In√≠cio Sistema Ocepar Comunica√ß√£o Informe Paran√° Cooperativo √öltimas Not√≠cias PARANAGU√Ā: Capacidade do Corredor de Exporta√ß√£o do porto vai dobrar

 

 

cabecalho informe

PARANAGU√Ā: Capacidade do Corredor de Exporta√ß√£o do porto vai dobrar

A mudan√ßa do conceito do projeto de moderniza√ß√£o do Corredor de Exporta√ß√£o Leste do Porto de Paranagu√° aumentar√° a capacidade operacional do complexo em 100%. A ideia inicial era ampliar em 33%. A novidade foi comunicada nesta segunda-feira (28/10) pelo diretor-presidente da Portos do Paran√°, Luiz Fernando Garcia, durante reuni√£o mensal entre a empresa p√ļblica e os representantes da Associa√ß√£o dos Terminais do Corredor de Exporta√ß√£o de Paranagu√° (Atexp).

Na frente - ‚ÄúO porto sai na frente porque a gente n√£o est√° olhando o agora, nem daqui cinco ou dez anos. Estamos olhando para os pr√≥ximos cinquenta anos, onde, sem d√ļvida, a gente consegue incrementar e dar essa tranquilidade operacional para aqueles interessados em repotenciar seus ativos‚ÄĚ, diz Garcia.

Capacidade atual - O diretor-presidente explica que a capacidade produtiva atual em cada ber√ßo de atraca√ß√£o do Corredor √© de carregar de at√© 3 mil toneladas por hora de granel, distribu√≠das em dois equipamentos existentes em cada ber√ßo. Quando a ideia de ampliar a pot√™ncia do complexo surgiu, havia se pensado elevar essa produtividade para 4 mil toneladas/hora.

Longo prazo - Por√©m, destaca Garcia, planejando mais a longo prazo, considerando a pot√™ncia dos shiploaders (equipamentos carregadores) e a demanda de mercado, ser√° poss√≠vel investir j√° neste projeto para chegar ao volume de at√© 18 mil toneladas por hora, ou seja, 6 mil toneladas/hora em cada ber√ßo de atraca√ß√£o.

Transpar√™ncia - ‚ÄúFaremos isso tudo com os terminais. Nada que a gente fa√ßa ser√° feito de forma isolada. A transpar√™ncia, a divis√£o de opini√Ķes e a busca de um consenso, sem d√ļvida, √© o melhor caminho‚ÄĚ, garante o Garcia.

Moderniza√ß√£o - O projeto para remodela√ß√£o e moderniza√ß√£o do Corredor de Exporta√ß√£o do Porto de Paranagu√°, sistema por onde s√£o movimentados gr√£os e farelos, foi apresentado em agosto, j√° com o lan√ßamento da licita√ß√£o do projeto b√°sico das obras. O certame foi realizado no √ļltimo dia 24. Apenas uma empresa apresentou proposta, que est√° em an√°lise pela Comiss√£o Permanente de Licita√ß√£o e Cadastro (CPLC) da Portos do Paran√°.

Projeto b√°sico - O projeto b√°sico para as obras de repotenciamento do complexo ser√° a base para o projeto executivo e tamb√©m das obras que dobrar√£o a capacidade de embarque de gr√£os e farelo pelos tr√™s ber√ßos exclusivos do Corredor (212, 213 e 214). O objetivo √© elevar a produtividade para reduzir o tempo de opera√ß√£o, aumentar a rotatividade das embarca√ß√Ķes e diminuir o custo de toda a cadeia.

Novo sistema - A proposta √© desenvolver um novo sistema com a instala√ß√£o de seis novas correias transportadoras e a aquisi√ß√£o de novos equipamentos eletromec√Ęnicos. As novas correias ser√£o enclausuradas ‚Äď protegidas de modo a evitar perdas na carga, sujeira da cidade e preju√≠zo √† qualidade do ar e ao meio ambiente como um todo em fun√ß√£o do p√≥. No mesmo projeto est√£o previstas todas as obras necess√°rias para que o Corredor de Exporta√ß√£o opere em plena capacidade.

Desenvolvimento - ‚ÄúA Appa hoje nos mostrou, sinalizou, que est√° no caminho do desenvolvimento e com olhar muito focado em infraestrutura e longo prazo‚ÄĚ, disse o diretor do Conselho de Administra√ß√£o da Atexp, Andr√© Maragliano, tamb√©m gerente da Cargill em Paranagu√°.

Moega exclusiva de descarga para vag√Ķes - Outro assunto abordado na reuni√£o foi o projeto que tem o objetivo de concentrar a descarga ferrovi√°ria dos gran√©is s√≥lidos no Corredor de Exporta√ß√£o em uma moega exclusiva para o modal.

An√°lise - Depois de tr√™s meses de an√°lise da proposta apresentada pela Diretoria de Engenharia e Manuten√ß√£o, em parceria com a Rumo, os operadores portu√°rios do complexo se mostram interessados em avan√ßar para consolidar a proposta.

Considera√ß√Ķes - O diretor-presidente da Portos do Paran√°, Luiz Fernando Garcia, j√° recebeu algumas considera√ß√Ķes, mas os terminais se comprometeram em reunir suas equipes t√©cnicas, com a Diretoria de Engenharia da empresa p√ļblica e a Rumo, para definir como seriam feitas as conex√Ķes a√©reas (por correias) ao novo ‚Äúmoeg√£o‚ÄĚ, as conex√Ķes ferrovi√°rias, a melhor localiza√ß√£o e posi√ß√£o do terminal ferrovi√°rio e, ainda, as regras de operacionaliza√ß√£o do novo equipamento do Corredor.

Recep√ß√£o ferrovi√°ria - ‚ÄúSe a gente quer crescer, como indicam as previs√Ķes, a gente precisa ter uma adequada recep√ß√£o ferrovi√°ria. √Č um segmento modal importante que hoje, no porto, ainda √© subaproveitado. A hora que a gente capacita e melhora o ferrovi√°rio, ganha o conjunto log√≠stico do porto‚ÄĚ, afirma o diretor-presidente da Portos do Paran√°.

Projeto - O projeto foi apresentado pela Portos do Paraná aos representantes dos Terminais do Corredor de Exportação de Paranaguá durante a reunião mensal da Atexp, em julho.

Exclusiva - A proposta √© a constru√ß√£o de uma moega (instala√ß√£o para receber e destinar graneis s√≥lidos √†s correias transportadoras) exclusiva para a descarga dos trens no Corredor de Exporta√ß√£o do Porto de Paranagu√°. Os gran√©is s√≥lidos, como soja, milho e farelo, vindos pela ferrovia chegariam nesta estrutura e seguiriam aos terminais por correias transportadoras.

Linhas independentes - Em princ√≠pio, seriam tr√™s linhas independentes de correias. Cada uma com capacidade para receber carga de at√© 60 vag√Ķes de produtos diferentes, simultaneamente. Essas correias transportadoras seriam conectadas com os terminais arrendados pela Portos do Paran√° e os demais terminais poderiam se interligar ao sistema ou operar em conjunto.

Cadeia log√≠stica - O projeto beneficia toda a cadeia log√≠stica ‚Äď portos, operadores, transportadores ‚Äď com o aumento da capacidade de descarga e redu√ß√£o dos custos, e tamb√©m para toda a comunidade.

População - Para a população, as melhorias imediatas geradas com essa reorganização da descarga ferroviária no Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá serão a eliminação das interferências rodoferroviárias; aumento da segurança; fluidez na circulação urbana; e a redução de ruídos, principalmente os gerados pelas buzinas dos trens.

Perspectiva - De acordo com o diretor do Conselho de Administra√ß√£o da Atexp, Andr√© Maragliano, tamb√©m gerente da Cargill, em Paranagu√°, com a descarga ferrovi√°ria anual ampliada, a perspectiva √© aumentar ainda mais a movimenta√ß√£o pelo Corredor. ‚ÄúHoje j√° estamos batendo na casa das 20 milh√Ķes de toneladas. O projeto permite que avancemos para algo em torno de 23 a 25 milh√Ķes de toneladas, sem outros investimentos, sem aumento de novos terminais‚ÄĚ, afirma.

Devolutiva - Uma nova reuni√£o, j√° com essa devolutiva dos terminais interessados, ficou marcada para 28 de novembro. ‚ÄúAgora vamos sentar, todos juntos, terminais, Rumo e Appa, para buscar o melhor layout que atenda √† necessidade de todos, que vai possibilitar que esse moeg√£o e as correias que v√£o lig√°-lo a todos os terminais seja o mais vi√°vel poss√≠vel, eficiente e produtivo‚ÄĚ, diz o operador. (Ag√™ncia de Not√≠cias do Paran√°)

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias

/* #### ANTIGA TAG DO GOOGLE ANALYTICS */