Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5180 | 20 de Outubro de 2021

COMPLIANCE EXPERIENCE: Segunda temporada reúne 100 profissionais de 40 cooperativas do Paraná

A segunda temporada do Compliance Experience teve início na tarde de terça-feira (19/10) e reuniu 100 profissionais de 40 cooperativas do Paraná. O evento, realizado de forma virtual, foi promovido pelo Sistema Ocepar e teve por objetivo destacar as melhores práticas e os desa­fios enfrentados pelas organizações em relação à gestão de riscos, cultura de compliance e agenda ESG. Esta edição do Compliance Experience contou com a presença de dois palestrantes reconhecidos nacional e internacionalmente, Marcelo Zenkner e Isabel Franco. A abertura das atividades foi realizada pelo presidente do Sistema Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná), José Roberto Ricken, e pelo superintendente do Sescoop/PR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo), Leonardo Boesche.

Mercado - Segundo o presidente do Sistema Ocepar, o compliance, conjunto de medidas e procedimentos com o objetivo de evitar, detectar e remediar a ocorrência de desvios e irregularidades, é uma ação imprescindível para quem pretende prosperar de forma sustentável nos negócios. “É uma exigência cada vez mais presente no mercado. Quem não tiver esse cuidado, vai ficar para trás”, afirmou Ricken. “A transparência é uma prática contínua nas cooperativas. A ética e a integridade são valores essenciais do cooperativismo”, ressaltou.

 

Cultura - O superintendente do Sescoop/PR lembrou que o Compliance Experience é um desdobramento do Programa de Compliance do Sistema Ocepar, lançado em 2019 e que conta com a adesão de 30 cooperativas, das quais 11 já concluíram todas as etapas do processo de implantação e descrição de boas práticas. “Não buscamos apenas que haja conformidade e as cooperativas sigam normas e procedimentos. O que pretendemos é disseminar uma cultura de compliance alicerçada em práticas de integridade”, enfatizou Boesche. “Para o cooperativismo, ética, transparência e honestidade são valores que fundamentam nossos princípios e organizam a forma como trabalhamos. Uma cooperativa por excelência já é uma empresa que pratica o compliance”, disse. 

 

Movimento mundial - A primeira palestra da tarde coube a Marcelo Zenkner, que abordou o tema “Como integrar um sistema de integridade com práticas de compliance, cultura organizacional e políticas ESG”. Segundo ele, houve três grandes ondas de integridade no país, todas elas motivadas pela convenção da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento), de 1997, da qual o Brasil é signatário. “Há um movimento crescente no mundo para a implantação de boas práticas de integridade e conformidade. No Brasil, temos a Lei 12.846/2013, a chamada Lei de Integridade de Pessoas Jurídicas, resultado de forte pressão internacional”, explicou Zenkner.

 

Integridade - Zenkner, que atualmente é sócio do escritório Tozzini Freire Advogados, de São Paulo, e professor da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) nos cursos de pós-graduação, foi diretor de Governança e Conformidade da Petrobras, cargo que ocupou de agosto de 2019 a março de 2021. “O importante é haver um sistema de integridade nas organizações. E o cooperativismo tem tudo a ver com integridade, pois falar em cooperação é falar em confiança, relação que facilita a estruturação de um sistema de boas práticas”, afirmou. “Enquanto o sistema de compliance tem por objetivo evitar que o errado aconteça, o sistema de integridade vai mais longe, tem por objetivo gerar confiança pela disseminação da cultura de integridade. Não como um mero rótulo, mas praticando, na essência da organização”, enfatizou.

 

ESG - A segunda palestrante do dia foi de Isabel Franco, que tratou do tema “Como as práticas de compliance e risco serão fortalecidas com a agenda ESG: vantagem competitiva ou sobrevivência?”. “Acredito muito nas empresas descobrirem seu legado, com um exercício simples de introspecção sobre sua cultura, e assim possam abraçar a agenda de ESG (Ambiental, Social e Governança). O ESG deve estar dentro do compliance, como um maestro e organizador da agenda da implantação de boas práticas”, disse.

 

GreenwashingIsabel é sócia responsável pela prática de compliance, investigações e white-collar do Azevedo Sette Advogados, de São Paulo. Há anos, integra a lista das 100 melhores investigadoras do mundo pela Global Investigations Review (GIR). Atua como professora do curso de Mestrado de Compliance da FGV-RJ e embaixadora do Compliance Women Committee, fazendo parte dos conselhos do Instituto Não Aceito Corrupção, American Society, Education For Sharing e Bem Querer Mulher. “Importante destacar que não basta apenas parecer, é preciso realmente ser íntegro e honesto. Os consumidores consideram o “greenwashing” um insulto, que é quando uma empresa utiliza o compliance como uma peça de marketing, sem que as boas práticas se realizem. Quem não abraçar o compliance realmente, vai ficar fora do mercado”, concluiu.

 

Áudios Clique nos links abaixo e confira os áudios sobre o evento, produzidos pelo jornalista Alexandre Salvador para a rádio PR Cooperativo.

Compliance já faz parte do jeito cooperativo de trabalhar 

Palestrantes falam sobre integração de práticas de compliance, cultura organizacional e políticas ESG em evento voltado a cooperativas

{vsig}2021/noticias/10/20/compliance/{/vsig}

ENCONTROS DE NÚCLEOS: Evento terá apresentação de pesquisa que mostra a percepção dos consumidores sobre os produtos e serviços das cooperativas do PR

 

Mais um levantamento que mostra a percepção dos consumidores sobre os produtos e serviços ofertados pelas cooperativas do Paraná foi realizado neste ano pelo grupo Datacenso, a pedido do Sistema Ocepar. O resultado vai ser apresentado pelo diretor-executivo da empresa, Cláudio Shimoyama, durante a segunda etapa dos Encontros de Núcleos Cooperativos de 2021, de 8 a 11 de novembro. Intitulada “Pesquisa de Imagem e Posicionamento das Marcas das Cooperativas do Paraná”, a iniciativa apresenta novidades nesta edição, como a inclusão da colaboradores das cooperativas na sondagem, e será utilizada com um dos elementos norteadores do Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), o planejamento estratégico do cooperativismo paranaense.

 

Projetos - Após a participação de Shimoyama, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, discorrerá sobre os projetos estruturantes do PRC200. Além disso, programação dos Encontros de Núcleos contempla a participação do professor da Universidade Mackenzie, Pedro Martins, que vai ministrar palestra com o tema “Estratégia de Desenvolvimento no Cenário Global. Haverá ainda espaço para manifestação das cooperativas.

 

Público - Os eventos vão ocorrer em formato on-line, das 8h30 às 12h, com a presença de lideranças cooperativistas de todas as regiões do Estado, como conselheiros de administração e fi­scal, integrantes de comitês educativos e de grupos femininos, jovens, gestores, entre outros.

 

Agenda - No dia 8, o Encontro será realizado com representantes do Centro-Sul e a Agrária será a anfitriã; no dia 9, vai reunir as cooperativas do Sudoeste, tendo a Coagro e Sicredi Fronteiras PR/SC/SP como anfitriãs; no dia 10, a Coamo e a Credicoamo serão as anfitriãs do evento com cooperativistas do Noroeste e Norte; e, no dia 11, haverá a participação de lideranças do Oeste, com a Lar e Lar Credi como anfitriãs. 

 

Inscrição e informações - Clique aqui para se inscrever. Os links de acesso às reuniões serão enviados por e-mail. Mais informações com Neuza Oliveira e Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br / 41 99278-0739 | 99151-2148).

 

 

encontros nucleos folder 20 10 2021

SICOOB METROPOLITANO: Cooperativa de Maringá é a 10ª melhor empresa para trabalhar no Brasil

sicoob metropolitano 20 10 2021Depois da conquista do 1º lugar no ranking das Melhores Instituições Financeiras, o Sicoob Metropolitano agora comemora o 10º lugar entre as Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil em 2021.

Vencedoras - As companhias vencedoras do prêmio foram reveladas na segunda-feira (18/10), em uma festa virtual realizada pelo Great Place to Work em parceria com Época Negócios. A cooperativa de crédito, que tem sede em Maringá, foi premiada na categoria Médias Empresas (100 a 999 trabalhadores).

Inscritas - Este ano, apesar do período desafiador, mais de 4 mil empresas se inscreveram, representando aproximadamente 1,8 milhão de funcionários impactados. Para o diretor-presidente do Sicoob Metropolitano, Ideval Luis Curioni, muito mais importante do que a premiação, é poder celebrar com o time e manter momentos felizes no dia a dia.

Lugar de gente feliz - “A união, a conexão, os sorrisos entre as equipes é o que sustenta o bom clima organizacional. Aqui é lugar de gente feliz. Por isso, tenho orgulho de fazer parte da família Sicoob Metropolitano. Em nome da alta gestão, o meu agradecimento a todos os colaboradores, cooperados e parceiros”, afirma ele, que se diz ansioso na espera pelo resultado do ranking de Melhores Empresas para Trabalhar no Paraná.

Sobre o Sicoob Metropolitano - Fundada em Maringá, no noroeste do Paraná, a cooperativa tem 21 anos de história. Hoje, são mais de 600 colaboradores entre a Unidade Administrativa e os 84 pontos de atendimento nos estados do Paraná e São Paulo, que atendem cerca de 130 mil cooperados. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

INSTITUTO SICOOB: Expresso oferece cursos profissionalizantes para comunidade e servidores da Prefeitura de Londrina

Nos dias 13, 14 e 15 de outubro, o Expresso Instituto Sicoob esteve em frente à prefeitura de Londrina (PR), atendendo a comunidade da região já inscrita nos cursos e para os servidores do órgão.

Formação profissional e cidadã - O ônibus, que é uma plataforma itinerante de formação profissional e cidadã, oferece uma ampla variedade de cursos profissionalizantes que são ministrados na modalidade EAD e esteve no Centro Cívico em uma ação do Mês do Servidor, viabilizada pelas secretarias municipais do Trabalho, Emprego e Renda e de Recursos Humanos.

Visita - No dia 14, o prefeito em exercício de Londrina, João Mendonça, visitou o Expresso e foi recebido pelo diretor-presidente do Sicoob Ouro Verde, Elisberto Torrecillas. Na ocasião, o secretário do Trabalho, Emprego e Renda, Gustavo Santos, e a assessora da Secretaria de Recursos Humanos, Marcelle Diorio, acompanhados da analista de Desenvolvimento Humano e Organizacional do Sicoob Ouro Verde, Maisa Hangai, fizeram um tour pelo ônibus com os visitantes.

Parceria importante - Para o prefeito em exercício, essa é uma ação que caracteriza plenamente a forma de trabalho da Prefeitura. “A administração Marcelo Belinati restaurou laços importantes com a sociedade civil e com entidades muito representativas na cidade. A credibilidade que a Prefeitura reconquistou faz com que a gente consiga desenvolver ações como essa, com um parceiro tão importante como o Sicoob Ouro Verde”, apontou.

Presença - O diretor-presidente do Sicoob Ouro Verde, Elisberto Torrecillas, elogiou a ação e ressaltou a função social das cooperativas. “Onde há interesse da comunidade, o poder público e o sistema cooperativista precisam estar presentes. Encontramos eco na Secretaria e na Prefeitura e ao estreitar esses laços estamos levando, cada vez mais, os valores do cooperativismo e sendo uma ferramenta de transformação e de cidadania”, frisou. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2021/noticias/10/20/instituto_sicoob/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Agência promove ações para reforçar saúde da mulher

sicredi uniao 20 10 2021Durante o Outubro Rosa, mês de conscientização para a prevenção do câncer de mama, a agência Vila Operária da Sicredi União PR/SP, em Maringá (PR), realiza diversas ações para reforçar o cuidado com a saúde da mulher. Em parceria com a Rede Feminina de Combate ao Câncer, a cooperativa está desenvolvendo podcasts para lembrar da importância do autoexame, da realização de mamografia anualmente e dos cuidados com a saúde em geral. Os episódios estarão disponíveis desde a última sexta-feira (15/10) no Spotify e canal do YouTube da Sicredi União PR/SP.

Encontro presencial - Também será realizado encontro presencial com as colaboradoras e associadas da agência neste mês para falar sobre a saúde integral da mulher e sobre o empreendedorismo feminino. Além disso, a agência Vila Operária está arrecadando absorventes, que serão doados a mulheres em situação de vulnerabilidade social.

Saúde integral - “Dedicamos o mês de outubro para falar sobre a conscientização e a prevenção do câncer de mama, mas também para falar sobre a saúde integral da mulher em todos os aspectos. Como mulheres, temos que nos colocar à disposição das outras. Isso faz parte do propósito da cooperativa: tornar uma sociedade mais próspera, pensando em todos os âmbitos, principalmente na saúde dos colaboradores, associados e de quem está perto da gente”, reforça a gerente da agência, Mariana Chagas de Sousa.

Convite - As associadas estão convidadas a ir à agência para conhecer e participar da campanha. O endereço é avenida Brasil, 1.131, Vila Operária, Maringá. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI FRONTEIRAS: Comitê Mulher realiza ação referente ao Dia das Crianças

A Cooperativa Sicredi Fronteiras, através do Comitê Mulher, realizou uma campanha de arrecadação de brinquedos novos ou usados (em bom estado) nas agências e comércios parceiros nos municípios onde está presente.

Ação - A ação teve início no dia 13/09 e finalizada na semana do dia 11 a 16 de outubro. Além da arrecadação de brinquedos, também foi disponibilizada nas agências uma chave PIX, onde o valor arrecadado foi revertido em brinquedos. Desta maneira, os brinquedos doados foram destinados para crianças em situação de vulnerabilidade social ou diretamente para instituições sem fins lucrativos.

Êxito - De acordo com Daiane Wesseler Alexandre, assessora de desenvolvimento do cooperativismo, a ação obteve tanto êxito graças à proatividade, entusiasmo e cooperação das integrantes do Comitê Mulher e da equipe Sicredi Fronteiras, em conjunto com os associados e comunidades em que a cooperativa atua.

Amor - “O nosso coração se encheu de amor ao ver no rosto das crianças, tanta alegria, simplicidade e doçura. Que esta entrega fique eternizada na memória de muitas pessoas. Gratidão a todos que contribuíram para o sucesso deste Dia das Crianças”, comenta Daiane. (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

 

sicredi fronteiras 20 10 2021

COCAMAR: Ação de impacto com cooperados no Rally Cocamar

Patrocinadora pelo quarto ano consecutivo do Rally Cocamar de Produtividade, que começou na última semana de setembro com o plantio da soja e segue até a colheita, a empresa Basf está utilizando o circuito para realizar uma ação de impacto junto aos produtores.

Proximidade - Conforme explica o representante técnico de vendas da companhia, Rafael Franciscatti, o objetivo é estar cada vez mais próximo do produtor: “Vamos até ele para escutá-lo, conhecer um pouco mais de sua realidade. Queremos estar juntos em seus desafios, ajudando-o a superá-los, bem como melhorar a experiência do produtor em participar conosco, sempre fortalecendo a parceria”.

Arrendando - No município de Diamante do Norte, a 170 quilômetros de Maringá (PR), a equipe do Rally e Basf foi recebida pelos produtores Edvaldo Baveloni e Édio Favoretto. Residentes em Maringá, ontem mantêm propriedades, ambos arrendam grandes áreas nos solos arenosos naquela região do extremo noroeste, considerada uma nova fronteira para a soja.

Coragem - Para ser um arrendatário de terras, especialmente no extremo noroeste do Paraná, é preciso ter muita coragem, afirma o cooperado Edvaldo Baveloni. Mas garante: “é possível produzir, desde que se trabalhe com tecnologias adequadas, cobertura do solo e muito profissionalismo. “Não há espaço para aventureiros”.

Fundamental - Baveloni comenta que a tecnologia avançou muito, assim como o manejo do solo. “O investimento em uma boa cobertura do solo, como a braquiária, que vai reter a umidade, é fundamental”, afirma o produtor. Por outro lado, ele nunca deixa de fazer seguro de tudo.

Insumos - É preciso, ainda, conhecer bem o terreno e as características do lugar para decidir sobre os insumos, os materiais que serão utilizados e testá-los: “Estamos no terceiro ano na região e já experimentamos vários materiais para identificar os que mais se sobressaem”.

Média - Baveloni e Édio Favoretto têm obtido a média entre 120 e 130 sacas por alqueire (49,5 a 53,7 sacas/hectare). Já no milho, a situação é outra: “Não tivemos prejuízo por causa de seguro, do Proagro. Sem isso, a gente iria ficar no vermelho”, diz Baveloni, que destaca o trabalho da Cocamar e de empresas parceiras da cooperativa, sempre juntas do produtor, preocupadas em oferecer soluções.

Técnico - Segundo ele, o produtor precisa ter conhecimento da atividade que está desenvolvendo, mas a presença do técnico especializado da cooperativa e da empresa fornecedora faz muita diferença.

Nematicida - Entre as novidades apresentadas pela empresa parceira está um novo nematicida para ser testado no arenito. “A nossa ideia, além de acompanhar e dar respaldo, é trazer esses novos produtos e validá-los aqui, trabalhando com os produtores, os funcionários deles e a assistência técnica da cooperativa”, completa.

Mendes - Acompanhou a viagem do Rally a Diamante do Norte o engenheiro agrônomo Gustavo Mendes, da Cocamar.

Sobre o Rally - O Rally Cocamar de Produtividade, em sua sétima edição consecutiva, conta com o patrocínio das seguintes empresas: Basf, Fairfax do Brasil – Seguros Corporativos, Fertilizantes Viridian, Zacarias Chevrolet e Sicredi União PR/SP (principais), Cocamar Máquinas, Lubrificantes Texaco, Estratégia Ambiental e Irrigação Cocamar (institucionais), com apoio da Aprosoja/PR, Cesb e Unicampo. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/10/20/cocamar_II/{/vsig}

PORTARIA: Mapa e Ministério da Economia definem volume de compra de milho para o Programa de Venda em Balcão

portaria 20 10 2021O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nessa terça-feira, (19/10), no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria Interministerial nº 20, assinada em conjunto com o Ministério da Economia (ME), que autoriza a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a adquirir até 110 mil toneladas de milho para as operações de venda em balcão para os pequenos criadores. A portaria também limita em R$80 milhões os recursos orçamentários para subvenção do programa considerando esse volume de aquisição.

MP - Essa normativa se fez necessária para a operacionalização da Medida Provisória nº 1604, de 17 de agosto de 2021, que permite a aquisição de até 200 mil toneladas milho em condições de mercado para o programa de venda em balcão.

Programação - Com a publicação da portaria, a Conab poderá fazer a programação de leilões públicos para a compra de milho, estabelecendo os polos de entrega, o que permitirá de redução de custo de transporte com remoção de estoque.

Demanda - A autorização de 110 mil toneladas será suficiente para atender a demanda de acordo com a programação da companhia. O Programa de Venda em Balcão (PVB) não foi interrompido, operando com os remanescentes estoques públicos de milho. De janeiro a setembro de 2021, foram vendidas 89 mil toneladas de milho, atendendo a 15 mil pequenos criadores em 21 estados.

Manutenção - “Com essa medida, a Conab garante a manutenção do programa de venda de milho em balcão, mesmo em período que não ocorra formação de estoque com os tradicionais instrumentos da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), destaca o diretor de Comercialização e Abastecimento Silvio Farnese”.

DAP - Para acessar o programa, o criador deve possuir a Declaração de Aptidão ao-Pronaf (DAP) ativa ou outro documento que a substituía. Além disso, o limite máximo de compra mensal será de 27 toneladas por CPF. (Mapa)

FOTO: Guilherme Viana / Embrapa

 

PRA: Serviço Florestal anuncia ferramenta para adesão de produtores ao Programa de Regularização

pra 20 10 2021O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) vai disponibilizar em novembro o Módulo de Regularização Ambiental (MRA), integrado à plataforma WebAmbiente, da Embrapa. O MRA possibilitará ao produtor rural que tiver o Cadastro Ambiental Rural (CAR) analisado a elaboração de proposta de adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA).

Encontro - A notícia foi dada na segunda-feira (18/10) pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, durante o 8º Encontro Nacional do Cadastro Ambiental Rural 2021, que reúne gestores do CAR para discutir os desafios e estratégias para avançar na agenda de regularização ambiental de forma cooperada.

Alinhamento - Na abertura do Encontro, a ministra disse que o alinhamento com os estados é fundamental para a efetiva implementação do Código Florestal no Brasil. “Com isso, teremos transparência, regularidade ambiental, bem como garantiremos a produção agropecuária aliada à conservação ambiental, fortalecendo a característica única da agropecuária brasileira de produzir e conservar”.

Gargalos - Ela colocou o Mapa e o Serviço Florestal à disposição dos estados para resolver gargalos e ajudar na implementação do CAR em todo o país. “Nós fazemos só a coordenação, mas vocês fazem a implementação, que é o mais importante. Estamos de portas abertas para ajudar no que for preciso”, disse a ministra ressaltando que essa é uma política prioritária para o Ministério.

Iniciativa - O diretor-geral do SFB, Pedro Neto, disse que a realização do Encontro é uma importante iniciativa de coordenação para implementação do Código Florestal entre o Serviço Florestal Brasileiro e as unidades federativas. “O evento deste ano marca uma mudança de patamar na política de implementação do Código Florestal e de regularização ambiental no país”, destacou.

Participantes - Além de representantes das 27 unidades da federação, participam, de forma presencial e virtual, representantes de Superintendências do Mapa, Banco Mundial, BNDES, Embrapa, CNA, Ministério da Economia, Cooperação técnica e financeira da Alemanha, Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) e Conselho Nacional dos Secretários de Estado de Agricultura (Conseagri). O Encontro vai até o dia 22 de outubro. (Mapa)

 

ECONOMIA: PIB recua 1% em agosto, aponta Ibre/FGV

economia 20 10 2021A atividade econômica registrou em agosto um recuo de 1% em relação ao mês anterior e alta de 0,7% no trimestre móvel encerrado no oitavo mês do ano, se comparado ao período concluído em maio. Foi o que apontou a análise da série dessazonalizada do Monitor do PIB-FGV, divulgada nessa terça-feira (19/10) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Interanual - Já na comparação interanual, a economia avançou 4,4% em agosto e 6,7% no trimestre móvel terminado no mesmo mês. Em termos monetários, a estimativa é de que no acumulado do ano até agosto de 2021, em valores correntes, o Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e dos serviços produzidos no país), ficou em R$ 5,680 trilhões.

Recuperação - Para o coordenador do Monitor do PIB-FGV, Cláudio Considera, a economia brasileira continua em trajetória de recuperação em relação à forte queda de 2020 causada pela pandemia da covid-19. Os dados indicam que até agosto a taxa de crescimento do PIB em 12 meses ficou em 3,6%, em relação à verificada nos 12 meses até agosto de 2020, que apresentou queda de 3,1%.

Serviços - Considera disse que o setor de serviços, que registrou quedas mensais consecutivas e altas entre março do ano passado e igual mês deste ano, desde abril apresenta desempenhos positivo com a taxa acumulada positiva em 12 meses a partir de junho, sendo em agosto de 2,6%. “No setor de serviços tem relevância a atividade de outros serviços, que representa cerca de 15% do PIB, que chegou a ter taxa mensal negativa de 22,8% e que apresentou taxas positivas elevadas desde abril deste ano”, disse.

Avanço da vacinação - De acordo com o coordenador, o desempenho positivo do setor de serviços é um reflexo da vacinação contra a covid-19. “Esse desempenho se deve à maior abrangência da vacinação, que possibilitou a maior interação entre as pessoas com idas a hotéis, bares, restaurantes, viagens etc. Isso é compatível com o consumo de serviços por parte das famílias que no mês de agosto cresceu 8,2%”, explicou.

Pandemia - Segundo o Ibre, “por causa da influência da pandemia da covid-19 nos fatores sazonais de 2020, que podem não estar realmente relacionados à sazonalidade, foi realizado no relatório divulgado nesta terça-feira um exercício adicional com relação a série com ajuste sazonal”.

Análise - O Ibre informou que alguns institutos de estatística internacionais estão analisando esses impactos e, “por essa razão, além do ajuste sazonal habitual que contempla o período de janeiro de 2000 a agosto de 2021, foi realizado adicionalmente o ajuste sazonal para 2020 e 2021 considerando os fatores sazonais referentes a 2019 e o fator calendário corrente”.

Fatores sazonais - Conforme os pesquisadores, os resultados mostram que, se forem utilizados os fatores sazonais da série do PIB do período de 2000 até 2019, a taxa de variação em agosto de 2021 aponta para queda de 2,3%, inferior à de 1% observada considerando todo o período de 2000 até agosto de 2021. “Esses resultados sugerem que as taxas ajustadas sazonalmente devem ser analisadas com cautela, pois a pandemia pode ter influenciado os fatores sazonais não apenas por razões econômicas como também estatísticas”, indicou o relatório.

Consumo das famílias - No trimestre móvel terminado em agosto, o consumo das famílias subiu 6,5%, se comparado ao mesmo período do ano passado. O resultado foi influenciado, principalmente, pelo crescimento de 9,8% nos serviços. Na série com ajuste sazonal, o consumo das famílias avançou 1,9% no trimestre móvel de junho a agosto, em relação ao concluído em maio.

FBCF - Também no trimestre móvel terminado em agosto, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que representa os investimentos, cresceu 18,5% na comparação ao mesmo período do ano passado. De acordo com o Ibre, todos os componentes mantiveram a trajetória de crescimento. Apesar disso, na série ajustada sazonalmente, a FBCF registrou recuo de 3,5% no trimestre móvel de junho a agosto, na comparação entre março e maio.

Exportação e importação - A exportação teve alta de 3% no trimestre móvel de junho a agosto, em relação ao mesmo período do ano passado. “Apenas os componentes da agropecuária e da extrativa mineral não contribuíram positivamente para esse crescimento. Na análise da série dessazonalizada, a exportação apresentou retração de 7% no trimestre móvel findo em agosto, em comparação ao findo em maio”, apontou o relatório.

Elevação relevante - A importação teve elevação relevante de 32,7% no trimestre móvel de junho a agosto, na comparação com o mesmo período de 2020. O resultado foi influenciado, principalmente, pelo elevado crescimento de bens intermediários (40,8%).

Taxa de investimento - Em agosto de 2021, a taxa de investimento ficou em 17,6%, na série a valores correntes. “Esse resultado apresenta uma taxa de investimento abaixo da taxa de investimento média mensal considerando o período desde 2000”, indicou a análise. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

IPEA: No Brasil, profissionais de nível superior têm 23% mais chance de trabalhar remotamente

ipea 20 10 2021O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) publicou nessa terça-feira (19/10) um estudo sobre o potencial de ocupações passíveis de serem realizadas de forma remota. O estudo faz um retrato do trabalho remoto no país e nas Unidades Federativas, permitindo um melhor entendimento dessa realidade em cada localidade. O levantamento inclui dados mensais sobre gênero, raça/cor, escolaridade, idade, setor de atividade, além do percentual da massa de rendimentos por atividade econômica para o Brasil e em cada um dos estados brasileiros, no período de maio a novembro de 2020, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Covid-19. De acordo com os pesquisadores, os profissionais com nível superior completo possuem 23% a mais de chance de estarem em trabalho remoto do que as pessoas com escolaridade de nível fundamental incompleto.

Total - A análise mostrou que, de maio a novembro de 2020, 7,3 milhões de pessoas trabalharam de forma remota no Brasil, o que equivale a 9,2% da população ocupada e não afastada, sendo responsável por 17,4% da massa de rendimentos gerada via trabalho. O perfil médio dos trabalhadores em home office na pandemia em novembro de 2020 era o seguinte: 57,8% eram mulheres, 65,3% eram brancos, 76% possuíam escolaridade de nível superior completo, 31,9% estavam na faixa de 30 a 39 anos e 61,1% estavam empregados no setor privado.

Conclusão - No mapeamento, os pesquisadores chegaram à conclusão de que ser mulher aumenta as chances de trabalhar de forma remota em 1,5% em relação aos homens. Na análise por raça/cor, ser branco eleva as chances de home office em 2,3% em relação a negros. Trabalhar no serviço público aumenta as chances de estar em trabalho remoto em 14% na comparação com as pessoas empregadas na atividade agrícola. Os residentes na região Sudeste possuem 5,6% mais de chance de estar em home office do que os moradores do Norte do país. Quem possui vínculo informal tem 0,8% menos chances de trabalhar à distância do que os que exercem o ofício formalmente.

Constatação - Outra constatação relevante que inclui fatores individuais, laborais e regionais indica que mulheres, brancas, com escolaridade de nível superior completo, trabalhando no setor público, com vínculo formal e na região Sudeste possuem 47,2% a mais de chance de estarem em trabalho remoto do que homens, negros, com escolaridade de nível fundamental incompleto, trabalhando na agricultura, com vínculo informal e residentes no Norte do país.

Dado inédito - Dado inédito apresentado no estudo trata ainda da massa de rendimentos por atividade econômica em cada estado brasileiro. O Distrito Federal, por exemplo, apresentou o maior percentual de pessoas ocupadas em home office (20%), que foram responsáveis por 32,7% da massa de rendimentos total efetivamente recebida pelas pessoas ocupadas no DF. Ao passo que no Pará, que tem o menor percentual de população ocupada trabalhando remotamente (3,1%), essas pessoas foram responsáveis por 6,9% da massa de rendimentos total efetivamente recebida pelas pessoas ocupadas no estado. Isso evidencia a disparidade no trabalho remoto entre os estados brasileiros.

Novembro 2020 - Em novembro de 2020, a população ocupada e não afastada era de 80,2 milhões de pessoas no Brasil, sendo que 7,3 milhões, ou seja, 9,2% trabalharam remotamente. "Apesar de cerca de um quinto dos trabalhadores estar em ocupações passíveis de serem realizadas à distância, apenas pouco menos de 10% efetivamente trabalharam de forma remota em novembro de 2020 (último dado disponível pela PNAD Covid-19). De fato, a escolaridade é a variável individual mais correlacionada com a probabilidade de teletrabalho no país", afirmou o pesquisador do Ipea Geraldo Góes, um dos autores do estudo intitulado ‘Um panorama do trabalho remoto no Brasil e nos estados brasileiros durante a pandemia da Covid-19’, em coautoria com Felipe Martins e José Antônio Nascimento. (Assessoria de Imprensa do Ipea)

Acesse a íntegra do estudo

 

CÂMBIO: Dólar aproxima-se de R$ 5,60 com possível criação de Auxílio Brasil

cambio 20 10 2021Num dia de incertezas em relação à criação do Auxílio Brasil, o dólar aproximou-se de R$ 5,60 e fechou no maior valor em seis meses. A bolsa de valores teve forte recuo e atingiu o menor nível em 12 dias.

Cotação - O dólar comercial encerrou essa terça-feira (19/10) vendido a R$ 5,594, com alta de R$ 0,073 (+1,33%). A cotação chegou a R$ 5,61 na máxima do dia, por volta das 16h, mas desacelerou um pouco após o adiamento da cerimônia em que seria anunciada a criação do auxílio.

Maior valor - A moeda norte-americana está no maior valor desde 15 de abril, quando tinha fechado vendida a R$ 5,628. Com o desempenho dessa terça, a divisa acumula alta de 2,72% em outubro. Em 2021, a valorização chega a 7,81%.

Intervenção - Com a deterioração do mercado, o Banco Central (BC) mudou a forma de intervenção no câmbio. Pela primeira vez desde março, a autoridade monetária vendeu dólares diretamente das reservas internacionais. Ao todo, foram leiloados US$ 500 milhões para segurar a cotação. Nas últimas semanas, o órgão vinha leiloando contratos de swap, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Ações - No mercado de ações, a sessão também foi tensa. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 110.673 pontos, com recuo de 3,28%. Esse foi o segundo dia seguido de queda. O indicador acumula perda de 7,01% no ano.

Entenda - O Auxílio Brasil, que pretende substituir o Bolsa Família, tem três modalidades de benefício básico: para primeira infância, para famílias com jovens de até 21 anos de idade e para a complementação para famílias que não conseguirem sair da extrema pobreza mesmo após receber os benefícios anteriores.

Benefícios acessórios - Além do benefício básico, o programa social terá seis benefícios acessórios, que poderão se somar ao valor recebido. Eles funcionarão como bônus para quem se cumprir determinados requisitos adicionais.

Aumento - Ao anunciar o programa, o presidente prometeu um aumento de, no mínimo, 50% no valor médio do Bolsa Família, que atualmente é de R$ 189. Ou seja, o valor pago no novo benefício seria de, pelo menos, R$ 283,50.

PEC - Além do teto de gastos, a aprovação do Auxílio Brasil depende da aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que permite o parcelamento dos precatórios (dívidas judiciais reconhecidas definitivamente pela Justiça). No entanto, os investidores entenderam que a inclusão de exceções ao teto afrouxaria as regras fiscais, ameaçando a retomada do equilíbrio das contas públicas.

Receio - Além disso, existe o receio de que o Congresso Nacional modifique a medida provisória que criou o Auxílio Brasil, editada em agosto, e amplie ainda mais os gastos públicos. O texto está em tramitação na Câmara dos Deputados. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

INFRAESTRUTURA: DER-PR conclui mais uma etapa da licitação para serviços em rodovias de municípios do Oeste

infraestrutura 20 10 2021O Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) abriu nessa terça-feira (19/10) os envelopes com documentos de habilitação das empresas que disputam a licitação para conservação de 193,27 quilômetros de rodovias da região Oeste.

Empresas classificadas - Participam desta etapa quatro empresas classificadas na análise de propostas de preços, por terem apresentado os valores mais vantajosos ao Estado, variando entre R$ 46.649.522,89 e R$ 48.791.467,97. Elas também atenderam todos os critérios do edital de licitação.

Comissão de julgamento - A comissão de julgamento analisará os documentos das participantes e publicará um aviso em Diário Oficial e no portal Compras Paraná estabelecendo se as empresas foram habilitadas e, também, anunciando a vencedora da disputa.

Interposição - A publicação do aviso dá início a um período de cinco dias úteis para interposição de recursos, e igual período para contrarrazões, caso haja algum recurso. Concluída esta etapa, caso não haja alterações no resultado, têm início os trâmites internos para assinatura do contrato e emissão da ordem de serviço para início dos trabalhos.

Conservação - O edital contempla rodovias de dez municípios, beneficiando cerca de 262 mil pessoas: Assis Chateaubriand, Boa Vista da Aparecida, Cafelândia, Capitão Leônidas Marques, Catanduvas, Iracema do Oeste, Jesuítas, Nova Aurora, Toledo e Três Barras do Paraná.

Serviços - Estão previstos serviços de tapa-buracos emergenciais, remendos superficiais e profundos, selagem de trinca, fresagem, reperfilagem, microrrevestimento asfáltico, desconfinamento lateral de bordo, drenagem longitudinal, drenagem transversal, sinalização horizontal e instalação de tachões refletivos bidirecionais.

Novidade - Uma novidade específica desse contrato é a inclusão de melhorias nos acostamentos das rodovias. Visando diminuir o degrau entre a pista de rolamento e o espaço lateral, serão realizados os serviços de aplicação de pintura de ligação e reperfilagem com Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) com espessura de 2,50 centímetros em metade da extensão dos acostamentos existentes.

Frentes de trabalho - As frentes de trabalho devem começar a atuar pelo trecho entre Assis Chateaubriand e o Rio Piquiri (PR-486), e entre Assis Chateaubriand e Toledo (PR-317 e PR-239).

Emergencial - Enquanto a licitação dos serviços de conservação está em andamento, o DER/PR executa reparos emergenciais nos trechos, por meio de sua Superintendência Regional Oeste, que conta com 500 toneladas de Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) para este fim, um investimento de R$ 218.670,00.

Segurança e trafegabilidade - São serviços de tapa-buracos em todos os locais necessários, além de reparos com utilização de motoniveladora e rolo compressor nos segmentos mais críticos. O objetivo é garantir mais segurança e trafegabilidade nestas rodovias, enquanto não tem início o contrato de conservação. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Jonathan Campos / AEN

 

SENADO: Aprovado projeto que cria subsídio para a compra de gás de cozinha

senado 20 10 2021Por 76 votos favoráveis e um voto contrário, o Senado aprovou, nessa terça-feira (19/10), o substitutivo ao projeto de lei que cria subsídio destinado a famílias de baixa renda para a compra de botijões de gás de cozinha. O texto retornará à Câmara dos Deputados.  

Vigência - Com prazo de vigência de cinco anos, o auxílio Gás para os Brasileiros será destinado às famílias inscritas no CadÚnico, com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional, ou que tenham entre seus membros, residentes no mesmo domicílio, quem receba o benefício de prestação continuada (BPC), sendo dada preferência às mulheres vítimas de violência doméstica que estejam sob o monitoramento de medidas protetivas de urgência.

Percentual - “Cada família que está no CadÚnico do Bolsa Família vai receber um subsídio que o governo federal vai definir entre 40 e 50 por cento, de acordo com o estado do Brasil em que a população esteja em maior ou menor dificuldade. E isso é muito importante, porque a média dos recursos que são pagos a famílias brasileiras no Bolsa Família é em torno de 200 reais por mês”, explicou o relator do projeto, senador Marcelo Castro (MDB-PI), em entrevista à TV Senado.

Fontes de custeio - O subsídio terá como fontes de custeio os royalties devidos à União em função da produção de petróleo, de gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos sob o regime de partilha de produção; parcela da receita de comercialização do excedente em óleo da União; bônus de assinatura nas licitações de áreas para a exploração de petróleo e de gás natural; os dividendos da Petrobras recebidos pela União e outras dotações orçamentárias.

Valor - O valor do benefício será equivalente a, no mínimo, 50% da média do preço nacional de referência do botijão de 13 quilos, sendo o pagamento do benefício feito preferencialmente à mulher responsável pela família.

Exclusão - O projeto foi aprovado com a exclusão do artigo sexto do texto, relacionado a alterações em dispositivos da Lei 12.351, de 2010 (Lei do Pré-Sal).

Insumo fundamental - De autoria do senador Eduardo Braga (MDB-AM), o projeto de lei (PL) 2.350/2021 tramitou apensado ao PL 1.374/2021, do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), e ao PL 1.507/2021, do senador Paulo Paim (PT-RS). O parecer do senador Marcelo Castro (MDB-PI) foi pela aprovação do PL 1.374/2021 e pela prejudicialidade dos demais.

Mesmo objetivo - “Os três projetos de lei aqui apreciados têm exatamente o mesmo objetivo: ajudar as famílias de baixa renda a adquirir o botijão de gás de cozinha, insumo fundamental para seu bem-estar, que, neste momento, atinge os preços mais altos já registrados. Entre os três projetos apresentados, o PL nº 1374/2021, nos parece o mais bem estruturado. Contudo, há diversos aspectos dos projetos de lei 2350 e 1507, de 2021, que podem aperfeiçoá-lo. Por isso, decidimo-nos pela aprovação do PL nº 1374, de 2021, na forma de emenda substitutiva”, explicou Marcelo Castro em seu relatório.

Motivações - O relator destacou ainda que não há brasileiro conhecedor da condição social e econômica aflitiva das parcelas mais desfavorecidas de nossa população que se oponha aos três projetos de lei. “As motivações para a apresentação dos projetos de lei são claras para todos. O empobrecimento da população, fruto amargo de anos seguidos de baixo ou nenhum crescimento econômico, agravado pelas consequências danosas da epidemia de covid-19 no mercado de trabalho, tanto formal, quanto informal, é uma realidade vista nas ruas de nossas cidades e também captada pelos diversos relatórios e índices produzidos pelos centros de pesquisa econômica. Ao mesmo tempo, a subida do preço do petróleo, associada à desvalorização do real, gerou, mês a mês, o brutal aumento do custo do botijão de gás de cozinha, cujo preço já superou os R$ 100,00 em muitas cidades brasileiras. O gás de cozinha, de item de primeira necessidade, transformou-se em artigo de luxo, inacessível a grande parte de nossa população”, afirmou Marcelo Castro.

Texto original - O texto original previa que o subsídio seria custeado com recursos da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), incidente sobre a importação e a comercialização de gasolina. O relator, no entanto, promoveu alterações nesse dispositivo.

Cide - “Com relação à fonte de custeio, eliminamos qualquer aumento da Cide. A nossa carga tributária já é por demais elevada e, além disso, haveria um indesejável impacto inflacionário. As fontes de custeio são relacionadas à produção de petróleo e de gás natural. Havendo aumento do preço do petróleo e, consequentemente do GLP [gás liquefeito de petróleo), a arrecadação dessas fontes também crescerá. Assim, tende a ser mantido o equilíbrio das receitas e das despesas do auxílio Gás para os Brasileiros”, explicou o relator.

Beneficiados - Marcelo Castro ressaltou ainda que o universo dos beneficiários escolhidos é o mesmo da Tarifa Social de Energia Elétrica, com a preferência para aquelas mulheres vítimas da violência doméstica, que lutam para reconstruir sua vida com dignidade. O valor do benefício, de, no mínimo, cinquenta por cento do preço do botijão, é uma solução de compromisso que permite, dentro da limitação das fontes de custeio, atingir um grande número de famílias, semelhante ao do Programa Bolsa Família, avaliou o relator. (Agência Senado)

FOTO: Jefferson Rudy / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas

Em 24 horas, as secretarias estaduais e municipais de saúde registraram 12.969 novos casos de covid-19. Também foram confirmadas 390 mortes em razão de complicações associadas à doença.

Vidas perdidas - Com essas estatísticas, o total de vidas perdidas para a pandemia chegou a 603.855. Ainda há 3.084 falecimentos em investigação, que é quando há suspeita de que o paciente tinha covid-19 mas a conclusão só é definida após a morte.

Casos - Com os novos casos, o total de pessoas que contraíram covid-19 desde a chegada da pandemia no país alcançou 21.664.879.

Acompanhamento - Ainda conforme as autoridades de saúde, há 222.836 casos em acompanhamento, de pessoas que tiveram o quadro de covid-19 confirmado.

Balanço - Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde no balanço diário dessa terça-feira (19/10). A atualização sistematiza as informações sobre casos e mortes levantadas pelas secretarias municipais e estaduais de saúde.

Recuperadas - Até segunda-feira (18/10), 20.838.188 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 96,2% das pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus desde o princípio da pandemia.

Números - Os números em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados. Nas terças-feiras, em geral, há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (151.210), Rio de Janeiro (67.652), Minas Gerais (55.229), Paraná (39.941) e Rio Grande do Sul (35.224).

Menos - Já os estados com menos óbitos resultantes da doença são Acre (1.842), Amapá (1.989), Roraima (2.019), Tocantins (3.839) e Sergipe (6.023). Acre e Amapá não tiveram novas mortes entre ontem e hoje.

Vacinação - No total, até o início da noite dessa terça-feira, o sistema do Ministério da Saúde marcava a aplicação de 261,4 milhões de doses no Brasil, sendo 151,5 milhões da primeira dose e 109,9 milhões da segunda dose e dose única.

Aplicação - Foram aplicadas quatro milhões de doses de reforço. No total, foram distribuídas 320 milhões de doses a estados e municípios. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 20 10 2021

SAÚDE II: Paraná registra mais 1.533 casos e 64 óbitos pela Covid-19

saude II 20 10 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nessa terça-feira (19/10) mais 1.533 casos e 64 mortes em decorrência da Covid-19 no Paraná. Os números incluem meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas.

Soma - Dados do monitoramento da infecção causada pelo novo coronavírus mostram que o Estado soma 1.532.135 casos e 39.725 óbitos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta terça-feira são de outubro (913), setembro (253), agosto (185), julho (53), junho (76), maio (38), março (6), fevereiro (3) e janeiro (3) de 2021, e de dezembro (1), setembro (1) e junho (1) de 2020. Os óbitos são de outubro (31), setembro (10), julho (1), junho (1), maio (2), abril (1), março (9) e janeiro (5) de 2021, e de dezembro (1), novembro (1), outubro (1) e junho (1) de 2020.

Internados - Há 431 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 internados. São 339 em leitos SUS (218 em UTIs e 121 em enfermarias) e 92 em leitos da rede particular (47 em UTIs e 45 em leitos de enfermarias).

Exames - Há outros 1.060 pacientes internados, 607 em leitos de UTI e 453 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - Os 64 óbitos divulgados pela Secretaria da Saúde são de 29 mulheres e 35 homens, com idades que variam de 17 a 98 anos. As mortes ocorreram entre 15 de junho de 2020 e 18 de outubro de 2021.

Municípios - Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (19), Foz do Iguaçu (9), Londrina (3), Araucária (3), Ponta Grossa (2), Pato Branco (2), Ibaiti (2), Colombo (2) e Campo Mourão (2).

Uma morte - A Secretaria da Saúde registra, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: São Miguel do Iguaçu, Sarandi, Rolândia, Rancho Alegre D'Oeste, Pinhais, Nova Aurora, Medianeira, Mauá da Serra, Manoel Ribas, Jacarezinho, Irati, Guarapuava, Francisco Beltrão, Fazenda Rio Grande, Engenheiro Beltrão, Cornélio Procópio, Clevelândia, Cascavel, Cambé e Altônia.

Fora do Paraná - O monitoramento mostra que há 6.133 casos de não residentes no Estado – 216 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

Veja os relatórios de Exclusões de casos e de Correções de municípios.

 

SAÚDE III: Com novo lote da Pfizer, Paraná vai acelerar vacinação de jovens de 12 a 17 anos

saude III 20 10 2021Mais 318.240 doses da vacina Pfizer/BioNTech desembarcaram no Paraná nessa terça-feira (19/10). O lote contém 228.150 doses destinadas a adolescentes sem comorbidades, o primeiro lote carimbado para vacinação da população de 12 a 17 anos em geral. Outras 90.090 são para a segunda dose (D2), referente à 40ª pauta do Ministério da Saúde.

Chegada - A remessa chegou no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, em dois voos distintos, um às 18h40 e o outro às 19h10. Os imunizantes fazem parte da 59ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde. As doses foram encaminhadas para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) para conferência e armazenamento e serão enviadas nesta quarta-feira (20/10) por via terrestre para todas as Regionais de Saúde.

Imunização - O Paraná já iniciou a imunização de adolescentes de 12 a 17 anos, sem comorbidades, utilizando o remanescente da reserva técnica enviada em todas as remessas para os municípios. Agora, a chegada de doses específicas para este grupo, vai acelerar a vacinação deste público.

Aplicação - De acordo com os dados do Vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou 249.472 doses em adolescentes. No total, já são 14.619.702 vacinas contra a Covid-19, sendo 8.320.875 D1 e 5.780.512 da D2. Além disso, o Estado também registra a aplicação de 25.042 doses adicionais (DA) e 167.466 doses de reforço (DR). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 

SAÚDE IV: Paraná solicita manutenção de leitos Covid-19 ao Ministério da Saúde

saude IV 20 10 2021Representantes da secretaria estadual da Saúde (Sesa) discutiram na segunda-feira (18/10) com integrantes do Ministério da Saúde, em Brasília, o cenário pós-Covid-19, tendo como principal assunto a manutenção e destino de 600 leitos de UTI habilitados no Paraná ao longo da pandemia. O objetivo é manter essas vagas ativas mesmo com a queda no número de internações, realocando a estrutura para o tratamento de outras doenças. Para isso, o Estado solicitou uma contrapartida do governo federal dentro do Sistema Único de Saúde (SUS).

Novo cenário - Para o secretário Beto Preto, a ida da comitiva à capital federal traça um novo cenário para a Saúde, mudando o foco da estrutura hospitalar, hoje voltada para os casos da Covid-19. “O custeio das UTIs abertas na pandemia está garantido pelo Ministério até dezembro deste ano. O desafio agora é a manutenção deste custeio para 2022, que o Paraná e outros estados pedem ao Ministério da Saúde, mesmo com o cenário do fim da crise sanitária”, disse.

Cirurgias eletivas - A comitiva do Paraná também reafirmou a necessidade do Ministério da Saúde publicar a portaria que dispõe sobre os recursos das cirurgias eletivas, para que possam ser iniciadas já neste ano. A equipe discutiu, ainda, as tratativas para o modelo de gestão a ser adotado no Hospital Regional de Guarapuava, além da solicitação para a ampliação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Regional de Guarapuava e o pedido de mais doses da vacina Astrazeneca para completar esquema vacinal.

Assuntos relevantes - “Nosso encontro em Brasília foi bastante amplo e trouxe à pauta assuntos relevantes e que atingem diretamente a todos nós. Esperamos que nossas solicitações sejam atendidas para que possamos acelerar nossas cirurgias com uma rede mais ampla, assim como aporte federal no custeio e manutenção”, afirmou César Augusto Neves, chefe de gabinete da Sesa.

Participações - A comitiva se reuniu com o secretário de Atenção Especializada (Saes) do Ministério da Saúde, Sérgio Okane; a secretária Extraordinária para o Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo; o secretário-executivo do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Jurandir Frutuoso Archives, além do coordenador-geral e do técnico de Urgência e Emergência da Secretaria Especializada à Saúde do Ministério da Saúde, Rafael Agostinho e Haroldo Poleti.

Seminário - A equipe do Ministério da Saúde foi convidada para o seminário que acontecerá no primeiro semestre de 2022 no Paraná sobre a regulação de urgência e operação do Samu e dos Consórcios de Urgência. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Sesa

 

SAÚDE V: Informe da dengue registra 37 novos casos da doença no Paraná

O boletim semanal da dengue publicado nessa terça-feira (19/10) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 286 casos confirmados. São 37 casos a mais que o informe anterior. Os dados são do 9º Informe Epidemiológico da Dengue, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1º de agosto e deve seguir até julho de 2022.

Registros - Os novos casos confirmados foram registrados em Foz do Iguaçu (14), Pontal do Paraná (4), Maringá (3), Ibiporã (2), Paranavaí (2), Medianeira (2), Curitiba (2), Bandeirantes (1), Assaí (1), Mandaguari (1), São João do Caiuá (1), São Tomé (1), Umuarama (1), Tapira (1) e Santa Terezinha do Itaipu (1).

Investigação - Há ainda 1.532 casos em investigação e 238 municípios registraram notificações de dengue, que passaram de 5.468 para 6.035. O Estado não registrou nenhum óbito neste período.

Criadouros - De acordo com o último Informe Entomológico, realizado pelos municípios entre 01/07 a 31/08/2021, 75,9% dos criadouros encontrados são passíveis de remoção e eliminação. “É importante que a população esteja mobilizada na eliminação mecânica desses criadouros para que possamos ter o enfrentamento efetivo da dengue no Paraná”, enfatizou a chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da Sesa, Emanuelle Gemin Pouzato. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo AQUI.


Versão para impressão


RODAPE