Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5168 | 04 de Outubro de 2021

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Indicadores econômicos e financeiros são apresentados à diretoria da Central Sicoob/Unicoob

ri 04 10 2021Na manhã desta segunda-feira (04/10), foi realizada mais uma reunião institucional promovida pelo Sistema Ocepar, desta vez com a participação da Central Sicoob/Unicoob. Durante uma hora, a área de monitoramento e autogestão apresentou os principais indicadores da cooperativa, mostrando o desempenho da central deste ano de 2021 em relação ao cenário de outras cooperativas similares. O evento contou a participação do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do presidente da central, Wilson Cavina, do presidente-executivo, Márcio de Souza Gonçalves e dos diretores, Cesar Ricardo Lazarino (Negócios) e Carlos Schlick (Mercado). Pelo Sistema Ocepar, além de Ricken, prestigiaram a reunião virtual, os superintendentes, Robson Mafioletti e Leonardo Boesche, da Ocepar e do Sescoop/PR, respectivamente e a gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira, o coordenador, João Gogola Neto e o analista Jessé Rodrigues.

Sintonia– Wilson Cavina destacou sobre a importância dessas reuniões institucionais para pode analisar os cenários da cooperativa. “É muito importante podermos ter uma visão de fora sobre nosso trabalho para que possamos realizar os ajustes necessários. Temos uma equipe altamente especializada para dar as respostas necessárias. Todos estão imbuídos em buscar a melhoria do processo e do desenvolvimento do cooperativismo de crédito”. Cavina ainda ressaltou que “o cooperativismo é uma sociedade de pessoas, nosso meio é o financeiro, mas nosso fim sempre são as pessoas. Precisamos do econômico para fortalecer o social e confesso que para nós é uma honra pode trabalhar com todos vocês com esses objetivos bem alinhados”, destacou.

Sistema Ocepar– O presidente Ricken fez um relato sobre o PRC200, plano estratégico do cooperativismo paranaense que foi construído com apoio de todo o sistema, inclusive com a participação do Sistema Sicoob/Unicoob. “A base do nosso trabalho é o planejamento. Ter uma noção clara sobre as principais demandas das nossas cooperativas e o que temos que contribuir para que as metas do planejamento possam ser atingidas. Da mesma forma que fizemos com o PRC100, também ouvimos todos os presidentes de cooperativas e seus executivos e avaliamos o plano nas reuniões de diretoria, nos Fóruns de Presidentes, Encontros de Núcleos e validamos na Assembleia Geral Ordinária da Ocepar, em abril deste ano. Precisamos inovar e investir em pessoas, treiná-los cada vez mais para preparar o setor para os desafios que virão pela frente”, frisou Ricken.

 

GETEC: Informe nº 48 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 04 10 2021A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (04/10), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2021, 2022 e 2023.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

 

SISTEMA OCB I: Seminário do Ramo Transporte da Região Sul será realizado nesta terça-feira

sistema ocb I 04 10 2021Para fomentar a construção de estratégias entre as cooperativas de transporte, o Sistema OCB está promovendo uma série de encontros virtuais, em que estão sendo discutidos os objetivos para o ramo, inicialmente de forma regionalizada e, depois, nacionalmente. O evento da região Sul será realizado na tarde desta terça-feira (05/10), a partir das 15h, pela plataforma Zoom. As inscrições devem ser feitas pelo link: https://in.coop.br/seminariotransporte.

 

SISTEMA OCB II: Estudo aponta as tendências de mercado diante de um novo mundo

sistema ocb II 04 10 2021O Sistema OCB acaba de divulgar a segunda parte do estudo Coop de olho no futuro: tendências de mercado diante de um novo mundo, elaborado em parceria com o Instituto Superior de Administração e Economia (Isae). O material aborda questões sobre o que está acontecendo no mundo e como isso impacta a sua cooperativa, além de apresentar as principais tendências globais que as cooperativas dos ramos Agro, Crédito, Transporte e Saúde precisam ter em seu radar.

ConexãoCoop - O estudo é um dos produtos que podem ser encontrados gratuitamente no site ConexãoCoop, que reúne em um só lugar informações e serviços focados no acesso aos mercados nacional e internacional, intercooperação, além de conteúdos e ferramentas de inteligência de mercado. Para ter acesso, basta que a cooperativa esteja regular com o Sistema OCB.

Customizado - Vale destacar que o material foi elaborado de forma customizada para a OCB, e estruturado em três partes: forças estruturantes, dinâmicas emergentes e mapeamento econômico dos ramos selecionados.

Análise - Segundo a gerente de Relações Institucionais do Sistema OCB, Clara Maffia, com base nas informações desse estudo será possível às coops analisar tendências para uma tomada de decisões mais segura, tornando a cooperativa ainda mais relevante no mercado.

Dinâmicas Emergentes - “Esse segundo bloco do estudo abre-se para um olhar de tendências específicas chamadas Dinâmicas Emergentes. São narrativas somadas a estudos de casos, que inspiram a partir da visão de novos modelos de negócio, maneiras de gestão, métodos, produtos, serviços e comunicação, e que servem para concretizar os conceitos nas megatendências”, explicou.

O que você vai encontrar - Entre as muitas informações que o leitor poderá encontrar, estão, por exemplo, tendências específicas para cada os ramos do cooperativismo. Quer um spoiler? Confere aqui:

Ramo Agropecuário

O mercado de alimentação saudável

Rastreabilidade e transparência

Fazendas Verticais

Ramo Crédito

Baas (Bank as Service ou Banco como serviço)

Open Banking e PIX – descentralização bancária

Criptomoedas

Ramo Transporte

Carros, bicicletas, patinetes e aviões compartilhados

Mobilidade verde e emissão de CO²

Drones

Ramo Saúde

Comunidades Inteligentes de Saúde (Smart health communities)

Desospitalização:

E-health (saúde virtual):

Exemplos - Além de explicações sobre essas e outras tendências, você também vai encontrar exemplos de cooperativas que já vivem o futuro agora, no presente.

Confira - Para acessar a segunda parte do estudo, clique aqui.

Primeira parte - E, caso queira acessar a primeira parte do estudo, lançado no fim de agosto, pelo Sistema OCB, como parte da programação da Semana ConexãoCoop, pode ser acessada por aqui. (OCB)

 

CAPACITACOOP: Curso sobre felicidade está no ar

capacita coop 04 10 2021Para estimular a busca constante do bem-estar, as práticas de responsabilidade socioambiental e da qualidade de vida dos colaboradores das cooperativas, o Sescoop criou o programa Felicidade Interna do Cooperativismo (FIC), realizado por pessoas chamadas Felicitadores – um trocadilho entre com as palavras felicidade e facilitador.

Multiplicadores - E, para que o trabalho dessas pessoas seja cada vez mais eficiente, o Sescoop também acaba de formatar e disponibilizar o curso O jeito coop de ser feliz. A ideia é capacitar os interessados para que sejam multiplicadores do conceito de felicidade, colocando-o em prática no dia a dia, visando a um melhor desempenho e uma melhor aplicação das diretrizes do FIC.

Sobre o curso - O curso é totalmente gratuito, tem 8 horas, ocorre na modalidade EAD e é realizado por meio da maior plataforma de desenvolvimento profissional do cooperativismo brasileiro: a Capacitacoop. Vale destacar que é direcionado aos Felicitadores do Programa FIC, mas pode ser feito por quem deseja conhecer um pouco mais sobre o assunto.

Primeiro módulo - Logo no primeiro módulo você vai conhecer como os filósofos e pesquisadores da neurociência abordam o conceito de felicidade ao longo do tempo. Além disso, compreenderá como cultivar uma mentalidade mais feliz, desenvolvendo habilidades específicas.

Segundo módulo - Já no módulo 2, o constructo da felicidade será aprofundado. Por meio da compreensão do surgimento da psicologia positiva, será possível entender os seus cinco pilares e como colocá-los em prática. Você poderá aprofundar seu autoconhecimento através do Teste Via e compreender as forças de caráter necessárias para a aplicação do bem-estar.

Diferenças - Por último, serão exploradas as principais diferenças entre o conceito do PIB e do FIB e seus paradoxos com a felicidade, além de compreendermos os nove domínios do FIB relacionados a um novo modelo do desenvolvimento sustentável possível.

Inscreva-se - Você se identificou? Então participe do curso: O jeito coop de ser feliz. Ele foi criado para tornar essa experiência mais potente e ainda contagiar outras pessoas!

Link - Acesse CapacitaCoop e faça sua inscrição. (OCB)

 

COCAMAR I: Premiação da IstoÉ Dinheiro será on-line nesta terça-feira às 19h

Nesta terça-feira (05/10), a partir das 19h, a Revista IstoÉ Dinheiro promove a cerimônia As Melhores da Dinheiro 2021 para premiar as empresas campeãs em 31 setores da economia brasileira.

Homenagem - Vencedora no segmento Agronegócio/Cooperativas, a Cocamar Cooperativa Industrial é uma das corporações homenageadas.

Resultados - Em sua 18ª edição, o Ranking As Melhores da Dinheiro é elaborado todos os anos para conhecer as empresas campeãs em diferentes áreas. Para chegar às vencedoras de 2021, a publicação analisou os resultados das 1.000 melhores empresas do Brasil reconhecidas pela capacidade de buscar soluções em inovação e qualidade, recursos humanos, responsabilidade social, governança corporativa e sustentabilidade financeira.

Critérios - De acordo com a Revista, o primeiro lugar da Cocamar foi conquistado depois de a cooperativa garantir o 1º lugar em Recursos Humanos, 1º lugar em Inovação e Qualidade, 1º lugar em Responsabilidade social, 1º lugar em Sustentabilidade Financeira e 3º lugar em Governança Corporativa.

Fique ligado - Acompanhe o evento nos portais www.istoédinheiro.com.br e www.istoé.com.br. (Imprensa Cocamar)

COCAMAR II: Usina de biodiesel deve ficar pronta em dezembro

cocamar II 04 10 2021Com a expectativa de iniciar a operação no dia 15 de dezembro, a usina de biodiesel que a Cocamar vem construindo no seu parque industrial em Maringá (PR), terá capacidade para produzir 300 toneladas/dia.

Investimentos - Prevista no planejamento estratégico do ciclo 2020/25, a planta está recebendo investimentos da ordem de R$ 40 milhões.

Ampliação no esmagamento - Totalmente automatizada, a unidade vai demandar o óleo extraído de 1,5 mil toneladas de soja por dia, em média. O gerente executivo industrial, Valdemar Cremoneis, informa que está prevista para o mesmo ciclo do planejamento a ampliação em 50% na capacidade de esmagamento de soja na indústria de óleo da cooperativa, que vai passar de 3 mil toneladas para 4,5 mil toneladas/dia. “Com isso teremos mais matéria prima para atender tanto a usina de biodiesel quanto a produção de óleo destinada ao varejo.”

Verticalização - A usina é uma nova oportunidade de negócios para os produtores cooperados que, assim, agregam mais valor à sua produção. Com isso, a cooperativa avança na verticalização no complexo soja. Neste ano, a Cocamar deve processar 1 milhão de toneladas do grão.

Selo social - Os cooperados proprietários de pequenas áreas, inclusive, que se cadastraram até 18/11/2020, têm direito ao Selo Social, em que vai ser oferecido um valor adicional de R$ 1,20 por saca de soja. Eles possuem áreas com até quatro módulos fiscais e estão enquadrados no Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), têm DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf) ativa e o CAR (Cadastro Ambiental Rural).

Inclusão - O Selo Social é um programa interministerial do governo federal que tem como finalidade promover a inclusão do biodiesel na matriz energética brasileira e fortalecer a agricultura familiar. (Imprensa Cocamar)

 

LAR: Cooperativa é a empresa privada mais admirada do Oeste do Paraná

lar 04 10 2021Encomendada ao Instituto Opinião pela Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop) e apresentada aos prefeitos na última assembleia geral da entidade, uma ampla pesquisa identificou os sentimentos e aspirações dos habitantes da região em relação a diversos temas, abordando aspectos sobre a situação econômica das pessoas ouvidas, o grau de satisfação com a vida atual, a qualidade dos serviços públicos, sugestões de obras e investimentos governamentais e expectativas futuras.

Pergunta - Em um dos itens do questionário, respondendo à pergunta “Quais dessas empresas você acredita representar mais o Oeste do Paraná?”, os entrevistados, a partir de uma lista com os nomes das maiores companhias da região, apontaram, nessa ordem de preferência, a Itaipu Binacional, cooperativa Lar, Frimesa, Coopavel, Copacol, Muffato, C. Vale e Copagril.

Agradecimento - Presidente da Lar, primeira colocada do ranking quando se exclui a hidrelétrica Itaipu, que é uma empresa estatal, o engenheiro-agrônomo Irineo da Costa Rodrigues agradeceu à população oestina pelo “honroso reconhecimento, que recebemos com alegria e humildade, mas que também nos dá um imenso orgulho por ser o resultado de uma vitoriosa trajetória de quase seis décadas de trabalho, fé e superação, propiciando oportunidades de crescimento e prosperidade para nossos associados, hoje somando mais de 12 mil famílias, e gerando dezenas de milhares de postos de trabalho diretos e indiretos em todas as nossas áreas de atuação”.

A cooperativa - Cooperativa agroindustrial que mais emprega no país, beirando a casa dos 23 mil colaboradores em suas diversas unidades de produção distribuídas pelo Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, a Lar é uma das maiores processadoras e exportadoras de carne de frango do Brasil, aproximando-se do abate diário de 1 milhão de aves, e acaba de lançar uma grande campanha publicitária para reforçar sua marca em âmbito nacional estrelada pelo cantor Michel Teló, que nasceu e deu os primeiros passos de sua carreira justamente em Medianeira, sede da empresa, com quem sua família mantém antigos e sólidos vínculos de amizade.

Consulta - A consulta do Instituto Opinião Pesquisas foi realizada entre os dias 22 e 28 de maio deste ano e abrangeu uma amostragem de 2.520 moradores de 16 municípios sorteados segundo critérios de classificação do IBGE, com margem de erro de 1,95% e índice de confiabilidade de 95%. (Imprensa Lar)

 

 

 

SICREDI: Sorteio especial de R$ 500 mil será realizado em outubro, mês da poupança

A campanha de incentivo “Poupança Premiada”, promovida pelo Sicredi nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, celebra o mês da poupança e realiza, em outubro, o sorteio especial de R$ 500 mil. Até o fim do ano, serão distribuídos R$ 2,5 milhões em prêmios, em sorteios semanais de R$ 5 mil, além do grande prêmio de R$ 1 milhão no fim da ação, em dezembro. Até agora, mais de 120 associados já foram contemplados na campanha com mais de R$ 625 mil em prêmios.

Incentivo - De acordo com a gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Adriana Zandoná França, a iniciativa tem como objetivo incentivar o hábito de poupar dos associados. "Para muitos, o planejamento financeiro começa com a poupança, modalidade mais tradicional no país por ser vista como uma forma simples e de baixo risco para aplicação de recursos. O fato de não incidir imposto de renda e IOF faz da opção uma boa escolha para quem pretende iniciar uma reserva financeira”, comenta.

Benefícios para associado e comunidade - Com a campanha, já foram gerados mais de 88 milhões de números da sorte, com um incremento de aproximadamente R$ 960 milhões às cooperativas Sicredi filiadas à Central Sicredi PR/SP/RJ. Além do incentivo ao planejamento financeiro, a poupança, no cooperativismo de crédito, ajuda na promoção do desenvolvimento econômico e social das comunidades. Isso porque, os recursos captados pela modalidade ficam nas áreas de atuação das cooperativas e incrementam a contratação de crédito rural e comercial pelos associados. “Os recursos captados geram um impacto positivo localmente e fomentam o ciclo virtuoso uma vez que as cooperativas ganham maior capacidade de apoiar o desenvolvimento da região onde atua beneficiando tanto os mais de 1,5 milhão de associados nos três estados quanto os negócios e a economia local”, finaliza Adriana.

Participar é simples - A cada R$ 100 aplicados na poupança do Sicredi, é gerado um número da sorte para concorrer aos sorteios realizados pela Loteria Federal. Se as aplicações forem na modalidade programada, quando o poupador autoriza o débito mensal da conta, as chances de ganhar são em dobro. A participação é automática nas duas modalidades, ou seja, o associado não precisa se cadastrar ou preencher cupons. No site da campanha é possível visualizar os números da sorte e conferir conteúdos específicos sobre finanças e dicas financeiras, além de conhecer o regulamento, os vencedores dos sorteios e outras informações sobre o Sicredi.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 25 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2021/noticias/10/04/sicredi/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Associados são premiados em campanhas do seguro e da poupança

sicredi uniao 04 10 2021Valnei Antônio Pereira está com o sorriso de orelha a orelha e não é para menos: ele foi um dos premiados pela Sicredi União PR/SP neste mês e acaba de receber R$ 35 mil. Associado há quatro anos, o construtor que mora em Douradina, na região noroeste do Paraná, adquiriu um seguro de vida e foi por meio deste produto que ele tirou a sorte grande.

Feliz e agradecido - “Estava prestes a comprar uma caminhonete para auxiliar no trabalho na construção civil, então, o dinheiro não poderia ter vindo em hora melhor. Estou feliz e agradecido”, afirma. Além da alegria de ter sido sorteado, o associado comemora o atendimento rápido e de qualidade que recebe na cooperativa. “É isso que cativa, todos os colaboradores são atenciosos e nos tratam com muito respeito”, elogia.

Prêmios - Além de contratar seguros de diversas modalidades, como vida, automóvel, rural e agrícola, com as principais seguradoras do mercado, os associados da cooperativa concorrem a prêmios. É que por meio de uma parceria com a Icatu, os associados podem ganhar até R$ 50 mil por mês na contratação de seguro de vida, dependendo da cobertura e do tipo de produto – a contratação pode ser feita em qualquer uma das 111 agências.

Alegria - Quem também está feliz da vida é a professora Marilza Aparecida de Almeida, de Ângulo, que fica a 35 quilômetros de Maringá. Ela é associada há três anos, contratou seguro de vida e foi contemplada com R$ 14 mil. “Nunca imaginei receber este prêmio. Foi uma alegria enorme”, afirma.

Destino certo - O dinheiro já tem destino certo, afinal, segundo a professora, sonhos e projetos ela tem de sobra. Parte do valor será destinada ao financiamento do carro da família e outra parte vai ajudar na reforma da casa. “Os colaboradores da agência prepararam uma surpresa: me chamaram para assinar documentos e de repente chegou uma caixa com o meu nome e lá tinha um cheque simbólico com o valor. Foi difícil conter a emoção”, conta.

Incentivo à poupança - Mas não é apenas a contratação de seguros que rende prêmios. Quem participa da campanha Poupança Premiada, que incentiva o hábito de poupar, pode ganhar até R$ 1 milhão. Só em setembro quatro associados da Sicredi União PR/SP foram contemplados com R$ 5 mil cada em Munhoz de Mello, Japurá, Maringá e Mogi Guaçu. São eles, respectivamente: Lucas Araújo Silva, Irene Mazone Scremim, Marinete Aparecida Meggiato e Laikon Marinho Machado Poleto.

Contemplados - Desde que a campanha começou, em março, 29 associados da Sicredi União PR/SP foram contemplados com R$ 5 mil. No total, a campanha realizada nas cooperativas do Sicredi no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, vai distribuir R$ 2,5 milhões, sendo que o prêmio de R$ 500 mil será entregue em 31 de outubro e o sorteio final de R$ 1 milhão será em 20 de dezembro. A cada R$ 100 aplicados na poupança do Sicredi é gerado um número da sorte para concorrer nos sorteios, que acontecem pela Loteria Federal. Se as aplicações forem na modalidade programada (quando o poupador autoriza o débito mensalmente em sua conta), as chances de ganhar são em dobro. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Exposição mostra o processo do despertar da liderança para a longevidade

No mês de outubro, que começa celebrando o Dia do Idoso, a Sicredi União PR/SP encerra, com uma exposição de fotos, o projeto “Despertar da Liderança para a Longevidade”. A exposição será aberta na próxima quinta-feira (07/10), às 19 horas, no Espaço CoopConecta Sicredi União PR/SP, em Londrina (PR).

Reflexões - Durante um ano e meio, 13 associados da cooperativa de crédito, membros do Comitê Máster (60+) da Regional Norte realizaram encontros remotos mensais, nos quais foram refletidos seus propósitos, sonhos e planos atrelados ao cooperativismo. Segundo Gabriela Ottoboni Maciel de Castro, coordenadora de Cooperativismo, o objetivo do trabalho foi justamente despertar a autopercepção dos associados 60+ sobre o potencial de liderança que ainda possuem. “A exposição vem pra trazer às pessoas, de forma concreta, esse olhar com valor para o público 60+”, analisa Gabriela.

Parceria - O trabalho contou com a parceria de Simone Fernandes, fisioterapeuta especialista em longevidade, de Maringá.

Vida - A exposição é composta por duas facetas. A primeira, explica Gabriela, são imagens em preto e branco de cada um dos associados. “E temos a faceta colorida, mostrando que há ainda muita cor, muita tinta pra ser gasta no decorrer da trajetória deles, seja num ambiente profissional, social ou familiar”, comenta.

Manifesto - A exposição poderá ser visitada de segunda a sexta-feira, até o final de outubro, das 9 às 18h30. Além das fotos, os membros do comitê também redigiram um manifesto, que fala da passagem do tempo, dos novos aprendizados e do desejo de estarem ativos, trocando experiências e construindo um mundo melhor para todos. O Espaço CoopConecta fica na Avenida Ayrton Senna 555, Londrina. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

SICOOB MÉDIO OESTE: Agência de Nova Aurora comemora a marca de mil cooperados

sicoob medio oeste 04 10 2021A agência de Nova Aurora (PR) do Sicoob Médio Oeste está em festa. O ponto de atendimento acaba de atingir a marca de mil cooperados, pouco mais de três anos da inauguração.

Conquista - Segundo o gerente da agência, Lélio Marques Cavalcante, todos estão muito alegres e orgulhosos com a conquista. “Somos gratos por cada um que faz parte do Sicoob Médio Oeste em Nova Aurora. São pessoas que acreditam no nosso trabalho, na força do cooperativismo como ferramenta para promover a prosperidade e justiça financeira”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Superávit da balança bate recorde anual em nove meses, com US$ 56,4 bilhões

comercio exterior 04 10 2021A balança comercial brasileira alcançou superávit recorde de US$ 56,4 bilhões nos nove primeiros meses de 2021, com crescimento de 38,3%, pela média diária, em relação mesmo período do ano passado. Os dados divulgados na sexta-feira (01/10) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia mostram que as exportações até setembro subiram 36,9%, atingindo US$ 213,9 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 156,8 bilhões, em alta de 36,4%. A soma de exportações e importações resultou em uma corrente de comércio de US$ 370,01 bilhões, em crescimento de 36,7%.

Resultado - “No acumulado de janeiro a setembro, o resultado já é bastante representativo do que vai ser 2021. O saldo comercial é recorde para períodos de janeiro a setembro e, mesmo se considerarmos períodos de 12 meses, ele é recorde”, destacou o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Herlon Brandão, em entrevista coletiva. O recorde anual anterior foi de US$ 56 bilhões, em 2017.

Setembro - Considerando apenas os meses de setembro, o Brasil também registrou recordes nas exportações e na corrente de comércio. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, as exportações cresceram 33,3% e somaram US$ 24,28 bilhões. As importações subiram 51,9% e totalizaram US$ 19,96 bilhões. Assim, a balança comercial fechou setembro com superávit de US$ 4,32 bilhões, recuando 15%, e a corrente de comércio subiu 41,1%, alcançando US$ 44,25 bilhões.

Preços e volumes - Herlon Brandão explicou que houve um pico das exportações em junho, quase US$ 1,4 bilhão na média diária, e agora há uma redução, mas com um valor relativamente estável, em torno de US$ 1,2 bilhão nos últimos três meses, também na média diária. “Temos um crescimento dos volumes exportados no ano, mas com a receita sendo muito influenciada pelo aumento dos preços até o segundo trimestre. Agora, já há uma desaceleração”, observou.

Minério de ferro - Ele salientou que houve uma redução, principalmente, do preço do minério de ferro, que chegou a um pico de US$ 160/tonelada, em agosto, e hoje está sendo exportado por US$ 120/tonelada. Ainda assim, o valor está muito acima do que se viu no ano passado. “Há uma desaceleração do efeito preço e um volume ainda crescente ao longo do ano”, ponderou.

Setores - A Indústria Extrativa vem se destacando nas exportações do acumulado do ano, com aumento de 76,6%, puxado por petróleo e minério. Já na Indústria de Transformação, a alta foi de 26,7%, enquanto as vendas de agropecuária subiram 21,2%.

Bens agropecuários - Brandão salientou que os bens agropecuários apresentam volume decrescente de exportações (-8,7%), principalmente sob influência do milho, pois as vendas de soja se mantêm com volumes equilibrados. Já os preços na Agropecuária cresceram 23,7%.

Importações - Do lado das importações, as compras de bens de capital, que até junho estavam em queda, agora se recuperaram e passaram para o terreno positivo, com aumento de 3% no acumulado do ano. O destaque nesse setor foi das compras de máquinas e veículos de carga. No segmento de bens intermediários, as maiores compras foram de insumos eletroeletrônicos, adubos e fertilizantes. O subsecretário pontuou a importância dos bens importados para a produção interna.

Principais destinos e origens Entre os destinos, as exportações para os Estados Unidos subiram 47% até setembro e já representam 10,4% das vendas brasileiras. A China, maior parceiro comercial do país – com 34,3% de participação –, teve alta de 32,6%. Já para a Argentina as exportações subiram 47,5%, e para a União Europeia houve aumento de 32%.

Aumento - Nas importações, as compras de produtos da Argentina cresceram 44,7% nos nove primeiros meses, totalizando US$ 8,14 bilhões. Dos Estados Unidos, o aumento foi de 29,8%, com US$ 27,30 bilhões. A China vendeu 34,8% a mais para o Brasil, chegando a US$ 34,48 bilhões, e a União Europeia aumentou suas vendas para o País em 25,7%, somando US$ 27,92 bilhões.

Previsões - A Secex também apresentou a previsão atualizada dos resultados do comércio exterior brasileiro para 2021. O modelo de previsão está disponível no portal do Ministério da Economia.

Recorde histórico absoluto - A estimativa é de que as exportações atinjam US$ 281 bilhões, um recorde histórico absoluto, mesmo com uma redução em relação às previsões apresentadas em julho, quando o valor era de US$ 307,5 bilhões. O crescimento estimado é de 34,3%. “Estamos projetando três meses pra frente, em linha com o que observamos até agora”, explicou o subsecretário.

Desaceleração - Segundo ele, a exportação cresceu 36% no acumulado de 12 meses, então deve acontecer uma ligeira desaceleração nos próximos meses, convergindo para esse aumento em torno de 34%, considerando o desaquecimento dos preços dos produtos exportados.

Contrário - Na importação, ocorre o contrário. Como os preços se aquecem, influenciam a despesa com importação, elevando a projeção para US$ 210 bilhões. Assim, o saldo estimado diminuiu para US$ 70,9 bilhões contra US$ 105,3 bilhões das previsões de julho, mas ainda batendo um recorde.

Acentuar - “Já batemos um recorde, mesmo se considerarmos anos fechados”, reforçou Brandão, citando os US$ 56,4 bilhões de saldo para nove meses. Então, esse recorde deve se acentuar para US$ 70,9 bilhões em 2021, o que está em linha com as previsões de Banco Central e de mercado.”

Soma - A soma das exportações e importações, segundo a Secex, também vai gerar um recorde da corrente de comércio, com US$ 491,1 bilhões. Esse valor representa um aumento de mais de 30% sobre o ano passado. (Ministério da Economia)

Veja os principais resultados da balança comercial

FOTO: Pixabay

 

EXPO DUBAI I: Emirados Árabes querem atrair empresas alimentícias brasileiras

Com uma terra majoritariamente composta por deserto, com pouca água e pouca terra cultivável, os Emirados Árabes Unidos têm uma preocupação especial com sua segurança alimentar. Mais de 80% dos alimentos consumidos no país são importados.

Parceiro importante - Segundo a ministra de Mudanças Climáticas e Meio Ambiente dos Emirados Árabes, Mariam Almheiri, o Brasil, cuja principal pauta exportadora para a nação árabe são alimentos (em especial carne de frango), é um parceiro importante para garantir que não falte comida para o país.

Estabelecer - Mas os Emirados Árabes não vêem o Brasil apenas como um exportador de gêneros alimentícios. Durante abertura de encontro de empresários das duas nações, nesse domingo (03/10) em Dubai, a ministra destacou que seu país pode ser atrativo para empresas brasileiras que queiram aí se estabelecer, devido à qualidade da infraestrutura de transportes e a proximidade com grandes mercados consumidores no Oriente Médio, Norte da África e subcontinente indiano.

Exemplo - Ela citou a BRF como exemplo de empresa brasileira que estabeleceu uma planta industrial nos Emirados. “Produtores de alimentos brasileiros que queiram se estabelecer nos Emirados Árabes podem se beneficiar de leis recém-criadas que permitem 100% de propriedade estrangeira na produção de trigo, milho, cevada, legumes e cana-de-açúcar, alimentos básicos de que o país precisa”, disse a ministra.

Agrotecnologia - Mariam Almheiri também explicou que os Emirados Árabes têm interesse nas tecnologias agrícolas brasileiras. Segundo o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, que também participou do encontro em Dubai, a ministrou interesse pelo trabalho desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.

Cerrado brasileiro - “Nós desenvolvemos uma tecnologia que transformou o cerrado brasileiro, uma terra que ninguém achava que ia produzir algo, no maior celeiro do Brasil hoje. Isso é o que a gente pode exportar para outros países. É onde a ministra gostaria que houvesse esse trabalho. Com a tecnologia que nós desenvolvemos, com o plantio direto, o não uso de determinados tipos de fertilizantes e sem danificar a terra, hoje no cerrado, em alguns lugares, conseguimos ter três safras por ano exatamente por causa dessa tecnologia. Nas nossas conversas com outros países, temos sido sempre enfáticos nessa questão, que estamos prontos para auxiliar e difundir isso aí”, disse.

Reunião - Empresários dos dois países se reuniram nesse domingo no Hotel Conrad, em Dubai, em um fórum para discutir oportunidades de economia sustentável na região amazônica, com o apoio da Câmara de Comércio Árabe Brasileira. (Agência Brasil)

FOTO: Marcelo Camargo / Agência Brasil

{vsig}2021/noticias/10/04/expo_dubai_I/{/vsig}

EXPO DUBAI II: Paraná vai mostrar ao mundo seu potencial e atrair investimentos

expo dubai II 04 10 2021A partir do próximo domingo, 10 de outubro, o Governo do Paraná vai encarar o desafio de mostrar ao mundo todo o seu potencial logístico, econômico, turístico e sustentável. O Estado representará o Brasil na Expo Dubai 2020, a maior feira de exposições do mundo, que acontece nos Emirados Árabes Unidos. A missão é denominada Paraná Business Experience 2021.

Visitantes - A organização do evento espera receber 25 milhões de visitantes durante seis meses de feira. São mais de 190 países compartilhando suas soluções de tecnologia, inovação e sustentabilidade. Os países serão divididos em três distritos: Oportunidade, Mobilidade e Sustentabilidade.

Protagonismo - O Paraná assume o protagonismo do Pavilhão Brasil, inserido no distrito da Sustentabilidade, logo nos primeiros dias de feira. É uma chance inédita de divulgar para o mundo o agronegócio, a inovação, a tecnologia, o potencial dos municípios e o compromisso com projetos, programas e ações sustentáveis, dentro da Agenda 2030.

Celeiro de oportunidades - Para o governador Carlos Massa Ratinho Junior, que é o líder da missão Paraná Business Experience 2021, a feira é um celeiro de oportunidades para atrair negócios e investimentos. Em paralelo à agenda formal no pavilhão de exposições, a comitiva do Estado se reunirá com empresas, empresários, fundos de investimento e diplomatas para apresentar as grandes concessões e acelerar o projeto de transformar o Paraná em um hub logístico da América do Sul.

Maior feira - “Essa é a maior feira de exposições do mundo e uma ótima oportunidade par apresentar nosso potencial. Não vamos fazer uma única apresentação, mas buscar a chance de fechar novos negócios diariamente ao longo de uma semana. Queremos trazer investimentos, indústrias, parceiros, e que os empresários paranaenses que vão acompanhar o evento também possam vender seus produtos para outros países. Estamos levando a maior comitiva da iniciativa privada da história”, afirma o governador.

Crescimento - Ratinho Junior pretende mostrar aos investidores estrangeiros como o Paraná se reinventou durante a pandemia, mantendo o crescimento mesmo em meio às dificuldades econômicas e sanitárias. Uma das respostas para o enfrentamento da crise foi a continuidade dos investimentos públicos e a geração de emprego. O Paraná criou mais de 150 mil postos de trabalho com carteira assinada em 2021, melhor desempenho dos últimos 18 anos.

Apresentação - “É uma oportunidade para apresentar nosso agronegócio, o parque automotivo, as belezas naturais e um ecossistema de inovação com empresas que faturam bilhões. A pandemia não paralisou o Paraná. Alcançamos um status sanitário internacional para as carnes, temos cooperativas projetando investir R$ 30 bilhões nos próximos anos. E não podemos parar. É o momento de falar com o mundo de forma clara, objetiva e fazer negócios”, explica.

Comitiva - A comitiva irá a Dubai é composta por representantes do poder público estadual, de municípios paranaenses e de empresas que almejam expor sua marca e captar novos investimentos no Exterior – elas também são as patrocinadoras da missão.

Exemplo global de sustentabilidade - Para Eduardo Bekin, diretor-presidente da Invest Paraná, a feira de Dubai possibilita mostrar ao mundo o olhar do Paraná, exemplo global de sustentabilidade, segundo a OCDE, sobre infraestrutura, desenvolvimento aliado ao compromisso ambiental e conexão entre os setores público e privado, com um polo acadêmico e de inovação totalmente interligados em dezenas de municípios.

Possibilidades - “Tivemos a oportunidade de convidar empresários para as rodadas de negócios, previstas na exposição, com a intenção de criar possibilidades. O Paraná vem se destacando a cada dia como o grande celeiro do Brasil e do mundo, com uma potente indústria da transformação principalmente na área da alimentação. No entanto, é importante se posicionar como um estado que produz com sustentabilidade. E nada melhor do que mostrar isso na Expo Dubai, uma feira internacional que consegue falar com todo o mundo ao mesmo tempo”, explica.

Infraestrutura - O Paraná também está levando para a feira mais de US$ 10 bilhões em projetos de infraestrutura, como concessões de rodovias e da Nova Ferroeste, além de oportunidades privadas na logística portuária e em áreas estratégicas como saneamento e energia renovável. As concessões de 3,3 mil quilômetros de rodovias estaduais e federais e de 1,3 mil quilômetros da ferrovia de Maracaju (MS) a Paranaguá vão ocorrer em 2022, na Bolsa de Valores.

Expo Dubai 2020 - Organizada pelo Bureau Internacional de Exposições desde 1851, a World Expo é um evento internacional que serve de vitrine para as principais inovações que moldaram o mundo após a Revolução Industrial.

Cinco anos - As feiras acontecem a cada cinco anos e têm como principal atração os pavilhões de cada país, que concentram exposições, eventos e atividades culturais. O espaço também apresenta pavilhões temáticos e patrocinados por empresas. A última edição da feira aconteceu em Milão, na Itália, em 2015, e contou com a participação de 145 países.

Edição - A edição de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, estava prevista para 2020, mas foi adiada em razão da pandemia do coronavírus. (Agência de Notícias do Paraná)

 

CPR VERDE: Governo cria Cédula de Produto Rural Verde

cpr 04 10 2021A partir de outubro de 2021, o produtor rural brasileiro contará com um novo título para financiar a conservação da parcela de vegetação nativa em sua propriedade. O mercado estimado é de R$ 30 bilhões em quatro anos.

Pagamento por serviços ambientais - A cédula verde é como um pagamento pelos serviços ambientais prestados pelo produtor, que deixa de abrir novos espaços de vegetação para expandir a sua produção agropecuária.

Decreto - O Decreto que institui a nova modalidade foi assinado na sexta-feira (01/10), pelo presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia no Palácio do Planalto. A Cédula de Produto Rural (CPR) Verde poderá ser emitida pelos produtores para atividades de serviços ambientais relacionadas à conservação de florestas e recuperação da vegetação nativa e que resultem, entre outros, em redução de emissões de gases de efeito estufa.

Justiça - “É um programa extremamente ousado, que veio para fazer justiça ao produtor rural, que é o grande mantenedor do meio ambiente. O que o agro está fazendo, é com responsabilidade, criando esse ambiente sustentável que todos esperam de nós”, destacou o ministro da Agricultura em exercício, Marcos Montes.

Funcionamento - O título verde vai funcionar da seguinte forma: ao invés de se comprometer em entregar o resultado da produção agropecuária em pagamento a um recurso financeiro obtido para investimento, o produtor poderá dar como garantia ao dinheiro recebido a manutenção de determinada área florestal em pé.

Concretude - “Falar de serviços ambientas parece ser muito abstrato e a CPR Verde é um instrumento financeiro que vem para trazer essa concretude. Isso é fundamental para remunerar o produtor nesse desafio de manter essa conservação e isso passa a ter um valor”, explicou o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Guilherme Bastos.

Preservação - No Brasil, até então, o produtor que mantivesse a área de floresta preservada, além da parcela obrigatória, não recebia nenhum benefício em troca.

Posição de destaque - A produção agropecuária de forma sustentável foi defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que reforçou a posição de destaque do Brasil em relação aos demais países por ter também uma matriz energética mais limpa e por ser o celeiro do mundo.

Transição - “A cédula verde permite que, a partir do direito de propriedade, se gere riqueza, estimulando a produção. Daqui para frente, o produtor é estimulado nesta transição para a produção verde. Quem tem uma propriedade rural e a preserva ao mesmo tempo em que produz, começa a receber, pela primeira vez, pagamentos por serviços ambientais, o que vai trazer bilhões para a preservação do meio ambiente e das florestas”, frisou Guedes.

Compensação de carbono - A intenção é utilizar a CPR, instrumento já difundido na agropecuária brasileira há mais de 20 anos, para que interessados em fazer compensação de carbono e zerar suas emissões, por exemplo, possam incentivar o setor, gerando uma renda extra para o produtor rural.

Possibilidade - “Juntos, conseguimos desenhar uma CPR que vai trazer mais uma possibilidade ao produtor de antecipar recursos de serviços ambientais, lastreados no estoque de carbono da vegetação nativa e na absorção de crédito de carbono na produção agropecuária e em outros benefícios ecossistêmicos”, complementou o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite.

Mercado de ativos verdes - Além do produtor rural, associações e cooperativas rurais, o instrumento também poderá ser emitido pelo concessionário de florestas nativas ou plantadas.

Áreas - A emissão da CPR Verde poderá ser emitida ainda para as áreas de preservação obrigatórias da propriedade rural, como as de preservação permanente (APP) ou reservas legais.

Emissão - O título, para ser emitido, deverá ser acompanhado de certificação por auditoria externa ou de terceira parte, para indicação e especificação dos produtos rurais que a lastreiam.

Facultativo - O instrumento é facultativo e privado e visa facilitar o trânsito financeiro entre as partes. Os investidores interessados em aplicar seus recursos em serviços ambientais e os proprietários de floretas interessados em prestar tais serviços devem acertar entre si pontos como modelo de pagamento e seus prazos. Assim como já é realizado na CPR tradicional.

Finalidade - Outra finalidade do novo título é o que resulta em aumento ou manutenção de estoque de carbono florestal e também a redução do desmatamento e degradação de vegetação nativa. A nova modalidade proporcionará a conservação da biodiversidade, de recursos hídricos, conservação do solo aliado a outros benefícios ecossistêmicos.

Impacto - Como consequência, a CPR Verde tem potencial de impactar muito favoravelmente o meio ambiente, além de oferecer uma boa oportunidade de investimento para os mercados “ESG” (sigla em inglês), que visam garantir externalidades positivas das atividades econômicas em relação aos seus aspectos ambientais, climáticos, sociais e de governança corporativa.

Investidores - “Nós estamos com todo o arcabouço também do ponto de vista do mercado financeiro e de capitais para facilitar esse trânsito de recursos entre o investidor, ávido por investir em sustentabilidade, e o nosso produtor, detentor de ativos a serem monetizados”, resumiu o secretário-Adjunto de Política Agrícola do Mapa, José Ângelo Mazzillo Júnior.

Histórico - A CPR é um instrumento que existe desde 1994, quando foi criada pela Lei n. 8.929. Ela serve para que o produtor possa financiar a safra, recebendo valores financeiros e dando como garantia de pagamento o resultado futuro de sua produção rural, como acontece com tradicionais commodities de soja e milho.

Primeiro passo - O primeiro passo na elaboração da regulamentação da cédula verde ocorreu com a edição da Lei 13.986/2020, conhecida como Lei do Agro. A normativa possibilitou o uso da CPR para financiar atividades de ativos ambientais como para conservação da biodiversidade e de recursos hídricos.

Previsão legal - Todavia, a referida previsão legal introduzida pela Lei do Agro não surtiu o efeito desejado, motivando o Poder Executivo a elaborar uma regulamentação a fim de melhor definir o emprego de recursos dos mercados financeiro e de capitais para a conservação ambiental, favorecendo, dessa forma, o desenvolvimento da prestação desses serviços no país, em face de seu grande potencial.

Proposta - A CPR Verde foi proposta pela ministra Tereza Cristina, em parceria com seus pares Paulo Guedes (Economia); Joaquim Leite (Meio Ambiente), e Roberto Campos Neto (Banco Central). (Mapa)

FOTO: José Cruz / Agência Brasil

 

ÁGUAS DO AGRO: Programa irá promover a conservação de água e solo nas propriedades rurais

aguas agro 04 10 2021Garantir o bom uso de recursos naturais na agricultura é um desafio, mas também se configura como uma oportunidade para o Brasil, que, nos últimos anos, registrou avanços para uma agricultura, cada vez mais, sustentável. Mas para ir além, e conciliar o aumento de produtividade com a preservação desses recursos, em especial, do solo e da água, o Mapa lançou o Programa Nacional de Manejo Sustentável do Solo e da Água em Microbacias Hidrográficas, Águas do Agro. O lançamento ocorreu em Bonito (MS), durante as comemorações dos 1000 dias do Governo Federal, na sexta-feira (01/10).

Desenvolvimento sustentável - O Programa Águas do Agro irá promover o desenvolvimento sustentável no meio rural por meio da adoção de tecnologias e práticas de conservação de solo e água, com o manejo eficiente dos recursos naturais. Afinal, o produtor rural também produz água ao explorar o solo de forma equilibrada e sustentável. É o que o explica a coordenação-Geral de Conservação do Solo e Água, Soraya Araújo.

Relação intrínseca - “O solo e a água têm uma relação intrínseca: o solo contribui para a filtragem da água e a manutenção do teor de matéria orgânica disponível. Mais do que nunca, hoje, a produtividade não pode estar desvinculada das ações e práticas e tecnologias de conservação de solo e água”.

Umidade do solo - Assim, é fundamental manter a umidade do solo, fazendo com que a água infiltre e não escoe levando os nutrientes e sementes embora. Desta forma, ela estará disponível para ser utilizada quando a lavoura for plantada e também pelos animais em pastagens, principalmente, em momentos de estiagem.

Premissas - Por isso, o Águas do Agro traz como premissas um modelo de exploração sustentável, com respeito aos limites do solo, a redução ou eliminação de seu revolvimento, a manutenção da sua cobertura, o aumento do aporte de matéria orgânica, a diversificação dos sistemas agrícolas. E como exemplo para se atingir esses objetivos estão algumas tecnologias e estratégias conservacionistas a serem implementadas: plantio direto; plantas de cobertura; adubação verde; manejo de pastagem; plantio em nível; e terraceamento.

Microbacias Hidrográficas - Essas ações serão trabalhadas junto a propriedades rurais selecionadas conforme critérios de criticidade em relação à disponibilidade hídrica, que recebem menos assistência técnica áreas com maior presença de solos descobertos e erosão acentuada, e municípios que recebem menos assistência técnica e com maior proporção de propriedades com uso de irrigação.

Erosão e assoreamento - “Se o solo não está devidamente coberto, em uma área degrada, por exemplo, a água da chuva bate e parte do solo é carregada para os rios, causando erosão e assoreamento. Desta forma, a produção agropecuária adequada e em sistemas sustentáveis, como uma pastagem de boa qualidade ou uma plantação direta, garante que a água siga o seu ciclo hidrológico”, pontua a diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação, Mariane Crespolini.

Territórios - As localidades são definidas em microbacias, que são territórios que levam em consideração fatores geográficos naturais, econômicos e sociais em condições mais homogêneas. A partir da identificação das microbacias em potencial serão implementadas as Unidades de Referência Tecnológica (URT) com a definição das tecnologias conservacionistas em solo e água, conforme cada área.

Pilares do programa - Além das URT, os pilares do Águas do Agro consistem em assistência técnica e gerencial e capacitação. A ideia é que o modelo de prestação de serviço de assistência técnica e capacitação seja ofertado a grupos de 20 a 30 produtores rurais por microbacia por um período de dois anos.

Cinco passos - A assistência técnica e gerencial é fundamentada em cinco passos, que perpassam: diagnóstico produtivo da microbacia; planejamento estratégico; adequação tecnológica; capacitação dos técnicos de assistência técnica na temática de conservação do solo e água; e avaliação dos resultados.

Projeto específico - Após esse período de efetiva implementação das ações, o programa Águas do Agro contemplará um projeto específico de monitoramento e avaliação das interferências realizadas nas microbacias, com o objetivo de proceder o acompanhamento, o controle, além de garantir o seu melhor desempenho.

Resultados - A expectativa é que os resultados sejam observados não apenas no campo ambiental, como também no social e econômico com a adequação das propriedades rurais para o aumento a taxa de infiltração da água no solo e a melhoria da capacidade produtiva dos solos e da capacidade de suporte das pastagens.

Outros benefícios - Outros benefícios estimados são o aumento da vida útil dos reservatórios e barragens; aumento da fixação de carbono no solo; redução do assoreamento dos cursos d’água e represas; aumento nas disponibilidades hídricas nas bacias e melhoria da qualidade da água nas bacias hidrográficas; diminuição dos efeitos das secas e dos impactos das inundações; dedução dos custos de manutenção de estradas vicinais.

Sinergia - O programa Águas do Agro, no entanto, não se esgota em suas ações isoladamente. Mas, trata-se de um elo estratégico da Política Agrícola do Governo Federal, em total sinergia com outros programas e projetos já em execução, a exemplo do ABC+, Rural Sustentável, Paisagens Rurais, de Produção Integrada, ProIrriga e do Agronordeste.

Produção - Juntos, no curto e médio prazo, eles garantirão que o Brasil continue produzindo em maior quantidade, melhor qualidade e com maior sustentabilidade.

Abrangência nacional - O programa Águas do Agro tem abrangência nacional e sua execução é dividida em três fases de atuação: de curto prazo, primeiros dois anos; a médio prazo, quatro anos seguinte; e longo prazo, por 10 anos. (Mapa)

FOTO: Guilherme Martimon / Mapa

 

CLIMA: IDR-Paraná alerta sobre impactos de La Niña no desempenho da safra 2021-2022

clima 04 10 2021O fenômeno climático La Niña deve permanecer ativo durante o período da safra 2021-2022, que começa a ser semeada. O fenômeno se caracteriza pela diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico equatorial, o que provoca alterações nos padrões de chuva e temperatura em todo o planeta, explica Heverly Morais, agrometeorologista do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná — Iapar-Emater (IDR-Paraná).

Menos chuvas - Para o Paraná, essa situação se reflete em um alto risco de chuvas em quantidade inferior ao esperado e mal distribuídas ao longo da estação, intercaladas com longos períodos de estiagem. Variações bruscas de temperaturas do ar também são esperadas, assim como a ocorrência de temporais, ventos fortes, granizo e incidência de raios.

Atraso da semeadura - “Nesse contexto de chuvas irregulares e abaixo do esperado para a estação, pode haver situações que atrasem a semeadura, causem germinação desuniforme das sementes, crescimento inadequado de plantas e que comprometam a produtividade”, aponta.

Eventos extremos - Além da convivência com a crise hídrica, ela alerta, ainda, para eventuais impactos de eventos meteorológicos extremos, como ondas de calor, em virtude das altas temperaturas previstas para o período da safra.

Recomendações - Para as culturas de grãos – soja, milho e feijão – a agrometeorologista recomenda utilizar sementes de qualidade, diversificar as cultivares e atentar para que tenham diferentes ciclos, escalonar a semeadura nos talhões, não extrapolar a população de plantas recomendada pela assistência técnica e cuidar do equilíbrio nutricional e da sanidade das lavouras.

Plantio direto - O cultivo e a incorporação de plantas de cobertura em sistema de plantio direto é outra prática enfaticamente indicada pela pesquisadora. “Essa técnica melhora os atributos físicos e químicos do solo, favorece o aumento de infiltração da água, aprofunda as raízes da cultura, reduz a temperatura e a evaporação do solo e mantém a água disponível para as plantas em períodos de estiagem fraca e moderada”, explica.

Culturas - A pesquisadora lembra, ainda, que culturas como café, cana-de-açúcar, mandioca e frutíferas correm alto risco de serem prejudicadas pela má distribuição das chuvas ao longo da estação. “As altas temperaturas podem ainda afetar as hortaliças, sobretudo as folhosas. Olerícolas demandarão muita irrigação — um desafio diante dos baixos níveis dos mananciais como rios, riachos, lagos e nascentes”, conclui. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: IDR

 

SEMANA NACIONAL: Campanha quer incentivar o consumo da carne suína no país

semana nacional 04 120 2021Na manhã de sexta-feira (01/10), foi lançada a 9ª Semana Nacional da Carne Suína (SNCS), promovida pela Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS). O objetivo da iniciativa é conversar com os consumidores e inserir a carne suína no dia a dia dos brasileiros.

Maior vitrine - Considerada atualmente como a maior vitrine de proteína suína no mercado nacional, a campanha que tem como tema central “Churrasco com carne suína já é de casa!” quer impactar mais de 75 milhões de pessoas de todas as regiões do país entre os dias 1 e 17 de outubro.

Live - Na live de lançamento, o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, afirmou que nos últimos anos houve um crescimento de 28% no consumo da proteína no país. “Desde 2013 as ações da semana nacional têm fomentado esse consumo, agregamos mais de um bilhão de quilos de carne suína na cesta dos consumidores do país”, disse o presidente. Lopes também agradeceu o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) ao evento.

Relevância - Ao participar do lançamento, o ministro em exercício do Mapa, Marcos Montes, destacou a relevância da semana nacional da carne suína e parabenizou a ABCS por mostrar e informar a origem e qualidade da carne desde a granja até a mesa dos brasileiros. “Um evento extremamente importante, que ao longo dos últimos anos vem mostrando a qualidade da nossa carne suína e também faz com que cada vez mais a nossa carne suína seja respeitada e consumida no nosso país”, concluiu o ministro.

Presença - O lançamento também contou com a presença de representantes das redes de varejo que irão participar da iniciativa. Além do Mapa, a campanha tem o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). (Mapa)

FOTO: iStock

 

FOCUS: Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 8,51%

focus 04 10 2021A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu, novamente, de 8,45% para 8,51% neste ano. É a 26ª elevação consecutiva na projeção. A estimativa está no Boletim Focus desta segunda-feira (04/10), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Próximos anos - Para 2022, a estimativa de inflação é de 4,14%. Para 2023 e 2024, as previsões são de 3,25% e 3%, respectivamente.

Alta - Em agosto, puxada pelos combustíveis, a inflação subiu 0,87%, a maior inflação para o mês desde o ano 2000, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, o indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses, o maior acumulado desde fevereiro de 2016, quando o índice alcançou 10,36%.

IBGE - A inflação de setembro será divulgada pelo IBGE na sexta-feira (08/10), mas o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou índice de 1,14% no mês, a maior taxa do IPCA-15 para um mês de setembro desde 1994 (1,42%).

Acima da meta - A previsão para 2021 está acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior de 5,25%. Para 2022 e 2023 as metas são 3,5% e 3,25%, respectivamente, com o mesmo intervalo de tolerância.

Taxa de juros - Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, que foi elevada neste mês de 5,25% ao ano para 6,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Ao anunciar a decisão, o Copom já sinalizou que pretende elevar a Selic em mais um ponto percentual na próxima reunião, marcada para o fim de outubro.

Projeções - As projeções do BC para a inflação também estão ligeiramente acima da meta para 2022 e ao redor da meta para 2023. Isso reforça a decisão da autarquia de manter a política contracionista de elevação dos juros.

Mercado financeiro - Para o mercado financeiro, a expectativa é de que a Selic encerre 2021 em 8,25% ao ano, mesma projeção da semana passada. Para o fim de 2022, a estimativa é de que a taxa básica suba para 8,5% ao ano. E para 2023 e 2024, a previsão é 6,75% e 6,5% ao ano, respectivamente.

Aumento - Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas também podem dificultar a recuperação da economia. Além disso, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Redução - Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

PIB e câmbio - As instituições financeiras consultadas pelo BC mantiveram a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano em 5,04%. Para 2022, a expectativa para Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - é de crescimento de 1,57%. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro projeta expansão do PIB em 2,2% e 2,5%, respectivamente.

Manutenção - A expectativa para a cotação do dólar também se manteve em R$ 5,20 para o final deste ano. Para o fim de 2022, a previsão é de que a moeda americana fique em R$ 5,25. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

ECONOMIA: Operações do Pix à noite terão limite de R$ 1 mil a partir desta segunda-feira

economia 04 10 2021A partir desta segunda-feira (04/10), as transferências e pagamentos feitos por pessoas físicas entre as 20h e as 6h terão limite de R$ 1 mil. A medida foi aprovada pelo Banco Central (BC) em setembro, com o objetivo de coibir os casos de fraudes, sequestros e roubos noturnos.

Pessoas jurídicas - As contas de pessoas jurídicas não foram afetadas pelas novas regras. A restrição vale tanto para transações por Pix, sistema de pagamento instantâneo, quanto para outros meios de pagamento, como transferências intrabancárias, via Transferência Eletrônica Disponível (TED) e Documento de Ordem de Crédito (DOC), pagamentos de boletos e compras com cartões de débitos.

Alteração - O cliente poderá alterar os limites das transações por meio dos canais de atendimento eletrônico das instituições financeiras. No entanto, os aumentos serão efetivados de 24 horas a 48 horas após o pedido, em vez de ser concedidos instantaneamente, como era feito por alguns bancos.

Distintos - As instituições financeiras também devem oferecer aos clientes a possibilidade de definir limites distintos de movimentação no Pix durante o dia e a noite, permitindo limites mais baixos no período noturno. Ainda será permitido o cadastramento prévio de contas que poderão receber Pix acima dos limites estabelecidos, mantendo os limites baixos para as demais transações.

Medidas adicionais - Na semana passada, o BC estabeleceu medidas adicionais de segurança para o sistema instantâneo de pagamentos, que entrarão em vigor em 16 de novembro. Uma delas é o bloqueio do recebimento de transferências via Pix a pessoas físicas por até 72 horas, caso haja suspeita de que a conta beneficiada seja usada para fraudes. (Agência Brasil)

 

SENADO: Regularização fundiária é tema de audiência pública conjunta

senado 04 10 2021As Comissões de Meio Ambiente (CMA) e de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) promovem audiência pública conjunta, nesta terça-feira (05/10), às 8h. O objetivo é debater a regularização fundiária, com foco em dois projetos de lei (PL) que tramitam em conjunto.

PL 5102021 - O PL 510/2021, do senador Irajá (PSD-TO), visa ampliar as possibilidades de regularização fundiária em terras da União, além de unificar a legislação sobre esse tema para todas as regiões do país. Segundo o senador, o marco regulatório proposto nesse texto vai desburocratizar o processo de emissão de títulos, possibilitar o acesso a programas e incentivos para produção e fortalecer o combate ao desmatamento. As discussões que o Senado vem promovendo sobre o assunto têm demonstrado que há divergências sobre o projeto.

PL 2.633/2020 - Já o PL 2.633/2020, do deputado federal Zé Silva (Solidariedade-MG), permite aumentar o tamanho (de quatro para seis módulos fiscais) de terras da União passíveis de regularização sem vistoria prévia, a partir da análise de documentos e de declaração do ocupante de que cumpre a legislação ambiental. 

Requerimento - A reunião semipresencial foi requerida pelos senadores Jaques Wagner (PT-BA) e Acir Gurgacz (PDT-RO), presidentes da CMA e da CRA, respectivamente. O senador Carlos Fávaro (PSD-MT) é relator de ambos os projetos.

Convidados - Foram convidados para o debate Márcia Brandão Zollinger, procuradora da República do Ministério Público Federal (MPF); Evaristo Miranda, chefe-geral da Embrapa Territorial; e José Ionilton Lisboa de Oliveira, presidente da Comissão Pastoral da Terra (CPT) da CNBB. Também deve participar um representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). 

Como participar - O evento será interativo: os cidadãos podem enviar perguntas e comentários pelo telefone da Ouvidoria do Senado (0800 061 2211) ou pelo Portal eCidadania, que podem ser lidos e respondidos pelos senadores e debatedores ao vivo. O Senado oferece uma declaração de participação, que pode ser usada como hora de atividade complementar em curso universitário, por exemplo. O Portal eCidadania também recebe a opinião dos cidadãos sobre os projetos em tramitação no Senado, além de sugestões para novas leis. (Agência Senado)

FOTO: Roque de Sá / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil registra 225 mortes por Covid-19 em 24 horas

O Brasil registrou mais 9.004 casos de covid-19 e 225 mortes causadas pela doença nas últimas 24 horas, segundo o boletim da situação epidemiológica divulgado no início da noite desse domingo (03/10) pelo Ministério da Saúde. O número de pessoas que perderam a vida para a doença está agora em 597.948. Já o total de pessoas contaminadas desde o início da pandemia chegou a 21.468.121.

Acompanhamento - Ainda há 427.520 casos em acompanhamento. O nome é dado a casos ativos de pessoas que tiveram o diagnóstico confirmado e estão sendo atendidas por equipes de saúde ou se recuperando em casa.

Investigação - Há 3.164 óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em investigação. Isso porque, em muitos casos, a análise sobre a causa da morte continua mesmo após o óbito. Segundo o boletim, 20.442.653 pessoas se recuperaram da doença.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado, estão São Paulo (150.064), Rio de Janeiro (66.437), Minas Gerais (54.719), Paraná (39.208) e Rio Grande do Sul (34.911). Os estados que menos registraram mortes por covid-19 foram o Acre (1.838), o Amapá (1.984), Roraima (2.002), o Tocantins (3.794) e Sergipe (6.011).

Vacinação - Os últimos dados do Ministério da Saúde apontam que 241,23 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 foram aplicadas em todo o Brasil, sendo 147,57 milhões como primeira dose e 93,65 milhões como segunda dose (ou dose única).

Aplicação - Em 24 horas, foram aplicadas 1,63 milhão de doses. Segundo a pasta, foram distribuídas pouco mais de 301 milhões de doses da vacina contra a covid-19 para todo o país. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 04 10 2021

SAÚDE II: Paraná confirma mais 1.752 casos e 50 óbitos em decorrência da Covid-19

saude II 04 10 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesse domingo (03/10) mais 1.752 casos confirmados e 50 mortes — referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.510.553 casos confirmados e 38.992 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de outubro (201), setembro (1.231), agosto (125), julho (71), junho (75), maio (44), abril (5) de 2021. Os óbitos divulgados nesta data são de outubro (12), setembro (15), agosto (4), julho (3), junho (4), maio (3) e abril (9) de 2021.

Internados - 622 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 496 pacientes em leitos SUS (302 em UTI e 194 em leitos clínicos/enfermaria) e 126 em leitos da rede particular (74 em UTI e 52 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.230 pacientes internados, 694 em leitos UTI e 536 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 50 pacientes. São 22 mulheres e 28 homens, com idades que variam de 32 a 88 anos. Os óbitos ocorreram entre 4 de abril a 3 de outubro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (6), Cascavel (5), Foz do Iguaçu (3), Apucarana (3), Ubiratã (2), Ponta Grossa (2) e Araucária (2).

Uma morte - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: União da Vitória, Turvo, Três Barras do Paraná, Terra Roxa, Terra Boa, Santo Antônio da Platina, Santa Isabel do Ivaí, Sabáudia, Ribeirão do Pinhal, Prado Ferreira, Perobal, Paranaguá, Medianeira, Londrina, Loanda, Lidianópolis, Lapa, Jacarezinho, Itapejara d'Oeste, Iporã, Ibiporã, Ibaiti, Guaíra, Guapirama, Figueira, Cidade Gaúcha e Assaí.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.084 casos de residentes de fora do Estado, 216 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando aqui.

Confira o relatório de exclusões e ajustes aqui.

 

SAÚDE III: Novo processo de revisão das coberturas obrigatórias entra em vigor

saude ans 04 10 2021Entrou em vigor na sexta-feira (01/10) a Resolução Normativa nº 470/2021, que trata do processo de atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. A partir dessa data, as propostas de atualização das coberturas obrigatórias para os planos de saúde regulamentados (contratados a partir de 2/01/1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98) passarão a ser recebidas e analisadas de forma contínua pela equipe técnica da Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS.

Propostas - As propostas para revisão dos procedimentos e eventos em saúde e das diretrizes de utilização que compõem o Rol serão recebidas por meio do formulário eletrônico FormRol, que estará disponível a partir de 01/10 no portal da ANS, onde será dada ampla divulgação de todo o processo.

Tipos - As propostas poderão contemplar os seguintes tipos de solicitação:

- Incorporação de nova tecnologia em saúde ou nova indicação de uso no Rol;

- Alteração de nome de procedimento ou evento em saúde já listado no Rol.  

Elegíveis - Somente serão consideradas elegíveis para análise pela equipe técnica da ANS as propostas enviadas via FormRol e que cumpram os requisitos listados na RN nº 470. O proponente será notificado eletronicamente sobre o resultado da análise de elegibilidade de sua proposta em até 60 dias após o envio do formulário.

Eficácia suspensa - Cabe esclarecer que se encontram com eficácia suspensa os dispositivos da RN 470/2021 que tratem de forma diversa sobre as matérias disciplinadas pela Medida Provisória 1.067, publicada em 3 de setembro de 2021, que alterou a Lei nº 9.656/1998, para dispor sobre o processo de atualização das coberturas no âmbito da saúde suplementar, prevalecendo o disposto na citada lei.

Adequação - A ANS informa ainda que está tomando as medidas necessárias para adequar o processo de revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde às novas regras dispostas na MP 1.067/2021, notadamente no que se refere à constituição da Comissão de Atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Suplementar, consoante o disposto no art. 10-D incluído na Lei nº 9.656/1998 pela medida provisória.

Mais informações e formulário - Clique aqui para visualizar mais informações e o acesso do formulário eletrônico FormRol. (ANS)

 


Versão para impressão


RODAPE