Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5174 | 11 de Outubro de 2021

COMÉRCIO EXTERIOR I: Com participação de cooperativas, Paraná inaugura Pavilhão do Brasil na Expo Dubai

 

comercio exterior i 11 10 2021O Paraná iniciou neste domingo (10/10) sua participação na Expo Dubai 2020, a maior e mais antiga exposição global, que reúne 191 países e espera receber mais de 25 milhões de visitantes durante os seis meses de evento. O Estado é o protagonista do Pavilhão do Brasil ao longo da semana, com uma exposição imersiva que apresenta a seus visitantes o potencial agroindustrial e de geração de energia, passando pelos roteiros turísticos e parcerias em diversas áreas da gestão pública. Líderes cooperativistas participam da comitiva do Paraná. O grupo é formado por representantes do Sistema Ocepar e das cooperativas Agrária, Cocamar, Integrada, C.Vale, Frísia e Coopavel.

 

Abertura - Com a presença de representantes do poder público estadual, de municípios paranaenses e de empresas e cooperativas que participam da missão técnica comercial Paraná Business Experience, a abertura também teve a participação do diretor-executivo do Instituto das Nações Unidas para Treinamento e Pesquisa (Unitar), Nikhil Seth, e do embaixador do Brasil nos Emirados Árabes Unidos, Fernando Igreja. 

 

OCDE - Segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior, os visitantes terão a oportunidade de conhecer um Brasil que o mundo não conhece. “É impressionante como vivemos em um País tão grande, mas poucas pessoas têm noção do que realmente é o Brasil”, disse. O Paraná inaugura o pavilhão brasileiro por ter sido eleito um estado sustentável pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). “É fantástico esse reconhecimento. Muitos países do mundo falam muito em desenvolvimento sustentável, mas pouco fazem. Nós do Paraná falamos, colocamos em prática e somos reconhecidos internacionalmente por isso”, completou. 

 

Perspectivas - Ratinho Junior desejou bons negócios aos participantes e destacou as ótimas perspectivas para o Estado – nesta segunda-feira (11/10), começa o Paraná Business Experience, um evento inédito com o objetivo de ampliar parcerias e atrair novos investimentos. “Antes mesmo do evento começar, empresas de Guarapuava e União da Vitória já receberam propostas de compra de erva-mate da Síria e do Líbano. Também já temos agenda marcada com investidores e compradores da Itália, do Egito e dos Emirados Árabes Unidos, além de reuniões com fundos soberanos importantes para as áreas pública e privada. Este é um momento importantíssimo para todos nós”, disse o governador.

 

Paraná BX - O Paraná Business Experience terá dois dias de duração e acontecerá no Crowne Plaza Festival City, em Dubai. O evento começa com uma série de palestras sobre como fazer negócios na região do Golfo e nos Emirados Árabes Unidos, seguidas de dois painéis: o primeiro sobre o mercado de madeira, papel e celulose, e o segundo sobre agronegócio e a indústria de alimentos e bebidas. Na quarta-feira (13/10), as apresentações continuam nas áreas de wellness, tecnologia, infraestrutura e indústria automotiva. Durante os dois dias de evento, acontecem também sessões de networking e rodadas de negócios com empresas estrangeiras. (Com informações da AEN)

COMÉRCIO EXTERIOR II: Governo entrega à ONU relatório sobre desenvolvimento sustentável no Estado

comercio exterior ii 11 10 2021Um relatório que compila as ações do Paraná em torno dos temas ESG – sigla em inglês que compreende ações de uma entidade em prol dos eixos ambiental, social e de governança – foi entregue pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior ao diretor-executivo do Instituto das Nações Unidas para Treinamento e Pesquisa (Unitar), Nikhil Seth, no domingo (10/10). A entrega ocorreu no evento de abertura da Semana do Paraná, realizada no Pavilhão Brasil da Expo Dubai 2020.

 

Objetivo - O estudo tem como objetivo apresentar o compromisso do Paraná com o desenvolvimento sustentável, valorizando ações em prol do meio ambiente, da redução das desigualdades sociais e da agilidade da máquina pública. O relatório de 50 páginas reúne ações realizadas pelo Paraná nos últimos anos, que ratificam seu compromisso com esses temas. “É com grande orgulho que o Paraná chega à maior exposição internacional do mundo e às vésperas da COP-26 como exemplo global de sustentabilidade. O Paraná tem aderido com entusiasmo aos preceitos de ESG. O relatório observa diversas ações voltadas para cumprir o novo paradigma”, disse o governador Ratinho Junior.

 

ESG - “Nos destacamos pela produção de energia sustentável, cuidado ambiental, qualidade do ar, proteção costeira e redução de desigualdades. Mas buscamos ir sempre além: nosso próximo objetivo é nos tornarmos referência em ESG para o Brasil”, acrescentou. A iniciativa com o Unitar foi articulada pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social (Cedes), responsável pela implementação da Agenda 2030 no Paraná. Entre os objetivos da missão comercial do Paraná a Dubai está trazer boas práticas do Exterior que estejam alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e sejam aplicáveis ​​à realidade local.

 

Protagonismo - O embaixador brasileiro nos Emirados Árabes Unidos, Fernando Igreja, reforçou que o protagonismo do Paraná em promover essa agenda é um diferencial para sua internacionalização. “Estar presente na Expo Dubai 2020 é uma grande iniciativa do Governo do Estado. Este é um local para que os países mostrem o que têm de melhor, e o fato do Paraná ser o primeiro estado a se apresentar na exposição é muito importante, demonstra seu interesse em se internacionalizar e usando a Expo, que é uma grande plataforma para isso”, afirmou.

 

Iniciativas - No eixo ambiental, um dos destaques apresentados no relatório é o fato de 94% da produção de energia elétrica no Estado ser proveniente de fontes renováveis. O Paraná também trabalha com a previsão de que nos próximos 10 anos converterá a matriz energética das propriedades rurais ao uso de fontes alternativas de energia. Uma das ações apresentadas no eixo social é a criação do Banco de Alimentos – programa que visa coletar alimentos de qualidade que não vão para os supermercados por questões estéticas e seriam desperdiçados. O projeto tem como foco fornecer esses itens a instituições sociais que combatem a fome e a desnutrição. Além disso, no eixo Governança, o relatório mostra a redução permanente da burocracia no setor público, aumentando a agilidade no atendimento ao cidadão.

 

O Relatório - Conheça as ações apresentadas:

Redução da poluição e proteção da água

- O Projeto Água Limpa, que identifica e protege nascentes aquíferas do assoreamento e de possíveis contaminações, tem 3,9 mil nascentes georreferenciadas sob proteção. A meta é chegar a 10 mil minas d’água em até três anos.

- O Paraná tem 51% de suas áreas costeiras protegidas. O número supera a média brasileira, de 36%.

- Criação do Programa Integrado de Conservação de Solo e Água do Paraná (Prosolo), incentivando ações coordenadas com órgãos públicos e privados voltadas à conservação do solo agrícola e da água.

- Acordo com o Banco Internacional para Reconstrução de Desenvolvimento (BIRD) para o Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias, que recupera e mantém a capacidade produtiva dos recursos naturais, com base na gestão de microbacias hidrográficas.

Energia renovável e aproveitamento de resíduos

- 94% da capacidade instalada de sua matriz de geração de energia elétrica são provenientes de fontes renováveis (hidráulica, eólica e solar).

- Fomento à geração de energia solar, biogás e biometano através do Programa Paraná Energia Rural Renovável (RenovaPR), que permite que agricultores promovam a autogeração de energia renovável, reduzindo custos de produção.

- Previsão de converter a matriz energética das propriedades rurais para o uso de fontes alternativas de energia em até 10 anos. Com isso, a produção de aves, peixes, suínos e bovinos se tornará mais competitiva e sustentável.

- Por meio de parceria público-privada, foi construída a Usina CSBioenergia. Primeira planta da América Latina que transforma resíduos orgânicos de esgoto tratado ou resíduos sólidos industriais em biogás.

Valorização das florestas

- Através da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), o programa Paraná Mais Verde já distribuiu mais de 3 milhões de mudas nativas desde 2019.

- Cerca de 100 espécies de mudas são cultivadas em 19 viveiros florestais do programa. Uma área equivalente a 1,8 mil campos de futebol foi reflorestada com o plantio dessas mudas.

- O Paraná possui 19,9 milhões de hectares de terra com vegetação, sendo 5,8 milhões de floresta nativa (29,12%) e 1,2 milhão (6,46%) de plantios florestais.

Mitigação dos efeitos climáticos

- Para o controle dos sinais de alerta ambientais, o Simepar possui 100 estações automáticas, três radares meteorológicos e um conjunto de equipamentos que dão suporte ao monitoramento de suas atividades.

- Compromisso do Governo do Estado com a campanha Race to Zero, movimento da Organização das Nações Unidas para conter o aquecimento global pela redução da emissão de gases poluentes. (AEN)

 

FÓRUM DE MERCADO I: Evento discutiu tendências de safra e estratégias para o comércio internacional

 

O Fórum de Mercado das Cooperativas Paranaenses reuniu, na tarde de sexta-feira (08/10), 120 lideranças e profissionais do setor. O evento online, promovido pelo Sistema Ocepar, discutiu as tendências para os segmentos de carnes, soja e milho no ano-safra 2021/2022, bem como a importância da participação articulada das cooperativas nos mercados. As ações previstas para o projeto Mercado do PRC200, o planejamento estratégico do cooperativismo do Paraná, foram explicadas pelo gerente técnico da entidade, Flavio Turra. Na sequência, o professor Marcos Fava Neves fez palestra com o tema “O futuro do agronegócio e a importância da atuação articulada nos mercados para as cooperativas”. Depois, o sócio-diretor da Agroconsult, André Pessoa, falou sobre os cenários para os mercados de soja, milho e carnes.

 

Oportunidades - O Fórum de Mercado foi aberto pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que ressaltou a missão do PRC200 de conduzir o cooperativismo paranaense a um novo patamar de desenvolvimento. “Temos um caminho muito importante a ser seguido. As cooperativas do Paraná já respondem por mais de 60% do que se produz na agropecuária do estado. Potencial existe, demanda internacional também, e isso representa oportunidades e queremos aproveitá-las, para gerar mais renda, empregos e qualidade de vida às pessoas. O momento é esse”, disse. 

 

Expo Dubai e Feira de Anuga - O dirigente fez também um relato sobre algumas ações em curso, como a participação de representantes cooperativistas em feiras e exposições internacionais. “Nesta semana, lideranças de cooperativas estão participando da Expo Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e na feira de Anuga, na Alemanha, dois eventos de alcance global e presença de grandes importadores de alimentos. Está é uma das práticas e desdobramentos do projeto Mercado do PRC200, visando alavancar os negócios e ampliar o comércio internacional dos produtos do setor”, explicou. 

 

PRC200 - O PRC200 tem como metas projetadas às cooperativas do Paraná atingir um faturamento total de R$ 200 bilhões, 4 milhões de cooperados, 200 mil funcionários diretos e R$ 10 bilhões em sobras do exercício. Para alcançar este objetivo, serão necessários investimentos anuais na casa de R$ 5 bilhões, voltados especialmente para a agroindústria e melhoria de estruturas de armazenagem. 

 

Indicadores - Em comparação com os indicadores fechados em 2020, o novo ciclo do planejamento estratégico do cooperativismo do Paraná almeja praticamente dobrar o montante faturado pelas cooperativas associadas à Ocepar, ampliando as sobras (recursos líquidos anuais) em mais de 60%, com a geração de 82 mil novos postos diretos de trabalho. O plano prevê ainda aplicar R$ 300 milhões em capacitação. 

 

{vsig}2021/noticias/10/11/forum_mercado_i/{/vsig}

FÓRUM DE MERCADO II: Projeto do PRC200 terá ações para promover produtos e serviços das cooperativas

 

Aumentar a participação dos produtos e serviços das cooperativas no mercado local e internacional é um dos objetivos do novo ciclo do planejamento estratégico do cooperativismo, o PRC200. Durante o Fórum de Mercado das Cooperativas Paranaenses, realizado de forma online na tarde de sexta-feira (08/10), o gerente técnico do Sistema Ocepar, Flavio Turra, fez uma explanação sobre o projeto “Mercado: qualidade, sanidade e competitividade”. O plano apresentado abrange uma série de ações que visam fortalecer as marcas do cooperativas e comunicar seus atributos e diferenciais. “A questão-chave do projeto é a necessidade de promover o desenvolvimento de mercados para os produtos e serviços das cooperativas. Entre os resultados esperados, estão a ampliação das vendas do setor, com diversificação e viabilização de mais agregação de valor e oportunidades de renda aos cooperados”, afirmou. 

 

Atributos - Segundo Turra, o projeto vai atuar para fortalecer a presença das cooperativas do Paraná nos mercados globais, com ênfase na qualidade e sanidade da produção. “É preciso também destacar os atributos e diferenciais do cooperativismo, um sistema comprometido com a sustentabilidade ambiental e com o desenvolvimento econômico e social dos locais onde atuam”, disse. De acordo com o gerente da Ocepar, o trabalho em torno do projeto Mercado está em sua fase inicial, com a formação da equipe interna e aglutinação de profissionais e representantes de cooperativas que irão materializar as ações planejadas. “Para o setor cooperativista de todos os ramos, o mercado é fundamental para a existência e sobrevivência”, concluiu. 

 

Evento - O Fórum de Mercado das Cooperativas Paranaenses reuniu, na tarde de sexta-feira (08/10), cerca de 120 líderes e profissionais do setor. O evento online, promovido pelo Sistema Ocepar, discutiu as tendências para os segmentos de carnes, soja e milho no ano-safra 2021/2022, bem como a importância da participação articulada das cooperativas nos mercados.

 

{vsig}2021/noticias/10/11/forum_mercado_ii/{/vsig}

FÓRUM DE MERCADO III: Agronegócio é oportunidade para mais inclusão e desenvolvimento, diz Fava Neves

 

forum mercado iii 11 10 2021Se acharem que seremos grandes players na área química, em computadores, automóveis, não é o que eu acredito. Penso que a possibilidade para o desenvolvimento da nossa sociedade, com mais inclusão de pessoas e criação de oportunidades, é o Brasil sendo a fazenda, a indústria de alimentos e o restaurante do mundo”, afirmou o professor da Universidade de São Paulo (USP) e Fundação Getulio Vargas (FGV), Marcos Fava Neves. Um dos palestrantes do Fórum de Mercado das Cooperativas Paranaenses, o pesquisador defendeu a construção de valor por meio da verticalização, agricultura circular e industrialização, “com um planejamento articulado que amplie a participação do setor em mercados globais.” O evento online, promovido pelo Sistema Ocepar, teve cerca de 120 espectadores, profissionais e gestores do cooperativismo paranaense.  

 

Liderança - Fava Neves ministrou a palestra “O futuro do agronegócio e a importância da atuação articulada nos mercados para as cooperativas”. O professor defendeu que o país consolide a posição de fornecedor mundial sustentável de alimentos, bioenergia e outros produtos. Segundo ele, o objetivo deve ser a criação e captura de valor, para viabilizar mais oportunidades aos brasileiros. “Podemos chegar a 2030 com uma posição ainda maior de liderança no setor agropecuário. Já somos os maiores exportadores de laranja, soja, açúcar, frango, café, carne bovina e celulose. E podemos em breve assumir a liderança nas vendas internacionais de milho e algodão. No entanto, para que isso se concretize, é necessário ter uma estratégia com o foco na redução de custos, diferenciação e ações coletivas”, disse. 

 

Valor compartilhado - Na opinião do professor, é chegado o momento em atuar de forma conjunta com consistência, esquecendo os erros do passado. “É importante construir valor e crescer, tanto regionalmente quanto globalmente, ampliando as vendas dos produtos do agronegócio brasileiro. “Em específico ao setor cooperativista, acredito que as cooperativas vão prosperar se tiverem obsessão em criar valor compartilhado, entregando soluções, margem e engajamento aos produtores e demais stakeholders”, finalizou. 

 

FÓRUM DE MERCADO IV: Produtores aguardam definição da safra dos EUA para decidir sobre comercialização, diz André Pêssoa

 

“É importante pontuar o momento. O agronegócio é tão dinâmico que às vezes a gente nem resolveu um problema e já estamos preocupados com o próximo, então, tenho certeza de que a maior preocupação no momento é com a safra 2022/2023, com o adubo, com o defensivo, enfim, com os possíveis desafios do próximo ciclo”, disse o sócio-diretor da Agroconsult, André Pessôa, ao ministrar palestra para as cooperativas do Paraná sobre os cenários de soja, milho e carnes. Foi na última sexta-feira (08/10), no Fórum de Mercado promovido pelo Sistema Ocepar, transmitido por meio da plataforma Microsoft Teams. André Pessôa é engenheiro agrônomo, mestre em Economia Aplicada pela ESALQ/USP, especialista em análise de mercados agrícolas e de política agrícola. 

 

Clima - Se o clima foi uma grande preocupação na última safra, ao menos agora os produtores podem respirar mais aliviados, já que não há sinalização de problemas climáticos graves nas regiões produtoras do país. Portanto, crescem as chances do Brasil confirmar uma safra cheia, em torno de 144 milhões de toneladas de soja. “A expectativa em relação ao comportamento do clima, associada ao alto padrão de tecnologia adotado pelos produtores brasileiros, aponta para uma produção de 60 sacas por hectares, em média, o que é um novo recorde”, pontuou André Pêssoa. Segundo ele, esse volume pode produzir um efeito positivo para o ano que vem na indústria e no aumento do consumo interno, estimado em 4%. “Além disso, podemos bater um recorde de exportação de soja em grão, ultrapassando, pela primeira vez num ano calendário, a barreira dos 90 milhões de toneladas exportadas”, estimou.   

 

Comercialização - A indicação de safra cheia, no entanto, ainda não refletiu no ritmo de comercialização. “Até o momento, 50% da soja do Mato Grosso está comercializada, volume esse que já cobre o custo, mas no Sul do Brasil, a gente vê que o volume comercializado ainda nem sequer cobre o custo. No ano passado, nessa mesma época do ano, a comercialização da soja estava em torno de 40%, e este ano não chega a 30%. Muitos produtores estão aguardando uma definição da safra americana e do andamento no plantio no Brasil para decidir sobre a comercialização, ou seja, ainda tem muita soja para ser vendida”, comentou.  

 

Custo de produção - Na conversa com os cooperativistas paranaenses, André Pêssoa ainda abordou questões cruciais para o mercado agrícola, como crescimento no custo de produção, puxado pelo aumento dos preços dos fertilizantes e da operacionalização de máquinas agrícolas, bem como do aumento do custo da mão de obra. “Mas quando se pensa nos preços internacionais e que haverá uma recuperação da produtividade, porque a implantação da lavoura não está ocorrendo nas mesmas condições do ano passado, então, basicamente a rentabilidade ainda será grande. Em quase todas as regiões a rentabilidade não diminui de forma expressiva”, afirmou o especialista. 

 

Estados Unidos - Ainda sobre soja, André Pêssoa faltou que a safra dos Estados Unidos já está 1/3 colhida, e que a expectativa é de aumento da produção americana.  “Nós, da Agroconsult, tínhamos uma expectativa abaixo de 118 milhões de toneladas, enquanto o USDA falava em 119 milhões de toneladas. Mas esse volume ainda não será suficiente para recuperar os estoques baixos do país. Isto significa que os americanos devem exportar um pouco menos de soja. Eles fecharam o último ano agrícola com 61,5 milhões de toneladas de soja exportadas e no próximo devem vender  55 milhões. É outro patamar de exportação”, disse.  

 

Milho - Em relação ao milho, o aumento na produção na safra de verão e o baixo ritmo de venda antecipada do milho safrinha, acendem o sinal amarelo para a comercialização do cereal no próximo ano. Segundo André Pessôa, as perspectivas de aumento da safra é alívio para a indústria de proteínas, no entanto, isto representa um risco de queda na curva de preços futuros. A estimativa da Agroconsult é que o preço da saca mantenha o ritmo de crescimento até janeiro de 2022, podendo chegar a R$ 93,00, mas depois a curva comece uma trajetória de queda, podendo chegar a R$ 79,00 em julho do próximo ano.  Pessôa ainda lembrou que no Mato Grosso uma parcela da safra de inverno futura já comercializada, “talvez um terço da colheita prevista”, mas em outras praças produtoras, como a região Sul, o sul de Mato Grosso do Sul e São Paulo, “não tem praticamente nada do milho safrinha comercializado até agora”. Isto significa que mais produto para comercializado no futuro, isto preocupada tendo em vista o tamanho da safra que o brasil pode vir a colher em 2022”.

 

Carne - Outro tema da palestra, a carne suína, Pêssoa focou no mercado chinês. Ele lembrou que a China está num processo de ajuste de produção, já que houve uma queda acentuada em função da peste africana, que acabou por diminuir de 700 milhões de cabeças de suínos alojadas para 400 milhões. “Mas ao final da safra 2018/2019 e depois no ciclo 2020/2021, o mercado chinês conseguiu se recuperar, aumentando o rebanho interno. Porém, o país já havia aumentado a importação para compensar a menor produção doméstica. O resultado disso é uma queda acentuada dos preços dos suínos no mercado chinês, com uma derrubada das margens dos produtores internos”, contou. 

 

{vsig}2021/noticias/10/11/forum_mercado_iv/{/vsig}

 

ENCONTROS DE NÚCLEOS: Sistema Ocepar divulga programação dos eventos

 

O Sistema Ocepar acaba de divulgar a programação da segunda etapa dos Encontros de Núcleos Cooperativos de 2021, que será realizada de 8 a 11 de novembro, em formato on-line, das 8h30 às 12h. Os eventos são destinados a lideranças cooperativistas, como conselheiros de administração e fi­scal, integrantes de comitês educativos e de grupos femininos, jovens, gestores, entre outros.

 

Agenda - No dia 8, o evento será realizado com representantes do Centro-Sul e a Agrária será a anfitriã; no dia 9, vai reunir as cooperativas do Sudoeste, tendo a Coagro e Sicredi Fronteiras PR/SC/SP como anfitriãs; no dia 10, a Coamo e a Credicoamo serão as anfitriãs do encontro com cooperativistas do Noroeste e Norte; e, no dia 11, haverá a participação de lideranças do Oeste, com a Lar e Lar Credi como anfitriãs. 

 

Programação - Logo após a abertura, o professor da Mackenzie, Pedro Martins, vai ministrar palestra com o tema “Estratégia de Desenvolvimento no Cenário Global”. Na sequência, Cláudio Shimoyama, do grupo Datacenso, falará sobre a “Pesquisa de Imagem e Posicionamento das Marcas das Cooperativas do Paraná”. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, fará uma apresentação sobre os projetos do Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), o planejamento estratégico do cooperativismo paranaense. Depois, haverá espaço para manifestação das cooperativas. 

 

Inscrição e informações - Clique aqui para se inscrever. Os links de acesso às reuniões serão enviados por e-mail. Mais informações com Neuza Oliveira e Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br / 41 99278-0739 | 99151-2148).

 

encontros nucleos folder 11 10 2021

GESTÃO: Vem aí a segunda temporada do Compliance Experience

 

O Compliance Experience está de volta. A segunda temporada tem início no dia 19 de outubro, das 15h às 17h30, pela plataforma YouTube. Promovida pelo Sistema Ocepar, por intermédio do Sescoop/PR, a série Compliance Experience visa contribuir para a sustentabilidade das cooperativas paranaenses e foi realizada inicialmente em 2020. A ideia desta edição é destacar as melhores práticas e os desa­fios enfrentados pelas organizações nos processos de integridade e conformidade, em relação à gestão de riscos, cultura de compliance e agenda ESG.

 

Palestrantes - A programação contempla a apresentação de duas palestras. Uma delas, com o tema “Como integrar um sistema de integridade com práticas de compliance, cultura organizacional e políticas ESG”, será ministrada por Marcelo Zenkner. Já Isabel Franco vai discorrer sobre “Como as práticas de compliance e risco serão fortalecidas com a agenda ESG: vantagem competitiva ou sobrevivência”. 

 

Inscrição - O evento é destinado a profissionais das cooperativas paranaenses. Clique aqui para se inscrever. O link de acesso será enviado por e-mail pelo Sescoop/PR até o dia 18 de outubro. Mais informações com Alfredo Kugeratski Souza (41 3200-1144 / alfredo.souza@sistemaocepar.coop.br).

 

gestao folder 11 09 2021

COPAGRIL: Cooperativa sobe na classificação dos principais rankings nacionais

 

copagril 11 10 2021A Copagril subiu 89 posições no ranking da Valor 1.000, anuário que está em sua 21ª edição e apresenta as 1.000 maiores companhias do Brasil. Agora a Copagril ocupa a posição de número 298 do país. A cooperativa também subiu 10 posições na classificação geral das "500 Maiores do Sul" do Grupo Amanhã, se destacando na 84ª posição, e entre as 100 maiores empresas do Paraná (pela mesma pesquisa) subiu 4 posições e está na 34ª colocação.

 

Exame - A Copagril também está entre as 1.000 maiores empresas do Brasil em 2020 no levantamento divulgado pela Revista Exame, classificada na 450ª posição a nível de Brasil. No Anuário Época Negócios 360º também está ranqueada a Copagril, classificada na 281ª colocação geral.

 

Copagril - Em 2021, a Copagril completou 51 anos de atuação e em 2020 alcançou a marca de R$ 2,5 bilhões de faturamento, uma marca histórica para a cooperativa. Valor que representa a atuação na diversificação das atividades junto aos cooperados e clientes, sendo as principais áreas agrícolas e de manejo animal. A recepção de grãos, como soja, milho e trigo, alcançou mais de 600 mil toneladas em 2020; por meio do sistema de integração foram mais de 650 mil suínos, 43 milhões de aves (frangos de corte) e quase 67 milhões de litros de leite. Assim como as outras áreas de atuação e suporte à cadeia: Lojas Agropecuárias, Unidades de Recebimento e Armazenamento, Postos de Combustíveis, Supermercados e Indústrias.

 

Frimesa - Ainda, a Copagril é uma das cinco cooperativas filiadas que formam a Frimesa. Cooperativa central que ocupa a 207ª posição no ranking nacional da Valor 1.000, na qual subiu 49 colocações. (Imprensa Copagril)

 

COOPAVEL I: Ações de orientação para prevenção ao câncer em mulheres são ampliadas

 

coopavel i 11 10 2021A Coopavel intensifica durante o mês de outubro ações informativas e de orientação para prevenção dos cânceres de mama e de colo do útero. A finalidade é fazer com que, principalmente mulheres, fiquem atentas para os perigos que essas doenças representam e adotem medidas preventivas e façam exames regularmente.

 

Prevenção e diagnóstico precoce - As orientações buscam estimular a prevenção e o diagnóstico precoce, informa a enfermeira do Trabalho Giane Quinhones Dalla Costa. “Quanto mais cedo a doença for diagnóstica, melhores são as chances de cura”. Uma das atividades já programadas e organizadas pelo setor médico da Coopavel é uma palestra. 

 

Tema - Com o tema Quem se ama, se cuida, ela será realizada no dia 13 de outubro, na Sala de Treinamentos da área industrial. Devido às restrições provocadas pela pandemia, número limitado de pessoas poderá participar do evento, com início às 14h30. “Todas as medidas sanitárias serão observadas”, segundo Giane. Os conteúdos vão ser repassados pela psicóloga Néri Mariussi.

 

Causas - O câncer está associado a várias causas. De 80% a 90% dos casos têm origem em fatores externos, como mudanças provocadas pelo homem no meio ambiente, maus hábitos e comportamentos. De 10% a 20% estão ligados a fatores genéticos.

 

Incidência - O câncer de mama é o mais comum em mulheres. Estudo recente indica que ele foi responsável, em 2020, por 11,7% do total de novos casos no planeta. Ou seja: acometeu 2,26 milhões de pessoas. O Brasil segue a tendência mundial. Com base em dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer) a previsão para 2021 é de 66.280 novos casos no País.

 

Vítimas - Em 2019, segundo o Inca, morreram 110.344 mulheres de câncer no Brasil. As principais causas foram o de mama (16,4% do total de óbitos), traqueia, brônquios e pulmões (11,4%), cólon e reto (9,4%), colo do útero (6%), pâncreas (5,3%) e estômago (5%). Segundo a Sociedade Americana de Câncer, os mais diferentes tipos da doença serão responsáveis por 5,5 milhões de mortes de mulheres até o ano de 2030 no planeta, crescimento de 60% no comparativo com os números de 2012. 

 

Tipos - Mais de 20 milhões de pessoas desenvolvem algum tipo de câncer todos os anos no mundo. Nas mulheres, as maiores incidências são o câncer de mama, cólon e reto, pulmão e colo do útero. Já nos homens, os mais frequentes são os de pulmão, próstata, cólon e reto, estômago e fígado. Diante desses números e projeções, especialistas recomendam que mulheres, principalmente aquelas com mais de 35 anos, façam exames regularmente, adotem a prática do autoexame e incorporem hábitos saudáveis no seu dia a dia. (Imprensa Coopavel)

COOPAVEL II: Concurso inédito de desenhos premia filhos de funcionários da cooperativa

 

coopavel ii 11 10 2021O setor de Gente e Gestão da Coopavel encontrou uma forma criativa de envolver filhos de funcionários da cooperativa em uma atividade inédita alusiva ao Dia das Crianças, oficialmente comemorado em 12 de outubro. Eles participaram de um concurso de desenhos com o tema Desenhando o futuro cooperativo. Sessenta desenhos foram inscritos em três categorias, para crianças com idades de 3 a 5 anos, de 6 a 9 e de 10 a 12. 

 

Premiação - Uma comissão especialmente formada teve por responsabilidade escolher os melhores. Os vencedores receberam como prêmio um patinete e uma cesta de produtos. “O cooperativismo é uma força dinâmica na sociedade e envolver famílias e crianças em seus princípios é determinante para o futuro desse grande projeto”, ressalta o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

 

Integração - “Estamos muito felizes com o resultado desse evento inédito. Quero parabenizar a todos que participaram e dizer que essa integração é importante para o presente e para o futuro da Coopavel”, diz o gerente de Recursos Humanos, Aguinel Waclawovsky. “A participação das crianças e das famílias é uma demonstração de que essa iniciativa alcançou o sucesso esperado. Obrigado a todos. Esse será o primeiro de muitos concursos”, complementa a coordenadora de Gente e Gestão, Claudia Luciana da Rocha.

 

Engajamento - O concurso foi aberto a filhos de funcionários das quatro indústrias da cooperativa integradas ao Programa de Engajamento de Pessoas – frigoríficos de aves, suínos, moinho de trigo e matrizeiros/incubatórios. “O concurso envolve as crianças de hoje, mas que em 15, 20 anos serão adultos e estarão ocupando postos de trabalho importantes na empresa. Elas são o futuro do cooperativismo e do Brasil”, destacou o gerente de Fomento de Suínos Genézio Ricardo Garbin.

 

Vencedores - “Gostei muito de participar. Fiz o desenho de uma fazenda com animais, porque gosto especialmente de cavalos”, comenta Tayssa de Lima, que venceu na categoria de 6 a 9 anos. Os outros vencedores foram Mathias Gimezes, na categoria de 3 a 5 anos, e Kawan de Oliveira e Yago Garcia Ribeiro, que empataram e conquistaram o título na categoria para crianças com idades de 10 a 12 anos. A cerimônia de anúncio dos vencedores e de entrega da premiação contou com a participação de pais dos ganhadores e de outros convidados. (Assessoria de Comunicação da Coopavel)

UNIMED CASCAVEL: Programa que forma cuidadores de idosos vence prêmio nacional

 

unimed cascavel 11 10 2021O programa da Unimed Cascavel que oferece formação gratuita para cuidadores de idosos foi o vencedor na categoria Sustentabilidade do prêmio Inova+Saúde 2021, que reconhece as melhores iniciativas adotadas pelas Unimeds de todo o país. O prêmio foi anunciado no dia 6 de outubro, em uma cerimônia virtual. 

 

Cuidadores de idosos - O projeto nasceu em 2015 para formar uma “rede de conhecimento” com potencial de capacitar cuidadores (ou pessoas interessadas na área), aprimorando as habilidades essenciais para quem quer exercer essa profissão de forma digna e responsável em relação ao cuidado prestado aos pacientes. “O programa tem evoluído a cada ano. Atualmente conta com o Curso de Cuidadores de Idosos nas modalidades presencial e on-line, com carga de 80h, encontros de cuidadores, palestras mensais de atualização, oficinas de inclusão digital e programa de saúde mental e emocional”, explica a colaboradora Maria Carolina Pedro, do setor de Sustentabilidade da Unimed Cascavel. 

 

Formação - Desde que foi iniciado, o programa conta com vários parceiros, incluindo empresas, universidade e profissionais da saúde, e já formou onze turmas, com 375 participantes que concluíram o curso. Além disso, mais de 500 pessoas já participaram das palestras de formação continuada, também gratuitas e abertas para a comunidade. Além de ser uma conquista tão honrosa para a Unimed Cascavel, o Programa de Formação de Cuidadores de Idosos é uma vitória para centenas de pessoas que buscam profissionalização nesta área. Neste sentido, o projeto funciona como um gerador de oportunidades de trabalho, de acesso à formação de qualidade, de relacionamento e de exercício do cuidado.

 

Ser cuidador - Cuidadora de idosos há seis anos, Helma de Andrade Oliveira Nobrega Souza zela pela saúde de dois pacientes, um domiciliar e outro no hospital. Ela conta que, diante da Covid, a preocupação com todos os cuidados a esses pacientes ficou ainda maior. “A gente está cuidando o tempo todo e é por isso que essas palestras são tão importantes. Quando você aceita o desafio de ser cuidador, você tem a obrigação de zelar pelo paciente. Com esse projeto, a Unimed Cascavel nos apresenta o Jeito de Cuidar e nos capacita, ou seja, dá a nossa profissão uma atenção especial que é muito importante, já que toda a população está vivendo e envelhecendo mais.” (Assessoria de Comunicação da Unimed Cascavel)

UNIMED PONTA GROSSA I: Vencedora do Prêmio Inova+Saúde com Programa Bem Cuidado

 

unimed ponta grossa I 11 10 2021O Programa Bem Cuidado foi vencedor do Prêmio Inova+Saúde, promovido pela Seguros Unimed e Unimed Brasil, na categoria Epidemiologia, Saúde e Bem-Estar.

 

Finalista - Na edição de 2021, além do Bem Cuidado, a cooperativa foi finalista em mais duas categorias: Marketing e Gestão de Pessoas. Neste último, sendo a única concorrendo com dois projetos. Em nível nacional, dos 25 escolhidos para a fase final, 16% foram da Unimed Ponta Grossa, sendo a cooperativa com mais ações nessa fase. 

 

Evolução de cultura - Para Eduardo Bacila de Sousa, diretor-presidente da cooperativa, o primeiro lugar também gratifica uma evolução de cultura. “Temos fomentado uma política interna de incentivo à inovação e vemos o resultado do Inova+Saúde como uma consequência desta movimentação, da união de esforços, das iniciativas e do forte apoio da diretoria a projetos inovadores”, analisa. 

 

Comissão julgadora - A comissão julgadora era formada por profissionais do mercado, que avaliaram os projetos de acordo com critérios específicos para cada categoria, como: caráter inovador do projeto; viabilidade técnica, financeira e tecnológica; desejabilidade; potencial de escalabilidade; capacidade de alcance do público-alvo; e transparência.

 

Visão ampla e completa - Rafael Francisco dos Santos, diretor administrativo da Unimed Ponta Grossa, destaca que o Bem Cuidado permitiu à cooperativa uma visão ampla e completa para manter, cada vez mais, o paciente no centro do cuidado. 

 

Pandemia - “O programa surgiu num momento de pandemia, em que todos os colaboradores e profissionais focaram em criar algo que pudesse atender nossos beneficiários no meio do mar de incertezas que tínhamos, mantendo a nossa qualidade assistencial. Construímos uma plataforma de cuidado abrangente, que trouxe resultados para nossos clientes também. Então, esse reconhecimento em nível nacional nos deixa extremamente satisfeitos e nos revigora pra continuar trabalhando em prol do cliente”.

 

Desafio - O Bem Cuidado foi estruturado em março de 2020, quando o principal desafio era realizar atendimentos a beneficiários no pior momento da pandemia e com a orientação de evitar contato presencial. Inicialmente, o objetivo era reduzir a busca direta pelo Pronto Atendimento, para que a unidade pudesse se dedicar ao atendimento de casos mais graves. 

 

Monitoramento - O sistema, construído totalmente pela equipe interna de T.I. da cooperativa, realizava o monitoramento dos casos respiratórios, contribuindo para evitar retornos desnecessários ao Pronto Atendimento e, ao mesmo tempo, buscava oferecer acolhimento ao paciente, atuando com agilidade no internamento, quando indicado. 

 

Nuvem - Por meio de um sistema em nuvem, sem necessidade de baixar aplicativo, o beneficiário respondia um questionário com perguntas sobre sintomas para que a equipe multidisciplinar acompanhasse os pacientes à distância. A inteligência artificial classificava os casos suspeitos e confirmados de acordo com o risco e fazia um ranqueamento. A partir dessas informações, a equipe orientava, individualmente, os próximos passos e cuidados. Nos casos em que houvesse a necessidade de acompanhamento médico, era agendada uma teleconsulta com especialista.

 

Assertividade - Com a assertividade do monitoramento, o sistema ganhou novas funcionalidades para aprimoramento do cuidado e a Unimed Ponta Grossa estendeu o programa a todos os colaboradores, cooperados e respectivos dependentes.

 

Comprometimento - De acordo com Monica Traub, gerente de Gestão em Saúde e responsável pelo projeto, ganhar o prêmio pela primeira vez não só reforça o jeito de cuidar da Unimed Ponta Grossa como também fortalece o comprometimento da diretoria e equipes em se adaptar a novas realidades. “Esse prêmio consolida o trabalho em equipe, o apoio e envolvimento da diretoria, enaltece o nosso jeito de cuidar, demonstra o engajamento na atenção centrada no paciente, favorecendo a melhor experiência para o beneficiário e o reconhecimento da cooperativa”.

 

Bem Cuidado em números - Desde a implantação, em março de 2020, até agosto de 2021, foram 31.689 pacientes atendidos; 70.473 respostas recebidas - a partir da SMS enviada - e 3.026 teleconsultas médicas.

 

Sobre o Prêmio Inova+Saúde - O prêmio é uma parceria da Seguros Unimed com a Unimed Brasil e tem o objetivo de fomentar o desenvolvimento econômico e social no Sistema Unimed, reconhecendo as cooperativas pelo desenvolvimento e realização de ações de inovação e empreendedorismo no âmbito da saúde. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

UNIMED PONTA GROSSA II: Cooperativa patrocina projeto cultural da Casa Cantante

 

unimed ponta grossa II 11 10 2021A Unimed Ponta Grossa é patrocinadora do projeto cultural Cantiga Animal promovido pela banda ponta-grossense Casa Cantante.  A iniciativa prevê a apresentação de 14 shows gratuitos em praças espalhadas na cidade. O repertório expressa a preservação e a conservação da fauna brasileira com seis músicas autorais e dez cantigas de roda de domínio público. 

 

Contribuição - O patrocínio no projeto, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, contribui com a disseminação da cultura musical e com a educação ambiental das crianças.  A Unimed Ponta Grossa apoia as práticas de sustentabilidade e ações culturais na cidade que promovem a transformação na comunidade. 

 

Estímulo - Para Sandri Anderson, gerente de Marketing e Comunicação da cooperativa, as atividades relacionadas à cultura e meio ambiente estimulam vivências, interações e conscientização. “Apoiar iniciativas como a Casa Cantante nos permite levar o jeito de cuidar Unimed além da saúde física, contribuindo para mais qualidade de vida e bem-estar das pessoas”, enfatiza. 

 

Apresentações - As apresentações acontecem na Praça Por do Sol, Parque Monteiro Lobato, Costa Rica, Jardim Maracanã, Vila Margarida, Gralha Azul, Vila Vendrami, Jardim Ouro Verde e Shangrilá. O projeto também abrange os distritos de Uvaia, Itaiacoca, Piriquitos e Guaragi. 

 

Mais do que música - Para a vocalista da banda, Juliane Ribeiro, o trabalho desenvolvido pela Banda Casa Cantante é muito mais do que música. “Nos shows vemos a interação entre crianças e adultos, a criação de memórias afetivas, a ampliação de conhecimento, a percepção do sentido de coletividade. Como dizemos, fazemos música para crianças de todas as idades", explica. 

 

Material educativo - Além do show, os participantes recebem um material educativo com informações, desafios, passatempos e artes para colorir com objetivo de incentivar a educação ambiental. 

 

Programação completa - Confira a programação completa no site da Unimed Ponta Grossa. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

 

 

 

SICOOB CREDICAPITAL: Com localização privilegiada, agência é reinaugurada em Cascavel

 

sicoob credicapital 11 10 2021Uma das unidades do Sicoob Credicapital em Cascavel (PR) está de cara nova. A agência São João, que antes ficava na Rua General Osório, ao lado do Hospital Ceonc, agora atende na esquina das ruas Cuiabá e Osvaldo Cruz. A nova instalação foi inaugurada em um evento realizado no dia 7 de outubro, com a presença de dirigentes da cooperativa, autoridades e cooperados. 

 

Desenvolvimento local - Segundo o presidente do Conselho de Administração, Guido Bresolin Júnior, entregar uma agência totalmente reformulada demonstra comprometimento do Sicoob Credicapital com a cidade e toda a comunidade. “Essa agência está localizada em uma região estratégica, que precisa de uma instituição financeira que atenda às necessidades de comerciantes, empresas e pessoas físicas. É o Sicoob mais uma vez andando de mãos dadas com Cascavel e promovendo o desenvolvimento local”, ressalta. 

 

Relação - Já o diretor superintendente da cooperativa, Valdir Pacini, reforça que o novo prédio é a o resultado da excelente relação construída entre o Sicoob Credicapital, entidades parceiras e cooperados. “Não tenho dúvidas de que essa nova agência reflete a parceria que nós temos com várias entidades da cidade e com os nosso cooperados”.  

 

Pioneirismo - O prefeito interino de Cascavel, Renato Silva, participou da cerimônia de inauguração e destacou o pioneirismo da cooperativa no município. “Posso dizer que o Sicoob Credicapital é uma cooperativa genuinamente cascavelense e que nesses 20 anos tem colocado em prática o cooperativismo, contribuindo para o desenvolvimento da região”, ressalta. 

 

Mais espaço e novo endereço - O novo prédio da agência São João fica na Rua Cuiabá 3247, esquina com a Rua Osvaldo Cruz. São mais de 650m² de estrutura, que abrigam 19 mesas para atendimento, 2 caixas, 3 caixas eletrônicos (ATM), sala de reuniões, espaço café e estacionamento. “O antigo espaço já estava pequeno para atender os nossos mais de 2 mil cooperados da agência. Com a mudança vamos poder oferecer a eles mais conforto, comodidade e ainda receber novos cooperados para fazerem parte da família Sicoob”, comemora o gerente da agência, Ricardo José Gasparin. 

 

Sicoob Credicapital - Cooperativa cascavelense com 20 anos de atuação, atualmente o Sicoob Credicapital possui mais de 30 agências, localizadas em 22 municípios do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Só nos primeiros meses de 2021, o Sicoob Credicapital cresceu 19% em ativos, registrou 25% de ampliação nas operações de crédito e o cumprimento de mais 70% da meta proposta para para o ano. São mais de 43 mil cooperados e mais de 350 colaboradores, que diariamente buscam cumprir o propósito de conectar pessoas para promover a justiça financeira e prosperidade. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

INFRAESTRUTURA: Até setembro, portos paranaenses movimentaram 44,4 milhões de toneladas de cargas

 

infraestrutura destaque 11 10 2021Os portos do Paraná já movimentaram 44,4 milhões de toneladas em 2021. O volume foi puxado principalmente pelas altas registradas entre os produtos de Carga Geral, em especial sentido importação, sendo 1% maior que as quase 44 milhões de toneladas contabilizadas no ano passado, também de janeiro a setembro.

 

Volume - Nos últimos nove meses, de Carga Geral foram 10,27 milhões de toneladas embarcadas e desembarcadas pelos portos de Paranaguá e Antonina. Neste ano, o volume foi 11% maior que as cerca de 9,2 milhões de toneladas movimentadas no mesmo período, em 2020.

 

Produtos - No segmento estão produtos embarcados em saca (como açúcar e outros gêneros alimentícios), veículos (carros, ônibus, maquinários e peças, contabilizados em unidades), cargas em contêineres (em TEUs) e celulose.

 

Exportação - Sentido exportação, entre os produtos de Carga Geral que mais cresceram na movimentação dos portos do Paraná foram o açúcar e outros gêneros ensacados (ou em big bags) – em especial no Porto de Antonina.

 

Açúcar - De açúcar, entre janeiro e setembro deste ano, foram 211.655 toneladas embarcadas – 189% a mais que as 73.196 toneladas registradas no período de 2020. De outros produtos, foram quase 78 mil toneladas exportadas por Antonina, neste ano – o que não foi registrado em 2020.

 

Celulose - Pelo Porto de Paranaguá, ainda no segmento de Carga Geral, as exportações de celulose registraram aumento de 2%. Nos noves meses deste ano foram 545.400 toneladas embarcadas; em 2020, 534.794 toneladas.

 

Importação - Na importação houve quase 4,2 milhões de toneladas de produtos de Carga Geral desembarcados pelos portos de Paranaguá e Antonina. A alta registrada na comparação com o mesmo período de 2020 foi de 33%. De janeiro a setembro do ano passado, foram importadas 3,14 milhões de toneladas no segmento.

 

Veículos - De janeiro a setembro, neste ano, 67.101 veículos foram embarcados e desembarcados pelo Porto de Paranaguá. A quantidade é 16% maior que as 57.630 unidades registradas em 2020. Na movimentação dos contêineres, nos dois sentidos, a alta registrada foi de 4%.

 

Terminal de Contêineres- Neste ano, nos nove meses, foram 704.474 TEUs carregados e descarregados pelo Terminal de Contêineres de Paranaguá. Em 2020, no mesmo período, foram 675.808 TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés).

 

Outros segmentos- As importações e exportações de Granéis Líquidos também aumentaram. A alta geral foi de 9%. Nos últimos noves meses, cerca de 6 milhões de toneladas foram movimentadas pelos terminais do Porto de Paranaguá. Em 2020, foram cerca de 5,5 milhões de toneladas.

 

Líquidos - Entre os líquidos, na exportação, destaca-se o embarque de óleos vegetais, que cresceu 15%. Neste ano foram 872.281 toneladas exportadas; em 2020, de janeiro a setembro, 758.971 toneladas. Na importação, houve alta no desembarque de metanol (33%), óleos vegetais (417%) e nos derivados de petróleo (7%).

 

Sólidos - No geral, a movimentação dos graneis sólidos registrou queda de 3%. De janeiro a setembro de 2020, pouco mais de 29,1 milhões de toneladas foram movimentadas pelos dois portos paranaenses. Neste ano, foi 1 milhão a menos.

 

Queda - A queda no segmento foi motivada pela redução nos volumes de soja e milho embarcados. Ainda assim, a exportação de açúcar registrou alta de 19%, com 2,9 milhões de toneladas embarcadas neste ano, a granel, contra 2,45 milhões de toneladas em 2020.

 

Fertilizantes - Na importação, a movimentação dos fertilizantes, principal produto do segmento nesse sentido, também registrou alta, tanto por Antonina, quanto por Paranaguá. No geral, o aumento foi de 17%. Em 2021, foram descarregadas quase 8,5 milhões de toneladas de janeiro a setembro. No ano passado, foram 7,2 milhões. (Agência de Notícias do Paraná)

 

infraestrutura quadro 11 10 2021

 

FOTO: Rodrigo Felix Leal / Seil

 

 

ARTIGO: Monstros da economia voltam a assombrar brasileiros

 

artigo 11 10 2021*Márcia Helfenstein Koch

 

A economia brasileira tem uma “fauna” própria, bastante simbólica e muito popular. Quem não associa o leão ao imposto de renda? O que dizer do dragão da inflação? Esse animal imaginário com apetite para juros altos e preços estratosféricos que já atormentou gerações despertou com disposição renovada para ameaçar o orçamento doméstico, minar o poder de compra e comprometer os planos do consumidor para o futuro.

Professor da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o economista Nicholas Gregory Mankiw define a inflação desta forma: “Aumento generalizado do preço médio de produtos e serviços em um determinado intervalo de tempo.” Trocando em notas menores, a inflação é a alteração (aumento) no valor de determinado bem ou serviço dentro de um curto ou médio prazo.

Entre os anos 1980 e 1990, o dragão da inflação escapou de todos os domadores econômicos e provocou estragos sem precedentes no País. Nesse período, foram colocados em prática sete planos econômicos que se mostraram insuficientes – e por vezes inócuos – para conter a voracidade do “monstro”. Em 1994, a partir do Plano Real, o dragão recolheu-se para um longo cochilo.

Mas em 2020, a fome do dragão, novamente despertou, pôde ser medida pelo IPCA. O índice que aponta a variação do custo de vida médio de famílias brasileiras com renda mensal entre 1 e 40 salários mínimos, fechou em alta de 4,52%. Em abril de 2021, o Painel de Indicadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicou uma inflação de 0,31%, com 6,76% no acumulado de 12 meses. Em agosto, a mordida foi ainda mais vigorosa: 0,89%, a maior em 19 anos. O acumulado do ano chegou a 9,30%.

O surgimento da inflação – ou o aumento do apetite do dragão – está associado a vários fatores. Os economistas costumam destacar entre as causas a chamada “lei da oferta e da demanda”. É quando os consumidores estão dispostos a gastar mais e têm recursos para fazerem isso. Logo, é natural que os preços subam. Há ainda a diminuição da oferta, que aumenta os preços para quem vai ao supermercado. Também os fatores naturais, como a seca, amargam o valor dos alimentos para o consumidor final.

Os pesos pesados da inflação no bolso do consumidor em agosto deste ano foram muitos. Mas merecem destaque a moradia, os transportes, puxados pelos combustíveis, o gás de cozinha, as contas de luz, os alimentos e as bebidas. Sobre os alimentos, vale a pena observar também os fatores externos que contribuíram para o patamar elevado de preços. E aqui se incluem o aumento do dólar e a ampliação da demanda por produtos agrícolas no mercado internacional, que também interferiu no aumento dos valores.

O controle da inflação depende de soluções públicas. A vacinação, por exemplo, é fundamental para que a economia retome sua rotina produtiva. Também o aumento da taxa Selic, medida que o Banco Central vem utilizando, causa desaquecimento da demanda e, potencialmente, “acalma” a inflação.

As soluções pessoais, da mesma forma, são fundamentais em tempos inflacionários. A primeira resolução consiste em ajustar o orçamento doméstico mensal, cortando da lista itens menos importantes para não comprometer o salário. Quando a necessidade, mãe de todas as soluções, pede um complemento de renda, recomenda-se avaliar todas as opções que representem trabalho extra com possibilidade de ganhos. Os investimentos em ativos que garantam retorno acima da inflação devem ser observados com critério e, sempre que possível, sob a orientação de um especialista.

O consumidor brasileiro, definitivamente, não quer a inflação corroendo os sonhos presentes e os planos futuros. Mas à medida que o dragão teima em se tornar um “bicho de estimação” no País, é preciso vigiá-lo, precavendo-se de sua mordida em todas as decisões que tomarmos no dia a dia.

 

*Márcia Helfenstein Koch é diretora de Negócios da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP

SAÚDE I: Brasil registra 182 mortes por covid-19 em 24 horas

 

saude I 11 10 2021O Brasil registrou 8.639 casos de covid-19 e 182 mortes causadas pela doença em 24 horas, segundo o boletim da situação epidemiológica divulgado no domingo (10/10) pelo Ministério da Saúde. Com os novos diagnósticos de covid-19 confirmados, o total de pessoas contaminadas desde o início da pandemia chegou a 21.575.820. Ainda há 295.951 casos em acompanhamento. O nome é dado a casos ativos de pessoas que tiveram o diagnóstico confirmado e estão sendo atendidas por equipes de saúde ou se recuperando em casa.

 

Números - Existem 3.152 mortes por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em investigação. Isso porque em muitos casos a análise sobre a causa continua mesmo após o óbito. Com os novos óbitos, a soma de pessoas que perderam a vida para a doença alcançou 601.011. Segundo o boletim, 20.678.858 pessoas se recuperaram da doença.

 

Estados - No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (150.758), Rio de Janeiro (67.175), Minas Gerais (54.996), Paraná (39.540) e Rio Grande do Sul (35.045). Os que menos registraram mortes foram Acre (1.840), Amapá (1.986), Roraima (2.006), Tocantins (3.809) – que não enviou os dados neste domingo - e Sergipe (6.017). 

 

Vacinação - Os dados mais recentes do Ministério da Saúde mostram que mais de 249 milhões de doses da vacina contra a covid-19 foram aplicadas em todo o Brasil, sendo 149,7 milhões como primeira dose e 99,3 milhões como segunda dose (ou dose única). Segundo a pasta, foram distribuídas 310,49 milhões de doses da vacina contra a covid-19 para todo o país. (Agência Brasil de Notícias)

SAÚDE II: Covid-19: mais 1.590 casos e 31 óbitos no Paraná

 

saude ii 11 10 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou no domingo (10/10) mais 1.590 casos e 31 mortes pela Covid-19. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 1.521.560 casos e 39.324 óbitos pela doença. Os casos divulgados nesta data são de outubro (774), setembro (416), agosto (218), julho (72), junho (79), maio (29) e março (2) de 2021. Os óbitos confirmados neste domingo são de outubro (10), setembro (7), agosto (5), julho (5), junho (2) e abril (2) de 2021.

 

Internados - De acordo com o informe, 546 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 419 em leitos SUS (239 em UTI e 180 em clínicos/enfermaria) e 127 em leitos da rede particular (71 em UTI e 56 em clínicos/enfermaria). Há outros 1.129 pacientes internados, 647 em leitos UTI e 482 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

 

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 31 pacientes. São 15 mulheres e 16 homens, com idades que variam de 31 a 94 anos. Os óbitos ocorreram entre 5 de abril e 9 de outubro de 2021.

Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (6), Londrina (4) e Cascavel (2). O boletim registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Ubiratã, Siqueira Campos, Sertanópolis, Santo Inácio, Santa Izabel do Oeste, Santa Isabel do Ivaí, Santa Fé, Prudentópolis, Paranacity, Nova Santa Bárbara, Mandaguaçu, Iguatu, Guaraniaçu, Foz do Iguaçu, Curiúva, Colorado, Campo Magro, Campo Largo e Bom Jesus do Sul.

 

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde contabiliza 6.111 casos de não residentes no Estado – 216 pessoas foram a óbito. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 1.521.560 casos e 39.324 óbitos pela doença. (AEN)

SAÚDE III: Estado recebe mais 154,4 mil vacinas contra a Covid-19 nesta segunda-feira

 

saude iii 11 10 2021O Ministério da Saúde confirmou o envio de mais 154.440 vacinas contra a Covid-19 ao Paraná. Os imunizantes da Pfizer/BioNTech desembarcam nesta segunda-feira (11/10), às 15h30, no Aeroporto Internacional Afonso Pena, na Região Metropolitana de Curitiba. O Paraná já aplicou 14.254.610 vacinas contra a Covid-19, sendo 8.327.478 primeiras doses, 325.012 doses únicas e 5.475.844 segundas doses.

 

Doses - Entre D1 e DU, 99,21% da população adulta já recebeu ao menos uma dose e 66,52% deste público está completamente imunizado. O Estado também registra a aplicação de 21.436 doses adicionais (DA) e 105.699 doses de reforço (DR).  O Informe Técnico ainda será divulgado pelo governo federal. É o documento que vai definir o público e a descentralização das vacinas. Elas serão recepcionadas no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba. (AEN; Foto: Gilson Abreu/AEN)

 

 

SAÚDE IV: Paraná chega a 99% da população adulta vacinada contra a Covid-19

 

saude iv 11 10 2021O Paraná chegou no sábado (9/10) à marca de 99,1% da população acima de 18 anos vacinada contra a Covid-19 – 8.322.493 pessoas receberam a primeira dose ou a dose única. Deste mesmo público, 66,27% já estão com o esquema vacinal completo. Ao todo, foram 14.222.723 doses aplicadas e registradas na base do Programa Nacional de Imunizações (PNI). 

 

Reta final - Para o secretário de saúde, Beto Preto, a reta final da vacinação contra o coronavírus é o resultado de um trabalho conjunto entre os governos federal, estadual e os municípios, além de todos os envolvidos no processo de imunização. “Estamos quase lá. Cada aumento da cobertura vacinal é motivo de comemoração. Uma pequena minoria de menos de 2% que ainda não se vacinou, deve procurar uma unidade de saúde. O avanço da imunização contra a doença reflete diretamente nos índices de infecção e internamento, que estão cada vez mais baixos”, enfatizou.

 

Vacinas - No levantamento sobre os imunizantes que chegaram ao Paraná por meio do PNI, e que garantiram 99% de cobertura vacinal, mais de 17 milhões de doses foram entregues no Estado e distribuídas aos 399 municípios. A população vem sendo contemplada com vacinas da CoronaVac/Instituto Butantan, AstraZeneca/Oxford, Pfizer/BioNTech e Janssen/Johnson&Johnson (esta última utiliza apenas uma dose de aplicação para imunização contra o vírus). (AEN; Foto: José Fernado Ogura/AEN)

 


Versão para impressão


RODAPE