IBGE II: Produção industrial cresce em 12 dos 15 locais pesquisados em julho

ibge II 09 09 2020A produção industrial teve alta em 12 dos 15 locais analisados pela Pesquisa Industrial Mensal Regional, na passagem de junho para julho. O resultado, divulgado nesta quarta-feira (09/09) pelo IBGE, reflete a ampliação do movimento de retorno à produção de unidades produtivas, após paralisações por conta dos efeitos causados pela pandemia de Covid-19. A produção industrial nacional cresceu 8% em julho, pelo terceiro mês consecutivo.

Altas mais intensas - As altas mais intensas foram no Ceará (34,5%) e no Espírito Santo (28,3%), mas São Paulo (8,6%), maior parque industrial do país, segue aparecendo como principal influência. A alta paulista pode ser explicada pelo bom desempenho dos setores de alimentos e de veículos automotores. “São setores influentes na indústria paulista. Também o de máquinas e equipamentos apresentou crescimento importante”, explica o gerente da pesquisa, Bernardo Almeida.

Terceiro mês - Este é o terceiro mês de taxa positiva consecutiva de São Paulo, com ganho acumulado de 32%, “Mas ainda não recuperou o patamar pré-pandemia, estando 6% abaixo do patamar de fevereiro", ressalta Almeida.

Fatores - Já o resultado positivo no Ceará, nono local em influência no mês, se dá, segundo o analista, muito por conta das altas nas taxas do setor de couro, de artigos de viagens, de calçados e de vestuário. “É a terceira taxa consecutiva positiva para o estado, com 92,5% acumulado, mas ainda abaixo 1% do patamar pré-pandemia”, completa. Já o Espírito Santo soma avanço de 28,6% em dois meses seguidos de crescimento na produção.

Outros locais - Os outros locais com alta acima da média da indústria nacional (8%) em julho foram o Nordeste (17,5%), o Amazonas (14,6%), a Bahia (11,1%), Santa Catarina (10,1%), Pernambuco (9,5%) e Minas Gerais (9,2%). Já o Rio de Janeiro (7,6%), o Rio Grande do Sul (7,0%) e o Pará (2,1%) completam os locais com altas no mês.

Recuo - Por outro lado, três estados apresentaram recuo. Paraná (-0,3%) e Goiás (-0,3%) tiveram variações negativas, mas o Mato Grosso (-4,2%) teve recuo mais intenso em julho, após dois meses de alta, que acumularam 8,2%.

Resultado é negativo em 8 dos 15 locais na comparação com 2019 - Comparada a julho de 2019, a produção industrial brasileira teve queda em 8 dos 15 locais pesquisados. Espírito Santo (-13,4%) e Paraná (-9,1%) assinalaram os recuos mais intensos. Pará (-7,5%), Rio Grande do Sul (-7,5%), Bahia (-5,7%), Santa Catarina (-4,9%), Mato Grosso (-4,4%) e São Paulo (-3,3%) completaram o conjunto de locais com queda na produção.

Avanço mais acentuado - Por outro lado, Pernambuco (17,0%) apontou o avanço mais acentuado. Amazonas (6,0%), Goiás (4,0%), Ceará (2,7%), Minas Gerais (1,5%), Rio de Janeiro (1,0%) e Nordeste (0,9%) mostraram as demais taxas positivas. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Governo do Estado de São Paulo

 

ibge II tabela 09 09 2020

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn