Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5204 | 25 de Novembro de 2021

WORKSHOP: Cooperativas estudam estratégias para elevar participação no mercado

Com a presença de 65 profissionais de 27 cooperativas agropecuárias paranaenses, entre diretores e executivos das áreas de mercado internacional, varejo e marketing, foi realizado, na tarde dessa quarta-feira (24/11), pela plataforma Zoom, o Workshop de Mercado – 1º Encontro dos executivos de mercado das cooperativas agropecuárias, promovido pelo Sistema Ocepar. Um dos propósitos foi discutir as principais linhas de atuação do Projeto 4 – Mercado, que integra o Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, que objetiva viabilizar o aumento da participação dos produtos das cooperativas nos mercados interno e externo. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, enfatizou que há uma demanda muito boa no setor do agronegócio no mundo. “E é a demanda que impulsiona o mercado. Estamos no caminho certo: vamos fechar muito bem o ano, inclusive com bons resultados. E torcer para que as coisas continuem bem”, ressaltou.

Cenário - O encontro teve a participação do professor da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária da Universidade de São Paulo (FEA/USP) e sócio da Markestrat, Marcos Fava Neves, que coordenou as atividades, com o objetivo de identificar as principais demandas no setor de mercado das cooperativas. Segundo explicou, de início, o que se pretende é captar ideias dos executivos das cooperativas para, então, adotar estratégias que levem ao aumento da participação de seus produtos e serviços no mercado internacional e no nacional.

Expectativa - “O cooperativismo do Paraná tem enormes chances pela frente”, disse, destacando que há possibilidade de expansão dos negócios no mercado de grãos e fibras, carnes suína, de aves e bovina e de biocombustíveis. “Temos muitas chances de capturar parte desse crescimento para as cooperativas do Paraná, que são altamente pautadas pela demanda.” E acrescentou que esse aumento de participação no mercado será mais fácil por meio do engajamento, das ações coletivas, alianças estratégicas e parcerias das cooperativas. O tema de sua palestra foi “Cenários e tendências de mercado para as cooperativas”. Ele também coordenou uma oficina de ideias, junto com os profissionais da Gerência de Desenvolvimento Técnico (Getec) e representantes das cooperativas.

Positivo - O gerente de Desenvolvimento Técnico da Ocepar, Flávio Turra, que detalhou o “PRC200 – Projeto Mercado”, considerou que “o primeiro encontro atingiu plenamente as expectativas e faz parte da fase de diagnóstico das demandas das cooperativas. Por isso, a participação delas foi fundamental para o sucesso do evento.” E acrescentou que, nos próximos encontros serão debatidas as estratégias de atuação e os planos de negócios a serem conduzidos para os próximos quatro anos. A execução do projeto está prevista para o início de maio de 2022.

Presenças - Também participaram do evento o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, o presidente da Cooperativa Bom Jesus e diretor do Sescoop/PR, Luiz Roberto Baggio, os profissionais da Getec, Silvio Krinski, coordenador de Desenvolvimento Técnico, Alexandre Monteiro e Maiko Zanella, analistas de Desenvolvimento Técnico – Mercado, Carolina Teodoro, analista de Desenvolvimento Técnico, Devair Mem, coordenador de Desenvolvimento Cooperativo,  e Rodrigo Donini, analista técnico da Gerência de Desenvolvimento Cooperativo. 

{vsig}2021/noticias/11/25/workshop_mercado/{/vsig}

 

ENCONTRO AGENTES: Evento terá apresentação de cases e palestra com Alexandre Pellaes

Na próxima segunda-feira (29/11), o Sistema Ocepar promove, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), o Encontro de Agentes, a partir das 14h, em formato virtual. O evento será mediado pela Escola de Criatividade, de Curitiba. Haverá a apresentação de três casos de sucesso de cooperativas paranaenses. A Cocamar vai falar sobre a reestruturação dos Programas de Relacionamento e novas formas de gestão do quadro social. Na sequência, o Sicoob Central Unicoob discorrerá a respeito do Programa de Multiplicadores. E a Unimed Londrina tratará do Programa de Saúde Mental.

Encerramento - O evento encerra com palestra de Alexandre Pellaes, que vai abordar o tema “O futuro do trabalho em um cenário de incertezas”.

Público - O Encontro é destinado aos profissionais que atuam nas cooperativas paranaenses como agentes, fazendo a interlocução com o Sistema Ocepar especialmente nas áreas de formação profissional, promoção social e monitoramento. Clique aqui para se inscrever. Mais informações com Luis Henrique pelo e-mail: luis.macedo@sistemaocepar.coop.br.

 

encontro agentes folder 25 11 2021

PSR: Sancionada lei com recursos suplementares para o seguro rural

psr 25 11 2021Na terça-feira (23/11) foi sancionada a Lei 14.246/2021, proveniente do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 35/2021, que suplementa R$ 77 milhões adicionais ao Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), conforme solicitação da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e entidades do agro.

Suplementação - O Ministério da Agricultura ainda negociou com o Ministério da Economia a suplementação de mais R$ 298,8 milhões. Esse montante deverá ser analisado pela Junta de Execução Orçamentária (JEO) do governo federal, e para a nova suplementação é necessária a apresentação e aprovação de novo PLN pelo Congresso Nacional.

Reunião - Na última quinta-feira (18/11), o Sistema OCB participou de reunião organizada pelo Ministério da Agricultura para que fossem discutidas as possibilidades de crédito suplementar ao Programa de Subvenção ao PSR ainda para 2021. Além de membros do Mapa, participaram do encontro representantes de entidades setoriais do agro e parlamentares da bancada ruralista. (OCB)

 

FOTO: Pixabay

 

FRENCOOP: Nova linha férrea irá ligar os Estados do PR e MS, trazendo muitos benefícios para cidades paranaenses

O deputado federal Reinhold Stephanes Junior, membro da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), esteve nessa quarta-feira (24/11) junto aos governadores do Paraná, Ratinho Júnior, e do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, no Ibama, para realizar a entrega do relatório de impacto ambiental do projeto da Nova Ferroeste, que liga esses estados numa nova linha férrea. Essa foi uma solução logística sustentável e essencial para o desenvolvimento dos dois estados, que buscaram fazer com que essa linha férrea atravessasse os Estados sem causar grande impacto ambiental.

Extensão - A Nova Ferroeste terá 1.304 quilômetros de extensão e será o segundo maior corredor de exportação de grãos, proteína animal e contêineres do País, movimentando o Porto de Paranaguá. Um projeto que será viabilizado por meio de leilão e que terá um investimento de R$ 30 bilhões de reais nos Estados do Paraná e de Mato Grosso do Sul. (Com informações da Assessoria de Imprensa do deputado federal Reinhold Stephanes Junior)

{vsig}2021/noticias/11/25/frencoop/{/vsig}

 

FRÍSIA I: Cooperativa Escolar é fundada em Carambeí

frisia I 25 11 2021Se fosse para resumir em uma palavra a fundação da escola cooperativista seria “emoção”. A Cooperativa Escolar da Escola Evangélica de Carambeí (Eecooper) integra o ensino regular aos princípios cooperativistas, valores bíblicos e empreendedorismo para alunos do 5º ao 9º Ano, associados ao novo movimento. A fundação da Eecooper aconteceu no auditório da escola, onde foi realizada a primeira Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para as aprovações do estatuto social e da diretoria.

Dia especial - “É um dia especial para Carambeí ter a primeira cooperativa escolar da região. Há 96 anos esse mesmo momento aconteceu aqui, quando sete produtores resolveram trabalhar juntos e criar a primeira cooperativa de produção do Paraná”, afirmou o presidente da Frísia, Renato Greidanus, emocionado. A Frísia foi fundada em 1º de agosto de 1925 e é a mais antiga cooperativa de produção do Paraná e a segunda do Brasil.

Projeto - A Frísia apresentou o projeto para a escola e a direção “abraçou” a mudança. Na cooperativa escolar serão realizadas também atividades sociais e conteúdos relacionados a empreendedorismo. Como toda a cooperativa, na escola também será realizada a Assembleia Geral, terá um Conselho de Administração e um Conselho Fiscal, que serão responsáveis pela fiscalização.

Histórica - “Essa noite é histórica para a gente. Carambeí é conhecida como o berço do cooperativismo no Paraná, e hoje nasce um grandioso projeto no olhar e nas mãos de crianças. Parabéns a Escola Evangélica e a cooperativa Frísia por essa iniciativa tão importante”, afirma a prefeita de Carambeí, Elisangela Pedroso.

Cooperativismo de base - A inovação desse sistema educacional está na atuação dos associados. O Conselho de Administração deverá ser composto por, no mínimo, um aluno de cada ano escolar. “Para mim é uma honra ser a primeira presidente. Não tenho palavras para descrever a oportunidade que está sendo oferecida aos alunos, para estarmos participando de encontros dinâmicos para aprendermos mais o que é o cooperativismo e como podemos ser futuros estudantes diferenciados. Como presidente, pretendo conduzir a cooperativa da melhor forma possível”, destaca a estudante Fernanda Rodrigues Stadler.

Passo importante - Presente na fundação da cooperativa, o presidente do Sicredi Centro Serra (RS), Egídio Morsch, destacou estar “muito feliz” pela oportunidade de participar do evento. “Ao percorrer essa trajetória durante alguns anos, observamos que é um passo muito importante o envolvimento desses jovens na cooperativa escolar, dentro do processo de aprendizagem, poder desenvolver habilidade e conhecimentos. Pelo cooperativismo, o estudante se desenvolve pessoalmente e profissionalmente”.

Liberdade - Rejane Novelo, instrutora do Programa Cooperativa Escolar Frísia, explicou que houve liberdade de todos os envolvidos para a troca de ideias e a construção em conjunto do projeto, além da atuação da comunidade escolar e dos pais se engajarem nesse processo. “Vou parafrasear Ruben Alves: é a escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir”.

Orgulho - “A palavra que define esse momento é orgulho. Orgulho desses grandes alunos que tomaram esse desafio. O convite de ter uma cooperativa escolar assusta porque sabemos o tamanho da responsabilidade, mas, ao mesmo tempo, engrandece por se propor ao objetivo da educação, que é transformar a vida”, afirma Francine Guilherme de Souza, diretora da Escola Evangélica de Carambeí.

Mais associados - “Ano que vem teremos mais associados do que hoje e espero que a escola cresça cada vez mais e que a gente consiga fazer isso em conjunto, com todos os alunos e não apenas uma pessoa. Essa é a essência do cooperativismo”, conclui Fernanda Stadler, presidente da Eecooper.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br. (Imprensa Frísia)

 

FRÍSIA II: Programa Fundo Azul promove melhoria da qualidade das águas de mananciais dos Campos Gerais

frisia II 25 11 2021A primeira edição do Programa Fundo Azul na Frísia foi encerrada nessa quarta-feira (24/11), com o dever cumprido: a melhoria da qualidade da água de alguns mananciais localizados nos Campos Gerais. A iniciativa é uma parceria da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e da cooperativa, e envolveu 15 propriedades rurais nos municípios de Carambeí, Castro e Piraí do Sul.

Adequação - Iniciado em 2018, o Fundo Azul atua para adequar o manejo dos dejetos gerados na atividade de bovinocultura de leite, que podem resultar na contaminação do solo e das águas, seja por infiltração ocorrida em fossas sem impermeabilização, pela saturação do solo ou por extravasamento.

Mananciais - Essas ações focaram nos mananciais de abastecimento público da represa de Alagados e bacias hidrográficas dos rios Piraizinho, São João e São Cristóvão, contribuindo para a melhoria da qualidade da água.

Cooperados - “Foram contemplados cooperados da Frísia para a construção das esterqueiras revestidas com geomembrana. A Sanepar fornece a lona, os palanques, as telas para fazer a cerca, os tubos e conexões, e os cooperados realizam a mão de obra, com a escavação do terreno. Com a esterqueira revestida, os dejetos dos animais não entram em contato com o solo, preservando a qualidade dos mananciais”, explicou a analista ambiental da Frísia, Lorena de Almeida Zamae.

Acordo - A parceria entre a cooperativa e a Sanepar ocorreu pela assinatura de um acordo de cooperação técnica. Das 15 propriedades, que têm como atividade a bovinocultura de leite, nove estão em Carambeí, cinco em Castro e uma em Piraí do Sul. A seleção das propriedades entre os cooperados levou em conta o porte e a localização em área de manancial.

Segunda edição - A Frísia já se prepara para a segunda edição do programa, que foi aberta na tarde dessa quarta-feira (24/11) e começará as atividades no próximo ano.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br. (Imprensa Frísia)

 

UNIPRIME DO BRASIL: Convênio é firmado com a Credicoamo

Nas últimas semanas, a Uniprime do Brasil firmou parceria importante com a Credicoamo, instituição paranaense referência no segmento do agronegócio. A intercooperação entre as duas maiores cooperativas do Paraná irá disponibilizar aos cooperados da Credicoamo os cartões múltiplos Uniprime Mastercard, apontado pelos meios especializados como um dos melhores cartões de crédito do Brasil.

Benefícios - “Os cartões já trazem uma série de benefícios para os cooperados Uniprime, que agora serão estendidos aos cooperados da Credicoamo. É uma honra firmar parceria com essa conceituada instituição”, afirma Alvaro Jabur, presidente do Conselho de Administração da Uniprime do Brasil.

Parcerias - Entre os benefícios dos cartões Mastercard Uniprime, Paulo Thomson de Lacerda, Gerente de RH & Meios de Pagamento Uniprime, destaca “as parcerias com Latam Pass, Tudo Azul e com a Livelo, além de uma ampla rede Mastercard, com cerca de 40 milhões de estabelecimentos espalhados em quase todos os países do mundo”.

Modernidade - Para o presidente do Conselho de Administração da Coamo e da Credicoamo, Aroldo Gallassini, essa intercooperação irá agregar modernidade aos mais de 20 mil cooperados da Credicoamo. “Estamos felizes em trabalhar com a Uniprime do Brasil, temos certeza de que será um sucesso e nossos cooperados ficarão felizes com a novidade”, conclui. (Imprensa Uniprime do Brasil)

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Reconhecida como a melhor instituição financeira de Palotina (PR)

sicredi vale piquiri 25 11 2021Em evento realizado pela Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Palotina (PR), Prêmio Acipa Destaque 2021, a cooperativa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP e colaboradores foram homenageados em quatro categorias. Além do prêmio de melhor instituição financeira, a Sicredi recebeu também a valorização no quesito financiamentos empréstimos consignados. Nos prêmios individuais, as colaboradoras Letícia Mota e Thaisa Cristine Nogueira foram homenageadas nas categorias atendente de caixa e gerente de conta, respectivamente.

Parceria - A Sicredi também recebeu o reconhecimento pelos dez anos de parceria com a Acipa como patrocinadora oficial da campanha de final de ano, que é uma das principais iniciativas da Associação para desenvolver o comércio local.

Agradecimento - A cooperativa agradece a comunidade pelo reconhecimento e confiança, bem como a todos os colaboradores, que se dedicam todos os dias para entregar um atendimento de excelência aos associados, e parabeniza a Acipa pela realização do evento.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 33 anos de história, mais de 173 mil associados e 96 espaços de atendimento. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD (www.sicredi.com.br/coop/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 25 estados e no Distrito Federal, com mais de 2100 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Ação de renegociação de crédito será realizada em agências de Maringá e região

sicredi uniao 25 11 2021As 25 agências de Maringá (PR) e região da Sicredi União PR/SP vão realizar uma ação de renegociação de dívidas. Voltada para associados pessoas físicas e jurídicas com dívidas com mais de 90 dias de atraso, a iniciativa oferecerá condições diferenciadas e oportunidade de parcelamento em até 48 meses. Poderão ser renegociadas parcelas de financiamento, cartão de crédito, limite do cheque especial, entre outros. É a primeira vez que a cooperativa realiza esse tipo de ação, e o objetivo é ajudar os associados enfrentam dificuldades financeiras.

Participantes - Participarão as nove agências de Maringá, além das agências de Ângulo, Astorga, Atalaia, Colorado, Doutor Camargo, Floraí, Floresta, Ivatuba Mandaguaçu, Munhoz de Mello, Nova Esperança, Ourizona, Paiçandu, Santa Fé, São Jorge do Ivaí e Sarandi.

Continuidade - A ação continuará até sexta-feira (26/11), com exceção da agência Centro de Maringá, que funcionará no sábado das 9 às 15 horas e atenderá todos os associados da cooperativa, inclusive de outras cidades. No sábado, um consultor do Sebrae estará à disposição para tirar dúvidas e ajudar pessoas e empresas com o planejamento financeiro. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO II: Lions Clube Igapó é contemplado em mais um sorteio do União Solidária

sicredi uniao II 25 11 2021A agência Santos Dumont da Sicredi União PR/SP, em Londrina (PR), está se mostrando pé quente na campanha União Solidária deste ano. A agência foi palco da entrega de mais um prêmio mensal da campanha e desta vez, quem levou um notebook para casa foi a gerente administrativa Eliane Pereira Leite. A entidade ganhadora do valor de R$ 3 mil foi o Lions Clube Londrina Igapó. No mês passado, também uma entidade cadastrada pela agência – o Ilece – levou a premiação mensal.

Segurança - O Lions Londrina Igapó participa da campanha deste ano com três projetos, todos com foco em atender exigências de segurança do Corpo de Bombeiros e normas sanitárias no Santuário Nossa Senhora Aparecida e nas creches Jorge Dib Abussaf e Matilde Vicentini. Juntas, as duas creches atendem a 260 crianças.

Admirador - “Participamos da campanha desde a primeira edição na nossa região. Eu sou um grande admirador e entusiasta deste lindo projeto. Imagina a dificuldade que as entidades estão tendo para manter seus projetos nesse momento de pandemia. Com a União Solidária as entidades estão conseguindo recursos para dar continuidade a seus projetos e trabalho. Essa é uma campanha do ganha-ganha”, comentou o presidente do Lions Clube Londrina Igapó, Claudenil Custódio.

Surpresa e feliz - A ganhadora do notebook também se tornou uma admiradora da campanha. “Não conhecia, mas comprei 10 cupons para ajudar a entidade. Fiquei surpresa e feliz com o prêmio”, disse ela.

Incentivo - Também feliz com mais essa premiação na agência que gerencia, Vânia Pereira, informou que na Santos Dumont estão cadastradas 17 entidades como participantes da campanha. “É uma alegria imensa acolher todos vocês aqui para a entrega de mais uma premiação. Acredito que isso incentiva mais entidades e mais pessoas a participarem”, comentou.

Mais sorteios - A campanha prossegue até fevereiro e terá mais dois sorteios mensais, tendo como premiação smart TVS e bicicletas elétricas. Em fevereiro, a campanha será finalizada com sorteio de três carros Fiat Argo e seis motos Honda CG Start. A Campanha é uma realização dos Institutos CoopConecta Sicredi União PR/SP e Cocamar. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SOJA: Embrapa e IDR-PR realizarão Giro Técnico em 16 municípios do Paraná

1soja 25 11 2021Entre 29 de novembro e 10 de dezembro, a Embrapa Soja e o Instituto de Desenvolvimento Rural (IDR-PR) promoverão o Giro Técnico da Soja - Safra 2021/2022, eventos a serem realizados em 16 cidades do Paraná para debater os resultados positivos da adoção de boas práticas agrícolas no Estado. Os eventos serão conduzidos por pesquisadores da Embrapa e extensionistas do IDR para a assistência técnica, lideranças locais e produtores de cada região produtora.

Temas - Entre as temáticas a serem debatidas estão: Manejo integrado de Pragas- MIP; Manejo integrado de Solos (MID) Boas práticas para inoculação e coinoculação em soja e também o Manejo de Solos e Água. Os pilares dessa iniciativa são a busca por maior rentabilidade e promoção de práticas sustentáveis em uma rede que busca integrar os produtores e difundir tecnologias, por meio de apresentação de resultados obtidos em Unidades de Referência, (URs), instaladas em áreas de agricultores.

Formato - “Esse formato de evento entre Embrapa e IDR-Paraná (antiga Emater-PR) ocorre desde 2013 e busca mostrar os benefícios do manejo integrado de pragas, doenças e plantas daninhas e a aplicação de defensivos no melhor momento, trazendo economia e ganhos ambientais. A adoção da coinoculação traz aumento de produtividade para a soja e o manejo adequado solo impacta positivamente todo sistema produtivo”, explica o pesquisador André Prando, da Embrapa Soja.

Aproximação - Segundo o coordenador do Programa Grãos, Edivan José Possamai, do IDR-Paraná, o Giro Técnico é uma oportunidade de aproximar a pesquisa, extensão e produtores, discutindo os principais temas ligados à produção de soja no Paraná com base em tecnologias pesquisadas e validadas. “Os resultados históricos do programa podem contribuir com duas questões muito discutidas na atualidade, que é o aumento nos custos dos insumos e a sua falta, onde o manejo integrado de pragas, doenças, dentre outras, tem possibilitado a racionalização do uso dos insumos”, destaca Possomai. “A outra refere-se a crescente preocupação de agricultores e da sociedade em geral sobre os impactos ambientais da produção de soja, sendo que os resultados demonstram a possibilidade de menor uso de agrotóxicos”, conclui.

Como participar- Agricultores e técnicos interessados em participar dos eventos podem obter mais informações nos escritórios do IDR Paraná do seu município. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

Confira a programação

Data                                           Horário   Regional                  Município

29/novembro (segunda-feira)     14:00  Campo Mourão          Goioerê

30/novembro (terça-feira)          09:00    Toledo                       Iracema do Oeste

30/novembro (terça-feira)          14:00    Cascavel                  Céu Azul

01/dezembro (quarta-feira)        09:00    Francisco Beltrão    Santa Izabel do Oeste

01/dezembro (quarta-feira)        14:00    Dois Vizinhos           Nova Prata do Iguaçu

02/dezembro (quinta-feira)        09:00    Pato Branco             Itapejara D´Oeste

02/dezembro (quinta-feira)        14:00    Laranjeiras do Sul    Rio Bonito do Iguaçu

03/dezembro (sexta-feira)         09:00    Guarapuava             Guarapuava

06/dezembro (segunda-feira)    14:00    Ivaiporã                    Ivaiporã

06/dezembro (segunda-feira)    14:00    Maringá                  Mandaguaçu

07/dezembro (terça-feira)          09:00    Irati                         Guamiranga

07/dezembro (terça-feira)          09:00    Maringá                  Doutor Camargo

07/dezembro (terça-feira)          14:00    União da Vitória     Paula Freitas

08/dezembro (quarta-feira)        09:00    Curitiba                  Araucária

08/dezembro (quarta-feira)        14:00    Ponta Grossa        Ponta Grossa

09/dezembro (quinta-feira)        14:00    Cornélio Procópio   Assaí                              

10/dezembro (sexta-feira)         09:00    Londrina                  Alvorada do Sul

FOTO: Claudine Seixas / Arquivo Embrapa 

 

PISCICULTURA: Líder na produção de tilápia, Paraná é destaque em congresso internacional

piscicultura 25 11 2021O segmento de piscicultura no Paraná, particularmente a produção de tilápias, pode crescer no ritmo de 12% a 15% nos próximos anos. As oportunidades oferecidas pelo Estado para que os produtores tenham mais facilidade na criação foram apresentadas nessa quarta-feira (24/11) durante o International Fish Congress & Fish Expo Brasil 2021, maior encontro brasileiro da cadeia do pescado, realizado em Foz do Iguaçu.

Visão do governo - "A visão do Governo do Estado é de abertura, de política de atração, de retenção, de estímulo e de facilitação no bom sentido, para que os empresários e empreendedores possam florescer e gerar resultados", disse o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Ele participou de mesa redonda com o secretário nacional de Pesca, Jorge Seif Júnior e o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Pescados (Abipesca), Eduardo Lobo.

Caminho - O secretário destacou que é possível o segmento seguir o mesmo caminho traçado pelos setores de suínos, frangos e leite. "Estamos dando saltos, ganhando velocidade pela genética, pelo manejo, pela conversão e a capacidade de baixar custos", afirmou.

Redução de custos - Como uma das alternativas para redução de custos, ele apresentou o programa RenovaPR, que estimula o uso de energia solar e de biomassa. Se o empreendedor quiser, o Estado se propõe a equalizar na totalidade as taxas de juros do financiamento para implantar sistema de energia renovável na propriedade.

Estímulo - O governo estadual também estuda medidas para estimular empreendimentos que possam aumentar a conectividade no campo e proporcionar condições de inovação. Ortigara adiantou que, no início de dezembro, devem ser anunciadas as alternativas que o Estado analisa para que as tecnologias de comunicação se estendam pelo setor rural paranaense.

Descomplica Rural - Outra medida tomada pelo Estado e que tem ajudado o setor da piscicultura é o Descomplica Rural, que simplificou as regras de licenciamento ambiental para a implantação de tanques.

Defesa agropecuária - Ortigara apresentou ainda os avanços com a reorganização da defesa agropecuária e reforço nos comitês de biossegurança, além de novas contratações no setor de sanidade animal e em extensão rural, que devem ser realizadas por meio de concurso.

Receptividade - "A partir de experiência exitosa, do destravamento, de uma política mais aberta, de apoio aos empreendedores, qualquer empresário que queira investir dentro da normalidade será bem recebido", disse. "É uma visão moderna de Estado, de deixar acontecer, com a administração pública formulando boas políticas, atenta àquilo que interessa, sobretudo em questões sanitárias, para que o mundo compre agora e sempre."

Elogio - O secretário nacional de Pesca elogiou o trabalho realizado no Paraná com vistas a fortalecer a cadeia produtiva do peixe. "Não é à toa que o Paraná lidera a produção de peixes", disse Jorge Seif Júnior. "Parabenizo o governador Ratinho Junior e o secretário Ortigara pela flexibilização e simplificação das regras de licenciamento, é uma atitude louvável e que deve se repetir em outros estados".

Programação - Além do secretário, também houve palestras do técnico do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná), Eder Felipe Morschbacher, sobre o Banco do Agricultor; de Gelson Hein, que falou sobre a importância da extensão rural no segmento de piscicultura; e do veterinário da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Cláudio Cesar Sobezak, que discorreu sobre a atuação do órgão responsável pela sanidade animal.

Abertura oficial- A abertura oficial ocorreu na noite desta quarta-feira (24/11), com a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e do vice-governador Darci Piana. O congresso terá continuidade nesta quinta-feira (25/11), quando o agrônomo do IDR-Paraná Herlon Goelzer de Almeida fala sobre energia renovável como alternativa sustentável para reduzir custos, e se encerra na sexta-feira (26/11).

Produção - De acordo com o Anuário Peixe BR de 2020, o Paraná produziu 172 mil toneladas de peixes, com predominância da tilápia, com 166 mil toneladas. O Estado lidera a produção, respondendo por 21% de todo pescado brasileiro, que chega a 802,8 mil toneladas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são 24,6 mil produtores de tilápia no Paraná, principalmente integrados às cooperativas C.Vale e Copacol. Em exportação, o Estado ocupa a terceira posição nacional. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Seab

 

IPCA-15: Prévia da inflação de novembro fica em 1,17%, maior para o mês desde 2002

ipca destaque 25 11 2021A prévia da inflação teve alta de 1,17% em novembro, a maior variação para o mês desde 2002, quando o índice foi de 2,08%. No ano, o indicador acumula alta de 9,57% e, em 12 meses, de 10,73%, acima dos 10,34% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2020, a taxa havia sido de 0,81%. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), divulgado nesta quinta-feira (25/11) pelo IBGE.

Gasolina - Com o maior impacto individual no índice do mês (0,40 p.p), a gasolina teve alta de 6,62% e influenciou o resultado dos transportes, que registraram, de longe, a maior variação (2,89%) e o maior impacto (0,61 p.p.) entre os grupos pesquisados. No ano, o combustível acumula variação de 44,83% e, em 12 meses, de 48,00%.

Transporte por aplicativo - Outro destaque foi o transporte por aplicativo (16,23%), que já havia subido 11,60% em outubro. Por outro lado, houve redução nos preços das passagens aéreas (-6,34%), após altas consecutivas em setembro (28,76%) e em outubro (34,35%).

Outros grupos - Além dos transportes, os outros oito grupos de produtos e serviços pesquisados também tiveram alta em novembro. Em habitação (1,06%), a maior contribuição foi do gás de botijão (4,34%), cujos preços subiram pelo 18° mês consecutivo, acumulando 51,05% de alta no período iniciado em junho de 2020.

Energia elétrica - A energia elétrica (0,93%) teve variação menor que a de outubro (3,91%) e contribuiu com 0,05 p.p. no índice do mês. Desde setembro, está em vigor a bandeira tarifária Escassez Hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos. Além disso, houve reajustes nas tarifas de energia em Goiânia, Brasília e São Paulo.

Saúde - No grupo saúde e cuidados pessoais, a alta de 0,80% foi influenciado pelos itens de higiene pessoal (1,65%) e produtos farmacêuticos (1,13%). Em outubro, a variação do primeiro havia sido negativa (-0,26%) e a do segundo próxima da estabilidade (0,02%). Juntos, os grupos transportes, habitação e saúde e cuidados pessoais contribuíram com 0,88 p.p. no IPCA-15 de novembro, o equivalente a cerca de 75% do índice do mês.

Alimentação e bebidas - Já alimentação e bebidas (0,40%) desacelerou em relação a outubro (1,38%), devido às altas menos intensas nos preços do tomate (14,02%), do frango em pedaços (3,07%) e do queijo (2,88%). Houve ainda quedas nas carnes (-1,15%), no leite longa vida (-3,97%) e nas frutas (-1,92%). Por outro lado, os preços da batata-inglesa (14,13%) subiram mais do que em outubro (8,57%). A cebola teve variação positiva (7,00%), após a queda de 2,72% no mês anterior.

Fora do domicílio - Na alimentação fora do domicílio (0,15%), destacam-se a aceleração da refeição (de 0,52% em outubro para 0,88% em novembro) e o recuo nos preços do lanche (-1,08%).

Vestuário - Vestuário (1,59%) teve a segunda maior variação do mês, com altas em todos os itens pesquisados, com destaque para roupas femininas (2,05%), masculinas (1,88%), e infantis (1,30%), além dos calçados e acessórios (1,28%). No ano, o grupo acumula variação de 8,64%, enquanto no acumulado do mesmo período de 2020, o resultado foi negativo (-1,31%). Os demais grupos do IPCA-15 ficaram entre o 0,01% de Educação e o 1,53% de Artigos de residência.

IPCA-15 tem alta em todas as áreas pesquisadas - A pesquisa mostra ainda que todas as áreas pesquisadas apresentaram alta em novembro. A maior variação foi a de Goiânia (1,86%), cujo resultado foi puxado pela energia elétrica (10,93%) e pela gasolina (5,87%). O menor resultado ocorreu na região metropolitana de Belém (0,76%), onde houve queda nos preços da energia elétrica (-2,05%) e do açaí (-9,30%).

Mais sobre a pesquisa - O Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC) produz contínua e sistematicamente índices de preços ao consumidor. Com divulgação na internet iniciada em maio de 2000, o IPCA-15 difere do IPCA apenas no período de coleta, que abrange, em geral, do dia 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência, e na abrangência geográfica.

População - Atualmente a população-objetivo do IPCA-15 abrange as famílias com rendimentos de 1 a 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte, residentes nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. Veja os resultados completos no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Licia Rubinstein / Agência IBGE Notícias

 

ipca tabela 25 11 2021

 

BC: Cenário econômico é de retomada nas cinco regiões do país

bc 25 11 2021O cenário da economia no terceiro trimestre do ano é de retomada da atividade em todas as regiões do país, de forma menos intensa e concentrada no setor de serviços, segundo análise do Boletim Regional, divulgado nessa quarta-feira (24/11) pelo Banco Central.

Mais favorável - O boletim, que apresenta as condições da economia nas cinco regiões do país, diz que esse comportamento da economia tende a favorecer as economias do Nordeste e Sudeste.

Sudeste - No Sudeste, a atividade econômica continuou em expansão no terceiro trimestre, favorecida pela recuperação do setor de serviços, com o avanço da vacinação contra a covid-19 e menor efeito da pandemia na região. Todos os segmentos de serviços apresentaram abertura de vagas, com destaque para atividades administrativas e serviços complementares, alojamento e alimentação.

Comércio varejista - Por outro lado, o boletim aponta que o comércio varejista, após vários meses de relativa estabilidade, registrou retração mais pronunciada a partir de agosto, encerrando o terceiro trimestre com variação negativa, refletindo o possível deslocamento da demanda para serviços.

Indústria - Em relação à Indústria, dificuldades para a obtenção de insumos e os preços de algumas cadeias produtivas, especialmente a automotiva, contribuíram para a queda da produção no terceiro trimestre. Houve retração em quinze dos 22 setores pesquisados, com destaque para fabricação de outros produtos de transporte (11,7%) e veículos (8,4%).

Trimestre - Com isso, no trimestre, o índice de atividade econômica da região variou 0,4%, após expansão 0,8% no período anterior. Segundo o BC, os indicadores apontam para acomodação da atividade econômica no Sudeste, no quarto trimestre.

Pressões - “Pressões de custos e falta de insumos em setores da indústria, com ênfase no segmento automotivo, têm efeitos negativos sobre a produção fabril. Em sentido contrário, o avanço da vacinação favorece a continuidade da recuperação dos segmentos de serviços mais impactados pela pandemia, sobretudo os direcionados às famílias”, diz o boletim.

Nordeste - No Nordeste, o crescimento econômico no trimestre encerrado em setembro foi liderado pelos serviços, destacando-se os prestados às famílias e transportes, em ambiente de recuperação gradual da mobilidade das pessoas e de ligeira melhora no mercado de trabalho.

Interação social - “O contexto de arrefecimento da pandemia e melhora da confiança refletiu-se em maior dinamismo de atividades que dependem de interação social, como os serviços prestados às famílias e as relacionadas ao turismo, que têm maior representatividade no Nordeste”, diz o boletim.

Recuperação parcial - Também houve um cenário de recuperação parcial da indústria de transformação, após retrações nos dois trimestres anteriores. Com isso, o índice de atividade econômica da região expandiu 0,5% no período em relação ao anterior, quando cresceu 0,8% na mesma base de comparação.

Centro-Oeste- O Centro-Oeste registrou crescimento mais moderado no terceiro trimestre, influenciado principalmente pelos efeitos da menor produção de milho e cana-de-açúcar. O resultado positivo foi sustentado pela expansão do comércio, da construção civil e dos serviços de alojamento e alimentação, repercutindo os efeitos do avanço na vacinação.

Crescimento - Nesse contexto, o índice de atividade econômica da região cresceu 0,7% no terceiro trimestre de 2021, em relação ao trimestre anterior (2,3%), segundo dados dessazonalizados. No acumulado de doze meses, o indicador expandiu 2% em setembro (0,8% no mesmo mês de 2020).

Safra - O boletim aponta ainda que a safra recorde de grãos não deve se repetir no ano de 2021 em decorrência das condições climáticas adversas, principalmente da estiagem prolongada a partir de fevereiro, que provocou queda significativa nas colheitas de milho, algodão e cana-de-açúcar.

Trajetória - “A economia do Centro-Oeste manteve trajetória de crescimento, com oscilações relacionadas ao desempenho do agronegócio. A perspectiva de safras recordes de commodities agrícolas em 2022 continua sendo importante variável de sustentação para a região, com desdobramentos em outras atividades”, diz o documento.

Norte - A Região Norte não repetiu o bom desempenho observado no trimestre anterior. Segundo o boletim, o recuo refletiu a desaceleração na indústria e no comércio, impactados pela limitação da oferta de insumos na cadeia produtiva. O índice de atividade econômica da região recuou 1% no terceiro trimestre do ano, influenciado pelas retrações no Amazonas (-3,1%) e Pará (-0,9%).

Serviços - Segundo o boletim, no setor de serviços, apesar do arrefecimento da intensidade da recuperação na margem, o setor registrou expansão no terceiro trimestre, com aumento em quatro estados. A produção industrial da região acompanhou o que ocorreu na indústria nacional e também registrou contração no trimestre. A indústria geral recuou 1,5% no período.

Comércio - Já as vendas do comércio reverteram crescimento assinalado no segundo trimestre. Com isso, o Norte encerrou o terceiro trimestre com recuo de 0,7% no comércio ampliado (9,7% no segundo trimestre), com quedas em cinco dos sete estados da região.

Expectativa - O boletim aponta, contudo, para um crescimento do faturamento do varejo, em maior proporção nos setores de alimentação e combustíveis. A expectativa para a região é que, no quarto trimestre, o desempenho do setor melhore, impulsionado pelas vendas de final de ano, com a Black Friday e o Natal.

Sul - A Região Sul assinalou desaceleração do processo de crescimento, com indicadores da produção industrial e do comércio abaixo do esperado. Com isso, o índice de atividade econômica no terceiro trimestre recuou 0,7%, após quatro intervalos consecutivos de alta. O setor industrial foi o quem mais contribuiu para a retração da atividade econômica, em razão de problemas com a normalização da cadeia de suprimentos, além dos estoques reduzidos e custos elevados.

Recuperação - O resultado do terceiro trimestre confirmou a recuperação do setor de serviços, que expandiu pelo quinto período em sequência, mitigando a retração da atividade econômica. Todos os segmentos registraram alta, sobretudo os destinados às famílias e os que envolvem contato pessoal. A avaliação é de que a trajetória deve persistir no final de ano.

Evolução - Segundo o boletim, a atividade econômica do Sul tem evoluído de forma assimétrica ao longo do ano, com destaques positivos para a indústria e produção agrícola no primeiro trimestre e para o comércio e a construção civil no segundo. A avaliação é de que “a normalização da cadeia de suprimentos industriais, incluídos semicondutores para o setor automotivo e insumos agrícolas, especialmente defensivos, é essencial para garantir dinamismo adicional à economia do Sul.” (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

ECONOMIA: Com alta de 4,9% em outubro, arrecadação federal segue recorde em 2021

economia 25 11 2021A arrecadação federal manteve tendência de alta em outubro, com o valor de R$ 178,742 bilhões arrecadados. O montante é 4,92% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado, considerada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O resultado do mês de outubro foi o melhor desde 2016 (R$ 188,425 bilhões).

Acumulado - Segundo a Receita Federal, que divulgou nessa quarta-feira (24/11) os dados referentes a outubro, no acumulado dos 10 primeiros meses de 2021, a arrecadação federal soma R$ 1,527 trilhão, 20,06% a mais do que no mesmo período do ano passado e maior valor da série histórica iniciada em 1995.

Receitas atípicas - De acordo com análise da Receita, o desempenho foi impulsionado por fatores não recorrentes, como o recolhimento extraordinário de R$ 5 bilhões em Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).

Ano - No acumulado do ano, a receita com IRPJ/CSLL é a segunda maior entre todos os tributos, encontrando-se em R$ 336 bilhões, cerca de 35% maior do que no mesmo período do ano passado. Desse valor, R$ 39 bilhões são resultantes de arrecadações atípicas (que não se repetirá em outros anos).

Diferença - Em 2020, o acumulado de IRPJ/CSLL nos dez primeiros meses do ano foi de R$ 249 bilhões. A diferença expressiva está atrelada à recuperação da atividade econômica com o arrefecimento da pandemia de covid-19 e consequente recuperação nos lucros das empresas.

Maior fonte - Em termos nominais, contudo, a maior fonte de arrecadação no ano, até o momento, se dá por meio da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do PIS (Programa de Integração Social), que somam R$ 389,7 bilhões arrecadados.

Variação - Em relação à variação, a maior se dá por conta do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que teve alíquota majorada a partir do fim de setembro. Em outubro deste ano, houve aumento de 90,9% na arrecadação do tributo, cujo acumulado nos dez primeiros meses chega a R$ 39,5 bilhões.

Compensações tributárias - Após a divulgação dos números, o Secretário Especial da Receita Federal, José Tostes, destacou que o resultado de outubro poderia “ter sido ainda melhor”, não fosse o impacto negativo das compensações tributárias, que ocorrem quando o contribuinte utiliza créditos antigos obtidos junto à Receita para pagar tributos atuais.

Outubro - Em outubro, foram compensados R$ 24 bilhões, enquanto que nos 10 primeiros meses do ano esse número chega a R$ 171 bilhões, alta de 22% em relação a 2020. Desse valor, R$ 80 bilhões são decorrentes de decisões judiciais, 77% a mais do que no ano passado, o que vem “impactando fortemente o resultado de arrecadação”, disse Tostes. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

RODOVIAS PEDAGIADAS: Estado e PRF organizam fluxo de veículos nas praças desativadas; veja como vai funcionar

rodovias 25 11 2021Com o fim da concessão das rodovias do Anel de Integração do Paraná, um novo fluxo de tráfego será organizado, a partir deste final de semana, nas 27 praças de pedágios que serão desativadas até a implementação de um novo modelo. O objetivo é garantir a segurança do usuário e evitar a formação de filas.

Laterais - Ao transitar por esses locais, os veículos não vão mais passar pelas cancelas das pistas centrais, e sim pelas suas laterais — desviando da infraestrutura do pedágio em si. As pistas centrais, onde ficam as cabines, terão o tráfego bloqueado em ambos os sentidos.

Nova sinalização - Para isso, será instalada uma nova sinalização. A nova canalização de tráfego será implantada pelas concessionárias e operada pelas Polícia Rodoviária Federal e Polícia Rodoviária Estadual, articuladas pela Secretaria Estadual de Segurança Pública. “Com isso, a gente pretende evitar qualquer tipo de acidente nas praças de pedágio”, explica o comandante-geral da PMPR, coronel Hudson Leôncio Teixeira.

Mudança - A mudança é válida a partir de sábado (27/11) nos pedágios de Jacarezinho, Jataizinho, Sertaneja (relativos à Econorte); Arapongas, Mandaguari, Presidente Castelo Branco, Floresta, Campo Mourão, Corbélia (relativos à Viapar); e São Miguel do Iguaçu, Céu Azul, Cascavel, Laranjeiras do Sul e Candói (relativos à EcoCataratas).

Nova lógica - A partir de domingo (28/11), a nova lógica também será aplicada para os pedágios de Prudentópolis/Relógio, Irati, Porto Amazonas, Imbituva, Lapa (relativos à Caminhos do Paraná); Balsa Nova, Palmeira, Carambeí, Jaguariaíva, Tibagi, Imbaú, Ortigueira (relativos à Rodonorte); e São José dos Pinhais (Ecovia).

Colaboração - Alexandre Fernandes, diretor de operações do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), reforçou que é necessária a colaboração e atenção da população, sobretudo neste momento de transição. “Pedimos que os usuários evitem parar nas praças de pedágio, para não causar transtornos no tráfego. Esses são pontos de risco potencial para ocorrência de acidentes. Por isso, a gente pede cooperação da população, respeitando os limites de velocidade e redobrando a atenção no momento da travessia das praças de pedágio”, enfatizou.

Equipes - No momento em que a operação das concessionárias for encerrada, haverá equipes da PRF nas praças de pedágio das rodovias federais e da PRE nas praças das rodovias estaduais para coordenar a sinalização e organizar a canalização do fluxo. Os oficiais estarão verificando os primeiros momentos do trânsito sem concessão.

Duas etapas - Segundo Elton Scremin, chefe de operações da PRF no Paraná, haverá duas etapas de atuação do órgão com relação à canalização. A primeira, mais intensa, será realizada até o dia 9 de dezembro. “Haverá um reforço variável de cerca de 50% do efetivo, podendo chegar a 100% em locais de maior demanda”, aponta.

Reforço - A partir do dia 10, na segunda etapa, o reforço será em locais e momentos específicos conforme indicadores de fluxo de veículos como de ocorrência de acidentes. Também haverá um novo reforço no período das festas de fim de ano, período em que se espera um aumento de tráfego.

Polícia Militar - Da parte da Polícia Militar, será empregado um reforço operacional. “Os policiais vão reforçar a malha viária tanto nas rodovias estaduais quanto nas federais, em apoio à Polícia Rodoviária Federal”, complementa coronel Hudson. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 

CÂMBIO: Dólar fecha abaixo de R$ 5,60 com acordo sobre PEC dos Precatórios

cambio 25 11 2021A definição de um acordo para a votação no Senado da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios blindou o dólar das turbulências no mercado internacional e fez a moeda cair para abaixo de R$ 5,60. A bolsa de valores subiu pelo segundo dia consecutivo e está no maior nível em quase duas semanas.

Cotação - O dólar comercial fechou essa quarta-feira (24/11) vendido a R$ 5,595, com recuo de R$ 0,014 (-0,26%). A cotação chegou a R$ 5,62 na máxima do dia, pouco antes das 11h, mas desacelerou durante a tarde e fechou em queda, após o anúncio de que a Comissão de Constituição e Justiça do Senado pretende votar a PEC dos Precatórios na terça-feira (30/11).

Desempenho diferente - O real teve desempenho diferente das moedas dos países emergentes, que voltaram a ser afetadas pela alta do dólar por causa do mercado internacional. A ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), divulgada hoje, indicou que diversos diretores apoiam uma retirada mais rápida dos estímulos monetários concedidos desde o início da pandemia de covid-19.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 104.514 pontos, com alta de 0,83%. Numa sessão volátil, o indicador chegou a cair 1,13% no pior momento do dia, mas inverteu o movimento por causa do acordo para a votação da PEC dos Precatórios e da ajuda de ações de empresas mineradoras, beneficiadas pela valorização internacional do minério de ferro.

Investidores - Apesar de a PEC dos Precatórios aumentar os gastos públicos em R$ 101,6 bilhões no próximo ano, os investidores acreditam que a aprovação da proposta evita soluções mais imprevisíveis. Para os analistas financeiros, um eventual decreto de calamidade pública abriria mais espaço para gastos além do teto. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

LEGISLATIVO: Relatório favorável à PEC dos Precatórios é lido na CCJ

legislativo  25 11 2021O relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23/2021, conhecida como PEC dos Precatórios, foi lido na manhã dessa quarta-feira (24/11) em reunião da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) do Senado. O texto, apresentado pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), sugere a aprovação da matéria, com emendas. A votação da PEC na CCJ pode acontecer já na próxima semana, mas a oposição pede mais tempo para se chegar a uma proposta alternativa e consensual. A pedido de vários senadores, o presidente da comissão, Davi Alcolumbre (DEM-AP), concedeu o prazo de uma semana (vista coletiva) para análise do relatório. O projeto deve retornar à pauta na próxima terça-feira (30/11), informou Davi.

Espaço fiscal - A PEC abre espaço fiscal no Orçamento para o pagamento do programa social batizado como Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família. Para isso, altera a base de correção do teto de gastos previsto na Emenda Constitucional 95 e adia o pagamento de parte dos precatórios (dívidas de União, estados e municípios oriundas de sentenças transitadas em julgado). Aqueles que se opõem a esse mecanismo alegam que ele fragiliza a credibilidade das contas públicas, gerando desconfiança dos investidores e agravando a crise econômica.

Adiar - Os senadores Rogério Carvalho (PT-SE) e Omar Aziz (PSD-AM) tentaram adiar a leitura do relatório, apontando que o texto foi disponibilizado aos senadores menos de 24 horas antes da reunião, o que contraria o Regimento Interno. Mas Davi Alcolumbre invocou o Ato da Comissão Diretora do Senado 8/2021 (editado em razão da continuidade da pandemia de covid-19) para dispensar a observação do prazo regimental.

Leitura - Fernando Bezerra Coelho fez, então, a leitura de seu relatório. Ele agradeceu especificamente aos senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), José Aníbal (PSDB-SP), Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Izalci Lucas (PSDB-DF), Rose de Freitas (MDB-ES), Nelsinho Trad (PSD-MS), Otto Alencar (PSD-BA) e Rogério Carvalho pelas contribuições. As sugestões aperfeiçoam o texto proveniente da Câmara, detalhando melhor como se dará o pagamento dos precatórios atrasados; o acompanhamento, pelo Congresso, da evolução dessa despesa; e a transformação do Auxílio Brasil em programa permanente.

Apoio - “O objetivo principal é oferecer apoio a 17 milhões de famílias brasileiras que são as mais pobres, as mais vulneráveis e as mais carentes”, acrescentou Bezerra.

Tempo hábil - Para Omar Aziz, não há tempo hábil para votar a PEC na comissão na próxima terça-feira, como desejado pelo governo. “Concordamos com algumas questões da PEC, mas não concordamos com outras. Não adianta querer açodar as coisas porque o governo quer. Nós queremos ajudar quem precisa. Houve tempo suficiente para ajudar essas pessoas. Se chegamos aonde chegamos, não é responsabilidade do Senado Federal. E nós não iremos açodadamente votar absolutamente nada”, afirmou. (Agência Senado)

FOTO: Pedro França / Agência Senado

 

SAÚDE I: Casos sobem para 22,043 milhões e mortes, para 613,3 mil

O número de pessoas que contraíram covid-19 durante a pandemia subiu para 22.043.112. Em 24 horas, as autoridades de saúde confirmaram 12.930 diagnósticos positivos da doença.

Acompanhamento - Ainda há 165.060 casos em acompanhamento, de pessoas que tiveram o quadro de covid-19 confirmado.

Vidas perdidas - Já o total de vidas perdidas para a doença chegou a 613.339. Desde terça-feira (23/11), as autoridades de saúde registraram 273 mortes.

Investigação - Ainda há 2.861 falecimentos em investigação. Essa situação ocorre pelo fato de haver casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre se a causa foi covid-19 ainda demandar exames e procedimentos posteriores.

Recuperadas - Até esta quarta-feira (24/11), 21.264.713 pessoas já se recuperaram da doença.

Balanço diário - Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta quarta-feira (24/11). A atualização consolida informações sobre casos e mortes enviadas pelas secretarias estaduais de Saúde.

Estados - Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (153.639), Rio de Janeiro (68.919), Minas Gerais (56.084), Paraná (40.759) e Rio Grande do Sul (36.007).

Menos - Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (1.845), Amapá (1.999), Roraima (2.045), Tocantins (3.913) e Sergipe (6.040). Não houve novas mortes desde ontem no Acre e em Sergipe.

Vacinação - Até o início da noite desta quarta-feira, o sistema do Ministério da Saúde marcava a aplicação de 305,7 milhões de doses no Brasil, sendo 158,3 milhões da primeira dose e 133,5 milhões da segunda dose ou dose única. Foram aplicadas ainda 13,2 milhões de doses de reforço. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2021-11-24 at 17.54.13

SAÚDE II: Boletim da Covid-19 confirma 814 novos casos e 17 óbitos

saude II 25 11 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nessa quarta-feira (24/11) mais 814 casos e 17 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os casos são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.569.098 casos e 40.537 óbitos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de novembro (436), outubro (96), setembro (61), agosto (45), julho (38), junho (44) e maio (93) de 2021; e novembro (1) de 2020. Os óbitos são de novembro (14) e outubro (2) de 2021; e dezembro (1) de 2020.

Internados - 185 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 125 em leitos SUS (75 em UTI e 50 em clínicos/enfermaria) e 60 em leitos da rede particular (34 em UTI e 26 em clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 254 pacientes internados, 236 em leitos UTI e 18 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 17 pacientes. São 8 mulheres e 9 homens, com idades que variam de 40 a 90 anos. Os óbitos ocorreram entre 27 de dezembro de 2020 e 24 de novembro de 2021.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Ponta Grossa (2), Londrina (2) e Curitiba (2). O informe registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Tamarana, Porecatu, Maringá, Ivaí, Itaipulândia, Irati, Ibema, Ibaiti, Guaraniaçu, Cascavel e Araucária.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 6.234 casos de não residentes no Estado – 222 pessoas morreram. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

Veja AQUI os ajustes (exclusões e correções de municípios).

 

SAÚDE III: Governo libera R$ 1,4 bilhão para compra de vacinas contra a Covid-19

saude III 25 11 2021O Plano Nacional de Imunização recebeu R$ 1,4 bilhão para a compra de 100 milhões de doses das vacinas contra a covid-19. A portaria com a liberação dos recursos foi publicada na terça-feira (23/11), em edição extraordinária no Diário Oficial da União.

Crédito suplementar - O dinheiro veio por meio de um crédito suplementar no Orçamento de 2021, que remanejou gastos discricionários (não obrigatórios), sem impactar as contas públicas nem estourar o teto de gastos. Caso os recursos viessem por meio de créditos extraordinários, estariam fora do teto.

Anúncio - A liberação dos recursos havia sido anunciada na última segunda-feira (22/11) pelo secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago. O governo espera comprar 340 milhões de doses de vacina contra a covid-19 para as próximas fases de imunização.

Necessário - Segundo Colnago, o crédito suplementar foi necessário porque o governo precisa adiantar 10% do valor do contrato ainda este ano. “O grosso da despesa [com a aquisição de vacinas] será no ano que vem”, declarou.

Liberados - Em 2020 e 2021, o Ministério da Economia liberou R$ 31 bilhões em créditos adicionais para a compra de vacinas e para despesas ligadas ao enfrentamento da pandemia de covid-19. (Agência Brasil)

FOTO: Ministério da Saúde

 

SAÚDE IV: Pesquisa associa casos graves a desgaste do sistema imune

saude pesquisa 25 11 2021Estudo publicado por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) apontou que casos graves de covid-19 estão relacionados a um processo de envelhecimento do sistema imunológico que ocorre durante a doença. A pesquisa está disponível na revista científica Journal of Infectious Diseases e foi divulgada nessa quarta-feira (24/11) pela Agência Fiocruz de Notícias.

Amostras - Os pesquisadores avaliaram amostras de sangue de 22 pacientes hospitalizados com covid-19 e compararam com pessoas saudáveis, o que permitiu detectar sinais de que as células de defesa conhecidas como linfócitos T auxiliares passaram por um processo de hiperatividade, exaustão e envelhecimento no caso dos infectados pelo novo coronavírus.

Função - A função dessas células é reconhecer as proteínas virais e ativar as células responsáveis por combater o vírus e produzir anticorpos. Com o desgaste, elas perdem a capacidade de se multiplicar e liderar essa resposta, explicam os pesquisadores.

Vulneráveis - Esse quadro de queda na imunidade também deixa os indivíduos mais vulneráveis a contrair infecções hospitalares e ajuda a explicar o fato de as reinfecções por covid-19 em pacientes que haviam se recuperado de um caso grave ocorrerem em uma frequência maior do que era esperado por cientistas.

Substâncias inflamatórias - Os pesquisadores encontraram ainda altos níveis de substâncias inflamatórias liberadas pelos linfócitos T auxiliares no sangue dos pacientes com covid-19. Coordenador do estudo, pesquisador do Laboratório de Imunoparasitologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e professor da Faculdade de Medicina da UFRJ, Alexandre Morrot relaciona esse processo à hiperativação dessas células de defesa. "Tudo isso reforça a importância de terapias anti-inflamatórias, voltadas para controlar a resposta imune exagerada, que é uma vilã na xovid-19", disse ele à Agência Fiocruz de Notícias.

Prejuízos - Apesar de a pesquisa ter detectado o envelhecimento dos linfócitos T auxiliares, as conclusões não permitem apontar possíveis prejuízos para o sistema imunológico dos pacientes no longo prazo.

Participantes - Também participaram do estudo o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), o Hospital Naval Marcílio Dias, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). A publicação foi dedicada à pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz Juliana de Meis, vítima da covid-19 em julho deste ano. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

 


Versão para impressão


RODAPE