COCAMAR I: Caravana ILPF inicia sua jornada pela região da cooperativa

A passagem da Caravana ILPF pela Cocamar em Maringá (PR), na segunda-feira (08/08), constou da realização de uma oficina na parte da tarde, no auditório principal, ministrada pelo pesquisador Marcelo Dias Muller, da Embrapa Gado de Leite, e uma apresentação à noite, na Associação Cocamar, que reuniu representantes da Rede ILPF e lideranças do agro regional.

O começo- Foi o início das atividades da Caravana que, ao longo dos próximos 18 meses, vai percorrer 10 Estados para conhecer as realidades regionais, bem como seus potenciais, elaborando diagnósticos para auxiliar na expansão do sistema, que atualmente já atinge 17 milhões de hectares no país e deve chegar a 35 milhões em 2030.

Crescer - Ao fazer sua saudação, o superintendente de Relação com o Cooperado, da Cocamar, Leandro Cezar Teixeira, lembrou os dez anos de fundação da Rede e disse que a ILPF [Integração Lavoura-Pecuária-Floresta) ainda tem muito a crescer no país.

Falta um seguro - “Pelo seu poder transformador, a ILPF tem tudo a ver com o tema ESG”, destacou, ao justificar que o sistema gera postos de trabalho, movimenta a economia e transforma o local onde é implantado. Teixeira só lamentou a ausência, no momento, de um seguro para a ILPF, ressaltou a necessidade de qualificação da mão de obra e também de melhorar a capacidade de convencimento do pecuarista a adotar essa tecnologia, “que representa um grande avanço e oferece muitos benefícios para ele”.

No palco - Participaram da apresentação Renato Watanabe, gerente executivo técnico da Cocamar; Itamar Jr., diretor comercial da Soesp Sementes; Roberto Castro, diretor de sustentabilidade da Syngenta; Maria Iraclézia de Araújo, presidente da Sociedade Rural de Maringá (SRM); Marcelo Dias Muller, pesquisador da Embrapa Gado de Leite e coordenador da Caravana ILPF; e Isabel Ferreira, diretora executiva da Rede ILPF.

Expansão- Para Watanabe, “a ILPF tem grande capacidade de transformação, e quando uma região se desenvolve com a aplicação do sistema, esse é o objetivo”. Ele lembrou que o país possui de 70 a 80 milhões de hectares de áreas degradadas, “o que daria um novo Brasil rural”.

Áreas degradadas - O gerente executivo técnico mencionou ainda que a região do arenito caiuá, no noroeste paranaense, conta com pelo menos 1,5 milhão de hectares de áreas degradadas ou em vias de degradação que podem ser incorporados a esse modelo. “Foi nessa região repleta de limitações e gargalos que a Cocamar começou a sua história e com a qual aprendeu a lidar graças ao apoio da pesquisa”, disse.

Carnes - Watanabe acrescentou que a ILPF tem apresentado um crescimento constante. Ele informou ainda que a cooperativa ingressou no segmento de carnes para atender a uma demanda de pecuaristas que buscam um preço diferenciado para a qualidade de seu produto.

Braquiária - Itamar Júnior citou, em seu pronunciamento, que a Cocamar foi preponderante para que a Sementes Soesp ingressasse no segmento de braquiária ruziziensis, destacando também que o Estado de São Paulo possui ao menos 5,2 milhões de hectares de áreas degradadas, com potencial para serem aproveitadas em projetos de ILPF.

Sustentável - “A ILPF é o maior projeto de sustentabilidade apoiado pela Syngenta”, comentou o diretor Roberto Castro, ao ressaltar que nada é mais importante para o produtor que a saúde do solo.

Fórum nacional - Por sua vez, Maria Iraclézia de Araújo lembrou que a Sociedade Rural de Maringá promove há anos durante as realizações da Expoingá, um fórum nacional sobre ILPF, com a participação de especialistas e produtores. “É uma forma de apresentar as vantagens desse modelo aos pecuaristas e convencê-los a adotarem a tecnologia.”

Parcerias - Por fim, o coordenador da Caravana ILPF, pesquisador Marcelo Muller, falou sobre a importância de haver parcerias para a implementação de conhecimentos como a ILPF. “Se deixar só por conta do meio científico, há o risco de não prosperar, daí a importância das parcerias, pois os desafios são muitos”, afirmou.

Diagnóstico - Sobre a Caravana, ele disse: “vamos nos embrenhar nas regiões e fazer um diagnóstico para cada qual”, assinalando que é preciso, também, ser mais claro na comunicação com a sociedade, percebendo-se, não raramente, que a mesma tem uma visão distorcida do setor.

Eventos - Completando a programação, na terça-feira (9/8) foi realizado um dia de campo na Fazenda Flor Roxa, da família Vellini, em Jardim Olinda, na divisa dos Estados do Paraná e São Paulo; e, à noite, em Presidente Prudente, a Caravana participou do 4º Encontro sobre ILPF, promovido no Aruá Hotel. Na quarta-feira (10/8), o grupo se reuniu com produtores e pecuaristas em Nova Andradina (MS). (Imprensa Cocamar)

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn