pessoais. Cinthia é ainda diretora acadêmica do Instituto Nacional de Proteção de Dados. Já Amanda Souto é pós-graduada em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Trabalha desde 2012 no Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (DREI) do Ministério da Economia e, em 2018, tornou-se coordenadora geral de Normas do DREI.

Painéis - O Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul vem ocorrendo ao longo do mês, sempre com um painel às sextas-feiras, todos em formato on-line. Começou no dia 3 de setembro, debatendo “Doença ocupacional Covid: decisões dos Tribunais”, com a participação do ministro Alexandre Agra Belmonte e de Marco Antônio Villatore. No dia 10, o painel foi sobre “LGPD e Compliance: responsabilidade e direito dos titulares”, com a participação de Evelyn Moreno Weck e Camilla Jimene. No dia 17, o tema “Medidas atípicas do processo de execução para recuperação de crédito, alienação fiduciária e decisão do STF” foi discutido com a presença de Liliane Maria Busato Batista e Oksandro Gonçalves.

Público - O evento é destinado a advogados e assessores jurídicos de cooperativas e das Unidades Estaduais do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Desde sua primeira edição, em 2017, é realizado em cooperação entre os Sistemas Ocepar, Ocesc e Ocergs e tem contado com a participação de representantes do Sistema OCB.

 

Inscrições - As inscrições podem ser efetivadas pelo link: https://bit.ly.3CCbPE5.

 

 

juridico 23 09 2021

MP 1052/2021: Repasse de 10% do FNO às coops de crédito vai à sanção

mp 23 09 2021Cooperativas de crédito que atuam na região Norte do país conquistaram a possibilidade de expandir a oferta de financiamentos com base nos recursos dos fundos constitucionais. O Senado aprovou, na terça-feira (21/09), a Medida Provisória 1052/2021, que prevê repasse mínimo de 10% dos recursos dos fundos constitucionais do Norte (FNO) para as cooperativas do setor, reserva que até então estava garantida apenas para os fundos do Centro-Oeste. A proposta segue agora para a sanção presidencial.

Avanço - O texto aprovado representa um avanço importante e fortalece o papel do cooperativismo de crédito para a inclusão financeira e desenvolvimento regional do país. A garantia de repasse mínimo já havia sido aprovada na Câmara dos Deputados, a partir de emendas apresentadas pelo deputado Arnaldo Jardim (SP) e pelos senadores Acir Gurgacz (PR) e Sérgio Petecão (AC).

Senado - No Senado, a inclusão foi defendida também pelo relator Marcos Rogério (RO), bem como Izalci Lucas (DF), Jayme Campos (MT) e Zequinha Marinho (PA). Todos os parlamentares integram a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop).

Presença - Marcos Rogério (foto) ressaltou que as cooperativas estão presentes na maioria dos munícipios brasileiros e até mesmo em pequenos distritos. “Elas estão perto de quem precisa de crédito, perto das pessoas, têm uma capilaridade importante que, certamente, ampliará as ações de financiamento no Norte do país”. Para Zequinha Marinho, “as cooperativas têm toda uma liberdade e são muito eficientes nas operações de crédito, o que torna a medida importante e necessária”. Izalci Lucas declarou que “as cooperativas têm um papel fundamental no país”.

Descentralização - Jayme Campos, por sua vez, defendeu a descentralização e apresentou exemplos do que já ocorre atualmente no seu estado, Mato Grosso. “Para se ter uma noção, das 141 cidades, em 60% delas quem está lá e faz a diferença é o Sicredi e o Sicoob. Isso é muito importante porque facilita o financiamento da agricultura familiar, o atendimento das pessoas que têm dificuldade até para se locomover. Alguns municípios estão localizados no Sertão, região quase inóspita, com dificuldade de estrada, de escoamento da produção e distantes 400 quilômetros de uma agência do Banco do Brasil. Mas as cooperativas estão presentes”.

Mudanças - O texto aprovado também prevê mudanças em relação ao del credere, comissão cobrada pelos bancos para assumirem riscos de crédito, nas operações com os fundos constitucionais. Com a alteração, esse percentual (atualmente de 6%) ficará menor quanto maior for o faturamento da empresa que desenvolver o projeto financiado. Na prática, melhora as condições nas operações contratadas pelos agentes repassadores, inclusive as cooperativas de crédito. (OCB)

FOTO: Jefferson Rudy / Agência Senado

 

INTERCOOPERACÃO: Cooperativistas do Panamá conhecem Sistema Unimed

intercooperacao 23 09 2021Com as restrições às viagens internacionais por conta da pandemia, a troca de experiências entre cooperativas de diferentes países teve que ser adaptada. Mas, se engana quem pensa que a intercooperação brasileira foi interrompida! Delegações estrangeiras, que anteriormente vinham ao país para conhecer nossas boas práticas, continuam sendo recebidas pelo cooperativismo brasileiro, mesmo à distância.

Encontro virtual - Uma prova desta nova era das trocas de experiências internacionais foi o encontro virtual realizado na terça-feira (21/09) entre dirigentes do Sistema Unimed, maior cooperativa de saúde do Hemisfério Sul, com cooperados da Central Cooperativa Profesionales R.L., do Panamá. Mais de 250 membros da cooperativa, que é a maior do país centro-americano, participaram do encontro, promovido pela Aliança Cooperativa Internacional.

Histórico - O presidente da Unimed do Brasil, Omar Abujamra Júnior, apresentou o histórico da Unimed e participação na expansão e modernização dos serviços médicos e de saúde no Brasil e colocou o conglomerado cooperativo brasileiro, presente em todo o território nacional, à disposição dos dirigentes panamenhos para transferência de conhecimento e práticas bem-sucedidas de gestão e governança cooperativa.

Agradecimento - Já a presidente do Conselho da Central Cooperativa Profesionales, que congrega profissionais de diversas áreas relacionadas à saúde, Bethania Melendéz, agradeceu a parceria com o sistema cooperativista brasileiro. A central cooperativa está expandindo sua participação no mercado local e busca conhecer boas práticas brasileiras que possam apoiar crescimento de seus negócios.

ACI-Américas - O encontro também contou com a participação da presidente da Aliança Cooperativa Internacional para as Américas, Graciela Fernandez e do representante do Brasil no Conselho de Administração da ACI-Américas, José Alves. A troca de experiências foi promovida pela Aliança, que tem desenvolvido diversas ações de cooperação internacional entre os movimentos cooperativistas americanos. (OCB)

 

COCAMAR I: Cooperativa é a 32ª maior empresa da Região Sul e a 12ª do Paraná

cocamar I 23 09 2021A Cocamar subiu sete posições no ranking geral das “500 Maiores do Sul”, levantamento realizado anualmente pela Revista Amanhã, que acaba de ser divulgado. Os dados que serviram de base, referentes ao exercício 2020, são comparados aos obtidos em 2019.

Posições - De acordo com a publicação, a cooperativa é a 32ª maior empresa da Região Sul do país e, quando consideradas apenas a 100 maiores do Paraná, a organização subiu duas posições, figurando na 12ª colocação.

Indicadores - “500 Maiores do Sul” é um projeto realizado há 31 anos pelo Grupo Amanhã com o apoio técnico da PwC, uma das maiores auditorias de balanços do mundo, utilizando vários indicadores para identificar as maiores e mais competitivas companhias da Região Sul, compreendida pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. (Imprensa Cocamar)

 

COCAMAR II: Ciclo de Debates trata de prevenção à PFC nesta quinta

cocamar II 23 09 2021Como ser mais eficiente no controle da podridão floral dos citros, utilizando a agricultura 4.0. O tema do Ciclo de Debates Cocamar, em sua 24ª jornada, programado para esta quinta-feira (23/09) a partir das 16h30 no canal da cooperativa no Youtube, é uma oportunidade para que os produtores de laranja aprofundem conhecimentos e utilizem uma nova ferramenta na prevenção da doença que ocorre durante a fase de floração dos pomares.

Participantes - O assunto vai ser debatido por Pedro Sambini, engenheiro agrônomo da Cocamar, e Geraldo José Silva Jr., pesquisador do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

Alertas - A podridão floral dos citros, também conhecida como “estrelinha”, tem potencial para reduzir drasticamente a produtividade da citricultura, mas um serviço de alertas disponibilizado sem custos pela cooperativa e aquela instituição, pode ajudar o produtor a evitar que isto aconteça, a planejar suas aplicações de fungicidas e ainda ter uma redução na demanda por esses produtos.

Como funciona- A partir de dados meteorológicos coletados diariamente junto à rede de 18 estações recém-implantadas pela Cocamar em unidades nas regiões noroeste e norte do estado, o Fundecitrus vai analisar os riscos de ocorrência e emitir alertas aos produtores. (Imprensa Cocamar)

COCARI I: Segunda edição da live Conexão Jovemcoop será realizada nesta quinta-feira

Na noite desta quinta-feira (23/09), será realizada a segunda edição da live Conexão Jovemcoop, com apoio do Sescoop/PR. Com o tema “O protagonismo do jovem dentro e fora da porteira”, a live será transmitida às 19h30, pelo Facebook e canal do YouTube nos perfis @cocaricoop. O objetivo do evento é fortalecer o espírito cooperativo entre os jovens, promovendo a integração e o desenvolvimento do cooperativismo a fim de aumentar a participação dos jovens nas ações da cooperativa. A live contará com palestras de Jean Sigel, um dos fundadores da Escola de Criatividade, e dos Jovens do Agro, idealizadores do perfil @JovensdoAgro, que é pioneiro na criação de conteúdo técnico no mundo agro.

Tema – Hugo Carnelossi, supervisor de cooperativismo, comenta sobre a escolha do tema para a realização desta edição do evento. “A escolha do tema é um assunto que sempre buscamos conversar com os jovens e eles são os protagonistas dentro e fora da propriedade. Estamos trazendo dois jovens que são irmãos, engenheiros agrônomos e atuam profissionalmente na área de fertilizantes, educação e marketing digital para falarem de jovem para jovem. Como o evento será ao vivo, com transmissão pelo Facebook e YouTube, os jovens da Cocari poderão enviar perguntas pelo chat, para interagir com os irmãos do agro”, disse.

Investindo nos jovens – O palestrante Jean Sigel frisou que realizar eventos e conteúdos voltados para os jovens é investir em novos talentos e possibilidades. “É crucial que a Cocari invista na juventude. Organizações que querem antever o futuro precisam apostar nos jovens hoje. E não apenas por uma questão de sucessão, mas essencialmente para investir em pontos que o jovem pode trazer de forma natural, como novas ideias, questionamentos, tendências e mudança. O jovem é mudança por natureza e toda organização que pretende inovar com o tempo, precisa estar disposta a mudar”, afirmou.

Protagonismo – Sigel falou sobre os assuntos que serão abordados. “Conversaremos sobre como o jovem deve apostar em protagonismo e inovação para se posicionar e participar do futuro da cooperativa e de seus negócios profissionais. Traremos histórias de jovens protagonistas que estão na linha de frente de decisões e oportunidades em suas propriedades e já impactam positivamente as comunidades ao seu redor”, enfatizou.

Relação com a agricultura –  Os irmãos Saile Dayani Farias (34 anos) e Cesar Augusto Farias (31 anos) moram em Pirapozinho-SP, e comentam sobre a relação com a agricultura. “O amor dos nossos pais pelo setor foi o que nos motivou a fazermos Agronomia. A agricultura faz parte do nosso DNA. Nós sempre acompanhamos nossos pais no trabalho nas lavouras, ouvimos as histórias da época em que atuavam no campo, e como falavam com entusiasmo, nós herdamos esse amor pelo agro. E esse amor e admiração só aumentaram com o passar dos anos e sempre tivemos a certeza de que iríamos trilhar nossa carreira profissional no agronegócio, tanto que empreendemos no setor assim que nos formamos e tivemos uma fábrica de fertilizantes organominerais durante 6 anos”, destacaram.

Desbravando a internet – Agrônomos por formação, os irmãos iniciaram este trabalho nas mídias digitais sem grandes pretensões. “Nós brincamos que começamos no meio digital quando tudo era mato! Criamos o perfil Jovens do Agro em 2017 porque eu atuava como professora universitária na Unoeste, em Presidente Prudente-SP. Por termos a fábrica de fertilizantes, eu e o Cesinha estávamos sempre no campo em contato direto com nossos clientes, e meus alunos pediam para nos acompanhar para aprenderem mais. Como não era possível levar todos nas visitas a campo, o Cesinha teve a brilhante ideia de criarmos um perfil no Instagram para dividirmos com os meus alunos algumas dicas técnicas para quem está iniciando a carreira comercial no campo”, contou Saile.

Agro na rede – “Fomos pioneiros na criação de conteúdo no Instagram e isso tomou uma proporção inimaginável. Hoje, nosso perfil influencia Jovens do Agro do Brasil e fora do país. Estamos muito felizes com o caminho até aqui e por conta de todos os acessos, criamos também a J.A. Marketing Digital, primeira e única agência do país 100% especializada no agenciamento de influenciadores do Agro, bem como capacitamos criadores de conteúdo Agro fora e dentro das empresas e cooperativas. O Agro precisa falar e nós que estamos no campo, somos essa voz!”, ressaltaram.

Cooperativismo – Os jovens reforçam a importância do sistema cooperativista para os produtores rurais. “Somos fãs do sistema de cooperativismo rural e acreditamos que a evolução dentro e fora da porteira acontece mais rápido quando somamos forças, compartilhamos conhecimento e temos o mesmo propósito de vida, que é o de alimentarmos o mundo com sustentabilidade e rentabilidade. Hoje, o cooperativismo é essencial para o sucesso do agronegócio do nosso país e um dos principais fatores que contribuiu para que nos tornássemos celeiro do mundo na produção de alimentos”, frisaram.

Atuação da Cocari – Sobre a atuação dos jovens da Cocari no mundo Agro, os irmãos salientaram de que maneira os representantes da cooperativa podem contribuir para o desenvolvimento das atividades junto aos pais. “Os jovens podem contribuir se tornando protagonistas de suas vidas. Precisamos de jovens que fazem o Agro acontecer, que tenham proatividade e ao mesmo tempo amor pelo campo e pelo legado construído pela sua família. Jovens que tragam para o campo inovações tecnológicas que aumentem a produtividade de suas áreas de forma assertiva. Estamos vivendo um momento em que os jovens estão se capacitando para voltar para o campo, e é desses jovens – que possuem brilho nos olhos e vontade de fazer acontecer – que o nosso Agro precisa. Nós sempre fazemos a seguinte pergunta: Quem nós somos? Somos Jovens do Agro! E o que nós somos? Somos o futuro! E precisamos nos unir hoje, no presente, para efetivamente fazermos a diferença por gerações!”, relataram.

Convite – Os irmãos deixaram um convite aos jovens da Cocari. “É com muita alegria que convidamos todos os Jovens do Agro Cooperativistas da Cocari para estarem com a gente no dia 23/09, às 19h30, falando sobre o Protagonismo do Jovem do Agro dentro e fora da porteira. Vamos juntos, pessoal! O mundo é feito de quem faz e contamos com vocês para mostrarmos o quanto a nossa juventude está preparada para fazer a diferença no setor. Até lá, Jovens do Agro”, concluem. A live Conexão Jovemcoop será transmitida pelos perfis @cocaricoop no Facebook e YouTube! Haverá sorteios de prêmios para os participantes. Até lá! (Imprensa Cocari)

{vsig}2021/noticias/09/23/cocari/{/vsig}

COCARI II: Cooperativa celebra o Dia da Árvore com ação em CMEI de Cambira

No dia 21 de setembro foi comemorado o Dia da Árvore. Para celebrar a importante data, a Cocari realizou uma ação em parceria com a Autarquia de Educação do município de Cambira-PR. Nesta iniciativa, alunos do Centro Municipal de Educação Infantil Pequeno Paraíso receberam mudas de espécies nativas. Representaram a Cocari o gerente Ambiental e Avícola, Thiago Toshio Ricci, e o analista ambiental, Felipe José Matheus de Castro. O evento contou com a presença do secretário de Educação de Cambira, Felipe Zani.

Mudas de espécies nativas – Durante esta ação, foram distribuídas 200 mudas de espécies nativas produzidas por estudantes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Cambira, contratados pela Cocari por meio do Programa Cultivando Cidadania, que é realizado em parceria com a Bayer. Além de Cambira, o programa também é desenvolvido em Mandaguari e em Cristalina-GO.

Educação ambiental – O gerente Ambiental e Avícola da Cocari comentou sobre a realização da iniciativa. “A entrega das mudas nativas para as crianças é de suma importância para a educação ambiental e para reforçar como cada um pode ajudar a conservar e restaurar áreas de preservação da fauna e da flora”, disse. “Juntamente com a muda nativa, foi entregue um material informando a origem daquela muda, ou seja, os Programas Cultivando Cidadania e Mata Ciliar, com algumas instruções de plantio para auxiliar os pequenos e seus familiares na hora de escolherem o melhor local e o manejo de plantio e condução”, afirmou Ricci.

Cultivando Cidadania – Atualmente, nove colaboradores contratados pela Cocari trabalham na produção de mudas de espécies nativas na Apae de Cambira. “Para mim, o grande diferencial do Projeto Cultivando Cidadania é a felicidade dos colaboradores PCDs em vestir o uniforme da Cocari e ter o crachá no peito. Esta inclusão de pessoas com deficiências psicomotoras no mercado de trabalho é de fundamental importância para estes colaboradores e seus respectivos familiares, incrementando a renda e dando a oportunidade de eles desempenharem um trabalho digno com envolvimento numa causa tão nobre, que é a responsabilidade ambiental com a flora nativa da nossa região”, destacou o gerente Ambiental e Avícola da Cocari. (Imprensa Cocari)

{vsig}2021/noticias/09/23/cocari_II/{/vsig}

INTEGRADA: Dia da Árvore é todos os dias

integrada 23 09 2021O Dia da Árvore é comemorado no Brasil em 21 de setembro e tem como objetivo principal a conscientização a respeito da preservação desse bem tão valioso. A data é diferente em outras partes do mundo. Aqui, foi escolhida porque marca o início da primavera, que começa no dia 23 de setembro no hemisfério Sul.

Comemoração - Na terça (21/09), a Integrada comemorou o Dia da Árvore com uma ação concreta: representantes da cooperativa plantaram 50 mudas de árvores nativas no Fundo de Vale do Jardim Vale Verde, região Leste de Londrina (PR).

Lote - As mudas são parte de um lote com 500 unidades, doadas à Integrada pela fabricante indiana de insumos para agricultura UPL. Uma parceria firmada entre a cooperativa e a secretaria municipal do Ambiente de Londrina permitiu o plantio das unidades no Jardim Vale Verde.

Repasse - Mais cedo, em um encontro entre a alta diretoria da Integrada e da UPL, o CEO para o Brasil, da multi indiana, Rogério Castro, fez o repasse simbólico das mudas, entregando uma planta para o diretor presidente da Integrada, Jorge Hashimoto.

Agradecimento - O presidente da Integrada, Jorge Hashimoto, agradeceu à diretoria da UPL pela oferta das mudas em uma data tão especial para o Meio Ambiente. “Essa iniciativa da UPL mostra a visibilidade das ações da cooperativa voltadas à sustentabilidade e à preservação ambiental”.

Recuperação de outras áreas - Hashimoto acrescentou que a doação de uma quantidade expressiva de mudas de árvores nativas vai colaborar para a recuperação de outras áreas, além do Fundo de Vale do Jardim Vale Verde, o que reforça a vocação da Integrada para o comprometimento com a comunidade.

Recurso - O supervisor comercial da UPL, Bruno Baldo, explicou que o recurso para a aquisição das mudas vem de um programa criado pela multinacional para contribuir em vários segmentos da sociedade, além da agregação de valor para a corporação.

Mundo mais sustentável - “A UPL considera fundamental trabalhar por um mundo mais sustentável. Assim, optou por adquirir e distribuir mudas de vegetação nativa, nesse caso, para compartilhar com as cooperativas parceiras. Sabemos que a Integrada cumpre um papel social e ambiental bastante ativo, por isso, temos certeza de que as 500 mudas serão direcionadas da melhor forma”, ressalta Bruno.

Olhar permanente - O diretor secretário da Integrada, Sérgio Otaguiri, lembrou que “a cooperativa mantém olhar permanente na sustentabilidade. Essa iniciativa da UPL vem ao encontro do espírito cooperativista de trabalhar por um mundo melhor e por um futuro mais sustentável”.

Córrego - O gerente de relacionamento empresarial da Integrada, Marcelo Peluso, destaca que “o reflorestamento vai beneficiar o córrego do Inhambú, que percorre o fundo de vale do Jardim Vale Verde. E, haverá, ainda, melhora da qualidade de vida da população, especialmente, as pessoas que moram no entorno da área revitalizada. São reflexos positivos presentes nas ações permanentes de preservação ambiental da Integrada”.

Ponte - A coordenadora de sustentabilidade da Integrada, Ana Lúcia de Almeida Maia, acredita que a cooperativa é uma ponte entre as empresas do agronegócio e as comunidades onde a Integrada está inserida.

Ação em comum - “Nesse mundo globalizado, preservar recursos tem sido uma ação em comum. E, as parcerias são fundamentais para o sucesso das iniciativas ambientais. Temos um trabalho com a secretaria municipal do Ambiente que prevê o plantio de mudas nativas em fundos de vale. Por isso, a doação de 500 mudas pela UPL enriquece nosso projeto, e acelera a recuperação das áreas contempladas”, enfatiza Ana Lúcia.

Mudança - Para a gerente de educação ambiental, da secretaria municipal do Ambiente, Mariza Pissinati, o plantio de árvores nativas melhora o meio ambiente como um todo, “mas, a grande mudança é a proteção das nascentes e córregos que as árvores proporcionam, principalmente, em áreas urbanas”.

Malha aquática - Londrina tem uma grande malha aquática na área urbanizada. São nascentes, córregos e riachos que acabaram inseridos no crescimento populacional. Nesse sentido, Mariza aponta que o município é arborizado, mas pode melhorar.

Plano - “Temos um Plano de Arborização que prevê o plantio de árvores em frente a residências, empresas e outros empreendimentos. Esse plantio em fundos de vale pode ser considerado modelo de recuperação e preservação a sensibilizar a população para a importância do equilíbrio entre o urbano e a concentração de áreas verdes”, avalia Mariza.

Parceira potencializada - Para o secretário municipal do Ambiente, Ronaldo Siena, a parceira com a Integrada foi potencializada com a doação das mudas pela corporação indiana. “Estamos desenvolvendo um projeto de revitalização de fundos de vale em Londrina e essa ação, no dia da árvore, tem um significado muito forte para nosso programa, porque demonstra como as empresas e a sociedade podem contribuir para a proteção ambiental”, esclarece Ronaldo.

Foco - O secretário municipal acrescenta que o plantio das árvores foca na proteção da malha aquática urbana de Londrina e da vegetação nativa. Assim, as mudas são distribuídas nos locais para formarem mata ciliar a proteger rios e córregos. “Com mata ciliar ao redor, o córrego do Inhambú vai ficar mais longe da poluição urbana em breve”, acredita o secretário. (Imprensa Integrada)

 

SICOOB METROPOLITANO: 1º lugar no ranking Melhores Instituições Financeiras do GPTW

sicoob metropolitano 23 09 2021 1O Sicoob Metropolitano foi reconhecido como a melhor cooperativa de crédito de médio porte para trabalhar, segundo o Great Place to Work. O resultado do ranking do segmento de Instituições Financeiras foi divulgado na noite de terça-feira (21/09). Agora em primeiro lugar, a cooperativa mantinha a segunda colocação na lista desde a edição de 2019.

Iniciativa - A iniciativa, que reconhece boas práticas do setor na gestão de pessoas, é idealizada e promovida em parceria entre o GPTW e a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi).

Valorização - São valorizadas as iniciativas que contribuem para um sistema financeiro saudável, ético, eficiente e que promovem a melhor experiência para toda a sociedade, oferecendo condições essenciais para impulsionar o desenvolvimento econômico do país. Além disso, a premiação tem como objetivo incentivar um ambiente organizacional que tenha como foco cultura de confiança, alto desempenho e inovação.

Inscritas - Nesta edição, foram 194 empresas inscritas em cinco categorias (bancos, cooperativas de crédito, financeiras, seguradoras e serviços financeiros, representando 347.155 funcionários. Deste total, 50 empresas foram premiadas sendo 10 bancos, 10 cooperativas de crédito, 15 de serviços financeiros, 10 seguradoras e 5 financeiras.

Pessoas que fazem a diferença - De acordo com o diretor-presidente Ideval Luis Curioni, por trás de cada iniciativa do Sicoob Metropolitano, estão pessoas que fazem a diferença e vestem a camisa da cooperativa e do cooperativismo. Para ele, esse comprometimento é um fator essencial e que tem garantido premiações importantes nos últimos anos.

Trabalho duro - “Todos têm trabalhado duro sempre em busca de ser cada vez melhor e tenho certeza de que estamos no caminho certo. Muito mais do que um prêmio, essa conquista vai ficar registrada na história do Sicoob Metropolitano. Esse legado está sendo construído por todos e para todos. Nós unimos propósitos e valores e quando isso acontece, o resultado é colher bons frutos”, comenta.

Confiante - Depois da boa notícia de estar em destaque entre as Melhores Instituições Financeiras, a cooperativa segue confiante e aguardando o resultado de outros dois rankings do GPTW, que vão reconhecer as melhores empresas para trabalhar no Paraná e no Brasil.

Sobre o Sicoob Metropolitano - Fundada em Maringá, no noroeste do Paraná, a cooperativa tem 21 anos de história. Hoje, são mais de 600 colaboradores entre a Unidade Administrativa e os 84 pontos de atendimento nos estados do Paraná e São Paulo, que atendem cerca de 130 mil cooperados. (Imprensa Sicoob Unicoob)

UNIPRIME: Open Banking, novo modelo de negócio vai otimizar processos no mercado financeiro

uniprime 23 09 2021A recém-chegada do Pix veio para mostrar, na prática, que o modelo de funcionamento do sistema bancário está passando por mudanças rápidas nos últimos anos. O mercado se prepara agora para o Open Banking, ou sistema financeiro aberto, um conjunto de regras e tecnologias que permitirá o compartilhamento de dados e serviços de clientes entre as instituições financeiras por meio da integração de seus respectivos sistemas.

Comunicação - “O Open Banking é uma infraestrutura que permitirá a comunicação entre bancos, instituições financeiras e de pagamentos. Assim, os clientes poderão autorizar o compartilhamento de dados específicos (cadastrais, contas e operações de crédito) para determinada instituição, por um tempo específico. O objetivo é promover agilidade (em cadastros e pagamentos) e melhorias na oferta de serviços e produtos, sendo necessário o consentimento do usuário”, explica Everton José Santana, Analista de Negócios em TI da Uniprime.

Vantagens - Entre as vantagens do Open Banking, destacam-se serviços mais personalizados e soluções inovadoras. Vale lembrar que apenas as instituições escolhidas pelo usuário terão acesso aos dados. “Você é dono dos seus próprios dados, ou seja, você poderá decidir com toda liberdade se deseja ou não que seus dados sejam compartilhados e, principalmente, com quais instituições isso acontecerá e por qual período”, reforça Rodrigo Martimiano da Rocha, gerente de Agência da Uniprime de Cornélio Procópio (PR).

Cronograma - O cronograma do Banco Central prevê que o Open Banking estará em pleno funcionamento até o final deste ano. Até lá, cooperados que desejarem mais informações, basta contatar seu Gerente Uniprime. (Imprensa Uniprime)

 

SICREDI: Instituições financeiras cooperativas ampliam presença no interior paulista

Considerado uma alternativa mais justa ao sistema financeiro tradicional, o cooperativismo de crédito tem ganhado a preferência dos brasileiros nos últimos anos. A Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito (Confebras) apontou que, durante a pandemia, a procura por crédito - uma das soluções financeiras oferecidas, juntamente com a conta corrente, cartões, seguros e outras - nas cooperativas aumentou 12%. De acordo com dados do Banco Central, o setor cresceu 134,6% nos últimos cinco anos, índice maior quando relacionado às outras instituições financeiras do país.

Investimento - Esse crescimento também tem se refletido em investimentos das cooperativas de crédito nas regiões de atuação. Somente o Sicredi, primeira instituição financeira cooperativa no país, registrou o crescimento de mais de 230% no número de agências no estado de São Paulo nos últimos seis anos. A instituição fechou 2020 com 26 novas agências em municípios de pequeno, médio e grande portes. Esse investimento na rede de atendimento segue na contramão dos bancos tradicionais. De acordo com o Banco Central, 934 agências bancárias fecharam no estado de São Paulo entre agosto de 2019 e o mesmo período de 2021.

Campinas e região - Atuando em Campinas e região, a Sicredi Iguaçu PR/SC/SP também tem intensificado a estratégia de expansão da rede de atendimento nas áreas de atuação. No primeiro semestre de 2021, a cooperativa inaugurou nova unidade de atendimento no município de Hortolândia e agora abre duas novas agências na região, em Nova Odessa e Sumaré. Além da rede física também fortalecemos nossos canais de atendimento digital para que o associado escolha o formato mais conveniente. O foco do cooperativismo de crédito e do Sicredi é o relacionamento consultivo, a proximidade com o associado e com a comunidade”, explica o presidente da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP, Lotario Luiz Dierings.

Fortalecimento da estratégia - Segundo Dierings, o avanço na vacinação e a consequente diminuição nos casos de covid-19 têm ajudado a cooperativa a fortalecer sua estratégia de expansão que ajuda a fomentar a geração de emprego em renda. “Escolhemos o interior paulista para abrir novas agências devido à importância econômica para o país, e também pela mão de obra qualificada que encontramos aqui. Em 2020, inauguramos uma nova agência em Campinas e tínhamos outras previstas para abrir nesta região, mas devido às incertezas geradas pela pandemia decidimos aguardar até esse ano. Com o aumento do percentual de vacinados e a alta procura pelo nosso sistema financeiro, seguimos ainda mais confiantes na expansão da nossa atuação, que está sempre aliada a atender as demandas dos nossos associados e à promoção do ciclo virtuoso gerado pelo cooperativismo, uma vez que os recursos captados na região ficam na comunidade promovendo o desenvolvimento regional”, afirma.

Nova Odessa e Sumaré - Inauguradas nessa quarta-feira (22/09), as agências estão localizadas na região central. Em Nova Odessa, a nova estrutura do Sicredi para atendimento ao associado tem 300 metros quadrados e fica localizada na Avenida João Pessoa, 226. Em Sumaré, a agência ocupa um espaço de 240 metros quadrados e está instalada na rua Dom Barreto, 1360. “Com essas novas agências, geramos mais de 20 vagas de emprego, direto e indireto, e temos novas inaugurações previstas para 2022”, ressalta. Em todo o Brasil, o Sicredi chegou à marca de duas mil agências e, ainda em 2021, pretende inaugurar mais de 250 unidades de atendimento, com investimento superior a R$ 200 milhões. O Sicredi possui mais de cinco milhões de associados.

Fomento ao esporte local - A Sicredi Iguaçu também é referência em apoiar diversas modalidades esportivas para incentivar o esporte e os times locais. Em Campinas, por exemplo, a cooperativa já patrocina desde 2020 o time feminino do Vera Cruz Basquete e neste ano, passou a patrocinar também os dois grandes times campineiros: Guarani e Ponte Preta.

Apoio - Nos últimos anos, o Sicredi vem consolidando o apoio ao esporte. Em 2020, a instituição financeira cooperativa renovou contrato com a Federação Paulista de Futebol para a edição 2021 do Paulistão Sicredi - tanto da Série A1, quanto da A2 (divisão de acesso). Desde 2019, o Sicredi é o “tittle sponsor” do principal torneio estadual do País. “Acreditamos no poder do esporte e na força de times tradicionais do interior paulista. Incentivar e patrocinar as equipes reforça nosso propósito de colaboração, ajuda mútua e desenvolvimento das comunidades onde atuamos", destaca o presidente.

Diferenciais - O Sicredi é reconhecido por atuar em três pilares que fazem diferença na escolha de uma instituição financeira: participação nos lucros, proximidade no relacionamento e taxas mais justas. Além disso, todos os associados são donos do negócio e integram a gestão participativa da cooperativa, envolvendo-se nas decisões estratégicas adotadas. “Todos os nossos associados, independentemente do capital investido, têm direito a participar de assembleias e votar em estratégias para o futuro da cooperativa”, conta.

Resultados - Outro diferencial muito significativo é que todos os associados têm participação nos resultados, conforme a movimentação financeira de cada um. Nos últimos quatro anos, a Sicredi Iguaçu PR/SC/SP retornou cerca de R$ 47 milhões aos associados, sendo R$ 12 milhões no ano de 2020.

PIB - Além disso, nos municípios onde está presente, o cooperativismo de crédito incrementa o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6% e aumenta o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, segundo dados da pesquisa “Benefícios Econômicos do Cooperativismo de Crédito na Economia Brasileira”, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Sobre Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2021/noticias/09/23/sicredi/{/vsig}

SICREDI PROGRESSO: Inscrições estão abertas para o Comitê Jovem

sicredi progresso 23 09 2021Estão abertas as inscrições para participar do Comitê Jovem da Sicredi Progresso PR/SP. Podem se inscrever até 30 de setembro os associados que possuem de 18 a 35 anos*. Ao total são 14 vagas disponíveis para realização de um trabalho voluntário.

Cooperativismo e liderança - O Comitê Jovem nasceu da ideia de estimular o cooperativismo e a liderança. Integrá-lo é estar disposto a vivenciar desafios e promover mudanças, seja em sua comunidade ou no mundo, conforme explica o assessor de desenvolvimento do cooperativismo, Higor Gabriel Menegon Loredo. “É uma oportunidade incrível para o desenvolvimento de nossos jovens associados, para que sejam futuros líderes em nossa cooperativa, tanto como Coordenadores de Núcleo, quanto Conselheiros Fiscais ou de Administração. Além de, é claro, serem protagonistas nas comunidades onde atuam. O Comitê contribui para despertar o melhor deles”.

Benefícios - Entre os benefícios de fazer parte dessa rede de jovens líderes, está o desenvolvimento de habilidades, criação de projetos transformadores e a geração de impacto positivo para a comunidade. Será uma experiência única para desenvolver o protagonismo e se preparar para liderar mudanças através do cooperativismo. Os encontros acontecerão uma vez ao mês, no sábado à tarde.

Rotina - Há praticamente três anos, participar das atividades do Comitê faz parte da rotina da jovem associada, Luana Schaedler. Ela conta que o aprendizado é constante. “Quando eu aceitei fazer parte eu almejava por mudanças, e participando eu percebi que era possível fazer. Aprendemos muito e digo que os novos integrantes terão desafios constantes na promoção de uma sociedade ainda mais próspera”.

Vagas - Confira as vagas disponíveis por agência:            

Dez de Maio: 1

Nova Santa Rosa: 3

Novo Sarandi: 2

Ouro Verde do Oeste: 1

São Pedro do Iguaçu: 1

Toledo Barão: 2

Toledo Centro: 1

Toledo Coopagro: 1

Toledo Panorama: 2

Tupãssi: 2

Inscrição - O jovem associado que deseja participar do processo seletivo deve efetuar a inscrição através do link: https://www.sicredi.com.br/coop/progresso-prsp/desenvolvimento-do-cooperativismo/comite-jovem/. (Imprensa Sicredi Progresso PR/SP)

*Colaboradores do Sicredi não podem se inscrever

 

MILHO: Governo suspende PIS/Cofins na importação do grão para desonerar custo no mercado interno

milho 23 09 2021O Governo Federal suspendeu a cobrança de PIS e Cofins na importação de milho até 31 de dezembro deste ano. O objetivo é desonerar o custo de aquisição externa com foco no aumento da oferta interna buscando reduzir a pressão de preços e os custos dos criadores de animais, já que o grão é importante insumo na alimentação de bovinos, suínos e aves. 

MP - A medida consta na Medida Provisória Nº 1.071, publicada nesta quinta-feira (23/09) e foi proposta pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), em razão da quebra na produção de milho por causa da seca, e do cenário de aperto no abastecimento, o que provocou alta no preço do milho para os criadores de animais.

Zero - Segundo a MP, ficam reduzidas a zero, até 31 de dezembro de 2021, as alíquotas de contribuição incidentes na importação do milho. A Medida Provisória entra em vigor no quinto dia útil após a data de sua publicação.

Compra - A suspensão permitirá a compra de milho de outros mercados fora do Mercosul de maneira competitiva, melhorando o abastecimento interno e evitando reajuste nos preços das carnes para o consumidor. A expectativa é que a retirada da cobrança da tarifa represente redução de 9,25% no custo de importação ou R$ 9 por saca.

Produção nacional - De acordo com o levantamento mais recente da Conab (setembro), a produção nacional de milho safra 2020/2021 deve chegar a 85,7 milhões de toneladas, uma redução de 16,4% em comparação ao ciclo anterior (102,5 milhões de toneladas), impactada por problemas climáticos.

TEC - Outra medida tomada, recentemente, pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), foi a retirada do imposto de importação (8%), a Tarifa Externa Comum (TEC), do milho até o fim deste ano, e a facilitação para as compras de milho geneticamente modificado cultivado nos Estados Unidos. Ambas normativas foram propostas pelo Ministério da Agricultura.

Milho balcão - O Governo Federal também autorizou leilões públicos de compra ou de remoção de estoque de milho realizados pela Conab de forma a garantir a regularidade do abastecimento do cereal, beneficiando pequenos criadores de animais, inclusive aquicultores. A previsão é adquirir até 110 mil toneladas para atender o Programa de Venda em Balcão (ProVB) até o final do ano. Os leilões deverão ter início este mês.

Definição - Com a publicação da Medida Provisória 1.064, em 17 de agosto deste ano, foi definida a compra, anual, de até 200 mil toneladas de milho, em condições de mercado, para atendimento ao Programa, por meio da Política de Formação de Estoques Públicos. O anúncio foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro e pela ministra Tereza Cristina. (Mapa)

FOTO: iStock

 

VBP: 14 municípios paranaenses ultrapassam R$ 1 bilhão em Valor Bruto da Produção Agropecuária

O relatório final do Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2020, divulgado nesta quarta-feira (22/09) pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab), mostra que a produção no campo paranaense foi de R$ 128,273 bilhões, estabelecendo mais um recorde, com crescimento real de 21% em relação a 2019.

Mais de R$ 1 bilhão - Além disso, 14 municípios alcançaram valores superiores a R$ 1 bilhão, realçando a força das atividades agropecuárias. No VBP anterior, nove municípios haviam ultrapassado esse volume, cinco a mais do que em 2018.

Quais são - Os novos municípios bilionários são Tibagi (R$ 1,26 bilhão), Carambeí (R$ 1,17 bilhão), São Miguel do Iguaçu (R$ 1,16 bilhão), Nova Aurora (R$ 1,08 bilhão) e Piraí do Sul (R$ 1,02 bilhão). Eles se juntam a Toledo (R$ 3,48 bilhões), Cascavel (R$ 2,27 bilhões), Castro (R$ 2,26 bilhões), Guarapuava (R$ 1,60 bilhão), Marechal Cândido Rondon (R$ 1,47 bilhão), Santa Helena (R$ 1,35 bilhão), Assis Chateaubriand (R$ 1,34 bilhão), Dois Vizinhos (R$ 1,34 bilhão) e Palotina (R$ 1,32 bilhão).

Mais expressivo - O crescimento mais expressivo tanto em variação nominal (57%) quanto real (46%) foi observado em São Miguel do Iguaçu, que saiu de R$ 741,7 milhões em 2019 e atingiu R$ 1,16 bilhão em 2020. Piraí do Sul também se destacou com crescimento nominal de 47% e real de 36%, assim como Carambeí, que fica na mesma região dos Campos Gerais, com variação nominal de 46% e real de 36%.

Pesquisa ampla - O levantamento do VBP paranaense é um dos mais completos do País, com pesquisas semanais de preços e condições de lavoura de cerca de 350 culturas, entre elas produtos da agricultura, pecuária, piscicultura, silvicultura, extrativismo vegetal, olericultura, fruticultura, plantas aromáticas e ornamentais. Como comparativo, o VBP nacional tem como base dados da produção e preço médio de comercialização de 26 culturas, levantados pela Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab).

Função importante - “O VBP tem uma função muito importante tanto como panorama global das atividades agropecuárias no Estado e do faturamento bruto da comercialização da safra quanto para o fortalecimento dos municípios”, enfatizou o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. O índice é utilizado para compor o Fundo de Participação dos Municípios, representando 8% da cota-parte do ICMS destinada a eles.

Produção - “No ano passado e ainda agora convivemos com condições climáticas não tão favoráveis, que se aliam às restrições provocadas pela pandemia, mas, mesmo assim, temos uma prova de que os agricultores e pecuaristas paranaenses não pararam e, mais uma vez, a produção, de forma geral, foi bastante razoável”, reforçou Ortigara. “De outro lado, os preços tiveram evolução expressiva, proporcionando renda para os produtores e enriquecimento para os municípios”.

Potencialidades - Para o chefe do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, Salatiel Turra, o VBP mostra todas as potencialidades do agronegócio paranaense. “É possível perceber, dada a evolução dos últimos anos, que a produção e a produtividade estão aumentando graças aos pacotes tecnológicos, à assistência técnica cada vez mais especializada e à atenção para com a atividade por parte do produtor rural”, afirmou.

Pecuária - Pelo segundo ano consecutivo, a receita bruta estimada da pecuária é destaque no VBP paranaense. O montante de R$ 63,65 bilhões representa aumento nominal de 31% e real de 21% em relação ao valor anterior. Com esse volume, o segmento representa 50% do Valor Bruto da Produção Agropecuária paranaense.

Percentual - Em Dois Vizinhos, por exemplo, a pecuária é responsável por 87% de todo o VBP municipal. Em Santa Helena, o percentual chegou a 84,7%, enquanto em Toledo representa 80,8%.

Alta - “A alta nas cotações dos produtos da bovinocultura contribuiu para o aumento dos preços médios de outras proteínas, em razão do efeito substituição, circunstância que, aliada à expansão do volume de abates, auxiliou no excelente desempenho do segmento”, disse a técnica do Deral responsável pelo levantamento do VBP, Larissa Nahirny.

Agricultura - Ainda que se mantenha atrás da pecuária em valor, com participação de 40% no total do VBP, o grupo dos grãos e grandes culturas foi o que apresentou maior evolução em relação a 2019, com aumento nominal de 41% e real de 31%. O ano de 2020 rendeu aos produtores de grãos paranaenses R$ 54,33 bilhões. O destaque é para a produção recorde de 20,9 milhões de toneladas de soja e para os bons preços conseguidos pelos produtores.

Perdas - Isso compensou as perdas da cultura do milho, provocadas pela estiagem. Mas, mesmo com redução em 6% na produção, o preço teve valorização e repercutiu favoravelmente no Valor Bruto da Produção Agropecuária. Em termos de preço, o trigo foi o que mais remunerou os produtores.

Série histórica - “Ao observar a série histórica, em todas as ocasiões em que o aumento real do VBP superou a casa dos 20%, o expressivo crescimento esteve correlacionado à recuperação da safra de soja”, afirmou Larissa. “Esse incremento ocorreu em virtude tanto do maior faturamento do principal produto agrícola, como do efeito da valorização do seu preço em outras culturas.”

Madeira - No segmento de madeira, que participa com 3,32% do VBP, o que se observou foi uma redução real de 9% na receita bruta estimada, caindo de R$ 4,3 bilhões para R$ 4,2 bilhões. Consequência, sobretudo, do fato de os preços médios de comercialização não apresentarem aumento real.

Hortaliças - As hortaliças também apresentaram grande retração, com perda real de 22% em relação aos R$ 4,6 bilhões de 2019, chegando a R$ 3,9 bilhões em 2020. As frutas elevaram em 8%, fechando com R$ 1,9 bilhão, enquanto o setor de flores e plantas ornamentais reduziu 6% e valor de R$ 171,59 milhões.

Regiões - Considerando o percentual de crescimento de 2019 para 2020, as regiões Noroeste e Centro-Oeste apresentaram os maiores índices: 26% em termos reais. Em valor, o Noroeste ocupa a quarta posição, com R$ 12,40 bilhões, enquanto o Centro-Oeste aparece em sétimo, com R$ 8,82 bilhões. A liderança em volume é do Oeste, com R$ 30,03 bilhões e crescimento real de 22%.

Crescimento nominal - Todas as regiões do Estado apresentaram crescimento nominal e real positivos. O Norte é a segunda colocada em valor bruto agropecuário, com R$ 17,99 bilhões (25% de aumento real em relação a 2019). Na terceira colocação fica o Sudoeste, com R$ 16,25 bilhões (crescimento de 24%). A região dos Campos Gerais está na quinta posição, com valor de R$ 10,63 bilhões e crescimento real de 23%.

Sexto colocado - O Norte Pioneiro é o sexto colocado, com volume de R$ 9,89 bilhões e aumento de 20% em relação a 2019. Nos últimos lugares em valor bruto agropecuário estão o Centro-Sul, com R$ 8,42 bilhões (aumento real de 20%), Sudeste, com R$ 7,66 bilhões (mais 12%) e Região Metropolitana de Curitiba, com R$ 6,12 bilhões (crescimento real de 1%).

Lista - Todos os municípios e culturas listados no VBP 2020 estão AQUI. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTOS: Gilson Abreu e Jaelson Lucas / AEN

{vsig}2021/noticias/09/23/vbp/{/vsig}

ECONOMIA I: Copom eleva juros básicos da economia para 6,25% ao ano

economia I 23 09 2021Em meio ao aumento da inflação de alimentos, combustíveis e energia, o Banco Central (BC) apertou ainda mais os cintos na política monetária. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa Selic - juros básicos da economia - de 5,25% para 6,25% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Mais alto - A taxa está no nível mais alto desde julho de 2019, quando estava em 6,5% ao ano. Esse foi o quinto reajuste consecutivo na taxa Selic. De março a junho, o Copom tinha elevado a taxa em 0,75 ponto percentual em cada encontro. No início de agosto, o BC passou a aumentar a Selic em 1 ponto a cada reunião.

Novo aumento - Em comunicado, o Copom informou que deverá elevar novamente a Selic em um ponto percentual na próxima reunião, no fim de outubro. Com o teto da meta de inflação estourado em 2021, o órgão informou que trabalha para trazer a inflação de volta para o intervalo da meta em 2022 e, “em algum grau”, em 2023.

Adequado - “O Copom considera que, no atual estágio do ciclo de elevação de juros, esse ritmo de ajuste [um ponto percentual por reunião] é o mais adequado para garantir a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e, simultaneamente, permitir que o Comitê obtenha mais informações sobre o estado da economia e o grau de persistência dos choques”, destacou o texto.

Ciclo - Com a decisão desta quarta-feira (22/09), a Selic continua num ciclo de alta. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018. A Selic voltou a ser reduzida em agosto de 2019 até alcançar 2% ao ano em agosto de 2020, influenciada pela contração econômica gerada pela pandemia de covid-19. Esse era o menor nível da série histórica iniciada em 1986.

Inflação - A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em agosto, o indicador fechou no maior nível para o mês desde 2000 e acumula 9,68% em 12 meses, pressionado pelo dólar, pelos combustíveis e pela alta da energia elétrica.

Acima da meta - O valor está acima do teto da meta de inflação. Para 2021, o Conselho Monetário Nacional (CMN) tinha fixado meta de inflação de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não podia superar 5,25% neste ano nem ficar abaixo de 2,25%.

Relatório - No Relatório de Inflação divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estimava que, em 2021, o IPCA fecharia o ano em 5,82% no cenário base. Mesmo com uma queda nos índices no segundo semestre, esse cenário considera o estouro do teto da meta de inflação em 2021.

Abaixo das previsões - A projeção está abaixo das previsões do mercado. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 8,35%. A projeção oficial só será atualizada no próximo Relatório de Inflação, no fim deste mês.

Crédito mais caro - A elevação da taxa Selic ajuda a controlar a inflação. Isso porque juros maiores encarecem o crédito e desestimulam a produção e o consumo. Por outro lado, taxas mais altas dificultam a recuperação da economia. No último Relatório de Inflação, o Banco Central projetava crescimento de 4,6% para a economia em 2021.

Projeção - O mercado projeta crescimento maior. Segundo a última edição do boletim Focus, os analistas econômicos preveem expansão de 5,04% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) neste ano.

Negociações - A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Redução - Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir. (Agência Brasil)

FOTO: Agência Brasil

 

ECONOMIA II: Governo melhora projeção de déficit primário para R$ 139 bi em 2021

economia II 23 09 2021O aumento da arrecadação decorrente da recuperação econômica e a elevação de receitas extras fizeram a equipe econômica melhorar a projeção de déficit primário neste ano. Segundo o Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado nesta quarta-feira (22/09), a estimativa de resultado negativo em 2021 passou de R$ 155,4 bilhões em julho (1,8% do Produto Interno Bruto, PIB) para R$ 139,4 bilhões (1,6% do PIB).

Resultado negativo - O déficit primário representa o resultado negativo nas contas do governo desconsiderando os juros da dívida pública. As estimativas estão melhores que a meta determinada pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), de R$ 247,1 bilhões para o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), com a possibilidade de abatimento até R$ 40 bilhões de gastos relacionados ao enfrentamento da pandemia de covid-19.

Execução do Orçamento - Divulgado a cada dois meses, o Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas orienta a execução do Orçamento. Com base nas estimativas de arrecadação, de gastos obrigatórios, de desempenho da economia e de cumprimento do teto de gastos, o governo define o quanto contingenciará (bloqueará) ou descontingenciará (liberará) do Orçamento.

Descontingenciamento - O Orçamento de 2021 havia sido integralmente descontingenciado no relatório anterior, em julho. Por causa do cumprimento do teto de gastos, o governo deverá bloquear R$ 288,4 milhões, considerado um valor residual pela equipe econômica, até o próximo relatório, em novembro.

Receitas e despesas - A previsão de receitas líquidas aumentou para R$ 1,508 trilhão, valor R$ 31,5 bilhões superior ao do relatório anterior. Além do crescimento da economia, que se reflete no pagamento de mais impostos, o valor foi impulsionado pelo crescimento de R$ 19,5 bilhões em receitas não administradas.

Influências - As novas projeções para as receitas não administradas foram influenciadas principalmente pela alta no pagamento de dividendos de estatais ao Tesouro (+R$ 7,9 bilhões), motivada pela melhoria do lucro das estatais, e em royalties de recursos naturais (+R$ 7,7 bilhões), decorrentes do aumento do preço do petróleo no mercado internacional.

Estimativa elevada - A estimativa para o gasto foi elevada em R$ 15,5 bilhões, para R$ 1,647 trilhão. Além do crescimento de R$ 3,9 bilhões nos gastos com a Previdência Social, contribuiu para a revisão a Medida Provisória 1.062/2021, que liberou crédito extraordinário de R$ 9,1 bilhões para o Ministério da Saúde enfrentar a pandemia de covid-19. Pela legislação, créditos extraordinários estão fora do teto de gastos.

Projeções - Apesar do crescimento das despesas nos últimos dois meses, o relatório prevê que a despesa primária fechará 2021 em 19% do PIB, abaixo dos 19,3% registrados em 2018. Para 2022, caso o Orçamento seja aprovado conforme o texto enviado pela equipe econômica, a proporção deverá cair para 17,5% do PIB, proporção inferior à registrada em 2014 (18,1%). Na avaliação do Ministério da Economia, essa melhora deve-se ao teto federal de gastos.

Dívida Bruta - O relatório também prevê que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG), principal indicador usado nas comparações internacionais, deverá fechar 2021 em 81,2% do PIB. Em 2020, a DBGG tinha subido para 88,8% do PIB por causa da emissão de títulos públicos que custeou diversos gastos relacionados à pandemia, principalmente o auxílio emergencial e o programa de ajuda aos estados e municípios. Para 2022, o relatório estima que a DBGG cairá para 79,8% do PIB. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

ECONOMIA III: IOF não financiará Auxílio Brasil em 2022, diz secretário

economia iof 23 09 2021O aumento recente no Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) não pretende financiar a ampliação do Bolsa Família em 2022, disse nesta quarta-feira (22/09) o secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal. Segundo ele, a medida deve fornecer recursos somente para a criação do Auxílio Brasil, em novembro.

Fora do radar - “Isso nunca entrou no radar do governo”, declarou Funchal, em entrevista coletiva para explicar o Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, documento que orienta a execução do Orçamento.

Próximos anos - Em relação aos próximos anos, Funchal disse que a expansão do Bolsa Família deverá ser custeada pela tributação de dividendos, parcela do lucro das empresas distribuídas aos acionistas. A proposta consta da reforma do imposto de renda, aprovada pela Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado.

Custo - Segundo o secretário, o pagamento de um benefício médio de R$ 300 e a expansão do programa de 14,7 milhões para 17 milhões de famílias custará R$ 5 bilhões em 2021, valor a ser financiado com a elevação do IOF, e R$ 26 bilhões por ano a partir de 2022.

Plano alternativo - Funchal não respondeu se o governo tem um plano alternativo, caso o Congresso não aprove a reforma do imposto de renda. Apenas ressaltou que o projeto de lei está avançando no Senado.

Teto de gastos - Embora a reforma do imposto de renda financie a transformação do Bolsa Família no Auxílio Brasil, o novo programa social depende de espaço no teto de gastos para sair do papel. Dessa forma, o governo pretende aprovar a proposta de emenda à Constituição (PEC) que permite o parcelamento de precatórios (dívidas do governo reconhecidas definitivamente pela Justiça) a partir de 2022. (Agência Brasil)

FOTO: Ministério da Economia

 

CÂMBIO: Dólar fecha acima de R$ 5,30 após anúncio do Banco Central americano

cambio 23 09 2021As indicações de que o Banco Central norte-americano começará a retirar os estímulos monetários ainda este ano fizeram o dólar subir e fechar acima de R$ 5,30. A bolsa de valores fechou em alta pelo segundo dia seguido e retomou os 112 mil pontos, ainda refletindo o alívio em relação às medidas da China para evitar uma crise no mercado imobiliário local.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (22/09) vendido a R$ 5,304, com alta de R$ 0,018 (+0,34%). A cotação operou em queda na maior parte do dia, mas passou a oscilar bastante após o anúncio do resultado da reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), até consolidar a alta perto do fim da sessão.

Ações - No mercado de ações, o otimismo prevaleceu. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 112.282 pontos, com alta de 1,84%. O indicador, que chegou a subir 2,58% na máxima do dia, por volta das 15h, desacelerou após o fim da reunião do Fed, mas a recuperação do preço de diversas commodities (bens primários com cotação internacional) após a incorporadora chinesa Evergrande ter anunciado um pequeno acordo com um dos credores para evitar calote de títulos privados.

Menor nível - No mesmo dia em que o Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou os juros básicos no Brasil, o Fed manteve os juros básicos dos Estados Unidos no menor nível da história, entre 0% e 0,25% ao ano e não alterou o programa mensal de compra de títulos. No entanto, o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que a redução dos estímulos pode começar em novembro e ser concluída em meados de 2022. Paralelamente, os juros começariam a ser elevados no próximo ano.

Retirada de capitais financeiros - O fim dos juros baixos nos Estados Unidos estimula a retirada de capitais financeiros de países emergentes, como o Brasil. Desde o início da pandemia de covid-19, o Fed tem mantido os juros básicos no menor nível da história e injetado dólares na economia internacional.

Mercado chinês - Em relação ao mercado chinês, os temores de que uma eventual falência da Evergrande provoque um efeito dominó que diminua as exportações do Brasil e de outros países emergentes. Caso a segunda maior economia do planeta desacelere e consuma menos commodities, como soja, petróleo e minério de ferro, o Brasil seria atingido. Desde 2009, a China é o principal destino das exportações brasileiras. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

OMS: Organização fixa limites mais restritivos para poluentes atmosféricos

oms 23 09 2021A Organização Mundial de Saúde (OMS) fixou, nesta quarta-feira (22/09), limites mais rígidos para os principais poluentes atmosféricos, entre eles partículas transportadas pelo ar, responsáveis por 7 milhões de mortes prematuras por ano, principalmente nos países pobres. É a primeira atualização das diretrizes da OMS para a qualidade do ar desde 2005.

Influência - Os dados que mostram que a poluição atmosférica tem influência em diferentes aspectos da saúde e aumentou consideravelmente desde aquele ano.

Poluentes clássicos - Por essa razão, a OMS baixou a quase totalidade dos limiares de referência que se referem sobretudo aos chamados poluentes clássicos: as partículas transportadas pelo ar, o ozônio, o dióxido de nitrogênio, o dióxido de enxofre e o monóxido de carbono.

Proteção - As novas diretrizes não são juridicamente vinculativas, mas fornecem aos países um quadro para melhor proteção das suas populações.

Salvar vidas - O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, exortou "todos os países e todos aqueles que lutam para proteger o ambiente a utilizá-las para reduzir o sofrimento e salvar vidas", disse à AFP.

Mortes prematuras - Pelo menos 7 milhões de mortes prematuras, principalmente por doenças não transmissíveis, são atribuídas aos efeitos conjuntos da poluição do ar atmosférico e da poluição do ar interior, de acordo com a OMS.

Ameaça à saúde - "A poluição do ar é uma ameaça à saúde em todos os países, mas afeta sobretudo as populações dos países mais pobres", afirmou o diretor-geral da OMS, acrescentando que esses países são cada vez mais confrontados com níveis crescentes de poluição atmosférica, alimentada pelo crescimento das cidades e o desenvolvimento econômico baseado no uso de combustíveis fósseis.

Ar puro - Para o diretor regional da OMS para a Europa, Hans Henri Kluge, "o ar puro deve ser um direito humano fundamental e uma condição necessária à saúde e produtividade das sociedades".

Ameaça ambiental - Com as alterações climáticas, a poluição do ar é, de acordo com o organismo das Nações Unidas, uma das principais ameaças ambientais para a saúde.

Crianças - Entre as crianças, por exemplo, a poluição atmosférica pode comprometer o desenvolvimento dos pulmões, limitar a função pulmonar, provocar infecções respiratórias e agravar a asma. Já entre os adultos, as cardiopatias isquêmicas e os acidentes vasculares cerebrais são as causas mais frequentes de mortes prematuras atribuídas à poluição atmosférica.

Origem de doenças - Dados mais recentes, de acordo com a OMS, mostram que a poluição do ar pode também estar na origem do diabetes e de doenças neurodegenerativas.

Melhora - Segundo relatório da Agência Europeia do Ambiente, divulgado na terça-feira (21/09), a qualidade do ar em Portugal e na Europa melhorou de 2019 para 2020, possivelmente devido aos confinamentos durante a pandemia de covid-19, embora permaneçam sérios riscos para a saúde devido à poluição atmosférica. (RTP – Genebra / Agência Brasil)

FOTO: Arquivo / Agência Brasil

 

LEGISLATIVO: Senado aprova MP que amplia tolerância para pesagem de caminhões

legislativo 23 09 2021Em sessão semipresencial, nesta quarta-feira (22/09), o Plenário do Senado aprovou a Medida Provisória (MP) 1050/2021, que aumenta de 10% para 12,5% a tolerância para o excesso de peso por eixo de ônibus de passageiros e de caminhões de carga sem aplicação de penalidades. A MP constava da pauta de terça-feira (21/09), mas teve sua votação adiada. Relatada pelo senador Carlos Viana (PSD-MG), a matéria foi aprovada na forma do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 20/2021 e segue agora para a sanção da Presidência da República.

Fiscalização - De acordo com o texto aprovado, os veículos ou combinações de veículos (carretas com reboques, por exemplo) de peso bruto total regulamentar igual ou inferior a 50 toneladas deverão ser fiscalizados apenas quanto aos limites de peso bruto total ou de peso bruto total combinado (caminhão mais o reboque), cuja tolerância fixada pela lei é de 5%. A MP modifica a Lei 7.408, de 1985.

Até 50 toneladas - No caso de o veículo fiscalizado de até 50 toneladas ultrapassar a tolerância máxima do peso, o texto determina que esse veículo também seja fiscalizado quanto ao excesso de peso por eixo, aplicando-se as penalidades de forma cumulativa, respeitada a nova tolerância máxima por eixo. Em relação aos veículos não adaptados ao transporte de biodiesel, mas que realizam o transporte desse produto, o texto aumenta de 5% para 7,5% a tolerância no peso bruto total ou no peso bruto total combinado. A regra vale até o sucateamento desses caminhões.

Deslocamentos - Carlos Viana se disse feliz em relatar a matéria, já que seu pai trabalhou 35 anos como caminhoneiro e outros 15 como empreendedor na área do transporte. O relator argumentou que, a despeito de o transportador distribuir a carga de maneira uniforme no veículo para evitar o carregamento excessivo de qualquer dos eixos do veículo, não é incomum que essa carga sofra pequenos deslocamentos durante o transporte. Muitas vezes, acrescentou o relator, esse deslocamento é responsável pelos pequenos excessos de peso aferidos pela fiscalização.

Medida louvável - “Considero que se trata de medida louvável, que evitará onerar injustamente o transportador com mais um custo que sobrecarrega as operações de transportes”, afirmou Carlos Viana, que fez apenas uma emenda de redação no texto enviado pela Câmara dos Deputados.

Divergência - O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) pediu uma reflexão sobre a MP. Ele cobrou mais empatia no trânsito, pois o aumento do sobrepeso nos ônibus e nos caminhões pode trazer mais insegurança e provocar mais acidentes. Além disso, ressaltou o senador, o assunto não tem relevância nem urgência, requisitos para a edição de uma MP. Contarato lembrou que as regras de trânsito têm sofrido muitas alterações nos últimos tempos, sempre no sentido de relaxar as exigências. Segundo o senador, com mais peso, os caminhoneiros serão prejudicados, já que a medida vai trazer mais gastos com a manutenção dos caminhões. “A minha preocupação é com a vida, com os caminhoneiros e com quem passa pelas vias”, declarou o senador, ao anunciar seu voto contrário à MP.

Tecnologia - Em resposta, Carlos Viana afirmou que também se preocupa com a segurança no trânsito. Ele disse que, hoje em dia, os caminhões têm muita tecnologia para transportar cargas com segurança. Segundo Carlos Viana, as mudanças promovidas pela MP não trarão riscos maiores ao caminhoneiro ou a outros motoristas e pedestres. Apesar dos argumentos do relator, a MP foi aprovada com os votos contrários dos senadores Fabiano Contarato, Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), Jorge Kajuru (Podemos-GO) e Mara Gabrilli (PSDB-SP).

Regulamentação posterior - Enquanto o texto original da MP permitia ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamentar o tema desde a edição da MP, o PLV aprovado no Congresso prevê que o excesso de peso dos veículos será regulado somente a partir do encerramento do prazo de vigência da lei, limitado a 30 de setembro de 2022. A MP fixava a data em 30 de abril de 2022.

Diversidade da frota - A regulamentação do Contran deverá considerar a diversidade da frota do transporte rodoviário de cargas em operação, contemplando os casos de dimensão de tolerância e de isenção na pesagem por eixo. Segundo o governo, a mudança nos limites é uma reivindicação do setor de transporte rodoviário, porque cerca de 43% das multas ocorrem nesse intervalo de tolerância entre 10% e 12,5%.

Transição - Como o texto determina que o Contran regulamente o tema somente depois de setembro de 2022, quando acaba a vigência da Lei 7.408, de 1985, foi criada uma regra de transição, especificando que a fiscalização de trânsito deverá observar, para fins de autuação, os mesmos limites aumentados pela MP até o regulamento. Caminhões de até 50 toneladas deverão ser fiscalizados por excesso de peso somente se excedido o limite de peso bruto total. Também foi incluído no Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503, de 1997) dispositivo para restringir a autuação, por ocasião da pesagem do veículo, aos casos em que o veículo ou combinação de veículos ultrapassar os limites de peso fixados, acrescidos da tolerância.

Vias rurais não pavimentadas - Quanto às vias rurais não pavimentadas, geralmente de circunscrição municipal de trânsito, o texto prevê que o Contran estabelecerá os requisitos mínimos e específicos a serem observados pela autoridade de trânsito ao conceder autorização para o tráfego de caminhões fora dos limites de peso e dimensões, como aqueles que carregam cana-de-açúcar, por exemplo.

Recall - Outra mudança feita durante a tramitação no Legislativo fixa uma data, 1º de outubro de 2019, a partir da qual deverá ser incluída no certificado de licenciamento anual uma informação sobre campanhas de recall não atendidas pelo proprietário do veículo. A novidade tinha sido introduzida no Código de Trânsito Brasileiro pela Lei 14.071, de 2020, mas não impunha um limite temporal para as campanhas passadas. Caberá ao Contran regulamentar a inserção dos dados das campanhas antes dessa data. Se o consumidor não atender ao recall para a correção do problema, o veículo não poderá ser licenciado.

Remoção do veículo - Outro ponto tratado pela MP é a remoção de veículos com irregularidades. O texto insere no CTB uma exceção para permitir que o condutor parado pela fiscalização siga viagem se a irregularidade constatada não puder ser corrigida no local e o veículo oferecer condições de segurança para circular.

Retenção - Para liberar o condutor, a autoridade de trânsito deverá reter o Certificado de Registro Veicular (CRV) mediante recibo e conceder até 15 dias para que a pessoa regularize a situação a fim de poder receber de volta o CRV. A exceção não valerá, entretanto, para veículo que não esteja registrado e licenciado e para veículos de transporte pirata de passageiros ou produtos.

Restrição - Se o condutor não regularizar a situação no prazo, o Detran deverá registrar uma restrição no Renavam, como é chamado o Registro Nacional de Veículos Automotores, até a regularização, sujeitando o condutor à remoção do veículo ao depósito. A remoção é um processo custoso porque o condutor deve pagar as despesas do reboque e da estada do veículo no depósito.

Vale-pedágio e multa - Quanto ao vale-pedágio obrigatório, o texto prevê prazo de 12 meses para que o caminhoneiro cobre do contratante a indenização a que tem direito, de duas vezes o valor do frete, se não receber adiantado o valor do pedágio. Igual prazo valerá para a cobrança da multa administrativa pelo órgão competente por descumprimento da lei do vale-pedágio. A regra terá vigência depois de 180 dias da publicação da futura lei.

Dobro do valor inicial - O texto aprovado prevê ainda nova multa, de duas vezes o valor da inicial, se pessoa jurídica proprietária de veículo multado não indicar o infrator dentro do prazo de 30 dias para essa comunicação ao Detran. A regra passa a valer após 180 dias da publicação da futura lei.

Notificações - O texto da MP reformula regras sobre notificações de infrações e recursos de multas perante os órgãos de trânsito. Quanto às notificações, o texto determina a contagem do prazo de 180 dias para o órgão enviar a notificação de penalidades a partir da data do cometimento das infrações de advertência por escrito e multa. Esse prazo vale para o caso de não ter havido recurso, aumentando para 360 dias se isso ocorrer.

Prazo - No entanto, se a autuação não for em flagrante (multa por radar, por exemplo), o prazo será contado a partir da data do conhecimento da infração pelo órgão de trânsito. Se a penalidade for de suspensão do direito de dirigir, de cassação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou da Permissão para Dirigir, ou de frequência obrigatória em curso de reciclagem, o prazo contará da conclusão do processo administrativo da infração que o originou.

Efeito suspensivo - O relatório aprovado também incluiu o efeito suspensivo para os recursos contra infrações de trânsito, que deverão ser julgados dentro de 24 meses, sob pena de prescrição da pretensão punitiva, ou seja, o órgão de trânsito não poderá mais exigir o cumprimento da penalidade.

Novos colegiados especiais - Para ajudar na análise dos recursos, o texto permite a formação de novos colegiados especiais de julgamento no âmbito das Juntas Administrativas de Recursos de Infrações (Jari) sempre que forem necessários. Já os prazos processuais do CTB não poderão ser suspensos, exceto por motivo de força maior devidamente comprovado. Essas regras terão vigência a partir de 1º de janeiro de 2024. (Agência Senado, com informações da Agência Câmara)

FOTO: Waldemir Barreto / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil registra 21,2 milhões de casos e 592,3 mil mortes

O número de pessoas infectadas desde o início da pandemia de covid-19 no Brasil subiu para 21.238.567. Em 24 horas, foram registrados 36.473 novos diagnósticos positivos. Na terça-feira (21/09), o número de casos acumulados estava em 21.247.094.

Óbitos - Já o total de pessoas que não resistiram à pandemia até o momento é de 592.316 pessoas. Entre terça e quarta-feira (21 e 22/09), foram confirmadas pelas autoridades de saúde 876 novas mortes. Na terça, a compilação de dados do Ministério da Saúde contabilizava 591.440 óbitos.

Recuperadas - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 foi para 20.295.538. Isso corresponde a 95,4% das pessoas infectadas no Brasil desde o início da pandemia.

Acompanhamento - Ainda há 395.713 casos em acompanhamento. O nome é dado ao número de casos ativos de pessoas que tiveram o diagnóstico confirmado e estão sendo atendidas por equipes de saúde ou se recuperando em casa.

Investigação - Ainda há 3.271 mortes em investigação. Isso porque em muitos casos o paciente morre e a análise sobre a causa continua mesmo após o óbito.

Dados - Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras, os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim de semana.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (148.495), Rio de Janeiro (65.227), Minas Gerais (54.162), Paraná (38.624) e Rio Grande do Sul (34.661). Na parte de baixo da lista estão Acre (1.835), Amapá (1.975), Roraima (1.988), Tocantins (3.752) e Sergipe (6.006).

Vacinação - Até o início da noite de quarta-feira (22/09), o painel de vacinação do Ministério da Saúde não possuía novas atualizações. Até esta quarta-feira, o sistema marcava 224,9 milhões de doses aplicadas, sendo 142,6 milhões da 1ª dose e 82,2 milhões da 2ª dose. Nas últimas 24 horas, foram aplicadas 1,3 milhão de doses.

PNI - Quando considerados apenas os dados consolidados no sistema do Programa Nacional de Imunizações (PNI), foram aplicadas 213,3 milhões de doses, sendo 135,7 milhões da 1ª dose e 77,5 milhões da 2ª dose.  

Distribuição - Ainda conforme o painel de vacinação, foram distribuídas 287,9 milhões de doses, sendo entregues 265,8 milhões de doses. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2021-09-22 at 18.59.38

SAÚDE II: Boletim da Sesa confirma 2.146 novos casos e 72 óbitos pela Covid-19

saude II 23 09 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nesta quarta-feira (22/09) mais 2.146 casos confirmados e 72 mortes — referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.489.951 casos confirmados e 38.407 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de setembro (1.816), agosto (141), julho (35), junho (109), maio (45) de 2021.

Internados - 738 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 555 pacientes em leitos SUS (330 em UTI e 225 em leitos clínicos/enfermaria) e 183 em leitos da rede particular (107 em UTI e 76 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.509 pacientes internados, 778 em leitos UTI e 731 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 72 pacientes. São 32 mulheres e 40 homens, com idades que variam de 23 a 97 anos. Os óbitos ocorreram entre 30 de maio a 21 de setembro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (12), Londrina (10), Cascavel (4), Toledo (2), Santo Inácio (2), Paranavaí (2), Loanda (2), Colombo (2), Cambé (2) e Araucária (2).

Uma morte - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Xambrê, Tapejara, São Sebastião da Amoreira, São Miguel do Iguaçu, São Mateus do Sul, Santo Antônio da Platina, Santa Terezinha de Itaipu, Ribeirão do Pinhal, Quarto Centenário, Pérola, Ponta Grossa, Paranaguá, Ortigueira, Marmeleiro, Maringá, Mariluz, Marechal Cândido Rondon, Iretama, Imbituva, Guaratuba, Foz do Iguaçu, Douradina, Corbélia, Colorado, Campo Largo, Califórnia, Borrazópolis, Bocaiúva do Sul, Bandeirantes, Astorga, Apucarana e Andirá.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.104 casos de residentes de fora do Estado, 217 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

Confira relatório de Exclusões e Correções de Municípios.

 

SAÚDE III: Ministério volta a recomendar vacinação de adolescentes

saude III 23 09 2021O Ministério da Saúde voltou a recomendar a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos contra a covid-19 – incluindo jovens sem comorbidade. O anúncio foi feito na noite desta quarta-feira (22/09) durante coletiva de imprensa, uma semana após a recomendação da pasta de suspender a imunização nessa faixa etária, exceto em casos de comorbidade.

Confirmação - De acordo com secretário-executivo do ministério, Rodrigo Cruz, um comitê formado por representantes da pasta e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmou que a morte de uma jovem de 16 anos em São Bernardo do Campo não está relacionada à vacina. “Os benefícios da vacinação são maiores que os eventuais riscos de eventos adversos”, disse.

Pfizer - Na coletiva, Cruz disse que, até o momento, somente o imunizante da Pfizer possui autorização da Anvisa para ser aplicado na faixa etária de 12 a 17 anos. A pasta constatou ainda que, apenas em 0,7% de todas as doses aplicadas em adolescentes no Brasil, foram utilizados imunizantes sem autorização da agência.

Benefícios - “Hoje, o ministério não suspende mais de forma cautelar a imunização em adolescentes sem comorbidades. Essa vacinação tem a aprovação da Anvisa e está liberada pelo ministério. Mostrou-se que, de fato, os benefícios para imunizar esse grupo são maiores que os eventuais riscos de eventos adversos na imunização desses adolescentes”, reforçou.

Mais vulneráveis e dose de reforço - O secretário-executivo destacou que a recomendação da pasta é que seja priorizada a imunização de adolescentes considerados mais vulneráveis, incluindo jovens de 12 a 17 anos com deficiência permanente, com algum tipo de comorbidade e jovens privados de liberdade. “Não só esse grupo, mas também aquela população que necessitará de reforços de vacinação deve ser priorizada e o encurtamento de prazo da segunda dose da população adulta também deve ser priorizado”, concluiu. (Agência Brasil)

FOTO: Breno Ezaki / Agência Saúde

 


Versão para impressão


RODAPE