Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5189 | 03 de Novembro de 2021

PRC200: Planejamento estratégico é tema de reunião com deputado Sérgio Souza

A reunião diária do Comitê Estratégico do Sistema Ocepar, realizada na manhã desta quarta-feira (03/11), contou com a presença virtual do deputado federal e presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), Sérgio Souza. O presidente do Sistema Ocepar , José Roberto Ricken, fez uma rápida apresentação do plano estratégico do cooperativismo paranaense, o PRC200, com seus vinte projetos, destacando que a meta é dobrar o faturamento do setor, que atingiu a marca dos R$ 115,7 bilhões em 2020, sem definição de tempo para que isso aconteça, semelhante com o realizado no PRC100, lançado em 2015.

Orgulho - O deputado Sérgio Souza disse que tem acompanhado de perto todos os planejamentos estratégicos do sistema cooperativista paranaense ao longo dos anos. “As cooperativas são um orgulho para o Brasil, pelo que representam na produção de alimentos, geração de emprego, distribuição de renda.”

Feira de Anuga - “Estive recentemente participando em Colônia, na Alemanha, da Feira de Anuga, onde, para nossa felicidade, a maior parte das cooperativas presentes no evento eram do Paraná. Estavam lá divulgando seus produtos e enaltecendo o importante trabalho sustentável das nossas cooperativas agropecuárias”, lembrou. Sérgio Souza ressaltou que os empregos gerados pela agropecuária estão na cidade, nas cooperativas, nas empresas do agronegócio, “por isso, concordo com sua afirmação Ricken, de que não existe mais esta divisão do rural e o urbano, hoje elas se integram, são uma só atividade”.

FPA - O parlamentar fez um breve relato das principais pautas de interesse do setor e que estão sendo acompanhadas de perto pela FPA. “A Frente Parlamentar Agropecuária pode ser considerada a mãe de todas as demais frentes do agro pela sua representatividade. Temos um trabalho focado em todas as demandas e somos assessorados diretamente por especialistas do Instituto Pensar Agro (Ipa) que é integrada por 48 entidades do setor produtivo”, lembrou.

{vsig}2021/noticias/11/03/prc_200/{/vsig}

BRDE: Wilson Bley assume presidência do banco com meta de aumentar programas de desenvolvimento

O paranaense Wilson Bley Lipsky assumiu nesta quarta-feira (03/11) a presidência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Até então ele ocupava os cargos de vice-presidente e diretor de Operações da instituição. O banco atua nos três estados do Sul – Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – e no Mato Grosso do Sul.

Meta - A meta do novo presidente é tornar o BRDE o maior banco de desenvolvimento regional do Brasil. Para ele, este é um caminho possível após os resultados obtidos pelo banco desde 2019, quando Bley e sua equipe assumiram a diretoria no Paraná. Hoje, a carteira tem 32 mil clientes em 1.285 municípios, fazendo do BRDE a 4ª maior instituição entre os bancos de desenvolvimento e agências de fomento no Brasil em ativos e a 2ª maior em ativos, considerando apenas bancos de desenvolvimento puro no Brasil.

 

Inadimplência - Além disso, é a instituição que menos possui inadimplência, de 0,32% nos últimos 90 dias.

 

Novos programas

- Os números, considerados importantes para o banco, são resultados de novos programas adotados pelo BRDE. “Lançamos programas como Jovem Empreendedor e Mulheres Empreendedoras, que mostram uma ação inovadora do BRDE. Somos um banco e não podemos ficar numa trajetória de menos riscos”, declarou Bley.

 

Aproximação - Para continuar sendo um banco de desenvolvimento diferenciado, afirma Bley, a aproximação com a sociedade deve ser um pilar. “Nossa gestão será marcada pela aproximação da instituição com a sociedade, atuando com políticas públicas voltadas às demandas de empreendedores do campo ou da cidade, pequenos ou grandes e, principalmente, dos municípios. Vamos transformar o BRDE na maior instituição de fomento e desenvolvimento regional do Brasil”, declarou.

 

Direcionamentos - Para isso, o banco toma alguns direcionamentos, como a procura por novos fundings. “Vamos sair ao mercado para captar recursos, entregando dinheiro com longo prazo e condições razoáveis de juros. Há cinco anos, 99,3% dos recursos eram do BNDES. Diversificamos e agora a dependência é de 55%”, disse.

 

Carteira de crédito- Para construção e desenvolvimento do Paraná, Bley completa que o objetivo é aumentar a carteira de crédito aos municípios dentro da visão de geração de emprego e renda. “O BRDE amplia sua carteira de projetos para se aproximar cada vez mais da sociedade, atendendo a uma premissa desenhada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior já no começo da gestão”, pontuou.

 

Contratações - De acordo com o BRDE, as contratações em 2021 devem bater na casa dos R$ 3,5 bilhões. Em 2020, foram R$ 3,3 bilhões. Desse total, R$ 1,5 bilhão foi em aprovações no Paraná, valor que indica a aceleração da retomada econômica estadual.

 

60 anos - O banco completou 60 anos em 2021. Criado em 1961 com o desafio inicial de propiciar ganhos de produtividade para uma economia regional à época majoritariamente agrícola, o BRDE nasceu da necessidade de atrair para os estados do Sul melhores fatias das linhas de crédito federal, por muitos anos fonte majoritária de funding.

 

Desafio - Segundo Bley, o desafio agora passa a ser os próximos 60. “Administramos esse banco com muita responsabilidade, com conselhos e auditorias de três tribunais de contas e também do Banco Central. Captamos recursos de fornecedores tradicionais como o BNDES, mas aprendemos a buscar de outras fontes. Por exemplo, estamos hoje, em curso, com oito empréstimos internacionais”, arrematou. (Agência de Notícias do Paraná)

 

FOTO: BRDE

 

{vsig}2021/noticias/11/03/brde/{/vsig}

CENSO 2022: Presidente do IBGE participa do lançamento de teste em Jardim Olinda

 

ibge 29 10 2021O presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Rios Neto, participa, nesta quinta-feira (04/11), do evento de lançamento do teste do Censo 2022 que será realizado em Jardim Olinda, noroeste do Estado, a 540 quilômetros da capital. Será às 10h, na Câmara Municipal. Também estarão presentes o chefe do Instituto no Paraná, Sinval Dias dos Santos, gerentes, além de autoridades locais.

 

Preparativos - Durante todo o mês de novembro e parte de dezembro, o IBGE estará fazendo um teste nacional, dando continuidade aos preparativos do Censo 2022, que ocorrerá nos meses de junho a agosto do próximo ano. Serão verificados os sistemas de coleta, os equipamentos, a abordagem ao informante e os protocolos de prevenção à Covid-19 que serão utilizados no Censo 2022. Foram escolhidas localidades (bairros, distritos, municípios ou comunidades), nas 27 unidades da federação, que serão percorridas por cerca de 250 recenseadores.

 

Equipe - Em Jardim Olinda, serão 4 recenseadores percorrendo 4 setores censitários. Os testes incluem todas as etapas do Censo, desde o treinamento dos recenseadores, montagem do posto de coleta, pesquisa do entorno, modelo misto de coleta, mobilização dos moradores e comunicação com a mídia.

 

Coleta - Durante o teste nacional, haverá coleta tanto em bairros de capitais – como em Belo Horizonte (MG), Macapá (AP) e Salvador (BA) – quanto em localidades mais afastadas – como a comunidade ribeirinha de Novo Remanso, a 200 km de Manaus (AM), ou o município de Tigrinhos, a nove horas de carro de Florianópolis (SC). Já em São Paulo, o teste será no bairro Prosperidade, no município de São Caetano do Sul, com a presença do diretor de Pesquisas, Cimar Azeredo.

 

Protocolos - Para garantir a segurança dos recenseadores e dos moradores durante os testes, as equipes do IBGE vão trabalhar seguindo todos os protocolos contra a Covid-19, como o uso de máscara e higienização das mãos e equipamentos com álcool em gel.

 

Uniformizados - Os recenseadores vão trabalhar uniformizados, com boné, colete e bolsa azuis com a logomarca do IBGE. No colete, há também o crachá de identificação, contendo a foto e os números de matrícula e identidade do entrevistador. Eles vão utilizar um DMC de cor azul, semelhante a um smartphone, para coleta das informações. Os moradores podem verificar a identidade de todos os entrevistadores do IBGE através do site respondendo.ibge.gov.br ou do telefone 0800 721 8181. Como ocorre em todas as pesquisas do IBGE, as informações prestadas pelos moradores aos recenseadores são confidenciais e o sigilo é garantido. (Com informações da Assessoria de Imprensa do IBGE)

 

CASTROLANDA: Cooperativa lança aplicativo para otimizar o atendimento digital para cooperados

castrolanda 03 11 2021No dia 26 de outubro, foi realizado o lançamento do aplicativo Ágil Castrolanda. A nova atualização do app para associados otimiza o atendimento e acesso aos mais diversos serviços da cooperativa. O projeto, idealizado pela equipe do Centro de Serviços Compartilhados (CSC), coloca em foco a transformação digital e leva novas facilidades para todos os envolvidos.

Objetivos - Para o gerente de CSC da Castrolanda, Odivany Pimentel Sales, o objetivo é aproximar o cooperado, acompanhar as necessidades de prestação de serviços de forma rápida e segura, além de gerar uma onda de transformação digital. “Ao mesmo tempo que queremos atender o cooperado da melhor maneira possível e aproximá-lo da cooperativa, também queremos ser ágeis e fazer com que seja uma opção de ele estar ou não presente aqui dentro”, explica.

Diretrizes - A ideia faz parte de uma das diretrizes estratégicas que é ampliar a presença da Castrolanda no meio digital. “Nós temos percebido que a conveniência dos serviços é importante para todo mundo e tem também apelo muito forte nas novas gerações. Combinamos aqui a tradição da cooperativa e a modernidade que o mundo precisa”, comenta o diretor executivo, Seung Lee.  

Serviços digitais - Com mais praticidade ao associado, o Ágil é uma ferramenta que concentra todos os serviços digitais da empresa como, por exemplo, o recém-lançado “Ágil - Rações Castrolanda” e outras futuras novidades. A aplicação trará constantes atualizações para se adaptar a todas as necessidades das áreas de negócios e cooperados. O aplicativo está disponível para download no Google Play e na App Store.

Clique aqui para assistir ao vídeo da campanha de lançamento

Sobre a Castrolanda - O compromisso com a transformação faz parte do DNA da Castrolanda. Uma cooperativa que transforma vidas, negócios e a comunidade ao redor. Com sete décadas anos de história, a Cooperativa Castrolanda é formada por mais de 1100 cooperados no Estado do Paraná e interior de São Paulo. Com 4,5 bilhões de reais de faturamento e aproximadamente 3700 colaboradores, possui unidades de negócios divididas em operações agrícola, carnes, leite, batata e administração e industrial - carnes, leite e batata. O objetivo das áreas de negócio é coordenar, desenvolver e fomentar as atividades dos cooperados, seguir presente em todos os elos da cadeia produtiva, agregar valor através das indústrias e crescer com sustentabilidade. (Imprensa Castrolanda)  

 

COCAMAR I: Corretora já soma R$ 1,1 bi em importância segurada

Trabalhando com as principais seguradoras do agro, a Corretora Cocamar já atingiu R$ 1,1 bilhão em valor segurado com a contratação de seguros agrícolas neste ano, um salto quando comparado aos R$ 660 milhões alcançados em 2020.

Crescendo - Foram cerca de R$ 300 milhões no ciclo de inverno e aproximadamente R$ 800 milhões na atual safra de verão (2021/22). “A adesão vem crescendo de um ano para o outro”, comenta o gerente da Corretora, André Barberá.

Intempéries - Em relação aos anos anteriores, houve também, em 2021, uma ocorrência maior de intempéries, em especial no inverno, quando as lavouras foram castigadas por estiagem no início do ciclo e geadas no final.

Em área- O gerente salienta que nesta safra de verão a área segurada nas regiões atendidas pela cooperativa, que atua nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, soma 250 mil hectares, ante 220 mil no ano anterior. No total, são 5,2 mil apólices em 2021, contra as 4,6 mil do exercício 2020. (Imprensa Cocamar)

COCAMAR II: Programa Cultivar retoma atividades

As unidades do Programa Cultivar, mantidas pela Cocamar em parceria com a Apae (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais) em Maringá e Rolândia, estão retomando suas atividades, paralisadas parcialmente desde o início da pandemia em 2020. Para marcar o reinício das atividades, eventos foram organizados nas duas cidades, reunindo coordenadores, alunos e familiares, oportunidade em que equipes de sustentabilidade e gestão de pessoas da cooperativa explicaram as regras para o retorno. Em seguida, integrantes da Trupe Terapia da Alegria fizeram uma apresentação.

Em viveiros - Os alunos participantes do programa são contratados como colaboradores, com registro em carteira e todos os benefícios e direitos assegurados. Eles trabalham em viveiros da instituição na produção de mudas de espécies nativas, que são destinadas pela cooperativa a produtores cooperados para a recomposição de áreas de preservação permanente. Sob o lema “Produzindo florestas com mãos especiais”, a iniciativa ambiental e de inclusão social teve início em 2006.

Revezamento - Conforme explica a analista de sustentabilidade da Cocamar, Sabrina Ambrósio, com a vacinação e a melhora dos índices da pandemia, o retorno foi autorizado, estabelecendo um revezamento entre os alunos. “Desde o afastamento dos colaboradores, as instrutoras conduziram os trabalhos nos viveiros para que o atendimento aos cooperados não cessasse totalmente. Eles continuaram sendo atendidos, mas a ausência dos colaboradores era muito sentida por todos”, comentou Sabrina.

Satisfação - A analista de gestão de pessoas da cooperativa, Vera Tozzo, disse estar satisfeita com a retomada com Programa Cultivar: “É uma equipe muito querida pelos colegas e cooperados da Cocamar”. (Imprensa Cocamar)

COCARI: Na Live Outubro Rosa, profissionais de saúde respondem dúvidas sobre câncer de mama e de colo de útero

Na tarde da última sexta-feira (29/10), a Cocari promoveu a Live Outubro Rosa, com o tema Prevenção – Um Toque pela Vida. O evento teve apoio da Santa Casa de Maringá e da Unimed. Mediado pela supervisora de Marketing da Cocari, Carmem Salgueiro, o encontro trouxe as convidadas, Dra. Ana Paula Bettazza, ginecologista e obstetra, e Caroline Vagetti, enfermeira da Unimed, para discutir a prevenção ao câncer de mama e de colo de útero, integrando a Campanha Outubro Rosa, que ocorre no mundo todo. “A Cocari vem realizando muitas ações voltadas à prevenção e à informação para todas as mulheres e tem projetos como a Carreta Itinerante, em parceria com o Sescoop e também com o Sesi. É um trabalho que vem sendo realizado há mais de cinco anos e tem levado exames preventivos durante o mês de outubro tanto para mulheres quanto para homens, de colo de útero, mamografia, PSA e também exames de pele”, lembrou Salgueiro.

Assuntos discutidos - No evento, as profissionais da saúde trouxeram informações sobre exames indicados para a prevenção dessas doenças, sintomas que servem de alerta em relação ao momento adequado para procurar um profissional, fatores de risco, acompanhamento e tratamento. As convidadas destacaram ainda a importância da rede de apoio para fortalecer as mulheres no cuidado com a saúde e também no enfrentamento do câncer quando diagnosticado.

Prevenção e autocuidado - Dra. Ana Paula Bettazza falou sobre como a realização da prevenção e a manutenção do autocuidado podem salvar vidas. “No Brasil, em 2020, foram diagnosticados novos casos de câncer de mama em 66 mil mulheres. Por isso, esta é uma campanha muito importante. Um diagnóstico precoce pode levar a cura a 95% das mulheres”, destacou.

Exames - A médica explicou que, para identificar um câncer no estágio inicial, é preciso redobrar a atenção. “A mamografia identifica lesões muito pequenas, que a própria mulher não consegue sentir no autoexame. Nesse sentido, devemos começar a prevenção a partir dos 20 anos, aprendendo a tocar nossa mama e, a partir dos 40, fazer mamografias anuais”, reforçou.

Conhecendo o corpo - Caroline Vagetti, enfermeira da Unimed, enfatizou que as mulheres precisam se conhecer. “É necessário que a mulher olhe para o espelho e veja como é o corpo dela”, disse. A profissional ensinou os procedimentos para realizar o autoexame da mama e recomendou a observação de textura e cor da pele.

Vida saudável - Por fim, as profissionais deixaram uma mensagem à comunidade. A Dra. Ana Paula incentivou o amor próprio e cuidado com familiares e amigos no combate ao câncer de mama. “Amem-se! Nós sabemos o que deve ser transformado para que se tenha uma vida melhor. Não deixem para depois. É agora que devemos estar com os exames em dia e fazer a nossa parte”, enfatizou.

Doenças silenciosas - A enfermeira Caroline Vagetti fez um alerta. “Gostaria de lembrar a todas que tanto o câncer de mama quanto câncer de colo de útero são silenciosos. Por isso, é fundamental fazer o autoexame da mama e o Papanicolau. Prevenir é um ato de amor, mas trata-se de um amor próprio. Então, não hesitem em se tocar”, finalizou.

Interação - O público acompanhou o evento fazendo perguntas e interagindo no canal da cooperativa no YouTube e na página do Facebook.

“Parabéns a toda a equipe da Cocari por esse trabalho”. (Tania Regina Sepuvida Farinelli, via Facebook)

Cocari sempre com informações de grande valia, que agregam muito. É nosso papel e responsabilidade como homens cuidar de nossas mulheres, mais uma vez parabéns à Cocari pela iniciativa”. (Paulo Cesar Vaz Santana, via YouTube)

Amor próprio começa nos detalhes. Cuidar-se é a melhor maneira de se amar e ser feliz. Ipameri Goiás apoia essa Campanha. #CocariOutubroRosa”. (Lucas Dias Louzada, via YouTube). (Imprensa Cocari)

{vsig}2021/noticias/11/03/cocari/{/vsig}

 

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Produtor guaçuano recebe indenização após perda de lavoura

Casado com Andreia Aparecida Mota dos Santos e pai de dois filhos - Jhonatan de 12 anos e Silvia de apenas 1 ano de vida -, o produtor rural Claudinei José dos Santos, associado da Sicredi União PR/SP desde julho de 2018, recebeu integralmente um seguro rural de cerca de R$ 22 mil após perder toda sua lavoura de hortifruti, atingida por forte geada em julho deste ano. O agricultor participa do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e era assistido pelo seguro agrícola.

Cultivo - Situado em Mogi Guaçu, cidade da região Centro Leste Paulista, Santos cultiva em seu sítio uma variedade de vegetais, entre eles pimentão, berinjela, jiló, vagem, quiabo, abóbora e milho verde, e integra também uma associação que vende os alimentos para Prefeitura da cidade, creches e escolas da região.

Geada - Mas ele e a família só não imaginavam que amargariam prejuízos na agricultura familiar quando foram surpreendidos por uma das piores intempéries registradas em 24 anos: a geada devastou a lavoura inteira em 20 de julho de 2021. “Foi difícil! Perdemos toda nossa lavoura e ficamos sem saber o que fazer. A única coisa que sobrou foram contas para pagar, e que não eram poucas”, lembrou o agricultor.

Seguro agrícola - No entanto, em 30 de março, poucos meses antes do fatídico 20 de julho, Claudinei dos Santos havia tomado crédito rural para custeio da roça de pimentão - de aproximadamente 10 mil pés (1.2 hectare) - e, como forma de obter maior segurança, feito um seguro agrícola.

Sinistro - Por conta do bom relacionamento e atenção nos atendimentos que sempre lhe foram prestados na agência Sicredi de Mogi Guaçu, o produtor, mesmo desestimulado com os prejuízos, conversa com a esposa e entra em contato o gerente agro da instituição financeira cooperativa, avisando sobre o sinistro em sua roça. “[...] porque a gente tinha feito um financiamento para o plantio”, lembrou.

Experiências negativas - Inclusive, num passado não distante, Santos teve experiências negativas em que acionou o seguro em outra instituição e não teve êxito. Foi depois que uma chuva de granizo dizimou toda sua lavoura de berinjela. “Mal tinha começado a colher. E simplesmente após ter procurado o banco por vários dias, disseram que não teríamos direito nenhum, que não receberíamos nada”, relembrou.

Direito - Ainda desanimado, Santos conversa com o gerente agro e com o pensamento de não acionar o seguro. Todavia, desta vez, o agricultor foi assistido pela Sicredi União PR/SP. “Nosso gerente não nos deixou desistir e disse que tínhamos direito e se comprometeu a correr atrás para conseguir nos atender. Ainda falou que não era porque não tinha dado certo na outra instituição que a gente desistiria”, recordou.

Pagamento - Em 30 de setembro, para a surpresa do produtor, ele abre o aplicativo Sicredi e o pagamento do seguro foi feito de forma integral. “Ficamos muito felizes e mais surpresos ainda quando vimos o valor pago, de cerca de R$ 22 mil. Eu e minha família agradecemos ao Sicredi e nosso gerente por nunca desistir da gente e por fazer acontecer. Isso mostra mais uma vez que não é porque em um lugar não deu certo que a gente vai desistir. Agora, conseguimos liquidar as contas, estamos acertando para acertar o financiamento e ainda sobrou um pouco para começarmos uma lavoura nova”, comemorou o sitiante.

Soluções - O engenheiro agrônomo Eduardo Eizo de Avellar, gerente de Negócios Agro da agência Sicredi Mogi Guaçu, reforça que a instituição financeira cooperativa oferece diversas soluções para o agronegócio, oferecendo proteção para os cultivos da região Centro Leste Paulista.

Indispensável - “Hoje, o seguro rural é indispensável para o produtor, que tem a sua empresa a céu aberto, minimizar os riscos pelos extremos climáticos da região. Pelo custo cada vez mais alto, é imprescindível o produtor mitigar os riscos de sua produção. E foi o que garantiu que Claudinei pudesse pagar todas as despesas que teve com lavoura perdida, além de complementar a renda da família”, finalizou Avellar.

Gestão de risco no campo - Primeira instituição financeira cooperativa do País, o Sicredi registrou a contratação de 20.709 apólices de seguro agrícola até agosto de 2021. O número representa um crescimento de 31% em comparação ao mesmo período de 2020, quando a instituição registrou 15.838 apólices contratadas. O volume contratado em 2021 representa R$ 3,8 bilhões em valor segurado aos associados em mais de 829 mil hectares. Ainda no primeiro semestre deste ano, o Sicredi contabilizou mais de R$ 45 milhões em indenizações, sendo R$ 12,9 milhões para associados nos estados do Paraná e São Paulo.

Sobre a Sicredi União PR/SP - A Sicredi União PR/SP é uma das 108 cooperativas do Sistema Sicredi. Com atuação no norte e noroeste do Paraná, centro e leste de São Paulo, tem 111 agências em mais de 80 municípios. Conta com 1,2 mil colaboradores e quase 400 mil associados que, como são sócios, têm participação nas decisões e resultados. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

FOTOS: Divulgação / Engenho da Notícia

{vsig}2021/noticias/11/03/sicredi_uniao_I/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Telas de colaboradores feitas durante isolamento social são expostas em Paranavaí

A partir desta quarta-feira (03/11), a população de Paranavaí, na região noroeste do Paraná, poderá conferir obras de arte feitas por colaboradores da Sicredi União PR/SP durante o período de isolamento social. Os artistas fazem parte do programa da cooperativa ‘Eu coopero com a inclusão’, que garante emprego, renda e inserção social a pessoas com deficiência intelectual.

Atividades remotas - Por fazerem parte do grupo de risco, os colaboradores tiveram o trabalho presencial suspenso na pandemia e, desde então, a cooperativa tem realizado atividades remotas, como oficinas e lives. Uma das oficinas foi a de pintura em tela que oportunizou que os colaboradores expressassem seus sentimentos depois que receberam, em casa, telas e o material para o trabalho. Os resultados são 32 obras que, antes de desembarcarem em Paranavaí, foram expostas em Londrina/PR, Limeira/SP e São João da Boa Vista/SP.

Inserção - Dos 32 colaboradores, 24 prestam serviços para a cooperativa de crédito a partir de salas das Apaes de Maringá e de Nova Esperança e outros oito estão inseridos na rotina de trabalho da sede e das agências. Lara Pimenta Ganassin, orientadora das atividades na Apae de Maringá, destaca a importância da inclusão promovida pela cooperativa e da ação, que está ligada à área de Sustentabilidade e Cooperativismo. “Iniciativas como essa reforçam as potencialidades das pessoas com deficiência intelectual e demonstram que o desenvolvimento depende apenas da utilização de recursos adequados”, diz.

Lançamento - O lançamento da exposição Pintando as Emoções, no noroeste do Paraná, será em 3 de novembro, às 16h, na agência que fica na avenida Paraná, 333, no centro de Paranavaí. As telas poderão ser conferidas até 3 de dezembro. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

sicredi uniao 03 11 2021

 

COP26 I: Brasil apoia declaração internacional para proteger florestas

cop 26 I 03 11 2021O governo brasileiro manifestou nesSa terça-feira (02/11) seu apoio à declaração internacional de líderes mundiais para preservar as florestas e reduzir o desmatamento e a degradação dos solos até 2030. O anúncio faz parte de acordo realizado durante a Cúpula do Clima das Nações Unidas (COP26), em Glasgow, na Escócia.

Histórico - Juntos, os mais de 100 países signatários do compromisso histórico, como Rússia, Estados Unidos, China, Austrália e França, concentram mais de 85% das florestas do mundo, uma área superior a 21 milhões de quilômetros quadrados.

Anúncio - O anúncio da “Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso do Solo” aconteceu em evento convocado pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com participação do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e da presidente da Comissão da União Europeia (EU), Ursula von der Leyen, e prevê o equivalente a cerca de R$ 108 bilhões em financiamento público e privado.

Recursos - Parte dos recursos virá de financiamento por 12 países – como Estados Unidos, Reino Unido, Noruega, Alemanha, Coreia do Sul, integrantes da União Europeia, Canadá e Japão –, com cerca de R$ 68 bilhões previstos até 2025. O objetivo é apoiar iniciativas em países em desenvolvimento, incluindo a restauração de terras degradadas, o combate a incêndios florestais e o apoio aos direitos das comunidades indígenas.

Setor privado- Já o setor privado – representado na COP26 por CEOs de mais de 30 instituições financeiras – responderá por mais R$ 41 bilhões em financiamentos. Desse total, R$ 17 bilhões devem ir para a iniciativa Finanças Inovadoras para a Amazônia, Cerrado e Chaco (IFACC, na sigla em inglês), visando a promover a produção de soja e gado sem desmatamento na América Latina. Dirigentes dessas instituições também irão se comprometer a não investir mais em atividades ligadas ao desmatamento.

Declaração - A declaração conjunta será adotada por mais de 100 países onde se situam 85% das florestas mundiais, entre elas, a floresta boreal do Canadá, a Floresta Amazônica e a floresta tropical da bacia do Congo. O objetivo da iniciativa é limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius acima dos valores médios da era pré-industrial.

Acordo de Paris- Os signatários também reafirmam seus compromissos com o Acordo de Paris e outros tratados internacionais na área ambiental. Além disso, reconhecem que, para se chegar às metas de desenvolvimento sustentável, serão exigidos mais esforços de integração entre produção, consumo, infraestrutura, comércio, finanças e investimentos.

Apoio - A declaração menciona ainda o apoio a produtores rurais, povos indígenas e comunidades que dependem desses biomas para sua sobrevivência – uma população estimada em cerca de 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo. (Agência Brasil)

FOTO: Wikimedia Commons

Leia mais sobre o assunto:

Cerca de 100 nações apoiam promessa de reduzir emissões de metano

 

COP26 II: Agropecuária é parte da solução para mudanças climáticas, diz Tereza Cristina na Conferência

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou na segunda-feira (01/11) da abertura do Brasil na COP26, na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília. Ela destacou as metas já alcançadas pelo Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono, chamado de Plano ABC, desde 2010, e as novas metas para o ABC+ até 2030. Segundo a ministra, a agropecuária, realizada de maneira sustentável, é parte da solução para um duplo desafio: mudança do clima e segurança alimentar.

Eficiente e sustentável - A agricultura brasileira fez a sua parte e está fazendo. Vamos continuar trabalhando para que a nossa agricultura seja cada vez mais eficiente e sustentável. A sustentabilidade traz eficiência e renda para o produtor, então não tenho dúvida de que a nossa agricultura movida a ciência estará cada vez mais comprometida em alcançar essas metas”, disse.

2030 - Até 2030, o objetivo é disseminar as tecnologias de baixa emissão de carbono a mais 72 milhões de hectares de terras agricultáveis, promovendo ganhos de produtividade em terras agrícolas já consolidadas, sem necessidade de converter novas áreas à atividade produtiva. Com isso, será mitigada a emissão de mais de 1 bilhão de toneladas de CO² equivalente.

Potencial - “O potencial transformador da agropecuária de baixa emissão de carbono é enorme. Queremos compartilhar essa experiência com países de realidades semelhantes. Apenas com a disseminação das melhores práticas a todos os produtores poderemos colher os impactos positivos que a produção de alimentos, fibras e bioenergia pode ter”, disse.

Pesquisa e inovação - Com pesados investimentos em pesquisa e inovação, o Brasil passou a produzir com mais eficiência e de forma mais sustentável, sendo pioneiro no desenvolvimento de uma agropecuária de baixa emissão de carbono.

Painel - No painel "Sustentabilidade da Agropecuária Brasileira", Tereza Cristina e o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, também conversaram sobre temas como a geração do chamado “emprego verde” e a contribuição dos biocombustíveis para a matriz energética sustentável. “O Brasil está no caminho certo há muito tempo. Podemos caminhar rapidamente para que as energias renováveis possam contribuir cada vez mais com a nossa matriz energética limpa e renovável", disse.

Futuro verde - Diretamente de Glasgow, o secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, Fernando Camargo, disse que o futuro verde está no Brasil e destacou a meta de recuperar mais de 30 milhões de hectares de pastagens degradadas. “Essa é a chave para aumentar a nossa produção sem necessidade de fazer desmatamento ilegal”.

Novas metas - No discurso de abertura, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, anunciou o aumento da meta de redução de emissão de gases de efeito estufa pelo Brasil de 43% para 50% até 2030 e manutenção da meta de neutralidade climática até 2050. O evento no espaço Brasil na CNI em Brasília também contou com a participação da Apex-Brasil e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Conferência - A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), em Glasgow, na Escócia, segue até 12 de novembro. O encontro reunirá mais de 190 países para discutir medidas mais enérgicas contra o aquecimento global.

Código Florestal - Em Glasgow, no painel "Políticas Públicas para Preservação e Recuperação Florestal", o diretor de Regularização Ambiental do Serviço Florestal Brasileiro, João Adrien, apresentou meios de implementação do Código Florestal no Brasil, como o Cadastro Ambiental Rural, o Programa de Regularização Ambiental e incentivos econômicos para a recuperação florestal e preservação ambiental. Segundo ele, a política do Código Florestal, implementada desde 2012, tem sido uma importante contribuição do Brasil para solucionar o desafio de garantir a preservação aliada à produção agropecuária.

Previsão - A previsão de recuperação em propriedades rurais por meio do Programa de Regularização Ambiental é de 34,4 milhões de hectares de reserva legal nos próximos 20 anos. “Esse número dá uma dimensão do impacto que essa política vai ter em termos de recuperação ambiental. 34 milhões de hectares é o quase o tamanho da França, que será recuperado por essa política ambiental. É uma recuperação florestal que não foi feita em nenhum lugar do mundo até hoje”. (Mapa)

{vsig}2021/noticias/11/03/cop_26_II/{/vsig}

TECNOLOGIA I: Com a promessa de plugar de vez a economia, 5G vai a leilão

1tecnologia I 03 11 2021Realidade em 65 países e 1.662 cidades, a telefonia móvel de quinta geração dará o seu primeiro grande passo no Brasil em uma concorrência marcada para esta quinta-feira (04/11). Às 10h, na sede da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em Brasília, os envelopes com as propostas das empresas habilitadas a concorrer em diferentes modalidades de operação e localidades começarão a ser abertos.

Participação - Além de grandes operadoras já atuando na telefonia brasileira, como Claro, TIM e Telefônica (Vivo), o leilão pode ter a participação de outras 12 empresas. A Algar e a Sercomtel, de médio porte, também já operam no país. As outras dez concorrentes estrearão no mercado: Brasil Digital Telecomunicações Ltda; Brisanet Serviços de Telecomunicações SA; Cloud2U Indústria e Comércio de Equipamentos Eletrônicos Ltda; Consórcio 5G Sul; Fly Link Ltda; Mega Net Provedor de Internet e Comércio de Informática Ltda; Neko Serviços de Comunicações, Entretenimento e Educação Ltda; NK 108 Empreendimentos e Participações SA; VDF Tecnologia da Informação Ltda; e Winity II telecom Ltda.

Exigências - Mesmo tendo apresentado propostas, as competidoras que não cumprirem todas as exigências do Edital 1/2021 serão excluídas — e seus envelopes, devolvidos intactos.

Expectativa - A expectativa é de que o Tesouro Nacional arrecade R$ 3,06 bilhões, caso os lotes sejam leiloados na sua totalidade. Esses recursos, relativos às outorgas, terão um impacto direto nas finanças do governo, mas é possível que até R$ 49,7 bilhões sejam movimentados com a venda dos espaços de radiofrequência em 5G, sendo R$ 7,57 bilhões para atender à demanda de internet para rede de educação básica. Outros R$ 39,1 bilhões compõem o restante dos investimentos obrigatórios constantes do edital, incluindo uma rede exclusiva para a área governamental em Brasília.

Maior oferta - A licitação, que será dirigida a radiofrequências nas faixas de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz, com prazo de operação de 20 anos prorrogável por mais 10, teve como primeiro horizonte o mês de novembro do ano passado e só foi marcada em definitivo depois de correções no edital determinadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo a Anatel, “será a maior oferta de espectro da história da agência”. Mas a princípio só serão beneficiadas as capitais e as grandes cidades.

Participação - Podem participar do certame empresas constituídas segundo as leis brasileiras, com sede e administração no país, em que a maioria das cotas ou ações com direito a voto pertença a pessoas naturais residentes no Brasil, inclusive as que explorem serviço de telecomunicações, individualmente ou em consórcio. As estrangeiras estão autorizadas, desde que firmem compromisso de se adaptarem às características exigidas.

Novidades - Entre as principais novidades da tecnologia 5G, estão a transmissão de altas taxas de dados e em baixa latência, ou seja, no menor espaço de tempo possível, com segurança e confiabilidade. Na ampla gama de possibilidades a serem exploradas, há aplicações eficientes para o desenvolvimento de serviços destinados a diversas atividades econômicas e pessoas físicas, como operação remota de máquinas, operação de máquinas por outras máquinas, procedimentos em telemedicina e transmissão de vídeos em alta resolução. (Agência Senado)

Clique aqui para ler a matéria na íntegra

FOTO: Stockphotos

 

tecnologia I quadro 03 11 2021

tecnologia I quadro III 03 11 2021

 

 

TECNOLOGIA II: Governo do Estado busca alternativas para reforçar a conectividade no meio rural

tecnologia II 03 11 2021O Governo do Paraná estuda alternativas para garantir maior conectividade no ambiente rural e sedimentar o terreno para que as frequências da tecnologia 5G possam ser aplicadas futuramente no campo.

Leilão - O leilão dessas frequências, que será efetivado nesta quinta-feira (04/11) pelo governo federal, atenderá inicialmente as 26 capitais e o Distrito Federal.

Frentes - Uma das frentes em análise é a aplicação dos créditos do ICMS decorrente de exportação para ampliar a rede de torres de transmissão. Atualmente, o Paraná abriga 1.400 equipamentos. “Com mais umas 750 torres conseguimos dar sinal de qualidade via banda larga 4G de 700 megahertz”, disse o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

Transferência - Com essa modalidade, uma cooperativa, por exemplo, poderia transferir o direito de recebimento dos ativos para uma empresa de telecomunicações de sua preferência fazer o investimento. “A concessionária devolve esse recurso na forma de uma tarifa combinada para os associados que estão na área de abrangência”, afirmou o secretário.

Upgrade - Segundo ele, nas diversas reuniões que mantêm com empresas do setor de telecomunicações há um consenso de que o upgrade do 4G para o 5G é simples. “Então, essa tecnologia de torres não é investimento jogado fora, vai ajudar muito o setor rural no 4G, e quando vier o 5G só melhora”, disse. Um decreto para oficializar esse formato já está em fase de estudos.

Financiamento - O Estado também analisa, em conjunto com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e prefeituras, a possibilidade de financiamento para implantar troncos de fibra ótica até as comunidades rurais. A partir dali, o agricultor interessado poderia utilizar o crédito rural e financiar seu próprio ramal por fibra ótica ou rádio, possibilitando uma internet de melhor qualidade.

Inclusão digital - “Por essas duas vias podemos avançar bastante no oferecimento de um serviço mais acessível e que se traduza em inclusão digital e melhor produtividade”, disse Ortigara. “O campo precisa e precisará cada vez mais dessa capacidade de conectividade para usar as tecnologias que estão chegando com força”.

Revolução - Para o agrônomo Alessandro Casagrande, ainda é cedo para prever o impacto do 5G na agricultura. “Mas, com certeza, ela nunca mais será como antes”, afirmou. Ele coordena o Laboratório de Inovação do Sistema de Agricultura do Paraná (iLab Agro), que, em parceria com a Paraná Projetos, visa criar um ambiente para pensar inovações, desenvolver soluções digitais e identificar oportunidades para prestar melhor serviço à área rural.

Revolucionário - “Para comunidades rurais, assim como para empresas, o lançamento do 5G provavelmente será muito mais revolucionário do que o lançamento do 4G, ocorrido há cerca de 10 anos no Brasil, dada a nova gama de soluções que serão proporcionadas pela alta velocidade do fluxo de informações”, disse Casagrande.

Avanços - Ele relaciona como avanços a expansão da Internet das Coisas (IoT), geração de dados agroambientais em tempo real, multiplicação de veículos autônomos, enxames de drones, monitoramento de pragas com Inteligência Artificial (IA), rastreabilidade em tempo real, irrigação inteligente, entre outras.

Acesso - O coordenador do iLab Agro cita que o acesso sem fio 4G está disponível para 95% das áreas urbanas no mundo. Quando a análise vai para o meio rural, esse porcentual cai para 71%. Porém, ao se analisar as nações em desenvolvimento ou menos desenvolvidas, observa-se que 17% da população rural não têm cobertura móvel, enquanto 19% são servidas apenas pela rede 2G.

Interesse - Independentemente das condições estruturais para implantar a tecnologia, os produtores rurais demonstram interesse. “Percebemos um movimento acontecendo, é um misto de curiosidade, desconfiança, e às vezes medo, pois a tecnologia, principalmente a autômata, desperta isso”, afirmou Casagrande.

Transições tecnológicas - Mas ele acentuou que isso é normal em transições tecnológicas. “O nosso agricultor gosta de inovação, principalmente as novas gerações que procuram se atualizar sobre o tema, portanto a transição técnico-cultural não será um empecilho, ficando como grande barreira a ser superada a falta de estrutura de conectividade nas áreas rurais”, disse.

Papel fundamental - Para Casagrande, o governo tem um papel fundamental na coordenação e fomento da infraestrutura, similar como foi no passado com a construção de estradas para promover a integração do Estado. “Agora serão as infovias que farão a pavimentação da conectividade, tão necessária ao desenvolvimento no século 21”, salientou.

Leilão - O valor do leilão do governo federal será de, no mínimo, R$ 49,7 bilhões, segundo a Anatel. As empresas vencedoras pagarão R$ 10,6 bilhões pela outorga e investirão R$ 39,1 bilhões em infraestrutura. Todo valor acima do preço mínimo será revertido para as 2,3 mil localidades que ainda não possuem 4G habilitado. Isto será muito importante para o desenvolvimento de aplicações da Agricultura 4.0 em áreas remotas. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 

LÁCTEOS: Mapa lança Semana do Leite nesta quarta-feira

lacteos 03 11 2021O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) lança nesta quarta-feira (03/11), às 10h (horário de Brasília), a Semana do Leite, uma campanha em parceria com o setor privado. O lançamento terá a presença da ministra Tereza Cristina.

Força do segmento - Com o lema Leite e Derivados: Alimentos que fazem o Brasil crescer, a iniciativa tem o objetivo de mostrar a força do segmento leiteiro na economia brasileira e valorização da qualidade do leite e derivados produzidos no país. O Brasil é o terceiro maior produtor de leite e derivados do mundo, com produção de 34 bilhões de litros de leite por ano.

Transmissão - A cerimônia será transmitida pelo Youtube do Mapa. (Mapa)

SERVIÇO

Anúncio da Semana do Leite

Data: 03/11/2021

Horário: 10h (horário de Brasília)

Local: Auditório Olacyr de Moraes - sede do Mapa

Link de transmissão: http://bit.ly/semana-leite 

 

GRÃOS: Conab transfere para esta quarta-feira os leilões de compra para abastecimento do Milho Balcão

graos 03 11 2021A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) transferiu para esta quarta-feira (03/11), os leilões de compra de 56,2 mil toneladas de milho para abastecimento do Milho Balcão. As operações estavam previstas para ocorrer no dia 1º, na parte da manhã. A alteração de data ocorreu por solicitação dos agentes de mercado interessados nas operações.

Avisos - Os leilões são referentes aos Avisos de nº 71 e 73 e foram retificadas nos Comunicados de Nº 136, 137, 138 e 139, que informam também outras mudanças. No Aviso 71, por exemplo, deixou de ser solicitada a impressão na sacaria, o período para entrega passou para janeiro de 2022 e a garantia passou para o final de dezembro de 2021. Já no Aviso 73, houve alteração quanto à garantia e o período para entrega.

Operações - As operações terão início a partir das 14 horas e ocorrerão via Sistema de Comercialização Eletrônica da Conab (Siscoe). O produto já é parte do montante das 110 mil toneladas previstas para aquisição na Portaria Interministerial nº 20/2021, divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em conjunto com o Ministério da Economia.

MP - Estas ações de abastecimento do Milho Balcão estão inseridas na Medida Provisória nº 1.064/2021, assinada pelo presidente da República, que autorizou a compra de até 200 mil toneladas anuais de milho para o programa. (Conab)

SERVIÇO:

Leilões para compra de milho

Alteração de data: 3 de novembro de 2021

Horário: a partir das 14h

Aviso nº 71/2021:
https://www.conab.gov.br/comercializacao/leiloes-publicos/compra-publica/item/download/39524_3a2f3747325314cdadb1cf1d992b5dba

Aviso nº 73/2021:
https://www.conab.gov.br/comercializacao/leiloes-publicos/compra-publica/item/download/39525_22daa8d0bef25271bf94a54c2b6bb242

Informações e comunicados no Portal da Conab:
https://www.conab.gov.br/comercializacao/leiloes-publicos/compra-publica

 

SAÚDE I: Brasil tem 21,8 milhões de casos e mais de 608 mil mortes

O balanço divulgado nessa terça-feira (02/11) pelo Ministério da Saúde registra 6.431 novos diagnósticos de covid-19 em 24 horas. Esse dado eleva para 21.821.124 o número de pessoas infectadas pela doença desde o início da pandemia no país. Na segunda-feira (01/11), o painel de estatísticas registrava 21.814.693 casos acumulados.

Mortes - As mortes pelo novo coronavírus ao longo da pandemia superaram 608 mil. Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 149 novos óbitos, totalizando 608.071. Na segunda-feira, o painel de informações marcava 607.922 mortes acumuladas.

Acompanhamento - O balanço apontou também 197.177 pacientes em acompanhamento e 21.015.876 recuperados da doença.

Condolências - Por meio da rede social Twitter, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, aproveitou o feriado de Dia de Finados para expressar condolências às vítimas da doença. Ele também agradeceu aos profissionais de saúde que morreram atuando na linha de frente.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes são os seguintes: São Paul o (152.081), Rio de Janeiro (68.383), Minas Gerais (55.592), Paraná (40.523) e Rio Grande do Sul (35.512). As unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.845), Amapá (1.993), Roraima (2.030), Tocantins (3.881) e Sergipe (6.031). (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2021-11-02 at 18.12.38

SAÚDE II: Estado confirma mais 1.119 casos e seis óbitos em decorrência da Covid-19

saude II 03 11 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nessa terça-feira (02/11) mais 1.119 casos confirmados e seis mortes – referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas – em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.551.386 casos confirmados e 40.305 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de novembro (148), outubro (525), setembro (226), agosto (86), julho (38), junho (47) e maio (49) de 2021. Os óbitos divulgados são de novembro (2) e outubro (4) de 2021.

Internados - 319 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 256 pacientes em leitos SUS (154 em UTIs e 102 em leitos clínicos/enfermarias) e 63 em leitos da rede particular (35 em UTIs e 28 em leitos clínicos/enfermarias).

Exames - Há outros 1.039 pacientes internados, 573 em leitos de UTI e 466 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais seis pacientes. São cinco homens e uma mulher, com idades que variam de 44 a 78 anos. Os óbitos ocorreram entre 23 de outubro e 1º de novembro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Cascavel (2), Juranda, Curitiba, Coronel Vivida e Assis Chateaubriand.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.199 casos de residentes de fora do Estado – 218 pessoas evoluíram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo AQUI.

Confira o relatório de exclusões e ajustes AQUI.

 

SAÚDE III: Estado vai receber mais 450,4 mil vacinas contra a Covid-19 nesta quarta-feira

saude III 03 11 2021O Ministério da Saúde divulgou uma nova pauta de distribuição dos imunizantes contra a Covid-19 nessa terça-feira (02/11), contemplando o Paraná com mais 450.450 doses da vacina da Pfizer/BioNTech.

Duas cargas - O novo lote deve ser enviado nesta quarta-feira (03/11) em duas cargas. A primeira está programada no voo LA-4777 que deve desembarcar no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, às 09h15. Em seguida, o voo G3-1115 deve chegar às 10h25, completando a remessa.

Cemepar - Do aeroporto, as doses serão encaminhadas para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), onde serão conferidas e armazenadas até que sejam distribuídas para as 22 Regionais de Saúde. A descentralização e destinação das doses está sujeita à divulgação do Informe Técnico.

Vacinômetro - Segundo os dados do Vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou 15.867.206 vacinas contra a Covid-19, sendo 8.587.800 primeiras doses (D1) e 6.843.991 segundas doses (D2) ou doses únicas (DU). O Estado registra ainda a aplicação de 39.773 doses adicionais (DA) e 397.279 doses de reforço (DR).

Primeiro no ranking - De acordo com o consórcio de veículos da imprensa, o Paraná é o primeiro no ranking da imunização completa contra a doença, com 69,69% da população protegida. A análise é baseada na estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta que o Paraná possui 11.597.584 habitantes. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Américo Antonio / Sesa

 

SAÚDE IV: Paraná é o primeiro estado no ranking da imunização completa contra Covid-19

saude IV 03 11 2021Quase dez meses após o início da campanha de vacinação contra a Covid-19, o Paraná é o estado com maior percentual de população imunizada com segunda dose ou dose única. De acordo com o consórcio dos veículos de imprensa, 69,69% da população está completamente protegida contra as formas mais graves da doença. Na sequência estão São Paulo (67,71%), Mato Grosso do Sul (64,37%), Rio Grande do Sul (60,86%) e Santa Catarina (58,67%).

Primeira dose - Na análise da população parcialmente imunizada com apenas a primeira dose o Paraná aparece em quarto com 74,72%, pouco atrás de São Paulo (80,54%), Santa Catarina (76,11%) e Rio Grande do Sul (75,40%).

País - No País, segundo a análise do consórcio, 54,98% da população recebeu as duas doses ou a dose única (ou seja, o Paraná está com quase 15 pontos percentuais acima da média nacional) e 72,55% receberam a primeira dose. Foram aplicadas mais de 272 milhões de vacinas da CoronaVac/Butantan, AstraZeneca/Fiocruz, Pfizer/BioNtech e Janssen.

Referência - “O Paraná sempre foi referência em vacinação porque há uma rede muito organizada e os municípios têm estratégias muito amplas. Com a Covid-19 não é diferente. As equipes trabalharam de domingo a domingo e o resultado é visível: queda nos índices da pandemia e avanço na marcha da vacina”, disse o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

Estimativa - A análise é baseada na estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta que o Paraná possui 11.597.584 habitantes.

População adulta - De acordo com o vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou mais de 15,8 milhões de imunizantes, sendo 8.587.800 primeiras doses (D1) e 6.843.991 segundas doses (D2) ou doses únicas (DU), além de 39.733 doses adicionais (DA) e 397.279 doses reforço (DR).

População adulta - Estes dados representam mais de 100% da população adulta (estimada pelo Ministério da Saúde em 8.720.953 pessoas) vacinada com a D1 ou DU, e 78,4% com a D2 ou DU. Isso significa que o Paraná ultrapassou a meta ideal e, dentro do ajuste populacional, deve ter alcançado quase todos acima de 18 anos com ao menos uma dose.

Adolescentes - Até agora, 461.847 doses foram aplicadas em adolescentes de 12 a 17 anos, com ou sem comorbidades, atingindo quase 50% desta população, estimada em 936.296 pessoas.

Resultados - Um levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Saúde na segunda-feira (01/11) apontou que o Estado vem registrando queda no número de casos e óbitos por Covid-19. Somente em outubro, os casos foram 61% mais baixos quando comparados a setembro. Já com relação ao número de mortes, os números de outubro foram os menores em 16 meses. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE